CORECON. Key Points de Alocação de Recursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORECON. Key Points de Alocação de Recursos"

Transcrição

1 CORECON Key Points de Alocação de Recursos Ricardo de Campos Hedging-Griffo Outubro/2005

2 Quem sou eu? Não sou consultor! Não sou professor! Não sou economista! Sou um gestor de fundos!!!

3 Agenda O que é risco? A indústria de fundos Key Points de alocação - Alocação de recursos x market timing - Risco x Retorno - Busca por hedge - Perigos da alavancagem Análise Fundamentalista Algumas dúvidas Como escolher um fundo?

4 O que é risco? Risco é a probabilidade de não ocorrência do esperado - Samuel Hazzan Risco: diretamente associado ao horizonte de investimento Curto prazo - Volatilidade Longo prazo - Perda do poder de compra No curto prazo, o risco é você estar investido no mercado de ações, no longo prazo o risco é você não estar...

5 O que é risco? Retorno de Bolsa e Renda Fixa em diversos períodos de tempo

6 O que é risco? Retornos de Ações vs. Short Term Bonds Retornos de Ações vs. Short Term Bonds % % % % 1 ano % 10 anos % % % % % % % % % 2 anos % 20 anos % % % % % % % % % 5 anos % 30 anos % % % % %

7 O que é risco? Investidor não responde a risco, responde ao medo Gary Becker Nobel Economist Probabilidade de evento ruim pode ser muito baixa, mas se for cogitada investidor muda seu comportamento Probabilidade de um evento ruim pode ser grande, mas não provocar medo - investidor não muda o comportamento, as vezes com resultados catastróficos Infelizmente o que provoca medo é um mercado em queda e não aumento dos riscos Posições são normalmente zeradas não quando riscos ficam fora de proporçao mais sim quando mercado queda do mercado é fait accompli

8 Necessidade constante de avaliação do risco Causa Efeito Percepção de risco dos mercados varia no tempo Volatilidade variam ao longo do tempo Relações Econômicas justas podem não valer no curto prazo Correlações entre ativos variam ao longo do tempo Volatilidade e Correlações variantes no tempo Perde-se a noção do risco efetivo que se está correndo

9 O improvável NÃO é sinônimo do impossível Eventos recentes (crise da Ásia, Rússia, Real, Nasdaq, Argentina, racionamento, eleições, China) mostram que nem sempre o passado é um bom indicativo do que vai ocorrer no futuro. Longo Prazo não é garantia de retorno!!! Porém, chance de obter-se bons retornos é muito maior no longo prazo do que no curto História dos investimentos no Brasil foi distorcida pelos planos econômicos e desenvolvimento recente do mercado

10 Curto prazo x Longo Prazo O CDI é um bom negócio? Estudos de Peer Comparison e Track Benchmark (CDI) Esses dois conceitos levam a maioria dos fundos a ter como objetivo bater o CDI mesmo que o CDI seja um péssimo negócio no longo prazo. Taxa de juros reais durante o início do plano Real criou a ilusão que o CDI é rei. Taxa de juros reais no longo da historia não mostra isso

11 Quanto o CDI gerou de riqueza em 6 anos? Cdi Mês Rent. Bruta Rent. Real IGP-M Riqueza Acum. Início 100,00 100,00 100,00 - janeiro-99 2,17% 102,17 101,74 100,84 0,90 janeiro-00 1,45% 126,94 121,97 121,59 0,38 janeiro-01 1,26% 148,67 139,16 132,87 6,29 janeiro-02 1,53% 174,80 159,26 146,28 12,99 janeiro-03 2,00% 209,11 184,92 186,89 (1,97) janeiro-04 1,26% 255,60 218,68 200,25 18,42 janeiro-05 1,38% 297,25 249,70 224,03 25,67 setembro-05 1,50% 334,49 277,20 223,61 53,58 CDI - IR CDI Acum. CDI-IR Come Cotas IGP-M Riqueza Resultado 234,49% 187,59% 177,20% 123,6% 53,58% Rentabilidade CDI Anualizada 19,59% Rentabilidade Real Anualizada 6,56% Rentabilidade Real Mensalizada 0,53% *Fim do come cotas mensal 30/09/04

12 Evolução do sistema financeiro nacional Número de Empresas Gestão Renda Fixa Ações Bancos Empréstimos simples Corretoras Velho Corretor Bancos Comerciais e Corretoras Tempo

13 Evolução do sistema financeiro nacional Número de Empresas Gestão Renda Fixa Ações Bancos Empréstimos simples Corretoras Velho Corretor Bancos Comerciais e Corretoras Produtos Fusões e Aquisições IPOs e emissão de debêntures Produtos vinculados à Dívida Brasileira Bancos de Investimento Garantia Tempo

14 Evolução do sistema financeiro nacional Gestão Produtos Sofisticação da Gestão Renda Fixa Fusões e Aquisições AbsoluteReturn Número de Empresas Ações Bancos Empréstimos simples Corretoras Velho Corretor Bancos Comerciais e Corretoras IPOs e emissão de debêntures Produtos vinculados à Dívida Brasileira Bancos de Investimento Instrumentos Derivativos (Gestão / Tesouraria) Research Brokers / Discount Brokers Assets Independentes E hoje? Garantia Especialização em Ações Stock Picking Long / Short Dividendos Setorial Tempo

15 Evolução do modelo de estrutura societária A figura do dono Um ou um grupo de acionistas controladores: Familiar Funcionários motivados pelo salário Verticalização e Hierarquia Capital Aberto Acionistas majoritários são os controladores: Familiar Funcionários motivados pelo salário e bônus Acionistas minoritários motivados pelos dividendos e crescimento Partnership Acionistas majoritários são os controladores Não mais familiar, mas sim pessoas com diferentes skills Acionistas minoritários diretamente ligados ao negócio Colaboradores motivados pela oportunidade de se tornar sócio Meritocracia Tempo Modelo de Estrutura Societária da Hedging Griffo: Partnership

16 Histórico : Consolidação da fusão entre a Hedging e a Griffo. Surge a Hedging-Griffo Corretora de Valores 1986: Inicia-se a fusão entre a Hedging e a Griffo Corretora, no mesmo ano em que é criada a BM&F: expansão dos mercados futuros, com inclusão de instrumentos para operação de juros, câmbio e índice Bovespa. 1981: Hedging Corretagem de Mercadorias é fundada por experts em mercados futuros agrícolas: surge o conceito de PARTNERSHIP. 1995: Início do HG Top FIF - Primeiro fundo de fundos do Brasil. Aumenta a base de clientes. 1992: HG cria o primeiro Fundo de Commodities (FIC) do país, início da gestão de recursos para clientes: surge HG Asset Management. 1997: Início do HG Verde. 1996: Início do Private Banking. 2002: Início do Alpha HG Fund. 2002: HG consolida-se como uma das mais importantes administradoras de recursos private do Brasil.

17 ATIVIDADES Mercado de Asset Management Alocação Área de Research Private Distribuição Análise Econômica Análise de Ações Consultoria Gestão Front-Office Controladoria Controles CVM Liquidação BACEN Custódia Risco Auditoria Compliance / Jurídico Órgãos Reguladores Banco Custodiante Back-office

18 ATIVIDADES Mercado de Asset Management Área Comercial Private Front-Office CVM BACEN Alocação Distribuição Consultoria Controladoria Liquidação Custódia Área Prospecção de Research novos clientes Follow-up Análise Análise de Econômica Ações Sugestão de Investimento Manutenção do cliente - Acompanhamento Gestão de mercado e cenário econômico - Mudança de carteira Controles - Sugestão de novos investimentos Potencialização dos clientes Interação com todas as áreas da empresa para Geração de Compliance Negócios Risco Auditoria / Jurídico Órgãos Reguladores Banco Custodiante Back-office

19 ATIVIDADES Mercado de Asset Management Área de Research Análise Econômica Alocação - Modelos macroeconômicos - Private Estimativas e projeções Distribuição de inflação, crescimento, fluxo de capital, câmbio etc. - Análise Política - Análise Global Front-Office Consultoria Área de Research Análise Econômica Gestão Análise de Ações Análise de Ações Controladoria Controles - Valuation CVM - Visita a empresas Liquidação - Contato com outros analistas percepção de mercado BACEN - Apresentações e relatórios Custódia Risco Auditoria Compliance / Jurídico Órgãos Reguladores Banco Custodiante Back-office

20 ATIVIDADES Mercado de Asset Management Área de Gestão Alocação Private Distribuição Monitoramento de mercado Interpretação de cenários Consultoria Delineamento de estratégia de Front-Office investimento Tomada de decisão Execução de ordens Controle CVM de posições Controladoria Carreiras típicas antes Liquidação de ser gestor: - Trader de tesouraria (Direcional / Arbitragem / Opção) BACEN - Analista Custódia - Broker Área de Research Risco Análise Econômica Gestão Controles Auditoria Análise de Ações Compliance / Jurídico Órgãos Reguladores Banco Custodiante Back-office

21 Private Área de Back Office Controle do passivo dos fundos ATIVIDADES Mercado Cálculo de cotas de Asset Management Controle de custódia Alocação Conferência de posições Área de Research Carteira dos fundos Análise Emissão de extrato Econômica Distribuição Análise de Ações Front-Office Banco Custodiante Consultoria Gestão Controladoria: Relação com Cliente Liquidação das operações Controladoria Controles CVM Liquidação BACEN Custódia Risco Auditoria Compliance / Jurídico Órgãos Reguladores Banco Custodiante Back-office

22 ATIVIDADES Mercado de Asset Management Alocação Área de Research Private Distribuição Análise Econômica Análise de Ações Front-Office Consultoria Órgãos Reguladores Gestão CVM Controladoria Banco Central Controle de Taxa de Juros (COPOM) Controles BACEN Órgãos Reguladores Liquidação Câmbio CVM Emissão de Moeda Custódia Banco Custodiante Risco Auditoria Regulamentador do Mercado de Capitais Compliance / Jurídico Back-office

23 A Hedging-Griffo A HG é uma Partnership 100% nacional, que conta com uma equipe de 300 colaboradores, dentre os quais, 4 sócios controladores e 25 sócios minoritários. Fundada em 1981 como uma Corretora de Valores, a partir de 1992 a Hedging-Griffo passou a atuar também nas áreas de Gestão de Recursos e Private Banking, criando a HG Asset Management, que hoje administra um patrimônio superior a R$ 10,5 bilhões. Hedging-Griffo Gestão de Recursos Private Banking Corretora Gestão de Recursos Corretora Private Banking Maior administradora de recursos independente do Brasil, com gestão premiada em diversas categorias. Segundo maior Private Banking do Brasil, e a empresa mais focada neste segmento. Maior corretora de valores independente do Brasil.

24 A Hedging-Griffo Evolução de Patrimônio da HG PL 10 mil clientes out/94 fev/95 jun/95 out/95 fev/96 jun/96 out/96 fev/97 jun/97 out/97 fev/98 jun/98 out/98 fev/99 jun/99 out/99 fev/00 jun/00 out/00 fev/01 jun/01 out/01 fev/02 jun/02 out/02 fev/03 jun/03 out/03 fev/04 jun/04 out/04 fev/05 Milhões Perfil de Clientes da HG Patrimônio Segmentado da HG Middle Market 9% Institucional 0% RENDA FIXA 6% Corporate 9% Private 82% MULTI MERCADOS 69% RENDA VARIÁVEL 25%

25 HG Verde Evolução de Rentabilidade do HG VERDE 1700% 1500% 1300% 1100% 900% 700% 500% 300% 100% -100% HG Verde CDI DOLAR IBVSP MED 1694% 397% 258% 143% jan-97 jan-98 jan-99 jan-00 jan-01 jan-02 jan-03 jan-04 jan-05

26 O MERCADO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO O QUE É UM FUNDO? Instrumento através do qual um ou mais investidores, em regime de condomínio, contratam um gestor profissional para aplicar seus recursos, dentro das regras estabelecidas em seu regulamento. Razões para o investidor optar pela aplicação em Fundos de Investimento: Desconhecimento dos produtos financeiros Falta de tempo pra acompanhar a evolução dos diferentes mercados Facilidade e expertise na definição do tipo de rentabilidade X risco adequado Evitar incidência de CPMF Não desejar se preocupar com o assunto.

27 O MERCADO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Primeiro Fundo Registrado no mundo BÉLGICA Patrimônio de Fundos no Mundo (US$ TRI) EUA 53% BRASIL 1% DEMAIS 3% Fonte : ICI - Worldwide Mutual Fund Assets and Flows Third Quarter 2004

28 O MERCADO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Primeiro Fundo no Brasil FUNDO CRESCINCO Fundos de Investimento no Brasil R$ Bilhões Patrimônio Líquido Número de Fundos Patrimônio em R$ Bilhões corrigidos pelo IPCA Fonte: Anbid e IBGE

29 ESTILO DE GESTÃO HG ATIVOS PASSIVOS RENDA FIXA Caixa Estratégico AÇÕES DÍVIDA SOBERANA CDI IGPM OURO CPR MOEDAS G7 DERIVATIVOS AGRÍCOLAS Dólar Opções de Dólar Cupom Cambial Convertibilidade Pré Opções de Pré IGP-M Swaps IPCA Swaps Câmbio Juros Inflação

30 Key Points de Alocação Administração de patrimônio de longo prazo, em moeda forte Cliente já tem dinheiro, 1% a mais não faz diferença, perder 10% faz Busca Risco x Retorno e não retorno absoluto Não sujeitar cotistas a market jump (riscos assimétricos) A eterna busca pelo hedge barato

31 Análise Fundamentalista Tentativa de prever os acontecimentos que não estão no jornal de ontem Olhar prazos mais longos: 3 meses a 1 ano Esquecer eventos semanais: Será que o exército americano já chegou a fronteira de Bagdá? Não adianta também antecipar a queda do petróleo devido ao surgimento do carro elétrico Análise fundamentalista de longo prazo Tentativa de capturar os grandes movimentos de mercado Fluxo do dia a dia é segundo plano não somos competitivos em comparação a grandes bancos Oportunidades no momento em que surgem Não ao taxímetro Não acompanhamento dos resultados no mês a mês

32 Analise de fundamentos (como reconhecer valor?) Pesquisa proprietária Somente desta forma consegue identificar as particularidades e limitações das estimativas e projeções criadas pelos modelos. Discernimento- Ter em mente que modelos são apenas modelos não são a realidade. (Teste Red-Face ) Visão contrária Não é porque todos dizem que um ativo é ruim (ou bom), que ele não tem valor. (confiança em si mesmo e em seu processo de tomada de decisão - mantendo sempre em vista a necessidade de sobreviver no curto prazo.

33 Análise Fundamentalista Compre no boato e venda no fato as regras antigas ainda valem Risco Brasil em pontos

34 Estilo de Gestão Por que sempre o hedge barato? - Memória curta - Mercado subestima potencial de mudança de preços em crises Problemas cíclicos dado que Brasil tem problemas crônicos de previdência, congresso e judiciário sempre sujeitando-nos a condições macroeconômicas desfavoráveis Noção de que condições macro no Brasil nos levam a ter uma moeda muito depreciada

35 Princípios de risco Risco Princípio da não-alavancagem A dificuldade da utilização do Divisão de ativos: Baseada em premissas conceituais correlação variam ao longo do tempo Nunca acreditar que um avião não possa bater numa torre por mais otimista que esteja Preocupação com momentos de stress

36 Princípios de risco Nunca correr riscos assimétricos. Cuidado com: Títulos muito longos Posições pré-fixadas Crédito Venda de volatilidade Nós devemos evitar uma situação na qual os estrategistas financeiros (traders, engenheiros financeiros) não têm experiência necessária para avaliar os riscos envolvidos e os seus superiores sentem-se encabulados demais para reconhecer que não entendem as novas estratégias... Alan Greenspan

37 Princípios de risco - Crises Crise vem do Grego e significa separar ou dividir, splitar, decidir significando a idéia de discriminação ou decisão, o turning-point. Na Grécia existiam momentos da verdade quando a significância dos homens e eventos eram trazidos à luz Quando uma crise se inicia, tentar efetivamente proteger-se Gastar alguma rentabilidade conscientemente para escapar da crise

38 Cuidado com market timing Pregões Rent. Perdidos Pregão Rent. Acum. Data 0 563,77% 1 15,31% 475,63% 15/01/ ,36% 403,34% 15/09/ ,89% 341,96% 18/01/ ,38% 296,81% 12/01/ ,28% 256,59% 13/03/ ,54% 222,60% 14/09/ ,22% 195,37% 14/03/ ,01% 170,96% 17/11/ ,86% 148,90% 23/02/ ,58% 129,23% 16/09/ ,27% 111,72% 28/05/ ,70% 96,59% 13/01/ ,48% 82,91% 03/11/ ,27% 70,51% 22/07/ ,22% 59,03% 24/03/ ,92% 48,73% 26/04/ ,81% 39,25% 13/01/ ,71% 30,49% 04/01/ ,71% 22,29% 01/02/ ,61% 14,71% 31/01/ % 600% 500% 400% 300% 200% 100% Ibovespa sem seus 20 melhores pregões 0% Rent. Acum. Log. (Rent. Acum.)

39 Mas, eu não erraria o melhor dia... Investidores tendem a acreditar que podem gerar retornos a partir de curtos movimentos de preços day trades Grande crescimento a partir anos 90 Dinheiro Fácil... Investimento ou Aposta? Fenômeno Investor Overconfidence Volume de negócios (76% turnover NYSE) x Necessidade de trading Pessoas acreditam que possam prospectar melhor do que companheiros (Taylor & Brown 1988) Resultados das Evidências Empíricas: Operações com perda são mantidas de 5 a 10 vezes mais tempo Apontam que aproximadamente 2/3 dos daytraders perde dinheiro (64,2% x 35,8%) Distribuição de resultados assimétrica à esquerda Day Traders ganham, na média mais, quando o mercado sobe e menos quando cai Categoria Número Negóc ios Lucro Líquido Todos Traders (334) Média 327 (7.903) Desvio Padrão Todos Positivos (89) Média Desvio Padrão Todos Negativos (245) Média Desvio Padrão Conclusão inédita: Não existe almoço grátis... Financial Analyst Journal Nov/Dez 2003 The Profitability of Day Traders by Douglas J. Jordan e J. David Diltz

40 Cuidado com expectativas frustradas... Indice desenvolvido por Robert J. Shiller Irrational Exuberance 6.000, , , , , ,00 NASDAQ One-Year Index - Institutional 0,00 out/96 out/97 out/98 out/99 out/00 out/01 out/

41 Cuidado com conversas de mercado 6.000, , , , , ,00 NASDAQ Valuation Index - Institutional 0,00 out-96 out-97 out-98 out-99 out-00 out-01 out

42 Cuidado com consensos , , S&P 500 State Street Investors Confidence Index set-98 jun-99 mar-00 dez-00 set-01 jun-02 mar-03 dez-03 50,00

43 Cuidados com os modelos - Caso LTCM Alavancagem LTCM Inicio 1998 Default Russia (17/08) Final Agosto Inicio 1998 Final Setembro Equity US$ 5 Bi US$ 400 MM LTCM: Próprio Fed interveio: Organizou um bailout com 14 Bancos em um valor de US$3,6bi Tulipas Holandesas: Os Estados holandeses intervieram e impediram a continuação das negociações em (Mercado continuou ativo até 1642 quando realmente houve o colapso) FMI e Rússia

44 Alocação de Ativos Constante busca e manutenção ativos baratos na carteira valor intrínseco Ganhos que estão maturando bancam novos ativos Num prazo maior o mercado reconhece aleatoriamente um bom stock picking 300,00% 250,00% Ibovespa FGV ,45% 200,00% 150,00% 100,00% 50,00% 0,00% -50,00% jan-00 abr-00 jul-00 out-00 jan-01 abr-01 jul-01 out-01 jan-02 abr-02 jul-02 out-02 jan-03 abr-03 jul-03 out-03 jan-04 abr-04 jul-04 out-04 jan-05 abr-05 jul-05 out-05 68,99%

45 Algumas dúvidas: Podemos confiar em materias de research que recebemos? Desde 1975 quando comissões fixas acabaram preços de corretagem só despencam Soft Dollar research crescendo desde então Grande conflito de interesse em sustentar áreas de investment banking Gasto efetivo hard dollars para pesquisa independente!!! Quem acertou no passado tende a acertar mais no futuro? Previsões ex ante e ex post quem acertou algo no passado tende a acreditar que encontrará a próxima melhor do que os outros - Hung gay fung et al Markowitz afirmou que somos risk averse. Somos mesmo? Por que investidores tradam se na média são perdedores e por que compram ticket de loteria e jogam em cassinos? Pessoas gostam de sonhar!!!

46 Como escolher um fundo de investimento? O que analisar na hora de investir?

47 Como escolher um fundo de investimento? Fatores Quantitativos * Rentabilidade e volatilidade condizem com a proposta do fundo? Goetzmann and Ibbotson 1994 Performance superior e inferior persistem ao longo do tempo, voce pode conseguir retornos acima da média investindo em fundos de boa performance do passado * Volatilidade do fundo segue a volatilidade dos mercados que o gestor opera? * Custos do fundo (Taxas de Administração e Performance) * Patrimônio do fundo * Prazos de carência e liquidez

48 Como escolher um fundo de investimento? Fatores Qualitativos 1) Instituição Administradora * Patrimônio Administrado * Histórico da instituição * Qualidade e Segurança dos serviços de controladoria e custódia * Precisão na precificação dos ativos * Comprometimento com o prazo de execução dos serviços * Qualidade e agilidade na disponibilidade da informação * Departamento de Compliance eficiente, autônomo e soberano * Foco apenas na administração ou também responsável pela gestão?

49 Como escolher um fundo de investimento? Fatores Qualitativos 2) Instituição Gestora * Transparência na abertura de posições dos fundos * Chinese Wall confiável conflito com Tesouraria * Controle absoluto dos riscos das posições nos fundos * Instituição focada em gestão ou existem negócios paralelos? * Clareza no processo de tomada de decisões * Histórico e independência da instituição * Especialização: instituição tem foco definido ou opera diversos mercados? * Sócios majoritários estão envolvidos com as operações da empresa?

50 Como escolher um fundo de investimento? Fatores Qualitativos 3) Gestor: * Histórico de carreira. * Profundo conhecimento em algum mercado * Capital pessoal envolvido nos fundos que faz a gestão * Grau de comprometimento gestor X instituição: é sócio ou funcionário? * Histórico de atuação em crises * Respeito aos limites pré-estabelecidos de atuação * Disponibilidade do gestor para contato com os clientes * Prazo de maturação das operações executadas pelo gestor

51 Como escolher um fundo de investimento? Fatores Qualitativos 4) Fundo: * Mercado nos quais o fundo realiza suas operações * Limites claros de exposição dos vários mercados * Histórico do fundo foi feito por um ou mais gestores? 5) Cliente: * Perfil e concentração: concentrado em clientes privates ou institucionais? * Venda feita de forma correta: clientes estão cientes dos riscos do fundo?

52 PRÊMIOS

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT

APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT APRESENTAÇÃO XP UNIQUE QUANT SUMÁRIO 1. Histórico XP 2. Apresentação XPG 3. Organograma XPG 4. Equipe de Gestão Quant 5. XP Unique Quant. Metodologia de Análise. Conceitos Quantitativos. Estratégia. Exemplos

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho Relatório de Gestão Maio - Junho 2013 1 Filosofia O é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar de forma contínua oportunidades

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE

CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE MODELO DE GESTÃO Não está autorizada a distribuição deste material sob nenhuma hipótese. Este material foi preparado pela Verde Asset Management S.A., bem como suas sociedades

Leia mais

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável

Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004. Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável Finanças Pessoais e Mercado Financeiro 14º Encontro Informal - IBRI 11 de agosto de 2004 Mauricio Gallego Augusto Gestor de Renda Variável 1 Objetivo Abordar assuntos que são focados pelos gurus das finanças

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

dt A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CARACTERÍSTICAS HG Verde Fundo de Investimento Multimercado FUNDO DE INVESTIMENTO EM

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

CSHG Equity Hedge FIC FIM

CSHG Equity Hedge FIC FIM CSHG Asset Management Comentários do gestor CSHG Equity Hedge FIC FIM Setembro de 2013 O CSHG Equity Hedge FIC FIM teve rentabilidade de 1,96% em setembro ante uma variação de 0,70% do CDI. Ao longo do

Leia mais

A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CARACTERÍSTICAS HG Verde Fundo de Investimento Multimercado FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS

Leia mais

Verde AM Equity Hedge Master Fundo de Investimento Multimercado CNPJ: 11.195.209/0001-74

Verde AM Equity Hedge Master Fundo de Investimento Multimercado CNPJ: 11.195.209/0001-74 ATUALIZADO EM 02/01/2015 Verde AM Equity Hedge Master CNPJ: 11.195.209/0001-74 ESTE FUNDO UTILIZA ESTRATÉGIAS COM DERIVATIVOS COMO PARTE INTEGRANTE DE SUA POLÍTICA DE INVESTIMENTO. TAIS ESTRATÉGIAS, DA

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Janeiro - Março

Relatório de Gestão Invext FIA. Janeiro - Março Relatório de Gestão Invext FIA Janeiro - Março 2015 1 Filosofia O Invext FIA é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Capítulo 7 Fundos de Investimentos

Capítulo 7 Fundos de Investimentos Capítulo 7 Fundos de Investimentos 7.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e classificações de um fundo de investimento. Ao final, você terá visto:

Leia mais

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor Agosto 2010 Em Agosto, o fundo CSHG Strategy

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

CSHG Crédito Privado Magis FIC FIM LP

CSHG Crédito Privado Magis FIC FIM LP CSHG Asset Management Comentários do gestor CSHG Crédito Privado Magis FIC FIM LP Setembro de 2014 1. Revisão do resultado do O obteve rentabilidade de (a) 1,01% (111,1% do ) no mês; (b) 8,44% (107,8%

Leia mais

A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CARACTERÍSTICAS HG Verde Fundo de Investimento Multimercado FUNDO de Investimento em Cotas

Leia mais

Questionário Padrão Due Diligence para Fundos de Investimento Seção 2:

Questionário Padrão Due Diligence para Fundos de Investimento Seção 2: Questionário Padrão Due Diligence para Fundos de Investimento Seção 2: Informações sobre o Fundo de Investimento Gestor de recursos de terceiros (Pessoa Jurídica): Questionário preenchido por: Data: (Todos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Economia e Mercado Financeiro

Economia e Mercado Financeiro Economia e Mercado Financeiro O que é fluxo cambial? O fluxo cambial é a soma das operações da balança comercial, das operações financeiras e das operações com instituições financeiras no exterior. Segundo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

O ETF como instrumento na gestão de recursos:

O ETF como instrumento na gestão de recursos: O ETF como instrumento na gestão de recursos: Agosto de 2013 Tendências e Oportunidades no Brasil e no mundo. Informação Pública Política Corporativa de Segurança da Informação Conteúdo Utilização de ETFs

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

INFORME FINACAP DTVM

INFORME FINACAP DTVM INFORME FINACAP DTVM Histórico de crescimento até a criação da Finacap DTVM Março/97 - A Finacap nasce como empresa de consultoria financeira, a Finacap - Consultoria Financeira e Mercado de Capitais.

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013 Reunião São Paulo, 19 de dezembro de Importante O presente material tem caráter somente informacional. Não constitui uma oferta ou solicitação de investimento em qualquer fundo aqui mencionado ou quaisquer

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

Fundos de Investimentos Multimercado

Fundos de Investimentos Multimercado Fundos de Investimentos Multimercado Fundos de Investimento Definição condomínio que reúne recursos de um conjunto de investidores destinado à aplicação em títulos e valores mobiliários, em como quaisquer

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com Junho 2015 www.fclcapital.com FCL Equities FIA Filosofia de Investimentos - Pág. 4 Estratégia Long-Biased - Pág. 5 Processo de Investimentos - Pág. 6 Gestão de Riscos - Pág. 10 1 Plano de Crescimento Plano

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

CSHG ALLOCATION VERDE 14 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Multimercado CNPJ: 04.147.027/0001-62

CSHG ALLOCATION VERDE 14 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Multimercado CNPJ: 04.147.027/0001-62 ATUALIZADO EM 01/07/2015 Este fundo está fechado para novas aplicações CNPJ: 04.147.027/0001-62 ESTE FUNDO DE COTAS INVESTE EM FUNDO DE INVESTIMENTO QUE UTILIZA ESTRATÉGIAS COM DERIVATIVOS COMO PARTE INTEGRANTE

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012 O pessimismo amplamente precificado em bolsa ao longo de 2011 parece ter sofrido uma mudança de rota em direção a céus mais azuis. Em janeiro de 2012, o Ibovespa subiu 11,13%, de tal forma a recuperar

Leia mais

A importância do asset allocation na otimização dos resultados

A importância do asset allocation na otimização dos resultados A importância do asset allocation na otimização dos resultados Joaquim Levy Diretor Superintendente da BRAM Cristiano Picollo Corrêa Portfolio Specialist da BRAM Agenda Introdução Estudo de Casos Caso

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Processo de Seleção de Gestores e Fundos

Processo de Seleção de Gestores e Fundos Processo de Seleção de Gestores e Fundos Fórum ANCEP 2013 Mercado Brasileiro de Fundos de Investimentos Classificação ANBIMA Fundos Classificação Anbima Fundos Ações Dividendos 55 Investimentos no Exterior

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Julho 2010 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Edge Investimentos Ltda. Av. Ayrton Senna 3000 Bloco 2 324 Rio de Janeiro RJ Tel: +55 (21) 2421-4262 www.edgeinvestimentos.com.br Administrador/ Distribuidor:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

CSHG Strategy II FIC FIA

CSHG Strategy II FIC FIA CSHG Asset Management Comentários do gestor CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CSHG Strategy II FIC FIA Em dezembro, o fundo CSHG Strategy II FICFIA teve um retorno de 5,74%. No mesmo período, o Ibovespa teve

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais