TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis"

Transcrição

1 Pedro Paulo Ferreira Ribeiro

2 Diagnóstico HIV ELISA Teste Rápido

3 Diagnóstico Sífilis ELISA VDRL Testes antigênicos não treponêmicos ou testes lipoídicos: - VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) - RPR (Rapid Plasm Reagin) Testes treponêmicos ou pesquisa de anticorpos verdadeiros: - FTA-ABS (Fluorescent Treponema Antigen Absorvent) - MHA-TP (Micro hemo-aglutinação para Treponema pallidum) - EIA / ELISA (Enzimaimunoensaio para anticorpo anti-treponema) -PCR (Polimerase Chain Reaction)

4 Vantagens do teste rápido Conveniência e Rentabilidade Desenho ideal para utilização em campo e ambulatórios; Volume de amostra mínimo - 10µL punção digital (sangue total), soro ou plasma; Armazenamento em temperatura ambiente; Prazo de validade estendido (24 meses); Não necessita de equipamentos especiais de laboratório. Poupa Tempo e Trabalho Reagentes prontos para uso; Procedimento simples; Tempo total do teste de 20 minutos; Não necessita de equipamentos e/ou infraestrutura laboratorial; Resultados de fácil interpretação. Resultados Confiáveis Controle interno; Altamente sensível e específico.

5 Nova geração de testes rápidos DPP (Dual Path Platform) Plataforma de Duplo Percurso Trata-se de uma inovadora tecnologia de imunoensaio cromatográfico para testes de diagnóstico rápido, podendo ser aplicada para uma grande variedade de doenças. Esta tecnologia oferece importantes vantagens sobre os ensaios convencionais de Lateral Flow (LF). Dual Path Immunoassay Device US Patent number: 7,189,522 Issue Date: 03/13/2007 Dual Path Immunoassay Device (Esfandiari Javan: PCT/US , 1/17/2006) Dispositivo De Via Dupla Para Imunoensaio (Esfandiari Javan: Brazil, PI / )

6 Vantagens Técnicas do DPP em relação ao LF convencional Destaca-se a ampliação dos níveis de sensibilidade (10 a 50 vezes maior que o LF), possibilidade de testes multiplex (até 5 linhas de teste por cassete), adaptável a diferentes tipos de fluidos corporais (sangue, soro, plasma, saliva, urina, fezes, escarro, etc). Possibilidades de ensaios multiteste: Ex: HIV-1/2 + Sífilis; Capaz de fornecer resultados altamente sensíveis e específicos usando volumes de amostra mínimos. Diversas aplicações potenciais para a DPP : Diagnósticos médicos; Diagnósticos veterinários e saúde animal; Segurança alimentar e triagem de patógenos; Triagem de amostras ambientais; Bio-terrorismo; Detecção forense; Inúmeras outras aplicações na agricultura e indústria.

7 Por dentro do teste DPP Membrana do tampão Membrana do conjugado Membrana de nitrocelulose (Ag + ptna) Membrana de absorção residual Ponte Membrana da amostra

8 Por dentro do teste DPP

9 PRINCÍPIO E PROCEDIMENTO DO TESTE DPP Os TR DPP - Bio-Manguinhos são testes de triagem de uso único, para detectar anticorpos específicos, em amostras de fluido oral, sangue total venoso, de punção digital, soro ou plasma humano. O teste se baseia na tecnologia de imunocromatografia e utiliza plataforma de duplo percurso. Resultados reativos são evidências de exposição ao agente infeccioso e podem ser usados como suporte ao diagnóstico clínico. Os TR DPP Bio-Manguinhos são indicados para uso por profissionais de saúde de acordo com as instruções fornecidas.

10 Apresentação do produto TR DPP HIV-1/2 - Bio-Manguinhos SSP (sangue, soro e plasma) TR DPP Sífilis - Bio-Manguinhos MATERIAL FORNECIDO: Suportes embalados individualmente - 20 suportes Tampão de corrida - 01 Fr. 6 ml Lancetas estéreis descartáveis - 20 lancetas Curativo Adesivo Estéril - 20 adesivos Manual de Instrução de Uso Alças coletoras descartáveis (10µL) - 20 alças Tampão de eluição - 20 Fr. 1 ml

11 TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis Antígeno do teste DPP 1 - gp36 / HIV2 2 - gp 120 / HIV1 3 - gp 41 / HIV1 C - Controle

12 Antígeno do teste DPP T GST p17 C - Controle

13 Conjugado de ouro e ptn A Princípio do teste DPP gold gold gold gold gold gold Ac para HIV gold gold Linha Teste Gp120 GP41 GP36 Ag de HIV-1/2 Linha Controle = Proteína A gold gold Ac não específicos p/ HIV Linha Teste Fita S2 GST p17 Fita S1 GST p17 GST p17 Ac da Amostra

14 Características de desempenho Sensibilidade ao HIV-1 A capacidade do TR DPP HIV 1/2 Bio-Manguinhos em detectar infecção por HIV-1 foi avaliada usando amostras de indivíduos sabidamente infectados com HIV -1 e de indivíduos de grupo de risco de infecção com HIV amostras foram identificadas como positivas para infecção por HIV-1 usando um ensaio imunoenzimático (EIA) licenciado pelo FDA, Western Blot (WB) licenciado e/ou um ensaio NAT aprovado pelo FDA. Desses, foram reativos com o TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos resultando em uma sensibilidade de 100% (1.128/1.128 = 100% com 95% CI = %) Detecção de anticorpo para HIV-1 em amostras sabidamente infectadas com HIV-1 e de grupo de risco de infecção com HIV-1

15 Características de desempenho: Sensibilidade ao HIV-1 A capacidade do TR DPP HIV 1/2 Bio-Manguinhos em detectar infecção por HIV-1 foi avaliada usando 99 amostras de fluido oral de indivíduos sabidamente infectados com HIV amostras foram identificadas como positivas para infecção por HIV-1 usando um ensaio imunoenzimático (EIA) licenciado pelo FDA, Western Blot (WB) licenciado. Desses, 97 foram reativos para no TR DPP HIV-1/2 Bio- Manguinhos e se comparado ao Western Blot (WB) resulta em uma sensibilidade de 100% (97/97). Detecção de anticorpos para HIV-1 em amostras de fluido oral sabidamente infectadas com HIV-1 Detecção de anticorpos para HIV-1 em amostras de fluido oral sabidamente infectadas com HIV-1 ¹Duas(2) amostras resultaram em padrões indeterminados no Western Blot.essas amostras foram excluídas do calculo de sensibilidade. ²Uma (1) amostra foi reativa no TR DPP e indeterminada no Western Blot ³Para confirmação foi utilizado Western Blot HIV-1 licenciado

16 Características de desempenho Reatividade frente a Painéis de Soroconversão O TR DPP HIV-1/2 foi testado frente a 27 painéis de soroconversão. Cada painel consiste de coletas seqüenciais de um único individuo que soroconverteu. As amostras foram confirmadas usando Western blot e dois EIA licenciados pela FDA. O TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos é similar aos testes licenciados para detecção de soroconversão. A tabela apresenta a passagem dos dias desde a data da coleta inicial até a primeira amostra positiva.

17 Características de desempenho Comparativo do TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos a dois TR licenciados e Western blot na detecção de soroconversão

18 Características de desempenho Especificidade A especificidade do TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos foi avaliada testando amostras representativas de populações de baixo risco e alto risco de infecção com HIV-1. Baseado nesses estudos, a especificidade do TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos pode ser calculada em 99.9% (1506/1507 = 100% com CI =99.6% %). Comparativo entre TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos dois EIA e um Western blot para soroconversão

19 Características de desempenho:

20 Características de desempenho Sensibilidade e Especificidade Os índices de sensibilidade e especificidade do TR DPP Sífilis foram determinados pela avaliação da habilidade do teste em detectar anticorpos para sífilis em amostras clinicas. Comparando os resultados aos resultados obtidos pelo TP o TR DPP Sífilis obteve sensibilidade de 98.3% (287/292) e especificidade de 98.0% (345/352).

21 Características de desempenho: Em estudos adicionais de especificidade foram utilizadas amostras presumidamente negativas provenientes da África (95) e do Brasil (66). Todas as 95 amostras africanas e 64 das 66 amostras brasileiras apresentaram resultado nãoreativo. As amostras brasileiras com resultado positivo no TR DPP Sífilis não foram confirmadas como negativas. A especificidade do teste neste caso foi de aproximadamente 98.8% (159/161).

22 Características de desempenho O TR DPP Sífilis foi testado frente a 20 membros do painel sorológico da Seracare/Boston Biomedica Inc. (BBI) (PSS202). O estudo mostrou que o TR DPP Sífilis é similar aos testes licenciados na detecção dos membros deste painel.

23 Características de desempenho Painel sorológico (CDC) Para melhor avaliação do TR DPP Sífilis, um painel do CDC bem caracterizado para sífilis composto de espécimes que vão desde não reativo a reativo fortes foi usado para verificar o desempenho do teste. Os resultados indicam que o TR DPP Sífilis foi capaz de detectar anticorpos contra o T. pallidum semelhantes aos ensaios licenciados.

24 Características de desempenho REAÇÃO CRUZADA E INTERFERENTES Para avaliar a influência de condições médicas não relacionadas ou substâncias interferentes na sensibilidade e especificidade do TR DPP Sífilis, 160 amostras, representando condições médicas não relacionadas, e 100 amostras, representando substâncias potencialmente interferentes foram testadas. As amostras foram misturadas com solução salina (não reativo) ou uma amostra de soro treponêmicos positivos a um baixo nível de reatividade.

25 Características de desempenho:

26 Procedimento para a realização do teste IMPORTANTE! ATENÇÃO: Utilizar somente micropipetas automáticas ajustadas e calibradas. Certifique-se de que a amostra a ser testada esteja à temperatura ambiente (15 a 30 C). Caso a amostra tenha sido refrigerada ou congelada, permitir que a mesma alcance a temperatura ambiente antes de ser utilizada. Retirar o número necessário de componentes do kit necessários à execução do ensaio e colocá-los sobre uma superfície plana. Certifique-se de que os componentes do kit estejam à temperatura ambiente (15 a 30 C) no momento do uso.

27 Procedimento para a realização do teste Certifique-se de que a amostra a ser testada esteja à temperatura ambiente. Caso a amostra tenha sido refrigerada ou congelada, permitir que a mesma alcance a temperatura ambiente ( 15 a 25ºC) antes de ser utilizada. Retirar o número necessário de componentes do kit TR DPP - Bio-Manguinhos necessários à execução do ensaio e colocá-los sobre uma superfície plana. Certifique-se de que os componentes do kit estejam à temperatura ambiente no momento do uso. Retirar o suporte de teste do envelope laminado e identificá-lo com o número de registro do paciente ou número de identificação da amostra, além do número do lote do kit de onde o teste foi retirado. Poço 2 = TAMPÃO Janelas de Teste com Linhas Azuis e Verde Poço 1 = AMOSTRA + TAMPÃO

28 Procedimento para a realização do teste Antes de coletar a amostra de sangue, soro ou plasma, identificar o frasco para eluição com o nome do indivíduo ou número de identificação e desenrosque o dosador (parte branca) do frasco mantendo a tampa azul rosqueada no dosador. Encostar a alça coletora de 10 µl na amostra a ser testada permitindo que a alça seja preenchida com a amostra. OBS: Em caso de coleta de sangue da ponta do dedo, utilizar as lancetas (inclusas no kit), de acordo com as instruções de uso que as acompanham.

29 Procedimento para a realização do teste Inserir a alça coletora de 10µL com a amostra no frasco de eluição identificado de modo que toque no fundo do frasco (alternativamente podem ser utilizadas micropipetas calibradas). Dobre a haste da alça coletora no ponto de quebra a fim de que a extremidade com a amostra permaneça dentro do frasco de eluição.

30 Procedimento para a realização do teste Recolocar o dosador no frasco de eluição certificando de que tanto o dosador quanto a tampa azul estão bem fechados e agite levemente por 10 segundos. Retirar somente a tampa azul do dosador e girar o frasco de eluição mantendo na posição vertical (sem inclinar) sobre o poço 1. Adicionar duas gotas da solução, lentamente, ao poço 1.

31 Procedimento para a realização do teste Aguardar cinco minutos. Após esse tempo, a linha azul (TESTE) e verde (CONTROLE) da janela devem ter desaparecido. Em caso contrário, descartar o suporte de teste e repetir o procedimento desde o início usando um novo suporte. Verter o frasco de tampão de corrida e mantêlo na posição vertical (sem inclinar) sobre o poço 2. Adicionar quatro gotas de tampão, lentamente, ao poço 2.

32 Procedimento para a realização do teste Deixar o teste correr por 10 minutos após a adição do tampão ao poço 2 a temperatura entre 15 a 25 C. Caso não haja migração após 3 minutos da adição do tampão no poço 2, descartar o teste. IMPORTANTE!!! Não leia os resultados após 25 minutos contados a partir da adição do tampão de corrida ao poço 2.

33 Linha Controle Sempre presente! Inválidos Inválidos Área Teste Área Controle Reagente Reagente Linha Teste Linha Controle Não Não Reagente Ausência de Presença de Linha linha teste Controle

34 Reagente Não Reagente Escala de Avaliação Leitor de Testes DPP e Acessórios: - Adaptado para todos os tipos de teste DPP; - Informações em português; - Dispensa manutenção e calibração; - Uso (leituras) ilimitado; - Interfaces com cpu, impressora e leitor de código de barras; - Possibilidade de registro e envio de dados/resultados; - Pequenas dimensões, quase portátil.

35 Precauções Para reduzir falhas no procedimento do teste, e na interpretação dos resultados, não realizar mais de 5 testes por vez; Componentes de kits de lotes diferentes nunca devem ser misturados; Assegurar-se de que a embalagem dos suportes esteja intacta. Caso contrário, separe o kit evitando que seja utilizado e entre em contato com o SAC de Bio- Manguinhos; Não adicionar volumes de amostra superiores ao preconizado; Utilizar sempre a alça coletora fornecida no kit, segundo as orientações do manual de instruções; Somente abra o envelope laminado contendo o suporte de teste no momento de sua utilização; Não utilize kits ou componentes com a data de validade vencida.

36 TR DPP HIV-1/2 TR DPP Bio-Manguinhos HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP / TR Sífilis DPP Sífilis CIPBR Obrigado!

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Andréa Calado Imunocromatografia e Dot-ELISA Andréa Calado IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo das proteínas séricas;

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Teste Rápido DPP HIV

Teste Rápido DPP HIV Orientações para utilização de Teste Rápido DPP HIV com amostra de fluido oral Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde 2014 Ministério da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP

Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP Manual de Treinamento para TR DPP - HIV-1/2 - SSP Ensaio qualitativo para detecção de anticorpos específicos da infecção pelo HIV-1/2 em amostras de sangue total, soro,punção digital, plasma humano. www.bio.fiocruz.br

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD. Leia com atenção até o final!

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD. Leia com atenção até o final! EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO APLICAÇÃO DO TESTE CARD Leia com atenção até o final! LEMBRAR SEMPRE O teste acima de 5 drogas, tem o painel dupla face. FRENTE VERSO CONTEÚDO DO KIT

Leia mais

NÃO PRECISA SER PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR NÃO PRECISA TREINAMENTO ESPECÍFICO O PRÓPRIO ENFERMEIRO OU MÉDICO DA UNIDADE PODE TREINAR OS DEMAIS

NÃO PRECISA SER PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR NÃO PRECISA TREINAMENTO ESPECÍFICO O PRÓPRIO ENFERMEIRO OU MÉDICO DA UNIDADE PODE TREINAR OS DEMAIS Testes Rápidos Testes Rápidos em HIV e Sífilis HIV Rapid Check HIV Bio manguinhos Sífilis Rapid Check Sífilis Bio manguinhos Testes Rápidos em HIV e Sífilis Recomendações Gerais Qual profissional pode

Leia mais

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 Testes Rápidos Diagnóstico de HIV Deverão ser solicitados para uso na Campanha com antecedência; O GVE deverá propor um fluxo de entrega dos kits

Leia mais

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais.

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais. ATUALIZAÇÃO E NORMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV PORT 151/OUT 2009 Lúcia Sena Farmacêutica-Bioquímica do Programa de DST/AIDS do município de Duque de Caxias HISTÓRICO Diagnóstico Laboratorial

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas

MANUAL DA CAMPANHA. Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas MANUAL DA CAMPANHA Tudo o que é preciso saber para encontrar portadores de Hepatite C e salvar vidas APRESENTAÇÃO Este manual tem como objetivo orientar você, voluntário do projeto Hepatite Zero, sobre

Leia mais

Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil

Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil Inovação biomédica e políticas públicas: o desenvolvimento de testes para diagnóstico de HIV e hepatites virais no Brasil Koichi Kameda Doutorando CERMES3-EHESS / IMS-UERJ Mercado de teste diagnóstico

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC.

Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. POP: P-09 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Pesquisa de sangue oculto nas fezes. Mnemônico SOF. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de hematologia do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

Manual de Configuração do Hardware

Manual de Configuração do Hardware Desembalar Remova todos os materiais de protecção. As ilustrações neste manual são de um modelo semelhante. Apesar de poderem ser diferentes do seu modelo, o método de funcionamento é igual. Ligar o produto

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

Imunodiagnóstico. Conceitos. Fatôres que afetam as reações de Ag/Acs. Reatividade Cruzada. Quantificação. da Resposta Imune.

Imunodiagnóstico. Conceitos. Fatôres que afetam as reações de Ag/Acs. Reatividade Cruzada. Quantificação. da Resposta Imune. O QU SÃO TSTS SOROLÓGICOS? Imunodiagnóstico Conceitos Prof: Prof: Teresa Teresa Gomes Gomes de de Oliveira Oliveira São técnicas para a detecção e quantificação de antígenos e anticorpos, ou outras substâncias

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

IBDoc teste de Calprotectina

IBDoc teste de Calprotectina IBDoc teste de Calprotectina Instruções de uso Doentes e utilizadores LF-IBDOC8 8 testes Versão 2.0: 25-03-2015 BÜHLMANN Laboratories AG Telefone +41 61 487 12 12 Baselstrasse 55 Pedidos por fax +41 61

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

Faça também os testes rápido de sífilis hepatites virais B e C

Faça também os testes rápido de sífilis hepatites virais B e C Faça também os testes rápido de sífilis hepatites virais B e C FIQUE SABENDO UMA ESTRATÉGIA PARA AMPLIAR O DIAGNÓSTICO OPORTUNO DO HIV, SÍFILIS, E HEPATITES VIRAIS B E C. Este documento é um iniciativa

Leia mais

Teste Rápido - HIV-1/2 Bio-Manguinhos

Teste Rápido - HIV-1/2 Bio-Manguinhos Tel.: (21) 3882.9393 FAX: (21) 2561.0277 SAC: 0800.210.310 www.bio.fiocruz.br Teste Rápido - HIV-1/2 Bio-Manguinhos TESTE RÁPIDO DE TRIAGEM QUALITATIVA PARA DE- TECÇÃO DE ANTICORPOS PARA HIV-1/2 TESTE

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial SÍFILIS 1. CONCEITO Doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica 2. AGENTE ETIOLÓGICO espiroqueta Treponema pallidum. 3.

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Imunologia Clínica Código da Disciplina 06117082 Professor(es): Yoshimi Imoto Yamamoto Etapa 7ªA Carga horária:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Ata Final. Item 0001

Ata Final. Item 0001 Ata Final Às 10:00 horas do dia 09 de fevereiro de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DIRETORIA DE MEDICAMENTOS ESTRATÉGICOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DIRETORIA DE MEDICAMENTOS ESTRATÉGICOS INFORME ESTENDIDO GLICOSÍMETROS Senhor Farmacêutico Municipal, Considerando a distribuição dos novos glicosímetros da marca CEPA GC modelo TD 4230, bem como a necessidade da correta instrução aos pacientes/responsáveis

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Coleta de Cartões de Amostras

Coleta de Cartões de Amostras CARDS Coleta de Cartões de Amostras Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Sífilis ELISA recombinante v.4.0

Sífilis ELISA recombinante v.4.0 C Sífilis ELISA recombinante v.4.0 Ensaio imunoenzimático (ELISA) para a detecção de anticorpos anti-treponema pallidum SIGNIFICADO CLÍNICO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum,

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES PARA LAUDOS CRF-RS

TEXTOS COMPLEMENTARES PARA LAUDOS CRF-RS TEXTOS COMPLEMENTARES PARA LAUDOS CRF-RS APRESENTAÇÃO A presente Cartilha Analítica foi elaborada pela Comissão Assessora de Análises Clínicas do CRF-RS, gestão 2006/2007, composta por farmacêuticos atuantes

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Guia de Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Este guia apresenta resultados das placas 3M para Contagem de Leveduras e Bolores.

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

Ata Parcial. Item 0001

Ata Parcial. Item 0001 Ata Parcial Às 09:00 horas do dia 12 de abril de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Santana do Livramento e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 026/CT/2015/RT Assunto: Testes Rápidos I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Gostaríamos de tirar algumas duvidas referente aos testes rápido da rede cegonha. O enfermeiro

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE

FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE FLUTINOL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Suspensão Oftálmica Estéril acetato de fluormetolona 1 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO Flutinol acetato de fluormetolona 0,1% APRESENTAÇÃO: Suspensão

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA 3 Drogas de Abuso Despistagem em Fluidos Orais Sistema Alere TM DDS 2 CONCEITO Define-se como droga qualquer substância química não produzida pelo organismo, que tenha a propriedade de atuar sobre um ou

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA A principal finalidade da investigação de acidentes e / ou das reações adversas relacionados aos produtos de saúde, em especial no caso da Tecnovigilância, os equipamentos,

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

URGENTE: Recolhimento de dispositivo médico HARMONIC ACE +7 (HARH23, HARH36, HARH45)

URGENTE: Recolhimento de dispositivo médico HARMONIC ACE +7 (HARH23, HARH36, HARH45) 5 de outubro de 2015 Prezados Supervisores de Centro Cirúrgico, Pessoal de Gestão de Materiais e Gerentes de Risco: Na Ethicon, nossa prioridade é com nossos clientes e pacientes. Estamos comprometidos

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Segurança Transfusional, Sorologia, bancos de sangue, biologia molecular.

PALAVRAS CHAVE: Segurança Transfusional, Sorologia, bancos de sangue, biologia molecular. AVALIAÇÃO DE INAPTIDÃO SOROLÓGICA E MOLECULAR PÓS- IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE AMPLIFICAÇÃO DE ÁCIDOS NUCLÉICOS (NAT) NA TRIAGEM DA HEPATITE C E DO HIV NO CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PARANÁ -

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO DADOS GERAIS

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO DADOS GERAIS ÍNDICE Descrição do Produto... 3 Garantia do Equipamento... 3 Dados Gerais... 3 Especificações Técnicas... 5 Simbologia... 5 Dimensões... 6 Instalação... 7 Funcionamento... 7 Manutenção... 7 Precauções...

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

CÂMERA FILMADORA DE AÇÃO HD 720P COM CAIXA ESTANQUE E SUPORTES MARCA VIVITAR MODELO DVR783HD MANUAL DE INSTRUÇÕES

CÂMERA FILMADORA DE AÇÃO HD 720P COM CAIXA ESTANQUE E SUPORTES MARCA VIVITAR MODELO DVR783HD MANUAL DE INSTRUÇÕES CÂMERA FILMADORA DE AÇÃO HD 720P COM CAIXA ESTANQUE E SUPORTES MARCA VIVITAR MODELO DVR783HD MANUAL DE INSTRUÇÕES 1. Conteúdo da Embalagem LEIA PRIMEIRO 1. Câmera Filmadora digital 6. Caixa estanque à

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4%

FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4% FRESHCLEAR ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de fenilefrina 0,12% álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA RELESTAT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de epinastina 0,05% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo

Leia mais

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Guedes, PP 1 ; Pinto, PLS 1 e Oliveira, KC 1. 1 Núcleo de Enteroparasitas, Centro de Parasitologia

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO MS-H Vacina colírio, suspensão 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância(s) activa(s): Uma dose (30 µl)

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais