HABILIDADES DE LEITURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HABILIDADES DE LEITURA"

Transcrição

1 HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está incorreta: a. O ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de utilizar diferentes registros, inclusive os mais formais da variedade linguística valorizada socialmente, sabendo adequá-los às circunstâncias da situação comunicativa de que participam. b. O ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de conhecer e respeitar as diferentes variedades linguísticas do português falado. c. O ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de compreender os textos orais e escritos com os quais se defrontam em diferentes situações de participação social, interpretandoos corretamente e inferindo as intenções de quem os produz. d. O ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de expandir o uso da linguagem em instâncias privadas e utilizá-la com eficácia em instâncias públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos tanto orais como escritos coerentes, coesos, adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados. e. O ensino de Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de reconhecer a inoperância da linguagem oral na modalidade vulgar ou inculta e transformá-la segundo a modalidade padrão ou culta. TEXTO I Formar um leitor competente supõe formar alguém que compreenda o que lê; que possa aprender a ler também o que não está escrito, identificando elementos implícitos; que estabeleça relação entre o texto que lê e outros textos já lidos; que saiba que vários sentidos podem ser atribuídos a um texto; que consiga justificar e validar a sua leitura a partir da localização de elementos discursivos. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, 1º a 4º séries. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, QUESTÃO 2 O fragmento que estabeleça relação entre o texto que lê e outros textos já lidos diz respeito a: a. Condições de produção. b. Coesão. c. Coerência. d. Informatividade. e. Intertextualidade. QUESTÃO 3...justificar e validar a sua leitura a partir da localização de elementos discursivos corresponde a: a. Ampliação dos conhecimentos prévios sobre leitura. b. Reconhecimento das condições de produção do texto. c. Compreensão do que lê. d. Decodificação do que está escrito. e. Relação entre o texto lido e outros textos já lidos. TEXTO II É hora, pois, de assumir nova área de trabalho, para dar conta da globalidade do fenômeno da interação comunicativa, considerando o texto em suas três dimensões básicas: a formal, a conceitual e a pragmática. Trabalhar nessa área é, sim, específica do professor de português, posto que é buscar o desenvolvimento pleno da competência comunicativa natural do aluno. COSTA VAL, Maria da Graça in Redação e Textualidade, 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, Tendo como base o texto II, responda às questões 4, 5 e 6. QUESTÃO 4 A considerar o texto em sua dimensão pragmática devese levar em conta: a. A experiência concreta da linguagem. b. A estilística do texto. c. O gênero textual. d. A morfossintaxe do texto. e. A sintaxe do texto. 1

2 QUESTÃO 5 O desenvolvimento pleno da competência comunicativa natural do aluno refere-se a: a. Capacidade do aluno para gerar sequências gramaticais com base nas regras da língua. b. Capacidade do aluno para produzir e compreender textos escritos. c. Capacidade do aluno para modificar textos de diferentes maneiras. d. Capacidade do aluno para dizer a que tipo de texto pertence um dado texto. e. Capacidade do aluno para empregar adequadamente a língua nas diversas situações de comunicação. QUESTÃO 6 São fatores pragmáticos da textualidade mencionados por Maria da Graça Costa Val: a. Intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade. b. Intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade. c. Intencionalidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade. d. Intencionalidade, aceitabilidade e informatividade. e. Intencionalidade e aceitabilidade. TEXTO III Todos os textos se manifestam sempre num ou noutro gênero textual e um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais é importante tanto para a produção como para a compreensão. Em certo sentido, é esta a ideia básica que se acha no centro dos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais), quando sugerem que o trabalho com o texto deve ser feito na base dos gêneros, sejam eles orais ou escritos. DIONÍSIO A.; MACHADO. A. R; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, QUESTÃO 7 Assinale a alternativa que não corresponde a afirmação referente ao trabalho com gêneros textuais: a. Todo texto se organiza dentro de um determinado gênero. Os vários gêneros existentes, por sua vez, constituem formas relativamente estáveis de enunciados, disponíveis na cultura, caracterizados por três elementos: conteúdo temático, estilo e construção composicional. b. Pode se afirmar que a noção de gêneros refere-se a famílias de textos que compartilham algumas características comuns, embora heterogêneas, como visão geral da ação à qual o texto se articula, tipo de suporte comunicativo, extensão, grau de literariedade, por exemplo, existindo em número quase ilimitado. c. A produção de discursos não acontece no vazio. Ao contrário, todo discurso se relaciona, de alguma forma, com os que já foram produzidos. Nesse sentido, os textos, como resultantes da atividade discursiva, estão em constante e contínua relação uns com os outros. d. Os gêneros são determinados historicamente. As intenções comunicativas, como parte das condições de produção dos discursos, geram usos sociais que determinam os gêneros que darão forma aos textos. e. Quando um texto começa com era uma vez, ninguém duvida de que está diante de um conto, porque todos conhecem tal gênero. Diante da expressão senhoras e senhores, a expectativa é ouvir um pronunciamento público ou uma apresentação de espetáculo, pois sabe-se que nesses gêneros o texto, inequivocamente, tem essa fórmula inicial. Do mesmo modo, pode-se reconhecer outros gêneros como cartas, reportagens, anúncios, poemas entre tantos. TEXTO IV Ensinar a escrever textos torna-se uma tarefa muito difícil fora do convívio com textos verdadeiros, com leitores e escritores verdadeiros e com situações de comunicação que os tornem necessários. Fora da escola escrevem-se textos dirigidos a interlocutores de fato. Todo texto pertence a um determinado gênero, com uma forma própria, que se pode aprender. Quando entram na escola, os textos que circulam socialmente cumprem um papel modelizador, servindo como fonte de referência, repertório textual, suporte da atividade intertextual. A diversidade textual que existe fora da escola pode e deve estar a serviço da expansão do conhecimento letrado do aluno. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, 1º a 4º séries. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental,

3 QUESTÃO 8 De acordo com o texto IV, a produção escrita deve-se dar: a. Voltada para os modelos pré-determinados pela variedade padrão ou culta. b. Voltada para os modelos ajustados ao aluno pelo ano de estudo em que está cursando. c. Voltada para a adição e ajuste entre a diversidade textual que existe fora da escola e aos modelos utilizados pela variedade padrão ou culta. d. Voltada somente para a diversidade textual que existe fora da escola a fim de não gerar preconceitos. e. Voltada somente para atender às necessidades individuais de cada aluno. QUESTÃO 9 Quando se pensa e se fala sobre a linguagem mesma, realiza-se uma atividade de natureza reflexiva, uma atividade de análise linguística. Essa reflexão é fundamental para a expansão da capacidade de produzir e interpretar textos. É uma entre as muitas ações que alguém considerado letrado é capaz de realizar com a língua. BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, 1º a 4º séries. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, Assinale a alternativa que corresponde, pois, à análise linguística: a. É a reflexão voltada somente para o uso no próprio interior da atividade linguística. b. É a reflexão voltada somente para descrição de elementos linguísticos constitutivos da oralidade. c. É a reflexão voltada somente para a descrição de elementos linguísticos utilizados nesta atividade tais como tonicidade, acentuação, sintaxe de concordância. d. É a reflexão gramatical (morfossintática) dos elementos linguísticos utilizados na atividade. e. É a reflexão sobre a língua em situações de produção e interpretação, como caminho para tomar consciência e aprimorar o controle sobre a própria produção linguística e, a partir daí, introduzir progressivamente os elementos para uma análise de natureza descritiva. QUESTÃO 10 Assinale a alternativa que não atende ao proposto pelos PCNs para o ensino da Língua Portuguesa: a. Não se faz necessário estudar a norma padrão da língua, uma vez que importa compreender e ser compreendido no registro de linguagem que se utilizar. b. É necessário estudar a gramática a partir de um texto, no entanto, sem esquecer a essência deste, isto é, não basta trabalhar frases isoladas do texto e desconsiderar os demais aspectos do texto. c. Após explorar um texto interessante, compete ao professor de Língua Portuguesa propor outras atividades que estimulem a aprendizagem de algo inovador e significativo, e tornem o aluno pesquisador e construtor de suas ideias. d. A questão não é falar certo ou errado, mas saber qual forma de fala utilizar, considerando as características do contexto de comunicação, ou seja, saber adequar o registro às diferentes situações comunicativas. e. A ênfase que se está dando ao conhecimento sobre as características discursivas da linguagem que hoje sabese essencial para a participação no mundo letrado não significa que a aquisição da escrita alfabética deixe de ser importante. A capacidade de decifrar o escrito é não só condição para a leitura independente como verdadeiro rito de passagem um saber de grande valor social. DIDÁTICA DO ENSINO QUESTÃO 11 O papel da didática segundo Candau, destina-se a atingir um fim: a formação do educador. Assim ela se torna indispensável, passando a fazer parte da prática pedagógica. Com esse entendimento fica patente que a didática tem caráter: a. Técnico prescritivo. b. Tradicionalista na prática. c. Favorável à reflexão sobre uma prática, ou, mais especificamente sobre o processo de ensinoaprendizagem. d. Oportunizador à compreensão do ensino apenas como valor cultural. e. Inovador, porém não considera o envolvimento da tecnologia para o processo. 3

4 QUESTÃO 12 _ O Processo de ensino aprendizagem envolve atividades complexas, recebendo influências internas e externas. Conhecer esses elementos é de fundamental importância para a qualidade do trabalho, bem como ter definidos quais os elementos que compõem o processo didático. Que conforme LIBANEO são: a. Conteúdos da disciplina- Ação de Ensinar - Ação de Aprender. b. Reflexão Ação. c. Formação do docente Tecnologia. d.assimilação dos conhecimentos domínios de métodos. e. Conhecimento das teorias contemporâneas. QUESTÃO 13 _ A prática pedagógica exige uma interação entre professor e aluno envolvendo fatores afetivos e sociais. Essa relação deve ser próspera na aquisição dos conhecimentos. O professor nesse contexto especialmente, é um facilitador mediador do processo. O facilitador-mediador é aquele professor que: a. Estabelece normas de aprendizagem com o objetivo de promover o aluno apenas no mundo do trabalho. b. Estabelece pontes entre os saberes e vivencias do grupo e dos saberes externos, seguindo teoria única. c. Estabelece pontes entre os saberes e vivencias e dos saberes e vivencias do grupo e os saberes externos, como as diferentes teorias desenvolvidas pela humanidade. d. Determina a promoção dos conhecimentos. e. Orienta os alunos que concentra o conhecimento. QUESTÃO 14 _ A pedagogia crítico-social dos conteúdos atribui grande importância à Didática considerando que ela tem como objetivo: a. A direção do processo de ensinar, tendo em vista as finalidades sociopolíticas e pedagógicas e as condições e meios formativos, convergindo para promover a autoatividade do aluno que é a aprendizagem. b. Orientar a prática cotidiana dos professores assumindo a pedagogia como ciência da educação. c. Se voltar para o interior da escola com o objetivo de compreender melhor o seu cotidiano. d. Investigar a prática docente. e. O ensino como prática reflexiva. QUESTÃO 15 Na efetivação do planejamento escolar o professor deve reunir vários elementos pertinentes, respaldados na convivência diária na sala de aula, observando e seguindo diretrizes que a ação planejar determina. São elas: a. O planejamento deve estar voltado para atingir o fim mais amplo da educação. b. É um processo que evolui sem priorizar unidade entre teoria e prática. c. É uma ação que implica na presença do professor e seus conhecimentos. d. É um processo que evolui sem envolver o meio social do aluno. e. É um norte que contempla com resultados da avaliação classificatória. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 16 A Lei 9.394/96 contém as Diretrizes e Bases que vão orientar a educação nacional nos próximos anos. Seus 92 artigos representam um novo momento do ensino brasileiro; neles estão refletidos muitos dos desafios e esperanças que movem o trabalho de tantos educadores numa nação de realidades tão diversas. Identifique nos itens abaixo a informação correta sobre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação no que se refere ao currículo: a. Não há possibilidade de flexibilização dos currículos para incorporação de disciplinas que atendam a clientela. b. A LDB determina que a Educação Artística seja componente curricular facultativo no Ensino Básico. c. Há a exigência de uma língua estrangeira moderna a partir da 5ª série e exigem-se duas línguas estrangeiras (as duas obrigatórias) no ensino médio. d. O educando deverá dominar, ao final do Ensino Médio, os conhecimentos de filosofia e de sociologia necessários ao exercício da cidadania. e. O Ensino Religioso passa a ser disciplina de oferta facultativa nas escolas públicas. 4

5 QUESTÃO 17 De acordo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a avaliação do rendimento escolar dos alunos do ensino básico é feita por meio de algumas especificações. Dentre elas é correto afirmar que: a. A classificação dos alunos nas séries iniciais passa a poder ocorrer por promoção. b. Promoção é igual à aprovação, sendo identificada também como: progressão continuada e progressão regular por série. c. Na promoção há a aprovação com dependência. d. A promoção contribui com a evasão escolar e com a repetência nos primeiros anos de estudo. e. A verificação do rendimento escolar deve ser esporádica e a recuperação deve ocorrer anualmente. QUESTÃO 18 Como qualquer proposta curricular, esta não surge do nada; sua principal fonte são práticas educativas que se pretende generalizar, aperfeiçoar ou transformar. O primeiro capítulo é dedicado a um breve histórico da educação de jovens e adultos no Brasil, no qual se destacam soluções e impasses pedagógicos gerados nessas práticas. Espera- se que essa história ajude os educadores a situar e compreender melhor o significado e o motivo do que aqui se formula como proposta. Educação para jovens e adultos. Ensino Fundamental. Proposta curricular - 1º segmento. Vera Maria Masagão Ribeiro (coordenação e texto final). O texto fala sobre a proposta curricular da Educação de Jovens e Adultos que deve ser situada e compreendida com base na seguinte afirmação: a. Os jovens e adultos da EJA não possuem conhecimentos sobre o mundo letrado. b. Os jovens e adultos pouco letrados assimilam de forma incompleta e fragmentada as informações que recebem pelo rádio e pela televisão. c. As pessoas pouco letradas não conseguem criar estratégias alternativas para resolver problemas práticos do dia-a-dia. d. As pessoas pouco letradas possuem muitos conhecimentos válidos e úteis, e nunca estão excluídas de outras muitas possibilidades que a nossa cultura oferece. e. Os jovens e adultos da EJA não tem a possibilidade de ampliar sua compreensão e interação com o mundo. QUESTÃO 19 A atividade educativa, assim como outras atividades complexas, impõe a necessidade de estabelecer planos mais formalizados e apoiados em registros escritos. Assim, depreende-se que: a. O currículo constitui um primeiro nível de planejamento da atividade educativa, na medida em que nele se estabelecem objetivos gerais e seus desdobramentos em objetivos específicos. b. O currículo é uma ferramenta dispensável para orientar a ação do educador e a coordenação de sua ação com a de outros educadores envolvidos no mesmo programa. c. A efetividade do currículo na orientação das ações torna facultativa as definições quanto a estratégias e encadeamento de etapas. d. A responsabilidade com relação à elaboração do plano didático é somente do professor, cabendo a ele fazer ou não a avaliação constante de seu andamento. e. A elaboração de bons planos didáticos exige criatividade do professor e esta dissociada do processo de aprendizagem dos conteúdos. QUESTÃO 20 A formação do educador é da mais alta importância para melhorar o desempenho dos alunos no processo de ensino-aprendizagem. Pode-se dizer que o preparo de um docente voltado para a EJA deve incluir: a. O conhecimento em sala de aula, da forma mais clara possível para que seu aluno possa ter a oportunidade de apenas absorver informações. b. A desconsideração da bagagem de experiência e conhecimento que seu aluno já possui, por ser um esse conhecimento inútil. c. A necessidade de uma dedicação especial para este tipo de ensino, pois ele atinge uma parte de cidadãos que, em matéria de educação formal, ainda não estão formados plenamente. d. O desenvolvimento humano do aluno, mesmo sem contribuir para sua atuação como cidadão e sua inserção profissional. e. O estimulo do aluno à consciência crítica de si e do mundo, não os apresentando aos conhecimentos científicos e sociais. 5

6 QUESTÃO 21 O aprendizado da leitura e da escrita, na atualidade, é uma das condições necessárias para o desenvolvimento do ser humano, devendo satisfazer seus desejos e necessidades e, desse modo, possibilitar um maior envolvimento às práticas sociais, podendo se apresentar sob diversas perspectivas, devendo acontecer de modo dinâmico e criativo. Cleuza do Rocio Valomin. O processo de apropriação da leitura e da escrita na Educação de Jovens e Adultos. A partir do texto informe qual dimensão melhor articula o processo da leitura e da escrita na EJA: a. Trabalhar com textos que tenham e que não tenham significado. b. Estimular consciência crítica e a reprodução de ideias. c. Adquirir conhecimentos e delimitar o raciocínio. d. Restringir a visão de mundo. e. Compreender a função social do texto. QUESTÃO 22 A seguinte afirmação contribui para a compreensão significativa da alfabetização e do letramento: a. A alfabetização consiste na aquisição do código alfabético e ortográfico, através do desenvolvimento das habilidades de leitura e de escrita. b. O letramento não consiste em realizar uma leitura crítica da realidade, respondendo satisfatoriamente às demandas sociais. c. A alfabetização e o letramento não se complementam, mesmo ambas enriquecendo o desenvolvimento do aluno. d. Os alunos irão construindo os conhecimentos gradativamente, porém não haverá uma atitude transformadora da sociedade. e. O ensino do código alfabético deve ser dissociado do seu uso social em diferentes ocasiões. QUESTÃO 23 O Sistema de Alfabetização Paulo Freire tem sido o grande referencial nos últimos 30 anos. Para ele, o educando adulto é tratado como sujeito do próprio conhecimento e não como objeto. Identifique uma característica marcante do método de alfabetização Paulo Freire: a. Entende que o jovem e o adulto são portadores de um conhecimento que se fundamenta nas suas experiências, mas que não é relevante para o processo de alfabetização. b. As palavras geradoras são extraídas do universo vocabular do professor e são temas de discussão nos círculos de cultura. c. Dá ênfase à silabação das palavras geradoras, isto é, a leitura por repetição de palavras. d. Estimula a criação dos círculos de cultura, que oferecem a oportunidade de problematização e de conscientização. e. A alfabetização é puramente mecânica, decifração de códigos ou de sinais gráficos. QUESTÃO 24 Para Paulo Freire a educação é um bem produzido pela sociedade, da qual grande parte da sociedade é excluída. Apresenta, então, dois trabalhos de conscientização e de politização: a Pedagogia dos Dominantes e a Pedagogia dos Oprimidos. Referente a estas obras identifique a informação correta: a. Na Pedagogia dos Dominantes a educação existe como forma de legitimar os direitos da classe dominante. b. Na Pedagogia dos Oprimidos a educação surge e é legitimada como prática de opressão. c. O oprimido tem que ter consciência desta opressão. d. A educação dominante é uma concepção bancária de educação. e. O mundo da opressão não verbaliza a prática da dominação. 6

7 QUESTÃO 25 O pensamento pedagógico de Paulo Freire, assim como sua proposta para a alfabetização de adultos, inspiraram os principais programas de alfabetização e educação popular que se realizaram no país. (...) Paulo Freire elaborou uma proposta de alfabetização de adultos conscientizadora, cujo princípio básico pode ser traduzido numa frase sua que ficou célebre: A leitura do mundo precede a leitura da palavra. Educação para jovens e adultos. Ensino Fundamental. Proposta curricular - 1º segmento. Vera Maria Masagão Ribeiro (coordenação e texto final). Sendo o aluno o sujeito da aprendizagem, Paulo Freire propunha: a. Uma ação educativa que negasse a cultura do aluno; b. A transformação através do diálogo. c. A negação da realidade existencial do grupo. d. O aluno como fantoche de sua aprendizagem. e. O diálogo educativo que girava em torno do conceito antropológico de ensino. 7

8 PROVA DE PRODUÇÃO ESCRITA QUESTÃO DISCURSIVA Saber que devo respeitar a autonomia, a identidade e a dignidade do educando e na pratica procurar a coerência com este saber. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia - Saberes Necessários as práticas docentes. São Paulo: Paz e Terra, Redija um texto comentando a frase de Paulo Freire. INSTRUÇÕES PARA PROVA DE PRODUÇÃO ESCRITA 1. Ao receber a Folha Definitiva de Redação, verifique se os dados impressos na mesma estão corretos; caso contrário comunique, ao aplicador de prova. 2. Assine somente no local indicado. 3. É vedado ao candidato registrar, no corpo da Folha Definitiva de Redação, seu nome, assinatura ou qualquer outro sinal que possa identificá-lo, sob pena de anulação de sua prova e de sua eliminação do concurso. 4. Seu texto deve ser escrito na modalidade padrão da Língua Portuguesa. 5. O texto NÃO deve ser escrito em forma de poema (versos) ou narração. 6. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado, no fim do caderno de provas. 7. O texto de sua redação deve ter mínimo de 20 e máximo de 30 linhas. 8. Escreva com letra legível, usando somente caneta de tinta azul ou preta. Não é permitido o uso de corretivo ou lápis, em parte, ou na sua totalidade. 9. Não haverá substituição da Folha Definitiva de Redação. 10. A Redação com até 10 (dez) linhas escritas será considerada insuficiente e receberá nota zero. 11. A Redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderada para efeito de correção. 8

9 FOLHA DE RASCUNHO REDAÇÃO ESTE RASCUNHO NÃO SERÁ CORRIGIDO TÍTULO:

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 QUÍMICA (NOTURNO)

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 QUÍMICA (NOTURNO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa. a Transferência Facultativa/00 Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Confira atentamente se os dados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Técnico Operacional II Administração Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Tecnologia em Gestão da Tecnologia

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS PROVA ESCRITA Prova 06 2013 2.º Ciclo do Ensino Básico!. IntI ntrodução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS. VESTIBULAR 2012 I Processo Seletivo PROVA II

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS. VESTIBULAR 2012 I Processo Seletivo PROVA II FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MONTES CLAROS VESTIBULAR 2012 I Processo Seletivo PROVA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Este caderno contém uma prova de redação no valor de 40 (quarenta) pontos. 1.

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência Data: 2014.04.02 Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Prova 61 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 50/2013 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR 1 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Renato Fares Khalil (Universidade Católica de Santos UNISANTOS) (Mestrado em Educação renato.khalil@unisantos.br) Orientadora: Profa.

Leia mais

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador Curso de Tecnologia em Marketing Manual Projeto Integrador Ano: 2015 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Integrador I... 5 2.2 Projeto Integrador II e III...

Leia mais

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES Farmacometria Especialista em C&T Produção e Inovação em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO Luciano de Lima Costa Raquel Pessoni Tinonin Thaís Inácio Braga (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA UENP/CJ) O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

CARGO: Professor I Educação Infantil

CARGO: Professor I Educação Infantil MUNICÍPIO DE SERRA ALTA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO N.º 002/2015 09 DE JANEIRO DE 2016 CARGO: Professor I Educação Infantil INSTRUÇÕES Este Caderno de Questões contém 25 questões,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Petrolina PE Julho de 2015 1 Capítulo I Da natureza do TCC Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente obrigatório

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Resumo ATAÍDE, Sandra Terezinha Guimarães 1 - UNIPLAC Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 Magna Maria Jesus Bueno, Aldelicia Batista dos Santos, Giselle Ribeiro da Silva 1, Cleonice Maria Cruz de Oliveira

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 PEDAGOGIA

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 PEDAGOGIA assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa. a Transferência Facultativa/00 Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Confira atentamente se os dados

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Prova de Equivalência à Frequência de Língua Estrangeira I Inglês Escrita e Oral Prova 06/ 2013 Despacho normativo nº 5/ 2013, de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A ementa destas disciplinas tem como referência: Educação clínica.

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CIED

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CIED UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP COORDENADORIA INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CIED PROCESSO SELETIVO DE TUTORES 2012 PROVA TIPO 2 Tutor do Curso

Leia mais

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Portaria n.º /2010 Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006, de 11 de Agosto,

Leia mais

O ESTÁGIO COMO UM ELEMENTO CONSTITUTIVO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O ESTÁGIO COMO UM ELEMENTO CONSTITUTIVO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL O ESTÁGIO COMO UM ELEMENTO CONSTITUTIVO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Drª. Altina Abadia da Silva 1 Profª Ms. Heloísa Vitória Castro de Paula 2 Profª Ms. Priscilla de Andrade Silva Ximenes

Leia mais

Curso de Especialização em ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA

Curso de Especialização em ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA Curso de Especialização em ENSINO DA LINGUA PORTUGUESA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Ensino de Língua Portuguesa. OBJETIVO DO CURSO:

Leia mais

MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC e ESTÁGIO SUPERVISIONADO VII

MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC e ESTÁGIO SUPERVISIONADO VII Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Educação a Distância e Tecnologia Educacional Curso de Pedagogia 8º Período Turma 2007 MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES

Leia mais

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÕES SOBRE A DESCRIÇÃO DE SUBSTANTIVOS E ADJETIVOS EM LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES Luciana Bessa Silva (bessaluciana@hotmail.com) RESUMO Como humanos, narramos nossos sentimentos, nossos desejos, nossas emoções, nossas

Leia mais

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Anais do XV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 26 e 27 de outubro de 2010 ISSN 1982-0178 O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Leandro

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1

LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1 LEITURA DO MUNDO EM PAULO FREIRE 1 Ângela Antunes 2 Linha severa da longínqua costa quando a nau se aproxima ergue-se a encosta em árvores onde o Longe nada tinha; mais perto, abre-se a terra em sons e

Leia mais

CAPÍTULO I - Princípios gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I - Princípios gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação CAPÍTULO I - Princípios gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 - O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, adiante designado por Estatuto, aplica-se

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP RESOLUÇÃO Nº 03, DE 27 DE JULHO DE 2004. Baixa o Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso

Leia mais

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA META Promover a preparação do estagiário para a elaboração de seu Projeto de Estágio. Estabelecer conceitos e

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM 1 DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE ENFERMAGEM CACOAL 2011 2 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

História da Cultura e das Artes

História da Cultura e das Artes Prova de Exame Nacional de História da Cultura e das Artes Prova 724 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direções Regionais de Educação

Leia mais

FAPAM Faculdade de Pará de minas Curso de Letras. Marília Andrade Chaves Reis Ribeiro

FAPAM Faculdade de Pará de minas Curso de Letras. Marília Andrade Chaves Reis Ribeiro 1 FAPAM Faculdade de Pará de minas Curso de Letras Marília Andrade Chaves Reis Ribeiro ANÁLISE DA (IN )ADEQUAÇÃO DA ORALIDADE NO UNIVERSO ESCOLAR Pará de Minas 2013 2 Marília Andrade Chave Reis Ribeiro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE LEOBERTO LEAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE LEOBERTO LEAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE LEOBERTO LEAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO Processo Seletivo Para Contratação De Professores E Auxiliar De Serviços Gerais Por Tempo Determinado

Leia mais

EDITAL Nº 26/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

EDITAL Nº 26/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES SUBSTITUTOS PARA A REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FORTALEZA EDITAL Nº 26/2014 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA PROVA OBJETIVA DATA: 06 DE JULHO DE 2014 DURAÇÃO:

Leia mais

DIRETIVA ADMINISTRADORA DE PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA

DIRETIVA ADMINISTRADORA DE PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO (ESA) E DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Atualizado em Agosto de 2013 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM

Leia mais

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

CONCURSO DE FOTOGRAFIA CONCURSO DE FOTOGRAFIA Igualdade em Albufeira Apoios: Financiado por REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA Enquadramento Concurso de fotografia subordinado ao Tema Igualdade em Albufeira, instituído pela

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação

Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação Estudo do processo de comunicação, de construção e de uso da informação no contexto da Ciência da Informação Andressa Mello Davanso Faculdade de Biblioteconomia Centro de Ciências Humanas Sociais Aplicadas

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP José Luiz Müller 1 RESUMO Marion Machado Cunha 2 Exte texto tem como objetivo central

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE INTRODUÇÃO Patrícia Aparecida Mendes * Thiago Henrique da Silva ** A Geografia

Leia mais

SUMÁRIO. Identificação do Projeto... 02. Introdução... 02. Justificativa... 03. Objetivo Geral... 03. Objetivos Específicos... 04

SUMÁRIO. Identificação do Projeto... 02. Introdução... 02. Justificativa... 03. Objetivo Geral... 03. Objetivos Específicos... 04 SUMÁRIO Identificação do Projeto... 02 Introdução... 02 Justificativa... 03 Objetivo Geral... 03 Objetivos Específicos... 04 Resultados Esperados... 04 Áreas Envolvidas... 04 Metodologia... 05 Formas de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE Palmas-Tocantins-2012 DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional Aida Monteiro trevoam@terra.com.br

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais

Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais Cristian Wagner de Souza* RESUMO: Neste artigo, busca-se uma reflexão sobre as novas perspectivas ao ensino/aprendizagem

Leia mais

O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA

O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA O USO DA CALCULADORA NO ENSINO DE ÁREA DE FIGURAS PLANAS NO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA Maurício de Moraes Fontes Escola Técnica Estadual Magalhães Barata ETEMB-PA. mauriciofontes@gmail.com Dineusa Jesus

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

inovação e ruptura, pois como correlata HERÉDIA (1998) para cada período econômico, têm-se objetivos educacionais claros, adequando-se a educação

inovação e ruptura, pois como correlata HERÉDIA (1998) para cada período econômico, têm-se objetivos educacionais claros, adequando-se a educação 1 A importância do perfil docente na mediação em EAD 05/2008 Kátia Cilene da Silva Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica - PGEdumatec Universidade Federal de Pernambuco UFPe kathyacs@hotmail.com

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Avaliação e monitoramento de atenção básica na Amazônia Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

DIDÁTICA NO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO DO FAZER DOCENTE NA UNIVERSIDADE. RESUMO

DIDÁTICA NO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO DO FAZER DOCENTE NA UNIVERSIDADE. RESUMO DIDÁTICA NO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO DO FAZER DOCENTE NA UNIVERSIDADE. (*) Lisete Diniz Ribas Casagrande (**) Ana Maria Faleiros RESUMO Trata-se do relato de uma experiência

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida *

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Mariene Helena Duarte¹, Maria da Gloria Bastos de Freitas Mesquita² marieneduarte@hotmail.com ¹ Graduanda em Química Bolsista Iniciação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS PROVA 16 / 2015 9 º ANO 3 º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final a nível de escola,

Leia mais

ANEXO II- TUTORES A DISTÂNCIA- VAGAS REMANESCENTES VAGA=CHAMADA EM 2014 CR= CADASTRO DE RESERVA

ANEXO II- TUTORES A DISTÂNCIA- VAGAS REMANESCENTES VAGA=CHAMADA EM 2014 CR= CADASTRO DE RESERVA 1 CURSO IE DISCIPLINA EMENTA DA DISCIPLINA HABILITAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA POLO Administração UFRRJ Direito Teoria do Direito e do Estado; Direito Constitucional; Direito Administrativo; Direito Ambiental;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen REGIMENTO 2011 Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Rua Monsenhor

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Palavras chaves: Monitoria, formação acadêmica e formação docente.

Palavras chaves: Monitoria, formação acadêmica e formação docente. POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DAS ATIVIDADES DE MONITORIA NA FORMAÇÃO DOS ESTUDANTES-MONITORES DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE Cícera Rodrigues do Nascimento 1 Mirian Lourenço

Leia mais

POSSIBILIDADES DE TRABALHO COM JOGOS NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

POSSIBILIDADES DE TRABALHO COM JOGOS NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 POSSIBILIDADES DE TRABALHO COM JOGOS NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO Alexandre José Krul Rubia Emmel Este estudo tem por objetivo refletir acerca do trabalho com jogos

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO Resumo Jaderson Felisberto Valério 1 - PUCPR Reginaldo Rodrigues da Costa 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais