Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência"

Transcrição

1 Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade. 3 - Presença da síndrome de abstinência ou uso da substância para evitar o aparecimento da mesma. 4 - Presença de tolerância, evidenciada pela necessidade de aumentar a quantidade para obter o mesmo efeito anterior. 5 - Abandono progressivo de outros interesses ou prazeres em prol do uso da substância. 6 - Persistência no uso, apesar das diversas conseqüências danosas.

2 Dependência de Álcool ou Alcoolismo (no mínimo, 3 dos seguintes critérios) 1. Desejo intenso ou compulsão para ingerir bebidas alcoólicas. 2. Tolerância: necessidade de doses crescentes de álcool para atingir o mesmo efeito obtido com doses anteriormente inferiores ou efeito cada vez menor com uma mesma dose da substância; 3. Abstinência: síndrome típica e de duração limitada que ocorre quando o uso do álcool é interrompido ou reduzido drasticamente. 4. Aumento do tempo empregado em conseguir, consumir ou recuperar-se dos efeitos da substância; abandono progressivo de outros prazeres ou interesses devido ao consumo. 5. Desejo de reduzir ou controlar o consumo do álcool com repetidos insucessos. 6. Persistência no consumo de álcool mesmo em situações em que o consumo é contra-indicado ou apesar de provas evidentes de prejuízos, tais como, lesões hepáticas causadas pelo consumo excessivo de álcool, humor deprimido ou perturbação das funções cognitivas relacionada ao consumo do álcool.

3 Paciente do sexo masculino, brasileiro, 41 anos, católico, casado pela segunda vez (dois filhos desse casamento e um do primeiro), vendedor. Tem duas irmãs; os pais têm boa saúde. O paciente é o único caso de alcoolismo na família. Os primeiros contatos com bebida alcoólica ocorreram na juventude. Abusos de álcool a partir de 1994, já que sob o efeito da substância apresentava dificuldades de comportamento social e interpessoal, principalmente agressividade no âmbito familiar. Nessa época houve a separação do casal (segundo casamento). Em agosto de 1994, foi internado voluntariamente no Hospital X no programa terapêutico para alcoolistas, com o diagnóstico de dependência de substância (álcool), uso contínuo, de acordo com os critérios da CID-10. Após quatro semanas de tratamento recebeu alta hospitalar. Retomou sua atividade profissional e reconciliou-se com a esposa. Não seguiu programa ambulatorial, mas permaneceu em abstinência até março de No final de março de 1999, estando certa ocasião em casa de seus pais, "sentiu uma azia muito forte". Os pais ofereceram-lhe um produto fitoterápico digestivo que tinham em casa. Fez uso de 10 ml do produto (a dose recomendada é 5 ml), e disse ter sentido "algo muito estranho". No período de abstinência também apresentava episódios compulsivos à alimentação, seguidos de vômitos induzidos. Posteriormente não só começou a utilizar a substância fitoterápica com mais freqüência para aliviar seus desconfortos digestivos, como também foi aumentando gradativamente a quantidade de consumo da substância. Em setembro de 1999, estava tomando em média 600 ml da substância por dia. Passou a ser questionado pelos familiares se estava bebendo alcoólicos, já que estava apresentando comportamentos agressivos semelhantes à época em que bebia. Porém, negava o uso de alcoólicos, ao mesmo tempo que tinha como respaldo o fato de não estar freqüentando bares, como era comum antes da primeira internação. Em outubro de 1999, por problemas de relacionamento familiar e no trabalho, o paciente assumiu que estava ingerindo o composto fitoterápico, decidindo então buscar ajuda médica, a qual indicou

4 Sindrome de abstinência de álcool Início após 6 horas da diminuição ou da interrupção do uso do álcool: Tremores, ansiedade, insônia, náuseas e inquietação. Em aproximadamente 10% dos pacientes ocorrem sintomas mais graves, que incluem febre baixa, taquipnéia, tremores e sudorese profusa. Em cerca de 5% dos pacientes surgem convulsões Outra complicação grave é o delirium tremens (DT), caracterizado por alucinações, alteração do nível da consciência e desorientação. A mortalidade nos pacientes que apresentam DT é de 5 a 25%.

5 F 10.4: Síndrome de abstinência com delirium tremens (DT) Estado confusional breve, ocasionalmente com risco de vida, que se acompanha de perturbações somáticas. É usualmente conseqüência de uma abstinência absoluta ou relativa de álcool em usuários gravemente dependentes, com longa história de uso. O início usualmente ocorre após abstinência de álcool. Em alguns casos o transtorno aparece durante um episódio de consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Os sintomas prodrômicos tipicamente incluem: insônia, tremores e medo. O início pode também ser precedido de convulsões por abstinência. A clássica tríade de sintomas inclui obnubilação de consciência, confusão, alucinações e ilusões vívidas, afetando qualquer modalidade sensorial e com tremores marcantes. Delírios, agitação, insônia ou inversão do ciclo do sono e hiperatividade autonômica estão também usualmente presentes. Curso do delirium tremens Instalação: 1 a 3 dias. Duração: 1 semana a dois meses (maioria entre 10 e 12 dias). Idosos: curso mais prolongado; maior risco de mortalidade; maior número de complicações; mais freqüentemente, a recuperação não é total.

6 Sindrome de abstinência de álcool A) Cessação (ou redução) do uso pesado ou prolongado do álcool; B) Dois (ou mais) dos seguintes sintomas, desenvolvendo-se dentro de algumas horas ou dias após o critério A: 1) Hiperatividade autonômica (por ex. sudorese ou taquicardia); 2) Tremor intensificado; 3) Insônia; 4) Náusea ou vômitos; 5) Alucinações ou ilusões visuais, táteis ou auditivas transitórias; 6) Agitação psicomotora; 7) Ansiedade; 8) Convulsões de grande mal; C) Os sintomas do critério B causam sofrimento ou comprometimento clinicamente significativo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do individuo; D) Os sintomas não são devidos a uma condição médica geral e não são melhor explicados por um outro transtorno mental; Especificar se: Com perturbações perceptuais

7

8 CLASSIFICAÇÃO DA GRAVIDADE DA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA Síndrome de Abstinência Leve: Status nutricional preservado, boa hidratação, ausência de doenças físicas intercorrentes. Queixas de nervosismo, ansiedade, agitação, dificuldade para dormir. Pode apresentar tremores de extremidades, hiporexia, sudorese e discreta instabilidade autonômica. Síndrome de Abstinência Moderada: Perturbação do sono mais acentuada, com agitação noturna, podendo haver alterações do sensório (ilusões auditivas e visuais),e pesadelos. Tremores e sudorese são mais proeminentes, bem como instabilidade neurovegetativa, taquicardia, prejuízo da concentração e da memória, anorexia, náuseas, vômitos, irritabilidade, ansiedade, hostilidade. Síndrome de Abstinência Grave ou Delirium Tremens: Febre, sudorese, taquicardia, delírios e tremores pronunciados.estado nutricional comprometido em graus variados, bem como a hidratação. Confusão mental, desorientação no tempo e espaço, déficit de memória de fixação, agitação, perplexidade, delírios ocupacionais, ilusões e alucinações visuais (em geral com animais - Zoopsias, ou pequenos Homens - alucinações liliputianas), convulsões. Agitação, insônia e piora noturna. Em geral, o quadro pode ser precedido ou acompanhado por complicações físicas, tais como hepatopatias, pancreatopatias, distúrbios gastrintestinais distúrbios hidroeletrolíticos, cardiopatias, infecções, convulsões, AVCs, TCEs e outros distúrbios neurológicos.

9 Síndrome de abstinencia de cocaína Fase I. Crash Fase II. Síndrome disfórica tardia Fase III. Fase de extinção

10 Síndrome de abstinência de cocaína Fase I. Crash Drástica redução no humor e na energia. Instalação cerca de minutos após cessado o uso da droga, persistindo por cerca de 8 horas, e podendo estender-se por até 04 dias. Associada à depleção de neurotransmissores na fenda sináptica, decorrente do uso de cocaína. O usuário pode sentir depressão, ansiedade, paranóia e um intenso desejo pelo consumo da droga (craving), que diminui depois de 01 a 04 horas. O craving inicial pelo uso da droga é substituído pelo craving pelo sono. Instala-se a hipersônia, aversão ao uso de mais cocaína, e o indivíduo desperta em algumas ocasiões para ingerir alimentos em grande quantidade. Pode durar de 08 horas até 04 dias.

11 Síndrome de abstinência de cocaína Fase II. Síndrome disfórica tardia Início entre 12 a 96 horas após cessado o uso (após o crash); pode durar de 02 a 12 semanas. Primeiros 04 dias: sonolência e desejo de consumir a droga, após o que tem início a Síndrome de Abstinência protraída, disfórica, com predomínio de anedonia, irritabilidade e apatia, e presença de craving, que varia de intensidade de indivíduo para indivíduo. O usuário pode ficar deprimido, com problemas de memória e manifestar ideação suicida. Recaídas freqüentes, como forma de tentar aliviar os sintomas disfóricos.

12 Síndrome de abstinência de cocaína Fase III. Fase de extinção Diminuição/desaparecimento de sintomas disfóricos. O craving torna-se intermitente, pode manifestar-se eventualmente, tende a diminuir de intensidade, mas pode estender-se por meses ou até mesmo anos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com F20.0 Esquizofrenia Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com algumas variedades menos comuns e transtornos intimamente relacionados. F20.0 F20.3 Critérios gerais

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

Coisas simples que todo médico

Coisas simples que todo médico Coisas simples que todo médico pode fazer para tratar o alcoolismo. Você já faz? Prof. Dr. Erikson F. Furtado Chefe do Serviço Ambulatorial de Clínica Psiquiátrica e coordenador do PAI-PAD (Programa de

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005)

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Meerkerk GJ, Aarns T, Dijkstra RH, Weisscher PJ, Njoo K, Boomsma LJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 07 TÉCNICO DE ENFERMAGEM (Saúde Mental e Psiquiatria) 01. C 11. E 21. D 02. E 12.

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg

Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg Rohypnol flunitrazepam Roche Agente indutor do sono APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 1 mg em caixa

Leia mais

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos 1 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho Saúde Mental no Trabalho Disciplina de Medicina Social e do Trabalho Acadêmicos: Arthur Danila, Barbara Novaes, Caio Casella, Bruna Piloto, Bruno Zanon, Bruno Ricci Orientadora: Prof a. Dra. Débora Glina

Leia mais

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar DEMÊNCIAS Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar Conceitos básicos Inteligência Cognição Memória Transtornos cognitivos Quadro confusional agudo Demência Inteligência Totalidade das funções cognitivas

Leia mais

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C)

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) NOME: DATA: Faça um círculo na resposta de cada item que melhor descreva seu paciente nos últimos 7 dias. 1. Insônia Inicial: 0 Nunca

Leia mais

Ética e Psicopatologia. Concurso INSS 2012

Ética e Psicopatologia. Concurso INSS 2012 Ética e Psicopatologia Concurso INSS 2012 Ética Éticaé a parte dafilosofiadedicada aos estudos dos valores morais e princípios ideais do comportamento humano.a palavra "ética" é derivada dogrego, e significa

Leia mais

ABUSO DE BENZIODIAZEPINAS NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE

ABUSO DE BENZIODIAZEPINAS NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE ABUSO DE BENZIODIAZEPINAS NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE Trabalho da cadeira de Psicofarmacologia do Mestrado em Psicologia Clínica 2012 André Leite Gonçalves Mestrado em Psicologia Clínica E-mail de contato:

Leia mais

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas,

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, 8 Remédios para Emagrecer Evandro Murer Especialista em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esportes e Lazer na UNICAMP Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, que

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

Drogas de abuso. Maxwell Santana

Drogas de abuso. Maxwell Santana Drogas de abuso Maxwell Santana Drogas de abuso Qualquer substância ou preparação, com pouco uso médico usada primariamente pelos seus efeitos gratificantes! Englobam substância psicoativas e psicotrópicas!

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA Questão nº: 21 Assinale a alternativa FALSA relativa aos quadros demenciais: a) A demência de Alzheimer se caracteriza por novelos neurofibrilares e placas

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC

DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC DROGAS DE ABUSO Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC DROGAS DE ABUSO Substância Psicoativa qualquer substância química que, quando ingerida, modifica uma ou várias funções do SNC,

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Neste texto você vai estudar:

Neste texto você vai estudar: Prevenção ao uso de drogas Texto 1 - Aspectos gerais relacionados ao uso de drogas Apresentação: Neste texto apresentamos questões gerais que envolvem o uso de drogas com o objetivo de proporcionar ao

Leia mais

Transtornos da Ansiedade e Alimentares

Transtornos da Ansiedade e Alimentares Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Transtornos da Ansiedade e Alimentares Janeiro/2014 Apresentação Mais uma vez a Amafresp traz aos filiados informações de suma importância para a saúde de todos.

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

bromazepam Comprimido 3mg e 6mg

bromazepam Comprimido 3mg e 6mg bromazepam Comprimido 3mg e 6mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromazepam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Comprimido 3mg Embalagens contendo 20, 30 e 100 comprimidos.

Leia mais

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas A ansiedade é uma vivência normal que todos os seres humanos experimentam com freqüência. Estado afetivo caracterizado por uma

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Congestionamento e Lentidão do trânsito, Repercussão na saúde e comportamento.

Congestionamento e Lentidão do trânsito, Repercussão na saúde e comportamento. Congestionamento e Lentidão do trânsito, Repercussão na saúde e comportamento. Rodrigues Alves Jr. Dr. Dirceu Os engarrafamentos e as lentidões do trânsito nas grandes cidades parecem motivo para avaliação

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB BUSPAR cloridrato de buspirona Uso oral APRESENTAÇÃO BUSPAR 5 mg é apresentado em cartuchos com 2 blisters

Leia mais

cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg

cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg cloxazolam Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. Comprimidos 1 mg 2 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloxazolam Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES cloxazolam comprimidos 1 mg. Embalagem

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina

RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.579-4 DATA 07/03/2014

Leia mais

alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente

alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente alprazolam comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Medicamento Genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte

Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte Apresenta: Apresentação: Thais F., Francine S. R. e Rita (acadêmicas) Orientação: Profa Dra.Patrícia A. Pinheiro Crenitte Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade É um distúrbio (condição crônica)

Leia mais

(A) distúrbios endócrinos que resultam na produção de prolactina (ginecomastia, lactação e mamas doloridas);

(A) distúrbios endócrinos que resultam na produção de prolactina (ginecomastia, lactação e mamas doloridas); 1- Os neurolépticos são fármacos antipsicóticos usados normalmente nas alterações psiquiátricas. Devem ser administrados sob a supervisão e o acompanhamento da enfermagem uma vez que apresentam importantes

Leia mais

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares.

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares. Dependência Química Informação é grande aliada dos amigos e familiares. O QUE É DROGA-DEPENDÊNCIA? Droga-dependência é um transtorno psiquiátrico que se caracteriza pelo uso impulsivo e descontrolado de

Leia mais

bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg

bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg bromazepam medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. Ansiolítico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 3 mg em caixa com 20 comprimidos. Comprimidos de 6 mg em caixa

Leia mais

TEXTO DE BULA LORAX. Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente.

TEXTO DE BULA LORAX. Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente. TEXTO DE BULA LORAX I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Lorax lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente.

Leia mais

Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17

Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17 Sumário 1 Diagnóstico Diferencial Passo a Passo...1 2 Diagnóstico Diferencial por Meio de Algoritmos...17 2.1 Algoritmo de Decisão para Baixo Desempenho Escolar... 22 2.2 Algoritmo de Decisão para Problemas

Leia mais

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS)

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) XIII - TRATAMENTO I DEFINIÇÃO II INTELIGÊNCIA III FATORES ETIOLÓGICOS IV EPIDEMIOLOGIA V - DIAGNÓSTICO DO RETARDO MENTAL NA CRIANÇA VI - CLASSIFICAÇÃO VII - FORMAS ETIOLÓGICAS

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR ZORIX 300 mg comprimidos revestidos por película Moclobemida APROVADO EM Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este

Leia mais

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 mg ou 2 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO

Leia mais

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos DONAREN RETARD cloridrato de trazodona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos de liberação prolongada APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos USO ORAL

Leia mais

DONAREN. cloridrato de trazodona APSEN

DONAREN. cloridrato de trazodona APSEN DONAREN cloridrato de trazodona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 50 mg. Caixas com 20 e 60 comprimidos. Comprimidos revestidos de 100 mg. Caixa com

Leia mais

Modelo de Texto de Bula ao Paciente

Modelo de Texto de Bula ao Paciente Modelo de Texto de Bula ao Paciente VENVANSE * dimesilato de lisdexanfetamina *marca depositada APRESENTAÇÃO VENVANSE cápsulas 30 mg, 50 mg e 70 mg: frascos com 28 cápsulas. USO ORAL USO PEDIÁTRICO DE

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Vivendo sem Calmantes. Ajudando você a se libertar dos calmantes, da ansiedade e da depressão

Vivendo sem Calmantes. Ajudando você a se libertar dos calmantes, da ansiedade e da depressão Vivendo sem Calmantes Ajudando você a se libertar dos calmantes, da ansiedade e da depressão Editora Livre Expressão Realizando Sonhos. Enriquecendo Vidas. São Paulo Rio de Janeiro 2014 Sumário Agradecimentos...

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

A dependência de álcool e outras drogas:

A dependência de álcool e outras drogas: A dependência de álcool e outras drogas: desafios na prevenção MARICELMA BREGOLA Alguns Dados 200 milhões de pessoas quase 5% da população entre 15 e 64 anos usam drogas ilícitas pelo menos uma vez por

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1408-5 DATA 21/02/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 Áreas de Atuação em Psiquiatria. Gabarito da Prova realizada em 13/nov/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 Áreas de Atuação em Psiquiatria. Gabarito da Prova realizada em 13/nov/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 Áreas de Atuação em Psiquiatria Gabarito da Prova realizada em 13/nov/2011 QUESTÃO 1 PARTE A Para um homem de 79 anos com prejuízo cognitivo (desorientado,

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014

Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014 Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC IBH Julho de 2014 "Personalidade é a organização dinâmica dos traços no interior do eu, formados a partir dos genes particulares que herdamos, das existências

Leia mais

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA Hailton Martinelli / Gustavo Vieira Caetano I) INTRODUÇÃO Existe um grande número de definições de emergências em psiquiatria, muitas contraditórias entre si, principalmente

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

PCDT/ CID 10: F20.0; F20.1; F20.2; F20.3; F20.4; F20.5; F20.6; F20.8 NT/ CID 10: F20.0; F20.1, F20.2; F20.3

PCDT/ CID 10: F20.0; F20.1; F20.2; F20.3; F20.4; F20.5; F20.6; F20.8 NT/ CID 10: F20.0; F20.1, F20.2; F20.3 1. Medicamentos Aripripazol 15 mg, comprimido (NT); Aripripazol 30 mg, comprimido (NT); Clozapina 25 mg, comprimido; Clozapina 100 mg, comprimido; Olanzapina 5 mg, comprimido; Olanzapina 10 mg, comprimido;

Leia mais

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL Virginia Célia de B. Oliveira Psicóloga O NORMAL E O PATOLÓGICO Conceitos de Normalidade 1. O normal: Visão de saúde como o oposto à doença;

Leia mais

V A codependência. 1 Histórico e apresentação

V A codependência. 1 Histórico e apresentação V A codependência 1 Histórico e apresentação Consideramos importante definir o conceito de codependência, em virtude de ele ter alcançado um grande peso no campo dos tratamentos das compulsões. Esse conceito

Leia mais

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA II curso Transtornos Afetivos ao Longo da Vida GETA TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Após os transtornos de déficit de atenção/hiperatividade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação à classificação diagnóstica em psiquiatria e considerando o DSM-IV-TR e a CID-10, julgue os itens a seguir. 63 O uso da L-tri-iodotironina (T3) com vistas a potencializar

Leia mais

Xanax só está indicado quando a doença é grave, incapacitante ou o indivíduo está sujeito a angústia extrema.

Xanax só está indicado quando a doença é grave, incapacitante ou o indivíduo está sujeito a angústia extrema. Folheto informativo: Informação para o utilizador Xanax 0,25 mg comprimidos Xanax 0,50 mg comprimidos Xanax 1 mg comprimidos Alprazolam Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Habilidades: Perceber a alienação das drogas e alcoolismo como destruidores da convivência e dignidade humana. Drogas O que são drogas? São substâncias,

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Os transtornos mentais comuns (TMC), expressão criada por Goldberg & Huxley (1992), caracterizam-se por sintomas como insônia,

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e outros Fatores

Leia mais

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO ANAMNESE INFORMAÇÕES GERAIS Nome: Data de Nascimento: Altura: m. Peso: Kg. Seu peso varia? SIM NÃO Caso sim, em quanto? Você tem um médico da família? SIM NÃO Se sim, qual o seu nome e como contatá-lo?

Leia mais

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM Postado por Redação IBMED 1) Toda Mulher tem TPM. MITO Nem toda mulher sofre com Tensão Pré-Menstrual e há algumas, muito poucas, que não exibem

Leia mais

Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais. Rodrigo Nicolato

Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais. Rodrigo Nicolato Tratamento farmacológico dos sintomas comportamentais Rodrigo Nicolato Sintomas comportamentais e psicológicos associados às demências Alterações Comportamentais INVENTÁRIO NEURO PSIQUIÁTRICO (NPI CUMMINGS

Leia mais

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA

02/03/2011 PERSPECTIVA SINDRÔMICA PSICOPATOLOGIA CLASSIFICAÇÕES DIAGNÓSTICAS COMPREENSÃO DAS SÍNDROMES Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG 2 Embora a psicopatologia psiquiátrica contemporânea tenda, cada vez mais, a priorizar

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR Neri M. Piccoloto www.terapiascognitivas.com.br TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR Em todos os países industrializados do mundo, a incidência de depressão,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 22, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 22, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 22 - Áreas de atuação em Psiquiatria Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

Livipark (dicloridrato de pramipexol)

Livipark (dicloridrato de pramipexol) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Livipark (dicloridrato de pramipexol) APRESENTAÇÕES Livipark (dicloridrato de pramipexol) comprimidos de 0,125 mg. Embalagem contendo 30, 60 e 100 Livipark (dicloridrato

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente,

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA QUESTÃO 21 São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, EXCETO: a) O indivíduo apresenta delírios que não sejam bizarros por pelo

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

1. A adoção da auto avaliação como

1. A adoção da auto avaliação como Questionário de Auto avaliação da Saúde Vocal: * Aqui específico para professores, podendo ser adaptado para demais profissões que utilizem a voz. 1. A adoção da auto avaliação como parte integrante dos

Leia mais