ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)"

Transcrição

1 ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012

2 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação Atual - Curva Alocação Sugerida - MTM Alocação Sugerida - Curva Compra / Vender - MTM Compra / Vender - Curva DPGE_ipca 2012 R$ 0.00 R$ 12,482, R$ 0.00 R$ 12,482, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_ipca 2013 R$ 0.00 R$ 32,173, R$ 0.00 R$ 32,173, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_ipca 2014 R$ 0.00 R$ 17,200, R$ 0.00 R$ 17,200, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_inpc 2014 R$ 0.00 R$ 9,663, R$ 0.00 R$ 9,663, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_ipca 2015 R$ 0.00 R$ 117,230, R$ 0.00 R$ 117,230, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_inpc 2015 R$ 0.00 R$ 24,263, R$ 0.00 R$ 24,263, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_ipca 2016 R$ 0.00 R$ 13,765, R$ 0.00 R$ 13,765, R$ 0.00 R$ 0.00 DPGE_CDI 2016 R$ 0.00 R$ 31,090, R$ 0.00 R$ 31,090, R$ 0.00 R$ 0.00 CDB_SUBORDINADO 2017 R$ 0.00 R$ 17,309, R$ 0.00 R$ 17,309, R$ 0.00 R$ 0.00 DEBÊNTURE CURVA 2013 R$ 0.00 R$ 21,244, R$ 0.00 R$ 21,244, R$ 0.00 R$ 0.00 DEBÊNTURE MERCADO 2013 R$ 23,529, R$ 0.00 R$ 23,529, R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 NTNB 15/08/2014 R$ 0.00 R$ 13,342, R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 (R$ 14,117,348.49) NTNB 15/05/2015 R$ 14,364, R$ 32,559, R$ 0.00 R$ 32,559, (R$ 14,364,017.40) R$ 0.00 NTNB 15/05/2017 R$ 41,529, R$ 90,610, R$ 41,529, R$ 49,835, R$ 0.00 (R$ 43,185,095.06) NTNB 15/08/2018 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 40,111, R$ 0.00 R$ 40,111, NTNB 15/08/2020 R$ 9,175, R$ 40,547, R$ 9,175, R$ 57,737, R$ 0.00 R$ 17,190, NTNB 15/08/2022 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 7,432, R$ 0.00 R$ 7,432, NTNB 15/08/2040 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 4,955, R$ 0.00 R$ 4,955, NTNB 15/08/2024 R$ 0.00 R$ 7,156, R$ 0.00 R$ 7,156, R$ 0.00 R$ 0.00 NTNC 01/04/2021 R$ 0.00 R$ 233,059, R$ 0.00 R$ 233,059, R$ 0.00 R$ 0.00 NTNC 01/07/2031 R$ 180,260, R$ 189,480, R$ 180,260, R$ 189,480, R$ 0.00 R$ 0.00 Total R$ 268,858, R$ 903,177, R$ 254,494, R$ 918,751, ) O primeiro movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em O papel atualmente na curva deverá ser alongado (troca através de leilão primário) para o papel NTN-B com vencimento em 15/08/2018. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,74. 2) O segundo movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em 2015, parcela marcada a mercado atualmente (R$ ,40. O total alocado atualmente neste vencimento (marcado a mercado) deverá ser negociado. O recurso gerado a partir deste movimento deverá ser direcionado no Plano PSI para o segmento de Renda Variável e o volume do Plano PSII BD para o segmento Investimento Estruturado. 3) O terceiro movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em A parcela marcada atualmente na curva será reduzida (o valor atual é de R$ ,23) e alongada (troca através de leilão primário) para os papéis com vencimento em 15/08/2018 e 15/08/2020. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,25. 4) O quarto movimento deverá ser feito no papel NTN-C com vencimento em Parte do valor atualmente alocado no papel (marcado na curva valor de R$ ,40) será alongada (troca através do leilão primário) para os papéis com os vencimentos em 15/08/2022 e 15/08/2040. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,57. O movimento de alongamento de uma pequena parte dos títulos com vencimento em 2021 favorecerá a condição de solvência do Plano PSI (observando o risco de reinvestimento definido nos cenários do item 4) e não 2

3 prejudicará a liquidez (quando analisamos os movimentos de maneira consolidada). Abaixo apresentamos o risco de liquidez do Plano PSI considerando o Passivo Atuarial com as premissas atuais. Gráfico: Liquidez Plano PSI O risco de ocorrência de caixa negativo em 2020 é alto. As movimentações dos títulos são justificáveis, uma vez que o objetivo de ajuste do fluxo de caixa é necessário e a tentativa de ajustes da solvência do Plano (melhorar a condição de solvência do Plano) é obrigatória por parte da gestão de investimentos do SERPROS. O fluxo de caixa com as sugestões de alongamento, mudança de precificação e Passivo Atuarial considerando saldamento é representado pelo gráfico abaixo: Gráfico: Liquidez Plano PSI SALDADO 3

4 Toda movimentação favorecerá tanto a liquidez quanto a evolução da razão de solvência. Abaixo o gráfico considerando a razão de solvência projetada a partir do Passivo Atuarial atual (premissas atuarias utilizadas atualmente) e carteira de investimentos partindo da composição atual dos títulos (inclusive alocação atual dos demais segmentos). Gráfico: Saldo Acumulado (superávit/déficit) Plano PSI A projeção do saldo (superávit/déficit) do Plano PSI apresenta uma pequena probabilidade de reversão da condição deficitária nos próximos anos. Esta mesma projeção é bastante modificada (positivamente) quando utilizamos a sugestão do sistema GAP para o alongamento de papéis, venda de papéis (e posterior realocação em outros segmentos), alteração de precificação e utilização do Passivo Atuarial com as premissas do saldamento. Gráfico: Saldo Acumulado (superávit/déficit) Plano PSI SALDADO 4

5 No gráfico acima é possível visualizar a condição de melhora da solvência do Plano. A projeção do saldo (superávit/déficit) do Plano PSI apresenta um aumento gradativo da reversão do déficit do Plano (com aproximadamente 50% de probabilidade a partir de 2022). As movimentações apresentadas acima foram direcionadas para a parcela do Plano PSI no fundo FIC ADVANTAGE III. Os mesmos movimentos deverão ser feitos para a parcela do Plano PSII BD. Alocação Plano PSI: Alocação atual Alocação objetivo Limites Inferior Superior Renda Fixa 90,30% 89,26% 65,00% 97,52% Renda Variável 5,60% 6,64% 2,48% 17,01% Investimentos Estruturados 0,58% 0,58% 0,00% 5,00% Investimentos no Exterior 0,00% 0,00% 0,00% 2,00% Imóveis 1,98% 1,98% 0,00% 4,00% Operações com Participantes 1,54% 1,54% 0,00% 10,00% Alocação Plano PSII - BD: Alocação atual Alocação objetivo Limites Inferior Superior Renda Fixa 96,45% 91,49% 82,00% 100,00% Renda Variável 1,48% 0,87% 0,00% 3,00% Investimentos Estruturados 1,43% 7,00% 0,00% 9,00% Investimentos no Exterior 0,00% 0,00% 0,00% 1,00% Imóveis 0,57% 0,57% 0,00% 3,00% Operações com Participantes 0,07% 0,07% 0,00% 7,00% Como forma de ratificar as mudanças sugeridas no FIC ADVANTAGE III, apresentamos os gráficos de caixa (liquidez) e saldo (superávit/déficit) para o Plano PSII BD. Ressaltamos que os gráficos correspondem a alocação objetivo definida (incluindo as movimentações sugeridas no FIC DE FI MULT SECURITY CRED PRIV. 5

6 Gráfico: Liquidez Plano PSII - BD Gráfico: Saldo Acumulado (superávit/déficit) Plano PSII BD 6

7 2 MOVIMENTOS FIC DE FI MULT SECURITY CRED PRIV Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação Atual - Curva Alocação Sugerida - MTM Alocação Sugerida - Curva Trocar através de Leilão / Vender - MTM Trocar através de Leilão / Vender - CURVA NTNB 15/08/2014 R$ ,72 R$ ,68 R$ 0,00 R$ ,83 (R$ ,72) (R$ ,94) NTNB 15/05/2015 R$ ,12 R$ ,03 R$ ,29 R$ 0,00 (R$ ,83) (R$ ,52) NTNB 15/05/2017 R$ ,49 R$ ,67 R$ ,84 R$ ,35 (R$ ,65) (R$ ,15) NTNB 15/08/2020 R$ ,07 R$ ,42 R$ ,07 R$ ,42 R$ 0,00 R$ 0,00 NTNB 15/08/2024 R$ 0,00 R$ ,20 R$ 0,00 R$ ,20 R$ 0,00 R$ 0,00 NTNB 15/08/2022 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,02 R$ ,89 R$ ,37 R$ ,89 NTNB 15/08/2040 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,72 R$ 0,00 R$ ,72 NTNB 15/08/2050 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 R$ 0,00 R$ ,00 NTNC 01/04/2021 R$ ,84 R$ 0,00 R$ ,84 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Total R$ ,26 R$ ,01 R$ ,08 R$ ,42 1) O primeiro movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em O papel atualmente marcado a mercado deverá ser alongado para o papel NTN-B com vencimento em 15/08/2022 (observação: o papel deverá continuar marcado a mercado no vencimento 15/08/2022). 2) O segundo movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em Parte do valor atualmente alocado no papel (marcado na curva) será alongada (através de leilão primário) para o papel NTN-B com vencimento em 15/08/2022. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,09. 3) O terceiro movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em 2015, parcela marcada a mercado atualmente (R$ ,12). Parte do total alocado atualmente neste vencimento (marcado a mercado) deverá ser negociada (R$ ,83). O recurso gerado a partir deste movimento deverá ser direcionado para os segmentos de Renda Variável (para o Plano PSII CD) e segmento de Investimento Estruturado (para os Planos PSII BD e PSII CD). 4) O quarto movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em O valor atualmente alocado no papel (marcado na curva) será alongado (através de leilão primário) para o papel NTN-B com vencimento em 15/08/2022. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,49. 5) O quinto movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em 2017, parcela marcada a mercado atualmente (R$ ,49). Parte do total alocado atualmente neste vencimento (marcado a mercado) deverá ser alongada (R$ ,65) para o papel NTN-B com vencimento em 15/08/ ) O sexto movimento deverá ser feito no papel NTN-B com vencimento em A parcela marcada atualmente na curva será reduzida (o valor atual da parcela marcada na curva atualmente é de R$ ,67) e alongada (troca através de leilão primário) para os 7

8 papéis com vencimentos em 15/08/2022, 15/08/2040 e 15/08/2050. O ganho gerado a partir das taxas ANDIMA de 29/11/2011 (taxas utilizadas no Estudo) é de R$ ,83. Alocação Plano PSII - CD: Alocação atual Alocação objetivo Limites Inferior Superior Renda Fixa 82,32% 73,09% 50,00% 87,65% Renda Variável 14,38% 19,22% 12,35% 35,00% Investimentos Estruturados 0,69% 4,48% 0,00% 10,00% Investimentos no Exterior 0,00% 0,00% 0,00% 2,00% Imóveis 1,10% 1,10% 0,00% 4,00% Operações com Participantes 1,51% 2,11% 0,00% 10,00% Gráfico: Liquidez Plano PSII - CD Para esta parcela do Plano PSII o objetivo foi definir fronteira eficiente com a meta de rentabilidade de no mínimo 6% real para que na evolução do saldo + contribuição até a data de aposentadoria, o valor de benefício fique o mais próximo do salário. A projeção do retorno anual da carteira é verificada através do gráfico abaixo (resultado da carteira objetivo e ajustes dos papéis). 8

9 Gráfico: Retorno Nominal anual Plano PSII - CD As simulações realizadas para o Plano PSII (parcelas BD e CD) contemplam as mudanças que poderão ocorrer no regulamento atual. Os fluxos simulados estão detalhados no item 4. 3 JUSTIFICATIVAS PARA OS MOVIMENTOS SUGERIDOS NOS PAPÉIS DA CARTEIRA ATUAL DOS PLANOS DO SERPROS O Conselho de Gestão da Previdência Complementar CGPC através de sua Resolução n o 4, de 30 de janeiro de 2002, estabeleceu critérios para registro e avaliação contábil de títulos e valores mobiliários das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Assim, identificamos alguns fatos que permitem caracterizar os requisitos necessários à execução dos procedimentos de alongamento de parte dos atuais títulos ( mantidos até o vencimento ): 1) Há oportunidades importantes para redução do risco de reinvestimento dos planos. Um fato isolado que ocorreu após a data de classificação dos títulos atualmente na categoria de mantidos até o vencimento na carteira do SERPROS foi a emissão, por parte do Tesouro Nacional de alguns títulos (NTN-B) com novos vencimentos, que permitirão à entidade o melhor casamento do fluxo de caixa de sua carteira de investimentos com o fluxo de caixa de suas obrigações. Dentre os riscos aos quais está exposto o Plano, há o risco atuarial, o risco de inflação (os títulos são indexados em IPCA) e o risco de reinvestimento. Este último é um dos principais riscos na gestão dos recursos do Plano e pode ser melhor mitigado por meio do rebalanceamento da carteira. 9

10 O rebalanceamento da carteira de títulos representa oportunidade de obter maior eficiência dos recursos de investimento, uma vez que permitirá a redução do risco de reinvestimento futuro de seus recursos. Exemplo: a falta de títulos com vencimento entre os anos de 2018 e 2022 direcionou para um volume de títulos acima do ótimo para o vértice Atualmente o Tesouro disponibiliza títulos com vencimento em 2018 e 2022 e esses títulos poderão ser utilizados para melhorar o fluxo de caixa do Plano (relação Ativo x Passivo) e reduzir o risco de reinvestimento (considerando cenário de queda na taxa de juros e curva abaixo do 6% atuarial). 2) Certificamos a necessidade de adaptação da carteira atual à mudança de cenário, especialmente da redução da taxa de juros (considerando a continuidade desse processo). Será necessário o SERPROS mudar a forma de gestão dos recursos de modo a buscar retorno compatível com as necessidades do Plano nesse novo ambiente de taxas de juros. Deverá adotar postura mais pró-ativa na gestão de seus investimentos, o que irá exigir a maior flexibilidade e agilidade para realocação de ativos e de rebalanceamento de carteira. O seu objetivo é permitir que o SERPROS mantenha o objetivo definido na data de aquisição dos títulos (o equilíbrio financeiro do Plano). 10

11 4 PASSIVO ATUARIAL A partir de premissas atuariais, regras definidas pelo regulamento e base de participantes, as curvas dos passivos previdenciários da fundação foram estimadas. O passivo atuarial abaixo apresentado representa o pagamento dos benefícios descontando o valor das contribuições em cada ano. A reserva é o resultado do valor presente de todas as obrigações futuras para cada ano. Gráfico: Fluxo de Caixa do Passivo Plano PSI 11

12 Gráfico: Reserva Plano PSI Gráfico: Fluxo de Caixa do Passivo Plano PSI SALDADO 12

13 Gráfico: Reserva Plano PSI SALDADO Gráfico: Reserva Plano PSII - BD 13

14 Gráfico: Fluxo de Caixa do Passivo Plano PSII - CD Gráfico: Reserva Plano PSII - CD 14

15 Gráfico: Reserva Plano PSII CD / Novo regulamento 5 CENÁRIOS 5.1 GERAÇÃO DE CENÁRIOS O Risk Office dispõe de metodologia e software para a geração de cenários de taxas e preços de mercado. A metodologia adotada utiliza as distribuições de retornos de ativos e de taxas observadas no passado, relacionando-as com suas projeções futuras (cenários econômicos). Dessa forma, incorpora-se às simulações, informações adicionais àquelas contidas nas séries históricas. O modelo prioriza a preservação da estrutura intertemporal de volatilidade e correlações, ou seja, os cenários de preços apresentam comportamentos, em termos de variabilidade e correlação, com grande verossimilhança em relação aos dados da série histórica, enquanto sua média é aquela informada pelos cenários com os quais o cliente trabalha. A tabela abaixo apresenta os valores esperados definidos para os principais índices macroeconômicos. 15

16 Cenário Econômico Base Valor Esperado. Cenário Base IGPM 5,89% 5,40% 4,81% 4,72% 4,62% IPCA 6,52% 5,58% 5,01% 4,86% 4,74% SELIC 10,96% 10,60% 10,76% 10,07% 9,63% IMÓVEIS 12,24% 11,98% 11,41% 11,05% 10,95% EMPRÉSTIMOS 25,52% 24,42% 23,74% 23,57% 23,43% IBOVESPA -18,62% 29,79% 21,84% 21,08% 20,59% Cenário Econômico Alternativo I Valor Esperado. Cenário Alternativo I IGPM 5,82% 8,40% 6,81% 5,72% 5,12% IPCA 6,51% 8,58% 7,01% 5,86% 5,60% SELIC 10,96% 13,60% 12,76% 11,07% 10,63% IMÓVEIS 12,24% 13,53% 14,06% 12,64% 11,74% EMPRÉSTIMOS 25,52% 24,42% 23,74% 23,57% 23,43% IBOVESPA -18,62% 19,28% 18,40% 16,62% 16,16% Cenário Econômico Alternativo II Valor Esperado. Cenário Alternativo II IGPM 5,89% 4,40% 3,81% 3,72% 3,62% IPCA 6,52% 4,58% 4,01% 3,86% 3,74% SELIC 10,96% 8,60% 8,76% 8,07% 7,63% IMÓVEIS 12,24% 11,45% 10,35% 9,99% 9,89% EMPRÉSTIMOS 25,52% 23,24% 22,57% 22,39% 22,25% IBOVESPA -18,62% 11,86% 10,94% 9,15% 8,71% As simulações realizadas, onde a volatilidade histórica foi acrescentada à média, estão representadas pelos gráficos que seguem (valores nominais). 16

17 Gráfico: SELIC. O Gráfico acima, bem como os próximos gráficos, apresenta o intervalo de valores empregados para os índices macroeconômicos utilizados no estudo. Por exemplo, para o final de 2012, o valor esperado da SELIC é da ordem de 11% a.a. (taxa nominal) valor representado pela bola preta no meio da barra. Esse valor é proveniente da Tabela 1, apresentada acima. O ponto extremo da barra indica que, dentre as simulações realizadas para a estimativa do valor da SELIC para o final de 2012, o valor máximo encontrado para a rentabilidade nominal é de, aproximadamente, 12,50% a.a.. A simulação foi realizada obedecendo-se à estrutura da volatilidade histórica. 17

18 Gráfico: SELIC (primeiro ano de simulação). Gráfico: BOLSA. 18

19 Gráfico: IGPM. Gráfico: IPCA. 19

20 5.2 OTIMIZAÇÃO DA CARTEIRA Os valores obtidos para os passivos foram utilizados no processo de otimização da carteira. A otimização foi realizada de forma a contemplar todas as possíveis realizações do fluxo de caixa atuarial do plano analisado. Os ativos selecionados são aqueles que apresentam melhor relação retorno versus risco, dado o fluxo de passivo simulado. Simulação: Premissas e Restrições Adotadas Bolsa: limitamos entre mínimo de 0% (zero) e máximo de 67,50%, rebalanceamento em +/- 2,5% FIP: limitamos entre mínimo de 0% (zero) e máximo de 17,0%, rebalanceamento em +/- 3,0% NTN-B: limitamos entre mínimo de 0% (zero) e máximo de 100% para cada vencimento Premissa de Reinvestimento: 100% da CDI Taxas Andima 29/11/2011 Para a simulação de compra/troca e alteração da característica do papel foram utilizadas as taxas publicadas pela ANDIMA em 29/11/2011. Papel IPCA Títulos Públicos Federais NTN-B - Taxa (% a.a.)/252 Código SELIC Data Base/Emissão Data de Vencimento Tx. Máxima Tx. Mínima Tx. Indicativas PU /07/ /08/2012 3,77 3,57 3, , /07/ /05/2013 3,96 3,83 3, , /07/ /08/2014 4,80 4,58 4, , /07/ /05/2015 4,98 4,86 4, , /07/ /08/2016 5,26 5,14 5, , /07/ /05/ ,13 5, , /07/ /08/2018 5,52 5,28 5, , /07/ /08/2020 5,65 5,35 5, , /07/ /08/2022 5,57 5,43 5, , /07/ /03/ , , /07/ /08/2024 5,54 5,41 5, , /07/ /08/2030 5,61 5,48 5, , /07/ /05/ ,35 5, , /07/ /08/2040 5,63 5,50 5, , /07/ /05/ ,49 5, , /07/ /08/ ,54 5, ,51 20

21 O presente Relatório foi elaborado com base em premissas, cenários e informações fornecidas pelo Cliente. A Consultoria, de nenhum modo, expressa a sua concordância ou discordância com relação a tais informações. Os resultados aqui expostos são decorrentes das premissas utilizadas. Quaisquer mudanças com relação a essas premissas, bem como a existência de riscos legais, riscos operacionais, risco de crédito e outros riscos podem afetar significativamente os resultados e conclusões aqui apresentados. A Consultoria não realizou qualquer ação de auditoria sobre os dados entregues, seja de natureza contábil, legal, ou qualquer outra. 21

ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social

ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social Dezembro/2013 Este Relatório foi elaborado com base em informações fornecidas pelo SERPROS que foram tratadas por procedimento estatístico

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Novembro/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.10.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

Política de Investimentos 2009 a 2013

Política de Investimentos 2009 a 2013 Política de Investimentos 2009 a 2013 SERPROS Fundos Multipatrocinado Índice 1. Objetivos e vigência da política de investimentos... 3 2. Princípios de governança... 3 2.1. Estrutura organizacional para

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos CENÁRIOS ECONÔMICOS JUROS JUROS x INFLAÇÃO x META ATUARIAL Meta Atuarial = 6,00% + IPCA (FOCUS

Leia mais

Demonstrativo de Investimentos

Demonstrativo de Investimentos Demonstrativo de Investimentos 2º Trimestre de 2013 Este relatório é de uso exclusivo dos órgãos de administração (Diretoria, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal) da SIAS. Diretoria Administrativa

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO

PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Adélio Dalmolin; Atendendo a necessidade do Instituto

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Maio/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 30.04.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 Este relatório tem como objetivo, atender a Instrução SPC nº 07 de 2005 e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14;

1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; Aspectos Contábeis TÓPICOS A SEREM ABORDADOS: 1. Ajustes de Precificação: Arts 11-A e 28-A da Resolução CGPC nº 26/2008, introduzidos pela CNPC nº16, de 19/11/14; 2. Efeitos para equacionamento de déficits

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO

PERFIL DE INVESTIMENTOS PERFIL DE INVESTIMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS O QUE É? É a opção dada ao participante para que indique os percentuais de seu saldo que devem ser alocados em Renda Fixa e em Renda Variável (ações), de acordo com a sua aptidão

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.000.000 Período: Jan/08 - Jul/14 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA (R$ Mil) 1.050.000 Período: Jan/08 - Dez/14 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000

Leia mais

POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2013

POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2013 POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2013 Politica Anual de Investimentos - 2013 Página 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METAS... 4 2.1. Atuarial... 4 3. ESTRUTURA DE GESTÃO DOS ATIVOS... 5 3.1. Forma de Gestão...

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 (Publicado no D.O.U, Nº 227, de 24 de novembro de 2014) Altera a Resolução nº 26, de 29 de setembro de 2008, do Conselho de Gestão da Previdência Complementar,

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2013 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Investimentos. Plano BD Plano CV I

Investimentos. Plano BD Plano CV I Investimentos Plano BD Plano CV I Julho/2015 DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Julho/2015 ANÁLISE GLOBAL DOS INVESTIMENTOS DO PLANO Os investimentos do Plano BD apresentaram, em julho, rentabilidade

Leia mais

Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados

Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados Encontro Técnico sobre Risco e Precificação- ANDIMA Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados Cesar Dammous Market Risk Manager São Paulo, 17/11/2004 1 Programa Critérios de MtM ( Hierarquia )

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 980.000 Período: Jan/08 - Mar/14 940.000 900.000 860.000 820.000 780.000 740.000 700.000 660.000 620.000 580.000 540.000 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Novembro/2013 1. ÁREAS RESPONSÁVEIS SUSEP/DITEC/CGSOA/COPRA SUSEP/DITEC/CGSOA/COARI 2. BASE LEGAL CIRCULAR SUSEP N 457, de 14 de dezembro de 2012.

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015

DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015 Junho/2015 DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015 ANÁLISE GLOBAL DOS INVESTIMENTOS DO PLANO Os investimentos do Plano BD apresentaram, em junho, rentabilidade de 1,24%, o que representa 101,64%

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

RENDA FIXA CDB FUNDOS

RENDA FIXA CDB FUNDOS Este relatório tem como objetivo atender a Instrução SPC nº de 2005, e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe e a Secretaria de Previdência Complementar ( SPC ) sobre

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos.

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Novembro 2013 COMO FUNCIONA A RENDA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 As Diretrizes de Investimento Adotadas pelo Fundo de Previdência Social do Município de Goianésia 1. Introdução Atendendo à Resolução CMN nº. 3922, de 25 de novembro de 2010

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE NATAL-NATALPREV CNPJ N 08.341.026/0001-05 Av. Marechal Floriano Peixoto, N. 336 Petrópolis 59020-500- NATAL/RN

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA

ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DO EXERCÍCIO DE 2011 INSTITUTO DE SEGURIDADE DO SERVIDOR MUNICIPAL CAMAÇARI, BA Belo Horizonte, Julho de 2011 ÍNDICE 1. Introdução...03

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Janeiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Janeiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Janeiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA

Política de Investimento. 2014 a 2018. SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Política de Investimento 2014 a 2018 SERPROS - Fundo Multipatrocinado Plano de Gestão Administrativa PGA Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP 13/2013 em 21/11/2013 Aprovada pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS OBJETIVO GERAL O PrevMais prevê para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de que os participantes optem por perfis de investimento, em épocas préestabelecidas,

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais