EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA"

Transcrição

1 EXPERIMENTOS PARA USOS SUSTENTÁVEIS COM FIBRA DE BANANEIRA Aluno: Stephanie Dexheimer Caplan Orientador: Fernando Betim Paes Leme Introdução As fibras de bananeira (Musa sp) se destacam por ser de cultivo fácil em países tropicais. O pseudocaule, após oferecer o fruto, pode proliferar fungos com difícil controle de tratamento, devido à alta umidade incidente nas plantações, causando danos ao meio ambiental e as pessoas. Como atualmente tem crescido a busca pelas ações sustentáveis, aumentaram as pesquisas com fibras naturais. Por serem renováveis, de baixo impacto ambiental e por promoverem ações de inclusão social, este material permite uso em substituição a materiais sintéticos tornando-o um material ambientalmente mais eficiente. O reaproveitamento das fibras do pseudocaule da bananeira, que normalmente seriam descartadas, está crescendo, sendo aplicado em artesanato, compósitos e em outros usos diversos. Com o objetivo de entender mais sobre as características da fibra da bananeira e seu potencial como um material que absorve substâncias em meio aquoso, seja para fixação de coloração ou mesmo para servir como um elemento de filtragem, inicialmente realizou-se uma pesquisa de caráter teórico para conhecer os aspectos físicos, químico e socioeconômicos que envolvem a espécie. Estes estudos tiveram o intuito de, ao realizar o experimento, analisar o que foi estudado teoricamente para confirmação ou não dessas pesquisas. Para tal, o experimento propõe analisar a capacidade de absorção de resíduos e pigmentos pelas fibras da bananeira, fazendo uso de três tipos diferentes de fibras extraídas do pseudocaule, e também observar se alguma tem maior potencial de absorção. O resultado desse trabalho será muito importante, pois buscamos cada vez mais princípios sustentáveis e métodos para ajudar a diminuir a ações poluidoras no meio que vivemos. Se as fibras do pseudocaule da bananeira podem apresentar potencial para absorção de substancias, seu aproveitamento poderá apontar para uma ótima solução acessível e de baixo custo para filtragem de águas contaminadas. Neste sentido, além do fato dessas fibras já serem muito utilizadas em atividades artesanais, ampliar seu uso como material filtrante e apto também ao tingimento, seu uso mostrará ser um atrativo maior para praticas sustentáveis, de baixa custo e rentáveis para varias famílias.

2 Figura 1: bananeira (Musa sp) Fonte: Métodos Experimentais Para realizar o experimento proposto de aproveitamento do pseudocaule de bananeira, serão definidos alguns passos técnicos, baseados em procedimentos adequados a métodos artesanais e acessíveis a cultivadores da espécie. Definida a parte de aproveitamento da planta, faz-se a retirada do pseudocaule com cortes transversais, e com a amostra em estado natural, prepara-se para as etapas de separação das camadas que envolvem a parte retirada. Figura 2: Desenho esquemático da Bananeira. Ilustração: Élio José Alves Fonte:

3 Como primeiro passo, são tiradas as calhas do pseudocaule com a mão. Em seguida, com uma faca paralela a fibra, tiramos uma fibra, com características mais amolecidas, chamada de calha mole. Depois retiramos a fibra chamada de renda, pois ela é toda trançada e delicada. E por ultimo temos a fibra mais rígida, chamada de calha dura. Feito isso, lavamos com água filtrada essas fibras e deixamos secar por 3 dias. Figura 3;4;5: Calha sendo retirada manualmente do pseudocaule Figura 6: Fibra sendo retirada da calha

4 Figura 7;8;9: Na esquerda calha mole, no centro a renda e na direita fibra chamada calha dura As fibras foram divididas em três grupos, um preparado com bicarbonato de sódio, outro com vinagre e outro grupo que não passara por nenhum preparo, sendo chamado assim de in natura". Foram separadas 6 fitas da calha mole de 4 cm de largura e 40 cm de comprimento, da renda separamos 6 fitas de 2 cm de largura e 40 cm de comprimento e para a calha dura foram usadas 4 fitas que foram cortadas cada uma em 4 pedaços de 3 cm de largura. Em uma bacia com 600ml de vinagre, foram colocadas 2 fibras da calha mole, 2 rendas e 4 pedaços da fibra mais dura. E em outra bacia com a mesma quantidade de fibras foram colocados 800 ml de água e 4,6 g de bicarbonato de sódio. Os dois grupos de fibras ficaram 4 horas de molho nas soluções e depois foram lavadas com água filtrada e ficaram secando por 1 dia. Foi observado que as fibras que ficaram de molho tanto no bicarbonato como no vinagre secaram muito mais rápido e ficaram com uma textura e aparência de desidratadas. Apos esses preparos, foram separadas 6 bacias, 2 panelas, colorau (corante natural que contem semente de urucum) e corante artificial de cor azul, da marca Guarany, chamado SINTEX COR. Em uma panela foram fervidos 3 litros de água e depois colocamos 84g de colorau culinário, de uso comercial. Após a temperatura se estabilizar, foram despejados 700ml da solução em 3 bacias, uma contendo as fibras que não passaram pelo tratamento em meio acido nem básico, outra com parte das fibras que foram tratadas com bicarbonato e outra com parte das que receberam tratamento com vinagre. O mesmo processo foi feito com 3 litros de água fervendo com 14g de corante artificial. As bacias ficaram por 24 horas em repouso e depois as fibras foram tiradas e deixadas para secar em temperatura ambiente.

5 Departamento de Arquitetura Figuras 11;12;13;14: A primeira figura da esquerda mostra o colorau em pó e abaixo mostra a bacia com as fibras e o colorau já dissolvido na água. Na primeira foto a direita, temos o corante artificial azul e logo abaixo, a bacia com as fibras e a solução. As fibras que foram expostas ao corante natural, tiveram uma pequena mudança na coloração. O grupo de fibras que mostraram maior potencial para absorver esse tipo de pigmento foram as que receberam pré tratamento com bicarbonato de sódio, e dos três tipos de fibras, a calha mole e a renda foram as que mais apresentaram mudança de coloração. Figura 15: Na parte superior da imagem, da esquerda para a direita, temos o grupo que não receber pré tratamento, o que foi tratado com bicarbonato e o que recebeu pré tratamento com vinagre. Logo abaixo no centro, a fibra in natura.

6 Já as fibras que foram expostas ao corante artificial de cor azul, tiveram uma brusca mudança na coloração. E a renda mostrou um alto poder de absorção, pois foi dos três tipos de fibras, a que mais mudou nos três grupos. Não houve muita diferença quando foram comparados os três grupos, podem as que mudaram um pouco mais foram as que passaram pelo pré tratamento com vinagre. Figura 16: Na parte superior da imagem, da esquerda para a direita, temos o grupo exposto ao vinagre, o que não recebeu pré tratamento e o que recebeu pré tratamento com bicarbonato de sódio. Logo abaixo no centro, a fibra in natura. Para analisar se as fibras apresentam boa fixação e aderência aos corantes, amostras foram colocadas por 30 minutos em 6 copos com 300 ml água filtrada para observar se a cor da água e a cor das fibras iriam mudar. Como as fibras expostas ao corante natural não apresentaram mudança significativa de cor, a água também não apontou alteração, ficando apenas um pouco turva. Já a água que ficou em contato com as fibras expostas ao corante artificial azul, a mudança da coloração da água foi brusca. E fibras não mudaram muito de cor depois de serem retiradas desse banho de água filtrada. Figura 17: Fibras expostas ao corante natural depois de terem passado um período dentro dos copos com água

7 Figura 18: Amostras das fibras tingidas em corante artificial, seguindo a ordem de pré tratamento (esq. para dir.): meio ácido, não tratada e meio alcalino. Figura 19: Fibras expostas ao corante artificial apos terem passado 30 minutos submersas em água filtrada (seguem a ordem da esquerda para a direita seguindo a ordem da fig. 18). Conclusão Para tirar as conclusões desse experimento, foram comparadas as fibras tingidas com as fibras in natura. Analisando o potencial de absorção que essas fibras possuem e se esse potencial é modificado quando essas fibras passam por algum tipo de pré tratamento, nesse caso 2 grupos de fibras passam por meio básico e meio alcalino. Também foi observado se ocorreria alguma mudança na capacidade dessas fibras se fossem expostas a corantes artificiais ou naturais. Depois dessas analises, o resultado foi positivo para o potencial dessas fibras de absorverem pigmentos, sendo a renda, fibra que se encontra entre a calha mole e a calha dura, a mais promissora para tal. O segundo fato observado foi que aparentemente a fibra absorveu mais pigmentos do corante artificial, o que afirma, mesmo necessitando estudos mais aprofundados, as boas qualidades dessas fibras com potencial para uso como elemento filtrante. Foi observado também, a questão do pré tratamento com meio acido e básico, no qual para o colorau de cor mais avermelhada, era esperado que a cor ficasse mais intensa nas fibras que foram expostas ao ph acido, o que ocorreu o inverso. A mesma situação ocorreu para a coloração artificial azul, que era esperado que ficasse mais forte em meio alcalino. Esse resultado levou ao questionamento de algumas informações teóricas.

8 O resultados apos as fibras ficarem meia hora expostas a água filtrada foram interessantes, mostrando que mesmo as fibras que foram expostas ao corante artificial tendo incorporado o corante, elas liberaram pequena parcela de resíduo de pigmentação na água, porem não houve mudanças drásticas na cor das fibras, mas nada muito significativo. Já em relação as fibras expostas ao corante natural, a mudança da cor das fibras e da água, não foi muito perceptível. Outras situações foram questionadas, como por exemplo, se ao mudar as concentrações de fibra e de quantidade de corantes o resultado seria outro. Outra questão foi se a fibra realmente absorveu o pigmento ou ocorreu apenas aderência superficial. Caso as fibras não tivessem sido separadas, o resultado poderia ser outro. Ou se as fibras tivessem sido aquecidas junto com os corantes, a coloração seria possivelmente diferente. Essas questões levantadas nos mostra a necessidade de um estudo mais aprofundado, mesmo que esse experimento tenha levado a resultados promissores na questão do uso dessas fibras, tanto aproveitamento em sistemas filtrantes quanto para tingimento em trabalhos artesanais. Os resultados apontam sobretudo para geração de renda para populações carentes que façam cultivo da bananeira, indicando assim, caminhos para uso e consumo ampliado de materiais sustentáveis. Referencias Bibliográficas 1 Bussolo, E.P,;Barcellos,I.O.; Estudo Comparativo das características tintoriais entre fibras do pseudo-caule da bananeira e fibras sintéticas. Net,.Blumenau - SC. Disponível em: < 2 E. C. Dall Ágnol; D. Baraúna; J. S. Anselmo; A. P. T. Pezzin; D. A. K. Silva ; Aplicação de Corantes naturais extraídos de vegetais no tingimento da polpa de papel com variações de mordentes. In: Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciencia dos Materiais, 18.,2008, Porto de Galinhas, PE, Brasil. Resumos.. Porto de Galinhas: Departamento de Engenharia Ambiental da UNIVILLE,2008. p.9. 3 Ferreira, E. L. Corantes naturais da flora brasileira: Guia prático de tingimento com plantas. Curitiba: Optagraf Editora e Gráfica Ltda., Perini,B.L.B.;Drews,J.L.;Cunha,S.K.K.;Krohl,D.R.;Sellin,N.; Adsorção de corantes de efluentes têxtil por resíduos da bananicultura. In: Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, 3.,2012. Goiania/GO. Resumos.. Goiânia: Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais,2012. p.6. 5 Borges, L. A.; Souza, D. S. L. Banana,. Net, Brasília. Agencia de informações Embrapa. Disponível em: 6 UM PÉ DE QUE? Programa idealizado por Estevão Ciavatta e Regina Casé. Desenvolvido por Pindorama Filmes e Canal Futura. Apresenta arvores dos biomas brasileiros. Disponível em:

Oficina Bactérias e Fungos

Oficina Bactérias e Fungos Oficina Bactérias e Fungos Leia todo a material antes de iniciar as atividades. Aproveite esse momento para explorar seus conhecimentos e ter uma aprendizagem significativa. Socialize suas dúvidas e conhecimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE CIÊNCIAS NATURAIS. Aluno (a): 6 ano Turma:

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE CIÊNCIAS NATURAIS. Aluno (a): 6 ano Turma: Escola Estadual AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE CIÊNCIAS NATURAIS Professor (a) : Data: / /2012 Aluno (a): 6 ano Turma: 1 - Todos os seres vivos e a parte não-viva de um ambiente (água, minerais do solo, gases

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

Química na cozinha: www.interaulaclube.com.br

Química na cozinha: www.interaulaclube.com.br Química na cozinha: funções químicas Na Aula 43, você estudou um processo chamado fermentação, que determinados seres vivos promovem para sobreviver. Você aprendeu qual a importância da fermentação para

Leia mais

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha)

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Essa cartilha tem como objetivo, auxiliar no processo de ensinoaprendizagem durante a oficina de Fabricação de sabão a

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando S. Alves ABRIL 1992 Revisado JANEIRO

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012

Prêmio Ambiental Fiesp. Página 1/11. Eliminação do Cianeto dos banhos galvânicos 29-03-2012 1/11 2/11 SUMÁRIO 1. Integrantes da Equipe...3 2. Overview do Grupo Bosch...4 3. Conhecendo a Galvânica...5 4. Considerações Gerais...6 5. A outra face da moeda...7 6. Análise do problema...8 7. Desafios

Leia mais

Cores, para que te quero?

Cores, para que te quero? Cores, para que te quero? Maria Helena da Silva LEAL Resumo O trabalho foi desenvolvido na Escola Estadual Marilene T. Longhim, com 36 crianças da 2ª série do ensino fundamental, com idades entre 7 e 9

Leia mais

PROJETO SENTINDO A ÁGUA

PROJETO SENTINDO A ÁGUA PROJETO SENTINDO A ÁGUA Adriana Maria de Souza Geraldo Fernanda Daniela F. Rodrigues Juliana Aparecida Ribeiro Resumo O presente projeto foi desenvolvido em um Centro Municipal de Educação Infantil, com

Leia mais

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral

Cólera. Introdução: 1) Objetivo Geral Cólera Introdução: A cólera se originou provavelmente na Índia e em Bangladesh, espalhando para outros continentes a partir de 1817. A descoberta da bactéria que a provoca foi feita por Robert Koch em

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

TRC 095 UMIDIFICADOR ULTRASONICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

TRC 095 UMIDIFICADOR ULTRASONICO MANUAL DE INSTRUÇÕES TRC 095 UMIDIFICADOR ULTRASONICO MANUAL DE INSTRUÇÕES LEIA ESTE MANUAL CUIDADOSAMENTE ANTES DE INSTALAR, GUARDE O PARA FUTURAS REFERENCIAS DADOS TÉCNICOS Modelo: TRC 095 Saída Padrão: 280mllh Volume de

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade udwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final

Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gerenciamento dos resíduos químicos laboratoriais: preparo de soluções contendo Cromo (VI), Cobre (II), ácidos e bases para destino final Gustavo Henrique Branco VAZ¹; Vássia Carvalho SOARES²; ¹Estudante

Leia mais

A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR

A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR A BUSCA DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA - O TEMA ETANOL NUM CONTEXTO INTERDISCIPLINAR Nara Regina Hennemann (nei.nara.h@hotmail.com) Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen (aaguim@univates.br) Miriam

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Carbono é um elemento cujos átomos podem se organizar sob a forma de diferentes alótropos. Alótropos H de combustão a 25

Leia mais

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S Noções de química Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula ficha10_al_serv_gerais_educador_01a.indd 1 5/4/2011 16:11:32

Leia mais

VESTIBULAR DE INVERNO 2011 GABARITOS E COMENTÁRIOS. TARDE - 03/07/2011 Núcleo Básico de Computação

VESTIBULAR DE INVERNO 2011 GABARITOS E COMENTÁRIOS. TARDE - 03/07/2011 Núcleo Básico de Computação VESTIBULAR DE INVERNO 011 GABARITOS E COMENTÁRIOS TARDE - 03/07/011 Núcleo Básico de Computação - Prova objetiva de Conhecimentos Gerais (Biologia, Geografia e Históri - Prova discursiva de Física, Matemática

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI)

Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI) Experiência 10. TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE CROMO (VI) 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental, deseja-se que o aluno seja capaz de: - Reconhecer a importância do tratamento e deposição correta

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL O Capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, destaca os benefícios de alguns micróbios examinando diversos meios e métodos para podermos utilizá-los em nosso benefício. Através da actividade fabricar iogurte,

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Cardápio nº 2455 - BISCOITO CASEIRO DE NATA E SUCO DE POLPA DE FRUTA os C Ca Mg Fe Zn Custo Açúcar g 8 30,96 7,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Açúcar (suco) g 10 38,70 9,96 0,00

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS Ácido ídrico eto oso ito ico ato Sal nome do ácido de origem eto ito ato nome do cátion da base de origem +y B x +x A y Como pode cair no enem O etanol é considerado um

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro Tópico: A água Objetivos: i) identificação dos diferentes tipos de uso dos recursos hídricos e seu impacto ambiental, econômico e social ii) Ciclo

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Guia de Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Este guia apresenta resultados das placas 3M para Contagem de Leveduras e Bolores.

Leia mais

ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES.

ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES. ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES. SILVA, André Miranda. 1* COSTA, Franciele Oliveira. 1 CARVALHO, Emanoel da Silva. 1 SILVA, Vera Lúcia Moraes Meira. 2 LIMA, Lígia

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

IPS COMÉRCIO Empresa social

IPS COMÉRCIO Empresa social IPS COMÉRCIO Empresa social O que é o IPS COMÉRCIO Empresa social, constituída em 2007, hoje com sede em Atibaia SP, Brasil, com a finalidade de ser mantenedora do Instituto Papel Solidário. Teve início

Leia mais

Tratamento Com Escova Progressiva Gold

Tratamento Com Escova Progressiva Gold Tratamento Com Escova Progressiva Gold PRODUTOS NECESSÁRIOS: KERATIN PLUS GOLD SHAMPOO KERATIN PLUS GOLD TREATMENT ENHANCING SHAMPOO REVITAL MASK SERUM PRANCHA J PREMIUM 1 PASSO-A-PASSO - Tratamento Escova

Leia mais

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Manipulação caseira de fitoterápicos Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Recomendações gerais Uso de plantas provenientes de modismos deve ser evitado. Duvide sempre das plantas tidas como milagrosas.

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

Algodão colorido. Atividade de Aprendizagem 20. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente; ciência e tecnologia

Algodão colorido. Atividade de Aprendizagem 20. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente; ciência e tecnologia Atividade de Aprendizagem 20 Algodão colorido Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente; ciência e tecnologia Tema Água e vida / uso dos recursos naturais / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável

Leia mais

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE Moringa é especialmente promissor como fonte de alimento nos trópicos, porque a árvore está na folha completa no final da estação seca, quando outros alimentos são geralmente

Leia mais

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Nathan José Mota Garcia (1) ; Rosiane Gonçalves dos Santos (1) ; Carlos Roberto de Sousa Costa (2)

Leia mais

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor A UU L AL A Origem da vida Valdir estava doido para ir à praia e curtir suas férias. Antes de viajar, porém, tomou todos os cuidados necessários: trancou bem as portas e as janelas, desligou todos os aparelhos

Leia mais

PROJETO OLIVOPAMPA. Olivicultura Brasileira. Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009

PROJETO OLIVOPAMPA. Olivicultura Brasileira. Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009 PROJETO OLIVOPAMPA Olivicultura Brasileira Fernando Rotondo Sant Ana do Livramento Agosto 2009 Áreas de Atuação OlivoPampa Produção e venda de mudas de oliveiras; Produção de azeitonas de mesa; Processamento

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE APRESENTAÇÃO As informações descritas neste documento tem o objetivo de orientar os

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA REPOSIÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO SUMÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO MÉMORIA DE CÁLCULOS CÁLCULO

Leia mais

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Introdução Alcides Peixinho Nascimento 1 Alaíde Régia Sena Nery de Oliveira 2 Fabrício

Leia mais

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches

PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches PLANTIO DE FLORES Profas Joilza Batista Souza, Isilda Sancho da Costa Ladeira e Andréia Blotta Pejon Sanches Resumo O presente projeto foi desenvolvido pelas professoras, com crianças de dois a três anos

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE

INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE Rubeneide Furtado de Sá (IC), 1 * Tiago Hítalo de Lima Pereira (IC), 1 Jozivânia

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/06 Data da última revisão: 24/11/2004 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: Dex Plac 10-2 Deca Parte B. Nome químico do principal componente: Sais de Potássio. Sinônimo: Sais

Leia mais

Quicksuntm Clear Introdução Pigmentação Fototipo

Quicksuntm Clear Introdução Pigmentação Fototipo Quicksun tm Clear Introdução As radiações solares agem no organismo de maneira benéfica a curto prazo (calor, síntese de vitamina D, bem-estar) mas infelizmente elas também têm efeitos nocivos que são

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Fácil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Médio www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Difícil Níveis de dificuldade das Questões 01. Em um frasco,

Leia mais

Soniclean. Manual de Instruções. Lavadora Ultra-sônica. Aquecida

Soniclean. Manual de Instruções. Lavadora Ultra-sônica. Aquecida Lavadora Ultra-sônica Soniclean 6 Aquecida Manual de Instruções SANDERS DO BRASIL LTDA. Rua Adelino Carneiro, 56-1º Andar - Centro Santa Rita do Sapucaí - MG CEP: 37540-000 www.sandersdobrasil.com.br /

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

O sal grosso é considerado um potente purificador de ambientes.

O sal grosso é considerado um potente purificador de ambientes. Escrito por Revista Staff Sal Grosso Quem diria! O Sal grosso tem o mesmo comprimento de onda da cor violeta! Interessante!!! Por isso que funciona... Aproveitem! Os Poderes do Sal Grosso O sal grosso

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento

A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento A resposta ao potencial de desenvolvimento do broto de alfafa (Medicago sativa L.) com o uso de luz durante o ciclo de crescimento Elisangela Schardong 1 Elvis Calabresi 1 Paulo Zwick 1 Tais Colombo 1

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA VINHO Prof(a): Erika Liz 2011 VINHO - DEFINIÇÃO Vinho é a bebida obtida por fermentação alcoólica do suco de uva (mosto). O ph varia entre 2,9 e 3,8. O teor alcoólico varia de 7 a

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS SOBRE FUNGOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS SOBRE FUNGOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO-UEMA CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS-CESC DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOLOGIA CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS SOBRE FUNGOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

Bichos que a gente não vê

Bichos que a gente não vê Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Projetos temáticos 5 o ano Data: / / Nível: Escola: Nome: Bichos que a gente não vê Justificativa O projeto Bichos que

Leia mais

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo.

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo. 1. 1.1. Opção D. Ocorre emissão de radiação quando os electrões transitam de níveis energéticos superiores para níveis energéticos inferiores. A energia dessa radiação está quantificada, sendo igual à

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 novembro, 1997 Número 6/97 CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS André Luiz Bugnolli Paulo Renato Orlandi Lasso Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução Comida 25 - Introdução 63 4 Comida suficiente e nutritiva 25 Introdução Existem vários sistemas simples e de baixo custo que podem melhorar a segurança alimentar e a nutrição. Estes incluem, por exemplo,

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Professora Sonia. ENEM 1999 - Prova resolvida Química

Professora Sonia. ENEM 1999 - Prova resolvida Química ENEM 1999 - Prova resolvida Química 01. Suponha que um agricultor esteja interessado em fazer uma plantação de girassóis. Procurando informação, leu a seguinte reportagem: SOLO ÁCIDO NÃO FAVORECE PLANTIO

Leia mais

Manual de Instruções. Lavadora Ultra-sônica. Aquecida

Manual de Instruções. Lavadora Ultra-sônica. Aquecida Lavadora Ultra-sônica Aquecida Manual de Instruções SANDERS DO BRASIL LTDA. Rua Adelino Carneiro Pinto, 56 - Centro Santa Rita do Sapucaí - MG CEP: 37540-000 www.sandersdobrasil.com.br / sanders@sandersdobrasil.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos Márcio Ferreira Porto Alegre, de março de 2001 Sumário: O estudo apresentado

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico. Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Sol e Frutas: Desidratação e Produção Agroecológica Familiar CONSERVAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS PELO CONTROLE DE UMIDADE VANTAGENS ECONÔMICAS: Menor

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE VITAMINA C EM ALIMENTOS 1 INTRODUÇÃO A maioria das vitaminas não pode ser fabricada pelo corpo, por isso é necessário obtê-las a partir dos alimentos. A vitamina D é uma exceção,

Leia mais

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA 1. REAGENTES Reagentes - Solução

Leia mais

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies A UU L AL A Rugosidade O supervisor de uma empresa verificou que os trabalhos de usinagem não estavam em condições de atender aos requisitos do projeto. Por isso, contratou um técnico para explicar ao

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

Indicador Faixa de ph Mudança de coloração Metilorange 3,2 a 4,4 Vermelho p/ amarelo Vermelho de Metila 4,8 a 6,0 Vermelho p/ amarelo

Indicador Faixa de ph Mudança de coloração Metilorange 3,2 a 4,4 Vermelho p/ amarelo Vermelho de Metila 4,8 a 6,0 Vermelho p/ amarelo 1. Na tabela abaixo se encontram listados alguns indicadores e suas respectivas faixas de ph a) Com base na tabela indicada, se você tivesse que titular 25 ml de uma solução 12,3 g/l de Acido Nicotínico

Leia mais

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra LISTA 1 NÍVEL 1 01. (UEMA) Das três fases de uma substância, a que possui menor energia cinética é a fase, cuja característica é apresentar. Os termos que preenchem corretamente as lacunas são: a) Sólida

Leia mais

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Física. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Física. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Física Questão 1 (Unirio 2000) Um aluno pegou um fina placa metálica e nela recortou um disco de raio r. Em seguida, fez um anel também de raio r com um fio

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Capítulo 5 Materiais, métodos, técnicas e formas na construção do muro do LILD

Capítulo 5 Materiais, métodos, técnicas e formas na construção do muro do LILD 66 Capítulo 5 Materiais, métodos, técnicas e formas na construção do muro do LILD Neste capítulo, descreveremos a pesquisa prática que foi feita ao longo deste mestrado, e que é uma continuidade da reflexão

Leia mais

tecnologia Engenharia Agrícola y

tecnologia Engenharia Agrícola y tecnologia Engenharia Agrícola y Caetano Barreira / olhar imagem 64 z março DE 2015 A contribuição do campo Irrigação com água tratada de esgoto diminui a retirada dos mananciais e economiza fertilizantes

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais