ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO DE INVESTIMENTO. Paulo Jorge Fonseca Campos Investidor Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO DE INVESTIMENTO. Paulo Jorge Fonseca Campos Investidor Portugal"

Transcrição

1 103b ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO DE INVESTIMENTO Paulo Jorge Fonseca Campos Investidor Portugal Luís Pereira Gomes Docente Equiparado a Assistente Área Científica de Gestão ISCAP - Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto ÁREA TEMÁTICA: B) Avaliação e Finanças PALAVRAS-CHAVE: Abordagem Comportamental, Finanças Comportamentais, Comportamento do Investidor, Ambiente de Investimento. Área Temática: Valoración y Finanzas. PALABRAS-CLAVE: Enfoque del Comportamiento, Finanzas Comportamentales, Comportamiento del Inversor, Clima de Inversión. SUBJECT AREA: Assessment and Finance. KEY-WORDS: Behavioural Approach, Behavioural Finance, Investor Behaviour, Investment Environment.

2 INFLUÊNCIAS COMPORTAMENTAIS NA TOMADA DE DECISÃO DE INVESTIMENTO RESUMO O artigo salienta a influência dos aspectos comportamentais na tomada da decisão e sugere os que devem ser afastados e os que devem ser considerados para melhorar os resultados de investimento. Os aspectos psicológicos (componente humana e de mercado) devem ser considerados para melhorar o desempenho da actividade dos traders, chamando-se à atenção para a personalidade do investidor e para o sentimento presente nos mercados financeiros. O artigo recorre a um estudo de caso para testar a hipótese de que a evolução das cotações nos mercados é influenciada por um processo de decisão permeável ao efeito comportamental dos investidores. A evidência sugere que existe influência comportamental, especialmente nos momentos de abertura e de fecho dos mercados. RESUMEN El artículo pone de relieve la influencia de los aspectos de comportamiento en la decisión y sugiere que deben ser retirados y que deben ser considerados para mejorar los resultados de inversión. Los aspectos psicológicos (componente humano y de mercado) deben ser considerados para mejorar el desempeño de las actividades de los comerciantes, llamando la atención sobre la personalidad del inversionista y el sentimiento presente en los mercados financieros. El artículo utiliza un estudio de caso para probar la hipótesis de que la evolución de los precios de mercado está influenciado por un proceso de toma de permeabilidad efecto en el comportamiento de los inversores. La evidencia sugiere que no es influir en el comportamiento, especialmente en tiempos de apertura y cierre de los mercados. ABSTRACT The article highlights the influence of behavioral aspects in the decision and suggests who should be removed and that should be considered to improve investment results. The psychological aspects (human component and market) should be considered to improve the performance of the activities of traders, calling attention to the personality of the investor and the present feeling in financial markets. The article uses a case study to test the hypothesis that the evolution of market prices is influenced by a process of decisionpermeable behavioral effect of investors. The evidence suggests that there is influence behavior, especially in times of opening and closing of markets.

3 1. INTRODUÇÃO Os preços dos activos financeiros reflectem toda a informação disponível que possa influenciar as expectativas dos investidores, bem como condicionantes psicológicas e a confiança. A determinação do sentido da flutuação da cotação dos títulos é apoiada, essencialmente, por via da análise técnica e da análise fundamental. Contudo, existem aspectos comportamentais que podem influenciar as decisões, derivando numa abordagem comportamental sobre o investidor e numa abordagem comportamental sobre o mercado. Na primeira abordagem salientam-se alguns aspectos emocionais e na segunda abordagem destacam-se alguns aspectos relacionados com os mercados financeiros. O trading é um conceito simples, mas o plano de trading pode ser influenciado pelo comportamento humano, principalmente quando existe dificuldade em compreender os aspectos psicológicos que influenciam a decisão ou quando não existe a disciplina necessária para actuar nos mercados financeiros. Em termos simples, a abordagem comportamental consiste na avaliação efectuada pelo trader aos diversos activos e mercados financeiros, considerando as possíveis influências dos factores psicológicos e emocionais sobre as decisões de investimento. Esta perspectiva determina a incorporação da psicologia no processo da tomada de decisão. Conclui-se que o sucesso dos investimentos realizados nos mercados financeiros ultrapassa as competências dos agentes no domínio da análise técnica e da análise fundamental, dependendo, em grande parte, da psicologia humana. Conforme refere Robert Schiller, a cotação dos activos financeiros exibe demasiada variabilidade para que possa ser explicada simplesmente pela teoria da eficiência do mercado, e, deste modo, deve atender-se aos aspectos comportamentais e psicológicas de grupo no seu real processo de determinação (Matos (2008, p. 277)). No capítulo segundo deste artigo procede-se à abordagem comportamental na perspectiva do trader e no terceiro capítulo à abordagem comportamental na perspectiva do mercado. O capítulo quarto capítulo apresenta-se um estudo de caso, detalhado em três abordagens e no último capítulo conclui-se com as notas finais. 2. ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NA PERSPECTIVA DO TRADER A base de mercado é formada por um conjunto de indivíduos e sociedades que transaccionam, a preços determinados, activos financeiros entre si. Neste contexto de negociação estão presentes sentimentos humanos. No intuito de determinar o sentido da flutuação da cotação (bull ou bear) os intervenientes recorrem à análise técnica e à análise fundamental, entregando-se aos mais frios cálculos, mas, frequentemente, também seguem os seus impulsos emocionais. Atendendo ao confronto entre o aspecto racional e o aspecto emocional torna-se útil identificar os sentimentos com propensão para influenciar as decisões de investimento, de forma a afastá-los do processo. Na medida em que existem aspectos comportamentais que podem influenciar a tomada de decisão, importa que o investidor se conheça a si próprio antes de iniciar a actividade. O mais importante diz respeito à sua educação, isto é, o investimento no Capital Humano em termos da necessidade de evoluir constantemente. Conforme refere Lakhani, a maior parte dos investidores utiliza as mesmas ferramentas, os mesmos gráficos e os mesmos research. Dito isto, por que razão mais de 90% dos

4 traders não tem sucesso na sua actividade? Verifica-se que o único factor que difere de indivíduo para indivíduo é a componente emocional, e os perdedores são, geralmente, influenciados pelos seus impulsos no momento da tomada da decisão. 2.1 Capacidade de Reacção do Trader à Informação Nova O ideal seria que a capacidade de reacção do trader aos dados novos que chegam ao mercado fosse a mesma, quer estivesse numa posição perdedora, quer estivesse numa posição ganhadora. Quando numa posição perdedora surge nova informação que indique um movimento inverso ao desejado deve-se desfazer dessa posição. Todavia, frequentemente, razões emocionais mantêm o investidor nessa posição na expectativa de que se torne ganhadora. Por isso, deve sustentar a decisão em circunstâncias objectivas isentas de cargas emocionais e intuitivas que podem constituir o seu principal inimigo. Efectivamente, o comportamento do trader pode ser influenciado por aspectos psicológicos que, porventura, distorcem a identificação e a percepção dos factos. Rodrigues (2010, 31 de Julho) salienta que a psicologia é fundamental para a prática financeira e os melhores consultores financeiros não lidam sobretudo com números, lidam com inteligência emocional. Por outro lado, Owens (2004, p. 12) também salienta que emotion, or lack of discipline, is the greatest enemy of every trader. This is so true that one could argue that discipline is a more precious trading commodity than capital itself, since capital can only be sustained with discipline. ( ) Emotion causes the trader to act irrationally when large moves occur. Emotion causes the trader to apply his trading system inconsistently. 2.2 Sentimentos de Medo e de Ganância As oscilações significativas nos preços dos activos financeiros tendem a provocar efeitos psicológicos acentuados nos intervenientes dos mercados. Quando se regista no sentido favorável ficam iludidos (surgindo um sentimento de ganância) e quando se regista no sentido desfavorável entram em pânico. Por outro lado, quando perdem uma oportunidade flagrante de ganhar sentem-se frustrados por não terem executado a decisão, e tal estado pode motivá-los a sobrestimar oportunidades idênticas, conduzindoos por negócios com perdas. Efectivamente, existem factores de ordem emocional que podem levar a decisões pouco fundamentadas e sem consciência do risco. O autor Mosca (2009, p. 7) salienta que as pessoas não são avessas ao risco, mas sim a perdas, porquanto o sentimento negativo associado a uma perda é superior ao sentimento positivo associado a um ganho na mesma proporção. Esta desigualdade de sentimentos em cenários opostos tende a influenciar o processo de tomada de decisão e a subestimar boas oportunidades de negócios. Por outro lado, the basic problem is that the trader is not looking at the market as is, but through the lenses of his own expectations about it and further using is favourite indicator to reinforce those ideas instead of looking at the bigger picture. The trade is focusing more on money than on the market 1. No âmbito da negociação nos mercados financeiros existe a possibilidade de perda 1 <http://forexhiddensecret.com/forex_trading_strategies.pdf> (arquivo consultado em 23/07/2010)

5 pronunciada do capital investido, bem como a de ganhos elevados, que condicionam os investidores a depender mais dos seus sentimentos de medo e de ganância. Matos (2008, p. 65) refere que a visão de enriquecimento rápido oblitera a inteligência e a ganância é um motivador muito forte. Consequentemente, os intervenientes devem avaliar com calma e com sensatez cada decisão, baseando-se no conhecimento das circunstâncias que caracterizam o mercado no momento e na consciência dos seguintes pressupostos básicos (Silva (2009, pp )): (1) saber que tudo pode acontecer, (2) definir limites de perdas e de ganhos, (3) compreender que cada momento no mercado é único, (4) construir a autoconfiança necessária, (5) possuir autodisciplina, (6) agir sem hesitação, (7) evitar deixar-se levar pela emoção e (8) conhecer a sua resistência ao stress. 2.3 Aperfeiçoamento da Autodisciplina Conforme salienta Peixoto (2000, p. 29), um investidor que detém uma posição no mercado passa por inúmeras sensações. Quando o preço evolui favoravelmente, para além dos benefícios monetários, sentirá conforto, autoconfiança e prazer; sempre que o preço evoluir desfavoravelmente experimentará frustração, incerteza, medo e desespero. Reconhece-se que a forma de actuação dos traders, nomeadamente, dos indivíduos, das sociedades financeiras e dos bancos, fica muitas vezes exposta ao sentimento de pânico, mesmo considerando a existência de um raciocínio lógico do investidor sensato. Conforme se referiu, para se seguir o sucesso importa compreender o sentimento psicológico geral que caracteriza o mercado e agir em concordância, impondo-se o estabelecimento de regras e o aperfeiçoamento da disciplina como forma de vencer as emoções e as intuições, considerando: autocontrole alguns indivíduos não apresentam total controle sobre as suas decisões de investimento, não resistindo, por exemplo, às tentações... (Lintz (2004, p. 228)). No mercado proliferam situações em que o investidor não se apercebe que os impulsos emocionais condicionam a sua acção, acabando por agir de forma irracional. O resultado da química das nossas hormonas do stresse no cérebro é conhecido: entra-se em pânico e vende-se ((Rodrigues (2010, 31 de Julho)); excesso de confiança ocorre das decisões passadas terem alcançado sucesso por mera sorte, determinando que o investidor torne a agir da mesma maneira. No caso de perdas, por vezes não assume o erro e justifica-se com factores macroeconómicos aleatórios e com movimentos errados do mercado. Consequentemente, tende a acreditar que é capaz de prever os movimentos de mercado sem levar em conta a incerteza que existe no processo de decisão de investimento. Os indivíduos superestimam a precisão e a eficácia das suas análises e conhecimentos (Lintz (2004, p. 229)); optimismo exagerado o investidor sobrevaloriza as suas capacidades de conseguir ganhar mais e acaba por não o conseguir; aversão à ambiguidade associa-se à expectativa do que poderá, ou não, acontecer e que influencia o processo de decisão, na medida em que, perante acontecimentos incertos, o investidor poderá ter a percepção de certezas erradas. Pode levar à tomada de decisões de investimento incorrectas, tais como manterse demasiado tempo numa posição;

6 aversão à perda relaciona-se com o sentimento derivado de perdas avultadas, sendo o sofrimento de perda superior à satisfação do ganho. Assim, normalmente, o investidor tende a fechar mais depressa uma posição com ganho do que uma posição negativa, mantendo-a até que volte para terreno positivo, embora muitas vezes não aconteça e se eleve o dano. Muita gente fica altamente tensa face a perdas e arriscará ainda mais nessas situações para recuperar essas perdas (Rodrigues (2010, 31 de Julho)); excesso de informação tratada existem muitos endereços electrónicos, redes sociais e instituições que disponibilizam notícias e estratégias de negociação com capacidade para influenciar as decisões dos investidores emocionalmente vulneráveis. ilusão monetária / ganância. a visão do enriquecimento rápido é um catalisador muito forte que acaba por diluir o pensamento racional. Esta ilusão pode constituir uma das principais causas de sobre-investimento para quem negoceia nos mercados financeiros. Não obstante a dificuldade natural que o ser humano experimenta em assumir que errou, deve questionar-se sobre qual a razão que o levou a tomar uma decisão incorrecta, no sentido de melhorar as suas opções e de afastar o sentimento negativo que poderá subsistir no processo de decisão. Na perspectiva de Lakhani, o trader de sucesso possui, por regra, as seguintes características básicas: (1) disciplina, (2) confiança, (3) paciência, e (4) persistência Plano de Trading Nos mercados financeiros de cotações muito voláteis, em que as emoções tendem a ficar à flor da pele, é importante que o investidor seja disciplinado no concernente ao seguimento do plano de trading e ao seu ajustamento sempre que seja oportuno. Quanto mais se envolve nos mercados financeiros mais se aprende sobre as suas reacções, mais eficazes se tornam as decisões e, consequentemente, diminui a insegurança no processo de decisão. A confiança vai surgindo com a melhoria da performance e com a eliminação das emoções de impacto negativo na negociação. Conforme refere Silva (2009, p. 162), um investidor de sucesso, tal como um trader, tem obrigatoriamente que possuir regras rígidas, não podendo deixar-se levar pela emoção de um momento ou pela paixão por uma acção. Existem factores básicos a ter em conta e sobre os quais um trader tem que assentar a sua investida no mercado. Para actuar num mercado financeiro, um trader deve definir o seu perfil de actuação, testar os seus modelos de negociação e estudar os mercados. Antes de implementar o modelo de negociação deve ser testado o plano, com vista a determinar a sua probabilidade de sucesso. Importa, ainda, documentar por escrito o plano de negociação e todos os seus raciocínios, para que seja mais difícil desviar-se dos objectivos. Não sendo possível controlar o mercado, pode prever-se a flutuação futura da cotação em função de um plano de trading adequado. Um plano de trading baseia-se num conjunto de regras relacionadas com a negociação nos mercados financeiros, visando a construção de uma matriz de decisão e devendo responder a questões pertinentes de forma precisa. Este instrumento tem vocação para monitorizar e avaliar o desempenho da actividade, permitindo minimizar o stress e eliminar as emoções presentes na negociação. O plano não garante o sucesso, mas

7 reduz o nível de probabilidade de realizar maus negócios, na medida em que um trader sem plano tende a confiar nas suas intuições e nos seus palpites, submetendo a racionalidade às emoções no momento da decisão de investimento. Assim, um plano de trading bem estruturado deve ter como referências: definir as estratégias de negociação, definir estratégias de saída do mercado, reconhecer o que influência as suas decisões, saber como controlar os impulsos emocionais na negociação, listar os pontos fortes e os pontos fracos de negociação, estabelecer metas alcançáveis e actualizá-las sistematicamente de acordo com o sentimento do mercado, identificar as informações necessárias e as respectivas fontes, ter sempre presente que a disciplina é fundamental: No signal No trade, cumprir uma rotina diária:? verificar os gráficos e analisá-los,? verificar o calendário económico,? tender à divulgação de dados fundamentais,? antecipar cenários relativamente ao possível momento de entrada / saída do mercado. 3. ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NA PERSPECTIVA DO MERCADO Os mercados não são simplesmente reflexos da economia, mas a combinação de confiança, medo e sonhos de todos os participantes (Chaves e Rocha (2004, p. 5)). O desempenho do mercado é o resultado do comportamento de um conjunto alargado de investidores, reflectindo os estados emocionais dos intervenientes e a chegada de informação divulgada pelos agentes com capacidade para influenciar a decisão de investimento. Quem vinga nos mercados financeiros são aqueles que antecipam as reacções dos participantes, compreenderem o sentimento presente e incluem os aspectos comportamentais dos mercados no seu processo de decisão. As duas principais forças que conduzem os mercados caracterizam-se pelo ambiente macro-económico e pelos sentimentos dos investidores. Importa, por isso, compreender a forma de comunicação do mercado através das oscilações dos preços dos activos financeiros, de modo a encontrar padrões de reacção que se repetem ciclicamente (Murphy (1986, p. 2)). Também é relevante encontrar a correlação entre os diversos activos nos diferentes mercados financeiros e entre aqueles e a divulgação de informação nova. O sentimento de instabilidade que actualmente se faz sentir em torno das dívidas soberanas de diversos países da Zona Euro foi visível a propósito do leilão de títulos de dívida pública oferecido pela Alemanha no início deste ano. Perante esse sentimento, os investidores privilegiaram o refúgio em outros activos mais seguros, como o dólar e o franco suíço no mercado forex. Por outro lado, comparando os gráficos (Figuras 1 e 2) de frequência horária, entre as 9 horas do dia 19 de Março e as 19 horas do dia 4 de Abril do ano em curso, relativos aos pares cambiais EUR/USD e USD/CHF, verifica-se que a representação do primeiro é semelhante à representação invertida do segundo. Concluise que os investidores com preferência em negociar o par cambial USD/CHF também devem incluir no processo de decisão a análise do par cambial EUR/USD, dada a tendência de correlação inversa.

8 Figura 1: Gráfico 1h EUR/USD Fonte: Figura 2: Gráfico 1 hora USD/CHF invertido Fonte: Podem encontrar-se padrões de reacção semelhantes quando se expõem diferentes traders perante situações análogas, originando tendências de investimento em determinado mercado derivadas do comportamento de um número significativo de intervenientes. O mercado forex, por exemplo, distingue-se pela disponibilidade para negociar 24 horas por dia em virtude da quantidade de países que abrange. Porém, em determinados períodos do dia a liquidez e a volatilidade pronunciam-se com a presença activa de diversos mercados financeiros em simultâneo. Na Figura 3 podem identificar-se as horas de actividade das diversas praças financeiras mundiais e o volume dos principais mercados abertos em simultâneo.

9 Figura 3: Número de mercados abertos em simultâneo no Mundo Fonte: uence=3 Importa, ainda, compreender de que forma os mercados financeiros se influenciam mutuamente nos momentos de referência: na abertura, durante o funcionamento e no fecho. Nesta perspectiva, algumas questões se colocam: (1) é possível detectar reacções no mercado forex naqueles momentos influenciadas pelo sentimento de outros mercados bolsistas? (2) atendendo ao período de funcionamento das diversas praças financeiras, que métodos de análise devem aplicar-se no processo de decisão? A entrada num determinado mercado financeiro recomenda a antecipação da flutuação das cotações dos activos transaccionados. Compreender a razão dessas flutuações impõe o conhecimento dos dados económicos, dos sentimentos do próprio mercado, do contágio de outras praças financeiras ou da economia em geral. Para minimizar o risco da determinação do sentido da flutuação (bull ou bear), complementada com a análise técnica e fundamental, deve identificar-se o sentimento global dos mercados financeiros em que se pretende negociar. 4. ESTUDO DE CASO Concluída a explanação das abordagens comportamentais, segue-se a apresentação de um estudo de caso suportado em dados actuais. A decisão de investimento num mercado financeiro pressupõe a percepção do grau de risco inerente, onde as perdas e os ganhos potenciais são significativos. O recurso à análise técnica, à análise fundamental e à abordagem comportamental para sustentar a tomada de decisões de investimento é fundamental no delinear de uma estratégia adequada.

10 4.1 Objectivos Pretende-se averiguar se existe alguma relação que justifique um padrão de correspondência entre a evolução das cotações no mercado cambial e a evolução das cotações do índice do mercado. Serão comparadas as tendências para averiguar se existem, ou não, semelhanças, por se influenciarem. Também será dada atenção à ocorrência de máximos e mínimos simultâneos nos mercados. Deste modo, espera-se encontrar evidências que suportem a hipótese de que a evolução das cotações nos mercados é influenciada por um processo de decisão permeável ao efeito comportamental dos investidores. 4.2 Dados e Metodologia Tendo presente a vertente comportamental, seguidamente apresenta-se um estudo de caso, explorado em três perspectivas, que envolve o mercado cambial e o mercado bolsista. São abordadas as seguintes situações: A) comparação entre a cotação do par cambial EUR/USD e a cotação do índice Dow Jones Industrial B) comparação entre a cotação do par cambial GBP/JPY e as cotações dos contracts for difference : B1) do índice Japanese Stock Nikkei 225 B2) do índice London Stock Exchange FTSE Comparação entre a Cotação do par Cambial EUR/USD E a Cotação do Índice Dow Jones Industrial Nesta perspectiva, pretende-se averiguar se existe alguma relação que justifique um padrão de correspondência entre o par cambial EUR/USD e o Índice Dow Jones Industrial (DJI), através de uma análise que incide sobre os gráficos temporais de 10 minutos, referente ao período de observação compreendido entre 01/08/2010 e 31/08/2010. Será dado enfoque ao comportamento do investidor, comparando se as tendências dos gráficos do par cambial EUR/USD e do Índice DJI são semelhantes, por se influenciarem, ou distintas. Também será dada especial atenção aos máximos e mínimos do par cambial, ocorridos no intervalo das 13h00 às 22h00, com vista a determinar topos e fundos. Esta análise vai centrar-se, especialmente, nos seguintes aspectos: comparação entre o movimento da cotação do Índice DJI e a cotação do par cambial EUR/USD (gráficos 10 minutos); cotação máxima e cotação mínima do par cambial; momento de ocorrência dos máximos e dos mínimos; diferença entre a cotação máxima e a cotação mínima: PIP e tempo decorrido entre o máximo e o mínimo;

11 número de ocorrências de máximos e de mínimos, tendo em conta a escala temporal. Considerando estes aspectos e a análise da informação contida nos gráficos, foram elaboradas as seguintes tabelas: Descrição Comparação entre os gráficos do par cambial EUR/USD e o Índice DJIA Máximo Mínimo Diferença entre o máximo e o mínimo Cotação Hora Cotação Hora Cotação (PIP) Hora 02/08/2010 Seg Movimento semelhante 1, h30 1, h h30 03/08/2010 Ter Movimento semelhante 1, h35 1, h h40 04/08/2010 Qua Movimento semelhante 1, h00 1, h h50 05/08/2010 Qui Movimento semelhante 1, h40 1, h h25 06/08/2010 Sex Movimento semelhante 1, h05 1, h h00 09/08/2010 Seg Movimento distinto 1, h15 1, h h05 10/08/2010 Ter Movimento semelhante 1, h30 1, h h55 11/08/2010 Qua Movimento semelhante 1, h30 1, h h23 12/08/2010 Qui Movimento semelhante 1, h35 1, h h55 13/08/2010 Sex Movimento semelhante 1, h55 1, h h40 16/08/2010 Seg Movimento semelhante 1, h11 1, h h56 17/08/2010 Ter Movimento distinto 1, h25 1, h h10 18/08/2010 Qua Movimento semelhante 1, h45 1, h h05 19/08/2010 Qui Movimento semelhante 1, h05 1, h h10 20/08/2010 Sex Movimento semelhante 1, h05 1, h h20 23/08/2010 Seg Movimento semelhante 1, h00 1, h h01 24/08/2010 Ter Movimento distinto 1, h25 1, h h00 25/08/2010 Qua Movimento semelhante 1, h00 1, h h45 26/08/2010 Qui Movimento distinto 1, h35 1, h h00 27/08/2010 Sex Movimento semelhante 1, h10 1, h h05 30/08/2010 Seg Movimento semelhante 1, h35 1, h h40 31/08/2010 Ter Movimento semelhante 1, h13 1, h h42 Tabela 1: Síntese dos dados recolhidos do gráfico do par cambial EUR/USD e do gráfico do Índice DJI entre 01/08/2010 e 31/08/2010

12 Intervalo de tempo Número de ocorrências Total Máximos Mínimos [13h00, 13h30[ [13h30, 14h00[ [14h00, 14h30[ [14h30, 15h00[ [15h00, 15h30[ [15h30, 16h00[ [16h00, 16h30[ [16h30, 17h00[ [17h00, 17h30[ [19h00, 19h30[ [19h30, 20h00[ [20h00, 20h30[ Tabela 2: Escala temporal de ocorrência dos máximos e dos mínimos da cotação do par cambial EUR/USD A partir dos dados sistematizados nas tabelas 1 e 2 salientam-se as seguintes conclusões: o movimento da cotação do par cambial EUR/USD e o movimento da cotação do Índice DJI, no período em análise, foram semelhantes em 81,2% das situações (18 em 22) e foram distintos em 18,8% das situações (4 em 22); tempo percorrido entre a cotação máxima e a cotação mínima:? duração mínima: 1h05? duração máxima: 8h23? duração média: 3h06? o espaço de tempo percorrido entre o registo de dois valores extremos (máximo ou mínimo) no período diário em estudo (entre as 13h00 e as 22h00) com maior número de ocorrências situou-se entre 2 horas e 3 horas os períodos indicados a seguir salientam-se pelo maior número de ocorrências de máximos e de mínimos:? [13h00, 14h00[ 14 ocorrências:? [13h00, 13h30[ 8 ocorrências (4 máximos; 4 mínimos)? [13h30, 14h00[ 6 ocorrências (4 máximos; 2 mínimos)? [15h30, 16h00[ 11 ocorrências:? [15h00, 15h30[ 6 ocorrências (4 máximos; 2 mínimos)? [15h30, 16h00[ 5 ocorrências (1 máximos; 6 mínimos) Nos períodos [17h30, 19h00[ e [20h30, 21h00[ não houve ocorrência de qualquer máximo ou de qualquer mínimo; diferença (PIP) entre a cotação máxima e a cotação mínima:? diferença mínima: 42? diferença máxima: 195? média da diferença: 54

13 a inclinação / força das linhas de tendência é muito semelhante nas duas primeiras tendências do par cambial EUR/USD ao longo do período em estudo Comparação entre a Cotação do par Cambial GBP/JPY e a Cotação dos Índices NIKKEI 225 e FTSE 100 Com estas perspectivas, pretende-se averiguar se existe alguma relação que justifique um padrão de correspondência entre o par cambial GBP/JPY e a cotação dos contracts for difference do Índice NIKKEI 225, e o par cambial GBP/JPY e a cotação dos contracts for difference do Índice FTSE 100, ao longo do período de observação compreendido entre 01/05/2011 e 30/04/2012 na escala temporal de uma hora para os intervalos: GBP/JPY e o Índice NIKKEI 225 das 00:00 horas às 8:00 horas GBP/JPY e o Índice FTSE 100 das 8:00 horas às 22:00 horas Esta análise vai centrar-se, especialmente, nos seguintes aspectos: comparação entre as tendências do par cambial e as tendências dos Índices; momento de ocorrência dos máximos e dos mínimos. Considerando estes aspectos e a análise da informação contida nos gráficos, foram elaboradas as seguintes tabelas: Tabela 3: Comparação da tendência do par cambial e dos índices Descrição Semelhante Tendência Distinto GBP/JPY vc FTSE Tabela 4: Número de ocorrência de máximos e mínimos Descrição Número de ocorrências Descrição Número de ocorrências Intervalo GBP/JPY FTSE 100 Intervalo GBP/JPY NIKKEI 225 [8h,9h[ [0h, 1h[ [9h,10h[ [1h, 2h[ [10h, 11h[ [2h, 3h[ [11h, 12h[ [3h, 4h[ [12h, 13h[ [4h, 5h[ [13h, 14h[ [5h, 6h[ [14h, 15h[ [6h, 7h[ [15h, 16h[ [7h, 8h[ [16h, 17h[ [17h, 18h[ [18h, 19h[ [19h, 20h[ [20h, 21h[ 26 55

14 A partir dos dados sistematizados nas tabelas 3,4 e 5 salientam-se as seguintes conclusões: GBP/JPY vs FTSE 100: Tabela 5: Ocorrência em simultâneo do mínimo com o mínimo e /ou máximo com o máximo com o movimento da cotação do par cambial e do índice são semelhantes Descrição Movimento Semelhante GBP/JPY vc FTSE 100 GBP/JPY vc NIKKEI 225 Mínimo = Mínimo Mínimo? Mínimo Máximo = Máximo 44 61? os movimentos da cotação do par cambial e da cotação do Índice foram semelhantes em 63,2% dos casos (160 em 253) e os movimentos foram distintos em 36,8% dos casos (93 em 253);? nos casos em que o movimento é semelhante não foi possível encontrar um padrão de correspondência entre o máximo com máximo e mínimo com mínimo, dado que a percentagem é baixa quando a ocorrência é igual:? mínimo = mínimo: 30,6%;? máximo = máximo: 27,5%;? mínimo = mínimo e máximo = máximo: 12,5%? no período [8h, 9h[, que coincide com abertura do mercado bolsista em Londres, houve maior ocorrência de máximos / mínimos no par cambial (122) e no Índice (127);? nos períodos em que existiu maior número de ocorrências (superiores a 10) foi possível encontrar os seguintes padrões de referência: N.º de Ocorrências Descrição GBP/JPY FTSE 100 [11h, 12h[ 10 5 [13h, 14h[ [14h, 15h[ [8h,9h[ ' [15h, 16h[ [16h, 17h[ [19h, 20h[ 7 20 [20h, 21h[ 9 29 GBP/JPY vs Nikkei 225:? os movimentos da cotação do par cambial e da cotação do Índice foram semelhantes em 61,8% dos casos (160 em 259) e os movimentos foram distintos em 38,2% dos casos (99 em 259);? nos casos em que o movimento é semelhante, em 41,3% das situações

15 (66 em 160) houve correspondência de mínimos e em 38,1% das situações (61 em 160) houve correspondência de máximos. Nos casos em que o máximo iguala o máximo e o mínimo iguala o mínimo é possível encontrar um padrão de referência [0h, 1h[ e [7h, 8h[, uma vez que ocorreu em 46,7% (14 em 30);? no período [0h, 1h[, que coincide com abertura do mercado bolsista em Tóquio, existiu a maior ocorrência de máximos / mínimos no Índice (160) e o segundo maior número de ocorrências no par cambial (144);? no período [7h, 8h[ existiu maior ocorrência de máximos / mínimos no par cambial (166) e o segundo maior número de ocorrências no Índice (106);? nos períodos em que houve maior número de ocorrências (superiores a 10) foi possível encontrar os seguintes padrões de referência: N.º de Ocorrências Descrição GBP/JPY NIKKEI 225 [1h, 2h[ [3h, 4h[ [0h, 1h[ [4h, 5h[ 7 10 [5h, 6h[ [6h, 7h[ [7h, 8h[ [1h, 2h[ [7h, 8h[ [2h, 3h[ 12 7 [3h, 4h[ Implicações dos Resultados Conforme se referiu anteriormente, a forma de actuar dos investidores pode ser influenciada pelo sentimento presente nos diversos mercados financeiros. De acordo com as perspectivas analisadas no estudo de caso, em determinados períodos identificou-se um padrão de correspondência entre o desempenho dos pares cambiais e o desempenho dos Índices identificados. Nesses intervalos registaram-se semelhanças nos movimentos das cotações de activos financeiros em mercados distintos e ocorreram máximos e / ou de mínimos em simultâneo. O resultados apresentados na perspectiva B2 evidenciam um efeito comportamental na tomada da decisão de investimento especialmente na abertura do mercado, enquanto que os resultados apresentados na perspectiva B1 evidenciam um efeito comportamental na tomada da decisão de investimento quer na abertura, quer no fecho do mercado. Com efeito, nestas situações verificam-se padrões de evolução das cotações semelhantes em termos da formação de máximos e de mínimos. Esta conclusão ganha ênfase atendendo a que os padrões se manifestam mesmo considerando a volatilidade que caracteriza o momento actual dos mercados financeiros. Consequentemente, existirão momentos críticos em que o investimento pode tornar-se mais rentável. Trata-se de períodos em que se verifica maior frequência de mínimos ou de máximos e que, geralmente, ocorrem quando (1) se verifica a abertura dos mercados, (2) quando acontece uma intercepção de actividade nos mercados financeiros, ou (3) quando a flutuação da cotação num mercado é influenciada pelo sentimento presente em outros mercados financeiros. Para além do conhecimento desses períodos, importa que o investidor defina uma

16 estratégia para determinados padrões que aconteceram no passado e que tendem a repetir-se no futuro, de modo a diminuir o risco ao menor nível possível. Contudo, o risco é uma das marcas dos mercados financeiros, caracterizado pela forte volatilidade emergente da reacção à envolvente económica, política e financeira. Também se identificam períodos de maior estabilidade na flutuação das cotações nos mercados financeiros, como acontece durante o mês de Agosto (período de férias), mostrando padrões semelhantes entre diversos produtos financeiros no mesmo mercado ou em mercados distintos. No período de abertura e de fecho dos mercados bolsistas é normal registar-se maior ocorrência de máximos e / ou de mínimos. 5. NOTAS FINAIS O processo de tomada de decisão é influenciado por aspectos comportamentais relacionados com o trader e com o mercado, os quais tendem a determinar a permanência dos investidores nos mercados financeiros. Perder oportunidades de investimento com elevados retornos financeiros e fechar posições perdedoras influenciam a tomada de decisões no futuro. Neste contexto, os investidores acabam por seguir as suas expectativas, ignorando o sentimento presente no mercado, e considerar pressupostos influenciados pela ganância. A negociação eficaz nos mercados financeiros pressupõe o conhecimento profundo dos instrumentos da análise técnica e da análise fundamental, bem como a capacidade de averiguar em que medida a impulsividade, a ganância, o optimismo ou o medo podem viciar o processo de avaliação (Matos (2008, p. 157)). Assim, o investidor deve ter presente algumas regras que contribuem para o sucesso da sua actividade: conquistar o medo, autodisciplinar-se, melhorar os níveis de confiança, criar o seu plano de trading e ajustá-loem função do mercado, estabelecer metas alcançáveis, eliminar todas as emoções do processo de decisão de investimento, conhecer o sentimento presente nos mercados financeiros. Os aspectos comportamentais podem influenciar o processo de decisão de forma inexplicável, contrariando toda a lógica subjacente no plano de trading e da disciplina. A personalidade do investidor é um factor determinante, sendo útil compreender de que modo são influenciadas as suas percepções e desenvolver formas de estar conscientes em relação às suas próprias emoções e atitudes. Em cada transacção devem identificarse, entender-se e controlar-se os factores comportamentais que influenciam o processo de decisão. A pressa e a ganância conduzem ao fracasso, enquanto que o controlo emocional para reagir à chegada de informação nova constitui a chave para uma negociação de sucesso. O investidor deve ser paciente, capaz de auscultar as informações do mercado e persistente no controlo dos seus impulsos e emoções, mantendo a capacidade de avaliar o risco do investimento com base num ponto de referência a partir do qual se determinam os ganhos e as perdas. Não deve ceder à tentação de estar em permanente negociação,

17 mas antes saber aguardar pela melhor altura para entrar ou sair do mercado. O plano de trading é mais amplo do que a estratégia de negociação, devendo funcionar como um guia na compreensão das vantagens / desvantagens associadas às opções de investimento e estabelecer a disciplina necessária para actuar nos mercados financeiros. Finalmente, salienta-se que os investidores devem interiorizar alguns princípios relativos ao funcionamento e às reacções dos mercados, compreender o papel das emoções e possuir aptidão para descortinar o momento da reversão das tendências. Para o autor Matos (2008, p. 170), a alma do negócio consiste na reacção instantânea, mas sistemática, às circunstâncias presentes no mercado. Apenas se deve investir no que se conhece e naquilo que se compreende.

18 5. BIBLIOGRAFIA Abreu, M., Ferreira, C., Barata, L., e Escária, V. (2007). Economia Monetária e Financeira. Escolar Editora. Lisboa Anónimo (s/ data) Como Negociar no Mercado Cambial. Acedido em 18 de Março de 2010, no Web site da: Forex Club: Anónimo (s/ data) Forex Trading Strategies How to Be a Super Successful Forex trader. Acedido em 23 de Julho de 2010 em: Anónimo (s/ data) Guide to Online Forex Trading. Acedido em 9 de Janeiro de 2010, no Web site da: GCI Financial: Anónimo (s/ data) Psicologia de Mercado. Acedido em 28 de Abril de 2010, no Web site do Banco Best: https://www.bancobest.pt/ptg/bestsite/best_docs/ _best_psicologia_de_mercado s.pdf. Barros, L. A. C., Silveira, A. D. M., e Silveira, H. P. Excesso de Confiança, Otimismo Gerencial e os Determinantes da Estrutura de Capital. Acedido em 28 de Março de 2011, no Web site: Barros, O. S. Suportes e Resistências: Uma Aplicação ao Mercado de Moedas por meio da Análise Comparada de Estratégias. Acedido em 26 de Março de 2011, no Web site: nce=3. Chaves, D. A. T. e Rocha, K. C. (2004) Análise Técnica e Fundamentalista: Divergências, Similaridades e Complementariedades. Acedido em 18 de Fevereiro de 2010, no Web site da: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: Kimura, H. (2003, Janeiro/Junho) Aspectos Comportamentais Associados às Reacções do Mercado de Capitais. RAE-eletrônica, Volume 2, Número 1. Acedido em: 30 de Janeiro de 2010: Kimura, H., Basso, Leonardo, F. C. e Krauter, E. (2006, Janeiro/Março) Paradoxos em Finanças: Teoria Moderna vs Finanças Comportamentais. RAE-eletrônica, Volume 46, Número 1. Acedido em: 14 de Janeiro de 2010: pdf. Lakhani, J. Discipline, Mental Skills and the Psychology Trading. Acedido em 20 de Novembro de 2010: Lima, M. V. (2003, Janeiro/Junho) Um Estudo sobre Finanças Comportamentais. RAE-eletrônica, Volume 2, Número 1. Acedido em 14 de Janeiro de 2010: Lintz, A. C. (2004) Dinâmica de Bolhas Especulativas e Finanças Comportamentais Um Estudo Aplicado ao Mercado de Câmbios Brasileiros. Tese de Doutoramento, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Acedido em 8 de Maio de 2010:

19 Lip, C. K. Forex Essentials, Acedido em 20 de Julho de 2010: NR/rdonlyres/1E5285AB-0C34-465A-943E-9EBB117A2322/0/ForexessentialsbyChooK oonlippg52to53.pdf. Matos, F. B. (2008) Ganhar em Bolsa. 7ª Edição, Dom Quixote. Lisboa Matos, F. B. (2009) A Bolsa para Iniciados. 2ª Edição, Editorial Presença. Lisboa Mosca, A.(2009) Finanças Comportamentais: Gerencie suas Emoções e Alcance Sucesso nos Investimentos. Colecção Expo Money. Elsevier. Rio de Janeiro Owens, S. (2004, Julho) The Six Forces of Forex. The Forex Report. Acedido em 9 de Janeiro de 2010: Six_Forces_of_ Forex.pdf Peixoto, J. P. (2000) Introdução à Análise Técnica. Vida Económica. Porto Peixoto, J. P. (2004) Análise Técnica: Tendências e Formações de Preços. Vida Económica. Porto Person, J. L. (2004) A Complete Guide to Technical Trading Tactics. Wiley. New Jersey Rodrigues, J. N. (2010, 31 de Julho) A Psicologia da Crise no Divã. Jornal Expresso: Economia, p. 20. Rotella, R. P. (1992) The Elements of Successful Trading. Institute of Finance Simon & Schuster. New York Santos, J. O. dos e Santos, J. A. R. dos (2005, Janeiro/Abril) Mercado de Capitais: Racionalidade versus Emoção. Revista de Contabilidade e Finanças, Número 37, São Paulo. Acedido em 14 de Janeiro de 2010: cad37/dtrabalho_jodalio_jaugusto_pg103a110.pdf. Silva, M. G. da (2009) Bolsa Investir e Ganhar mais. Keditora. Sintra

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial Forex 2013, Março O Mercado Cambial AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados,

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS

EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS EFM- 2 O mercado eficiente é aquele onde os preços reflectem completa e instantaneamente toda a informação relevante e disponível. Se os mercados forem efectivamente

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Bolsa Bolhas e Crashes Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Perguntas Podem e devem fazer perguntas sempre que quiserem. Introdução: Um pouco de História O que é a Bolsa e como funciona? Estratégias

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Banco Best 2010. Best Trading Pro CFDs 11 de Fevereiro de 2010

Banco Best 2010. Best Trading Pro CFDs 11 de Fevereiro de 2010 Banco Best 2010 Best Trading Pro CFDs 11 de Fevereiro de 2010 O Banco Best O BANCO BEST O BEST numa só frase: Personal Investments Worldwide 3 O BANCO BEST O BEST cobre toda a gama de produtos e serviços

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRADER XP Educação Dez/ 2014

PSICOLOGIA DO TRADER XP Educação Dez/ 2014 PSICOLOGIA DO TRADER XP Educação Dez/ 2014 Conceito Resume-se no desenvolvimento do trader, exemplificando situações emocionais que contribuem e prejudicam seu resultado operacional; Com isso a palestra

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Estamos numa encruzilhada Não é a falta de saídas que é problemática,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Academia de Warrants 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte 2 2. Inline Warrants 3. Como investir 1/281 Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

Copyright 2010 Banco Best - 1 -

Copyright 2010 Banco Best - 1 - O presente documento foi elaborado pelo Banco BEST, tendo um carácter meramente informativo, não podendo ser considerado pelo destinatário como uma recomendação de investimento, uma solicitação de compra

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA A VIA RÁPIDA PARA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL DA COMUNICAÇÃO DE EXCELÊNCIA.

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA A VIA RÁPIDA PARA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL DA COMUNICAÇÃO DE EXCELÊNCIA. PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA A VIA RÁPIDA PARA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL DA COMUNICAÇÃO DE EXCELÊNCIA. A PNL, é uma área da psicologia que se reveste de um de carácter muito prático e eficaz,

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS MANUAL DE INVESTIMENTOS Manual de utilização e dicas para que conheça melhor a área de Investimentos do site millenniumbcp.pt. 1 02 ÍNDICE 03 1 VANTAGENS DA ÁREA DE INVESTIMENTOS 04 2 ESTRUTURA 04 Homepage

Leia mais

Banco Best 2009. Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010

Banco Best 2009. Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010 Banco Best 2009 Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010 Banco Best Best Trading Pro Aviso O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 1 ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 2 Programa 1 - Arbitragem triangular Introdução Conceitos-base Arbitragem triangular Arbitragem triangular com cotações BID-ASK Conclusão 2 - Modelos de arbitragem

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE -

Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE - Curso de Desenvolvimento Pessoal - PERCEPÇÃO EM METAMORFOSE - OBJECTIVOS GERAIS - Promover a reciclagem, a actualização ou o aperfeiçoamento pessoal através do desenvolvimento das suas competências técnicas,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais