Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos"

Transcrição

1 Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei

2 CENÁRIOS ATUAIS DA BIOTECNOLOGIA A Biotecnologia atualmente avança a em diferentes áreas. Os conhecimentos biotecnológicos fazem a diferença na pesquisa, possibilitando acessar níveis n de análises, que redundam em produtos e processos de alto impacto para a sociedade. O desafio está em encontrar caminhos que possam redundar em benefícios também m para as populações tradicionais, detentora do saber popular, que foi a mola propulsora da validação científica.

3 CENÁRIOS ATUAIS DA BIOTECNOLOGIA Dentre as áreas do conhecimento biotecnológico podemos destacar: Os estudos clássicos e os estudos baseados em biologia molecular: 1. Uso de marcadores moleculares 2. Dados genéticos e genômicos 3. Dados proteômicos e metabolômicos Estes estudos redundam em Produtos, Processos e Patentes

4 Biomas Brasileiros

5

6 Manacapuru

7 DIVERSIDADE AMBIENTAL DA AMAZÔNIA LAGO DE COARI ECOSSISTEMA DE ÁGUAS PRETAS ÁGUA PRETA ÁGUA BRANCA

8 VISÃO GERAL MANAUS

9 ASPECTO GERAL DO IGAPÓ E NÍVEL DE INUNDAÇÃO

10 LAGO DE COARI MUDANÇA A DE NÍVEL QUANDO DO PULSO DAS ENCHENTES E DA VAZANTE LAKE OF COARI AT HIGH-WATER LAKE OF COARI AT LOW-WATER WATER

11 Políticas Públicas para Plantas Medicinais e Fitoterápicos PNPMF Plano Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos fruto de Decreto (No de 22/06/2006) foco no aproveitamento e agregação de valor aos recursos da biodiversidade. envolve diversas áreas de conhecimento fomenta a prospecção, a validação, o desenvolvimento e a produção de plantas medicinais, fitoterápicos, fitofármacos e novas moléculas gera tecnologias e produtos PNPIC Plano Nacional de Práticas Integrativas e Complementares fruto de exaustivas discussões nas Conferências Nacionais de Saúde (Portarias interministeriais No. 971 de 03/05/2006 e No de 17/07/2006) foco na aplicação e introdução racional de fito-produtos e outros recursos terapêuticos complementares na prevenção e tratamento de patologias e na saúde pública fitoterapia isolada ou associada às demais técnicas terapêuticas, convencionais ou não, na promoção da saúde introduzir os produtos nas unidades de saúde do país desde que vantajosos em relação aos tratamentos convencionais. As duas políticas devem estar integradas através de seus Programas e Ações

12 O Plano Nacional de Práticas Integrativas e Complementares PNPIC define as prioridades para a fitoterapia na saúde publica nos diversos níveis de complexidade, e a PNPMF induz ao atendimento a essas demandas, desenvolvendo tecnologias e produtos. PNPIC 11 Diretrizes (+ desdobramentos na implementacao) Integração das diretrizes PNPMF 17 Diretrizes (+ desdobramentos na implementação)

13 Integração das diretrizes - Desenvolvimento de programa de validação de um elenco de drogas vegetais nativas e exóticas, objetivando a Atenção Primária em Saúde com Fitoterapia (PNPIC) Plano Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - Viabiliza a introdução de drogas e extratos no SUS (PNPIC) - Prospecção e desenvolvimento de produtos inovadores com PD&I: Fitomedicamentos (lista) (PNPMF) Plano Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos - Definição de patologias e respectivos alvos terapêuticos prioritários por parte do MS, para a PD&I de fito-produtos, visando a previsão de demanda & orientação da cadeia produtiva. - Desenvolvimento de um programa de capacitação de profissionais de saúde em plantas medicinais, fitoterápicos e fitoterapia: agente de saúde, o farmacêutico, o enfermeiro, o nutricionista e médico

14 Cadeia Produtiva Droga Vegetal Extratos secos e fluidos Medicamento Fitoterápico ético Indústria I Indústria II Indústria IV Planta Medicinal Extrato Complexo Fitoterápico Substâncias Puras Fitofármaco Indústria III Indústria V Padrões e Subst. de referência Medicamento (fitofámaco) ético

15 Cadeia Produtiva: Níveis de densidade tecnológica representados pelas diferentes etapas no desenvolvimento de um produto: diferentes níveis de processos industriais ou de Manufatura Espécies vegetais (plantas medicinais): encadeamento complexo que exige a integração de diversas áreas do conhecimento Desenvolvimento de produtos: Processo multidisciplinar e uma regência adequada do processo Cada segmento: parâmetros éticos obrigação de gerar produtos apropriados ao consumo humano consonância com as normativas vigentes diferentes órgãos reguladores / nos diferentes níveis da produção Boas Práticas

16 PLANTA MEDICINAL - FITOTERAPICO - FITOTERAPIA capacitação COMO FAZER TECNOLOGIA (PD&I; academia) O QUE FAZER PRODUTOS (industrias, farmacias) COMO APLICAR SERVICOS (classe medica) No desenvolvimento de produtos para a saúde, os três aspectos devem ser considerados de maneira integrada: partes de um único sistema

17 Sistema Nacional de Inovação Fito ESTADO Inovação: processo social Políticas Públicas Regulação Produção Vegetal Universidades e Instituições Produção de Extratos Indústria Produção de Substâncias Puras Assistência Médica Fitoterápicos Fitofármacos Meio Ambiente SUS Mercado Privado Saúde Pública Bem estar social

18 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Portaria GM/MS nº 1.274, de 25 junho 2008 Institui Grupo Executivo para apoiar o MS na coordenação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun Seção I, p. 41 ) Portaria Interministerial nº 2.960, 09 dezembro 2008 Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

19 Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Objetivo: monitoramento e avaliação Composição: Governo Casa Civil/PR, MAPA, MCT, MDA, MDIC, MDS, MEC, MI, MinC, MMA, MS, ANVISA, FIOCRUZ Sociedade civil Representantes da Agricultura Familiar, Agricultura, Biomas (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Ecossistemas Costeiros e Marinhos, Pampa, Pantanal), Indústria, Manipulação, Pesquisa, Povos e comunidades tradicionais, Serviços de Saúde (Gestor Municipal e Estadual do SUS)

20 Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos recursos/ financiamento comercialização produção de fitoterápicos manejo e cultivo de plantas medicinais regulamentação Garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional conhecimento tradicional e popular recursos humanos PD&I informação e comunicação SUS

21 REDESFITO Estas redes do conhecimento têm seus nós nos principais biomas brasileiros, mapeando e reunindo todos os atores sociais ligados as plantas medicinais e fitoterápicas: Mata Atlântica; Pantanal; Pampa; Cerrado; Caatinga; Amazônia (projeto piloto/ngbs) Fonte: IBGE

22 Objetivos Colocar em ação as diretrizes do Programa Nacional de Plantas Medicinais; Atuar na gestão do conhecimento dos diversos setores envolvidos com a inovação de fitomedicamentos, priorizando a estruturação de uma forte base tecnológica que viabilize um padrão internacional da inovação não apenas para medicamentos, mas para todas industrias dependentes desta base tecnológica para validar o desenvolvimento de novos produtos; Impulsione e retro-alimente o Programa Nacional através da utilização de Tecnologias de Informação.

23 Grupo Executivo Fluxograma das Redes-Fito CONHECIMENTO TRADICIONAL E CIENTIFICO Ministério da Saúde Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) FIANCIAMENTO Comitê de Monitoramento e Avaliação e Grupo Gestor NGBS/FIOCRUZ Escritório de Gestão da Rede Fito do NGBS Sistemas Nacional de Redes Fito Conselhos Gestores das Redes Mata Atlântica Caatinga Pantanal Amazônia Cerrado Pampa Área Técnico cientifica Área Administrativa Área do Conhecimento Etnobotânica / Etnomedicina Botânica Química Farmacologia (pré clinica e clinica) Toxicologia Recursos humanos Financeiro Contratos Tecnologia da Informação Comunicação Tradicional Agrícola Comercio Órgãos públicos Industrias Terceiro Setor (Ap. Paulo Leda)

24 Produtos das Redes Projetos demonstrativos regionais integrados através da base tecnológica e interface com a biodiversidade; Projetos que permitam a estruturação de modelos produtivos sustentáveis em cada bioma brasileiro; Cursos de capacitação e treinamento nacionais; Estações agroecológicas de plantas medicinais; Farmácias Vivas-Francisco Mattos; Farmácias verdes; Farmácias Públicas (modelo de aplicação Politica Nacional de Praticas Integrativas e complementares); Fitoterápicos validados Portfolio de projetos de desenvolvimento de produtos de origem vegetal (visa estabelecer opções financiáveis por editais de grande porte, reunindo empresas, instituições de ciência e tecnologia, organizações agrícolas, empresas estatais);

25 Portanto, investir em Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação é a única maneira de exercermos, de forma integral, nossa soberania sobre os diferentes Biomas O CONHECIMENTO FAZ A DIFERENÇA 25

26 h OBRIGADO PELA ATENÇÃO. 26

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Políticas Públicas para Plantas Medicinais e Fitoterápicos Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA A Portaria nº 1.686 de 16 de Outubro de 2009 da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia instituiu o Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Núcleo FITOBAHIA com o

Leia mais

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Pré-Evento: II Encontro dos Núcleos Estaduais de Apoio a APLs 6ª Conferência Brasília, 3 dezembro de 2013 Contemplar as

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS Brasília DF 2007 Lista de siglas ANPPS ANVISA APEX ATER ATS BNDES BPA

Leia mais

Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010

Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010 Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010 Alma-Ata 1978 CF 1988 PNAF 2004 Proposta PNPMF 2001 CEME 1982 PNM 1998 CNAF 2005 OMS

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Inovação com base na Biodiversidade CAPITAL NATURAL BRASIL PAÍS MEGADIVERSO

Leia mais

Farmácias Vivas e os níveis de complexidade

Farmácias Vivas e os níveis de complexidade Farmácias Vivas e os níveis de complexidade CONSIDERAÇÕES O Programa Farmácias Vivas é o primeiro programa de assistência social farmacêutica baseado no emprego científico de plantas medicinais e produtos

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00.

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Organizador: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Contatos:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Diretrizes estratégicas em P,D&I em Pesca e Aquicultura

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Diretrizes estratégicas em P,D&I em Pesca e Aquicultura Ministério da Pesca e Aquicultura - MPA Brasília DF 20 de maio de 2013 CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Diretrizes estratégicas em P,D&I em Pesca e Aquicultura Coordenação-geral de Pesquisa e Geração de

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas 1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo, 10 de abril de 2012 Ranking Produção científica & Inovação Produção Científica

Leia mais

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Saúde Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA

FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DO CBA O QUE É O CBA O CBA é um Centro Tecnológico, voltado para a promoção da inovação tecnológica a partir de processos e produtos da biodiversidade amazônica, por meio de: Ação integrada com universidades

Leia mais

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas 1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas Brasília, 10 e 11 de Junho 2014 Política Nacional de Gestão Ambiental

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 459 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2007 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito das plantas medicinais e fitoterápicos e dá outras providências. O Conselho Federal de Farmácia (CFF),

Leia mais

Relatório de Gestão 2006

Relatório de Gestão 2006 Relatório de Gestão 2006 1. PROGRAMA:- Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) - ( 1388 ). 1.1.OBJETIVOS: 1.1.1.Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais)

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 16/03/2013 Regulamenta a Lei nº 13.965, de 27 de julho de 2001, que cria o Programa Mineiro de Incentivo ao Cultivo, à Extração, ao Consumo,

Leia mais

Política Nacional de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos Dr. Euclides Lara Cardozo Junior 3 ENIFarMed São Paulo, Setembro de 2009 Abrangência Contemplar diferentes interesses Prever ações em

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2042 - Inovações para a Agropecuária Número de Ações 15 Tipo: Projeto 116Z - Apoio à Ampliação, à Revitalização e à Modernização da Infraestrutura Física das Organizações Estaduais de Pesquisas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15

TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15 TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15 A definição das prioridades de financiamento de projetos com recursos do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) faz parte

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais. Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais. Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013 POLÍTICAS PÚBLICAS PARA POVOS E TERRAS INDÍGENAS Um enfoque da Fundação Nacional do Índio

Leia mais

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica PAULO KAGEYAMA. SBF Ministério do Meio Ambiente PRIMEIRA REUNIÃO DE COORDENADORES NACIONAIS DO PROJETO

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares no SUS

Práticas Integrativas e Complementares no SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares RELATÓRIO DE GESTÃO 2006/2010 Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA. Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA Gestor de Projeto - Brasília PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO DE PROJETOS DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE I. CONTEXTO A Saúde da Família (SF), estratégia

Leia mais

ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE

ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE ANEXO I ESPECIALISTA CÓDIGO PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE XE15001 Atenção Básica em Saúde Graduação em Ciências da Saúde, Doutorado na Área da Saúde mais 6 anos de experiência no

Leia mais

PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57)

PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57) PORTARIA N o 51, DE 7 DE OUTUBRO DE 2008. (publicada no DOU de 8/10/2008, seção I, página 57) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 60, inciso III, da Lei n

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA

AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS: COMO A POLÍTICA PÚBLICA PODERÁ VIABILIZAR ESTA CADEIA PRODUTIVA 1 2 3 Sandra Maria Pereira da Silva ; Iracélis Fátima de

Leia mais

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sisbio Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação. O

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA MMA CC/MDA/MME Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnma.embrapa.br

Leia mais

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução)

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG PERÍODO LETIVO: 2015.2 CURSO: ENFERMAGEM - TURNO: NOTURNO 5º PERÍODO A AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento

Leia mais

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL Braulio Dias DCBio/MMA 1. Realização de estudos estratégicos; 2. Definição de áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade brasileira; 3.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.377 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica

As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica 4ª Jornada de Ciências Farmacêuticas UEZO 26 de maio de 2015 Maria Hermoso (VPPLR/Fiocruz) Introdução Pesquisa clínica A pesquisa clínica no Brasil O papel

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 610 DE 20 DE MARÇO DE 2015 EMENTA: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico na farmácia universitária e dá outras providências. PREÂMBULO No mundo contemporâneo, os modelos de assistência

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Ata da V Reunião do Comitê Nacional de Biotecnologia (CNB)

Ata da V Reunião do Comitê Nacional de Biotecnologia (CNB) Brasília, 27 de fevereiro de 2008. Ata da V Reunião do Comitê Nacional de Biotecnologia (CNB) O Sr. Francelino Grando, coordenador do CNB, iniciou a reunião apresentando a Sra. Maria Celeste Emerich (MMA)

Leia mais

Avanços, mediações e negociações no âmbito do Mercosul: Esforços para criar uma área de livre trânsito profissional na área das técnicas radiológicas

Avanços, mediações e negociações no âmbito do Mercosul: Esforços para criar uma área de livre trânsito profissional na área das técnicas radiológicas Avanços, mediações e negociações no âmbito do Mercosul: Esforços para criar uma área de livre trânsito profissional na área das técnicas radiológicas por JORGE WOLNEI GOMES, assessor especial e representante

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS BASES LEGAIS Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS Portaria GM/MS 971 de 03/05/2006. Política Nacional de Plantas Medicinais

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

Estruturação do setor de Propriedade Intelectual na UFAM NIT UFAM Manaus, 29/09/2006 Missão Promover e apoiar o conhecimento gerado e desenvolvido na UFAM, para que possa ser disseminado e disponibilizado

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

O impacto das TIC na implantação do Laboratório de Observação Socianalítica/LOBS: aplicação em biodiversidade, inovação e saúde.

O impacto das TIC na implantação do Laboratório de Observação Socianalítica/LOBS: aplicação em biodiversidade, inovação e saúde. O impacto das TIC na implantação do Laboratório de Observação Socianalítica/LOBS: aplicação em biodiversidade, inovação e saúde. Maria da Conceição do N. Monteiro, Núcleo de Gestão da Biodiversidade e

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte

Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte Caracterização do APL Pioneirismo: Minas: sede da primeira empresa de base biotecnológica brasileira BIOBRÁS 1976. Empreendedorismo:

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal

VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal VI Congresso Brasileiro de Melhoramento Vegetal Biocombustíveis e o Melhoramento de Plantas Zoneamento Agroecológico de Espécies Vegetais Importantes para a Agroenergia AGOSTO de 2011 Celso Vainer Manzatto

Leia mais

CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL CONHECENDO O CADASTRO AMBIENTAL RURAL BOFF, Giovani Veiga 1 ; CÓRDOVA, Leticia Brum¹; ZAMBERLAN, João Fernando²; ARALDI, Daniele Furian² Palavras Chave: Produtor. Código Florestal. Biomas. Área de Preservação

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 19 de Maio de 2009 National Climate Change Policy National Plan on Climate Change Climate Fund Amazon Fund Política Nacional sobre Mudança Climática 2 objetivos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) Institui a Política Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Farmacêutico. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Política

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos?

Reunião - ÁGUA. Eis as questões levantadas dentro da discussão das megatendências: - como integrar a gestão da água em seus diversos âmbitos? Reunião - ÁGUA Em 28 de fevereiro de 2011, realizou-se na Fundação Dom Cabral a primeira reunião temática no contexto do projeto Inovações Ambientais. O eixo das discussões realizadas foi a água. Os objetivos

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Considerações Gerais e Logística Reversa Maria Luiza Schloegl Analista de Infraestrutura Bogotá, fevereiro de 2015 FeverFevereiro de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

NOTÍCIAS DO CFF Plenário do CFF aprova prescrição farmacêutica Data: 30/08/2013 De acordo com o texto da proposta, o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e produtos com finalidade

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Aula 8. Convenção sobre Diversidade Biológica. Biossegurança

Aula 8. Convenção sobre Diversidade Biológica. Biossegurança Convenção sobre Diversidade Biológica Biossegurança Convenção sobre Diversidade Biológica Biossegurança 2 1. Biodiversidade no Brasil 2. Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica (1992) 3. Protocolo

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI Dimensão ambiental e atuação parlamentar Ilidia Juras Suely Araújo Consultoras Legislativas da Área XI SUMÁRIO "Limites da Terra principais problemas ambientais: no mundo no Brasil A atuação parlamentar

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI N o 2.014, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013. (Alterado pela Lei nº 2.097 de 19/12/2014). O PREFEITO DE PALMAS Institui a Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas FESP-Palmas e adota outras providências.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO. 10 DE 09 DE MARÇO DE 2010.

CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO. 10 DE 09 DE MARÇO DE 2010. UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL USCS PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2011/ CONTROLE DE QUALIDADE DE DROGAS VEGETAIS COMERCIALIZADAS EM SÃO CAETANO DO SUL SP, PRESENTES NO ANEXO I, DA RDC NO.

Leia mais

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Desafios das Práticas Integrativas Complementares- PIC no SUS- RN Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Para o RN, consideram-se Práticas Integrativas Complementares: Medicina

Leia mais

A Propaganda de Medicamentos no Brasil

A Propaganda de Medicamentos no Brasil A Propaganda de Medicamentos no Brasil As principais propagandas de medicamentos no Brasil tiveram início ainda na década de 80 do século XIX. Desde então, o que se constatou foi um crescimento contínuo

Leia mais

A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada A governança para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada Tópicos de abordagem Conceito brasileiro de Segurança Alimentar e Nutricional Organização de um Sistema Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

RADAR DE MERCADOS NA LATAM

RADAR DE MERCADOS NA LATAM RADAR DE MERCADOS NA LATAM Mapeamento setorial Brasil, Bolívia, Colômbia e Peru. Oportunidades para o BioComércio Ético Por Cristiane de Moraes -Agosto 2014- OBJETIVO: O ESTUDO Identificar oportunidades

Leia mais

Sejam bem vindos e bem vindas

Sejam bem vindos e bem vindas Sejam bem vindos e bem vindas Brasília Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Minas Gerais Tocantins E de todo Nordeste, em especial este Estado que nos acolhe! Instituições Realizadoras O ISPN e a AGENDHA

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura

Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura Propriedade Intelectual e Inovação na Agricultura Marcia Soares Vidal Simpósio Latino Americano de Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária 27 a 30 de Outubro de 2015 Seropédica - RJ Panorama Economia

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Agenda Estratégica da Palma de Óleo

Agenda Estratégica da Palma de Óleo 1. ESTATÍSTICAS Versão 20-09-2011 Levantamento de área plantada e safras 1. Definir metodologias, sistema de governança, gestão do trabalho, valores de orçamento, cronograma de trabalho, implantação e

Leia mais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais

Seminário Internacional sobre. Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Seminário Internacional sobre Estatísticas Ambientais e Contas Econômicoambientais Tatiana Mahalem do Amaral 21 a 25 de setembro de 2009 RJ MISSÃO Conciliar uso e conservação das florestas, valorizando-as

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais