Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013"

Transcrição

1 Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013

2 Sistema imune do intestino delgado O tubo digestivo é constantemente exposto aos fatores do meio ambiente, como por exemplo, microrganismos e antígenos da dieta; Dessa forma, ocorre uma interação entre os microrganismos do interior do tubo digestivo e do ambiente externo, o que exerce uma importante influência na saúde do hospedeiro; Sistema imune do intestino é capaz de reagir a microrganismos prejudiciais e mantém-se tolerante aos microrganismos do intestino e antígenos presentes na dieta. Backhed F et al. Host-bacterial mutualism in the human intestine. Science 2005: 307 (5717):

3 Sistema imune do intestino delgado O intestino humano abriga uma estimativa de 100 trilhões de organismos; A grande maioria é composta por bactérias, envolvendo diferentes espécies; 99% do total de microrganismos correspondem a espécies de bactérias, sendo a maioria delas anaeróbia. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Nishio J. Immunoregulation by the gut microbiota. Cell. Mol. Life Sci. (2012) 69:

4 Sistema imune do intestino delgado A denominação microbiota intestinal refere-se justamente a essa comunidade microbiana presente no intestino; Inclui grupos bacterianos como: Bifidobacteria, Enterobacteria, Clostridia, Lactobacillus e Enterococo frequentemente presentes, mas não obrigatoriamente, no intestino de adulto saudáveis; Essa microbiota pode variar de acordo com muitos fatores, como local colonizado e idade do hospedeiro. Mai V et al. Colonic bacterial flora: changing undertandings in the molecular age. J Nutr 2004; 134 (2):

5 Sistema imune do intestino delgado No primeiro ano de vida, a microbiota é menos estável que no adulto; A colonização bacteriana do intestino do neonato depende do tipo de parto, da dieta (leite materno ou fórmula infantil), da flora bacteriana materna, além das condições de higiene; Uso de antibióticos também determina alterações importantes, tanto da quantidade quanto do tipo de colonização. Steinhoff U. Who controls the crowd? New findings and old questions about the intestinal microflora. Immunol Lett 2005; 99 (1):12-6.

6 Sistema imune do intestino delgado Em realção a microbiota do intestino delgado, o duodeno e jejuno devem conter um total inferior a UFC; Possuem comunidade microbiana transitória, caracterizada por bactérias derivadas dos alimentos ingeridos, diferente da microbiota do colon, que é persistente. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Nishio J. Immunoregulation by the gut microbiota. Cell. Mol. Life Sci. (2012) 69:

7 Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

8 Sistema imune do intestino delgado Essa população de bactérias representa uma série de contribuições chave na saúde do hospedeiro: Melhora digestão; Ajuda no desenvolvimento do sistema imune; Limita a colonização patogênica através de competição por espaço e nutrição. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Nishio J. Immunoregulation by the gut microbiota. Cell. Mol. Life Sci. (2012) 69:

9 Sistema imune do intestino delgado A participação da microflora no sistema imune inclui: - Ativação: qualquer pertubação no estabelecimento da microflora refletirá no equilibrio da microbiota e consequente ativação do sistema imune; - Modulacão: Ex. Bifidobacteria estimula resposta imune protetora; - Regulação: supressão da resposta imune por meio de tolerância oral, com redução das respostas humoral e celular. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Nishio J. Immunoregulation by the gut microbiota. Cell. Mol. Life Sci. (2012) 69:

10 Sistema imune do intestino delgado A interação entre a microbiota intestinal e o hospedeiro envolve uma relação que pode ser: Simbiótica: Ambos os organismos se beneficiam mutuamente; Patológica: Um organismo se beneficia à custa do prejuízo do outro; Comensal: Um dos organismos é beneficiado, sem prejudicar o outro. Steinhoff U. Who controls the crowd? New findings and old questions about the intestinal microflora. Immunol Lett 2005; 99 (1):12-6.

11 Sistema imune do intestino delgado Essa relação de simbiose é dependente de limitação da penetração de bactérias nos tecidos; Desafio: Linha tênue entre mutualismo e patogenicidade; A composição da flora intestinal é dinâmica e pode variar com localização geográfica, estado nutricional e status imunológico; Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

12 GALT Existe uma interação dinâmica entre a microflora intestinal, o epitélio intestinal e o sistema imune do mucosa intestinal, resultando num equilíbrio para o hospedeiro; O sistema imune da mucosa constitui uma barreira imunológica intestinal; Formada pelas imunoglobulinas e pelo tecido linfoide associado ao intestino - GALT (gutassociated lymphoid tissue). Steinhoff U. Who controls the crowd? New findings and old questions about the intestinal microflora. Immunol Lett 2005; 99 (1):12-6.

13 GALT GALT inclui: Tecido linfoide difuso: apêndice cecal e folículos linfoides solitários; Tecido linfoide organizado: placas de Peyer e células M. Steinhoff U. Who controls the crowd? New findings and old questions about the intestinal microflora. Immunol Lett 2005; 99 (1):12-6.

14 O sistema imune intestinal pode ser dividido em sistema imune inato e adaptativo; Exercem papel importante para o equilíbrio entre a microbiota intestinal e o hospedeiro; São responsáveis pela defesa contra as microrganismos patogênico: reações iniciais - imunidade inata - e pelas respostas tardias - imunidade adquirida; Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

15 Imunidade inata Imunidade inata envolve: Barreiras químicas e físicas: epitélio, acidez gástrica, camada de muco, microbiota intestinal; Células fagocitárias: granulócitos, macrófagos, células NK; Sistema complemento e citocinas. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

16 Imunidade adaptativa Imunidade adaptativa: envolve linfócitos proporcionam proteção durardoura após exposição ao antígeno; Pode ser: Humoral: mediada por linfócitos B e anticorpos produzidos por eles; Celular: mediada por linfócitos T e citocinas. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

17 Imunidade inata epitélio intestinal Representa a interface entre o hospedeiro e a microbiota comensal; Atua como barreira física, separando agentes altamente imunogênicos do lúmen intestinal de outros imunoreativos da submucosa; Expressa múltiplos receptores para detectar presença de bactéria patogências e comensais; Produz moléculas antimicrobianas como alfa e beta defensinas, lecitinas, dentre outras. Nishio J. Immunoregulation by the gut microbiota. Cell. Mol. Life Sci. (2012) 69:

18 Epitélio intestinal Fatores que contribuem para manter baixa carga de bactérias: Peristaltismo: previne a estase de nutrientes e bactérias Muco: mecanismo de barreira Secreção de substâncias antibacterianas pelo epitélio Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2): Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

19 Enzimas digestivas Incluem enzimas gástricas, pancreáticas e da borda em escova; Papel de destaque proteólise eficaz diminui a possibilidade de absorção de proteínas capazes de desencadear reações alérgicas. Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2): Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

20 Epitélio intestinal O epitélio intestinal é composto por 4 linhagens de células: Enterócitos: absorção Células caliciformes: produção de muco Células enteroendócrinas Células de Paneth: produção de peptídeos antimicrobianos Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2):24 129

21 Enterócitos Tem importante papel no processamento final de nutrientes e na sua absorção; Possuem junções celulares especializadas (complexo juncional), que influencia na permeabilidade da barreira intestinal; Participação em mecanismos imunológicos: sintetizam citocinas e quimiocinas, atuam na transdução de sinais inflamatórios, podem agir como células apresentadores de antígenos. Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2): Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34

22 Células M Célula epitelial membranosa; Especializadas na captura de antígenos para os tecidos linfóides da mucosa intestinal. Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34

23 Células caliciformes Especializadas na secreção de muco que recobre a superfície das vilosidades; Dificulta a penetração de agentes patogênicos; Proteje as células epiteliais das enzimas digestivas e lubrifica a superfície. Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2): Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34

24 Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2): Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009 Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34 Células de Paneth Células de Paneth estão presentes na base das criptas do intestino delgado, em maior concentração no íleo terminal; Responsáveis pela maior produção de proteínas antimicrobianas do intestino delgado: lisozimas, a-defensinas, fosfolipase A2 e lecitina; Já foi demonstrado que estas células tem um mecanismo autônomo para detecção de batérias com potencial invasivo, além de fungos, protozoários e vírus.

25 Macrófagos Responséveis pela rápida eliminação de microrganismos que penetram na barreira mucosa; Atuam na fagocitose e destruição destes patógenos que penetram na lâmina própria. Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

26 Resposta humoral A resposta humoral do intestino é caracterizada pela produção de IgA no epitélio e sua secreção no lúmen intestinal; É a imunoglobulina mais abundante da mucosa (80-90%); Sintetizada na lâmina própria em resposta à ativação dos linfócitos T das placas de Peyer; Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2):24 129

27 Resposta humoral Estruturalmente, existem 2 isoformas de IgA, a monomérica e a polimérica; A IgA polimérica secretada é resistente à proteólise intraluminal e tem importante papel no desenvolvimento da tolerância; No lúmen intestinal, a IgA pode formar imunocomplexos com os antígenos alimentares ou com patógenos, neutralizando-os e evitando sua penetração; Além disso, inibe a proliferação viral dentro do enterócito e neutraliza enterotoxinas; Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34

28 Resposta humoral A IgA pode também atuar a nível intraepitelial e subepitelial, captando os antígenos que atravessam a barreira intestinal. A criança apresentará o mesmo número de células produtoras de IgA do adulto quando atingitr 1-2 anos período que a microbiota se torna semelhante ao adulto. Santaolalla R. Innate immunity in small intestine. Curr Opin Gastroenterol March;28(2):24 129

29 Imunidade celular A imunidade celular é mediada pelos linfócitos T e seus subprodutos; Os linfócitos T CD4+ são classificados em 2 subtipos e são relacionados da sequinte forma com a inflamação da mucosa intestinal: Tipo Th1, caracteriza-se por inflamação transmural e granulomatosa Doença de Crohn; Tipo Th2 é caracterizada por inflamações superficiais com exsudato celular inflamatório agudo e edema na mucosa colite ulcerativa. Brand S. Crohn's disease: Th1, Th17 or both? The change of a paradigm: new immunological and genetic insights implicate Th17 cells in the pathogenesis of Crohn's disease. Gut 2009

30 Imunidade celular Para não responder aos antígenos da dieta e à microbiota, o sistema imune do intestino exerce uma ação de supressão, que envolve tanto a tolerância oral, quanto equilíbrio entre resposta Th1/Th2 importantes para evitar resposta imune inapropriada; Um dos mecanismos para promover equilíbrio entre tolerância e imunidade envolve a presença das células T reguladoras (Treg), que podem suprimir ativamente respostas antígeno-específicas; Treg são importantes no controle da resposta imune a antígenos do próprio indivíduo, evitando a autoimunidade e para manter a tolerância; Brand S. Crohn's disease: Th1, Th17 or both? The change of a paradigm: new immunological and genetic insights implicate Th17 cells in the pathogenesis of Crohn's disease. Gut 2009

31 Imunidade celular Tolerância oral: capacidade de se reconhecer e ignorar determinado antígeno por meio de sua exposição prévia por via oral; Assim, as células Treg são importantes no controle da resposta imune a antígenos do próprio indivíduo no sentido de evitar a autoimunidade e manter a tolerância. Brand S. Crohn's disease: Th1, Th17 or both? The change of a paradigm: new immunological and genetic insights implicate Th17 cells in the pathogenesis of Crohn's disease. Gut 2009

32 Linfócitos intraepiteliais A resposta celular envolve os linfócitos intraepiteliais (LIE) que atuam na manutenção da integridade do epitélio intestinal; Localizam-se nos espaços intraepiteliais do intestino, onde são expostos a uma variedade de antígenos microbianos e alimentares; Um subtipo de LIE, os linfócitos gama-delta, parece desempenhar importante papel na tolerância oral. Ismail AS et al. Gamma-delta intraepithelial lymphocytes are essential mediators of host-microbial homeostasis at the intestinal mucosal surface. Proceedings of the National Academy of Sciences. 2011; 108:

33 Linfócitos intraepiteliais LIE gama-delta também contribuem com a imunidade adaptativa, restaurando a homeostase da mucosa após dano ao epitélio: Reparo do epilélio através da secreção de fatores de crescimento epitelial; Expressam fatores próinflamatórios e antimicrobianos em resposta a sinais da microbiota; Consequentemente, atuam na limitação na penetração bacteriana na mucosa lesionada. Ismail A. Reciprocal Interactions between Commensal Bacteria and gama-delta Intraepithelial Lymphocytes during Mucosal Injury. The Journ of Immunology, 2009, 182:

34 Duerkop BA et al. Immune Responses to the Microbiota at the Intestinal Mucosal Surface. Immunity31,Sept18,2009

35 O intestino constitui a maior interface entre o ser humano e o meio ambiente, e uma barreira intestinal intacta é, portanto, essencial na manutenção da saúde e prevenção de doenças; A barreira intestinal possui vários componentes imunológicos e não imunológicos, sendo barreira epitelial é um dos componentes não-imunológicas mais importantes; Hiperpermeabilidade desta barreira pode contribuir para a patogénese de várias doenças gastrointestinais incluindo a doença inflamatória do intestino, doença celíaca e alergia alimentar. Farhadi A. Intestinal barrier: An interface between health and disease. Journal of Gastroenterology and Hepatology (2003).

36 Alergia alimentar Algumas situações podem alterar os mecanismos protetores da barreira intestinal e colocar em risco a tolerância oral e aumentar a susceptibilidade para o desenvolvimento de alergias alimentares: Aumento da permeabilidade da barreira intestinal e baixa atividade enzimática, observada em recémnascidos, lactentes e desnutridos; Diminuição da secreção ácida, por uso de medicamentos, por alterar microbiota e reduzir proteólise; Inflamações intestinais lesões vilositárias com aumento da permeabilidade intestinal. Ramiro E et al. The bowel: a key component of the immune system. Rev Esp Enferm Dig 2008; 100 (1):29-34

37 Teoria da higiene Exposição a microrganismos no início da vida é importante para o desenvolvimento de um sistema imune equilibrado; A interação dinâmica entre a microbiota intestinal e os fatores externos do ambiente exerce influência no hospedeiro, no sentido deste apresentar um sistema imune balanceado, em especial o sistema imune da mucosa intestinal. Farhadi A. Intestinal barrier: An interface between health and disease. Journal of Gastroenterology and Hepatology (2003).

38 Doença inflamatória intestinal No passado, muitos modelos experimentais responsabilizavam diversos agentes infecciosos como causa e como fatores de exacerbação das doenças inflamatórias intestinais (DII); Estudos observacionais e não investigados laboratorialmente; Monteleone I et al. Immunoregulation in the gut: success and failures in human disease. Gut 2002.

39 Doença inflamatória intestinal Atualmente, vem sendo investigado a perda da tolerância imune aos comensais bacterianos entéricos; Hipótese fortemente justificada pela observação da peculiar flora entérica do paciente com DII, caracterizada por: Aumento do número de bactérias agressivas, como Bacterioides, E. coli invasora e Enterococcus Diminuição da bactérias protetoras como Lactobacillus e bifidobactérias. Monteleone I et al. Immunoregulation in the gut: success and failures in human disease. Gut 2002.

40 Doença inflamatória intestinal Evidencias crescentes indicam que uma desregulação do sistema imune, geneticamente determinada, contra flora bacteriana residente possa estar envolvido na patogênse destas doenças; Em biópsia de pacientes com DII, foi observado que celulas T CD4+ representam a vasta maioria de celulas mononucleares infiltrando o intestino; Evidencias indicam que estas células CD4+ tem papel fundamental na patogênese do dano tissular na DII, especialmente na DC; O mecanismo que acarreta essa ativação descotrolada de celulas T ainda não está completamene elucidado; Acredita-se que moléculas contra-reguladores (TGF beta1, IL-10), envolvidos em manter a tolerância contra flora residente, tem atividade defeituosa. Monteleone I et al. Immunoregulation in the gut: success and failures in human disease. Gut 2002.

41 Doença de Crohn Outro fator importante, a susceptibildade genética do hospedeiro, ganhou destaque após a descoberta da associação da doença de Crohn com mutações do gene NOD2; Pacientes com defeitos no NOD2 tem redução na expressão de alfa-defensinas antimicrobianas nas células de Paneth, com consequente alteração no reconhecimento bacteriano e controle da inflamação; Estas observações sugerem que o produto do gene NOD2 confere susceptibilidade à doença de Crohn, documentando assim um modelo molecular para o mecanismo patogénico da doença de Crohn, que pode agora ser adicionalmente investigado. Hugot JP.Association of NOD2 leucine-rich repeat variants with susceptibility to Crohn's disease Nature. 2001

42 Doença de Crohn Tradicionalmente, a doença de Crohn tem sido associada a um perfil de citocinas Th1, enquanto que as citocinas Th2 são moduladores da colite ulcerativa; Este conceito tem sido desafiada pela descrição de células T reguladoras (Treg) e por células Th17 pró-inflamatórias, uma nova população de células T caracterizada pela produção de citocinas próinflamatórias e quimiocinas; Vários estudos demonstraram um papel importante das células Th17 na inflamação intestinal, particularmente na doença de Crohn; Estudos de associação do genoma indicam que existem genes envolvidos na diferenciação Th17 que estão associados com a susceptibilidade à doença de Crohn e em parte também a colite ulcerativa; Tomadas em conjunto, as células Th1 e Th17 são mediadores importantes da inflamação em doenças de Crohn. Brand S. Crohn's disease: Th1, Th17 or both? The change of a paradigm: new immunological and genetic insights implicate Th17 cells in the pathogenesis of Crohn's disease. Gut 2009

43 Há pouco consenso sobre o possível papel de proteção da barreira intestinal para a prevenção ou tratamento das doenças gastrointestinais; No entanto, várias medidas de protecção têm sido utilizados para melhorar a função de barreira intestinal, como uso de antioxidantes, fator de crescimento, nutrição enteral e uso de probióticos. Farhadi A. Intestinal barrier: An interface between health and disease. Journal of Gastroenterology and Hepatology (2003).

44 Probióticos São microrganismos vivos que, quando administrados em quantidade adequada, conferem um efeito benéfico para a saúde do hospedeiro; O uso dos probióticos tem sido decrito como intervenção preventiva e terpêutica para doenças gastrointestinais, como diarréia aguda ou associada ao uso de antibióticos, cólon irritável, doença inflamatória intestinal, constipação; Tem ação semelhante à microbiota normal, atuando na barreira física e funcional do trato gastrointestinal. Pena FJ. Probiotics and mucosal barrier in children. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 2008 Quigley EMM. Prebiotics and probiotics modifying and mining the microbiota. Pharmacol Res 2010.

45 Probióicos Os mecanismos envolvidos no efeito protetor dos probiótiocos incluem: Aumento na produção de anticorpos, principalmente da IgA Aumento da atividade fagocítica e modulação da produção de citocinas; Associam-se ao aumento na quantidade de IFN-gama, expansão de linfócitos B e células NK; Competição por sítios de adesão ou por fonte nutritiva; Aderem-se ao muco sem degrada-lo e inibem a adesão de bactérias patogênicas. Pena FJ. Probiotics and mucosal barrier in children. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 2008 Quigley EMM. Prebiotics and probiotics modifying and mining the microbiota. Pharmacol Res 2010.

46 Probióticos Os probióticos diferem entre si; As condições clínicas nas quais sua eficácia tem sido relatadas são várias, sugerindo que não exista apenas um único mecanismo de ação para todos os tipos de probióticos. Pena FJ. Probiotics and mucosal barrier in children. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 2008 Quigley EMM. Prebiotics and probiotics modifying and mining the microbiota. Pharmacol Res 2010.

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Luiz Felipe Caron A resposta imune pode ser dividida em resposta inata e resposta adaptativa nas aves, como em outras espécies. Esta diferença está

Leia mais

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias I Congresso Médico de Guarulhos Maria Elisa Bertocco Andrade CHPBG - IAMSPE Alergia Nas últimas décadas, número crescente

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO Oscar Morales Beatriz Cardoso D.M.V; M.Sc Vineland, E.U.A O aparelho digestivo pela sua própria natureza está em permanente contato com agentes e substâncias do meio externo.

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças

Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Microrganismos e hospedeiros: microbiota residente, transitória e doenças Disciplina: Microbiologia Aplicada

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

Ana Carolina Étori Aguiar

Ana Carolina Étori Aguiar Ana Carolina Étori Aguiar SUMÁRIO Conceito; Imunidade Inata Componentes; Reconhecimento de microrganismos; Mecanismos efetores; Distúrbios congênitos e alterações na Imunidade Inata; Desafios e Previsões.

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H30 08H50 ABERTURA 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA 09H20 09H50 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Componentes do sistema imunitário Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Capítulo 167 O sistema imunitário é composto por células

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IMUNOPARASITOLOGIA Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução...1

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas ANTÍGENO E ANTICORPO SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA Aviso: Início das aulas práticas Laboratório de Imunologia, Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia, Instituto

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Prebióticos e probióticos na alergia diferencial. Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica

Prebióticos e probióticos na alergia diferencial. Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Prebióticos e probióticos na alergia diferencial Márcio Miasato Residente de 3º Ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Histórico * Elie Metchnikoff (cientista russo, professor do Instituto Pasteur)

Leia mais

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma AUTOIMUNIDADE Conceito Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma série de antígenos próprios Doença Autoimune é uma síndrome provocada por lesão tissular ou alteração funcional

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família

DICAS DE SAÚDE Proteja sua família DICAS DE SAÚDE Proteja sua família Elaborado: Apoio: Saúde e o Sistema Imunológico Saber como o organismo combate os agressores e se protege, assim como conhecer os fatores que o levam a um funcionamento

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

INTERAÇÃO BACTÉRIA-HOSPEDEIRO

INTERAÇÃO BACTÉRIA-HOSPEDEIRO INTERAÇÃO BACTÉRIA-HOSPEDEIRO Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz INTERAÇÃO BACTÉRIA - HOSPEDEIRO O PLANETA MICROBIANO Os microrganismos são ubíquos e são capazes de se adaptar a qualquer ambiente físico-químico.

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS

Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS É um processo inflamatório agudo da mucosa, geralmente de natureza transitória. A inflamação pode ser

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde DOENÇA DE CROHN: Etiologia, Patogénese e suas Implicações na Terapêutica

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde DOENÇA DE CROHN: Etiologia, Patogénese e suas Implicações na Terapêutica UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde DOENÇA DE CROHN: Etiologia, Patogénese e suas Implicações na Terapêutica - Dissertação de Mestrado - Iolanda Cristina Teixeira Ribeiro Dissertação

Leia mais

Hiperplasia Nodular Linfóide

Hiperplasia Nodular Linfóide DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Hiperplasia Nodular Linfóide Tatiana Furlan Berreta Fornaro Residente de 3º Ano Introdução

Leia mais

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico Informações Técnicas RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico CAS NUMBER: 9036-66-2 SINÔNIMOS: Arabinogalactana, Lariço arabinogalactana, Galactoarabinina, Fibra lariço, Goma lariço NOME BOTÂNICO:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

IV - IMUNOGLOBULINAS

IV - IMUNOGLOBULINAS Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IV - IMUNOGLOBULINAS Sumário Monitor: Bruno Bezerril 1. Definição....

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 Monitor: Ricardo Souza ÓRGÃOS LINFÓIDES 1-ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas.

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. GRUPO 2 BIO. 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. (Adaptado de CÉSAR & SEZAR, Biologia. São Paulo: Saraiva, vol 1, 1995.) Com base nas

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS. Dr. Celso Cukier Nutrólogo

VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS. Dr. Celso Cukier Nutrólogo VAMOS AOS FATOS PROBIÓTICOS PERGUNTAS E RESPOSTAS Dr. Celso Cukier Nutrólogo Dr. Celso Cukier CRM-SP: 65.052 Presidente da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Médico assistente colaborador

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Sistema Digestório Ciências da Natureza Ensino Médio 4min 45seg Habilidades: (H30) Identificar a função dos órgãos e

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Aula - Terapia Gênica. Unidade Curricular: Cultura de Células Animais. Prof. Me. Leandro Parussolo

Aula - Terapia Gênica. Unidade Curricular: Cultura de Células Animais. Prof. Me. Leandro Parussolo Aula - Terapia Gênica Unidade Curricular: Cultura de Células Animais Prof. Me. Leandro Parussolo O que é? O que não é? O que será? 1990 (EUA) - Primeiro protocolo clínico de Terapia Gênica em humanos 2

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS

PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS PATOGENIA DAS INFECÇÕES VIRAIS Profª Maria Luzia da Rosa e Silva Viroses em humanos Patogenicidade: capacidade de infectar o hospedeiro e causar doença infecção viral (1) injúria nos órgãos (2) manifestações

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Conduta dietética na intolerância à lactose

Conduta dietética na intolerância à lactose UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA Conduta dietética na intolerância à lactose Karina Akemi Yamasaki Nutricionista Especializanda Disciplina

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os O que é a Imunidade? Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os e eliminando-os Funções: Eliminação de agentes estranhos no

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Marcela Lie Kawasaki Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais