Keywords: Educommunication; Photography; Teachers Training in Mozambique; Information and Communication Technologies.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Keywords: Educommunication; Photography; Teachers Training in Mozambique; Information and Communication Technologies."

Transcrição

1 1 A EDUCOMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRIMÁRIOS EM MOÇAMBIQUE: UMA REFLEXÃO SOBRE AS OFICINAS REALIZADAS NAS ESCOLAS DE PROFESSORES DO FUTURO DE MACUSE Resumo GT5 Rísia Rodrigues Silva Monteiro 1 Carmen Regina de Carvalho Pimentel 2 Juceli Lents 3 Eixo temático: Educação, Comunicação e Tecnologia Este artigo apresenta um relato e reflexão da experiência vivenciada nas oficinas de jornal mural e fotografia realizadas nas Escolas de Professores do Futuro (EPF s) em Macuse, província de Zambézia Moçambique, no segundo semestre de Esta investigação buscou conhecer e compreender a contribuição da Educomunicação no processo de formação desses docentes. A pesquisa baseou-se no método qualitativo, na observação participativa e fez uso de fontes bibliográficas, documentais e iconográficas. Tecnologias da informação e comunicação, educação, documento, representações e apropriações são algumas das categorias abordadas neste estudo. Intenta-se em um segundo momento da pesquisa, em andamento, conhecer o uso que os participantes das oficinas fazem do aprendizado construído durante a experiência nas escolas rurais onde hoje trabalham. Palavras-chave: Educomunicação; Fotografia; Formação de Professores em Moçambique; Tecnologias da Informação e Comunicação. Abstract This paper presents a report and a reflection on our experience with workshops on wall newspaper and photography that took place at the Schools for Future Teachers (EPFs) in Macuse, province of Zambézia, Mozambique, in the second half of This research aims to understand the contribution of educommunication to the teachers training. The research is based on the qualitative method and on the participative observation, and uses bibliographic, documental and iconographic sources. This paper also covers different categories, such as information and communication technology, education, documents, representations and appropriations. In the second part, the research, which is still ongoing, will investigate how the workshop students use what they learned in the workshops in the rural schools where they now teach. Keywords: Educommunication; Photography; Teachers Training in Mozambique; Information and Communication Technologies. 1 Pós-Graduanda em Docência do Ensino Superior (Estácio FASE) e integrante dos grupos de pesquisa em História da Educação: intelectuais da educação, instituições educacionais e praticas escolares (UFS) e História das práticas educacionais (UNIT). 2 Mestranda em Educação da UFS. Pós-Graduada em Docência do Ensino Superior (Estácio FASE). Integrante dos grupos de pesquisa em História da Educação: intelectuais da educação, instituições educacionais e praticas escolares (UFS). 3 Pós-Graduanda em Docência do Ensino Superior (Estácio FASE), Gerente Administrativa e professora na Instituição de Ensino Profissionalizante SENAC.

2 2 INTRODUÇÃO Vivemos na sociedade da informação onde as TICs (tecnologias da informação da comunicação), direta ou indiretamente, já fazem parte da vida da maioria das pessoas. Pela TV, rádio e sites (internet), podemos acompanhar, em tempo real, as notícias de várias partes do mundo. Pelo celular é possível conversar (e ver) com um amigo na Europa, África ou em qualquer outro continente. Hoje, estima-se que 2,7 bilhões de pessoas no mundo 4 já estejam conectadas à Internet. Acessamos à rede para fechar negócios, fazer contatos, saber dos acontecimentos e ter acesso a informações sobre as mais diversas áreas do conhecimento. As TICs, com suas inúmeras possibilidades de uso, também já fazem parte do universo escolar, oferecendo suporte significativo para novos modelos de aprendizagem. Países ricos e pobres, embora em proporções diferenciadas, já incorporaram o uso das TICs à educação. A partir dessas observações, relato a experiência que vivi em Moçambique em 2011, onde trabalhei como voluntária em um programa de formação de professores primários, utilizando as TICs como instrumento pedagógico. Sou jornalista e pesquisadora na área da educação e durante um ano e dois meses participei de um programa de voluntariado internacional que atua em países pobres da África. Antes de ir para Moçambique, participei de um treinamento em Michigan (Estados Unidos). Estudei sobre África, Moçambique, mantive contatos com a direção das escolas onde eu atuaria e elaborei meu projeto. Defini que trabalharia com a formação de professores na linha da Educomunicação, ou seja: educação aliada à comunicação (área onde atuo há mais de duas décadas) e às TICs. Mesmo conhecendo as limitações tecnológicas de Moçambique, me propus a envolver meus futuros alunos em um novo modelo educacional que valoriza a inclusão digital. Eu desenvolveria com os estudantes oficinas de fotografia e de jornal mural. Adquiri máquinas fotográficas, impressora e outros equipamentos que seriam utilizados nas oficinas de educomunicação, pois já sabia que eram caros em Moçambique, e ao final do treinamento, parti para a África. Para a compreensão deste estudo, é importante que se saiba o que é Educomunicação, como conceito. É algo relativamente novo no campo acadêmico 5. Interface entre educação e comunicação, como o nome sugere, pode ser entendida como uma metodologia pedagógica 4 Pesquisa UIT (International Telecommunication Union)/ O uso da comunicação na educação não é recente. No Brasil, remete ao rádio, à televisão (décadas de 50 e 60), às Comunidades Eclesiásticas de Base (décadas de 60 e 70), ONG s e New ONG s (décadas de 80 e 90). Com o crescimento e alcance das Tecnologias da Informação e Comunicação, o processo ganhou novo impulso. Informação concedida pelo jornalista e educador Alexandre Sayad à Branca Nunes, no programa Veja.com. Postada em 2010 no Youtube. Disponível em<; Acesso em 20 fev.2013

3 3 que usa recursos tecnológicos e técnicas de comunicação na aprendizagem. E, ampliando o entendimento, a partir da elaboração de Ismar de Oliveira Soares, Educomunicação é : [...] o conjunto das ações inerentes ao planejamento, implementação e avaliação de processos e produtos destinados a criar e fortalecer ecossistemas comunicativos em espaços educativos, melhorar o coeficiente comunicativo das ações educativas, desenvolver o espírito crítico dos usuários dos meios massivos, usar adequadamente os recursos da informação nas práticas educativas, e ampliar a capacidade de expressão das pessoas. (SOARES, 2004). Neste estudo, como na conceituação de educomunicação de Soares, adota-se a perspectiva de educação de Paulo Freire: Educação como forma de intervenção no mundo (FREIRE, 1996, p.110). As oficinas de educomunicação (de produção de jornal mural e de fotografia), objeto desta pesquisa, foram realizadas em duas Escolas de Professores do Futuro (EPF s) no distrito administrativo de Macuse, província da Zambézia, Moçambique, no segundo semestre de As escolas formam professores primários e são mantidas pela ONG dinamarquesa Humana People to People. Esta investigação procura conhecer o desenvolvimento da experiência e refletir sobre os resultados alcançados durante sua realização. O estudo busca também entender qual a contribuição da educomunicação na formação desses professores. A pesquisa, em andamento, intenta ainda verificar qual a utilização que egressos das EPF s fazem hoje, nas escolas onde trabalham, do conhecimento construído nas oficinas de educomunicação. A pesquisa baseou-se no método qualitativo, na observação participativa e fez uso de fontes bibliográficas, documentais e iconográficas. Fotografias que integram esta apresentação são postas como documentos. Este artigo está dividido em três eixos centrais. O primeiro aborda o contexto onde o estudo foi realizado. O segundo trata das oficinas de jornal mural e de fotografia, e o terceiro eixo cuida da avaliação e reflexão do desenvolvimento da experiência. Nas considerações finais são apresentadas as conclusões chegadas até esta etapa da pesquisa. Educação, educomunicação, TICs, documento, cultura escolar e representações são algumas das categorias com as quais esta comunicação dialoga. 1. CONTEXTO: MOÇAMBIQUE Para melhor compreensão do desenvolvimento desta pesquisa, faz-se necessário conhecer um pouco da realidade vivida na maior e mais populosa ex-colônia portuguesa da

4 53,8%. 9 No entanto, diferente do que se possa imaginar sobre a maioria dos países africanos, 4 África. Moçambique possui Km² de extensão territorial e habitantes. É uma república presidencialista, territorialmente dividida em 11 províncias, e apenas em 1975 tornou-se independente de Portugal 6. A paz só chegou em 1992, com o fim da guerra civil moçambicana 7. Hoje, livre do colonizador e em paz, Moçambique enfrenta outros problemas: ocupa o 185º lugar (entre 187 países) no ranking do IDH; 54% da população vive abaixo da linha de pobreza (1,25 dólar/dia), enfrenta uma epidemia de HIV severa, sendo o 2º país do mundo com a maior taxa de novos doentes 8, e a taxa de analfabetismo do país chega a Moçambique não é só miséria e dificuldades. O país tem grande potencial turístico, reservas naturais e uma rica e diversificada cultura, fruto de heranças dos povos bantu, árabes, portugueses e outros que por lá passaram. A língua oficial é o português, mas outras 20 línguas africanas, além de muitos dialetos, são falados em Moçambique. O país possui o Plano Estratégico de Educação (PEEC), que objetiva maior acesso aos serviços de ensino, maior condição de capacidade organizacional de recursos humanos e melhor condição física das instituições envolvidas na implementação do setor. O PEEC prevê a participação de ONG s nacionais e internacionais para viabilizar seus objetivos. Neste contexto, está inserida a ONG dinamarquesa Humana People to People (da qual fui voluntária), em Moçambique denominada Ajuda para o Desenvolvimento do Povo para o Povo ADPP. Está no país desde 1982, e trabalha com foco na educação. Em 1996, iniciou a formação de professores primários nas chamadas Escolas de Professores do Futuro (EPF s), hoje implantadas nas 11 províncias de Moçambique. O curso tem duração de um ano 10 e habilita para o ensino da 1ª à 5ª classe (ensino fundamental). As EPF s utilizam o DmM (Dotrine of Modern Methods), método próprio de ensino, que preconiza a construção do saber, o aprender através de pesquisas e experiências cotidianas, com acompanhamento dos professores. O educador brasileiro Paulo Freire é uma das referências para a ONG. 6 Segundo dados do IBGE (Instituto de Geografia e Estatística). Número de habitantes em Disponível em :< Acesso em 15.maio A guerra civil durou 16 anos. Fonte: MOÇAMBIQUE. Atlas de Moçambique. Instituto Nacional do Desenvolvimento e da Educação INDE. Maputo: Editora Nacional de Moçambique, 2009 p Dados relativos ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) divulgado em 2013, calculado com base na renda, educação e saúde. Disponível em:< Acesso em 15 maios Segundo dados do IBGE (Instituto de Geografia e Estatística).Taxa de analfabetismo (2010). Disponível em:< Acesso em 15 maio A duração do curso depende do que é indicado pelo governo moçambicano. Até hoje, as EPF s ofereceram curso de formação de professores de um, dois e três anos.

5 5 Nas EPF s de Macuse, os alunos vivem em regime de internato. O distrito é pobre e a vida da comunidade gira em torno das escolas. Do passado de glória, do qual se orgulham seus moradores mais velhos, quando no local funcionava um dos mais importantes portos de Moçambique e onde era cultivado um dos maiores coqueirais do mundo, pouco restou. Macuse viveu o horror da guerra civil. Das fazendas de gado, dos palmares, das fábricas de beneficiamento de couro e coco, restaram apenas ruínas, antigos casarões deteriorados e um imenso cemitério de coqueiros atingidos por uma praga. A economia local tem como base a agricultura de subsistência, a pesca e o pequeno comércio fomentado pelas EPF s. Em 2011, foram oferecidas 300 vagas nas duas escolas da ADPP de Maucuse. Para ingressar nas EPF s é preciso no mínimo ter concluído a 10ª classe (ensino fundamental); ter entre 17 e 25 anos de idade; ser aprovado nos exames de Matemática e Português e comprovar que pode pagar o curso 11. Durante um ano os alunos estudam Português, Matemática, Inglês, Psicopedagogia, Ciências Sociais, Ciências Naturais, Línguas Bantu, Educação Moral e Cívica, Educação Visual, Educação Musical, Técnicas de Expressão, Gestão Escolar e Ofício. O currículo inclui ainda pesquisa na comunidade e estágio supervisionado nas escolas do distrito. Em um país onde há pouca oferta de emprego e baixos salários, ser professor é obter respeitabilidade e um certo status. Boa parte dos docentes das EPF s foi graduada pela One World University, a faculdade da Humana People to People instalada próxima a Maputo, capital de Moçambique. Voluntários da ONG também participam da formação nas EPF s auxiliando nas atividades curriculares ou em projetos complementares. 1.2 INCLUSÃO DIGITAL EM MOÇAMBIQUE Vive-se hoje na sociedade da informação, onde inclusão digital tem relação estreita com inclusão social e com desenvolvimento. Observa-se, no entanto, que a democratização digital, embora cada vez mais crescente, está longe de atingir a todos. Segundo pesquisa divulgada pela UIT (International Telecommunication Union) 12, em 2013 estima-se que 2,7 bilhões de pessoas no mundo (40% da população do planeta) estejam conectadas à internet. O maior percentual de usuários está na Europa, onde 75% da população tem acesso à rede. Nas 11 A ONG cobra meticais, divididos em parcelas. O valor é elevado para os padrões moçambicanos. As famílias que podem juntam seus recursos e mandam um integrante para escola. No final do ano, com emprego praticamente garantido pelo governo, o novo professor vai devolver em parcelas o empréstimo recebido. Nas escolas do governo, o mesmo curso custa em média meticais, mas não há vagas para todos. Um metical equivale a R$ 0,07. Disponível em < Acesso em 20 maio Segundo a pesquisa, os dados relativos a 2012 e 2013 são uma estimativa. Os dados sobre acesso internet por país são relativos a Pesquisa Disponível em:< D/Statistics/Pages/stat/default. aspx> Acesso em 20 maio 2013.

6 6 Américas, 61% da população usa a internet, e na África apenas 16% da população está conectada. Em relação a Moçambique, os percentuais são ainda menores: apenas 4,3% da população tem acesso à internet. Vale ressaltar que, embora Moçambique possua um Ministério da Ciência e Tecnologia, as estatísticas disponibilizadas sobre o país nessa área são defasadas em relação às divulgadas por organismos mundiais, que nem sempre priorizam a divulgação de dados pormenorizados de todos os países incluídos na pesquisa. Quanto ao uso de celulares no mundo, a mesma pesquisa aponta a proporção de 98 aparelhos a cada 100 habitantes. Na Europa a relação é de 126 aparelhos a cada 100 habitantes; nas Américas, 109 a cada 100 habitantes, e na África, embora o continente seja um mercado crescente para telefonia móvel, a proporção é de 68 celulares a cada 100 habitantes. Delimitando a análise de forma comparativa entre Brasil, Moçambique e o país que mais se destaca no acesso à internet e na telefonia móvel, constatamos 13 que (em 2011) o acesso à Internet em Moçambique era de 4,30 a cada 100 habitantes, enquanto no Brasil a relação era de 45 a cada 100, e a Islândia (país mais bem posicionado entre os pesquisados) apresentava a proporção de 95,02 a cada 100 habitantes. Quanto ao uso de celulares (em 2010), Moçambique apresentava a relação de 30,88 a cada 100 habitantes, o Brasil 104 a cada 100 e a Arábia Saudita a cada 100 habitantes. De acordo com esses dados, percebe-se que o avanço digital ainda é tímido em Moçambique. No cenário rural, onde esta investigação foi desenvolvida, o acesso a esses e a outros recursos das TICs é ainda mais reduzido. Nas EPF s de Macuse, o acesso à internet só é disponibilizado na sala dos professores, diretorias e departamento administrativo. Fora desses espaços, só com o uso de modem individual. O laboratório de informática dispõe de computadores, mas sem acesso à rede. No ambiente escolar, as notícias chegam por uma televisão, que só é ligada após o jantar, alguns rádios particulares e pelos muitos celulares (pré-pagos) 14. Mesmo neste cenário de poucas tecnologias, a experiência das oficinas poderia ser muito positiva. Pois, como ensina Maria Neide Sobral: É possível considerar as TICs como elementos estruturantes da prática educativa, redimensionando o sujeito ao aprendizado no (não) lugar, mediatizando o contato com outras culturas (portanto possível de se viver a alteridade), possibilitando, ainda contextualizar e recontextualizar o seu próprio espaço e, sobretudo, propiciando novos modos de aprender. (SOBRAL, 2010, p. 56). O acesso às TICs era limitado, mas não inviabilizava a produção de material informativo. Assim, depois de ajustes e adaptações, iniciamos os trabalhos. 13 Esses dados tiveram como base anos anteriores, uma vez que Moçambique não disponibiliza de dados recentes. Pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Disponível em:< php> Acesso em 20 maio Muitos professores e alguns moradores possuem televisores e antenas parabólicas.

7 7 2. AS OFICINAS DE EDUCOMUNICAÇÃO O objetivo das oficinas de jornal mural e de fotografia não era o de formar jornalistas ou fotógrafos, mas incentivar uma visão crítica e reflexiva diante da vida, aguçar o olhar e a leitura dos poucos jornais que chegavam às escolas e dar voz aos estudantes. De meros consumidores de informações, passariam também a registrar suas histórias. Durante seis meses, os alunos que desejassem receberiam orientações e acompanhamento para produção de um jornal mural 15 e de fotografias que fariam parte do informativo. Incentivados a serem sujeitos na construção do aprendizado e com o conhecimento básico de técnicas e tecnologias a serem empregadas no processo da elaboração de suas próprias notícias, os participantes poderiam também usar o aprendizado como recurso pedagógico nas escolas onde fossem trabalhar futuramente. As aulas da oficina de jornal mural eram realizadas de segunda a quinta-feira, em horário extraescolares, das 19h às 21h. Os encontros da oficina de fotografia eram realizados nas tardes de sábado, das 13h às 18h. 2.1 OFICINA DE FOTOGRAFIA A oficina foi realizada com o objetivo de oferecer noções básicas de fotografia para que os participantes fossem capazes de fazer boas fotos e usá-las como forma de expressão e, através delas, registrar e contar suas histórias no jornal mural. Pois como entende Burke: [...] imagens, assim como textos e testemunhos orais, constituem-se numa forma importante de evidência histórica. Elas registram atos de testemunho ocular. (BURKE, 2004, p.17). Esta foi a oficina que, inicialmente, mais despertou o interesse dos alunos. Diante do reduzido material de trabalho, foi estabelecida uma organização para que todos tivessem acesso aos equipamentos 16. Alguns alunos nunca tinham manipulado uma câmera fotográfica, e foi grande o encantamento. As aulas, ministradas em 10 módulos, foram divididas em teórica e prática. Apostilas com informações básicas sobre a história da fotografia, enquadramento, luz e funcionamento dos equipamentos foram trabalhadas em sala de aula e disponibilizados na biblioteca das EPF s. Os alunos também podiam apreciar trabalhos de fotógrafos profissionais em livros, arquivos digitais. Na parte prática, os alunos se revezavam nos exercícios ao ar livre e, na volta, as fotos eram analisadas pelo grupo. 15 Jornal mural é um informativo colaborativo que veicula notícias, conhecimentos gerais, expressões criativas, opiniões e iniciativas da escola e da comunidade. Pode ser produzido com materiais diversos (papel, cortiça, etc). 16 Eram quatro máquinas fotográficas simples, uma profissional, duas filmadoras amadoras, tripé, carregadores, baterias e um laptop.

8 8 Nos registros obtidos, fragmentos da cultura escolar das EPF s que, como entende Viñao Frago (2000, a. p.100), inclui modos de pensar e atuar que proporcionam a seus componente estratégias e pautas para desenvolver-se tanto nas aulas como fora delas no resto do recinto escolar e no mundo acadêmico e integrar-se na vida cotidiana das mesmas. Além das salas de aula foram registrados fragmentos do cotidiano do internato, como os dormitórios; a interação com a comunidade; os sábados culturais, festa semanal onde os alunos dançavam, cantavam e representavam; e das práticas esportivas. As representações dos estudantes também estão presentes nos registros. Pois, como ensina Chartier, elas são [...] esquemas intelectuais, que criam as figuras graças às quais o presente pode adquirir sentido, o outro tornar-se inteligível e o espaço decifrado (CHARTIER,1990, p.17). A cultura material escolar, onde artefatos materiais vinculam concepções pedagógicas, saberes, práticas e dimensões simbólicas do universo educacional, conforme afirma Rosa Fátima de Souza (2007, p.165), está presente no registro dos alunos. Além das fotografias para o jornal, a oficina de fotografia produziu material para exposições de final de ano e vídeos (em movie maker) exibidos nos sábados culturais. As fotografias que integram esta comunicação não constam como simples ilustrações. São postas como documentos que refletem visões de indivíduos enquanto intérpretes de suas próprias histórias. Pois, como ensina Boris Kossoy: Uma única imagem contém em si um inventário de informações acerca de um determinado momento passado; ela sintetiza no documento um fragmento do real visível, destacando-o do contínuo da vida. O espaço urbano, os monumentos arquitetônicos, o vestuário, a pose e as aparências elaboradas dos personagens estão ali estão ali congelados na escala habitual do original fotográfico: informações multidisciplinares nele gravadas [...] apenas aguardam sua competente interpretação (KOSSOY, 2009, p.107;108). Nas fotos a seguir, selecionadas entre as mais de produzidas na oficina, foram priorizadas as mensagens, intenções e informações em relação à precisão técnica dos registros. Na foto de número 1, ensaio do Guns N Roses Cover. Na foto 2, um dia de aula na EPF1. Na foto 3, a aluna Cacilda Vitorino, nas Práticas Escolares (estágio), dá aula de Ciências. Na foto 4, o registro do encerramento das Práticas Escolares da turma 5 da EPF2. Na foto 5, hora do almoço; aluna usa as mãos para comer, costume de muitos na região. Na foto 6, alunos em momentos de descontração montam uma pirâmide humana. Na foto 7, Guns N Roses Cover se apresenta no Sábado Cultural. Na foto 8, Michael Jackson Cover (Felizardo Meio-Dia), também no Sábado Cultural.

9 9 Foto 1 Autora: Almina Alberto Foto 2 Autor: desconhecido Foto 3 Autor: desconhecido Foto 4 Autora: Costanza Cialdea Foto 5 Autor: Guinho Hugo Foto 6 Autor: João Mira Foto 7 Autor: desconhecido Foto 8 Autor: João Mira

10 OFICINA DE JORNAL MURAL Para a produção do jornal mural, as aulas foram ministradas em 10 módulos com orientações básicas e técnicas sobre produção de notícias. Um pequeno manual de jornalismo, gentilmente compartilhado por suas organizadoras, as jornalistas Joyce Peixoto e Débora Zoe, elaborado para utilização em oficinas semelhantes realizadas pelo Instituto Recriando em Sergipe Brasil, foi de grande valia. Depois das aulas sobre lead, impressos, pautas, edição, diagramação, tipos de notícias e leituras de jornais, revistas, textos na internet e muitos exercícios, foi definido o conteúdo, divisão das tarefas e linha editorial do jornal. A periodicidade seria quinzenal. Entre as sugestões para linha editorial destacaram-se: tratar de assuntos de interesse da comunidade; dar informações corretas; ser ético; ter clareza nas informações e não usar palavras difíceis. Sobre os assuntos que deviam ser abordados estavam: esportes; alimentação na EPF; saúde; vida nas escolas e boas notícias. Quanto ao que não deveria ser abordado, as duas sugestões mais apontadas foram: não falar da vida íntima das pessoas e não mentir 17. A oficina seguia o viés da educação democrática, onde o educador é condutor e sistematizador, e não impõe suas verdades e conhecimentos. A relação é dialógica, levando o aluno a pensar de forma reflexiva e crítica, como ensina Freire: O papel do educador não é o de encher o educando de conhecimento de ordem técnica ou não, mas sim o de proporcionar através da relação dialógica educador-educando, educando-educador, a organização e um pensamento, a organização de um pensamento correto em ambos. (FREIRE, 1992, p. 53) O conteúdo do jornal apresentava: editorial, coluna de notas, notícia nacionais e internacionais, dicas de livros, espaço do leitor, matérias sobre esportes, atividades escolares, cultura, comunidade (saúde, datas comemorativas), coluna culinária e parte interativa. A redação foi instalada na sala de informática da oficina pedagógica da escola. No espaço, foram disponibilizados dois computadores, impressora, tinta, laptop, programas de edição de texto e imagens, modem para acesso à internet, mesas, cadeiras, mapas, papéis, tesoura, cola e outros materiais para a produção artesanal do informativo. Definidas as pautas e divididas as tarefas, os alunos saíam para o campo com os fotógrafos. Os repórteres entrevistavam e redigiam as matérias com a minha orientação. Redigir não era tarefa fácil para a maioria. Aos poucos, muitos foram progredindo, outros optaram por se dedicar mais à fotografia, e alguns abandonaram a redação. O trabalho contou 17 As respostas foram obtidas através de questionários respondidos em sala de aula.

11 11 com a participação indireta de três professores e da atuação direta da responsável pelo acompanhamento dos projetos desenvolvidos pelos voluntários da ONG 18. O Jornal Mural das EPF s Macuse, nome dado ao informativo, foi um acontecimento nas escolas. Durante a fase de produção, atraiu interesse dos alunos e da comunidade. O número zero do informativo, recebido com muita empolgação, foi montado em três folhas de papel A2, onde foram coladas folhas de papel A4 com o material digitado e diagramado em Word. A edição continha: 28 fotografias; seis matérias; apresentação; expediente; espaço do leitor (convite à participação); classificados; dica de leitura; espaço para registro de aniversários; as colunas culinárias; Pelo Mundo (informações nacionais e internacionais) e Notas e Comentários. As matérias abordaram saúde, comunidade, cultura, turismo e esporte. A interação direta com os leitores foi proposta através do espaço Quem é?, uma brincadeira em que uma foto modificada com a ajuda do programa Photoshop era exibida. Os participantes deveriam descobrir quem era a pessoa fotografada. As respostas eram colocadas em uma urna na biblioteca. Entre os acertadores, era sorteado um prêmio nos sábados culturais. Todos queriam ler o jornal, se ver, comentar, e muitos reclamaram por não ter aparecido no JM. Após os muitos elogios, jornalistas e fotógrafos iniciaram a edição seguinte. O segundo número do JM trouxe textos mais elaborados. Contou com 35 fotos e uma ilustração; seis matérias (acontecimentos escolares, comunidade cultura e saúde); entrevista com os diretores das escolas; 11 mensagens (breves) de leitores e as colunas regulares. A terceira edição do JM apresentou 29 fotografias; uma ilustração; as colunas regulares; quatro matérias (cozinha e alimentação na escola, saúde, entrevista com um professor sobre atividades dos docentes nas EPF s e exames finais) e artigo de um professor e integrante da oficina 19. Durante as provas do período, foram produzidas três edições extras do JM com o registro fotográfico do clima nas salas de aula. A quarta edição do JM foi um resumo com as melhores matérias produzidas anteriormente, acrescidas de quatro artigos de três professores e um da voluntária que ministrou as oficinas. A edição especial integrou a mostra que fez parte das comemorações da graduação das turmas de O jornal também foi apresentado às novas turmas de alunos de 18 Os professores participavam eventualmente. A coordenação dos voluntários era feita por Costanza Cialdea, italiana, funcionária da Humana People to People, professora de Educação Moral e Cívica nas EPF s, formada em Filosofia e com conhecimentos em cinema e fotografia. Constanza foi fundamental para o sucesso do projeto. Colaborou, incentivou, acompanhou, cedeu câmera, laptop e outros materiais pessoais para uso nas oficinas. 19 Três professores manifestaram inicialmente interesse em participar, mas pouco compareciam na redação.

12 como um registro das atividades do segundo semestre de 2011 e resultado das oficinas de educomunicação das EPF s. Os dois primeiros números do jornal mural foram inseridos no blog criado para o informativo (http://jornalmuralepfsmacuse.tumblr.com/). Devido ao difícil acesso à internet no local, não foi possível inserir os demais números REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA Embora seja estreita a relação entre educomunicação e as tecnologias da informação, mesmo com poucos recursos disponíveis 21 foi possível desenvolver de forma satisfatória a experiência das oficinas de jornal mural e fotografia em Macuse. Houve momentos críticos, quando, inicialmente, as oficinas não tinham lugar fixo para as aulas, as atividades curriculares e dura rotina de trabalho ocupavam quase todo o tempo dos interessados ou ainda quando mesmo alguns dos interessados não compareciam ou chegavam uma ou duas horas depois do combinado, ou ainda viajavam sem ao menos informar, deixando a produção das oficinas comprometida. O período de realização das oficinas, praticamente no fim do ano letivo, e a baixa participação feminina (apenas uma aluna permaneceu até o final) merecem uma avaliação mais cuidadosa em uma próxima experiência. No entanto, as dificuldades foram superadas com criatividade, talento, persistência, boa vontade e dedicação dos envolvidos no processo e crescente adesão de todos. A proposta, que inicialmente encantou os alunos, depois da veiculação do primeiro jornal e produção dos vídeos transformou os professores, diretores, e funcionários das EPF s em grandes entusiastas do projeto. O clima informal, a não obrigatoriedade da adesão às oficinas e a forma lúdica de desenvolver as atividades, sem perder a seriedade da proposta, constituíram o ambiente propício à aprendizagem baseada na troca de saberes. A definição da linha editorial e as abordagens críticas dadas aos temas confirmam o bom aproveitamento dos participantes. A experiência também proporcionou aos alunos o aprimoramento da comunicação, da escrita, incentivo à leitura, com destaque para autores moçambicanos, e o acesso a informações sobre a cultura brasileira. Além de produzir notícias, os participantes compartilhavam suas histórias de vida, preocupações, conquistas, sonhos e alegrias. 20 A revisão do JM e inserção do material no blog foi viabilizada através da colaboração de dois voluntários do projeto: Lucas Rodrigues Oliveira (estudante de Relações Internacionais da UFS) e Artur Fernando da Rocha Monteiro Júnior (publicitário brasileiro residente em Buenos Aires). 21 Em princípio, a direção das escolas participou emprestando apenas duas máquinas filmadoras, dois computadores, não conectados à internet, e espaço para redação.

13 13 Na preparação e realização das três mostras fotográficas, do número especial do jornal mural 22 e exposição artística de material didático realizadas na festa de graduação, era visível o crescimento da autoestima dos participantes das oficinas, do sentimento de pertencimento ao grupo e à comunidade e o respeito por eles conquistado. Integrando esta reflexão, são oferecidos registros fotográficos. A pesquisa não ignora a capacidade manipulativa das imagens, a presença do filtro cultural, das apropriações 23 e representações 24 de quem registra. A análise da fonte fotográfica pede uma atitude reflexiva. Como qualquer outro documento, há de se fazer perguntas às fotografias. Como alerta Kossoy: [...] apesar de sua aparente credibilidade, nelas também ocorrem omissões intencionais, acréscimos e manipulações de toda ordem (KOSSOY, 2009, p.160). No entanto, o autor também ensina que: [...] qualquer que tenha sido a razão que levou o fotógrafo a registrar o assunto, não haverá dúvida de que o mesmo aconteceu (KOSSOY, 2009, p.109). Nas três fotos a seguir, registros da produção do Jornal Mural das EPF s Macuse. Na foto 9, redação em atividade. Na foto 10, a edição zero do JM. Na foto 11, a equipe da redação (nem todos os integrantes estavam presentes). Foto 9 Autor: Huber Jose Francisco Foto 10 Autor: Vladmir Supinho Foto 11 Registro feito por disparo automático 22 As despesas com as exposições foram custeadas quase integralmente pela direção das escolas. 23 Adotamos neste estudo o conceito de Chartier: A apropriação, tal como a entendemos, tem por objetivo uma história social das interpretações [..]. (CHARTIER, 1990, p.26) 24 As representações não são simples imagens, verdadeiras ou falsas, de uma realidade que lhes seria externa; elas possuem uma energia própria que leva a crer que o mundo ou o passado é, efetivamente, o que dizem que é (CHARTIER, 2009, p.52).

14 14 CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta comunicação não dá por encerrada a pesquisa sobre a contribuição da educomunicação na formação de professores primários da turma de 2011 da EPF s de Macuse, Moçambique. No entanto, nesta primeira etapa, foi possível descrever, observar e refletir sobre os primeiros resultados da experiência. Como foi enfatizado, não foram formados jornalistas ou fotógrafos. A proposta, com o uso de técnicas da comunicação e de recursos das TICs, foi a de fortalecer as oportunidades de aprendizado, através da construção do conhecimento, contribuindo com a formação de pessoas mais críticas, com capacidade de desenvolver a educação dialógica com os seus futuros alunos e nas suas comunidades. Professores, multiplicadores da educação e da comunicação, avançando rumo à inclusão digital. A segunda etapa desta pesquisa, em andamento, vai se ocupar de conhecer o aproveitamento que fazem (ou não) os egressos das oficinas nas escolas onde hoje trabalham. A investigação da reduzida participação feminina na experiência também será retomada. Espera-se que esta investigação possa também contribuir no entendimento das possibilidades da Educomunicação, na realização de pesquisas interdisciplinares na área da educação, com ênfase para ações desenvolvidas na região rural de Moçambique, e na troca de experiências com projetos semelhantes realizados no Brasil. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Tradução Vera Maria Xavier dos Santos. Bauru:EDUSC, CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 10.ed.Rio de janeiro:paz e Terra, FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, IBGE (Instituto de Geografia e Estatística).Taxa de analfabetismo (2010) ;Disponível em:< Acesso em 15 maio2013. IDH Disponível em:< Acesso em 15 maio JORNAL MURAL DAS EPF s MACUSE Disponível em:< > Acesso em 15 maios KOSSOY, Boris. Fotografia & História.3.ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

15 15 MOÇAMBIQUE. Ministério da Educação. Agenda do Professor. Maputo: Elográfica, 2011 p.54. RELATÓRIO DA UNIÃO INTERNACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES (UIT) Acesso em 20 maio SOBRAL, Maria Neide. Práticas pedagógicas de Matemática em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Revista do EDaPeci, ano 2, nº 4, p , abr MOÇAMBIQUE. Atlas de Moçambique. Instituto Nacional do Desenvolvimento e da Educação INDE. Maputo: Editora Nacional de Moçambique, RELATÓRIO ANTUAL DA ADDP EM MOÇANBIQUE. Disponível em<:http://www.adppmozambique.org/phocadownload/annual_report_2007_2008/adpp_moz_2007_2008_portug uese_report.pdf> Acesso em 15 maio SAYAD, Alexandre. Entrevista concedida pelo jornalista e educador Alexandre Sayad à Branca Nunes, no programa Veja.com. Postada em 2010 no Youtube. Disponível em<; Acesso em 20 fev SOARES, Ismar de Oliveira. Educomunicação: As perspectivas do reconhecimento de um novo campo de intervenção social: o caso dos Estados Unidos. In ECCOS, São Paulo: Uninove, SOUZA Rosa Fátima de. História da Cultura material escolar: um balanço incial. In: BENCOSTA, Marcus Levy (org) Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. São Paulo: Cortez, UOL Economia Cotação. Disponível em:< Acesso em 15 de maio VIÑAO Frago, Antonio, In: SILVA, Fabiany de Cássia Tavares. Cultura escolar: quadro conceitual e possibilidades de pesquisa. Educar, Curitiba, nº. 28, Educar, < Acesso em 20 maio 2013.

Sociedade de Educação e Cultura de Goiás Rua 18 n 81 - Centro - Goiânia/Go Fone: (62) 3224.8829 www.faculdadearaguaia.edu.br

Sociedade de Educação e Cultura de Goiás Rua 18 n 81 - Centro - Goiânia/Go Fone: (62) 3224.8829 www.faculdadearaguaia.edu.br REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA A Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade Araguaia, considera o Estágio Supervisionado como um período de aprendizagem

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais INFORMATIVO Nº 1 / 2014 Senhores pais Mais um ano se inicia... Não temos palavras para agradecer a confiança que depositam em nosso trabalho ao matricularem seus filhos na Premier. Após um período de alguns

Leia mais

Sala 10 Experiências significativas no desenvolvimento de projetos especiais ALFABETIZAÇÃO DIGITAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROPOSTA DA

Sala 10 Experiências significativas no desenvolvimento de projetos especiais ALFABETIZAÇÃO DIGITAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROPOSTA DA Sala 10 Experiências significativas no desenvolvimento de projetos especiais ALFABETIZAÇÃO DIGITAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: PROPOSTA DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Neide Rodriguez Barea

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO SUMÁRIO

PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO SUMÁRIO PROJETO TÉCNICO DA BIBLIOTECA DO FUTURO DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA CANTAGALO, PAVÃO/PAVÃOZINHO Este Projeto é uma contribuição, de autoria, da Chefe da Biblioteca Euclides da Cunha/Fundação Biblioteca

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1. Camilla Soares LOPES²

Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1. Camilla Soares LOPES² Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1 RESUMO: Camilla Soares LOPES² Bárbara Smidt WEISE* Camila Pereira GONÇALVES* Caroline da Fonseca CECHIN* Liliane Dutra Brignol³ Centro

Leia mais

PROJETO JORNAL BOAS NOVAS

PROJETO JORNAL BOAS NOVAS PROJETO JORNAL BOAS NOVAS Colégio Estadual José Pedro Varela Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ Márcia Simão Linhares Barreto UNIVERSO Coordenadora: Maria Suzana De Stefano Menin - UNESP Relatores da escola:

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa percursos percursos Ação educativa INSTITUTO TOMIE OHTAKE síntese dos projetos Projetos especiais ProGrAmAs PermANeNtes exposições Prêmios PArA jovens ArtistAs PuBlicAçÕes objetivo Ação educativa Aproximar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE ATIVIDADE 1: GINCANA ESTUDANTIL 1. RESUMO DA AÇÃO 1.1 Proposta Organizar uma gincana para que os estudantes de diferentes salas possam participar e competir, com provas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA

ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA EDUCATIVA: RECURSOS TECNOLÓGICOS E O ALUNO DO SÉCULO XXI Fabio DAMASCENO fabiodamasceno@gmail.com COLÉGIO PEDRO II/DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Maria

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA

TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA MELLO, Rosângela Menta SEED/PR rosangelamenta@seed.pr.gov.br Eixo Temático: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou com financiamento Resumo Apresentamos

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA Prezados Pais, Responsáveis e Alunos Recomendamos a todos que leiam com atenção cada uma destas orientações, pois os pais e responsáveis dos alunos matriculados no SER

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS Resumo Solange da Silva Figueiredo; Isabel Cristina da Silva Gonçalves;

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

LEITURA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Concepções sobre leitura no curso de Pedagogia do IFC-Videira 1

LEITURA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Concepções sobre leitura no curso de Pedagogia do IFC-Videira 1 LEITURA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Concepções sobre leitura no curso de Pedagogia do IFC-Videira 1 Francielle Possera 2 ; Jane Suzete Valter 3 ; Marizete Bortolanzza Spessatto 4. INTRODUÇÃO No Brasil,

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Campo Grande 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Durante muito tempo, a educação formal menosprezou um possível caráter

Durante muito tempo, a educação formal menosprezou um possível caráter Durante muito tempo, a educação formal menosprezou um possível caráter educativo de qualquer forma de comunicação de massa e ignorou o fato de poder trabalhar com ela. Diante do desafio de superar essa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais