Métodos de Produção do Conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos de Produção do Conhecimento"

Transcrição

1 Cruzeiro Métodos de Produção do Conhecimento Apostila 3 Metodologia de estudo de caso 1. A COMPLEXIDADE D O ESTUDO D E CASO OS COMPONENTES DO ESTUDO DE CASO DOIS EXEMPLOS QUESTÕES DE ESTUDO PROPOSIÇÕES DE ESTUDO UNIDADE DE ANÁLISE LÓGICA QUE LIGA OS DAD OS ÀS PROPOSIÇ ÕES DADOS LIGAÇÃO DOS DADOS ÀS QUESTÕES & PROPOSIÇÕES DE PESQUISA Exemplo da motivação Exemplo da cidade de Piquete CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS ENCONTRAD OS GUIAR AS CONCLUSÕES PELA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Interpretação dos resultados sobre motivação a par tir da fundamentação teórica Interpretação dos resultados sobre crescimento potencial de Piquete a partir da fundamentação teórica INTERPRETAÇÃO A PARTIR DE UM ESTUDO DOS DADOS SEM UM ESQUEMA PRELIMINAR O PROTOC OLO DE ESTUDO D E CASO O QUE É O PROTOCOLO PARTES DO PROTOCOLO NOTAS SOBRE A CONFECÇÃO DO PROTOCOLO... 7 ANEXO EXEMPLO D E TABULAÇÃO DE RESULTADOS... 8 Ana Lúcia Magalhães 1º semestre de 2015

2 1. A COMPLEXIDADE DO ESTUDO DE CASO Estudos de caso, por geralmente dispensarem técnicas estatísticas, como a pesquisa quantitativa, e esforço de classificação, como a qualitativa, são erroneamente supostos como fáceis. Na verdade, desenvolver um estudo de caso pode ser complexo. A metodologia de Robert Yin obriga a pensar e a aprofundar. Com isso, se por um lado a pesquisa fica mais trabalhosa, por outro se consegue extrair o máximo dos dados encontrados. Estudo de Caso Planejamento & Métodos Robert K. Yin Editora: Bookman Cumpre notar que, dado um tema, não há uma única linha de estudo possível. O estudo, por exemplo, da Festa do Peão Boiadeiro de Piquete pode ser feito para se estudar a mecânica do evento ou para verificar a quais trad ições históricas a Festa obedece. 2. OS COMPONENTES DO ESTUDO DE CASO Os componentes do estudo de caso vão listados a seguir com comentários sucintos. 1. Questões de estudo (ou questões de pesquisa no caso são sinônimos); o que se quer saber com a pesquisa. 2. Proposições de estudo (ou de pesquisa): com qual finalidade se quer saber as respostas para as questões de estudo. 3. Unidade de análise: onde começa e onde termina o estudo. Os limites claros do que se quer estudar. 4. Lógica que liga os dados às proposições: Dados: o que se vai obter de informações. Podem ser respostas a questionário, tabuláveis ou não, transcrições de entrevistas, imagens, artigos de jornais e revistas, citações de livros ou outros. Qualquer dado deve ter sua fonte indicada claramente. Lógica: como se vai usar os dados para responder às questões de estudo e demonstrar cumprimento (ou não) das proposições de estudo. 5. Critérios de interpretação dos resultados encontrados 3. DOIS EXEMPLOS Há basicamente duas possibilidades: Guiar as conclusões pela fundamentação teórica; Desenvolver a partir de um estudo dos dados sem um esquema preliminar. 1 Os dois exemplos a utilizar para melhor fixação dos conceitos são estudos de caso em: Motivação dos alunos de Eventos para a escolha desse curso. Perspectivas econômicas para a cidade de Piquete nos próximos 20 anos. 1 Robert Yin propõe duas outras alternativas, a interpretação a partir da descrição do caso e a comparação de interpretações alternativas. Como os dois modos mostrados resolvem satisfatoriamente 100% dos casos, este texto se limita a eles. A comparação de interpretações alternativas só se dá quando a conclusão é muito polêmica, o que não é o caso em praticamente todos os estudos envolvendo eventos. Ana Lúcia Magalhães 1

3 4. QUESTÕES DE ESTUDO São as perguntas que se explicitam o que se quer saber. São mostradas, a seguir, questões de estudo para os dois casos-exemplo. Motivação dos alunos de Eventos para a escolha desse curso. a) Por que os alunos escolheram o curso? Quais as principais razões? b) O que os alunos esperam do curso? c) Qual o perfil sociocultural desses alunos? Perspectivas econômicas de Piquete. a) O que acontecerá com a fábrica que é hoje o maior empregador da cidade? b) Quais as vocações econômicas da cidade? c) Qual a capacidade do poder público municipal de estabelecer parcerias d) Qual a possibilidade de haver empreendimentos originários de pessoas da cidade? e) Qual a possibilidade de implantação de projetos de empresas de fora da cidade? Nota importante: as questões de pesquisa não são as perguntas do questionário. Por exemplo, não se pergunta ao aluno qual seu perfil sociocultural? As perguntas do questionário dizem respeito a valores e renda familiar, o perfil sociocultural não é determinado apenas pelas respostas, mas situando em um contexto determinado pelas classes de renda da FGV e por um esquema padronizado de valores, como vai se ver mais adiante. Mesmo quando a pergunta do questionário tem a mesma forma da questão de pesquisa, caso de qual sua motivação para fazer o vestibular de eventos?, a pergunta do questionário é feita na forma de seleção entre alternativas, para tabulação dos resultados, o que também vai ser visto mais adiante. Assim, ao formular as questões de pesquisa não se deve pensar no que se vai perguntar, mas no que se quer saber. 5. PROPOSIÇÕES DE ESTUDO É muito importante, para que compreensão e utilização da metodologia, o perfeito entendimento da diferença entre questões de estudo e proposições de estudo. Em outras palavras, o pesquisador deve saber exatamente o que quer saber e por que quer saber. As proposições de estudo são as razões pelas quais se quer saber a resposta às questões de estudo. Nos exemplos citados: Motivação dos alunos de Eventos para a escolha desse curso. a) Diretrizes para divulgação do curso, a aplicar desde o próximo vestibular. b) Organização de informações que poderão ser úteis à Coordenação. Perspectivas econômicas de Piquete. a) Subsídios para a decisão de jovens de continuar ou não da cidade. b) Subsídios a empreendedores para investir na cidade. Ana Lúcia Magalhães 2

4 Notar que as proposições de estudo são bastante diferentes das questões de estudo. Em outras palavras, quando se quer saber algo, isso acontece devido a um propósito quase sempre diferente de mera curiosidade. 6. UNIDADE DE ANÁLISE A unidade de análise tem a ver com o foco. O trabalho sobre motivação para cursar Eventos poderia, por exemplo, incluir as reações dos pais dos alunos, ou incluir outros cursos universitários e mesmo técnicos de Eventos. Com isso, o trabalho perderia foco e dificilmente ficaria satisfatório. Assim, há que delimitar de modo claro onde começa e onde termina o que se está estudando. No caso, a análise se dará com a turma do primeiro semestre de 2015 do Curso de Eventos da Fatec de Cruzeiro, a unidade de análise. Para o trabalho sobra a cidade de Piquete, o pesquisador pode se sentir tentado a incluir cidades vizinhas, ou prever as mudanças a ocorrer no perfil psicossocial dos habitantes. Para deixar claro o foco, deve-se escrever que par esse aso a unidade de análise é a economia do Município de Piquete entre 2025 e LÓGICA QUE LIGA OS DADOS ÀS PROPOSIÇÕES Essa expressão pode parecer difícil, mas na verdade é algo que se torna claro quando é entendido. 7.1 Dados Os dados podem ser, por exemplo Respostas tabuladas de questionários Respostas discursivas de questionário (geralmente após uma classificação) Depoimentos resultantes de entrevistas (com alunos e com a Coordenadora do curso) Números (como população, PIB, faturamento de um setor da economia) Fatos, dados e opiniões pesquisados na literatura. 7.2 Ligação dos dados às questões & proposições de pesquisa T rata-se de explicar como se vai usar os dados para responder às questões e atender às proposições Exemplo da motivação No exemplo da motivação, os dados serão os mostrados a seguir. Respostas a perguntas de questionário Enquadramento em classe de renda segundo FGV Valores segundo Rokeach (pronuncia-se rou-qitch) ver notas adiante. Como se vai chegar às proposições a partir desses dados? As questões de pesquisa serão atendidas como segue. a) Por que os alunos escolheram o curso? Quais as principais razões? Respostas tabuladas e mostradas em tabelas e gráficos. Frases significativas pinçadas em entrevistas b) O que os alunos esperam do curso? Respostas tabuladas e mostradas em tabelas e gráficos. Frases significativas pinçadas em entrevistas Ponto de vista da instituição, obtido por meio de entrevista com a Coordenadora c) Qual o perfil sociocultural desses alunos? Ana Lúcia Magalhães 3

5 Classe social segundo a FGV, tabulada. Valores segundo Rokeach, tabulados (ver notas ao final desta seção) As proposições serão atendidas como segue. a) Diretrizes para divulgação do curso, a aplicar desde o próximo vestibular. Preparar o material conforme as principais motivações dos candidatos em potencial Desenvolver material para mostrar o que a instituição está atenta ao que os alunos esperam do curso. Nortear a divulgação em torno dos valores que serão atendidos. b) Organização de informações que poderão ser úteis à Coordenação Notas Elencar fatores motivadores, organizados em tabelas e gráficos. Mostrar as expectativas dos alunos, organizadas em tabelas e gráficos. Apresentar o perfil sociocultural, organizado em tabelas e gráficos em com um texto curto de análise. Escalas de Rokeach. Milton Rokeach foi um psicólogo social americano, que dividiu os valores entre pretendidos (ou terminais), o que se quer alcançar, e instrumentais, o que se vai usar para alcançar os valores pretendidos. Essa classificação é simples e o teste que as envolve é também simples de aplicar. Esse sistema é muito usado para determinar valores de grupos de pessoas. Assim, a aplicação do teste consiste em pedir para que cada pessoa testada escolha três valores pretendidos e três valores instrumentais na tabela a seguir. Os valores são esc olhidos sem ordem de prioridade e os dominantes são os valores do grupo. Valores instrumentais (como alcançar) Valores pretendidos (que se quer alcançar) Ambição Intelecto Amizade Reconhecimento social Afeto Lealdade Autorrespeito Sabedoria Capacidade Lógica Harmonia Saúde Coragem Generosidade Segurança da família Senso de realização Gentileza Disciplina Prazer Vida confortável Responsabilidade Criatividade Igualdade Vida emocionante Classes de renda segundo a FGV Há várias dessas tabelas, como as do IBGE e as da FIPE. Coloca-se aqui as da FGV. Classe A R$ maior Classe B R$ R$ Classe C R$ R$ Classe D R$ R$ Classe E R$ 0 R$ Exemplo da cidade de Piquete No exemplo da cidade de Piquete, os dados são os que seguem. Histórico econômico da cidade, incluindo dados demográficos (população, idade da população), PIB e parcela do PIB devida à indústria dominante no município e tradição do poder público municipal no estabelecimento de parcerias. Ana Lúcia Magalhães 4

6 Dados econômicos do município, principalmente PIB agrícola, PIB industrial e PIB de serviços (que inclui o turismo). Dados sobre as potencialidades do município, pesquisados junto à Prefeitura, Associação Comercial, Governo do Estado e IBGE. Infraestrutura da cidade (ruas, comunicações, prédios, escolas, energia) Mostrar o nível educacional dos moradores da cidade, a obter junto à Prefeitura e/ou IBGE. Respostas a questionários com uma amostra da população entre 18 e 30 anos investigando a vontade de empreender e a compreensão das etapas que envolvem empreender. Respostas obtidas na entrevista com o Secretário de Indústria e Comércio da Prefeitura e com o presidente ou um dos diretores da Associação Comercial. Dados sobre empreendimentos bem sucedidos em cidades vizinhas. As questões de pesquisa serão atendidas como segue. a) O que acontecerá com a fábrica que é hoje o maior empregador da cidade? Dados fornecidos pela Prefeitura e pela Associação Comercial Notas: 1) Não é o caso de entrevistar executivos da empresa, que não fornecerão informações confidenciais. 2) Se as respostas forem inconclusivas, o cenário econômico em 20 anos terá que considerar as duas possibilidades. Frases significativas pinçadas em entrevistas b) Quais as vocações econômicas da cidade? Dados fornecidos pela Prefeitura e Associação Comercial complementados com informações colhidas por meio de visitas e depoimentos. c) Qual a capacidade do poder público municipal de estabelecer parcerias? Dados colhidos junto à Prefeitura e junto à Associação Comercial, com especial cuidado a investigações posteriores sempre que as respostas forem contraditórias. Especial atenção ao histórico da cidade em relação a essas parcerias. d) Qual a possibilidade de haver empreendimentos originários de pessoas da cidade? Dados tabulados obtidos com respostas ao questionário respondido pelos jovens da cidade. Exame das possibilidades à luz das vocações econômicas da cidade estudadas para respostas à questão anterior. e) Qual a possibilidade de implantação de projetos de empresas de fora da cidade? Dados colhidos junto à Prefeitura e Associação Comercial Dados colhidos das informações colhidas posteriormente às entrevistas. As proposições serão atendidas como segue. a) Subsídios para a decisão de jovens de continuar ou não da cidade. Efetuar o exame da série histórica do PIB e formulação de três cenários: 1) Crescimento, devido à manutenção da fábrica e/ou implantação de novos empreendimentos. 2) Estagnação, com crescimento correspondendo à manutenção do crescimento histórico. 3) Decadência, com fechamento da fábrica sem substituição por novos empreendimentos 2 2 Uma possibilidade seria estudar o que se tem passado em Canas, município recém-emancipado que tem desenvolvido um parque industrial. Ana Lúcia Magalhães 5

7 Estimativa de probabilidade de cada um desses cenários. Desenvolver cenários de crescimento da população e do mercado de trabalho, segundo as possibilidades mostradas no item anterior.. Mostrar as possibilidades de empreender. b) Subsídios a empreendedores para investir na cidade. Mostrar série histórica de PIB e os cenários Mostrar as possibilidades em todos os cenários, mesmo o de decadência. 8. CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS ENCONTRADOS Conforme mencionado, há basicamente quatro possibilidades, que passam a ser detalhadas a seguir. O importante é mostrar que as proposições de pesquisa foram atingidas e, se não foram, qual a razão. Esse é o critério mais importante, e a seção 8.2 Um dos formatos é bastante livre, o desenvolvimento a partir dos resultados. 8.1 Guiar as conclusões pela fundamentação teórica Esse critério é bom principalmente para trabalhos acadêmicos. Os exemplos que seguem são ilustrativos Interpretação dos resultados sobre motivação a partir da fundamentação teórica. A fundamentação teórica pode ser baseada em um clássico da Psicologia, Uma Teoria da Motivação Humana, um paper escrito em 1943 por A. H. Maslow. Nesse paper, ele destaca cinco objetivos principais: fisiologia (e star alimentado e saudável), segurança (estar protegido e seguro), amor (amar e ser amado), autoestima e possibilidade de progresso. A interpretação, se o estudo se der para o paper acadêmico, deverá procurar enquadrar os itens motivantes nesse esquema. Por exemplo, se um dos itens motivantes for o mercado de trabalho amplo, o objetivo segundo Maslow seria o da possibilidade de progresso na vida. Se for o fato de o trabalho ser interessante, o fator motivante seria o da autoestima. A partir dessa concepção de motivação, as questões de estudo poderiam ser respondidas em termos das satisfações desses cinco objetivos. Nota: é claro que o paper teria que ter uma fundamentação teórica mais extensa que a listagem dos objetivos, e deveria incluir outras obras além do ensaio de Maslow. A abordagem resumida aqui efetuada é ilustrativa Interpretação dos resultados sobre crescimento potencial de Piquete a partir da fundamentação teórica. Nesse caso, a fundamentação teórica pode ter base em: Manual do Prefeito, publicação de 2013 do IBAM (Instituto Brasileiro de Administração Municipal); Esse manual mostra que o progresso econômico de qualquer cidade depende da capacidade do poder público de estabelecer parcerias com empresas e com a comunidade. Levantamento das potencialidades do município. A partir desses dados, as questões de estudo podem ser respondidas em termos de possibilidades de estabelecimento de parcerias segundo as potencialidades econômicas da cidade. 8.2 Interpretação a partir de um estudo dos dados sem um esquema preliminar Nesse caso, basta organizar os gráficos, tabelas e respostas e construir sua conclusão. É sempre interessante, no entanto, olhar a fundamentação teórica, que pode no mínimo fornecer ideias. 9. O PROTOCOLO DE ESTUDO DE CASO 9.1 O que é o protocolo O protocolo de estudo de caso é um planejamento detalhado de como o estudo de caso será feito. Como qualquer planejamento, pode sofrer mudanças durante o desenvolvim ento, mas deve sempre ser desenvolvido para que se tenha uma visão detalhada sobre: Ana Lúcia Magalhães 6

8 1. O que se pretende fazer. 2. Por que se quer fazer (em outras palavras, onde se quer chegar) 3. Quais os dados que se vai obter. 4. Como se vai usar os dados para chegar aos objetivos. Como em tantas outras coisas, um profissional não começa um trabalho para resolver no me io do serviço que direção irá tomar. Conforme dito anteriormente, mudanças podem ocorrer, mas serão mudanças que possuirão como referência uma base sólida. 9.2 Partes do protocolo A. Visão Geral 1. Questões de estudo 2. Missão e objetivos (proposição de estudo) 3. Base teórica (necessária apenas para estudos acadêmicos 3 ) B. Procedimentos de coleta de dados 1. Nomes das pessoas que farão a coleta de dados 2. Plano de coleta de dados C. Definição dos dados e dos instrumentos de coleta de dados 1. Perguntas de questionários e entrevistas (com as alternativas a tabular ver anexo) 2. Plano de aplicação de questionários e entrevistas. D. Como desenvolver o relatório ou paper 1. Seções, títulos e subtítulos 2. Conteúdo de algumas seções, se necessário e sob a forma de notas concisas (duas frases no máximo para cada seção comentada). 9.3 Notas sobre a confecção do protocolo a) A base teórica do protocolo é diferente da fundamentação teórica do artigo acadêmico ela é resumida, e tem geralmente um a dois parágrafos. b) O plano de coleta de dados pode ser muito simples, como a aplicação de um questionário a uma turma de universidade, mas pode ter alguma complexidade. Por exemplo, no caso da pesquisa sobre possibilidades econômicas de uma cidade: Lista de dados a pesquisar junto à Prefeitura e, se não estiverem disponíveis, no IBGE ou em outra base de dados. Plano de como encontrar o maior número possível de pessoas entre 18 e 30 anos para aplicação de questionário sobre empreendedorismo. Exemplo: bares e restaurantes. Identificação das pessoas a entrevistar na Prefeitura e na Associação Comercial (no protocolo, nome e direção dessas pessoas deve estar incluído). Enumeração de empresas a procurar para eventual confirmação de informações fornecidas pela Prefeitura. c) O plano de aplicação de questionários deve incluir lugar e hora; o plano de aplicação de entrevistas deve incluir as pessoas a serem entrevistadas e a direção (endereço, telefone, ) dessas pessoas. d) As entrevistas devem ser gravadas e transcritas. As perguntas devem ser objetivas, até para reduzir o trabalho de transcrição. 3 Uma pesquisa profissional, como um estudo de viabilidade para implantação de um centro de eventos em um hotel, não precisa de fundamentação teoria, ainda que possa ser interessante um texto curto sobre a metodologia utilizada. Ana Lúcia Magalhães 7

9 ANEXO EXEMPLO DE TABULAÇÃO DE RESULTADOS Seja uma pesquisa em que se deseja verificar, por classe social, qual o significado percebido da palavra evento. No questionário, a pergunta teria o seguinte formato: Qual é, para você, o significado da palavra evento? Qualquer acontecimento Acontecimento organizado Casamento ou aniversário Não sei (Não é obrigatório, mas as possibilidades de resposta podem ser organizadas em tabelas, sem as linhas de grade. O quadrinho de resposta pode ser escolhido entre as opções dadas pelo comando do Word Inserir Símbolo) As respostas, contadas e transformadas em porcentagem, devem ser entradas no Excel conforme mostrado na figura a seguir, Para a confecção de relatórios ou papers, é aconselhável selecionar os dados (no caso, A1:B5), e colar no Word, ajustando depois linhas de grade, fontes e alinhamentos, para um resultado como o que segue. Qualquer acontecimento Casamento ou aniversário Acontecimento organizado Não sei Classe A 15% 18% 67% 0% Classe B 23% 19% 58% 0% Classe C 38% 47% 11% 4% Classe D 41% 38% 8% 13% Para confeccionar um gráfico de barras: Realçar os dados (no caso, A1:B;); Procurar a aba Inserir e clicar no gráfico de coluna, conforme a seta. Ana Lúcia Magalhães 8

10 Ao se clicar na pequena seta à direita do ícone para o qual a seta aponta, surgirá um menu, do qual se sugere escolher a opção mais simples de gráfico 2D. Vai aparecer, na planilha, a figura: Título do Gráfico 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% qualquer acontecimento casamento ou anivesário acontecimento organizado não sei classe A classe B classe C classe D O ícone Adicionar Elemento Gráfico, cuja localização na tela é mostrada na figura a seguir, fornece uma série de opções para customização do gráfico, das quais duas são recomendadas: o título e a adição de rótulos de dados. Ana Lúcia Magalhães 9

11 Usando as duas opções, tem-se o gráfico: 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 23% 15% Percepção do significado da palavra evento 41% 38% qualquer acontecimento 18% 19% 47% 38% casamento ou anivesário 67% 58% 11% 8% acontecimento organizado 4% 0% 0% não sei 13% classe A classe B classe C classe D Nota: sugere-se tentar usar a opção Adicionar Elemento Gráfico de várias maneiras para compreensão dos recursos oferecidos, lembrando que deve ser sempre usada a sobriedade, sobretudo evitando gráficos 3D. Ana Lúcia Magalhães 10

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Formulários de dados e Tabelas dinâmicas. Prof. Laércio Juarez Melz

Formulários de dados e Tabelas dinâmicas. Prof. Laércio Juarez Melz Formulários de dados e Tabelas dinâmicas Prof. Laércio Juarez Melz Formulário de Dados? É o instrumento que serve para coletar dados. Pode ser impresso ou on-line. Vamos focar no on-line. Como fazer? Existem

Leia mais

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO RIO BRANCO Ano AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO Pré-Projeto de Pesquisa apresentado como exigência no processo de seleção

Leia mais

Orientações Gerais para Elaboração de Projeto 4º Prêmio CISER de Inovação Tecnológica

Orientações Gerais para Elaboração de Projeto 4º Prêmio CISER de Inovação Tecnológica Orientações Gerais para Elaboração de Projeto 4º Prêmio CISER de Inovação Tecnológica O projeto deverá ser encaminhado contendo todas as informações solicitadas no roteiro a seguir, inclusive seguindo

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS A Diretora da Faculdade Béthencourt da Silva com base na Proposta Nacional de Conteúdo para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis,

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Normatização nº 01/2010 - CCEF ESTABELECE NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC - DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

5º Workshop Planejamento Estratégico UFAM

5º Workshop Planejamento Estratégico UFAM 5º Workshop Planejamento Estratégico UFAM Oficina 2 Grupo G1 28/01/2015 SUMÁRIO Abertura Matriz SWOT Perspectivas do BSC e Objetivos Estratégicos Mapa Estratégico Vetores Formulação Estratégica Abertura

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO 1 INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO CAMPINA GRANDE-PB 2014 2 NOME DOS ALUNOS (equipe de 4

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 1 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. PROFA. DRA. SILVIA DA COSTA STOCKINGER Carga Horária: 16 horas

RELATÓRIO DA OFICINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. PROFA. DRA. SILVIA DA COSTA STOCKINGER Carga Horária: 16 horas 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CRESS/PA 1ª REGIÃO OFICINA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PROFA. DRA. SILVIA DA COSTA STOCKINGER Carga Horária: 16 horas APRESENTAÇÃO Esta oficina faz parte do Curso de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA.

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA. 1 MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR DE CONTEÚDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DA FATEC-INDAIATUBA. Manual elaborado pelo Coordenador de Curso Indaiatuba/SP Fevereiro/2016 2 S U M Á R

Leia mais

Objetivo do trabalho 4

Objetivo do trabalho 4 CC-226 Introdução à Análise de Padrões Prof. Carlos Henrique Q. Forster Instruções para Trabalho 4 Objetivo do trabalho 4 Relatar os resultados obtidos no trabalho 3 e estendidos na forma de escrita científica

Leia mais

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2012 Relatório de Descrição de Prática de Gestão Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes Categoria: Inovação da Gestão em Saneamento IGS Setembro

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro

Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ECONOMIA E FINANÇAS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS Roteiro para elaboração do Projeto de Monografia do Curso de Graduação em Ciências Econômicas Rio de Janeiro

Leia mais

Planejamento de Marketing Digital

Planejamento de Marketing Digital .pdf [ebook] Planejamento de Marketing Digital 2012 2013 2014 2015 2016 Dicas para a leitura deste ebook Os itens do índice são todos clicáveis. Ao clicar no conteúdo de interesse você será levado para

Leia mais

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu.

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu. ARTIGOS CIENTÍFICOS Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. OPENOFFICE IMPRESS 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos

Leia mais

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM V. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V Projeto Integrado Multidisciplinar PIM V - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Propor a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas do semestre no funcionamento dos sistemas de Saúde

Leia mais

UM BRASIL JOGADOR A Comunidade Gamer Brasileira DOCUMENTÀRIO CURTA-METRAGEM - PRODUÇÃO CULTURAL

UM BRASIL JOGADOR A Comunidade Gamer Brasileira DOCUMENTÀRIO CURTA-METRAGEM - PRODUÇÃO CULTURAL UM BRASIL JOGADOR A Comunidade Gamer Brasileira DOCUMENTÀRIO CURTA-METRAGEM - PRODUÇÃO CULTURAL Diretor: Caio Rodrigues Argumento: Wagner Rodrigues Miranda SINOPSE: Curta-documentário que pretende abordar

Leia mais

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1º SEMESTRE AAP (Atividade Autônoma de Projeto) Jales 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FINALIDADE DO P.I. (PROJETO INTERDISCIPLINAR)... 3 3 PRESENÇA

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR. Diário Eletrônico do Sistema Nambei

MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR. Diário Eletrônico do Sistema Nambei MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR Diário Eletrônico do Sistema Nambei ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Tela de Acesso... 3 Figura 2 - Alteração de Senha... 3 Figura 3 - Página inicial - Perfil

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 1. DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR Trata-se de unidade curricular que compõe o processo curricular dos Cursos de Graduação que possuem tal componente

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. POWERPOINT 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos ou objetos

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC)

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC) DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC) RIO DE JANEIRO 2009 2 APRESENTAÇÃO Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE BAURU PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS BAURU 2014 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO A Faculdade

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância

Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância Regulamento Específico para os Estágios Supervisionados do Curso de Licenciatura em Geografia a Distância As disciplinas Estágio Supervisionado I e II, devendo perfazer o total de 200 (duzentas) horas

Leia mais

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX.

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 24/08/2011 1 Sumário Frases Codificadas...

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011

Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011 Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011 Manual de TC Manual de TC Manual detc de Serviço Social 1. INTRODUÇÃO Definimos o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), como um trabalho científico,

Leia mais

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Alexandre Porto de Araujo São José dos Campos, abril de 2014 Estrutura do item de múltipla escolha Item de múltipla escolha utilizado nos testes

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE Sumário: 1. Apresentação 2. Finalidade do Prêmio 3. A quem se destina 4. Requisitos de elegibilidade para inscrição 5. Critérios de Avaliação 6.

Leia mais

Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR

Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR Educação Superior para Carreiras Públicas PROJETO INTEGRADOR Brasília DF Julho de 2012 Gustavo Javier Castro Diretor Acadêmico da Faculdade Processus Maria Aparecida de Assunção Coordenadora do curso de

Leia mais

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP Feitosa, R. 1, Santos, J. 2, Lourenção, P. 3 123 Curso de Administração de Empresas, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas. Univap

Leia mais

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição?

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição? Caríssimo aluno da Rede CEJA, Seja muito bem vindo à sua escola! Estamos muito felizes que você tenha optado por dar continuidade aos seus estudos conosco, confiando e acreditando em tudo o que poderemos

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO

8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO 8º CONCURSO ESTADUAL DE PLANOS DE NEGÓCIO PARA UNIVERSITÁRIOS 2015 REALIZAÇÃO: SEBRAE/SC REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso Estadual de Planos de Negócio para Universitários é uma

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 013, DE 03 DE MAIO DE 2016, RETIFICADO PELO EDITAL Nº 022, DE 02 DE JUNHO DE 2016.

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 013, DE 03 DE MAIO DE 2016, RETIFICADO PELO EDITAL Nº 022, DE 02 DE JUNHO DE 2016. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA EDITAL DE EXTENSÃO Nº 013, DE

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais

ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE LETRAS: EAD/UAB/UESC PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO ITABUNA - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA ESTRUTURA DO

Leia mais

UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE COORDENAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL CRONOGRAMA MOSTRA CIENTÍFICA 2016 1 TRIMESTRE UM OLHAR PARA O FUTURO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE A MOSTRA CIENTÍFICA 2016 do Colégio João Paulo I objetiva propiciar aos

Leia mais

ebook FUNIL DE VENDAS

ebook FUNIL DE VENDAS NO ebook FUNIL DE VENDAS 2 A FERRAMENTA IDEAL PARA PEQUENAS E MÉDIAS EQUIPES DE VENDAS GANHAREM MAIS NEGÓCIOS! Sumário 3 Agradecimento. pág 4 Introdução. pág 5 A importância dos indicadores em Vendas pág

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO DA SMS-RIO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO DA SMS-RIO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO DA SMS-RIO Nome do aluno (apenas as letras iniciais em maiúscula) - Arial 12, sem negrito Título em arial 14, espaçamento 1,5, apenas a primeira letra em caixa alta, negrito

Leia mais

Regulamento básico: compras

Regulamento básico: compras Regulamento básico: compras Diretoria de Administração e Planejamento Março de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na compra e alienação de bens, e na contratação de

Leia mais

EDITAL Nº 47, DE 07 DE MAIO DE 2015.

EDITAL Nº 47, DE 07 DE MAIO DE 2015. EDITAL Nº 47, DE 07 DE MAIO DE 205. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PARTE INDIVIDUAL (TCC) Prezado aluno, leia atentamente e siga rigorosamente essas instruções.

INSTRUÇÕES PARA A PARTE INDIVIDUAL (TCC) Prezado aluno, leia atentamente e siga rigorosamente essas instruções. INSTRUÇÕES PARA A PARTE INDIVIDUAL (TCC) Prezado aluno, leia atentamente e siga rigorosamente essas instruções. 2.5- Instruções para a parte individual 2.5.1 Do propósito Nessa parte do trabalho chamada

Leia mais

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010

Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Aula 01 Conceitos Iniciais sobre Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o Excel; 2. Conhecendo a Tela do Excel. 3. Inserindo

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

R E G U L A M E N T O DE AQUISIÇÕES, CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS E ALIENAÇÕES

R E G U L A M E N T O DE AQUISIÇÕES, CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS E ALIENAÇÕES ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL ANEXO 3 R E G U L A M E N T O DE AQUISIÇÕES, CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS E ALIENAÇÕES 1. OBJETIVO 1.1 Este regulamento estabelece

Leia mais

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO ELABORAÇÃO Janine Silva Figueira Vitória 2015 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas PESQUISA DE MERCADO Prof. Líslei Rosa de Freitas Pontos importantes Todas as decisões sobre novos empreendimentos contêm um certo grau de incerteza, tanto em relação à informação nas quais estão baseadas,

Leia mais

Estruturando o Pré Projeto

Estruturando o Pré Projeto 1 Estruturando o Pré Projeto Deve ter uma capa padrão, como nome da UNESP na parte superior, o título da pesquisa centralizado no meio da página, a cidade e o ano no rodapé da página e entre o título no

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO DION (DIÁRIO ONLINE FURB) - PROFESSORES 1. ACESSANDO O SISTEMA O sistema DION está disponível no endereço www.furb.br/dion.

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º Os Trabalhos de Conclusão de Curso,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO I - APRESENTAÇÃO Estas instruções possuem como propósito: a) Estruturar processo de elaboração

Leia mais

Guia para o requerimento do Serviço Especial. Opinião Preliminar sobre a Patenteabilidade

Guia para o requerimento do Serviço Especial. Opinião Preliminar sobre a Patenteabilidade INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO DIRETORIA DE PATENTES Guia para o requerimento do Serviço Especial Opinião Preliminar sobre a Patenteabilidade

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Versão: V0_0_3 Data: 11 de abril de 2014 Diretoria Geral de Recursos Humanos - DGRH Site: http://www.dgrh.unicamp.br

Leia mais

DE ARTIGO CIENTÍFICO

DE ARTIGO CIENTÍFICO CURSOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, TURISMO, DIREITO E PÓS-GRADUAÇÃO Maria Paulina Gomes Maria Paulina Gomes Manual elaborado para orientar os alunos que estão realizando a disciplina Trabalho de Conclusão

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

Especialização em Negócios e Finanças

Especialização em Negócios e Finanças Especialização em Negócios e Finanças Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Nova Turma -->Turma02 *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PARA DISSERTAÇÃO

Leia mais