ANAIS O LEGADO DA COPA DO MUNDO EM 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS O LEGADO DA COPA DO MUNDO EM 2014"

Transcrição

1 O LEGADO DA COPA DO MUNDO EM 2014 ANTONIO CARLOS ESTENDER ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) ALMIR VOLPI ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) MARCO AURELIO FITTIPALDI ( ) CENTRO ESTADUAL DE TECNOLOGIA PAULA SOUZA (FATEC ITAQUAQUECETUBA Resumo: O tema sobre sediar eventos esportivos da magnitude de Copas do Mundo e Olimpíadas, atualmente gera discussões acaloradas a respeito se vale ou não o esforço e os investimentos necessários para adaptar a infraestrutura existente de acordo com as exigências dos organismos promotores de tais eventos. Análises de impacto econômico nem sempre fornecem dados suficientes para ser incontestáveis e confirmar que o evento terá impacto positivo no país sede. Dentre os motivos para que isso aconteça pode-se citar: propagação de erros ao estimar as premissas e o efeito de substituição do turismo em detrimento de outras áreas do país. Um outro problema que aparece em várias pesquisas é a falta de planejamento consistente na implementação dos vários projetos e o seu gerenciamento. A importância do gerenciamento de projetos vai além de gerir cronogramas: alinhar as expectativas de stakeholders quanto aos objetivos do projeto, entender e detalhar os escopos esperados, controlar o orçamento, atingir e entregar com qualidade os objetivos estipulados no projeto. A Copa do Mundo no Brasil tem grandes chances de alavancar melhoras significativas para a população, transformando o país que agora é apenas uma potência econômica em talvez um país menos desigual e mais acessível à sua população carente. Palavras Chave: Copa do Mundo, Gerenciamento de Projetos, Impacto Econômico, cidades sede 1. Introdução A Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos são qualificados como megaeventos, tanto que os estados, assim como a nação, competem vigorosamente para sediar esses eventos tal qual os atletas que participam deles. Por quê estes eventos despertam tanto interesse? Uma variedade de razões explica a busca para hospedar esses acontecimentos, mas não há razão que pareça mais atraente do que a promessa de um ótimo retorno econômico. Será que a Copa do Mundo pode dar um impulso à economia da nação anfitriã que justifique os elevados custos e riscos? Uma análise do Mundial de 1994, realizado nos Estados Unidos, sugere que o impacto econômico do evento não pode justificar essa magnitude dos gastos e que as cidades experimentam perdas acumuladas de US$ 5,5 a US$ 9,3 bilhões, contra as estimativas de ganho de US$ 4 bilhões de dólares elogiado pelos impulsionadores do evento. Países sede em potencial devem considerar com cuidado se a indicação da Copa do Mundo é uma honra ou um fardo. Mesmo com a escolha oficial, se o Brasil não realizar todos os procedimentos exigidos pela FIFA, esta pode mudar a sede da Copa do Mundo até meados de 2012 (COPA DO MUNDO DE 2014 NO BRASIL, 2011). Se as questões de segurança e infra-estrutura forem sanadas, o sonho de realização da Copa do Mundo no país com mais títulos mundiais será 1/15

2 concretizado após 64 anos. Mesmo com toda a incompetência dos políticos em quase todas as áreas para a realização de evento deste porte (caos aéreo, energético, corrupção, violência, entre outros) e denúncias de superfaturamento nas obras dos Jogos Pan-Americanos de 2007, será difícil o Brasil deixar de ser sede da Copa do Mundo de Contudo, pode-se identificar claramente objetivos individuais das mais diversas razões dos países interessados em sediar uma copa do mundo de futebol, além dos lucros diretos com o evento e, em função disso, acredita-se que o principal objetivo do Brasil com a realização da Copa do Mundo em 2014 seja demonstrar ao mundo sua capacidade de investimentos, gestão destes investimentos e disponibilidade de profissionais capacitados, além da seriedade do país frente a desafios internacionais, objetivos estes que podem estar em risco diante dos dados apresentados nos jogos Pan-Americanos. O Brasil rural e analfabeto é hoje uma economia que faz diferença para o mundo. O país continua a penar com uma série de mazelas, algumas tão ou mais vergonhosas que as vividas no passado (NOVA CHANCE AO BRASIL, 2011). Mas os avanços econômicos e sociais, ainda que insuficientes, são inquestionáveis. Até a Copa de 2014, espera-se que o Brasil atinja um novo patamar e se consolide como uma das maiores economias do mundo. Como antes, também agora o mundial chega num momento em que o país está na moda. Relembrar a transformação econômica, social e política no período de 64 anos entre as duas copas brasileiras não deixa de ser um balanço do que conseguimos produzir como sociedade. 2. Problema de Pesquisa e Objetivos Sediar a copa do mundo, o segundo maior evento esportivo mundial, é um caso potencialmente caro. Os co-anfitriões dos jogos de 2002, o Japão e a Coréia do Sul, gastaram juntos US$ 4 bilhões de dólares em prédios novos ou reformando antigas instalações em preparação para o evento. Com base no exposto este trabalho tem por objetivo lançar luz sobre este assunto utilizando a experiência de outros países sede e ressaltar a importância que a área de gerenciamento de projetos deve ter, para que fracassos do passado não se repitam no Brasil em Deste modo o problema de pesquisa inferido é: como as práticas do gerenciamento de projetos podem garantir que um evento temático, como a copa do mundo, deixe um legado de sucesso para o país sede? 3. Perspectivas Privada e Governamental Grandes eventos esportivos fascinam a humanidade há muitos anos sejam eles os jogos olímpicos, copas mundiais de futebol, campeonatos pan-americanos, dentre outros. Tais eventos sem dúvida podem ser considerados fenômenos de popularidade. As entidades governamentais e instituições públicas também têm apresentado maior interesse em grandes eventos esportivos e tal fato tem despertado a necessidade de identificar as perspectivas econômicas e sociais. Entidades governamentais preocupam-se com o retorno dos elevados investimentos requeridos para a realização de eventos como Copas do Mundo de Futebol e Olimpíadas, e com a sua comparação com outras opções de investimentos. Organizações privadas, que também alocam recursos vultosos em eventos esportivos, igualmente se defrontam com as decisões de composição dos seus investimentos em marketing. Situações como estas têm levado economistas e administradores públicos e privados a realizar estudos cada vez mais complexos e detalhados sobre a realização de eventos esportivos. Contudo, a análise desta categoria de investimento é ainda uma atividade em evolução e tem recorrido a abordagens e metodologias diversas, levando a discussões sobre sua eficácia. 2/15

3 4. As Perspectivas Privada e Governamental Os megaeventos esportivos são, em sua maioria, eventos de curto prazo com conseqüências de longo prazo para as cidades sedes. Os resultados e as conseqüências geralmente mencionadas na literatura são: a provisão de infraestrutura, os impactos econômicos e sociais, a renovação ou criação da imagem da cidade por meio da mídia, particularmente da TV, dentre outros. Os megaeventos geram oportunidades para acelerar o crescimento e o desenvolvimento das cidades-sede, dão visibilidade internacional ao país, estimulam novos empreendimentos e movimentam a economia. Além disso, implicam em grandes obras, impulsionam melhoria da infraestrutura e dos transportes urbanos, deixando um legado às comunidades locais e à população. Nesse sentido a escolha do Brasil como sede da Copa de 2014 e do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016 abre um debate mais amplo que o esportivo e, traz ao cidadão importantes benfeitorias que vão do planejamento urbano, transportes, logística, comunicação, até a arquitetura de novos edifícios, iluminação, mobiliário, interiores e paisagismo de espaços públicos, o que resulta na construção de uma nova infraestrutura urbana e metropolitana. De acordo com Roche (1994), usualmente também é assumido que os megaeventos trazem conseqüências futuras em termos de turismo, realocação de plantas industriais e investimentos externos. Neste sentido Jones (2001) argumenta que para muitas cidades os megaeventos podem ser um atalho para conseguir um reconhecimento global por meio da exposição de mídia, o que pode ser bom para um destino turístico caso o evento seja um sucesso, ou até mesmo, destrutivo caso o evento possua falhas perceptíveis para todos os participantes: atletas, familiares, imprensa e torcedores. Roche (1994) relata que os estudos e planejamentos realizados geralmente antes dos eventos tendem a focar os benefícios econômicos e sociais que o acontecimento em questão pode gerar. No entanto, de acordo com Higham (1999), existe um crescente número de pesquisas acadêmicas sobre os efeitos negativos ou ambivalentes dos megaeventos, tanto do ponto de vista econômico quanto social. Mules (1998) enfatiza os chamados efeitos de transbordamento associados à realização de eventos esportivos, a exemplo dos benefícios que podem propiciar a setores econômicos relacionados à sua ocorrência, representados pela elevação do nível de atividade em áreas como a construção civil, hotelaria, alimentação, transporte, equipamentos e materiais esportivos e não esportivos. Há ainda benefícios que ocorrem no longo prazo, como a promoção de uma cidade ou região como destino turístico, o que fomentará o incremento de gastos turísticos. Principalmente em países em desenvolvimento a realização de grandes eventos esportivos está associada à criação de uma infraestrutura de apoio, o que significa montante significativo de recursos ou dívidas em longo prazo que podem onerar as contas públicas, além de prejudicar áreas com necessidade de investimentos em curto prazo como: saúde, educação e bem estar. Estima-se que a Copa do Mundo de Futebol de 2014 demandará investimentos de US$ 5 bilhões. Deve-se levar em conta, no tocante à precisão de estimativas, que os Jogos Panamericanos do Rio de Janeiro, inicialmente orçados em 500 milhões de reais, tenham consumido mais de 4 bilhões de reais. Os investimentos requeridos para a Copa de 2010 da África do Sul foram estimados em 2 bilhões de dólares. Outro ponto de atenção é o planejamento destes megaeventos, que segundo histórico, centraliza análise nos efeitos ou impactos e não nas causas. No entanto, o planejamento dos eventos pode ser determinante ao sucesso ou fracasso (Planejamento Urbano e Turístico). A questão política é relevante nesta análise, visto que algumas vezes não se trata de uma análise custo-benefício, entendendo que 3/15

4 a visão objetiva e técnica pode ser prejudicada pelos interesses políticos, conflito de interesses entre a sociedade local, os organizadores e os patrocinadores. O objetivo principal dos grandes eventos esportivos é que os diferentes segmentos sociais e econômicos apropriem-se dos benefícios diretos e indiretos decorrentes da sua ocorrência. Com isto, obtêm reflexos positivos no PIB (Produto Interno Bruto) em escala nacional, estadual ou regional, a depender da abrangência do evento. A Copa do Mundo de 2014, por exemplo, deverá ter impactos econômicos que se distribuirão por todo o país, a partir das competições que se realizarão nas cidades-sede escolhidas. A análise econômica que organizações privadas fazem de eventos esportivos enfatiza a renda financeira deles e os gastos associados. Pode-se identificar um conjunto de benefícios diretos e indiretos a eles relacionados, a exemplo daqueles apontados pelo Dossiê do Esporte (2006), como a conquista de novos clientes, a geração de maior volume de negócios, a fixação da imagem dos seus produtos, a promoção das suas marcas, a associação de produtos e marcas a características favoráveis de atletas ou de equipes, o fortalecimento da sua imagem pública, a obtenção de reconhecimento, a realização de programas de fidelização e de relacionamento com clientes, por meio, por exemplo, de centros de hospitalidade. Abaixo enumeramos alguns dos benefícios intangíveis para o governo Maior interesse pelo país e modificação do seu perfil junto à comunidade internacional Aumento do turismo e do investimento estrangeiro direto Possibilidade de realização de outros eventos no país Aumento da confiança e do orgulho da população local Re-uso de materiais para habitações Diminuição de pressão sobre a previdência social Benefícios tangíveis para a iniciativa privada R 12,7 bilhões (US$ 1,23 bilhão) em receitas advindas de gastos de espectadores Benefícios intangíveis para a iniciativa privada Maior demanda por facilidades e serviços turísticos Receitas adicionais provenientes de eventos similares Novos investimentos estrangeiros diretos Parcerias público-privadas para a oferta de equipamentos Oportunidades de marketing No caso dos megaeventos esportivos os efeitos diretos e indiretos causados pelos gastos dos espectadores, equipes esportivas e jornalistas visitantes são considerados os maiores geradores de benefícios para a economia local. Os métodos para estimar estes efeitos derivam dos modelos econômicos desenvolvidos para estimar os impactos econômicos do turismo, que podem variar desde o modelo de Insumo-Produto (ARCHER 1984, FLETCHER 1989) até o modelo de equilíbrio geral, amplamente estudado e desenvolvido por pesquisadores na Universidade de Nottingham - UK. No entanto, esses modelos possuem falhas no que diz respeito à questão temporal que caracteriza os megaeventos. Pela natureza destes eventos, pode-se dividir um estudo de impacto econômico para um megaevento em três fases distintas: Pré Evento: os impactos na fase anterior a realização do evento incluem os gastos e seus impactos em atividades como: estudos e planejamento para a realização do evento; investimentos para o processo de licitação; gastos com treinamento; gastos com marketing; investimentos realizados para a construção do(s) complexo(s) onde serão realizados os eventos esportivos e investimentos em infraestrutura de apoio e logística para a realização do 4/15

5 evento, isto reflete no aumento dos preços de imóveis. Os impactos econômicos desta fase têm dimensão temporal finita. Evento: os impactos durante o evento derivam dos gastos realizados pelos espectadores, equipes esportivas e jornalistas nas mais diversas atividades relacionadas com o evento e com a atividade turística gerada: hotelaria, transporte, alimentação, souveniers, impostos, entre outros. Além destes gastos pode-se incluir os aluguéis de espaço físico e publicitário, as taxas cobradas e os salários pagos aos prestadores de serviço no evento. Os impactos econômicos desta fase também têm dimensão temporal finita. Pós-Evento: os impactos derivados do legado de infra-estrutura disponível após a realização do evento; a exposição da mídia internacional e o conseqüente aumento de turistas para a cidade; a capacidade instalada para sediar futuros eventos, entre outros. Os impactos econômicos desta fase, em caso de sucesso do evento, podem ter a dimensão temporal infinita o que dificulta a sua mensuração. O custo da realização de eventos esportivos e o nível da concorrência entre cidades, países e regiões para sediá-los têm provocado o aumento da importância da avaliação dos seus impactos econômicos para subsidiar as decisões referentes à sua realização. Tal avaliação requer a identificação dos seus custos e benefícios, tantos aqueles de natureza direta quanto indireta e intangível. Os modelos discutidos apresentam variações no tocante aos custos e à complexidade do seu emprego, bem como ao cômputo de custos e de benefícios, mas podem se complementar e contribuir para o aumento da eficácia do processo decisório, tanto de natureza pública quanto privada. Essa eficácia é cada vez mais relevante, em decorrência da elevação dos custos e dos riscos associados à realização de eventos esportivos, particularmente os de grande porte, como as Copas do Mundo de Futebol. Os exemplos apresentados enfatizam a importância da avaliação da razão custo/benefício de tais eventos uma vez que, como se viu, há uma variação importante no nível dos investimentos requeridos e dos benefícios que proporcionam, além dos riscos envolvidos com a sua oferta, a exemplo daqueles associados à violação da propriedade intelectual. Outra questão importante a ser considerada é a da eficácia da gestão de programas e projetos para a implementação de eventos esportivos, de modo a contribuir para a consecução dos resultados econômicos inicialmente previstos. 5. Metodologia O presente estudo classifica-se como um ensaio teórico-empírico, que buscam, segundo Lakatos e Marconi, (1999) e Silva e Menezes (2000), solução para problemas específicos, envolvendo verdades e interesses locais. Yin (1994) define que, embora esta estratégia tenha sido estereotipada como fraca entre os métodos de ciências sociais, ela tem sido bastante utilizada nas pesquisas desta área, em campos orientados pela prática e como estratégias nas pesquisas de teses e dissertações. Existem algumas condições para a escolha da estratégia de pesquisa, independente da finalidade desta ser exploratória descritiva ou explanatória, mesmo que a fronteira entre as estratégias como experimento, pesquisa de campo, análise de arquivo histórico e estudos de casos, não seja clara e bem definida. A pesquisa realizada foi exploratória, pois, buscou-se um entendimento sobre a natureza geral do problema e as variáveis relevantes que precisam ser consideradas (AAKER, 2001). Para tanto utilizou-se dados secundários obtidos de fontes em pesquisas bibliográficas, em sites especializados e periódicos. Os impactos dessa copa foram abordados, com maior nível de detalhamento, na Safri (South Africa Initiative of German Business) Conference, realizada em Hamburgo, em 19 de outubro de 2005, na Embaixada da África do Sul. 5/15

6 6. Modelo de Mensuração dos Impactos de Eventos Esportivos Sediar a Copa do Mundo traz custos e benefícios significativos. Um dos requisitos para que o COI, Comitê Olímpico Internacional, aprove inicialmente a candidatura e, esta possa competir de igual para igual com outras, é de haver um apoio incondicional dos habitantes da região. Desta maneira os comitês organizadores normalmente utilizam de estudos econômicos que apresentam um expressivo impacto positivo para a região, indo desde a criação de inúmeros empregos, passando por aumentos da produção industrial e de salários e chegando até a melhoria na qualidade de vida em geral, para agradar a opinião pública. No lado dos custos a FIFA exige que o país anfitrião forneça, pelo menos, oito e, de preferência dez estádios modernos com capacidade para acomodar entre 40 mil a 60 mil espectadores. Para o evento de 2002 no Japão e na Coreia do Sul, cada um ofereceu dez estádios distintos. Como nenhum país tinha uma grande infraestrutura existente para o futebol, a Coréia do Sul construiu dez novos estádios a um custo aproximado de 2 bilhões de dólares. O Japão construiu sete novos estádios e reformou outros três a um custo de 4 bilhões de dólares. O investimento total para a nova infraestrutura no Japão. Os custos operacionais de um mega evento também são enormes e estão crescendo. Na sequência dos incidentes terroristas nos Jogos Olímpicos de 1972 e 2000 e, em 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, medidas de segurança. A Grécia gastou 1 bilhão de dólares em segurança para os Jogos Olímpicos de Pode o impacto económico de um evento, mesmo do tamanho da Copa do Mundo, compensar o país anfitrião pela infraestrutura e substanciais custos operacionais? Análises de impacto econômico elaboradas por organizadores dos eventos previram grandes ganhos econômicos ao se hospedar uma Copa do Mundo. O comitê organizador da copa de 1994, dos Estados Unidos, previu que: cerca de um milhão de visitantes internacionais viajarão para os Estados Unidos em conjunto com a Copa do Mundo, tornando o evento uma das atrações turísticas mais importantes da história americana. O impacto econômico da Copa do Mundo de 1994 poderia, em uma visão conservadora, ser superior a quatro bilhões de dólares nos Estados Unidos. (GOODMAN E STERN, 1994). A licitação da África do Sul para a Copa do Mundo de 2006 foi baseada, em parte, na promessa de que iria apoiar a economia em aproximadamente 6 bilhões de dólares e criar cerca de novos postos de trabalho (KHOZA, 2000). Um estudo realizado pelo Instituto de Estudos para os Direitos Humanos Dentsu estimou um impacto de 24,8 bilhões de dólares no Japão e um impacto de 8,9 bilhões de dólares na Coréia do Sul. Em percentagem do rendimento nacional total, estes valores representam 0,6 e 2,2 por cento do total da economia japonesa e sul-coreana, respectivamente (FINER, 2002). A promessa de um impacto econômico considerável fornece uma justificativa para os subsídios públicos em infraestrutura de um megaevento. Promotores de subsídios para mega eventos em todo o mundo afirmam que os gastos devem ser devidamente tratados como investimentos que geram retornos econômicos. Reivindicações que os esportes megaeventos fornecem um impulso significativo para a economia da cidade anfitriã, região e país tem sido fortemente criticados por alguns estudiosos. Em relação ao número de turistas atraídos para a competição dados referentes à Copa do Mundo de futebol de 2002 (Coréia Japão) demonstram que entraram na Coréia, durante o período da competição, 403 mil turistas, sendo que destes 232 mil tinham como interesse principal da viagem acompanhar os jogos. Aproximadamente 500 milhões de dólares americanos foram injetados na economia local, sendo que destes, a metade foi no setor de cultura e recreação. Os gastos com ingressos foram computados dentro deste setor, o que pode 6/15

7 ter sido superestimado. Em relação aos outros setores, haviam maiores gastos em acomodação, mas estando os souvenirs na segunda posição, à frente da alimentação. Utilizando-se de dados provenientes dos Ministérios do Turismo dos países-sedes, durante o período da Copa do Mundo entraram no Japão 482 mil turistas, enquanto que na Coréia entraram 463 mil. O fato é que o número de turistas não foi significativamente maior em relação ao ano anterior, obviamente sem a edição da Copa do Mundo. A análise da Copa do Mundo de 1994 realizada nos Estados Unidos demonstra que o impacto estimado pelos organizadores, de quatro bilhões de dólares, revelou-se em perdas acumuladas entre 5 e 9 bilhões de dólares pelas cidades. Isto decorreu pelos motivos de que a Copa do Mundo é realizada em um espaço de tempo maior, mas como não há jogos diariamente, isto causa um acúmulo de pessoas pelas cidades, afugentando turistas não-relacionados ao evento ao mesmo tempo que estas cidades não poderiam sediar nenhum outro evento. O exagero dos benefícios induzidos por um megaevento desportivo pode ocorrer por várias razões. Em primeiro lugar o aumento dos gastos diretos atribuíveis aos jogos pode ser bruto em oposição a uma medida líquida. Alguns defensores de subsídio estimam gastos diretos simplesmente somando todas as receitas associadas ao evento. O fato de que a abordagem de gastos brutos não conta para a diminuição das despesas diretamente imputáveis ao evento representa uma grande lacuna teórica e prática. A falta de consideração pela diferença entre as despesas brutas e líquidas têm sido citados por economistas como uma razão principal pelos quais eventos esportivos ou de equipes não contribuem tanto para as economias metropolitanas como os entusiastas dizem (BAADE, 1996). No entanto, no caso de um torneio de futebol internacional, uma proporção muito grande de todas as pessoas vem de outros países e seus gastos qualificam-se como despesas de exportação. Além disso, os moradores do país de acolhimento que não freqüentam o evento provavelmente não reduzirão seus gastos no país, mesmo que temporariamente evitem as cidades ou bairros dos estádios. Assim, despesas diretas dos não residentes que freqüentam os eventos. Infelizmente alguns turistas, que poderiam visitar o país, decidam não fazê-lo por causa do congestionamento e dos preços elevados durante o período do evento. O impacto econômico dos Jogos Olímpicos de Verão de 2000 em Sydney, Austrália, indicou que o efeito de substituição pode ser substancial, mesmo nos casos em que o evento tem um caráter internacional claro. Uma pesquisa feita pela consultoria Arthur Andersen (2000) sobre a atividade de hotéis em Sydney e outras capitais, antes e durante os Jogos Olímpicos celebrados, concluiu que a maioria dos hotéis de Sydney chegou próximo a uma taxa de ocupação de 100% durante o período dos Jogos. Comparado a quinzena anterior ao evento representou um aumento de 49% nos níveis de ocupação. Em contrapartida, outras capitais experimentaram deficiências em demanda significativas para o mesmo período. Por exemplo, ocupações em Melbourne e Brisbane despencaram de 19% e 17% na segunda quinzena de setembro em relação ao período de 1-15 de Setembro. Em termos globais, com exceção de Sydney e Adelaide, todos os mercados de hotéis na Austrália, experimentaram um declínio na taxa de ocupação em Setembro de 2000 em relação a setembro de 1999, apesar dos Jogos Olímpicos, como relatado na indústria hoteleira Benchmark Survey Hoteleiros indicam que enquanto a demanda internacional foi forte..., viagens de lazer doméstico tradicionalmente ocorrendo durante o período de férias escolares de Setembro foi deslocado para Sydney para as Olimpíadas. O relatório de Andersen (2000) indica a importância do efeito de substituição, e obriga a consideração de que, se for o caso, as entidades governamentais devem estar envolvidas no subsídio destes acontecimentos esportivos. Os ganhos de Sydney podem muito bem ter vindo em detrimento de outras cidades australianas, caso o governo federal subsidiou os jogos deve haver uma justificativa para o enriquecimento de Sydney, em detrimento de Adelaide e outras cidades da região. 7/15

8 A segunda razão que o impacto econômico pode ser exagerado se refere ao que os economistas relatam como multiplicador, a noção de que aumentos de gastos diretos induzem rodadas adicionais de gastos devido a aumento da renda que ocorrem como resultado das despesas adicionais. Se os erros são feitos para avaliar os gastos diretos, esses erros são agravados no cálculo das despesas indiretas. Além disso, a análise correta do multiplicador inclui todas as fugas do fluxo circular de pagamentos e usa multiplicadores que são apropriados para a indústria de eventos. As fugas podem ser significativas dependendo do estado da economia. Se a economia está muito próxima do pleno emprego, por exemplo, pode ser que o trabalho essencial para a realização do evento reside em outras comunidades onde o desemprego ou um excesso de mão de obra existe. Na medida em que isso for verdade os gastos indiretos, que constituem o efeito multiplicador deve ser ajustado para refletir essa fuga de receita e despesa subseqüente. Trabalho não é o único fator de produção que pode repatriar rendimentos. Caso hotéis experimentem uma taxa de ocupação superior ao normal durante um megaevento, então a questão a ser levantada foca-se sobre a fração de maiores ganhos que permanecem na comunidade. Em suma, para avaliar o impacto dos megaeventos, a abordagem da balança de pagamentos deve ser utilizada. Ou seja, em que medida o evento dará origem a entradas e saídas de dinheiro que não ocorreriam na sua ausência? Como os modelos de insumo-produto usados nas mais sofisticadas análises são baseados em relações fixas entre as entradas e saídas, esses modelos não levam em consideração as sutilezas do pleno emprego e propriedade de capital notado aqui. Como uma alternativa para estimar a variação nos gastos e as mudanças associadas na atividade econômica, aqueles que fornecem bens e serviços diretamente para acolher o evento poderiam ser questionados sobre como suas atividades foram alteradas pelo evento. Resumindo a eficácia desta técnica Davidson (1999) afirma: O maior problema dessa abordagem é que esses gestores de empresas devem ser capazes de estimar o quanto "a despesa" extra" foi causada pelo evento esportivo. Isto exige que cada proprietário tenha um modelo do que teria acontecido durante esse período se o evento esportivo não tivesse ocorrido. Esta é uma exigência extrema, o que limita severamente a esta técnica. A terceira razão pelo qual o impacto econômico estimado pode diferir após a realização do evento é a forma de gerenciar a aplicação dos recursos disponíveis para a infraestrutura das cidades-sede. Muitas pesquisas realizadas em empresas públicas e privadas demonstram que grande parte dos projetos implementados apresentam atrasos, custo acima do orçado ou qualidade indesejada. Segundo o estudo publicado pelo PMI (chapters Brasileiros) com empresas no Brasil, em 70% dos projetos o prazo estipulado no cronograma inicial não é cumprido. Pensando em projetos que a data não é negociável, como a realização de mega eventos esportivos como a Copa do mundo, a não entrega dos projetos seria catastrófica para a economia e imagem do país organizador. Projetos de lançamentos de arenas esportivas, que serão o palco do evento, motivo pelo qual milhares de turistas se deslocaram até o país e a inauguração de infraestrutura de transportes públicos, como novas linhas de trens e metrôs e novos aeroportos, que auxiliarão na movimentação desta parcela extra de pessoas são vitais para o sucesso do evento. O Brasil tem um grande desafio nestes próximos anos, pois, encontra-se na fase de planejamento dos investimentos para dois megaeventos: Copa do Mundo e as Olimpíadas. Esta fase é crucial em gerenciamento de projetos e basicamente define o sucesso ou não do mesmo. A pesquisa de benchmarking realizada pelos chapters brasileiros do PMI para o ano de 2009 revela alguns fatos interessantes e também preocupantes. Uma das áreas que mais investem em gerenciamento de projetos, o setor de Engenharia (empresas que serão 8/15

9 responsáveis por construir a infraestrutura necessária para os megaeventos que serão sediados no Brasil) utilizam fato em apenas 27% das vezes uma metodologia de gerenciamento de projetos, conforme gráfico 1. Isso é realmente alarmante quando estas se encontram prestes a necessitar de todo o conhecimento disponível para melhor gerenciar projetos e evitar problemas. Desta maneira, os resultados também são apresentados pela pesquisa, e como é de se supor estão alinhados a esta falha de baixa utilização efetiva de uma metodologia de gerenciamento de projetos. Os dados dos gráficos a seguir demonstram graves problemas nos projetos, tais como: 82% das empresas de engenharia atrasam cronogramas (gráfico 2), 82% ultrapassam o custo estabelecido (gráfico 3), 64% relatam que a qualidade é insatisfatória (gráfico 4). Nota-se, conforme o gráfico 5, que a falta de gestão organizacional corresponde a 36%, a falta de clareza dos objetivos representa 20% e o inadequado planejamento/monitoramento atingem 15%, todas estas falhas podem tornar um projeto inviável. Tomando-se em consideração os eventos mundiais, que atraem muitos investimentos, esses erros podem expor um certo grau de amadorismo por parte das empresas envolvidas, o que chega a ser inaceitável. Gráfico 1 Utilização efetiva de uma metodologia de Gerenciamento de projetos Fonte: Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos, Project Management Institute (2009) Os reflexos estão explicitados abaixo. 9/15

10 Gráfico 2 Porcentagem de Projetos que atrasam o cronograma (por setor econômico) Fonte: Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos, Project Management Institute (2009) Gráfico 3 Porcentagem de Projetos que ultrapassam o custo estabelecido (por setor econômico) Fonte: Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos, Project Management Institute (2009) 10/15

11 Gráfico 4 Porcentagem de Projetos em que a qualidade é insatisfatória (por setor econômico) Fonte: Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos, Project Management Institute (2009) Com três fatores que explicam o insucesso econômico de megaeventos esportivos é possível prever o esforço que o governo e iniciativa privada terão que fazer para poder cumprir com o cronograma do evento, com uma qualidade que possa mostrar aos turistas que o pais tem capacidade para crescer de forma organizada e respeitando prazos e custos. Isso sim será a mais valiosa medalha de ouro que o país poderá receber durante estas competições. O número, o tamanho e a complexidade dos Projetos de Capitais (CAPEX) têm crescido significativamente e são mandatoriamente aumentados nos preparativos para os megaeventos como a Copa do Mundo de Futebol. De acordo com a pesquisa de gestão de projetos feita pela PwC Global, intitulada Boosting Business Performance through Programme and Project Management, apenas 2,5% das companhias entregam seus projetos dentro do prazo, dos custos, do escopo e com os benefícios esperados para o negócio, sendo as principais causas disso relacionadas a aspectos gerenciais. Existem também quatro grandes dimensões relativas ao impacto não-econômico, que poderiam ser denominadas como: psicológica; cultural; social; e a percepção dos respondentes em relação ao impacto econômico. Primeiramente, adentrando no impacto psicológico, encontra-se que este é composto pela satisfação em sediar um evento esportivo, na criação de um orgulho de pertencimento, no fato que o esporte pode ser considerado como um denominador comum, na felicidade coletiva, na criação de uma identidade regional ou até mesmo local, e na formação de um orgulho cívico. Por sua vez, o impacto social seria composto por: melhora da qualidade dos trabalhadores da região pelos treinamentos necessários para a organização do evento esportivo; a melhora na qualidade de vida geral dos habitantes através dos altos investimentos em infra-estrutura; a revitalização de bairros menos favorecidos que esta nova infra-estrutura propiciará; e na fomentação de um espírito de comunidade pelo fato de que muitos moradores trabalharão como voluntários na organização do evento. Outro impacto não-econômico seria o cultural, sendo este composto pelo: intercâmbio entre as mais diversas culturas decorrentes do alto número de turistas estrangeiros que são esperados na cidade-sede; fortalecimento da cultura local por meio de ações que 11/15

12 visam apresentar esta cultura para os viajantes estrangeiros; fortalecimento do nacionalismo por meio desta valorização da cultura local; e reconhecimento por parte dos estrangeiros dos valores locais. A última dimensão existente seria a percepção dos possíveis impactos propiciados pela realização do mega-evento na cidade. A percepção seria mensurada tanto nos residentes, quanto nos turistas que presenciaram o mega-evento in loco, e englobaria tanto os impactos econômicos quanto os não-econômicos. Gráfico 5 Problemas mais frequentes em Projetos Fonte: PwC Capital Project Services Global Practice (2010) Grandes projetos de investimento trazem consigo altos riscos envolvidos, tais como definição precária de requerimentos, planejamento inadequado, falta de comprometimento dos stakeholders ou de conjunto de habilidades críticas, falha ao antecipar obstáculos, escassez de recursos, estrutura ou controles insuficientes, falta de suprimentos e equipamentos, ruídos na comunicação, definição inadequada de papéis e responsabilidades ou falhas no endereçamento de problemas de conformidade com normas e leis. Entregar no prazo, dentro do orçamento e das especificações não é mais suficiente. Para ser considerado bem sucedido é necessário demonstrar claramente que alcançou os objetivos propostos, geriu efetivamente as mudanças e transições, atendeu as expectativas dos stakeholders e realizou os benefícios de negócio. Assim, para aumentar a probabilidade de sucesso nos projetos se faz necessária a antecipação dos riscos inerentes, instituírem processos de gestão eficientes, prover controles eficientes e acompanhá-los e gerenciar todas as fases do projeto para assegurar os resultados esperados. Nesse contexto São Paulo está entre as capitais mundiais do luxo, entretenimento e gastronomia. É líder em turismo urbano reunindo sofisticação, requinte, agitação e uma infinidade de atrações. Embora São Paulo seja considerada a 19ª cidade mais rica do mundo e a 14ª mais globalizada possui problemas urbanos como congestionamentos, saturação do transporte público, degradação do centro histórico, poluição do ar e dos rios e ocupação desordenada das áreas de mananciais. A Cidade de São Paulo é uma das cotadas para receber a partida inaugural da Copa de 2014, já possui experiência no planejamento e operação de trânsito para grandes eventos, a partir da organização para a Fórmula 1. Esse modelo está sendo incorporado pela Fifa. O desafio é equacionar a questão do estacionamento, dentro de uma política mais geral e não apenas de atendimento aos jogos e eventos realizados no Estádio do Morumbi. Estima-se que a maioria dos 1,6 milhão de turistas esperados para a 12/15

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

COPA DO MUNDO BRASIL 2014

COPA DO MUNDO BRASIL 2014 SERGS DEBATES 2008 Wesley Cardia COPA DO MUNDO BRASIL 2014 Porque Investir Nessa Idéia? INTRODUÇÃO Sport has a huge influentce in our lives. After work, it is the largest form of mass civil participation,

Leia mais

As lições de Vancouver

As lições de Vancouver As lições de Vancouver O sucesso das Olimpíadas de Inverno realizadas na cidade canadense ensina diversas lições sobre como organizar eventos desse porte Com a proximidade das duas grandes competições

Leia mais

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013

IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA INDuSTrIA hoteleira brasileira JUNHO 2013 IMPACTO DOS MEGA EVENTOS NA Industria hoteleira brasileira JUNHO 2013 ENTIDADE ABIH NACIONAL Fundada em 09/11/1936 3.500 associados 35 escritórios 26 capitais + DF 08 regionais ENTIDADE 25.500 meios de

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA

São Paulo. o perfil dos. cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho. cidade. anuário 2012 CRIATIVA São Paulo anuário 2012 o perfil dos visitantes Os turistas que visitam a capital paulista, a cada ano esticam mais a estadia e começam a agregar, cada vez mais, o lazer ao trabalho Turistas conheça o perfil

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço?

Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Olimpíadas e Copa do Mundo: prestígio a que preço? Nota dos editores Stanley Engerman 1 Esta semana temos o privilégio de publicar um artigo do Historiador e Economista Stanley Engerman, da Universidade

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL MEGAEVENTOS CHEGANDO. COPA DO MUNDO FIFA EM 2014... OLIMPÍADAS EM 2016... Qual o legado real desses megaeventos para nosso país? Qual o custo (financeiro

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO TURISMO - INDICADORES GERAIS Demanda Total de Turistas (estimativa) Principais Procedências - Internacionais 13,22 milhões; 84% Brasileiros, 16% Estrangeiros EUA, Argentina, Alemanha, Chile, Espanha 2013

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Philippe H. BOVY Professor Honorário / Instituto Federal Suíço de Tecnologia Lausanne / Suíça

Leia mais

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10 Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014 Salvador 04/11/10 É a vez do Brasil! Linha do Tempo Eventos Esportivos Copa das Confederações 2013 Copa do Mundo FIFA 2014 Olimpíadas e Paraolimpíadas

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

Secretaria. de Futebol de 2014

Secretaria. de Futebol de 2014 Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 SECOPA Assistir direta e indiretamente ao Prefeito na condução aos assuntos referentes a Copa do Mundo; Parcerias com a sociedade

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Maio de 2010 Paulo Moreira da Fonseca Agenda Introdução Arenas Hotéis Mobilidade Urbana Demais Investimentos Agenda Introdução Arenas Hotéis Mobilidade

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Grandes Eventos. A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial

Grandes Eventos. A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial Grandes Eventos A nova revolução para o desenvolvimento econômico mundial Desenvolvimento das cidades Pólos de crescimento e desenvolvimento de uma nação; Diferentes papéis: econômico e social; Elevado

Leia mais

Impactos econômicos da realização da Copa 2014 no Brasil

Impactos econômicos da realização da Copa 2014 no Brasil Code-P0 Impactos econômicos da realização da Copa 2014 no Brasil Brasília, 31 de março de 2010 Code-P1 Observações iniciais Este trabalho foi realizado pelo consorcio contratado pelo Ministério do Esporte,

Leia mais

FINANÇAS DOS CLUBES BRASILEIROS E VALOR DAS MARCAS DOS 17 CLUBES MAIS VALIOSOS DO BRASIL

FINANÇAS DOS CLUBES BRASILEIROS E VALOR DAS MARCAS DOS 17 CLUBES MAIS VALIOSOS DO BRASIL FINANÇAS DOS CLUBES BRASILEIROS E VALOR DAS MARCAS DOS 17 CLUBES MAIS VALIOSOS DO BRASIL edição 2012 Sumário Prefácio 5 Finanças dos clubes brasileiros 6 Receita total e 7 receita sem transferências de

Leia mais

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do regime internacional sobre mudanças climáticas Brasília,

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Copa 2014 Desafios e Oportunidades

Copa 2014 Desafios e Oportunidades Copa 2014 Desafios e Oportunidades A Copa 2014 tem dono... A Copa é da FIFA Exigências atribuladas no caderno de encargos Com a Copa de 2010, o único continente que ainda não sediou o evento foi a Oceania

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS Números DA CIDADE DE SÃO PAULO

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS Números DA CIDADE DE SÃO PAULO Turismo - indicadores gerais Demanda Total de Turistas (Estimativa) Demanda Total de Turistas (Estimativa) Principais Procedências - Internacionais 13,2 milhões; 85% Brasileiros, 15% Estrangeiros 15,1

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH. escolha das cidades-sede. Copa

Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH. escolha das cidades-sede. Copa Minas Gerais na Copa do Mundo de 2014 Copa em Minas já começou Pontapé inicial: Planejamento Integrado Governo de Minas e PBH 31 de maio de 2011 dois anos de escolha das cidades-sede 2014 BH/MG modelo

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

na cidade de São Paulo

na cidade de São Paulo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO Copa do mundo da fifa Brasil 2014 impacto econômico na cidade de São Paulo A pesquisa Objetivo: * Identificar o movimento econômico gerado

Leia mais

Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014.

Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014. Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014. Sérgio Ricardo Fortes EMTU/SP Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo - SP Fone:

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região. Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012

Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região. Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012 Copa do Mundo de 2014: Impactos e legado (Região Sudeste) Prof. Dr. Gerardo Silva, UFABC, 03-12-2012 Questões gerais A Copa do Mundo do Futebol já está ai e é muito pouco o que pode ser mudado A questão

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Mega Eventos Esportivos. Credenciais globais

Mega Eventos Esportivos. Credenciais globais GLOBAL INFRASTRUCTURE Mega Eventos Esportivos Credenciais globais KPMG INTERNATIONAL Onde quer que estejam, as cidades e os países que sediam os principais eventos esportivos internacionais assumem compromissos

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

2º Congresso Brasileiro de Galvanização

2º Congresso Brasileiro de Galvanização 2º Congresso Brasileiro de Galvanização O EVENTO GALVABRASIL 2013 2º Congresso Brasileiro de Galvanização Fundado em 1970, A missão do ICZ Instituto de Metais não Ferrosos é de promover a utilização de

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. PAC da Infra-Estrutura e a Preparação para a Copa de 2014. Luis Fernando Melo Mendes - Economista

CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. PAC da Infra-Estrutura e a Preparação para a Copa de 2014. Luis Fernando Melo Mendes - Economista CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PAC da Infra-Estrutura e a Preparação para a Copa de 2014 Luis Fernando Melo Mendes - Economista Representante nacional e internacional das entidades empresariais

Leia mais

A produção científica sobre eventos turísticos, megaeventos esportivos e a dimensão ambiental no Seminário ANPTUR

A produção científica sobre eventos turísticos, megaeventos esportivos e a dimensão ambiental no Seminário ANPTUR A produção científica sobre eventos turísticos, megaeventos esportivos e a dimensão ambiental no Seminário ANPTUR Gisele Silva Pereira 1 Guilherme de Oliveira Lopez de Ávila 2 Samara Camilotto 3 Resumo:

Leia mais

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Maio 2012 A BDO é a quinta maior empresa de auditoria e consultoria do Brasil, e realiza estudos e análises sobre a Indústria do Esporte, por meio de sua

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil

IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011. Belo Horizonte - Brasil IV Congresso Latino Americano de Opinião Pública WAPOR 2011 Belo Horizonte - Brasil Os brasileiros e a Copa de 2014: Movimentos de opinião pública e de mercado 2 Introdução Metodologia Além do levantamento

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014.

VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. As cidades do futuro VARELLA, João. As cidades do futuro. Isto é Dinheiro. São Paulo, 15 de fevereiro de 2014. O mundo passa por um processo de urbanização nunca visto na história. Metade da população

Leia mais

Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014

Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014 Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014 4º Fórum de Direito do Turismo 20 de Maio de 2011 ARRANJO INSTITUCIONAL - GOVERNO DE PERNAMBUCO SECOPA-PE Atribuições Planejar, coordenar e gerir as iniciativas dos órgãos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 O SETOR HOTELEIRO BRASILEIRO APÓS A COPA Caio Sergio Calfat Jacob - ex-presidente da LARES (Latin American Real Estate Society)

Leia mais

COPA 2014 África do Sul 2010: legado no bolso da Fifa e seus parceiros

COPA 2014 África do Sul 2010: legado no bolso da Fifa e seus parceiros COPA 2014 África do Sul 2010: legado no bolso da Fifa e seus parceiros Os sul-africanos acreditaram nas promessas de mais emprego, turistas e investimentos bilionários que viriam com a Copa. Mas, segundo

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014

Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Mobilidade urbana, infra-estrutura e a Copa de 2014 Oportunidades para a arquitetura e a engenharia 8º Encontro da Arquitetura e da Engenharia Consultiva de São Paulo Sinaenco/sp 26 de agosto de 2008 Jurandir

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo

Indústria do Esporte. Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Indústria do Esporte Análise de Faturamento FIFA Copa do Mundo Fevereiro 2013 Com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, a BDO RCS fez um levantamento sobre a evolução da receita da FIFA desde a sua

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil

Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil Shutterstock/ stockphoto mania Especialistas destacam a necessidade de maior participação do setor privado em projetos de infraestrutura de países como o Brasil 28 As melhores do mundo Jurados independentes

Leia mais

Projetos: Terminologia e Aplicações

Projetos: Terminologia e Aplicações Capítulo 1 Projetos: Terminologia e Aplicações A profissionalização da área de Gerenciamento de Projetos é cada vez maior, não somente no Brasil, mas de modo universal. Tal fato é evidenciado observando-se

Leia mais

Campinas Território Inteligente

Campinas Território Inteligente Campinas Território Inteligente Conteúdo Conceito Dimensões da Cidade Inteligente Território Inteligente Dimensões Inspirações e projetos existentes em outras cidades Campinas Projetos de Território Inteligente

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

Legado turístico pós-copa: as potencialidades de BH. Roberto Luciano Fagundes Presidente do BHC&VB

Legado turístico pós-copa: as potencialidades de BH. Roberto Luciano Fagundes Presidente do BHC&VB Legado turístico pós-copa: as potencialidades de BH Roberto Luciano Fagundes Presidente do BHC&VB Legado turístico pós-copa: as potencialidades de BH O que é Belo Horizonte Convention & Vistors Bureau

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO, MINIMIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA COPA NA VIDA DAS CRIANÇAS, ADOLESCENTES E PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA EM FORTALEZA. 1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA

Leia mais

Gerência de Articulação Institucional

Gerência de Articulação Institucional Gerência de Articulação Institucional Rio sediará a 1ª Olimpíada da América do Sul. Geração de R$ 100 bilhões em riquezas no País. Copa das Confederações 2013 e Copa do Mundo 2014 => novos investimentos

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES. GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP

COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES. GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP A INDÚSTRIA DO ESPORTE A Indústria do Esporte Atividades econômicas relacionadas

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 25/02/2014 David Barioni Neto Mar/10 a Jun/11: Presidente Executivo (CEO) da Facility Group S.A. Nov/07 a Out/09: Presidente Executivo (CEO) da TAM Linhas Aéreas

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

Organizando o "maior espetáculo da Terra" Estudo de caso. AXELOS.com

Organizando o maior espetáculo da Terra Estudo de caso. AXELOS.com Organizando o "maior espetáculo da Terra" AXELOS.com. Direitos autorais sobre a organização e design tipográfico pertencem à The Stationery Office Limited Estudo de caso Novembro de 2011 Índice Introdução

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL Turismo é o estudo do deslocamento humano para fora de seu habitat usual, da indústria que responde por suas necessidades e dos impactos

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Concessão de Uso do Centro de Exposições Imigrantes Apresentação do Projeto Conselho do PEFI SP, 13/09/2012 Agenda

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014

HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 HOTELARIA DE CURITIBA: UM GOL DE PLACA NA COPA 2014 INDUSTRIA HOTELEIRA EM CURITIBA Curitiba e região possui atualmente 18 mil leitos, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais