CADERNO DE EXERCÍCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE EXERCÍCIOS"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem Período: 13 a 17 de outubro de 2008 CADERNO DE EXERCÍCIOS Docentes: Carolina Joana da Silva Carla Galbiati Cáceres

2 EXERCÍCIO 01 A figura abaixo demonstra a distribuição de três espécies de peixes envolvidas na atividade de pesca recreativa, para três Represas distintas, Douglas, Cherokee e Norris, durante o período do verão. À direita da figura podem ser observadas as condições de oxigênio dissolvido (ppm) e de temperatura ( o F) para os três ambientes (represas) considerados. a. Com base nos dois diagramas discuta e justifique a distribuição espacial das três espécies de peixes nas represas consideradas b. Diagramas deste tipo, envolvendo distribuição horizontal de fatores físico-químicos e biomassa de peixes no sistema ambiental têm alguma aplicação prática? c. A questão formulada, contempla a distribuição das três espécies de peixes, pode ser considerada um exemplo de guilda ou um caso de nicho espacial? 2

3 EXERCÍCIO 2 Considere a linha sobre a figura abaixo como um transecto que atravessa três tipos distintos de fitofisinomias identificadas na paisagem: Cada fistofisionomia está representada isoladamente na forma de transecto específicos (diagrama de perfil) representados a seguir nas Figuras 1, 2 e 3: Figura 1: Diagrama de perfil da Floresta Mesófila Smidecídua 3

4 Figura 2: Diagrama de perfil do Ceradão. Figura 3: Diagrama de perfil de Cerrado stricto sensu Questão 1: Com base nos perfis florísticos das fitofisinomias anteriores apresentadas nas Figuras 1, 2 e 3, discuta os conceitos de sucessão ecológica, estabilidade e resiliência comparando as figuras. 4

5 EXERCÍCIO 3 ESTE EXERCÍCIO COMPREENDE UMA ESTRATÉGIA [ARA CONDUZIR UM ESTUDO RELACIONADO ÀS INTERAÇÒES ENTRE OS ECOSSISTEMA E O BEM ESTAR HUMANO, EM ESCALAS REGIONAL E GLOBAL, RECONHECENDO QUE AS PESSOAS E ECOSSISTEMAS INTERAGEM NO TEMPO E NO ESPAÇO. Millennium Ecosystem Assessment Systhesis Report Contexto O Bem Estar humano é altamente dependente dos bens & serviços proporcionados pelos ecossistemas. Nos últimos 50 anos, contudo, as atividades humanas têm causado impactos consideráveis ao ambiente, comprometendo a continuidade dos serviços dos ambientais. O Millennium Ecosystem Assessment constituí um estudo científico para auxiliar a compreensão das conseqüências das mudanças atuais nos ecossistemas e avaliar os futuros cenários, em termos de que ações podem ser efetuadas para reduzir os prejuízos resultantes da degradação dos ecossistemas. NÍVEL 1 DETALHES MUDANÇAS NO ECOSSISTEMA DO RIO PARAGUAI 1) Como este ecossistema tem sido modificado? 2) Como seus serviços e os usos desse ecossistema tem sido modificado? 3) Quais a mudanças podem ser observadas? 4) Como as mudanças provocadas neste ecossistema têm alterado o BEM-ESTAR HUMANO E A REDUÇÃO DA POBREZA? 5) Quais os fatores críticos que causam essas mudanças? 6) Como podem mudar no futuro este ecossistema e os seus serviços em relação aos vários cenários? 7) Qual a importância e utilidade da avaliação das mudanças neste ecossistema no contexto global e regional? 8) Como este ecossistema se modifica através do tempo? 9) Quais as opções para o manejo sustentável deste ecossistema? 10) Quais as principais incertezas relacionadas a tomada de decisão deste ecossistema? 11) CONCLUSÕES: PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES a. RESULTADO 1: mudanças nesse ecossistema nos últimos 50 anos b. RESULTADO 2: ganhos e perdas resultantes das mudanças neste ecossistema c. RESULTADO 3: Perceptivas para este ecossistema para os próximos 50 anos d. RESULTADO 4: Recuperação e ecossistema degradado 5

6 EXERCÍCIO 4 Mudanças Globais Ciclos Biogeoquímicos Aumento do CO2 e outros gases estufa Aumento da carga de nutrientes Consumo de água 3 Uso da Terra Tipo Intensidade 2 1 Benefícios Econômicos Atividades Humanas Benefícios Culturais, Intelectuais, Estéticos e Espirituais Invasão de espécies Biodiversidade Riqueza Equitabilidade Composição Interações Características das espécies Bens e Serviços dos Ecossistemas 4 6 Processos dos Ecossistemas A Figura acima ilustra as interações entre a ocorrência das mudanças globais como resultado das atividades humanas. 1) Discuta estes principais tipos de mudanças globais (impactos) resultantes das interferências das atividades humanas nos ecossistemas. 2) Como estes impactos podem alterar a continuidades dos processos nos ecossistemas e conseqüentemente afetarem a satisfação das necessidades humanas inerentes a continuidade e desenvolvimento das atividades antrópicas. 3) Cite ao menos quatro tipos de bens e serviços (funções ambientais) gratuitamente prestados pelos ecossistemas para a satisfação das necessidades humanas, os quais podem ser comprometidos pelas alterações nos processos dos ecossistemas. 6

7 EXERCÍCIO 5 Análise Ambiental e Dinâmica do Uso Da Terra da Paisagem da região Noroeste do Estado de Rio Grande do Sul. A seguir são apresentadas informações relacionadas às mudanças de usos da terra para a paisagem da região noroeste do Rio Grande do Sul, envolvendo os limites de 5 bacias hidrográficas. Essas bacias hidrográficas foram delimitas e através de imagens de satélites dever ser submetidas a uma análise e diagnóstico ambiental com base nas mudanças dos tipos de usos (mata natural, capoeira, pastagem, agricultura, área urbana e ambientes aquáticos) da terra durante o período de 1984 a Com base na análise dos aspectos quantitativos e qualitativos dos usos da terra elabore um diagnóstico do comprometimento ou não da qualidade ambiental da PAISAGEMcomo um todo e por BACIA HIDROGRÁFICA em relação ao período de 1984 a Quais os principais tipos de riscos que comprometem a qualidade ambiental destas unidades de gerenciamento da paisagem no período de 1984 a 1999? Figura 1: Localização geográfica da paisagem em estudo. Figura 2: Caracterização física da paisagem em estudo. 7

8 Figura 3: Evolução dos Usos da Terra para os anos de 1984, 1989, 1994 e

9 4 Mata ,70 Oeste 5 Capoeira ,70 Sul 5 Pastagem ,70 Sul Figura 4: Ilustração dos tipos de usos e ocupação da terra pelas classes mata, capoeira e pastagem na paisagem em estudo. 9

10 6 Agricultura ,70 Leste 7 Água ,70 Oeste 8 Área urbana ,70 Norte Figura 5: Ilustração dos tipos de usos e ocupação da terra pelas classes agricultura, água e áreas urbanas na paisagem em estudo. 10

11 ,70 Norte ,70 Oeste ,70 Sul Figura 6: Ilustração da classe água. Tabela 1: Valores de área (ha/ %) dos tipos de usos da terra pelas para a paisagem total no período de 1984., 1989, 1994 e Uso da Terra Áreas ha % ha % ha % ha % Mata 17,178 19,30 14,480 16,27 16,091 18,08 16,085 18,07 Capoeira 1,890 2,12 1,810 2,03 1,975 2,22 1,735 1,95 Pastagem 13,525 15,20 10,066 11,31 12,526 14,07 5,237 5,88 Agricultura 55,844 62,74 61,912 69,57 57,547 64,66 64,881 72,91 Água 59 0, , , ,17 Áreas urbanas 506 0, , , ,02 Total 89, ,00 89, ,00 89, ,00 89, ,00 11

12 Figura 7: Dinâmica da classe de mata para as cinco bacias hidrográficas da paisagem Figura 8: Dinâmica da classe de capoeira para as cinco bacias hidrográficas da paisagem. 12

13 Figura 9: Dinâmica da classe de pastagem para as cinco bacias hidrográficas da paisagem. Figura 10: Dinâmica da classe de uso agricultura nas cinco bacias hidrográficas da paisagem. Gradiente de comprometimento ambiental das bacias hidrográficas Menor comprimento Maior comprimento 13

14 EXERCÍCIO 6 DESENVOLVIMENTO DE TRILHA E RESTAURAÇÃO DE HABITAT Proposta A Base de Pesquisa e Educação Ambiental da UNEMAT, em Cáceres (Figura 1) localiza-se próximo a Baia do Malheiros, as margens do Rio Paraguai, dentro do município, com vegetação do bioma Pantanal (Figura 2). Caracteriza-se por ser um fragmento de vegetação nativa com ,06 ha (Lei n o 1.876/2004, Câmara Municipal de Cáceres, MT). A vegetação de Pantanal da Base de Pesquisa sofre com o pulso de inundação no período das chuvas (novembro a março) e permanece seco no período da seca (abril a outubro) em praticamente toda a sua extensão. Várias espécies vegetais podem ser observadas como cambará (Vochysia spp) e lianas, com presença de restos de vegetação resultante do pulso de inundação. A borda oeste do fragmento faz limite com a margem do Rio Paraguai, usada pela população local para pesca. O acesso a borda noroeste do fragmento é feito através de trilhas naturais entre os cambarás. O acesso a margem do Rio na borda sudoeste é pela praia do Daveron, onde as margens sofrem constante pressão pela uso dos pescadores, sofrendo com o processo de erosão e desmoronamento, além a presença de lixo. As margens do fragmento usadas para pesca apresentam bastantes dejetos de lixo e pressão de desmoronamento. Base de Pesquisa também é usada pela comunidade universitária, pelas várias disciplinas do curso de Ciências Biológicas e do Programa Pós-Graduação em Ciências Ambientais, que desenvolvem aulas práticas, para as quais a biodiversidade de plantas e animais é pertinente. Na área do fragmento com a presença de cambará é bastante adequada a implantação de TRILHA, que possibilita a visualização do Rio Paraguai com acesso a margem. A Base de Pesquisa e Educação Ambiental da UNEMAT pode ser destinada ao acesso turístico limitado a esta paisagem sem acarretar efeitos prejudiciais à integridade ecológicas da mesma, permitindo ainda o desenvolvimento de um processo de despoluição e limpeza das margens do Rio Paraguai na perspectiva da restauração de habitat para peixes e aves. Detalhes da proposta A TRILHA deve ser delimitada com coordenadas geográficas e inclusão na figura 2, com a determinação do comprimento total e a largura. A implementação da TRILHA pode envolver limpeza com a retirada de algumas plantas e a deposição de cascalho ao longo do percurso da mesma. Será necessário a construção de uma ponte no local que liga a área do cambará ao outra parte do fragmento separado pelo córrego dos Fontes. O acesso proporcionado pela TRILHA permitirá o desenvolvimento de um trabalho de valoração da Base de Pesquisa e limpeza das margens do Rio Paraguai limite do fragmento. Poderá ser construída estrutura física, na borda do fragmento junto à margem do Rio Paraguai, destinadas a pesca sem erosão da margem. Ao longo da TRILHA deverão ser colocados sinais interpretativos para ressaltar pontos e aspectos de interesse para apreciação dos visitantes. 14

15 Figura 1: Localização da unidade de conservação Base de Pesquisa e Educação Ambiental da UNEMAT, no município de Cáceres, Estado de Mato Grosso. Figura 2: A Base de Pesquisa e Educação Ambiental da UNEMAT, com vegetação de Pantanal no perímetro urbano de Cáceres. 15

16 Tarefa A Base de Pesquisa e Educação Ambiental da UNEMAT deseja submeter à aprovação do município de Cáceres a proposta de construção de TRILHA. Na condição de funcionário da Prefeitura Municipal será de sua responsabilidade determinar os efeitos que o projeto pode causar diretamente no ambiente ou indiretamente na comunidade local, considerando ainda os efeitos benéficos ou adversos na perspectiva de produzir uma Análise custo-benefício e ainda solicitar as metas físicas para delimitação de um projeto, a ser submetido a financiamento, para construção da TRILHA com fundamentos científicos. Para esta avaliação são sugeridos os procedimentos a seguir: 1) Listar os Componentes do Projeto (construção da TRILHA) que podem afetar o ambiente; 2) Descrever os principais Componentes do Ambiente que podem ser afetados pelo projeto e o modo como esse Componentes interagem (suas interações ecológicas). Além dos componentes físicos, químico e biológico e suas inter-relações. Considere também aspectos que possam ser importantes para a comunidade local, como por exemplo, a beleza cênica da paisagem. 3) Descreva os Efeitos (conseqüências) benefícios ou prejudiciais de cada componente do projeto nos Componentes do Ambiente ou seus sistemas ecológicos. Desde que os componentes ambientais não são isolados, mas interagem dentro dos sistemas ecológicos, considere em que situação os efeitos primários podem resultar em efeitos secundários, ou mesmo quando um efeito previsto pode ser tornar cumulativo. Esteja atento ao determinar quando um efeito previsto pode ser prejudicial de maneira significativa, pois se trata de uma proposta hipotética, que deve possibilitar algumas decisões arbitrárias na perspectiva de tornar o exercício interessante. Esse tipo de proposta que pretende sensibilizar e envolver pessoas com o ambiente natural não deve, necessariamente causar sérios efeitos adversos; e 4) Propor Medidas Mitigadoras para atender aos efeitos prejudiciais, e identificar quaisquer efeitos prejudiciais decorrentes da aplicação destas medidas. Se for considerado qualquer efeito residual adverso, os benefícios potenciais gerados pelo projeto podem ser discutíveis. UTILIZE O QUADRO A SEGUIR COMO BASE PARA REALIZAÇÃO DA TAREFA Componentes do Projeto Componentes do Ambiente (ecossistemas, solo, vegetação, água, vida silvestre) Impactos Adversos Medidas Mitigadoras 16

17 17

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DE UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO URBANO NA AMAZÔNIA MATOGROSSENSE E SENSIBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE PARA A SUA CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente.

Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade IV Os seres vivos e o meio ambiente. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º ano / 1º semestre GESTÃO DE AMBIENTE E TERRITÓRIO Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais 5ª aula Convenção

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: ADAPTA- CENTRO DE ESTUDOS DE ADAPTAÇÕES DA BIOTA AQUÁTICA DA AMAZÔNIA Descrição: Interações Biológicas com o Ambiente. Mecanismos de defesa e/ou resistência comuns entre peixes e mamíferos.

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

RPPN Fazenda Rio Negro

RPPN Fazenda Rio Negro Sítio Ramsar Área Úmida de Importância Internacional RPPN Fazenda Rio Negro Conservação Internacional 1. Dados G erais Nome da RPPN: Fazenda Rio Negro Proprietário: Conservação Internacional do Brasil

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 14.2 Conteúdo: Biomas Brasileiros

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 14.2 Conteúdo: Biomas Brasileiros Aula 14.2 Conteúdo: Biomas Brasileiros 2 Habilidades: Identificar as principais características que definem os biomas brasileiros, assim como sua localização e diversidade faunística e florística. 3 REVISÃO

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

Fundamentos da Ecologia da Restauração

Fundamentos da Ecologia da Restauração Fundamentos da Ecologia da Restauração Giselda Durigan Instituto Florestal de São Paulo Floresta Estadual de Assis e-mail: giselda@femanet.com.br Restauração Ecológica x Prática Ecologia da Restauração

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica Desenvolvimento Sustentável Capítulo II O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica A Dimensão Social do Desenvolvimento Sustentável: O caso da Energia Eólica Segundo Sachs (1993),

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 5º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 5º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 5º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. Pode ser

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528 Pesquisa Pantanal Job: 13/0528 Objetivo, metodologia e amostra Com objetivo de mensurar o conhecimento da população sobre o Pantanal, o WWF solicitou ao Ibope um estudo nacional para subsidiar as iniciativas

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES AM BIENTAIS NUM CONTEXTO SOCIAL E EDUCACIONAL: CONSIDERANDO UMA RESERVA URBANA

QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES AM BIENTAIS NUM CONTEXTO SOCIAL E EDUCACIONAL: CONSIDERANDO UMA RESERVA URBANA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN QUALIFICAÇÃO DE EDUCADORES AM BIENTAIS NUM CONTEXTO SOCIAL E EDUCACIONAL: CONSIDERANDO

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

5.6 EDUCAÇÃO AMBIENTAL. 5.6.1 Objetivos da Educação Ambiental

5.6 EDUCAÇÃO AMBIENTAL. 5.6.1 Objetivos da Educação Ambiental HABITAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Abordagem integrada em empreendimentos de interesse social Os resultados da auditoria devem ser divulgados e discutidos para a adoção de medidas corretivas. As medidas devem

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Projeto de Pesquisa ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA GESTÃO AMBIENTAL

Projeto de Pesquisa ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA GESTÃO AMBIENTAL ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA O projeto tem como objetivo estudar a preferencia de especies de ordonata e ephemeroptera aos mes-habitats

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia 1ª aula Maria do Rosário Partidário Desafios Ambientais e

Leia mais

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP)

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) Zangirolami, G.F. (*), Longo, R.M. 2, Bettine, S.C. 3, Demamboro, A.C. 4, Ribeiro, A.I. 5 * Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO Marilia de Jesus Oliveira (*), Eriswagner Matos Soares, Bethania de Sousa Pires, Vanessa Carvalho de Oliveira * Instituto Federal da Bahia, Campus de Vitória da Conquista,

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.166-67, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera os arts. 1 o, 4 o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO 7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DOZE PRINCÍPIOS PARA MAXIMIZAR O ESTOQUE DE CARBONO E A PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS FLORESTAS DA AMAZÔNIA Baseados nos estudos do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO I INTRODUÇÃO E ASPECTOS METODOLÓGICOS... 01 1. CADERNO DE INDICADORES...02 1.1. Indicadores Ambientais...04

SUMÁRIO. CAPÍTULO I INTRODUÇÃO E ASPECTOS METODOLÓGICOS... 01 1. CADERNO DE INDICADORES...02 1.1. Indicadores Ambientais...04 SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO E ASPECTOS METODOLÓGICOS... 01 1. CADERNO DE INDICADORES...02 1.1. Indicadores Ambientais...04 CAPÍTULO II CARACTERIZAÇÃO TERRITORIAL...05 1. DIMENSÃO TERRITORIAL...06 1.1.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Curitiba-PR Brasil Março 2007. Prefeitura

Curitiba-PR Brasil Março 2007. Prefeitura Curitiba-PR Brasil Março 2007 Prefeitura Biodiversidade Gerenciamento da Biodiversidade Urbana e Promoção da Conscientização da Biodiversidade em Comunidades Urbanas. Curitiba-PR-Brasil Março 2007 Clarismino

Leia mais

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para

Leia mais

METODOLOGIA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

METODOLOGIA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS METODOLOGIA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Jéssica de Castro Silva 1, Karla A. R. Lopes 2 1 UNIVAP/Faculdade de Educação e Artes, Rua Tertuliano Delfim Jr. 181, jessica.castro22@hotmail.coml Resumo-

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 19-09-2013 SEÇÃO I PÁG 76-77 RESOLUÇÃO SMA Nº 89, DE 18 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais para as Reservas Particulares

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Conferência Ethos 2012

Conferência Ethos 2012 Conferência Ethos 2012 Painel/Oficina 8 Florestas e Mudanças Climáticas Andre Guimaraes CI-Brasil São Paulo, 11 a 13 de junho de 2012 Quem Somos A Natureza da CI Missão (atual) Promover o bem-estar humano

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0

TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 2012.0730.00006-0 TERMOS DE REFERÊNCIA Nº 212.73.6- Ref. Contratação de consultoria (pessoa física) para realizar a correção topológica dos dados espaciais dos projetos financiados pelo Projeto de Conservação e Utilização

Leia mais

BIOMAS E ECOLOGIA DA CAATINGA

BIOMAS E ECOLOGIA DA CAATINGA P 02 Caderno de Provas BIOMAS E ECOLOGIA DA CAATINGA Edital nº 18/2013- REITORIA/IFRN 26 de janeiro de 2014 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014.

Figura 1. Habitats e nichos ecológicos diversos. Fonte: UAN, 2014. Ecologia de Comunidades e Ecossistemas Habitat e nicho ecológico Para entendermos o funcionamento da vida dos seres vivos em comunidade (dentro de um ecossistema) se faz necessário abordarmos dois conceitos

Leia mais

b) Qual a vantagem de se injetar nos pacientes células-tronco extraídas deles mesmos?

b) Qual a vantagem de se injetar nos pacientes células-tronco extraídas deles mesmos? SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3ª Série

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Plano Agricultura

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS

MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS MANEJO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS Prof a Dra. Regina Márcia Longo Ementa Biomas: principais biomas brasileiros Manejo de Fauna Indicadores de degradação Ecologia florestal Restauração de processos ecológicos

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: TARDE Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6 º ANO

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6 º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 6 º ANO 2010 Questão1 Observe a ilustração abaixo. Ela

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

Prof: Marcio Santos Enem 2009

Prof: Marcio Santos Enem 2009 Prof: Marcio Santos Enem 2009 Mapa Mundi Ciências Humanas Aula III Brasil Características Políticas - Nome: República Federativa do Brasil - 5º país do mundo em população - 5º país do mundo em território

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

QUESTÕES ABERTAS_AP02_BIO_FRENTE_3_PROFº: EURIPEDES MENDES QUESTÃO 01. UERJ

QUESTÕES ABERTAS_AP02_BIO_FRENTE_3_PROFº: EURIPEDES MENDES QUESTÃO 01. UERJ QUESTÕES ABERTAS_AP02_BIO_FRENTE_3_PROFº: EURIPEDES MENDES QUESTÃO 01. UERJ Alguns seres vivos, em especial animais situados no topo da cadeia alimentar, podem acumular algumas substâncias tóxicas em decorrência

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO II ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 23/2010 ÁREA

Leia mais

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Francisco Soares Santos Filho Professor / Biólogo Conceitos fundamentais em Ecologia Espécie População Comunidade Biológica ou Biocenose Biótopo

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia)

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028 TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) I. APRESENTAÇÃO 1.1. O Brasil é o décimo oitavo maior emissor

Leia mais