MARCEL GUSTAVO CURIONI ESTUDO DO PROCESSO DE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERADOR LOGÍSTICO POR UM TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCEL GUSTAVO CURIONI ESTUDO DO PROCESSO DE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERADOR LOGÍSTICO POR UM TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS"

Transcrição

1 MARCEL GUSTAVO CURIONI ESTUDO DO PROCESSO DE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERADOR LOGÍSTICO POR UM TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS JOINVILLE SC 2006

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS MARCEL GUSTAVO CURIONI ESTUDO DO PROCESSO DE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERADOR LOGÍSTICO POR UM TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC como requisito para obtenção do título de Bacharel em Engenharia de Produção e Sistemas. Orientador: Leandro Zvirtes JOINVILLE SC 2006

3 MARCEL GUSTAVO CURIONI ESTUDO DO PROCESSO DE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERADOR LOGÍSTICO POR UM TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS Trabalho de Conclusão de Curso aprovado como requisito para obtenção do título de Bacharel no curso de Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. BANCA EXAMINADORA Orientador: Msc. Leandro Zvirtes Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Membro: Esp. Nilson Campos Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Msc. Rogério Simões Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Joinville, 28/11/2006

4 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer todas as pessoas que contribuíram direta ou indiretamente para a realização desse trabalho, em especial: A todos os meus colegas de faculdade, por esses anos de convivência, por estarmos sempre juntos nas discussões e aprendizados dessa jornada. À Maria Patrícia, Roseméri Rosa, Bruno Machado e Leonardo Meinert pela colaboração e força para o desenvolvimento desse estudo. Ao meu orientador, Leandro Zvirtes, por sempre mostrar com calma e sabedoria o caminho a ser seguido. A equipe Transjoi, em especial a Alceu João de Souza e Nádia Ferreira, que me ofereceram todo suporte necessário para o término dos meus estudos. Ao Sr. Pipo, por me dar a oportunidade de fazer parte da família Transjoi, e ao Sr. Sérgio Siqueira, pela presteza e informações transmitidas. Ao Sr. Marcelo Pujol pela orientação e visão do sistema logístico. Aos meus amigos mais próximos, pelos incentivos recebidos. E aos amigos mais distantes, pelos ensinamentos e carinho sempre presentes. A Deus pelo dom da vida. E a toda minha família, em especial aos meus pais e irmãos, por estarem sempre ao meu lado incentivando a superar os obstáculos da vida.

5 RESUMO A crescente busca por vantagens competitivas, frente a um mercado cada vez mais acirrado, tem feito com que as empresas busquem se concentrar em suas competências centrais, terceirizando as demais atividades existentes, entre elas a logística. Os prestadores de serviços logísticos vêm observando essa tendência e vislumbrando a oportunidade de aprimorar seus serviços, aumentando a sua participação no mercado e agregando valor as suas atividades. O estudo destaca que os transportadores tradicionais, levados por essa oportunidade, e até mesmo pela necessidade de adaptação, tendem a incorporar serviços de operadores logísticos. Essa mudança tem como principal motivo a criação de um diferencial competitivo, oferecendo soluções personalizadas em armazenagem, gestão de fretes e controle de estoques. Dessa forma, abrem o leque de serviços oferecidos, responsabilizando-se por todo o gerenciamento logístico da cadeia de suprimentos do seu cliente. Conceituando as principais diferenças entre transportador e operador logístico, o presente estudo relata o caso da Transjoi Transportes e o processo de evolução para a Izolog Operações Logísticas. Através de uma pesquisa exploratória, são listadas dificuldades na atuação da Izolog durante a etapa de transição, e por meio de um estudo de caso, são propostas ações de melhorias e uma estratégia de atividades operacionais a fim de minimizar as dificuldades encontradas. Essas ações visam à consolidação da Izolog como operador logístico de qualidade no mercado, e demonstra a constante busca da empresa na integração e evolução de suas atividades. Palavras-chave: Logística. Transportador tradicional. Operador logístico.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01 - Fluxo na cadeia de suprimentos Figura 02 - Classificação das atividades logísticas Figura 03 - Fatores de complexidade logística Figura 04 - Principais atividades com tendência a terceirização Figura 05 - Principais benefícios esperados na utilização de operadores logísticos... 48

7 LISTA DE TABELAS Tabela 01 - Diferenças entre Transportadora de Serviços Tradicionais vs. Operador Logístico Tabela 02 - Proposta de adequações da Izolog frente às dificuldades Tabela 03 - Proposta de roteiro para atividades da Izolog... 69

8 LISTA DE ABREVIATURAS 3PL 4PL ABML CLM ERP JIT OL PSL - Third-Party Logistics(Operador logístico) - Fourth-Party Logistics (Integrador logístico) - Associação Brasileira de Movimentação e Logística - Council of Logistics Management - Enterprise Resource Planning (Planejamento dos recursos da empresa) - Just in time - Operador logístico - Prestador de serviços logísticos SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento da cadeia de suprimentos) TI TMS - Tecnologia de informação - Transportation Management System(Sistema de gerenciamento de transporte)

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO TEMA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA DELIMITAÇÃO DO TRABALHO METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA LOGÍSTICA Histórico da Logística Definição de logística Atividades da Logística CADEIA DE SUPRIMENTOS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS ARMAZENAGEM Funcionalidade da Armazenagem Estoques: a Distribuição Física dos Materiais Funções dos Estoques Custos de Estocagem Precisão do registro de estoque ESTRATÉGIA COMPETITIVA CORE COMPETENCE TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS Tendência de evolução de um Transportador de Cargas Tradicional OPERADOR LOGÍSTICO Definição de Operador Logístico Diferença entre Transportadora e Operador Logístico Funções do Operador Logístico Fatores que influenciam a contratação de Operadores Logísticos TERCEIRIZAÇÃO... 42

10 2.9.1 Definição de Terceirização Terceirização Logística Vantagens da Terceirização Desvantagens da Terceirização Tendência da Terceirização no Brasil METODOLOGIA DA PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA PESQUISA METODOLOGIA UTILIZADA Etapas da pesquisa ESTUDO DE CASO NA EMPRESA TRANSJOI E A CRIAÇÃO DE UM O OPERADOR LOGÍSTICO HISTÓRICO OPERACIONABILIDADE CARACTERÍSTICA DA EMPRESA IZOLOG - A NOVA EMPRESA Porque criar a Izolog? Atividades da Izolog Premissas da Izolog ATUAÇÃO DA IZOLOG DIFICULDADES ENCONTRADAS NA REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES EM PROJETOS LOGÍSTICOS DURANTE INCORPORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE OL PROPOSTAS DA IZOLOG PARA A REDUÇÃO DAS BARREIRAS NAS ATIVIDADES DOS PROJETOS LOGÍSTICOS ESTRATÉGIA DE ATIVIDADES PARA PROJETOS LOGÍSTICOS Acompanhamento das atividades PERSPECTIVAS FUTURAS CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES Validação dos objetivos SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS... 77

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO DO TEMA O tema abordado nesse trabalho trata da incorporação de serviços de operador logístico por um transportador rodoviário de cargas. A escolha desse tema acompanha a realidade existente no cenário global atual, uma vez que o transportador de cargas tende a ser cada vez mais exigido e pressionado para oferecer soluções completas a seus clientes. Dessa forma, a escolha por um operador logístico é de grande importância, uma vez que é delegado a este toda gestão logística disponível, tornando-se uma decisão estratégica para o futuro da empresa.

12 OBJETIVO GERAL Apresentar o processo de incorporação dos serviços de operador logístico por um transportador rodoviário de cargas através de um estudo de caso na Transjoi Transportes Ltda. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Listar as dificuldades de atuação da Izolog durante o processo de incorporação dos serviços de operador logístico; Elaborar uma estratégia/roteiro de atividades para um projeto logístico; Identificar as principais funções de um transportador tradicional de cargas; Identificar as principais funções de um operador logístico.

13 JUSTIFICATIVA No cenário atual a evolução logística é fator cada vez mais importante para o sucesso de uma organização. Desta forma, a complexidade e a exigência pelo serviço logístico vêm sofrendo grande aumento e tende a continuar nesse crescimento nos próximos anos. Os atuais transportadores de cargas estão se deparando com essa forte exigência do mercado e buscando a evolução/crescimento de seus serviços através da mudança para um prestador de serviços logísticos (PSL) conhecido como operador logístico (OL), de forma que venha a atender e a projetar melhores soluções para seus clientes. Este estudo destaca a importância da tendência de terceirização das atividades logísticas nas empresas, e busca incentivar o meio acadêmico a interagir e realizar estudos mais aprofundados sobre o tema. 1.5 DELIMITAÇÃO DO TRABALHO O presente estudo está direcionado para o segmento de transporte rodoviário de cargas, tendo como área de abrangência a empresa Transjoi

14 13 Transportes Ltda. e a incorporação dos serviços de operador logístico, originando a Izolog Operações Logísticas. Essa mudança e as dificuldades encontradas neste novo segmento de atuação são de natureza real da empresa. 1.6 METODOLOGIA Este trabalho utilizou-se do método de estudo de caso para descrever as condições atuais do segmento de transporte rodoviário de cargas, especificamente com a empresa definida na área de abrangência, os fatores competitivos aliados à cadeia de suprimentos, as tendências e os resultados da evolução da empresa transportadora de cargas para um operador logístico (OL). Através deste estudo procurou-se reunir informações para o entendimento do tema e apresentar o resultado da pesquisa obtido através da análise de situações concretas. A pesquisa realizada foi de característica exploratória, pois visou desenvolver, esclarecer e modificar idéias e conceitos para as abordagens posteriores do estudo de caso.

15 ESTRUTURA DO TRABALHO O presente trabalho foi organizado sob a forma de capítulos, estruturados da seguinte forma: Primeiro capítulo apresenta os objetivos do estudo, geral e específicos, a justificativa, delimitação e metodologia aplicada ao estudo, assim como a estrutura do trabalho. Segundo capítulo apresenta a revisão bibliográfica dos assuntos que serão abordados nesse estudo, desde a conceituação de logística, atividades de movimentação, armazenagem, o processo de terceirização, transportadores e operadores logísticos, de forma a oferecer embasamento para o entendimento do estudo de evolução de uma transportadora para um OL. Terceiro capítulo trata da metodologia aplicada para o estudo, a definição do problema e as etapas da pesquisa realizada. Quarto capítulo caracteriza a empresa Transjoi Transportes, histórico, características, forma de atuação, a criação do OL (Izolog), destacando as premissas desse processo. No quinto capítulo estão relacionadas as dificuldades de realização das atividades da Izolog durante o processo de incorporação dos serviços de OL, as diretrizes definidas para minimizar essas dificuldades e as precauções frente a um projeto logístico, através da utilização de uma estratégia de atividades. Nos capítulos seguintes são apresentadas as conclusões, a validação dos objetivos propostos, as recomendações para futuros estudos, e as referências utilizadas nesse trabalho.

16 15 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 LOGÍSTICA Histórico da Logística O conceito de logística, existente desde a década de 1940, foi utilizado pelas forças armadas norte-americanas; relacionava-se com todo o processo de aquisição e fornecimento de materiais durante a segunda guerra mundial, sendo utilizado por militares americanos para atender a todos os objetivos de combate da época, além de prover a organização dos suprimentos. Conforme Ching (1999), com o passar dos anos, esse conceito foi evoluindo e uma nova concepção entrou em vigor, deixando de ter uma função meramente acessória e passando a atuar como estratégia fundamental na organização. Para Ching (1999) passou a existir a integração das diversas áreas envolvidas na produção, dimensionamento e layout de armazéns, alocação de produtos em depósitos, transportes, incluindo a roteirização, dimensionamento da frota de veículos, e ainda a distribuição, seleção de fornecedores e clientes

17 16 externos, surgindo um novo conceito que é conhecido como supply chain ou logística integrada Definição de logística Logística é uma operação integrada que cuida desde o suprimento até a distribuição de produtos de forma racionalizada, ou seja, planejar, coordenar e executar o processo, sempre visando a redução de custos e o aumento da competitividade da empresa (VIANA, 2002). Em 1998, o Council of Logistics Management - CLM definiu a logística como: A parte do processo da cadeia de suprimento que planeja, implementa e controla o fluxo e a armazenagem de produtos, serviços e informações associadas de maneira eficiente e eficaz do ponto de origem ao ponto de consumo a fim de satisfazer às necessidades dos clientes. Ballou (1993) define a logística empresarial como o estudo da administração de bens e serviços, de forma a promover maior nível de rentabilidade através de planejamento, organização e controle das atividades de movimentação e armazenagem. Para o autor, a logística empresarial trata: De todas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável.

18 17 De acordo com Ballou (1993) a logística, atuando de modo sincronizado pode fazer com que as empresas agreguem valor aos serviços oferecidos aos clientes e também obtenham um diferencial competitivo perante a concorrência. Para Harrison e Hoek (2003), logística é uma tarefa responsável por fornecer o fluxo de materiais e informações. Os referidos autores ainda complementam dizendo que a tarefa logística de gerenciamento dos fluxos de materiais e informações é parte importante da tarefa de gestão da cadeia de suprimento. Essa gestão é a administração de todo o processo de suprimento de matérias-primas, fabricação, embalagem e distribuição para o consumidor final. Segundo Christopher (1997) em sua obra Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, logística é definida como: O processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e o fluxo de informações correlatadas) através da organização e seus canais de distribuição, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Lambert (1998) utiliza a definição mais geral para a logística, que pode ser utilizada em diversas óticas além da empresarial, identificando as atividades logísticas como: O processo de planejamento, implantação e controle da eficiência, custo efetivo, armazenamento e estocagem de matérias-primas, em processo de inventário, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de conformação com as necessidades do cliente.

19 18 Ainda conforme Christopher (1997), a função logística agrega valor ao produto por reduzir tempos, diminuir custos financeiros e de capital referentes a estoques e ao manuseio de produtos, e que é percebido pelo cliente pelos benefícios que incorpora ao produto, como a entrega no prazo, tempo de ciclos menores e resposta flexível Atividades da Logística Ballou (1993) considera três atividades de importância primária para atingir os objetivos logísticos, pois elas representam a maior parcela ou são de importância fundamental para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística. São elas: a) Transportes: refere-se aos métodos de movimentar os produtos aos clientes: via rodoviário, ferroviário, aeroviário, marítimo, entre outros. De grande importância, em virtude do peso deste custo em relação ao total do custo de logística; b) Gestão de estoques: dependendo do setor em que a empresa atua e da sazonalidade temporal, é necessário um nível mínimo de estoque que aja como amortecedor entre oferta e demanda, o que também resulta num importante peso para o custo logístico; c) Processamento de pedidos: determina o tempo necessário para a entrega de bens e serviços aos clientes. Segundo Ballou (1993), é a atividade primária que inicializa a movimentação de produtos e serviços. Ainda, há uma série de atividades

20 19 adicionais, chamadas de secundárias, que exercem função de apoio as atividades primárias e auxiliam na obtenção dos níveis de bens e serviços requisitados pelos clientes. Ballou (1993) define dessa forma: a) Armazenagem: administração do espaço necessário para estocar os produtos; b) Manuseio de materiais: movimentação dos insumos/produtos no local de armazenagem; c) Embalagem: tem por função proteger e facilitar a movimentação do produto; d) Programação de insumos/produtos: programação da necessidade de produção e seus respectivos itens da lista de materiais; e) Manutenção de informação: fornecer uma base de dados para o planejamento e controle logístico. 2.2 CADEIA DE SUPRIMENTOS A cadeia de suprimentos inclui as organizações e processos para aquisição, estocagem e venda de matérias-primas, produtos intermediários e produtos acabados. O fluxo de produtos na cadeia de suprimentos é ligado por fluxos físicos, monetários e de informações (MOURA, 1998).

21 20 O autor coloca que o gerenciamento da cadeia de suprimentos inclui todo o fluxo de materiais, desde a aquisição de matérias-primas até a entrega de produtos acabados aos consumidores finais, assim como os contra-fluxos relacionados com informações que controlam e registram a movimentação de materiais. Na figura 01 são mostradas as etapas do fluxo de movimentação de materiais. Figura 01: Fluxo na cadeia de suprimentos Fonte: Arnold, 1999, p Para Christopher (1997), a expressão rede de suprimentos designa todas as unidades produtivas que estavam ligadas para prover o suprimento de bens e serviços para uma empresa e para gerar a demanda por esses bens e serviços até os clientes finais. 2.3 MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Para Gurgel (2000), a empresa é como um conjunto de fluxo de materiais dinâmicos, por isso enfoca na velocidade e intensidade dos fluxos,

22 21 delimitando uma distância entre recepção de matéria-prima e expedição de produtos. Moura (1998) define que a movimentação de materiais está relacionada com o deslocamento de matérias-primas e produtos acabados e com a armazenagem compreendendo a estocagem, a separação de pedidos, a embalagem e a expedição, seguida do suprimento das matérias-primas e a distribuição dos produtos acabados. As funções bem definidas da movimentação de materiais, de acordo com Moura (1998), seguindo a matéria-prima através da produção até o produto acabado, são as seguintes: a) embalagem (acondicionamento) no fornecedor; b) unitização (para transporte) no fornecedor; c) carregamento no fornecedor ou na fonte; d) transporte do fornecedor ao cliente; e) atividades de movimentação externas ao local da descarga (pesagem, pátio, etc.); f) recebimento físico e fiscal (descarga e conferência); g) armazenagem de suprimentos (entrada); h) distribuição interna dos materiais aos postos de trabalho; i) movimentação durante o processo; j) estocagem durante o processo; k) manuseio no local de trabalho; l) movimentação interna na fábrica; m) embalagem (para consumo); n) armazenagem de produtos acabados (saída);

23 22 o) embalagem para transporte; p) expedição, carregamento, despacho físico e fiscal; q) transporte até o cliente. Para obtenção do planejamento e gerenciamento das atividades e sistemas de movimentação, Moura (1998) desenhou um alicerce básico para fundamentar os princípios da movimentação. São eles: a) evitar colocar os materiais diretamente no chão; b) fazer uso da força da gravidade; c) movimentar os lotes de materiais em unidades de carga; d) mecanizar e/ou automatizar a movimentação quando economicamente justificado ou quando necessário para segurança dos operadores; e) combinar o movimento dos materiais com as operações produtivas; f) planejar a manutenção do equipamento em períodos nos quais não será utilizado; g) designar e marcar claramente os pontos de recepção e expedição de materiais; h) manter os corredores demarcados e desobstruídos; i) projetar compativelmente com a capacidade de carga do piso e outras limitações estruturais; j) combinar movimentação com outras funções, como embalagem, separação, identificação, contagem, etc.

24 23 De modo geral, convém eliminar todos os movimentos de material que não sejam absolutamente indispensáveis, ou seja, a melhor movimentação é aquela que não existe. 2.4 ARMAZENAGEM Conforme Ballou (1993), armazenagem é um componente essencial no conjunto de atividades logísticas, e seus custos representam grande parcela das despesas logísticas da empresa, sendo estes intimamente ligados a localização do local de armazenagem. Moura (1997) define armazenagem como sendo: Denominação genérica e ampla, que inclui todas as atividades de um ponto destinado à guarda temporária e a distribuição de materiais (depósitos, almoxarifados, centros de distribuição, etc.), e estocagem, uma das atividades do fluxo de materiais no armazém e ponto destinado à locação estática dos materiais. Dentro de um armazém, podem existir vários pontos de estocagem. O autor citado define armazenagem como receber materiais de um fornecedor, estocá-los até que sejam solicitados por um usuário, retirá-los do estoque quando solicitados e expedi-los ao usuário. O objetivo básico de armazenagem é atender as necessidades do usuário e maximizar os recursos disponíveis. Moura (1997) enfatiza que todos

25 24 os armazéns têm três recursos escassos: (1) espaço; (2) equipamentos; (3) pessoas. Partindo-se desses três recursos o objetivo de armazenagem é assegurar que o produto certo esteja disponível no lugar certo e no tempo certo e que o mesmo esteja em condições de uso conforme necessidade do seu consumidor, seja ele cliente ou linha de produção (MOURA, 1997). Para Lambert (1998), a armazenagem pode ser definida como a parte do sistema logístico que estoca produtos, desde matérias-primas até produtos acabados, entre o ponto de origem e o ponto de consumo, fornecendo informações sobre a situação, condição e disposição dos itens estocados Funcionalidade da Armazenagem A atividade de armazenagem é responsável pelo recebimento até o envio dos materiais para o destino final. Moura (1997) lembra que entre o recebimento e a expedição esta atividade deve conferir a quantidade e o estado das embalagens, providenciar a estocagem, separar os pedidos, administrar os estoques, conferir e providenciar a documentação para expedição (nota fiscal, etiquetas de identificação de embarque, conhecimentos de embarque, minutas). As etapas da armazenagem são assim definidas: a) Recebimento de materiais:

26 25 Todo material que chega na empresa deve ser recebido, conferido qualitativamente e quantitativamente, identificado e caso necessário deve ser submetido a testes de recebimento (MOURA, 1997). b) Estocagem de materiais: Após o recebimento do material, e sua aceitação pela empresa, ocorre a atividade de estocagem, que conduz o material recebido, até então na área de recebimento ao seu local definitivo. A atividade de estocagem proporciona a movimentação planejada dos materiais pelas áreas dos armazéns, visando garantir a maximização dos espaços, a facilidade de separação, a integridade física e a acuracidade dos dados de quantidade e local (MOURA, 1997). c) Separação de pedidos de materiais: Seja para a separação de componentes para abastecer uma ordem de produção ou atender um pedido de venda de um cliente externo, a atividade de separação de materiais necessita dos dados da quantidade e local corretos, para não desperdiçar tempo, ou mesmo deixar de atender uma solicitação (MOURA, 1997). d) Administração de estoques: Dias (2005) menciona que : dimensionar e controlar estoques é um tema importante e preocupante. Descobrir fórmulas para reduzir estoques sem afetar o processo produtivo e sem o crescimento dos custos é um dos maiores desafios que os empresários encontram em época de escassez de recursos. e) Distribuição de materiais:

27 26 Moura (1997) diz que a última fase do ciclo de estocagem é o embarque dos produtos, seja ele para o consumidor ou a entrega no ponto onde será utilizado na fábrica Estoques: a Distribuição Física dos Materiais Tido como ambivalente pelos administradores e gerentes de produção, os estoques são ao mesmo tempo considerados custosos, em razão de que imobilizam capital, espaço físico, mão de obra, e arriscados, porque estão expostos à deterioração, perda ou mesmo ao envelhecimento, embora, proporcionem segurança no fluxo dos processos produtivos, evitando a interrupção das atividades caso ocorra uma contingência (CAMPOS, 2002). A função da estocagem é guardar, proteger e preservar o material até seu efetivo uso, a partir de então pode-se dizer que planejamento do layout da área de estocagem é uma premissa importante para se obter uma boa condição de estocagem (MOURA, 1997). O autor supracitado atenta para a existência de dois fatores importantes a serem considerados na estocagem. São eles: a) Características do material: Explora possibilidades de agrupamentos por tipo, tamanho, freqüência de movimentação, ou mesmo até a estocagem por tipo de material que seja usado em um departamento específico. b) Característica do espaço: Forma com que se pretende utilizar este espaço, considerando o tamanho, características da construção (paredes, pisos, pátios, etc.),

28 27 localização em relação às demais áreas de empresa que se relacionam, critérios de disponibilidade Funções dos Estoques Segundo Ballou (1993) os estoques exercem grande influência na rentabilidade da empresa, uma vez que absorvem capital para sua manutenção. Para Arnold (1999), o propósito básico dos estoques é um armazenamento intermediário entre: a) Oferta e demanda; b) Demanda dos clientes e produtos acabados; c) Produtos acabados e a disponibilidade dos componentes; d) Exigências de uma operação e resultado da operação anterior; e) Peças e materiais necessários ao início da produção e fornecedores de materiais. Assim, a função do estoque é conseguir que a produção mantenha seu ciclo de produtividade, dentro dos limites econômicos convenientes, além de buscar um aproveitamento mais eficaz dos meios físicos e humanos controlando as contínuas variações da demanda (MOURA, 1997).

29 Custos de Estocagem Os custos de estoque decorrem de todas as despesas que a empresa tem em função do estoque mantido. Segundo Arnold (1999), esses custos podem ser subdivididos em três categorias: a) Custos de capital: o dinheiro investido em estoques não está disponível para outras utilizações, ou seja, isso representa no mínimo uma oportunidade perdida de lucratividade numa aplicação financeira; b) Custos de armazenamento: são recursos relacionados ao espaço ocupado, equipamentos disponibilizados e mão de obra empregada; c) Custos de risco: a manutenção de estoque representa os seguintes riscos: i. Obsolescência perda do valor do produto resultante de uma mudança no modelo, estilo, ou na tecnologia. ii. Danos riscos de avarias no manuseio do material. iii. Faltas mercadorias perdidas ou furtadas. iv. Deterioração materiais cujo ciclo de vida é limitado e se deterioram com o tempo. Normalmente é empregado o método FIFO (first in, first out) para conter esse risco Precisão do registro de estoque O correto registro de estoque está diretamente ligado com a eficiência que este representará para a empresa.

30 29 Com base no registro os setores poderão acessar as informações e manter o maior controle dos materiais disponíveis no estoque, bem como programar compras, identificar atrasos e excesso de estoque, entre outras. As três informações primordiais para o registro devem ser: a descrição da peça, a quantidade e a localização (ARNOLD, 1999). O autor supracitado ainda define que os registros de estoque permitem a empresa: a) Operar um sistema eficaz de administração de materiais; b) Manter o nível satisfatório de atendimento aos clientes; c) Operar com eficácia e eficiência; d) Analisar o estoque. Arnold (1999) ainda alerta que os registros imprecisos, no entanto, representam custos e podem ocasionar: a) Vendas perdidas; b) Falta de material e programas perturbados; c) Excesso de estoque (dos itens errados); d) Baixa produtividade; e) Baixo desempenho nas entregas; f) Expedição conturbada (situações em que as informações erradas geram desgaste na expedição). Conforme Ballou (1993), o controle apropriado para os níveis e registros de estoque devem ser cuidadosamente desenvolvidos a partir das características particulares que cada produto apresenta.

31 ESTRATÉGIA COMPETITIVA Os avanços contínuos em tecnologia de informação, a crescente tendência de diminuição das barreiras ao comércio com blocos econômicos comerciais, a diminuição dos custos de transportes e o surgimento de mercados com alto crescimento, ocasionaram o processo de globalização, que acirrou a concorrência de mercado (LIMA, 2004). A reformulação das estratégias empresariais em função das condições de mercado representada pela globalização da economia, a fusão de empresas, a terceirização de atividades, a busca por retornos financeiros maiores e a racionalização de custos, entre outras, tem sido apoiada e se reflete nos conceitos de vantagem competitiva, core competence (competência central) e outsourcing (terceirização). Porter (1989) define o conceito de vantagem competitiva como: A vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que uma empresa consegue criar para seus compradores que excede o custo que ela tem ao criá-lo. O valor é aquilo que os compradores estão dispostos a pagar e o valor superior provém da oferta, a preços mais baixos do que os da concorrência, de benefícios equivalentes, ou da oferta de benefícios singulares que mais que compensam um preço mais alto. Segundo a idéia do autor, vantagem competitiva é o valor criado por uma empresa para seus clientes, que claramente a distingue da concorrência e fornece aos seus clientes uma razão para permanecerem fiéis.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais