Lendo mentes: estudo sobre o uso do neuromarketing para a. compreensão do comportamento do consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lendo mentes: estudo sobre o uso do neuromarketing para a. compreensão do comportamento do consumidor"

Transcrição

1 Lendo mentes: estudo sobre o uso do neuromarketing para a compreensão do comportamento do consumidor Gabriele Rodrigues (1), Benami Bacaltchuk (2) e Lucas de Oliveira (3) (1) Faculdade Meridional. (2) Universidade Passo Fundo. (3) Universidade de Passo Fundo. Resumo: O presente artigo apresenta como objetivo do Marketing a compreensão do comportamento do consumidor. Através desta compreensão, o Marketing é capaz de realizar sua função, que é realizar as necessidades e desejos dos consumidores. Consequentemente, ele acaba gerando aumento de mercado, fidelização dos clientes e propaganda realizada pelos próprios consumidores. Para que as táticas de Marketing e anúncios publicitários tenham resultados positivos, é necessário haver conhecimento sobre como o consumidor age no mercado e o que impulsiona seu consumo. No comportamento do consumidor, o indivíduo é analisado a partir do ambiente em que vive até o que constrói sua individualidade. Entre os fatores influenciadores de seu comportamento estão os aspectos culturais, sociais, pessoais e psicológicos. O Neuromarketing, ferramenta que estuda o comportamento do consumidor através de sua atividade cerebral, surgiu através das Neurociências. Em seus estudos, percebeu-se que muito do comportamento humano é impulsionado pelo inconsciente e, por isso, o indivíduo não sabe justificar suas ações. Como também, outros fatores biológicos, como o efeito viciante da dopamina e o funcionamento dos marcadores somáticos que se mostram extremamente influentes em nossas decisões de compra. O Neuromarketing não desacreditou nenhuma das teorias já existentes, pelo contrário, enalteceu-as trazendo a elas confirmações científicas. Palavras-chave: Publicidade; Marketing; Neurociência; Neuromarketing; Comportamento do Consumidor; Abstract: This paper presents the objective of marketing the understanding of consumer behavior. Through this understanding, Marketing is able to perform its function, which is to realize the needs and desires of consumers. Consequently, he ends up generating increased market, customer loyalty and advertising made by the consumers themselves. For the tactics of marketing and advertising have positive results, it is necessary to have knowledge about how the consumer acts in the market and what drives their consumption. In consumer behavior, the individual is analyzed from the environment in which it lives up to what builds your individuality. Among the influencing factors of their behavior are cultural, social, personal and psychological aspects. The Neuromarketing tool that studies consumer behavior through their brain activity, came through Neuroscience. In their studies, it was realized that much of human behavior is driven by unconscious and therefore the individual does not know justify their actions. As well, other biological factors, such as the addictive effect of dopamine and the functioning of somatic markers that show extremely influential in our purchasing decisions. The Neuromarketing not discredited any of the existing theories, however, praised them bringing them scientific confirmations. Keywords: Advertising; Marketing; Neurocience; Neuromarketing; Consumer Behavior;

2 1. INTRODUÇÃO O Marketing procura satisfazer as necessidades e desejos dos consumidores. Para isso, ele precisa compreender o que se passa na mente do consumidor. E a forma utilizada, era por observação do seu comportamento, análises psicológicas ou questionários respondidos pelos próprios consumidores. A partir de suas respostas era desenvolvido um produto/serviço ou realizada alguma campanha publicitária. Mesmo respondendo a todas as exigências coletadas nas pesquisas, muitas vezes, o produto/serviço não vendia. Complexo buscar entender como um produto/serviço criado especialmente para atingir as necessidades descritas pelos próprios consumidores não vende. Na área do comportamento do consumidor, existem muitas teorias e fatores influenciadores que são considerados responsáveis pelo consumo. Algumas destas teorias, como a Teoria Motivacional de Freud, afirmavam que os motivos e desejos encontram-se no inconsciente. Mas, se nossos impulsos, emoções e instintos, responsáveis por nosso comportamento encontram-se no inconsciente, não poderia ser previsto suas necessidades e desejos e como satisfazê-los. Isso, até o surgimento do Neuromarketing. Ferramenta que analisa a atividade cerebral e capaz de localizar o local exato do cérebro em atividade quando estimulado por fatores externos. O Neuromarketing quer mudar o Marketing e suas formas de análise e pesquisa. Por isso, este trabalho que foi desenvolvido a partir de análise bibliográfica, realizou sua análise através da comparação entre teorias já existentes na área da Psicologia e Marketing sobre o comportamento do consumidor e confrontadas aos dados científicos que o Neuromaketing acaba de nos apresentar. 2. MARKETING O termo marketing no Brasil foi traduzido como mercadologia. Entretanto, em inglês significa ação no mercado, possuindo assim uma conotação mais dinâmica e não apenas de estudos de mercado como sugere sua tradução, Las Casas (2009). Segundo Kotler & Armstrong (2006) o marketing inicia-se antes mesmo da empresa decidir o seu produto, afinal ela precisa desenvolver um produto que se adéqüe as necessidades dos seus clientes, fazendo com que as vendas tornem-se conseqüência de um trabalho realizado para suprir tais necessidades através do desenvolvimento, distribuição e promoção destes produtos. Em todas as suas atuações existe a busca por compreender, criar, comunicar e

3 principalmente gerar valor e satisfação aos seus clientes. Como afirmou Kotler & Armstrong (2006, p. 3) [...] marketing é a entrega de satisfação para o cliente em forma de benefício. Buscando entender as necessidades e desejos humanos Abraham Maslow, psicólogo americano, criou a Teoria da Motivação. Teoria esta que consiste em organizar de forma hierárquica as necessidades humanas. Aonde em sua base constam as necessidades básicas individuais e quanto mais próxima ao topo mais complexas tornam-se as necessidades. Por serem divididas em níveis, Maslow afirma que não se pode atingir o próximo nível das necessidades se o anterior não estiver suprido. Isso porque somos motivados por necessidades especiais que se determinam dependendo do momento vivido e mesmo que se atinja o topo não significa que estas motivações cessem, pelo contrário, isso faria com que elas aumentassem o nível na busca de satisfação. Seguindo este pensamento de insatisfação contínua, Arthur Schopenhauer (1819), defendia a ideia de que todo desejo surge de um anseio, de um sentimento de falta. No momento em que este desejo é saciado, ele transforma-se em felicidade. Após um tempo, esta euforia torna-se banal, pois não existe duração da satisfação, ela apenas impulsiona outro anseio. Tornando-se uma busca infinita. Seguindo as afirmações de Maslow e Schopenhauer de que os consumidores nunca extinguirão suas necessidades e desejos, no âmbito organizacional é preciso descobrir quais são estas necessidades para o desenvolvimento de um produto que corresponda a suas expectativas e possua um diferencial no mercado. Afinal, segundo Lamb Jr, Hair Jr. &Mcdaniel (2004, p. 12), Satisfação dos clientes é a percepção de que o produto atendeu ou excedeu às expectativas dos clientes. Possuir clientes satisfeitos é a chave para o sucesso empresarial. Porém, isso só é estabelecido após o cliente ser orientado e as atividades de marketing alinhadas de forma que alcance os objetivos que a empresa espera desempenhar. Assim, compreende-se o Marketing usa suas ferramentas para satisfazer seus consumidores, conseguir expansão no mercado e a fidelidade dos clientes já existentes. Como visto, este processo todo inicia muito antes do produto chegar ao mercado. Pois, para garantir seu sucesso de vendas existe toda uma pesquisa para descobrir quais são, ou serão, as necessidades e desejos dos seus clientes. Para, então, desenvolver um produto que alcance estas expectativas e deixe os consumidores satisfeitos. Mas, teria consciência os consumidores sobre quais seriam suas necessidades e desejos? Seriam eles capazes de afirmarem as razões pela qual desenvolvem

4 preferência em certo produto? A nova ferramenta que vem da área das Ciências Médicas, especificamente das Neurológicas, para ajudar a compreender o que se passa na mente do consumidor, está trazendo esclarecimentos também na área de Marketing. 3. NEUROCIÊNCIA O termo Neurociência é recente e refere-se à tentativa de compreensão do sistema nervoso. Como disse Lundy-Ekman (2004, p. 2) A neurociência é uma ciência relativamente nova, que trata do desenvolvimento, química, estrutura, função e patologia do sistema nervoso. A fundação da Sociedade de Neurociências (associação norte-americana de neurocientistas profissionais) nasceu apenas no ano de Porém, o estudo do encéfalo é tão antigo quanto a ciência propriamente dita, conforme afirmado por Bear et al (2008). Explicam os autores que o sistema nervoso formado pelo encéfalo, medula espinhal e os nervos do corpo, é essencial para a vida. Já que, graças a este sistema um indivíduo pensa, sente e se move. Os autores narram a história e desenvolvimento das Neurociências. E, explicam que esta concepção da importância do encéfalo, parece já ter sido compreendida por nossos ancestrais pré-históricos. Esta informação é baseada nos registros de crânios de hominídeos datando um milhão de anos, para mais, que apresentam lesões cranianas letais. Estas lesões infligidas por outros da mesma espécie, tinham a intenção de cura. Este processo denominado trepanação e é considerado o início das Neurociências. Os autores apontam quatro descobertas-chaves que ocorreram no período de cem anos em que o conhecimento adquirido sobre as funções do encéfalo foram maiores do que em toda a história até então. Descobertas que se tornaram fundamentais para o desenvolvimento sólido e embasado das Neurociências atuais. São elas: A primeira foi quando Benjamin Franklin, em 1751, lançou o folheto Experimentos e observações em eletricidade, trazendo uma nova perspectiva aos fenômenos elétricos. Luigi Galvani (cientista italiano) e Emil Du Bois Reymond (biólogo alemão) mostraram que os músculos podiam mover-se a partir de um estímulo elétrico nos nervos, e que eletricidade podia ser gerada pelo encéfalo. Segundo Bear et al (2008, p.9) O novo conceito era de que os nervos eram como fios que conduzem sinais elétricos do e para o encéfalo. A segunda descoberta-chave das Neurociências segundo os autores ocorreu quando Bell, em 1811, sugeriu que o cerebelo era responsável pela origem das fibras motoras enquanto o

5 cérebro seria pelas fibras sensoriais. Em 1823, Marie-Jean-Pierre Flourens fisiologista francês, utilizou de uma pesquisa no cérebro de animais para afirmar que o cerebelo participa na coordenação de movimentos, como também na participação do cérebro na percepção visual. Porém, foi Paul Broca (neurologista francês) quem conseguiu a atenção da comunidade científica em distinguir as regiões das funções cerebrais. Bear et al (2008, p. 11) diz: [...] hoje sabemos que existe uma clara divisão de trabalho no cérebro, com diferentes partes realizando funções bem distintas. Os autores apontam como terceira descoberta-chave a evolução do sistema nervoso. Charles Darwin, conhecido biólogo inglês lançou em 1859: A origem das espécies. Neste trabalho, ele explicava sua Teoria da Evolução Natural. Aonde defendia a idéia de que todas as espécies partiram de um ancestral comum e que as diferentes espécies surgiram através da seleção natural por meio do processo de reprodução. Neste processo, foi observado que algumas características físicas dos filhos eram diferentes das dos pais. Isso pelo fato, de que estas características são mais vantajosas para a sobrevivência. E através da reprodução, a característica era passada para os descendentes. Foi assim que surgiram as diferenças entre as espécies. Darwin considerava o comportamento uma característica que poderia ser herdada. Lembram os autores, que alguns traços comportamentais existem exclusivamente para adaptação em um ambiente. Tais adaptações espelham-se na estrutura e funções do encéfalo das diferentes espécies. Estas diferenças na estrutura após serem comparadas, esclareceram aos neurocientistas sobre quais partes do encéfalo são responsáveis pelas variadas funções comportamentais. A quarta descoberta considerada pelos autores, ocorreu graças a um aperfeiçoamento no aparelho microscópico no começo do século XIX. Este aperfeiçoamento proporcionou aos cientistas a possibilidade de análise dos tecidos animais de forma mais detalhada. Assim, Theodor Schwann (zoologista alemão) em 1839, propôs a teoria celular. Esta teoria afirmava que os tecidos seriam compostos por unidades microscópicas (células). Segundo o autor, a partir da década de 1970 desenvolveram novas técnicas para adquirir imagens da medula espinhal e do encéfalo em vida, sem que sofressem interferência do crânio e vértebras. Tais técnicas dispuseram de informações fisiológicas quanto patológicas nunca antes obtidas. Passaram a ser realizadas análises computadorizadas de imagens do sistema nervoso através da tomografia computadorizada axial (TCA), tomografia por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética (RM). O exame TCA mostra a densidade das áreas do sistema nervoso.

6 No exame PET, o computador gera uma imagem que indica indiretamente a atividade das células nervosas. E a RM produz ótimas imagens em 3D dos tecidos do sistema nervoso além, de mostrar o fluxo sanguíneo que apontam atividade. Estas técnicas são usadas atualmente, porém de forma mais elaborada e com melhor desempenho. Mesmo tendo seu início na pré-história, as Neurociências ainda estão em descoberta. Mas, o que fica evidente, são as inúmeras possibilidades de descobertas e o amplo alcance em outras áreas que as Neurociências podem trazer algum esclarecimento. Sendo o Marketing uma destas outras áreas. 4. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Comportamento do consumidor é o estudo que tem como objetivo, compreender o comportamento das pessoas e quais são suas necessidades, desejos e motivações. É a busca pelo entendimento de como ocorre o processo de compra. Como ele é realizado, quando e por que. São as atividades que os indivíduos ocupam-se quando obtêm, consomem e dispõem de produtos/serviços. Como o conceito apresentado por Schiffman & Kanuk (2000) é como um indivíduo decide gastar seu tempo, esforço e dinheiro em um item relacionado a consumo, englobando o que compram, onde compram, com que freqüência e onde realizam a compra. Muitos são os fatores a serem analisados para chegar a compreensão do comportamento do consumidor. Afinal, o ser humano é um ser muito complexo e que sofre muitas influências sobre suas decisões. Cada ser humano é único. É através de sua individualidade, características próprias e diferentes influências sofridas durante a vida, que cada pessoa desenvolve sua singularidade. Além disso, suas intenções e motivações são desconhecidas. Por este motivo, o consumidor é considerado um iceberg. Por esconder embaixo da superfície o que realmente o impulsiona. Ainda segundo os autores, para compreender o que fica submerso no comportamento do consumidor deve ser feita uma análise profunda de seus motivos. Este modelo de análise pode ser comparado a Teoria Motivacional do pai da psicanálise, Sigmund Freud, que utilizou de um iceberg para ilustrar a mente humana. Esta teoria também aponta as motivações como sendo responsáveis pela aceitação ou rejeição de bens de consumo e produtos. Quando Freud estabeleceu as três instâncias psíquicas (id, ego e superego) as considerou responsáveis pelo comportamento humano e julgou que analisar apenas os aspectos observáveis no ser humano era superficial. Por isso, aprofundou-se no lado obscuro da mente e a dividiu em: consciente e inconsciente, tendo como sua estrutura, as suas três instâncias citadas

7 anteriormente, sendo elas: id (fonte da energia psíquica dos impulsos primitivos), ego (ligado a realidade, regula os instintos selvagens do id) e o superego (representação interna das proibições sociais), como explicado pelo autor Serrano (2010). Analisando ambas teorias, percebemos que, o topo do iceberg refere-se ao comportamento e, segundo Freud, é a parte referente ao consciente. Pode-se compreender assim, que o movimento visto no mercado (ação) é um ato consciente do consumidor. Para Freud, a ponta do seu iceberg que é formada pelo Ego e Superego, segundo Ballone (2012) trata-se da parte superficial da mente. Relacionando esta afirmação com o fato de que está mesma parte representa a ação no mercado do consumidor, conclui-se que esta ação não apenas é o resultado de um processo como também a parte mais insignificante dele. Já que, a parte submersa que contém as motivações que levam a ação (comportamento), na Teoria da Motivação de Freud esta mesma parte representa a parte do inconsciente da mente. Significando, assim, que os motivos que levam a ação (comportamento) são desconhecidos por encontrarem-se no inconsciente da mente humana. O Comportamento do Consumidor é um estudo extremamente complexo e impreciso. Isso baseado no fato de que o ser humano, não só é exposto a muitas informações que podem influenciar seus julgamentos, como cada pessoa pode reagir de forma completamente oposta às outras mesmo que sofra as mesmas influências. Porque nós, seres humanos, possuímos diferentes experiências e interpretamos e reagimos a elas criando uma visão sobre o mundo, que pertence apenas a nós mesmos. 5. NEUROMARKETING O Neuromarketing surgiu pelo final da década de 1990, nos EUA. Quando em um estudo acadêmico, os pesquisadores utilizaram de máquinas de ressonância magnética para estudos de Marketing, ao invés, de estudos Médicos. Segundo Cavaco (2010), o responsável por denominar este estudo foi Ale Smidts, professor de Marketing da Erasmus University, na cidade de Roterdã, na Holanda. A denominação recebida representa a união da Ciência e o Marketing (Neurociência + Marketing = Neuromarketing). Esta nova ferramenta de análise, possui como finalidade esclarecer o consumo através do estudo de reações neurológicas, quando exposto a certos estímulos externos Lindstrom (2009). Significa, que ele é capaz de revelar quais são os pensamentos, sentimentos e desejos que estão em nosso inconsciente, impulsionando nossas decisões de compra. Por isso, a ferramenta,

8 mostrou-se relevante no momento em que os profissionais da área, conscientizaram-se de que o comportamento do consumo é inconsciente em 90% dos casos, segundo estudos do autor. Como um dos fatores biológicos influentes em nosso comportamento, temos os neurônios-espelhos. Trata-se de neurônios que se ativam quando o indivíduo realiza uma ação ou quando apenas a observa ser realizada. Lindstrom (2009) esclarece que eles não se ativam quando observam qualquer ação, apenas quando ela envolve algum objeto. Os neurônios espelhos motivam a compra, muitas vezes, em ensejo do Marketing e da Publicidade. Pois, estas áreas buscam criar uma identidade/atitude aos seus produtos, e quando os consumidores vêem os seus anúncios optam por comprar aquele produto pensando em adquirir aquela imagem. Porém, o autor completa, dizendo que os neurônios-espelhos não agem sozinhos. Eles são ligados a ação da dopamina (substância química cerebral relacionada ao prazer). Esta substância, para os seres humanos, é uma das mais viciantes. Quando o indivíduo decide comprar algo, a dopamina inunda o seu cérebro de prazer, causando uma sensação de bem-estar. O processo de decisão de compra, segundo o autor, demora menos de 2,5 segundos. Engana-se concluir que por ocorrer rapidamente não exista um motivo em suas escolhas. O nosso cérebro cria atalhos, que rapidamente fazem conexões inconscientes e resultam em ações. Estes atalhos são chamados de marcadores somáticos. Eles reúnem as experiências anteriores relacionadas à recompensa e punição e, assim, relacionam experiências ou emoções a reações. O estudo de Neuromarketing, foi realizado através do uso do aparelho de Imagem por Ressonância Magnética Funcional (IRMf). O IRMf mede as propriedades magnéticas da hemoglobina, um dos componentes dos glóbulos vermelhos do sangue. Sendo estes, responsáveis pelo transporte do oxigênio no corpo. Resumidamente, o aparelho mede a quantidade de sangue oxigenado no cérebro e, é capaz de identificar precisamente uma área tão pequena quanto um milímetro. Quando uma área do cérebro está muito oxigenada quer dizer que ela está trabalhando, e no exame está área se acende em vermelho-fogo podendo ser distinguida das demais. Era isso, que os pesquisadores precisavam para poder determinar que áreas específicas eram acionadas em determinados momentos e então, obter respostas sobre a reação causada por cores, aromas, sons, etc. e como elas são percebidas e sentidas. Sejam estas sensações de atração, repulsa ou motivação. Lindstrom (2009) em sua pesquisa optou por combinar o método da IRMf e a topografia de estado estável (TEE). Estas escolhas baseiam-se no fato de nenhum dos exames serem

9 invasivos ou envolverem radiação. Além de ambos, possuírem maior precisão do que qualquer outro instrumento disponível. É necessário ressaltar que este é o início do Neuromarketing e que nos próximos anos espera-se progresso nesta ciência. Para o Marketing e a Publicidade aguarda-se que ele ajude a prever direções, tendências e movimentações do mercado e dos consumidores. Para os consumidores, esclarecimento sobre como funciona o seu cérebro no processo de decisão de compra ou referente às técnicas do Marketing e dos anúncios da Publicidade. Conhecendo quais são suas motivações e impulsos, protegendo-se dos ataques do mercado. Para o autor (p. 175) [...] esse é um mundo no qual nós, consumidores, podemos escapar de todos os truques e armadilhas que as empresas usam para nos seduzir e nos fazer comprar seus produtos e no qual podemos voltar a agir racionalmente. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como apresentado neste estudo, o objetivo do Marketing é compreender o comportamento do consumidor. Para assim, realizar sua função de satisfazer as necessidades e desejos dos consumidores. Quando um consumidor tem sua necessidade ou desejo realizado de forma satisfatória, ele passa a sentir-se seguro e confortável em relação à empresa/marca que proporcionou a saciedade. Esta empresa será sua preferida e será criado um vínculo emocional, tornando a decisão de compra uma decisão emocional. O Neuromarketing permitiu relacionar-se com teorias já existentes. A Teoria da Motivação de Maslow, complementada pelas idéias do filósofo Schopenhauer, afirma que ao realizar um desejo/necessidade tem-se uma passageira sensação de bem-estar, mas que logo o indivíduo sente-se motivado a buscar a solução para outro anseio, tornando-se uma busca infinita para o ser humano. Funcionamento comparado aos efeitos da dopamina. Outra teoria também sustentada pelos estudos do Neuromarketing, foi a Teoria da Motivação de Freud. Esta teoria ilustra o consumidor como um iceberg. Freud compara o consumidor ao iceberg relacionando o topo do iceberg ao comportamento do consumidor no mercado. Enquanto a sua parte submersa representa as motivações e impulsos que causam este comportamento. Nas pesquisas do Neuromarketing, transpareceu o quanto as motivações e comportamentos encontram sua fonte no inconsciente e compreendeu-se que 90% do comportamento do consumidor ocorre de forma impulsiva.

10 Este avanço na compreensão de como ocorre o comportamento do consumidor, não traz benefícios apenas para as áreas de Marketing e Publicidade. Evidencia-se que os elementos indutores do consumo estão diretamente relacionados às características individuais, não existindo separação entre o consumidor e as outras características presentes no indivíduo. Conclui-se, que estes estudos esclarecem não apenas o comportamento relacionado ao consumo,como o comportamento em geral. E compreender o comportamento do ser humano pode trazer benefícios para inúmeras outras áreas. Conclui-se que o Neuromarketing apenas acrescentou ou reafirmou as teorias já existentes sobre o comportamento do consumidor. É uma ciência nova, que tem muito o que progredir e aperfeiçoar-se. Mas, os conceitos inovadores que já trouxe, bastaram para conseguir atenção e respeito pelos profissionais de Marketing e Publicidade. E como afirmou Lindstrom (2009, p. 167) A ciência são fatos irrefutáveis, a palavra final. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEAR Mark F.; CONNORS Barry W.; BRADISO Michael A. Neurociências: Desvendando o Sistema Nervoso 3ª Edição Porto Alegre Ed. Artmed 2008 CAVACO, Nanci Azevedo. Consumismo é coisa da sua cabeça: O poder do Neuromarketing. 1ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. - 9ª Edição - São Paulo Ed. Prentice Hall LAMB, Charles W. Jr., HAIR, Joseph F. Jr., MCDANIEL, Carl. Princípios do Marketing - 2ª Edição - São Paulo Ed. Pioneira Thomson Learning LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing - 8ª Edição - São Paulo - Ed. Atlas LINDSTROM, Martin. A lógica do consumo.1ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LUNDY-EKMAN Laurie. Neurociência: Fundamentos para a reabilitação 2ª Edição Rio de Janeiro Ed. Elsevier 2004 SCHOPENHAUER, Arthur. (s.d.).o mundo como vontade e representação (Trad. M. F. Sá Correia) - Porto, Portugal: Rés - Texto original publicado em 1819) REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS SERRANO, Daniel Portillo. A motivação e teoria de Freud. Em: 18 agosto <http://www.portaldomarketing.com.br/artigos/freud%20motivacao.htm>acesso em: 31 outubro 2012.

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas MBA em Gerenciamento de Obras Salvador, março de 2008 Avaliação da Satisfação dos Clientes Prof. Margaret Souza

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA Carolina Madsen Beltrame 137 Faculdade De Artes Do Paraná

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

02/04/2013. Glândula Pineal. Fernanda

02/04/2013. Glândula Pineal. Fernanda Fernanda 1 O PAPEL DA MENTE A mente permanece na base de todos os fenômenos mediúnicos. F.C.Xavier/André Luiz: Nos Domínios da Mediunidade, cap.1, p. 15-16) É o espelho da vida em toda a parte. Emmanuel

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS

UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS UM ESTUDO SOBRE INTERFACE CÉREBRO COMPUTADOR E SUA UTILIZAÇÃO EM DISPOSITIVOS ROBÓTICOS Guilherme Rodrigues Ribeiro¹, Wyllian Fressatti¹, José de Moura Júnior¹ 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975.

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975. Desenvolvimento Ocupacional 25/04/2011 ARAUJO, L; CALVOSA, M. Relações de Trabalho: Planejamento e Novas Oportunidades de Carreira para o Trabalhador. In: Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Construção de Marcas - Caso It's¹ Bruna MELO² Marília DIÓGENES³ Ms. Maria Iglê de MEDEIROS 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este estudo mostra o desenvolvimento da criação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO

COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO 1 COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE FREUD E MASLOW SOBRE OS ESTÍMULOS PARA O CONSUMO MARQUES, Juliana 1 Resumo: o objetivo deste artigo é comparar duas teorias largamente difundidas que procuram explicar

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR: OS FATORES QUE AFETAM O PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR: OS FATORES QUE AFETAM O PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR: OS FATORES QUE AFETAM O PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA ALMEIDA, Adriano Ferreira de OLIVEIRA, Márcio dos Santos MORAIS, Paula Luane de Almeida OLIVEIRA, Vinicius Nicacio KAULFUSS,

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Marketing Olfativo. Aromatizadores

Marketing Olfativo. Aromatizadores & Aromatizadores Cenário Marketing Olfativo O efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes. Fonte - Melinda Davis A Nova Cultura

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL

ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL MAIA, Marianne Pelegi Acadêmica do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde de Garça (FASU). e-mail: mariannemaia@yahool.com.br

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio:

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio: 1. Conceitos de sistemas Conceitos da Teoria de Sistemas OPTNER: É um conjunto de objetos com um determinado conjunto de relações entre seus objetos e seus atributos. TILLES: É um conjunto de partes inter-relacionadas.

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente

Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente AULA 2 Marketing Marketing cria ou satisfaz necessidades e desejos??? Argumente Para Peter Drucker, um dos principais pensadores da administração: O objetivo do marketing é tornar a venda supérflua. É

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 3º T 03 EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 3º T 03 EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Superior em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA RESUMO: Apresentar a responsabilidade social relacionada ao planejamento estratégico de uma organização do ramo varejista de móveis e eletros da cidade de Guarapuava,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO: objetivo do livro. O ambiente pro ssional (mercado): veículos, agências, empresas privadas

Leia mais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais MARKETING DE VENDAS Alcioni João Bernardi Prof. Ivanessa Felicetti Lazzari Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0130) Prática do Módulo IV 27/11/12 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva

Aprendizagem. Liliam Maria da Silva Liliam Maria da Silva O Consumidor como um ser aprendiz A aprendizagem é um processo de adaptação permanente do indivíduo ao seu meio ambiente, onde acontece uma modificação relativamente durável do comportamento

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais