PG Lean Management Módulo Lean Supply Chain Management

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PG Lean Management Módulo Lean Supply Chain Management"

Transcrição

1 PG Lean Management Módulo Lean Supply Chain Management Grupo 3 Amélia Maganinho // Carlos Rajão // Tiago Reitor Relatório do trabalho final COMUNIDADE LEAN THINKING 6 de Junho de 2015

2

3 INDICE 1. Introdução Caracterização do modelo SCOR Descrição do modelo Processos Níveis de detalhe Vantagens e limitações do modelo Comparação entre pensamento Lean e o modelo SCOR Eemplos de aplicação SCOR Conclusão Bibliografia... 20

4 1. Introdução A Gestão da Cadeia de fornecimento (Supply Chain Management) tem se transformado rapidamente, em uma importante fonte de vantagem competitiva entre empresas que atuam em torno de um mesmo negócio. De um modo geral, pode se afirmar que a logística e a gestão da cadeia de fornecimento, são processos fundamentais na busca pela diferenciação nos mercados altamente competitivos dos dias de hoje. Nesse conteto muitas organizações têm procurado repensar as suas estratégias competitivas além das fronteiras organizacionais. Esta refleão vem eigindo entendimentos cuidadosos de como os integrantes do sistema interagem entre si e com o ambiente eterno. No entanto, muitas vezes, essas aplicações ocorrem sem uma prévia discussão dos objectivos das mesmas, das suas limitações e alcances. Os modelos de referência das operações, de forma geral, não fogem a essa regra, sendo utilizados sem o entendimento do que se pode etrair com a aplicação do mesmo e, principalmente, das suas restrições quanto à especificidade de cada operação. Para ajudar as organizações a aumentar a eficácia da sua cadeia de suprimentos a apoiar a gestão baseado nos processos de negócios a Supply-Chain Council SCC (1996), juntamente com outras empresas líderes nos EUA criaram o modelo SCOR (Supply Chain Management Operations Reference Model), que foi testado e ajustado em diferentes segmentos da indústria, e em 1997 tornou-se o modelo de referência. Segundo Stewart (1997) o modelo fornece terminologia comum e padroniza a descrição dos processos. O modelo de referência, como apelidado, SCOR Supply Chain Operations Reference - tem como finalidade compreender as relações e fluos físicos, informação, trabalho e de capital entre os seus elos, sugerindo as melhores práticas encontradas no mercado. Este modelo tem sido usado por diversas empresas parceiras ao logo dos anos, pois tem como finalidade padronizar processos de negócio com métricas de avaliação, boas práticas e implementações de tecnologia, de forma a verificarem-se melhorias rápidas e a aumentar a eficácia de toda a cadeia de fornecimento.

5 2. Caracterização do modelo SCOR 2.1 Descrição do modelo Na base da sua criação o modelo SCOR foi pensado e criado com o objectivo de conceber o modelo ideal da cadeia de valor. Desta forma o modelo SCOR foi definido como uma referência de processos standard da cadeia de valor, e tem sido optimizado. Com o modelo SCOR a identificar uma descrição unificada, é possível considerar análises e avaliações de cadeias de valor, não só entre empresas mas também ao longo de vários sectores industriais. O modelo SCOR pode então ser usado em três eercícios: Avaliar e comparar cadeias de valor; Analisar e se necessário optimizar cadeias de valor entre os seus parceiros; Determinar utilizações de software por forma a controlar e facilitar a organização das cadeias de valor. Nesta área o conceito inicial é que toda a produção ou rede logística pode ser descrita usando cinco processos base: Planeamento Abastecimento Produção Distribuição Devolução Desta forma, juntando estes processos numa rede global, ou seja na cadeia de valor, é possível definir relações entre cliente e fornecedor. Outro factor é a definição de métricas para a avaliação da performance dos processos da cadeia de valor.

6 2.2 Processos O Modelo SCOR representa e analisa a SupplyChain através da abordagem de processos de gestão, abrangendo a totalidade da SupplyChain. FONTE: Kulwant, Ma, Michael and Ramandeep Esta abordagem permite estabelecer o alinhamento estratégico e sincronizado entre os processos internos e/ou eternos - através da definição de indicadores de referência relacionados com o desempenho dos processos de todos os parceiros da SupplyChain. A definição de objectivos concretos é possivel através da recolha de diversa e importante informação, apartir da qual com métricas padronizadas e mensuráveis, assim como, medidas de comparação podemos equipará-las aos modelos das melhores prácticas de gestão. Desta forma, estabelece-se um padrão de linguagem entre todos os parceiros envolvidos, assim como, uma eficaz gestão das suas competências, no sentido de gerar valor para o cliente e seus stakeholders. O modelo SCOR baseia-se em cinco processos de management distintos, como se pode observar na figura seguinte: Processos de management da SupplyChain (FONTE: SupplyChai Council)

7 Segue-se uma breve descriçao de cada processo. 1. Planeamento Processo que visa a análise de toda a cadeia, desde as compras até à produção e distribuição dos produtos, tendo em conta, as necessidades de recursos e requisitos/necessidades dos clientes. Nesta fase, são definidos os indicadores de desempenho da SupplyChain (KPI s), tendo em conta as normas e regulamentos legais do respectivo sector de atividade. O âmbito de actuação do SCOR define-se sempre em relação à concorrência. Neste processo, além dos indicadores são definidas as melhores soluções para as áreas de armazenamento/stocks, de compras, produção, distribuição e devolução, contabilizando tais aspectos com os planos financeiros e de marketing da organização. 2. Abastecimento Processo que relaciona as compras de matérias-primas e sua infra-estrutura ao longo de toda a cadeia logística. Incluem-se a fase de identificação e avaliação de fornecedores para obtenção dos materiais necessários para eecução dos planos de produção, assim como, a gestão de indicadores de desempenho e contratos. 3. Produção Processo que analisa as diversas actividades internas da programação da produçao de um produto, processos de transformação e montagem, através da utilização de recursos, os bens e serviços de forma a poder cumprir os planos de produção. 4. Distribuição Considerado o processo mais etenso visando a gestão dos pedidos dos clientes, a logística de armazenamento, faturação, epedição e distribuição de produtos acabados, incluindo a gestão de stock de peças sobresselentes durante o ciclo de vida dos produtos. 5. Devolução Processo que analisa a devolução de produtos originários de qualquer ponto da cadeia, que sejam considerados fora de especificações. Esta analise, inclui também os retornos de materiais utilizados nos processos internos da empresa que por problemas de qualidade, por eemplo, têm de ser devolvidos aos fornecedores. Compreende igualmente as atividades ligadas a logística inversa de produtos vendidos aos clientes.

8 Processos de apoio Não são considerados como processos de management da Supply chain, no entanto, são os responsáveis por preparar, manter e gerir as informações, assim como, os relacionamentos necessários para a realização dos processos de planeamento e produção. Nestes processos, são destacadas actividades, tais como: avaliação de Performance, gestão de dados dos activos, gestão de stocks e transportes, gestão de regras estabelecidas e normas regualmentares e, por fim, a gestão da configuração da SupplyChain. FONTE: Douglas M. Lambert, Martha C. Cooper, Janus D. Pagh, Supply Chain Management: Implementation Issues and Research Opportunities, The International Journal of Logistics Management, Vol. 9, No. 2, 1998, pp. 2. Através da figura anterior, é possível observar que o modelo pode ser agrupado em três tipos de processo: planeamento, produção (que engloba abastecimento, produção, distribuição e devolução) - onde se pode observar as interacções entre os processos referidos anteriormente e, os serviços de apoio.

9 2.3 Níveis de detalhe O SupplyChainCouncil (SCC) é uma organização global, independente e sem fins lucrativos, situada no estado do Teas, Estados Unidos da América e que está aberto a todas as empresas e organizações interessadas em melhorar o sistema de gestão da cadeia logística. Como contrapartida, as empresas associadas pagam uma pequena taa anual para apoiar as actividades do Conselho, tendo acesso na página oficial de internet a todas as actualizações efectuadas no modelo SCOR, documentação relacionada, etc. O modelo apresenta quatro níveis diferentes de detalhe na sua implementação, desde os processos de gestão da SupplyChain até as atividades detalhadas dos processos. Hierarquizção dos niveis de detalhe (FONTE: SupplyChain Council) De uma forma geral, no nível I são incorporadas métricas estratégicas e nos níveis II IV são incorporadas métricas de desempenho. Nível I - Definição dos processos Os cinco processos apresentados anteriormente correspondem ao Nivel I do modelo SCOR. No nível I as métricas são primárias e o desempenho em relação à concorrência é medido nos diversos processos do SCOR (Planeamento, Abastecimento, Produção, Distribuição e Devolução).

10 A escolha dos Indicadores (KPI s) é, nesta fase, de etrema importancia e deve reflectir o core Business, pois será o refleo do real desempenho na auto-avaliaçao da SupplyChain e ainda o que permeite posicionar cada empresa em relação aos seus concorrentes directos. A seguir, alguns cuidados na escolha dos indicadores que consideramos importante ter em conta: Escolher criteriosamente apenas os necessários, sob pena de se perder o foco; Conhecer o seu significado - perceber se são verdadeiramente relevantes para a análise. Ser compreensíveis para os colaboradores na organização todos têm que estar envolvidos em atingir os resultados; Eplorar e compreender os factores que influenciam os resultados Fazer benchmarking e conhecer os indicadores das empresas diretamente concorrentes; Identificar processos ineficientes e/ou que necessitam de ser melhorados - garantir que as acções não vão afectar negativamente outros processos; Na tabela abaio alguns eemplos de métricas estratégicas utilizadas: Atributo de Performance Desempenho distribuição Confiança Visão Cliente Capacidade de Resposta Visão Interna Fleibilidade Custo Activos Cumprimento de Ordens Realização Lead Time Tempo de resposta Supply-Chain Fleibilidade produção Gestão de Custos Supply-Chain Custos de produtos vendidos Criação de valor da produtividade Custos associados do processos de devolução Tempo de ciclo Cash-to-Cash Retorno de Activos Dias de Stock de Abastecimento FONTE: SupplyChain Council

11 Nível II - Configuração Neste nível definem-se, então, as categorias de processos constituintes da cadeia logística. E, são configuradas as operações das organizações usando os cinco processos, separando-os em diferentes categorias, visando descobrir ineficiências e nivelar o canal, podendo analisar e avaliar o impacto de um potencial aperfeiçoamento. A tabela a seguir mostra a relação entre esses três tipos de processos e os processos do SCOR definidos no primeiro nível. FONTE: Supply Chain Council Nível III - Elementos dos processos Nesse nível, são identificados os elementos dos processos configurados no nível II, estabelecendo indicadores de desempenho, para acompanhamento das tarefas efectuadas durante a eecução dos processos; É também definido o fluo de entradas e saídas dos elementos dos processos, a origem das entradas e o destino das saídas.

12 A figura abaio ilustra um eemplo deste nível. Eemplo Fluo de elemento do processo - Nível III Modelo SCOR São agrupados objectivos de melhoria de desempenho da supplychain e são definidos os elementos dos processos, desenvolvendo indicadores e procurando as melhores práticas. Indicadores de Desempenho do Processo Recursos e Requisitos da SupplyChain Boas Practicas do Processo Recursos e Requisitos da SupplyChain

13 Nível IV - Implementação O nível IV foi definido para atingir vantagem competitiva e adaptar as diferentes condições de mudanças do negócio, focando-se no aperfeiçoamento das ações. Aqui são, portanto, definidas com detalhe as tarefas de cada actividade do nível III, com base nos processos, práticas e detalhes operacionais incluidos em sistemas particulares correspondentes a organização. Só desta forma se podem definir as boas práticas a seguir, focando-se nas melhorias na cadeia intra e interempresa e pela definição de prioridades de intervenção. Uma vez que as mudanças e acções de melhoria são particulares e singulares de cada empresa, os elementos específicos deste nível não estão definidos dentro de um modelo padrão, pelo que, deve ser adaptado às especificidades de cada organização. Portanto, este nível apresenta-se esquematizado fora do campo de acção do SCOR. Vejamos a seguir um esquema do modelo SCOR, resumindo cada nivel de detalhe do processo, abordados anteriormente. FONTE: Supply Chain Council

14 3. Vantagens e limitações do modelo Sendo um modelo de referência, algumas das vantagens identificadas na adopção do modelo são: Possibilidade de implementação em diferentes indústrias; É de fácil implementação e também funcional como ferramenta de gestão; Facilita uma visão global da organização, possibilitando todo o seu desenvolvimento; Avalia o desempenho da SupplyChain através da utilização de métricas mensuráveis; Possibilidade de comparação do desempenho da empresa com as melhores práticas de mercado, suportando desta forma programas de melhoria contínua; Definição padrão da gestão da SupplyChain; Permite obter um ponto de referência comum entre os membros da equipa e eecutivos; Estabelece uma linguagem comum que permita a comunicação entre os parceiros de SupplyChain; Promove a transparência da cadeia, suportando o mapeamento dos fluos de materiais e informação; Obtenção de beneficios em qualquer área de negócio Embora este modelo apresente uma ampla abrangência da supplychain, o mesmo não contempla todas as actividades e processos de negócios. Desta forma, áreas de vendas e marketing, pesquisa e desenvolvimento tecnológico e de produto, eventuais processos de pós venda, veêm-se assim ecluidos desta analise. Considera-se de igual forma, um ponto fraco, que as áreas de recursos humanos, formação e controlo da qualidade, que embora implícitas no modelo, não são directamente abordadas.

15 4. Comparação entre pensamento Lean e o modelo SCOR Tanto o pensamento Lean como o modelo SCOR apresentam pontos de contacto que podem potenciar a criação de valor das empresas e gerar grandes benefícios para a gestão da cadeia de fornecimento, designadamente ao induzir uma perspectiva mais integral de todos os aspectos relacionados com o fornecimento. Pontos fortes e fracos da metodologia Lean e modelo SCOR

16 Conforme fica evidente na figura anterior o modelo SCOR tem como grande característica orientar o foco da empresa para a estratégia do negócio e o alinhamento dos processos, ao passo que o pensamento Lean como tem por base a tomada de decisão baseada em factos e números quantificados pelas análises às causas-raiz dos problemas. Sendo assim é possível afirmar que o pensamento Lean e o modelo SCOR se apresentem como importantes aliados na melhoria da SCM e em alguns aspectos complementares. A figura anterior também apresenta o modelo SCOR como uma ferramenta para as empresas na eecução de muitas das decisões macro que afectam a estrutura geral das suas cadeias de fornecimento e, consequentemente, o desempenho destas e o Lean enquanto utensílio para uma abordagem de melhoria contínua. O modelo SCOR é ainda aplicado para análise ou concepção da cadeia de fornecimento global, cada uma das empresas nela inserida poderá aplicar o VSM para mapear os seus fluos-chave (os quais são específicos a cada empresa, e que o modelo SCOR ecluí). De acordo com João Paulo Pinto, as empresas que estão comprometidas com a melhoria do desempenho da sua cadeia de fornecimento, têm uma dificuldade comum, que é estabelecer o ponto de partida para a sua implementação. Ainda segundo o autor, a aplicação do modelo serve para conhecer a fundo o funcionamento da cadeia e numa fase posterior entra o pensamento Lean, para alinhar a estratégia da empresa com as necessidades do cliente, que deverá ser alvo de um intenso processo de auscultação das suas reais necessidades (VOC)

17 5. Eemplos de aplicação SCOR Tipicamente os ganhos na cadeia de valor de uma empresa que utilize o modelo SCOR para agilizar os seus processo são bastante abrangentes, vão desde benefícios na área da própria cadeia de fornecedores, como também em áreas mais a montante como a redução de stocks. De seguida e para concretizar de forma mais prática estes outputs apresentamos dois eemplos de resultados obtidos por empresas que adoptaram o modelo SCOR: 1. Empresa líder global do sector óptico Desafio: Uma empresa que factura 370,2M, focada em aumentar rapidamente um crescimento nas vendas, mantendo a rentabilidade necessária para identificar medidas que possibilitem a redução do seu inventário. Isto, optimizando o seu stock e por outro lado melhorando a satisfação do cliente em Order Fulfillment Cycle Time (OFCT) e On-Time Delivery (OTD), ou seja planear e gerir de forma proactiva, garantindo o equilíbrio entre o nível de serviço e o seu custo. Acções implementadas: Usado SCOR para identificar Gaps de desempenho entre o actual e o desejado; Usado SCOR para identificar processos disfuncionais e projectos necessários à melhoria; Priorização de projectos com base no impacto potencial e os valores de esforço / risco. Ganhos Obtidos: Custo geral de inventário reduzido de 59M para 38M em 10 meses. Redução de 47% de dias de stock relativos à situação inicial.

18 2. Empresa Farmacêutica em franco crescimento Desafio: Empresa com crescimento sustentado e significativo nos últimos 5 anos. Este crescimento, juntamente com a migração para um novo ERP e a reclamação de alguns clientes, despoletaram uma avalanche de oportunidades de melhoria e criaram as condições perfeitas à aplicação do SCOR Acções implementadas: Estabelecido o processo de avaliação; Aplicação de SCOR durante 17 semanas; Criado portefólio de 50 melhorias nas áreas chave; Implementado programa drivechain, com melhorias que foram a base da transformação de toda a empresa. Ganhos Obtidos: Vendas por trabalhador aumentaram 20%. Custo das mercadorias vendidas reduzido em 10%. Os dias de stock da cadeia de abastecimento melhorados em 20%. Ciclo de Cash-to-cash melhorou em 15%. Distribuídos aos accionistas: 4,1M USD, taa interna de retorno de 300%.

19 6. Conclusão A incerteza e a compleidade inerente à actividade económica e a eigência dos mercados num conteto cada vez mais global e competitivo faz com que a gestão das cadeias de abastecimento seja absolutamente fulcral para a estratégia das empresas. Uma estratégia focada na criação de valor para o cliente final, no acompanhamento das tendências de mercado e na eliminação dos desperdícios são hoje mais do que uma necessidade uma abordagem verdadeiramente vital para a sustentabilidade das empresas. O modelo SCOR, conforme tivemos oportunidade ao longo do presente relatório, é uma abordagem que suporta a tomada de decisão baseada em dados concretos e que auilia na compreensão da organização e dos seus processos. Ao mapearmos os processos como ponto inicial (as is) e projectando o estado ideal futuro (to be) de encadeamento de actividades da empresa, permitimos não só alinhar o negócio com a estratégia da cadeia de fornecimento mas também com o mercado e com as necessidades do cliente. As vantagens, também assinaladas oportunamente no capítulo 3, considera designações padrão que permitem uniformizar a linguagem de comunicação entre os elos da cadeia e também métricas (KPI s) comuns ao longo dos vários níveis da cadeia de fornecimento, fruto da aplicação de benchmarking e das boas práticas do SCM. Em termos de limitações podemos afirmar que o forte cariz generalista e abrangente da sua abordagem, origina nas empresas muitas dificuldades, nomeadamente, saber onde estabelecer um ponto de partida para a sua implementação. Não obstante, o modelo identificar as melhores práticas genéricas do mercado para que a empresa se possa comparar e posicionar de forma mais estratégica, não eiste um padrão para analisar o impacto da utilização dessas melhores práticas na eficiência operacional global da empresa e na estrutura de custos da empresa. Um outro dado bastante preocupante deste modelo prende-se com a escolha dos indicadores, na medida em que, a generalidade dos kpi pode induzir à iniquidade da aplicação do modelo. No que diz respeito à realidade nacional e ao panorama que podemos encontrar a nossa pesquisa revelou que na generalidade os serviços de TI e os próprios sistemas ERP adoptados, nomeadamente, o SAP, estão a ser os grandes responsáveis pela sua dinamização, à semelhança do que acontece um pouco pelo resto da Europa. A este facto não será alheio o facto de uma parte significativa do tecido empresarial produtivo nacional ser constituído por empresa multinacionais que acabau por disseminar estas boas práticas. Sendo assim, é natural afirmar que a aplicação o modelo de referência para a gestão de fornecimento (SCOR) para mapear a cadeia deve ser complementado com o pensamento Lean, na busca da melhoria contínua do desempenho o que possibilita ajustar a cada momento a cadeia às necessidades do mercado e torná-la mais ágil e eficiente, na busca da ecelência.

20 Bibliografia Coimbra, Euclides.A, 2009 Total Flow Management Lemos, Fernando de Oliveira - Modelo SCOR (SupplyChainOperationsReference model) PINTO JPO, Modelo de referência SCOR - Comunidade LeanThinking Pinto, João Paulo,2009 Pensamento Lean Douglas M. Lambert, Martha C. Cooper, Janus D. Pagh, Supply Chain Management: Implementation Issues and Research Opportunities, The International Journal of Logistics Management, Vol. 9, No. 2, 1998, pp. 2. Silva Marins, Prof. Fernando Augusto, Supply Chain Management SCOR 9.0 Overview Booklet SCOR Version 9.0 Quick Reference Guide

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model)

O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) VI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 O modelo de referência das operações na cadeia de suprimentos - (SCOR-model) Carlos M.Taboada Rodrigues (PPGEP UFSC) taboada@deps.ufsc.br Cristian

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

SEMINÁRIO «A LOGÍSTICA E A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS» AEP, 27 de Junho de 2008. 27 de Junho de 2008

SEMINÁRIO «A LOGÍSTICA E A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS» AEP, 27 de Junho de 2008. 27 de Junho de 2008 SEMINÁRIO «A LOGÍSTICA E A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS» AEP, 27 de Junho de 2008 27 de Junho de 2008 A Logística nas Empresas I&D + Design Sourcing Make Deliver Cada uma destas grandes actividades

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 5S (good housekeeping) GL5S PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 A Comunidade Lean Thinking (CLT Services) é uma organização que se destaca pela sua actividade de criação e transferência

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO

GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO 3ª EDIÇÃO CURSO Desenvolver e implementar GESTÃO DE FROTAS E LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO Optimize Custos e estabeleça Métricas de Performance LUANDA 9 e 10 de JULHO de 2014 Planifique de forma integral a

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17 Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. Agenda Supplier Relationship Management Ana Rita Cunha Janeiro de 2004 Definição do conceito Problemas no relacionamento com fornecedores Como é

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Directores Comerciais

Directores Comerciais Produzido e desenvolvido pelo Sociser empresa 100% Angolana, partner do iir Cursos para Gestão Competitiva 1 e Inovadora Como planificar, controlar e tirar o máximo rendimento da sua EQUIPA de VENDAS 2

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Benchmarking da cadeia de suprimentos

Benchmarking da cadeia de suprimentos Benchmarking da cadeia de suprimentos Aline Ribeiro Introdução O quão eficiente é o supply chain da minha empresa? A estrutura de custos logísticos está adequada? Os indicadores de nível de serviço logístico

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

VISÃO E MISSÃOECR services

VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo da cadeia de valor. MISSÃO Liderar o desenvolvimento e implementação de standards e de boas práticas

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Logística Industrial Semestre: 6 Nº ECTS: 6,0 Regente João Paulo Pinto Assistente Carga

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais