BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS"

Transcrição

1 BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS Marcella C. Amaral Scotti. 1 RESUMO: A partir do momento em que um país se torna sede de um megaevento esportivo, as cidades se transformam no centro das atenções. Neste sentido, a intenção desse artigo é discorrer sobre alguns temas relacionados às cidades e aos megaeventos, além de fazer uma pesquisa em busca de bibliografias que já estejam discutindo a realização dos megaeventos em Belo Horizonte ou até mesmo em outras cidades. Diante das informações apresentadas é imprescindível realizar um estudo sobre a interface entre impactos, legados, políticas urbanas e o direito à cidade, considerando-se a Região Metropolitana de Belo Horizonte. PALAVRAS-CHAVES: Cidades, Megaeventos, Belo Horizonte. 1. INTRODUÇÃO A partir do momento em que um país se torna sede de um megaevento esportivo, seja uma copa do mundo de futebol ou jogos olímpicos, as cidades se transformam por um determinado período de tempo no centro das atenções em escala mundial. Esses eventos causam um grande impacto na dinamização e reestruturação das cidades, se tornando assim, um agente poderoso de planejamento e mudanças no espaço urbano (MASCARENHAS, 2008). Segundo Raeder (2008) o ano de 2007 foi marcante na história do país relacionado aos esportes em função de três acontecimentos a realização dos Jogos Pan-americanos na cidade do Rio de Janeiro, a vitória da candidatura do Brasil como sede da Copa do Mundo de Futebol em 2014 e a apresentação da candidatura do Rio de Janeiro aos Jogos Olímpicos de 2016, sendo aceita posteriormente. Esta programação de eventos torna imprescindível um estudo acerca do desenvolvimento urbano que ocorre em função desses eventos, bem como dos impactos e legados resultantes. Ainda de acordo com o autor citado acima, a realização dos eventos vem sendo considerada uma das principais estratégias utilizadas pelas cidades em busca de atrair financiamentos e investimentos, o que acaba servindo para aquelas cidades que desejam se beneficiar e promover mudanças em termos urbanísticos. Esses eventos podem ser das mais diversas naturezas, entretanto há um interesse especial nos eventos que geram uma repercussão internacional tendo-se em vista a grande divulgação da imagem da cidade sede. Os impactos que se dão em função do evento agregam problemas à urbanização dos municípios e podem gerar efeitos de natureza variada na vida social, tais como geração de emprego, de renda, de visibilidade para a cidade, de desapropriação de famílias, bem como de valorização de áreas. Isso acontece porque para abrigar um megaevento a cidade precisa contar com equipamentos como centros de convenções e meios de hospedagem, além de uma adequada infraestrutura de transporte que permita a mobilidade dos participantes do evento. Tem-se que a produção dos impactos está intimamente ligada com a própria conformação do legado, constituindo-se na fase de todo o processo que vai além da temporalidade dos jogos e se solidifica como permanência tangível e intangível no território. (RAEDER, 2008) Rolnik 2 aponta que esse é um momento particular na vida urbana do Brasil e explica que no processo de globalização que estamos vivendo, existe um componente perverso uma vez que ao derrubar barreiras, abre-se o território do planeta para que o capital financeiro avalie e decida aonde é melhor investir. Isto é, com o megaevento um investimento local toma uma esfera global. As cidades, para competir entre si com investimentos, passam a criar espaços internacionais que sejam atrativos. Sendo assim, a agenda principal da política no Brasil é preparar a cidade para o negócio. Consequentemente, o direito à cidade está sendo violado e estão ocorrendo desapropriações sem o devido debate. A Copa passa a ser a oportunidade de realização de grandes obras, e esse é o aspecto perverso, pois o evento ganha legitimidade uma vez que o poder de quem decide se torna maior. Neste sentido, a intenção desse artigo é discorrer sobre alguns temas relacionados às cidades e aos megaeventos, tendo-se em vista a cidade de Belo Horizonte e região metropolitana, além de fazer uma pesquisa em busca de bibliografias que já estejam discutindo a realização dos megaeventos em Belo Horizonte ou até mesmo em outras cidades. 2. AS CIDADES De acordo com Castells e Borja (1996) as cidades estão PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN l 189

2 adquirindo cada vez mais um profundo protagonismo, seja no aspecto político, econômico, social, cultural, assim como nos meios de comunicação. Sendo assim, é possível denominar as cidades como complexos atores sociais. Isso se torna mais claro uma vez que a cidade faz uma articulação entre as instituições públicas e a sociedade civil. Observando o exemplo da América Latina, temos que os processos de democratização política e de descentralização do Estado provocaram uma revalorização do papel das cidades e dos governos locais, ao longo dos anos 80. Porém, de acordo com os autores as limitações destes processos e os efeitos sociais das políticas de ajuste, acrescentadas às desigualdades e marginalidades herdadas, à debilidade da sustentação sociocultural das cidades e aos graves déficits de infraestrutura e serviços públicos, atrasaram a emergência das cidades como protagonistas, quadro que se alterou sobremaneira na década de 90 (CASTELLS e BORJA, 1996, p.154). De um lado, a renovação da economia estimulou a execução de projetos urbanos em grande escala, além de dinamizar o setor da construção civil; mas, por outro lado, alguns problemas de agravaram como o déficit da infraestrutura física e de comunicações, a insuficiência de recursos públicos, incapacidade de atuação dos governos locais, fraca integração social e baixa cooperação entre as esferas públicas e privadas. O crescimento da abertura econômica externa e o estabelecimento dos processos democráticos internos contribuíram também para multiplicar as demandas sociais e ampliar a sensação de crise nas cidades. Tal sensação era provocada pelos problemas urbanos como congestionamentos, falta de segurança e serviços básicos, entre outros. Por outro lado, as dinâmicas econômicas, sociais e políticas criaram condições para respostas a esses problemas, como a aprovação de projetos de reforma política e financeiras em algumas cidades (México, Bogotá e Buenos Aires), reformas na constituição brasileira, início de planos estratégicos baseados na participação popular, a execução de grandes projetos urbanos, entre outros. Em função de todos esses aspectos, as grandes cidades da América Latina emergiram nos anos de 1990 como atores políticos e econômicos. Porém, de acordo com os autores, a consolidação dessa nova função das cidades irá depender do estímulo que for dado a grandes projetos de cidade que levem em consideração a participação dos agentes públicos e privados e que, por sua vez alcancem o consenso público amplo. Alguns desse projetos passaram de uma proposta setorial para uma proposta global de desenvolvimento urbano pactuado (CASTELLS e BORJA, 1996, p. 155). Como exemplo, temos a proposta da candidatura do Rio de Janeiro em 2004 para sediar os jogos olímpicos que causaria um impacto em seis áreas urbanas. Essas teorias têm relação com o que Vainer (2003) acredita que todo e qualquer projeto de cidade tem como base uma utopia, ou seja, um modelo ou ideal de cidade. De acordo com Vainer, a primeira e fundamental utopia urbana foi a utopia médica ou higienista, que buscou a medicalização das cidades a fim de estabelecer uma ordem urbana na cidade da Revolução Industrial, que apresentava muitos problemas. Posteriormente, a utopia sanitarista deu lugar à utopia modernista em que a cidade é pensada como lugar da produção e da reprodução. E por fim, a ditadura militar levou ao conceito técnico/tecnocrático do planejamento urbano. A utopia tecnocrática parte do princípio de que os técnicos (planejadores) que possuem o conhecimento e o saber especializado, têm a capacidade de elaborar diagnóstico e consequentemente propor soluções aos problemas. A crise dessa utopia ocorreu simultaneamente ao crescimento dos movimentos urbanos e ao fortalecimento de organizações populares. Porém, ao lado de cada luta específica (por moradia, saneamento, transportes, entre outros) havia a luta para democratizar a cidade, fazendo emergir a utopia da cidade democrática. Juntamente a essa utopia e aproveitando o vazio deixado pela crise do modelo tecnocrático, surgiu um novo modelo, o da cidade-empresa ou cidade-mercadoria. A partir do final dos anos 1980 e durante toda a década de 1990 ouviu-se falar que a cidade deve ser competitiva. Um documento do Banco Mundial oferece uma ideia do que as cidades deveriam fazer: competir pelo investimento de capital, tecnologia e capacidade empresarial; competir para atrair novas indústrias e negócios; ser competitivas nos preços e qualidades dos serviços; e competir para atrair mão-de-obra qualificada (WORLD COMPETITIVE CITIES CONGRESS, 1998, p.2, apud VAINER, 2003, p.28). Isto é, a cidade passa a ser pensada como uma empresa, atuando em um mercado internacional que é bastante competitivo. Nesse mesmo caminho, o artigo de Sanchéz (1999) sobre as políticas urbanas em renovação discute as mudanças nas políticas urbanas pautadas nas ações que perseguem a promoção da cidade. Neste sentido, o city marketing e os planos estratégicos se apresentam como instrumentos importantes do que se chama de novo planejamento urbano que visa recuperar sua legitimidade quanto à intervenção pública na cidade. O city marketing se constitui na orientação da política urbana ao atendimento das necessidades do consumidor (empresário, turista e cidadão). Já o plano estratégico visa atuações integradas em longo prazo, direcionadas à execução de grandes projetos que objetivam crescimento econômico e desenvol- 190 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN

3 vimento urbano. Na visão da autora, tais planos estratégicos são uma forma de obter consenso político para a execução de grandes projetos, mas são vistos também como fábricas de imagem. Neste sentido, é construída uma imagem de marca para a cidade com o objetivo de projetá-la no exterior e o marketing é utilizado para promover seus produtos, como o turismo, a cultura e os serviços de ponta. O artigo inicialmente situa as políticas de promoção das cidades no contexto da transformação dos objetivos e dos instrumentos da política urbana; em um segundo momento Sanchéz discute o papel dos novos planos estratégicos assim como do urbanismo-espetáculo ; e por fim a autora propõe uma aproximação ao tema da construção do consenso social. Para encaminhar toda essa discussão, Sanchéz lança mão dos casos de Barcelona e Curitiba, oferecendo exemplos para ilustrar, principalmente, como os meios de comunicação e as campanhas publicitárias criam um sentimento de pertencimento e até mesmo de participação por parte da população em geral nessa transformação da cidade, quando na verdade o que se tem é uma manobra por parte dos gestores para obter a adesão da população e evitar qualquer tipo de manifestação contrária. 3. OS MEGAEVENTOS As discussões acerca da reestruturação do espaço e a requalificação de áreas urbanas vêm se intensificando recentemente em função do país se tornar, nos próximos anos, sede de dois grandes eventos esportivos. Neste sentido, torna-se imprescindível compreender as rupturas, os conflitos e os impactos gerados pelas grandes intervenções no território, sejam nos âmbitos territoriais, sociais, econômicos, ambientais e políticos. Tais intervenções são realizadas no intuito de adequar os espaços para os fluxos que se darão em função desses eventos. Neste contexto, evidencia-se a necessidade de analisar a conformação atual da gestão das cidades e os discursos que são gerados em função de tal cenário. O que se percebe é que por trás do conjunto de intervenções no território a serem realizadas, há um discurso de que a intenção das mesmas é promover o bem estar social, porém os megaeventos são a verdadeira justificativa para as intervenções. Sendo assim, reivindicações antigas da população agora têm a chance de se tornar realidade. Nesse âmbito, Sánchez 3 aponta a diferença de entendimento entre o discurso oficial e o discurso das lutas sociais no que diz respeito à ideia de desenvolvimento e do direito à cidade. Coloca-se que a noção de desenvolvimento é disputada, ou seja, quando se fala em processos sociais, territoriais e em projetos, tem-se a ideia de um desenvolvimento de um estado de relação de forças que visem um outro momento, ou o futuro. Sánchez comenta inclusive que o termo desenvolvimento tem sido muito utilizado nos discursos, como no caso do legado dos megaeventos. No caso do direito à cidade, a autora entende esse aspecto como uma conquista a partir de enfrentamentos e de lutas sociais. Sendo assim, a crítica aos megaeventos perpassa ao fato de que eles não estão sendo acompanhados de um projeto que seja discutido pela sociedade civil, para que se alcance ganhos sociais nas metrópoles brasileiras que são muito desiguais. Em relação aos impactos que as intervenções relacionadas aos megaeventos causam em termos urbanos, Sánchez comenta que esses impactos agravam as desigualdades nas cidades e acabam não provocando melhorias na vida urbana de forma significativa em locais que carecem de mais obras de infraestrutura e de transportes. Este último segmento inclusive está sendo planejado mais em função do bom andamento dos jogos de futebol e olímpicos, em detrimento da definição de uma infraestrutura de transporte que beneficie e enfrente os problemas de mobilidade metropolitana. Para Whitaker 4 o crescimento econômico é um processo em que o capital é reproduzido e consequentemente gera lucro, não significando desenvolvimento social. Essa confusão entre os dois termos crescimento econômico x desenvolvimento é a maneira utilizada pelos megaeventos para legitimar e promover as intervenções no território. Isso significa que se promete a geração do desenvolvimento, quando na verdade gera-se um crescimento econômico cujo lucro é limitado aos proponentes do projeto. Portanto, esses grandes eventos estão gerando um tipo de mistura entre os conceitos de crescimento e desenvolvimento. O discurso se direciona a importância de receber eventos, ter jogos de futebol, ter jogos olímpicos na cidade, uma vez que isso vai movimentar as atividades econômicas, gera um crescimento da rede hoteleira, o que resulta em desenvolvimento. Instala-se, portanto uma confusão porque esse cenário gera crescimento, mas para setores específicos como o turismo. No XIV Encontro Nacional da Anpur realizado em maio de 2011 na cidade do Rio de Janeiro, vários artigos contemplaram os impactos dos megaeventos nas cidades. O artigo de Pereira (2011) intitulado As políticas públicas nas favelas cariocas em tempos de megaeventos esportivos na cidade tem o objetivo de compreender, analisar e sistematizar as ações recentes do poder público na cidade do Rio de Janeiro direcionadas para as favelas, tais como o Programa de Aceleração do Crescimento PAC, as Unidades de Policiamento Pacificadoras UPPs, a ameaça de remoções em função dos megaeventos esportivos, a construção de muros e barreiras sonoras e, por fim o Progra- PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN l 191

4 ma Morar Carioca. O autor observa que a cidade vive um momento em que várias políticas públicas (complementares e contraditórias) são direcionadas para as favelas, o que envolve uma grande articulação e quantidade de recursos dos governos municipal, estadual e federal. A questão norteadora do artigo propõe saber quais seriam as possibilidades para a construção de um futuro e de uma cidade mais justa para a maior parte da população e não somente para uma minoria, tendo-se em vista que a cidade do Rio de Janeiro se prepara para sediar os dois maiores megaeventos esportivos do planeta. A autora Silva (2011) cujo trabalho é intitulado Apropriação social na política dos Jogos Pan-americanos apresenta alguns exemplos de equipamentos que foram construídos para receber os jogos, porém após os mesmo não se verificou um uso social dos equipamentos, como o Estádio Olímpico João Havelange, administrado por entidade privada e cujo entorno se encontra abandonado. A problematização do trabalho gira em torno de quais seriam os processos de apropriação social dos equipamentos esportivos na política dos jogos na cidade do Rio de Janeiro. Silva (2011) afirma que os benefícios foram poucos e que a maioria dos grandes empreendimentos não são socialmente apropriados. O artigo de Bienenstein (2011) com o tema O espetáculo na cidade e a cidade no espetáculo: grandes projetos, megaeventos e outras histórias aborda o fato de que atualmente há uma grande produção de riqueza paralelamente à uma grande produção de miséria e exclusão socioespacial, e a promoção de espetáculos (os megaeventos são alguns deles) parecer ter assumido importância e centralidade nas discussões urbanas. Sendo assim, esse artigo visa refletir como esse processo está ocorrendo recentemente nas cidades brasileiras, mas o objeto de estudo é a cidade do Rio de Janeiro. O foco da discussão versa sobre a construção da Cidade Olímpica ; o autor resgata a trajetória desse processo, bem como as motivações, discursos e ações do universo de atores políticos e econômicos envolvidos com a realização desses eventos. Nas suas considerações, o autor afirma que essas iniciativas se enquadram nas tendências que predominam na urbanização contemporânea, baseada na chamada democracia do capital. Por fim, o artigo de Vainer (2011) com o título Cidade de exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro e o artigo de Oliveira (2011) Força-de-lei: rupturas e realinhamentos institucionais na busca do sonho olímpico carioca tratam do tema das leis que tornam-se passíveis de desrespeito legal para que os megaeventos se realizem de maneira plena. Já o Observatório das Metrópoles iniciou em janeiro de 2011 o projeto Metropolização e Megaeventos: os impactos da Copa do Mundo / 2014 e Jogos Olímpicos / No final do mês de fevereiro ocorreu o I Workshop de Planejamento, evento que contou com a participação de pesquisadores do INCT Observatório das Metrópoles envolvidos no projeto. O objetivo dessa primeira oficina foi organizar o cronograma de pesquisa e afinar o diálogo entre os participantes 5. Ocorreu também no início do mês de abril deste ano o 2º (De)bate-bola 6 com a finalidade de fomentar a discussão sobre o outro lado da Copa de 2014 quais as conseqüências das grandes obras para as cidades-sede; quais direitos ficam em segundo plano em nome dos jogos; e quais interesses estão por trás desses eventos, entre outros. O 2º (De)bate-bola foi realizado na reitoria da UFPR e organizado pelo Observatório de Políticas Públicas do Paraná e nesta edição contou com o apoio do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR e do Observatório das Metrópoles / INCT / CNPQ. O grupo de pesquisa está estruturado em um núcleo nacional que trata das macroquestões de análise (atuação dos ministérios e organismos internacionais) e 12 núcleos dedicados a cada uma das cidades-sede. Os núcleos são divididos em grandes áreas: infraestrutura, desenvolvimento econômico, direito à cidade, moradia e dinâmica urbana e ambiental e, finalmente, governança urbana e metropolitana. 4. BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA A partir do século XVII, a maioria das velhas capitais da Europa foram sendo remodeladas por seus soberanos, objetivando a sistematização do tecido urbano, inaugurando, assim, uma distribuição geométrica baseada nos princípios barrocos de articulação do poder através do espaço, como aponta Magalhães (1989). Como forma de ilustrar a ruptura entre o Império e a nova República, seria preciso destruir o que antes existia, como comenta Monte-Mór (1994), artifício materializado através da mudança de capital em Minas Gerais. Além das funções préestabelecidas de cidade planejadamente moderna, implicandoa num espaço de representação urbana; ansiava-se, sobretudo, a distribuição do poder como meio de promover um maior desenvolvimento do país, bem como no Estado. Em 1895, iniciou-se a construção da nova capital de minas. Inaugurada em 12 de dezembro de 1897 com o nome de Cidade de Minas, alterado novamente para Belo Horizonte em 1901 (Singer, 1968). Duas características estruturais são marcantes no projeto da nova capital a segregação espacial que diferenciava os ricos (funcionários estaduais e comerciantes, entre outros) dos pobres (trabalhadores), através da diferença de espaços planejados e não planejados, além da diferenciação de casas, conforme o status social de seu 192 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN

5 morador; e a perspectiva da classificação dos espaços de acordo com suas funções, como exemplo de moradia, trabalho, comércio, lazer, entre outras (JULIÃO, 1996 apud MEDEI- ROS, 2001). Então, foi a população trabalhadora, excluída do espaço central da cidade, que de fato determinou a produção da cidade (MONTE-MÓR, 1994). Nascia assim uma cidade segregacionista, que proporcionava a discriminação social no espaço, uma vez que reservou a zona urbana para uma elite e direcionou a população economicamente mais pobre para a zona suburbana (HORTA, 1994). Ao falarmos dos dias atuais, Belo Horizonte se torna muitas, pois o processo de periferização que esta desenvolve, tornou-se um dos indicativos da reorganização espacial atual da cidade, onde a segregação espacial ao mesmo tempo que afastou as áreas periféricas, encurtou espaços para sua inserção em áreas bastante valorizadas atualmente. Para os próximos anos, a Região Metropolitana de Belo Horizonte deve enfrentar desafios de crescimento, organização, produção e gestão do espaço, de forma a reduzir as desigualdades socioespaciais, propondo soluções para a mobilidade metropolitana e a habitação, entre outras questões, tendo-se em vista inclusive desafio de se preparar para sediar um Megaevento como a Copa do Mundo de Futebol. Belo Horizonte e região metropolitana passa atualmente por um momento especial de transformações e da recente elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado, aonde muitas dessas questões vem sendo discutidas. O município de Belo Horizonte possui o Comitê Executivo para a Copa do Mundo de 2014 que já elaborou um planejamento estratégico integrado para o evento e vem liderando os esforços para que as ações sejam efetivadas. A cidade conta também com o apoio da Belotur e da Secopa - Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo. Em eventos recentes realizados em Belo Horizonte, fica claro o discurso de que as obras são para a cidade e seus cidadãos e não para a Copa, mas que o evento se torna um importante instrumento para acelerar as coisas. Dentre as obras a serem realizadas, as referentes ao Anel Rodoviário, Av. Pedro I e a que atingirá a Vila UFMG para a construção de uma alça de acesso ao Aeroporto da Pampulha, já fazem parte de um conflito em relação ao reassentamento de famílias. Além disso, já existe uma lei em Belo Horizonte que se constitui numa exceção direcionada para a Copa devido ao fato de que se detectou que há uma carência de meios de hospedagem na cidade. Portanto, em 05 de julho do presente ano, por meio da Lei Orgânica Municipal nº 9952 criou-se em função da Copa de 2014 dispositivos que beneficiam a construção de novos meios de hospedagem. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante das informações apresentadas é imprescindível realizar um estudo sobre a interface entre impactos, legados, políticas urbanas e o direito à cidade, considerando-se a Região Metropolitana de Belo Horizonte. Direciona-se a discussão acerca da ideia de como fazer valer o direito à cidade, que perpassa pela organização daqueles que têm direito e da reavaliação das estratégias de atuação. Assim, o megaevento teria uma legitimidade caso vise a consolidação de um legado que seja cidadão, ou seja, aquele composto por bens que gerem as melhorias urbanas e a redução das desigualdades sociais. Esse legado poderia direcionar as políticas urbanas no sentido de ampliar e garantir os direitos dos cidadãos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Anais do XIV Encontro Nacional da Anpur realizado em maio de 2011 na cidade do Rio de Janeiro. CASTELLS, M., BORJA, J. As cidades como atores políticos. Novos Estudos nº 45, São Paulo, p , HORTA, Célio Augusto da Cunha. Belo Horizonte: a construção de um saber geográfico. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Dissertação de Mestrado em Geografia. 373p. MAGALHÃES, Beatriz de Almeida. Belo Horizonte: Um Espaço para a República. UFMG, MASCARENHAS, Gilmar. Megaeventos esportivos e urbanismo: contextos históricos e legado social. In: RODRIGUES, Rejane Penna, et. al (org.). Legados de Megaeventos Esportivos. Brasília: Ministério do Esporte, MEDEIROS, Regina (org.), José Márcio Barros...[et al.]. Permanências e mudanças em Belo Horizonte. Belo Horizonte: PUC Minas - Autentica, p. MONTE-MÓR, Roberto Luís de Melo (coordenador). Belo Horizonte: Espaços e Tempos em Construção. Belo Horizonte: CEDEPLAR / PBH, p.:il (Coleção BH 100 anos). RAEDER, Sávio. Desenvolvimento Urbano em Sedes de Megaeventos Esportivos. In: SÁNCHEZ, Fernanda. Entrevista concedida aos organizadores do II Seminário PPLA: economia, sociedade e território. Disponível em < > Acesso em: 04 de ago SANCHÉZ, Fernanda. Políticas urbanas em renovação: uma leitura crítica dos modelos emergentes. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. n.1. maio/1999.p PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN l 193

6 SINGER, Paul Israel. Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana: Análise da Evolução Econômica de São Paulo, Blumenau, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife. São Paulo: Editora Nacional e Editora da USP, p. VAINER, Carlos B. Utopias urbanas e o desafio democrático. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, WHITAKER, João. Entrevista concedida aos organizadores do II Seminário PPLA: economia, sociedade e território. Disponível em <http:// Acesso em: 04 de ago Disponível em <http://terradedireitos.org.br/biblioteca/em-nome-dosmegaeventos-leis-e-direitos-ficam-no-banco-de-reserva/> Acesso em: 02 ago Disponível em <http://mobilidadeurb.posterous.com/atualizacao-atrasada-ingresso-na-rede-do-obse> Acesso em: 02 ago Disponível em <http://web.observatoriodasmetropoles.net/index. php?option=com_content&view=article&id=1585%3aworkshop-deplanejamento-metropolizacao-e-megaeventos&catid=43%3anoticias&it emid=88&lang=pt> Acesso em: 02 ago NOTAS DE RODAPÉ 1. Bacharel em Turismo, Mestre em Geografia, professora do Curso de Tecnologia em Gestão de Turismo do Centro Universitário Newton Paiva. 2. Palestra proferida durante o I Congresso Mineiro de Direito Urbanístico, dentro da temática Impactos sociais dos Megaeventos, em Belo Horizonte, outubro de SÁNCHEZ, Fernanda. Entrevista concedida aos organizadores do II Seminário PPLA: economia, sociedade e território. Disponível em <http://www.coopere.net/ppla> Acesso em: 04 de ago WHITAKER, João. Entrevista concedida aos organizadores do II Seminário PPLA: economia, sociedade e território. Disponível em <http:// Acesso em: 04 de ago http://web.observatoriodasmetropoles.net/index.php?option=com_co ntent&view=article&id=1585%3aworkshop-de-planejamento-metropolizacao-e-mega-ventos&catid=43%3anoticias&itemid=88&lang=pt 6.http://terradedireitos.org.br/biblioteca/em-nome-dos-megaeventosleis-e-direitos-ficam-no-banco-de-reserva/ 194 PÓS EM REVISTA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA 1/ EDIÇÃO 5 - ISSN

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Mobilidade Urbana Sustentável Seminário Infraestrutura turística, megaeventos e promoção da imagem do Brasil no exterior 16 e 17 de agosto de 2011 MINISTÉRIO DAS CIDADES MISSÃO Combate

Leia mais

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO AS ENTIDADES E MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PRESENTES NA AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social BNDES e a Copa 2014 Novembro de 2011 Rodolfo Torres Área de Infraestrutura Social Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação do BNDES Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Seminário Nacional Os Impactos dos Megaeventos nas Metrópoles Brasileiras. A Copa do Mundo e as Olimpíadas na Cidade do Rio de Janeiro

Seminário Nacional Os Impactos dos Megaeventos nas Metrópoles Brasileiras. A Copa do Mundo e as Olimpíadas na Cidade do Rio de Janeiro Seminário Nacional Os Impactos dos Megaeventos nas Metrópoles Brasileiras A Copa do Mundo e as Olimpíadas na Cidade do Rio de Janeiro Para além de um evento esportivo, os megaeventos Copa do Mundo e Olimpíadas

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais DIRETORIA DO OBSERVATÓRIO DA GOVERNANÇA DIOBS Produtos Sala Situacional Rede de Salas de Situação Processos Monitoramento Agenda Estratégica Observatório da Governança DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

Organizadoras: Mônica de Carvalho e Clarissa M. R. Gagliardi. Megaprojetos, megaeventos, megalópole: a produção de uma nova centralidade em São Paulo

Organizadoras: Mônica de Carvalho e Clarissa M. R. Gagliardi. Megaprojetos, megaeventos, megalópole: a produção de uma nova centralidade em São Paulo Organizadoras: Mônica de Carvalho e Clarissa M. R. Gagliardi Megaprojetos, megaeventos, megalópole: a produção de uma nova centralidade em São Paulo M496 Megaprojetos, megaeventos, megalópole : a produção

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria Horacio Nogueira Pizzolante Graduando em Geografia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Apresentação Metropoli- zação e Megaeventos: impactos da Copa do Mundo/2014 e das Olimpía- das/2016

Apresentação Metropoli- zação e Megaeventos: impactos da Copa do Mundo/2014 e das Olimpía- das/2016 Apresentação O presente livro apresenta os resultados nacionais do projeto Metropolização e Megaeventos: impactos da Copa do Mundo/2014 e das Olimpíadas/2016. Ele foi executado como uma das linhas do programa

Leia mais

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?.

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE. Hipótese: Os processos de reestruturação urbana implementados para as cidades sedes da região Nordeste

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Impactos da Copa do Mundo 2014 em BH: avaliação crítica e perspectivas

Impactos da Copa do Mundo 2014 em BH: avaliação crítica e perspectivas Impactos da Copa do Mundo 2014 em BH: avaliação crítica e perspectivas João Tonucci Filho IGC/UFMG SEMINÁRIO NACIONAL METROPOLIZAÇÃO E MEGAEVENTOS 10 a 12 de dezembro de 2013 Rio de Janeiro Investimentos

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades A Mobilidade Urbana no Brasil Seminário Internacional:

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI

Concessão de Uso do. Imigrantes. Apresentação do Projeto. Conselho do PEFI Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Concessão de Uso do Centro de Exposições Imigrantes Apresentação do Projeto Conselho do PEFI SP, 13/09/2012 Agenda

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA

Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA Aliança euro-latino americana de cooperação entre cidades Financiado pela União Europeia Objetivo de fortalecer suas relações internacionais para melhorar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA RIO + 20 Estratégias e Ações sobre Resíduos para Cidades Sustentáveis Rio de Janeiro, 22 de junho de 2012 Rio: Oportunidades e Desafios para o Desenvolvimento Sustentável DESENVOLVIMENTO ALIADO À CONSERVAÇÃO

Leia mais

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL

O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL O LEGADO DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS PARA O BRASIL MEGAEVENTOS CHEGANDO. COPA DO MUNDO FIFA EM 2014... OLIMPÍADAS EM 2016... Qual o legado real desses megaeventos para nosso país? Qual o custo (financeiro

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014

Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014 Projeto PERNAMBUCO NA COPA 2014 4º Fórum de Direito do Turismo 20 de Maio de 2011 ARRANJO INSTITUCIONAL - GOVERNO DE PERNAMBUCO SECOPA-PE Atribuições Planejar, coordenar e gerir as iniciativas dos órgãos

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

TURISMO NO BRASIL 2011-2014

TURISMO NO BRASIL 2011-2014 TURISMO NO BRASIL Documento Referencial OBJETIVO Reflexão sobre as perspectivas de desenvolvimento do turismo brasileiro para os próximos anos. Ação conjunta do Ministério do Turismo, do e do Fórum de

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA. PROGRAMA URB-AL REDE 7: GESTÃO E CONTROLE DA METROPOLIZAÇÃO Título (projeto comum do tipo A) O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

Leia mais

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES Celebrou-se na cidade de Porto Alegre, RS, Brasil, entre os dias 03 e 04 do mês

Leia mais

Copa em Discu$S/Ao. Editorial. Copa em Notícias. Projeto de Lei da Copa vai para votação no Congresso Nacional

Copa em Discu$S/Ao. Editorial. Copa em Notícias. Projeto de Lei da Copa vai para votação no Congresso Nacional Copa em Discu$S/Ao Ano I, n. 2, Curitiba, 30 de setembro de 2011 E-mail: copaemdiscussao@gmail.com Boletim eletrônico editado pelo Núcleo Curitiba do Observatório das Metrópoles, Projeto Cidade em Debate

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS

IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL PROFISSIONAL DOS RESPONSÁVEIS PELA SAÚDE NOS MUNICIPIOS DO RS Porto Alegre, janeiro de 2006 SECRETARIA

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica Rogério Reis Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica CRESCIMENTO ECONÔMICO DA REGIÃO SUL IMPULSIONA MERCADO PARANAENSE POR ADRIANE DO VALE redacao@cipanet.com.br FOTOS

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA HUMBERTO COSTA Secretário das Cidades Governo de Pernambuco 17 de setembro Recife / PE Prevenção da violência x ESPAÇO URBANO AS ESTATÍSTICAS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN

Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN P á g i n a 1 Planejamento e ordenamento territorial do turismo na Região Metropolitana de Natal-RN Larissa da Silva Ferreira 1 Orientadora: Rita de Cássia da Conceição Gomes 2 O presente trabalho é produto

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua aumenta nos últimos anos e a resposta da gestão pública é a violência,

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais