CONTROLE DE QUALIDADE PERLIMINAR DE ASTRONIUM FRAXINIFOLIUM, UMA PLANTA PROMISSORA DO CERRADO BRASILEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE DE QUALIDADE PERLIMINAR DE ASTRONIUM FRAXINIFOLIUM, UMA PLANTA PROMISSORA DO CERRADO BRASILEIRO"

Transcrição

1 CONTROLE DE QUALIDADE PERLIMINAR DE ASTRONIUM FRAXINIFOLIUM, UMA PLANTA PROMISSORA DO CERRADO BRASILEIRO PRELIMINAR QUALITY CONTROL OF ASTRONIUM FRAXINIFOLIUM, A PROMISING PLANT OF BRAZILIAM CERRADO Cássia Regina Primila Cardoso (1) Hérida Regina Nunes Salgado (2) Wagner Vilegas (3) Resumo O Brasil é um país rico em biodiversidade, além do conhecimento etnofarmacológica associado a pertencer à população de alguns biomas, como o cerrado brasileiro. Os principais pesquisadores estão estudando muitas espécies de plantas, com o objetivo de além de levantar dados botânicos e químicos, também investigar novas substâncias activas e perfil terapêutico. Além do enfoque médico é relevante para a aplicação de extratos vegetais para fins ambientais, tais como o controle de pragas na agricultura e na otimização de processos industriais. Isto aplica-se a otimização da produção de etanol a partir de várias fontes, como cana-de-açúcar. O objetivo deste estudo foi avaliar, de forma preliminar, a composição química e controle de farmacognosia e de qualidade microbiológica de Astronium fraxinifolium, droga vegetal, de acordo com a literatura, tem atividade antimicrobiana e pode ser usado, no futuro, na otimização do processo fermentativo para obtenção de etanol. Palavras-chave: Astronium spp. Controle de qualidade. Cerrado brasileiro. Abstract Brazil is a rich country in biodiversity, plus the ethnopharmacological knowledge associated with belonging to the population of some biomes, such as the Brazilian cerrado. Leading researchers are studying many plant species, for the purpose of besides raising botanical and chemical data, also investigate new active substances and therapeutic profile. Besides the medical focus is relevant to application of plant extracts for environmental purposes, such as pest control in agriculture and optimization of industrial processes. This applies to the optimization of ethanol production from various sources such as sugar cane. The aim of this study was to evaluate, in a preliminary way, the chemical composition and control of pharmacognosy and microbiological quality of Astronium fraxinifolium, vegetable drug, according to the literature, has antimicrobial activity and may be use, in the future, in the optimization of fermentative process for ethanol obtaining. Keywords: Astronium spp. Controle de qualidade. Cerrado brasileiro. 1 2 Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop MT; Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UNESP, Araraquara SP; 3 Campus Experimental do Litoral Paulista/UNESP, São Vicente SP; de contato: 218

2 1 Introdução Da família Anacardiaceae e conhecida como gonçalo-alves, Astrinium fraxinifolium é uma espécie promissora do cerrado brasileiro, especialmente de sua madeira. Porém, a atividade humana tem reduzido sua ocorrência no cerrado brasileiro (Aguiar et al., 2001). Nos últimos anos tem sido observado um crescente interesse pelas plantas medicinais, por apresentarem potenciais terapêuticos e econômicos visados, especialmente, pela indústria farmacêutica, que realiza a prospecção de novos produtos. A literatura relata a atividade antimicrobiana do gênero Astronium (Costa et al., 2010), o que desperta o interesse de estudos complementares sobre a aplicabilidade dos estratos de A. fraxinifolium na produção de etanol por fermentação, visando otimização. O conjunto de ensaios de qualidade consiste em identificação botânica macro e microscópica, prospecção fitoquímica, ensaios de autenticidade e pureza (cinzas, umidade, granulometria, características organolépticas), testes microbiológicos, entre outros (Anvisa, 2009). As drogas vegetais podem conter uma grande quantidade de fungos e bactérias (10 4 UFC/g e 10 5 UFC/g, respectivamente), provenientes do solo, da microflora natural de certas espécies ou introduzida pela manipulação (Farias, 2001). Os contaminantes comuns, em certas condições de produção e armazenamento, podem desenvolver-se na droga vegetal, acentuando o processo de degradação e perda de princípios ativos. Em geral, para materiais destinados ao uso interno, os limites são: bactérias aeróbias (máximo 10 5 UFC/g); bolores e leveduras (máximo 10 3 UFC/g); Escherichia coli (máximo 10 UFC/g); outras enterobactérias (máximo 10 3 UFC/g), Salmonella (ausência); Pseudomonas aeruginosa (ausência); Staphylococcus aureus (ausência). Portanto, o presente trabalho tem como objetivo dar o primeiro passo no levantamento de dados científicos desta espécie, com foco nas técnicas de controle de qualidade farmacognóstico e microbiológico, além da triagem química, uma vez que poderá ser aplicada, em estudos futuros, como um produto natural eficiente na otimização do processo fermentativo de etanol. 2 Material e métodos O trabalho foi realizado nos Laboratórios de Fitoquímica do Instituto de Química e Controle de Fármacos e Medicamentos/FCFar da Universidade Júlio de Mesquita Filho - SP. As folhas foram coletadas na região de Votuporanga SP, nos meses de setembro, outubro e novembro de 2011 (período considerado de baixa umidade no ambiente). As exsicatas foram 219

3 depositadas no Herbário Ibilce/Unesp, em São José do Rio Preto SP. A planta foi seca em estufa sem circulação de ar, a 37 C, por 5 dias e submetida à pulverização em moinho de facas. O pó foi então analisado. 1. Controle farmacognóstico: a) Teor de umidade em estufa (110 º C): As replicadas de 1,0 g foram submetidas à estufa e pesadas a cada 1 hora, até peso constante. A perda de água e componentes voláteis foi expressa em % das replicatas em 3 experimentos independentes; b) Determinação da densidade aparente não compactada: Foi utilizada uma proveta vazia de 100 ml, previamente pesada. A mesma foi preenchida com droga vegetal pulverizada até o volume total, sem compactação ou pressão; c) Determinação de extrativos em álcool (a frio): Uma massa de 4 g de da droga foi macerada com 100 ml de solvente especificado, por 6 horas em temperatura ambiente e agitação frequente e deixada em repouso por 18h. A solução foi filtrada e 25 ml do filtrado para a cápsula de porcelana e evaporar até a secura em banho-maria. A secagem do resíduo foi realizada a 105 C (estufa) por 6h; d) Teor de cinzas totais e insolúveis em ácido: Os resultados foram expressos em porcentagem, com referência à massa inicial da droga vegetal, de acordo com a Farmacopeia Brasileira (1988); e) Triagem química: O extrato foi submetido a uma triagem através de testes químicos para os marcadores (Wagner et al., 1984), a fim de se determinar a classe de produtos naturais presentes. 2. Obtenção do extrato: O extrato foi obtido com a utilização de etanol 70 % e os seguintes métodos: a) Maceração (1:30 m/v; 40 C; agitação); b) Remaceração (1:90 em 3 x; TA; repouso); c) Percolação (1:100 m/v; TA; 24 h); d) Percolação, nas mesmas condições em com variação do volume de solvente (gradativamente, de 1:90 a 1:50 m/v). O objetivo foi determinar, em pequena escala, o método que favorecia o melhor rendimento. 2. Controle microbiológico: a. Contagem de formas viáveis: O método utilizado para a contagem de microorganismos (aeróbios, bolores e leveduras) consistirá na técnica de semeadura em profundidade (MERCK, 1989), respeitando condições de temperatura, meio, oxigênio e tempo de incubação, favorecendo o crescimento e a contagem das colônias. Após a incubação, foram determinadas unidades formadoras de colônias por unidade de peso (UFC/g). 220

4 b. Pesquisa de patógenos específicos: A pesquisa de patógenos específicos consistiu no isolamento e diferenciação, visando a identificação, utilizando provas bioquímicas e sorológicas do microorganismo em questão (enterobactérias, Escherichia coli, Salmonella sp., Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus). 3 Resultados e discussão Os parâmetros de qualidade farmacognóstica e microbiológica apresentaram os resultados expressos na tabela 1. Estes dados favorecem a obtenção de novas informações sobre a espécie vegetal. Na análise microbiológica, foram realizados os seguintes ensaios: contagem do número total de microrganismos, pesquisa de Salmonella sp. e Escherichia coli e pesquisa de Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa. Os patógenos estiveram ausentes e o número de formas viáveis se apresentou dentro dos limites permitidos ( 10 5 UFC/g). Os resultados de umidade e presença de micro-organismos ressalta que o processamento está adequado para essas espécies. Tabela 1. Parâmetros de qualidade farmacognóstica e microbiológica da droga vegetal (Farmacopeia brasileira, 1988/2010) Parâmetro Resultado Resultado esperado Avaliação da qualidade Teor de umidade (%) 11,69 ± 2,35 14 % Aceitável Densidade (%) 0,28 ± 0,67 - Aceitável Cinzas totais (%) 4,97 ± 0,03 - Aceitável Cinzas insolúveis (%) 0,9 ± 0,01 - Aceitável Teor de extrativos (%) 29,2 ± 1,82 - Aceitável Formas viáveis (UFC/g) 1,45 ± 10 3 ± Aceitável Fungos (UFC/g) 7 ± 10 2 ± Aceitável Patógenos (UFC/g) Ausentes Ausentes Aceitável Dados obtidos a partir de triplicatas, em três experimentos independentes. O estudo comparativo de diferentes variáveis e seleção do melhor método extrativo basearam-se em dois critérios: a) rendimento; b) perfil cromatográfico em camada delgada para os principais marcadores, previamente determinados por triagem química convencional. Os dados de rendimento foram: maceração (%) = 25 ± 2,3; remaceração (%) = 23,4 ± 1,7; percolação (%) = 31,8 ± 0,8. Os três processos geraram extratos com perfil fitoquímico similar 221

5 por CCD. Portanto, foi selecionada a percolação para elaboração do extrato, uma vez que o rendimento foi mais significativo. O extrato apresentou, nos testes químicos, prevalência qualitativa de taninos e flavonoides, o que justifica as atividades etnofarmacológicas da espécie (cicatrizante, antiinflamatória, antidiarreica, etc.). A tabela 2 demonstra os dados obtidos na triagem química das classes de metabólitos secundários. A figura 1 demonstra o perfil fitoquímico geral, com diferentes sistemas de solvente e reveladores químicos. 4 Conclusões A análise dos parâmetros de qualidade de A. fraxinifolium revelaram um adequado processamento da droga vegetal. Os dados químicos indicaram a presença de flavonoides, taninos e saponinas, o que poderiam ser uma explicação para a atividade antimicrobiana relatada na literatura. Portanto, estudos futuros para a aplicação do extrato na otimização dos processos industriais parece ser um caminho promissor. Tabela 2. Triagem química do extrato hidroalcoólico 70 % de Astronium fraxinifolium. Grupo de metabolitos Resultado Método Possível marcador Flavonoides ++ Shinoda SIM Flavonoides + Taubock SIM Flavonoides + Pew SIM Flavonoides + Cloreto de Al Taninos +++ Gelatina (2%) Taninos +++ Cloreto férrico (5%) Saponinas + Formação de espuma em H 2 O SIM SIM SIM? Dados obtidos a partir de triplicatas, em três experimentos independentes. Referências bibliográficas AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Consulta pública nº 35, 12 de junho de Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 23 de julho de

6 COSTA, E. M. M. B.; et al. Estudo da ação in vitro de extratos de plantas contra Enterococcus faecalis. J. Patol. Med. Lab., v. 46, n. 3, p , AGUIAR, A. V., et al. Determinação de parâmetros genéticos em população de gonçalo-alves (Astronium fraxinifolium) através das características fisiológicas da semente. Scientia forestaris, n. 60, p , dez FARIAS, M.R. Avaliação da qualidade de matérias-primas vegetais. In: Simões, C.M.O. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3 ed. Porto Alegre/Florianópolis: Ed. UFRGS/ed. da UFSC, p , FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 4.ed. São Paulo: Atheneu, FARMACOPÉIA BRASILEIRA. 5. Ed. São Paulo: Atheneu, WAGNER, H.; Bladt, S.; Zgainsky, E. Plant Drug Analysis. Springer, Berlin p. 223

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 12 Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento ALIMENTOS LÁCTEOS ENSAIO QUÍMICO Determinação de Ceftiofur e seus metabólitos expressos como Desfuroilceftiofur

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS V.B. Viera 1, N. Piovesan 1, K.I.B. Moro 1, A.S. Rodrigues 1, G. Scapin 1, E. H. Kubota 1 1 Departamento de Pós-Graduação

Leia mais

Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá)

Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá) Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá) Helen Cristiane Araújo Souza 1, Wagner L. R. Barbosa 1, José Maria Vieira 2 1 Laboratório

Leia mais

CURSO: FARMACIA INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSO: FARMACIA INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA OBJETIVOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ Turno: INTEGRAL CURSO: FARMACIA Currículo 2014 INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular FARMACOGNOSIA I Departamento Carga Horária Período Código CONTAC Teórica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS.

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4.

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. 525 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1 Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. Resumo: A água utilizada para fins farmacêuticos

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ORTOFARMA LABORATÓRIO DE CONTROLE DA QUALIDADE ACREDITAÇÃO

Leia mais

Avaliação da atividade antifúngica de extratos de Cassia fistula (Leguminosae)

Avaliação da atividade antifúngica de extratos de Cassia fistula (Leguminosae) QUÍMICA Avaliação da atividade antifúngica de extratos de Cassia fistula (Leguminosae) Samanta Pimenta de Andrade Pesquisadora Orientadora O aumento de micoses oportunistas e a necessidade de novos agentes

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP

CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP ISSN 2179-6998 Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 2, p. 28-32, Jul./Dez. 2011 CARACTERIZAÇÃO BACTERIOLÓGICA DA AREIA DE PRAIA DO MUNICÍPIO ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE PRAIA GRANDE/SP Katia Angeli Lopes Panagassi¹;

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA Petrus Ferreira de Souza Orientadora: Elba Gomes dos Santos Resumo A presença de óleos em efluentes, pode se bastante

Leia mais

Cenarium Pharmacêutico, Ano 4, n 4, Maio/Nov 2011, ISSN: 1984-3380

Cenarium Pharmacêutico, Ano 4, n 4, Maio/Nov 2011, ISSN: 1984-3380 1 ANÁLISE DA QUALIDADE FARMACOGNÓSTICA DE AMOSTRAS COMERCIAIS DE Paullinia cupana (GUARANÁ) DO DISTRITO FEDERAL QUALITY ANALYSIS OF SAMPLES PHARMACOGNOSTIC Paullinia cupana (GUARANA) IN THE FEDERAL DISTRICT

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO S CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE SCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFES MG. Afrânio Teodoro Martins 1 e Fernando Shinji Kawakubo 2 afraniolg@hotmail.com.br,

Leia mais

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1 FARMACOGNOSIA Matéria-Prima Vegetal 2011.1 O que é farmacognosia? A palavra Farmacognosia vem de dois vocábulos gregos e quer dizer Pharmakon droga e fármaco gnosis conhecimento. Farmacognosia é uma ciência

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO MERCOSUL/XLII SGT Nº 11/P.RES. Nº /14 FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO J. F. Battisti*, O. M. Porcu2** *Discente em Engenharia de Produção/UTFPR,Câmpus Medianeira, Medianeira, Brasil

Leia mais

Produção de Biodiesel: Pesquisa de síntese e Purificação. Prof. Dr. José Ribeiro dos Santos Junior UFPI / CRQ-PI

Produção de Biodiesel: Pesquisa de síntese e Purificação. Prof. Dr. José Ribeiro dos Santos Junior UFPI / CRQ-PI Produção de Biodiesel: Pesquisa de síntese e Purificação Prof. Dr. José Ribeiro dos Santos Junior UFPI / CRQ-PI Introdução Produção de Biodiesel Reação de Transesterificação Processos contínuo e em batelada

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA GASOLINA COMERCIALIZADA EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA REGIÃO DE MOGI GUAÇU

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA GASOLINA COMERCIALIZADA EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA REGIÃO DE MOGI GUAÇU AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA GASOLINA COMERCIALIZADA EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA REGIÃO DE MOGI GUAÇU NUNES, Camila 1 Faculdades Integradas Maria Imaculada (FIMI) ca.mila.nunes@hotmail.com MALDONADO, Rafael

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 75, de 23 de dezembro de 2008. D.O.U de 24 /12/08 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR

A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR Nara Regina Hennemann (nei.nara.h@hotmail.com) Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen (aaguim@univates.br) Miriam

Leia mais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 621 Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais ESTUDO DA CAPACIDADE ADSORTIVA DE PRODUTOS NATURAIS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTE POR ADSORÇÃO Henrique John Pereira Neves¹, Rejane Pereira

Leia mais

SELEÇÃO MONITORIA BOLSISTA PARA DISCIPLINA DE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

SELEÇÃO MONITORIA BOLSISTA PARA DISCIPLINA DE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO BOLSISTA PARA DISCIPLINA DE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO CARGA HORÁRIA: 12 (doze) horas semanais no período vespertino 18/12/2012 (terça feira),às 13:00h (duração 2h) no bloco da Pós-graduação do

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA W.A. Lehmkuhl, T.S. Possamai, D.S. Weber, V. Fornazieri, V.P. Nicolau Universidade Federal de Santa Catarina / Campus

Leia mais

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO EXTRATO NEBULIZADO DA OPUNTIA FICUS-INDICA (L.) MILL E AVALIAÇÃO DA SUA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E FOTOPROTETORA.

OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO EXTRATO NEBULIZADO DA OPUNTIA FICUS-INDICA (L.) MILL E AVALIAÇÃO DA SUA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E FOTOPROTETORA. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS I CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA BRUNO SAMID ARAGÃO SOARES OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO EXTRATO NEBULIZADO DA OPUNTIA FICUS-INDICA

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA Gilsimeire Rodrigues MORAIS* 1 ; Maria Raquel Hidalgo CAMPOS** 2 ; Thaísa Anders Carvalho SOUZA* 3 ; Tiago DIAS** 4 ; Luciana de Oliveira

Leia mais

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com

Professor Msc. Departamento de Informática, dcfoltran@gmail.com 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENGENHARIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DA MORINGA OLEÍFERA NO TRATAMENTO DE ÁGUA NUNES, Natália Andrade¹; NAGEL, Gustavo Willy¹; SILVA, Betina Suziellen Gomes da¹; COSTA, Mayla Talitta Vieira¹;

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO 17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO Autor(es) ANDRESSA AMBROSIO DE CAMPOS Orientador(es)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS FENÓLICOS EM PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DE LAGES

AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS FENÓLICOS EM PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DE LAGES AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS FENÓLICOS EM PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO MUNICÍPIO DE LAGES (1) Taise Alves de Lima; (1) Talita Ribeiro de Souza; (1) Jeane Aparecida Muniz Matos; (2) Ana Paula de Lima Veeck

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

DHYULI THAYANE HENRIQUE DE MOURA OLIVEIRA. CONTROLE DE QUALIDADE DE AMOSTRAS DE Solidago microglossa COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS- TO

DHYULI THAYANE HENRIQUE DE MOURA OLIVEIRA. CONTROLE DE QUALIDADE DE AMOSTRAS DE Solidago microglossa COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS- TO DHYULI THAYANE HENRIQUE DE MOURA OLIVEIRA CONTROLE DE QUALIDADE DE AMOSTRAS DE Solidago microglossa COMERCIALIZADAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS- TO Palmas -TO 2015 DHYULI THAYANE HENRIQUE DE MOURA OLIVEIRA

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 69 TIPO DE INSTALAÇÃO

Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 69 TIPO DE INSTALAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 69 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE S LTDA. MEIO AMBIENTE ENSAIOS BIOLÓGICOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL

AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL AVALIAÇÃO DO EFEITO DA COMPOSIÇÃO DO MEIO DA FERMENTAÇÃO EM ESTADO SÓLIDO NA PRODUÇÃO DE ETANOL H. C. OYAMA 1, U. C. FILHO 1, C. M. M. MIRANDA 1 e V. S. LOPES 1 1 Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade

Leia mais

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES FORUM ABISOLO 2011 Piracicaba/SP 11 a 13 de abril de 2011 Izabel Cristina Cardoso Giovannini Engenheiro Agrônomo UOP-Piracicaba/UTRA-Campinas/ SFA-SP

Leia mais

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA

EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA Aluno: Stephanie Dexheimer Caplan Orientador: Fernando Betim Paes Leme Introdução As fibras de bananeira (Musa sp) se destacam por ser de cultivo

Leia mais

NOTÍCIAS DO CFF Plenário do CFF aprova prescrição farmacêutica Data: 30/08/2013 De acordo com o texto da proposta, o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e produtos com finalidade

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás

Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás Avaliação do teor de compostos fenólicos nas folhas e cascas do caule de Myrcia rostrata DC. coletada em Hidrolândia/Goiás Guizelle Aparecida de ALCÂNTARA*; José Realino de PAULA*; Leonardo Luiz BORGES*.

Leia mais

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano;

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

Vigilância Sanitária em Piscinas

Vigilância Sanitária em Piscinas Vigilância Sanitária em Piscinas António Matos, Engº Sanitarista Departamento de Saúde Pública Administração Regional de Saúde Pública de Lisboa e Vale do Tejo, IP TEL 969071516 amatos@arslvt.min-saude.pt

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT03.P QUALIDADE HIGIÊNICO SANITÁRIO DO AR DE AMBIENTES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Inessa Adolfo de Jesus (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela Lima

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS, FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS LTDA. ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LS ANALYSES LABORATÓRIO DE PESQUISAS DE ANÁLISES QUÍMICAS,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Camila Cheker Brandão RQ Substituta Análise crítica: Rosana Aparecida de Freitas RQ Aprovação: Zelita de Oliveira Lopes Brasil RT 1. Objetivo Descrever

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES 2. SOLUÇÕES I. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas de dois ou mais componentes, sendo que estes estão misturados uniformemente em nível molecular. Em nosso cotidiano temos diversos exemplos de

Leia mais

Cleanbac (Nitrofural) Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 2 mg/g

Cleanbac (Nitrofural) Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 2 mg/g Cleanbac (Nitrofural) Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 2 mg/g Cleanbac_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE Cleanbac nitrofural APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de 2 mg/g em embalagem com 1 bisnaga

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

tecnologia 66 n maio DE 2011 n PESQUISA FAPESP 183

tecnologia 66 n maio DE 2011 n PESQUISA FAPESP 183 tecnologia 66 n maio DE 2011 n PESQUISA FAPESP 183 [ cosméticos ] Parceria bem-sucedida Pesquisadores externos contribuem com inovação da Natura Dinorah Ereno Yamada Taro / Getty Images A união do conhecimento

Leia mais

Laboratório Central de Saúde Pública LACEN/SC. Edição/Revisão 02/03. Escopo de ensaios área de produtos

Laboratório Central de Saúde Pública LACEN/SC. Edição/Revisão 02/03. Escopo de ensaios área de produtos 1/8 Setor de Microscopia de Alimentos - MICAL POP RT 5.4 MICAL-001 01/03 Café torrado e moído POP RT 5.4 MICAL-002 01/03 Análise histológica de condimentos POP RT 5.4 MICAL-003 01/03 Análise histológica

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES. N 36/92 TENDO EM VISTA: O Artigo 13 do Tratado de Assunção, o Artigo 10 da Decisão N 04/91 do Conselho Mercado Comum e a Recomendação N 14 do Subgrupo de Trabalho N 3 "Normas Técnicas".

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINAS DE NÚCLEO LIVRE PARA O PERÍODO DE FÉRIAS/VERÃO-2011 CAMPUS GOIÂNIA PERÍODO DE REALIZAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINAS DE NÚCLEO LIVRE PARA O PERÍODO DE FÉRIAS/VERÃO-2011 CAMPUS GOIÂNIA PERÍODO DE REALIZAÇÃO DISCIPLINAS DE NÚCLEO LIVRE PARA O FÉRIAS/VERÃO-2011 AGROECOLOGIA AGRONOMIA (Tel:3521-1530/1540) 25 Não informado Não informado Bases epistemológicas da agroecologia, pilares da agroecologia, concepção

Leia mais

Tratamento de cama de aves para sua reutilização

Tratamento de cama de aves para sua reutilização Tratamento de cama de aves para sua reutilização Valéria M. N. Abreu Cuiabá, 04 de maio 2010 Introdução evitar o contato direto das aves com o piso; servir de substrato para a absorção da umidade do ambiente;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE AMOSTRAS DE BOLDO-DO- CHILE (Peumus boldus Molina), COMERCIALIZADAS EM CURITIBA PR, NA FORMA DE SACHÊS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE AMOSTRAS DE BOLDO-DO- CHILE (Peumus boldus Molina), COMERCIALIZADAS EM CURITIBA PR, NA FORMA DE SACHÊS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE AMOSTRAS DE BOLDO-DO- CHILE (Peumus boldus Molina), COMERCIALIZADAS EM CURITIBA PR, NA FORMA DE SACHÊS QUALITY EVALUATION OF SAMPLES BOLDO CHILE (Peumus boldus Molina), COMMERCIALIZER

Leia mais

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks Título do Vídeo: Blood Crystals Saramago On the Rocks Nome dos participantes: Ana Margarida Pedro Braz (E-mail: anabraz96@gmail.com) Catarina Isabel Santos Andrade (E-mail: catarina_smile@hotmail.com)

Leia mais

Estudos para otimização da produção de Etanol

Estudos para otimização da produção de Etanol 2011 Estudos para otimização da produção de Etanol Mogi Guaçu/SP ESTUDOS PARA OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ETANOL Equipe da Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro João Alexandre Bortoloti Responsável técnico

Leia mais

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Rossana Sette de Melo Rêgo Francisco Montenegro de Melo Kedma de Magalhães Lima INTRODUÇÃO O cateterismo venoso

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ENSAIO PRELIMINAR DE FITOTOXICIDADE EM AMOSTRAS DE RESÍDUOS QUÍMICOS PRODUZIDOS EM AULAS PRÁTICAS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Thalita da Silva Copelli (1) Graduanda, curso de Tecnologia em Processos Ambientais

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Controle de Qualidade e triagem fitoquímica da droga vegetal das folhas de Morus nigra L. (MORACEAE)

Controle de Qualidade e triagem fitoquímica da droga vegetal das folhas de Morus nigra L. (MORACEAE) Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciences ISSN 1808-4532 Controle de Qualidade e triagem fitoquímica da droga vegetal das folhas de Morus

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO.

A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO. A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO. Mendes, I.A.S. 1 ; Ribeiro, E.V. 2 ; 1 UFMG Email:mendes.ias@gmail.com; 2 UFMG Email:elizenev@yahoo.com.br;

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

Palavras Chave: Plantas medicinais. Extratos vegetais. Aristolochia melastoma. Desmodium incanum.

Palavras Chave: Plantas medicinais. Extratos vegetais. Aristolochia melastoma. Desmodium incanum. Bioprospecção antimicrobiana a partir de jarrinha... 62 BIOPROSPECÇÃO ANTIMICROBIANA A PARTIR DE JARRINHA (Aristolochia melastoma Silva Manso ex Duch) E CARRAPICHO-BEIÇO-DE-BOI (Desmodium incanum (Sw.)

Leia mais

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Amarilys de Toledo Cesar 1 ; Virgínia Tereza Cegalla 2 Resumo Os medicamentos homeopáticos são manipulados em farmácias, que precisam de matérias primas,

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

CRIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM HERBÁRIO DIDÁTICO EM UMA ESCOLA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ

CRIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM HERBÁRIO DIDÁTICO EM UMA ESCOLA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ CRIAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM HERBÁRIO DIDÁTICO EM UMA ESCOLA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ Diego da Silva Guimarães ¹ João Rodrigues Miguel ² Herbário é um conjunto de plantas secas que tem

Leia mais

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos:

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos: UMIDADE EM ALIMENTOS Umidade, ou teor de água, de um alimento constitui-se em um dos mais importantes e mais avaliados índices em alimentos. É de grande importância econômica por refletir o teor de sólidos

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

III-162 ESTUDO DA BIORREMEDIAÇÃO EM SOLO CONTAMINADO DO ANTIGO LIXÃO DE CUIABÁ MT

III-162 ESTUDO DA BIORREMEDIAÇÃO EM SOLO CONTAMINADO DO ANTIGO LIXÃO DE CUIABÁ MT III-162 ESTUDO DA BIORREMEDIAÇÃO EM SOLO CONTAMINADO DO ANTIGO LIXÃO DE CUIABÁ MT Mayara Cristina Santos Marques (1) Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais