FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO"

Transcrição

1 FATORES DETERMINANTES PARA A FELICIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO AUTORES Caroline C. Bueno Fernando A. Escorsin Fernando Colleoni Filipe F. Baptista Rafael Carvalho ORIENTADOR Luís Roberto Gomes de Assumpção Mello CURSO MBA em Gestão Comercial ISAE/FGV Resumo Este artigo tem como objetivo investigar a existência de fatores determinantes para a promoção da felicidade interna e a melhoria da qualidade de vida dentro do ambiente corporativo. Demonstra-se que, ao promover o bem-estar de seus colaboradores, através de implementação de política estruturada de endomarketing, torna-se o colaborador aliado ao negócio, responsável pelo sucesso da corporação e igualmente preocupado com o seu desempenho, impactando diretamente na produtividade e resultados das organizações. Apresentam-se os conceitos e as dimensões da Felicidade Interna Bruta (FIB) e da Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), índices que aferem o bem-estar subjetivo no ambiente corporativo. Para correlacionar indicadores com resultados, é apresentado o case da empresa GRPCOM, que está comprometida com o fortalecimento das relações internas, disseminação da visão compartilhada sobre o negócio da empresa e melhoria da qualidade de vida no trabalho. Dessa forma, são analisados os resultados alcançados com as práticas corporativas e a correspondência com o referencial teórico pesquisado. Palavras-chave: motivação, felicidade, sinergia, marketing interno.

2 1. INTRODUÇÃO As empresas contemporâneas, além de empregadoras, têm uma função social de extrema relevância, pois, ao se considerar que seus funcionários passam em média oito horas diárias no trabalho, é na própria empresa que boa parte das suas realizações e relações se passam. É fato que as empresas determinam e influenciam o modo de vida do ser humano, exercendo, portanto, influência direta em sua busca pela felicidade, e é este trabalhador que necessita estar equilibrado e motivado para enfrentar os constantes desafios do atual mundo corporativo, altamente competitivo. Constatando essa responsabilidade com as pessoas e o reflexo do bem-estar na produtividade, as empresas buscam mecanismos para aferição e estímulo da Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) e da Felicidade Interna Bruta (FIB), como será demonstrado ao longo deste artigo. Com base no exposto anteriormente, busca-se investigar e comprovar que existem fatores determinantes para a promoção da felicidade interna no ambiente corporativo. Ainda, este estudo tem por objetivo definir os indicadores FIB e QVT e demonstrar quanto a prática desses indicadores eleva a motivação, o engajamento e a produtividade. Por fim, esses indicadores serão correlacionados com um case de um grupo de empresas paranaenses comprometidas com a promoção do bem-estar de seus colaboradores no ambiente de trabalho. 2. A EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE FELICIDADE INTERNA BRUTA (FIB) Hoje, vive-se em um contexto em que o ser humano geralmente está exposto à pressão. Com o capitalismo, a globalização e a consequente desigualdade social, o ser humano, além de estar em 2

3 constante busca de um padrão e uma qualidade de vida melhor, passou a conviver com relações muito intensas, principalmente no âmbito profissional e, indiretamente, no âmbito pessoal. A exigência de um padrão melhor, o medo e a possível frustração fazem com que o ser humano esteja extremamente vulnerável ao estresse, que nada mais é do que uma tensão física e psicológica que o organismo absorve diariamente em razão de situações vivenciadas nas atividades corporativas. Diante desse cenário, o indicador FIB vem a calhar com a chance de se alcançar o bem-estar profissional e social, assim como uma sustentabilidade ambiental, cultural e econômica. Nascido por volta de 1972, no Butão, o FIB indicador sistêmico propõe que o cálculo da riqueza de uma nação deve levar em conta não só o aspecto econômico, mas também a conservação da natureza, relações sustentáveis, bem como a qualidade de vida das pessoas. Apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o FIB tem despertado o interesse de governos e nações na medição do progresso e no desenvolvimento de ações para a população. O FIB parte da premissa de que pessoas e nações devem se preocupar não só com o seu desenvolvimento material, mas também com a sustentabilidade das relações, tais como inserção social, bem-estar psicológico, inserção cultural, equilíbrio espiritual, ou seja, tudo em harmonia com a Terra. Dessa forma, o FIB é dividido em nove dimensões, conforme descritas a seguir: 1. Bem-estar psicológico: é o grau de satisfação e otimismo do indivíduo em relação à própria vida. Mede-se a taxa de emoções positivas e negativas, analisa-se a autoestima, a sensação de competência, estresse e atividades espirituais. 2. Saúde: eficácia das políticas de saúde, padrões de comportamento arriscados, exercício, sono, nutrição, etc. 3

4 3. Uso do tempo: um dos principais indicativos da qualidade de vida que avalia a gestão equilibrada entre trabalho, lazer, família e amigos. 4. Sensação de pertencimento: inserido no contexto da empresa, examina o nível de confiança, a sensação de pertencimento, a vitalidade dos relacionamentos, entre outros fatores. 5. Educação: levam em conta participação em educação formal e informal, competências, envolvimento na educação dos filhos, educação ambiental, valores transmitidos, etc. 6. Cultura: avalia as tradições locais, festivais, valores, oportunidades de desenvolvimento das capacidades artísticas e discriminação por causa da religião, raça ou gênero; 7. Meio ambiente: mede a percepção da população quanto à qualidade da água, do ar, do solo e da biodiversidade. 8. Governança: avalia como a população enxerga o governo, a mídia, o poder judiciário, o sistema eleitoral e a segurança pública, em termos de responsabilidade, honestidade e transparência. 9. Padrão de vida: avalia a renda individual e familiar, a segurança financeira, o nível de dívidas, a qualidade das habitações, etc. Segundo a Dra. Susan Andrews (2011) americana, especialista, pesquisadora, cientista e representante do tema na América Latina, o FIB tornou-se indispensável para proporcionar o desenvolvimento sustentável de diversos países, principalmente o Brasil. Cada vez mais, os países estão interessados em saber o que gera a verdadeira satisfação na população. No entanto, há um grande equívoco quanto à suposta semelhança entre o PIB e o FIB. O Produto Interno Bruto (PIB) basicamente leva em consideração o acúmulo de riquezas da população e quanto dessa riqueza gera para economia, sendo, portanto, uma medida de renda nacional. Por outro lado, o FIB demonstra-se como uma alternativa complementar a outras medidas de riquezas 4

5 que vão além dos indicadores do PIB, tais como o uso equilibrado do tempo, o bom relacionamento dentro das empresas, além de preocupações com o esgotamento de recursos naturais do planeta. Ainda nessa premissa, o FIB tém a difícil missão de ser inserido no contexto social das organizações, ou seja, em conformidade com os gestores e líderes que estão gerenciando ideias e influenciando pessoas. A Organização das Nações Unidas (ONU), governos e entidades estão desenvolvendo uma propagação acerca do tema, seja em sites (http://www.felicidadeinternabruta.org.br), redes sociais e em conferências mundiais, por se tratar de um tema que pode contribuir muito por uma qualidade de vida melhor do ser humano. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ao abrir a conferência RIO+20, comentou que é preciso gerar um novo paradigma que não dissocie bem-estar social, econômico e ambiental. Os três, para ele, definem felicidade global bruta. Por sua vez, a QVT é uma ferramenta de gestão, em que ocorre, a partir do momento em que se olha a empresa e as pessoas como um todo, o que é chamado de enfoque biopsicossocial. Assim, a qualidade de vida no trabalho interfere não somente no trabalho em si, mas também tem implicações no campo familiar e social dos indivíduos e vice versa. (VASCONCELOS, 2001). Nota-se que os dois indicadores trabalham na mesma esfera, com os mesmos objetivos e, consequentemente, com as mesmas finalidades. Todavia, o QVT é aplicado especificamente como uma ferramenta de gestão técnico-administrativa, enquanto o FIB é um conceito mais amplo, aplicável, inclusive, a nações. 3. ANÁLISE DO CASE GRPCOM A seguir, é feita uma análise do case de pesquisa de clima organizacional do Grupo Paranaense 5

6 de Comunicação (GRPCOM), especificamente do departamento comercial da RPC TV (afiliada da Rede Globo). Trata-se de uma empresa de grande porte com atuação no estado do Paraná, que reúne os seguintes veículos de comunicação: jornais Gazeta do Povo, Tribuna do Paraná, Jornal de Londrina e Gazeta Maringá; oito emissoras afiliadas da Rede Globo; os sites Portal G1 Paraná e Paraná On-Line; rádios 98.9 FM, Mundo Livre e Maringá; Instituto GRPCOM, OTV e HDVIEW. Atento à importância de um bom clima organizacional para alcançar os propósitos da empresa e preocupada em identificar vulnerabilidades no modelo de gestão de pessoas, o GRPCOM, desde 2008, aplica anualmente com todos os colaboradores uma pesquisa de clima organizacional chamada de Fale Francamente. Os campos avaliados pelos colaboradores são: Relacionamentos Organizacionais, Planejamento e Organização do Trabalho, Ambiente Físico, Lideranças, Desenvolvimento Profissional, Imagem, Remuneração e Benefícios. Para realização de pesquisa de clima organizacional, a empresa definiu um questionário segmentado a ser aplicado com a área de Recursos Humanos, utilizando como meio o ambiente on-line. Após o encerramento das coletas, faz-se o processamento estatístico, confecção dos relatórios e apresentação dos resultados. 3.1 Apresentação dos resultados: case GRPCOM Dentre as empresas que já adotaram o FIB como um dos referenciais para o controle da qualidade de vida no ambiente corporativo, o GRPCOM é um dos cases que chamam a atenção. O fato de a missão da empresa ser Promover com a comunicação o desenvolvimento da nossa terra e da 6

7 nossa gente e, assim, alcançar a sustentabilidade e os melhores resultados econômicos mostra que o cuidado com as pessoas está inserido nos pilares da empresa. O resultado da pesquisa, de uma forma geral, apresentou um crescimento da favorabilidade de 7% em 2011 em relação a 2010, quando o índice era de 63,9% passando para 68,5% no ano seguinte (conforme gráfico de favorabilidade geral). Gráfico 1 - Favorabilidade geral GRPCOM 2011 GRPCOM 2010 Comercial TV 2011 Comercial TV 2010 Mercado 63,2 58,9 68,5 63,9 61,9 Concordo Totalmente Concordo em Grande Parte Mais Concordo que Discordo Mais Discordo que Concordo Discordo em Grande Parte Discordo Totalmente 0 28,3 40,2 18,9 6,2 4,4 2,1 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 Para alcançar o aumento do índice de favorabilidade, a empresa investiu em diversas melhorias, tais como: divulgação e esclarecimento da política de cargos e salários, melhorias no ambiente físico, desenvolvimento gerencial e incentivo à participação e ao diálogo entre colaboradores e áreas, conforme demonstrado no gráfico abaixo: 7

8 Gráfico 2 Ambiente favorável a debates GRPCOM 2011 GRPCOM 2010 Comercial TV 2011 Comercial TV 2010 Mercado 58,0 51,3 70,8 57,8 Concordo Totalmente Concordo em Grande Parte Mais Concordo que Discordo Mais Discordo que Concordo Discordo em Grande Parte Discordo Totalmente 11 19,1 51,7 16,9 2,2 9,0 1,1 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 Na leitura anterior, foi identificado um crescimento de 22%, pois em 2010 o percentual que era de 57,8% passou para 70,8% em Foi promovido um ambiente com maior sinergia: maior debate, menos crítica e reatividade, maior escuta empática com o objetivo de criar condições favoráveis para que ideias fossem compartilhadas sem censuras. 3.2 Análise dos resultados Conforme exposto, os resultados demonstram que a empresa atingiu um crescimento significativo na favorabilidade geral da organização, com investimento em ações pontuais que criassem e favorecessem a comunicação dos colaboradores e a exposição de suas ideias. Dentre as diversas áreas apontadas na pesquisa, a questão da favorabilidade representa apenas uma parte das políticas implementadas pela empresa na criação de um ambiente corporativo mais favorável para que seus colaboradores desempenhem suas atividades, comprometidos com a obtenção dos resultados almejados pela organização. 8

9 Com a implantação dos conceitos de FIB e QVT no GRPCOM, acredita-se que é possível reverter desfavorabilidades e construir um ambiente corporativo em que o colaborador esteja envolvido não apenas na execução das atividades laborais, mas como parte de um processo de desenvolvimento social e econômico, situação que, por via reflexa, atinge também a sociedade como um todo. 4. RECOMENDAÇÕES Os dados coletados e analisados no presente trabalho remetem à constatação da eficácia do projeto de pesquisa de clima organizacional como ferramenta para diagnóstico e implantação de melhorias focadas em resultado. Portanto, recomenda-se que, independentemente do porte ou segmento da organização e de acordo com os recursos disponíveis, a empresa invista no conhecimento da realidade de seus colaboradores, bem como das relações e agentes desconhecidos que muitas vezes extrapolam o ambiente corporativo. Por fim, sejam quais forem as ações de promoção de FIB adotadas, elas devem ser primordialmente coletivas, de modo a atingir o maior número de colaboradores. Devem, ainda, ser continuamente reavaliadas e adequadas às necessidades dos colaboradores em dado momento, otimizando o bem-estar e a felicidade de todos. 5. CONCLUSÃO Existem fatores determinantes para a promoção da felicidade interna dentro do ambiente corporativo. Esses fatores são: comunicação transparente entre empresa e colaboradores, sentimento de pertencimento e engajamento, percepção de estar sendo cuidado, líderes preparados para a gestão de pessoas, objetivos claros e comuns, ambiente propício à inovação e à criatividade, educação 9

10 corporativa, entre outros. Tais fatores foram demonstrados no case exposto no estudo, em que situações-problema foram solucionados com a gestão adequada do cliente interno, considerando suas expectativas e potencialidades em sintonia com o que a empresa se propôs a realizar. 10

11 REFERÊNCIAS ANDREWS, Susan. A ciência de ser feliz. São Paulo: Ágora, ARRUDA, Marcos. Educação, economia do amor e as 9 dimensões do FIB. Massa Crítica, Rio de Janeiro, n. 47, jul/2010. BEKING, Saul Faingaus. Endomarketing: como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Prentice Hall, O QUE É FIB? Disponível em: <http://www.visaofuturo.org.br/pdfs2/o%20que%20é%20o%20fib%20-%20pdf.pdf>. Acesso em: 1 jul SUGESTÕES para a implementação do FIB. Disponível em: <http://www.visaofuturo.org.br/pdfs2/sugestões%20para%20a%20implementação%20do%20fib.pdf >. Acesso em: 1 jul VASCONCELOS, Anselmo Ferreira. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e perspectivas. Cadernos de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 8, n. 1, jan/mar,

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007.

Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007. Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007. 215 páginas e marketing para os projetos de investimento social

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas A influência do endomarketing para a melhoria do ambiente organizacional: case faculdade Guanambi. Autoria: Fabrício Lopes Rodrigues 1 e Rogério Santos Marques 2 1 UNEB, E-mail: fabriciolopesr@hotmail.com

Leia mais

Neste início de século observamos no mundo uma economia

Neste início de século observamos no mundo uma economia Nutrição, Prevenção e Qualidade de Vida DRA. CHRISTIANNE DE VASCONCELOS AFFONSO 1 INTRODUÇÃO Neste início de século observamos no mundo uma economia de interdependência, denominada globalização, caracterizada

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP

ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP FERNANDA THAMIRES ULISSES BACURAU Discente do Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA HUMANOS CRESCIDOS PALESTRAS 11 3672-6822 11 8067-9041. www.santagente.com.br

EDUCAÇÃO PARA HUMANOS CRESCIDOS PALESTRAS 11 3672-6822 11 8067-9041. www.santagente.com.br EDUCAÇÃO PARA HUMANOS CRESCIDOS PALESTRAS Sobre a Santa Gente Mudamos o formato das palestras convencionais com o propósito de vender inovação com inovação. Utilizamos a música como ferramenta de facilitação

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Resultado: ITIL na linguagem da alta administração. Júnior Alves Gerente de TI Grupo RBS

Resultado: ITIL na linguagem da alta administração. Júnior Alves Gerente de TI Grupo RBS Resultado: ITIL na linguagem da alta administração Júnior Alves Gerente de TI Grupo RBS 56 ANOS DE FUNDAÇÃO 6,5 MIL COLABORADORES PILARES ESTRATÉGICOS COMUNICAÇÃO DIGITAL EDUCAÇÃO O GRUPO RBS É COMUNICAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Aula 3. Comunicação Organizacional

Aula 3. Comunicação Organizacional Aula 3 Comunicação Organizacional Comunicação Interna (Endomarketing) Profa. Ms. Daniela Cartoni Comunicação Organizacional Comunicação Externa Comunicação Organizacional Comunicação Interna Comunicação

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa

Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Qualidade de vida no trabalho: uma análise das condições de trabalho na Santa Casa Valcenir Silva Bernanrdo vanessadelvale@doctum.edu.br Vanessa Del Vale Pinto vanessadelvale@doctum.edu.br Flávia Rodrigues

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor ebook Guias completos e gratuitos www.socialbase.com.br Índice 1. Introdução 2. Política de comunicação interna 3. Padronização

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

Voluntariado Empresarial

Voluntariado Empresarial Voluntariado Empresarial Agenda 09:00-09:10 Abertura e Introdução ao tema Voluntariado Empresarial 09:10 09:30 Jogo de Palavras conceito trabalho em grupos 09:30 10:15 Apresentação dos grupos e síntese

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS Disciplina TURMA 2015/2 Segunda e Quarta - Unidade BUENO COORDENADOR: Profa. Camen Rizzotto da Trindade CH

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico Design Estratégico MBA em Design Estratégico Aula Inaugural - 29 de abril de 2015 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT 1 PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO POT 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 Origem da Psicologia Organizacional e do Trabalho 4 ORIGEM Desde os

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

CONSTRUINDO A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA

CONSTRUINDO A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA CONSTRUINDO A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA Lorena Bispo do Nascimento* Welane dos Santos Silva** RESUMO O principal objetivo desse artigo é de promover desde cedo a conscientização nos alunos da

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO. Claudia Veras Jordana Feltrin

VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO. Claudia Veras Jordana Feltrin VOCÊ EM CONEXÃO COM O MERCADO DE TRABALHO Claudia Veras Jordana Feltrin Nossa busca é construir uma empresa onde trabalho e qualidade de vida andem juntos. HISTÓRICO Fundada em setembro de 1993 Matriz:

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

Profa. Dra. Ana Cristina Limongi-França Universidade de São Paulo FEA_ EAD

Profa. Dra. Ana Cristina Limongi-França Universidade de São Paulo FEA_ EAD INTEGRAÇÃO E BEM-ESTAR ESTAR NO TRABALHO COMO FATOR DE ATRAÇÃO Profa. Dra. Ana Cristina Limongi-França Universidade de São Paulo FEA_ EAD Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gestão da Qualidade d de Vida

Leia mais

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais com Prof. Lucas Henrique da Luz Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 O que

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

sobrevivência reforçada

sobrevivência reforçada Conceito Realização de princípios, visão e missão. Orientação das ações dos colaboradores. Postura social da empresa com os seus diferentes públicos. Empresas sensíveis, não voltadas apenas para produção

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS Programa ESAG Sênior Mário César Barreto Moraes Bolsistas: Vanessa Vidal Riso Danielle Cândido Vecchietti Juliana Oliveira Lima de Souza A busca pro metodologias

Leia mais

Introdução Já acessou rede social Acessam semanalmente Acessam diariamente USA Brasil Argentina México

Introdução Já acessou rede social Acessam semanalmente Acessam diariamente USA Brasil Argentina México O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Mitchell Figueiredo de Azevedo* Introdução A guerra travada no atual mercado globalizado impõe às organizações uma forma mais "agressiva" de

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DOS FATORES QUE INFLUENCIAM AS CONDIÇÕES DE SATISFAÇÃO E INSATISFAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA RETEP PRESS, MOSSORÓ

Leia mais

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade.

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. APHILAV 10 ENCONTRO DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA HOSPITALAR DA REGIÃO SUL Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. Rejania Guido Dias rejania@terra.com.br

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A 75 AGENDA FUTURA PARA A SUSTENTABILIDADE Como o tema Sustentabilidade pode contribuir para o objetivo último dos Fundos de Pensão, que é o de zelar pela aposentadoria de milhões de trabalhadores? Esta

Leia mais

Uma nova forma de gestão

Uma nova forma de gestão Uma nova forma de gestão por Michael Ballé ARTIGO Desvio da missão, silos e uma força de trabalho desengajada são alguns dos efeitos negativos da gestão tradicional. Michael Ballé oferece uma alternativa

Leia mais

Estudo especial Hay Group Retenção

Estudo especial Hay Group Retenção Estudo especial Hay Group Retenção 1 Agenda Por que está tão crítico reter profissionais? A pesquisa Sumário executivo Análise de estratos Próxima pesquisa de retenção 2 01 Por que está tão crítico reter

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações

A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações A ética e o desenvolvimento sustentável sob a ótica das organizações Ítalo Camilo da Silva Nogueira Faculdade Nossa Senhora Aparecida /GO - italocamilo@hotmail.com Karlla Junara Cintra Azambuja Soares

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho (*) Karine Luiza Rezende Silva Araújo e (**) Marco Antônio Vieira Gomes 1. INTRODUÇÃO: A Gestão por Competências

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA Profa. Ester Mendes Programas de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) - Caráter multidisciplinar - Incluem diversos serviços relacionados à melhoria da qualidade de vida do trabalhador.

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO

DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO MARCIA COSTA ERNESTO MICELI JANAINA S. ITABORAÍ EDVALDO

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes Líderes do Coração A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes O que é? Líderes do Coração é um programa que cria espaços de estudo, reflexão e prática da arte da liderança, partindo do pressuposto

Leia mais

Confiança no crescimento em baixa

Confiança no crescimento em baixa 10Minutos 19ª Pesquisa Global com CEOs Setor de Engenharia e Construção Confiança no crescimento em baixa Destaques Março 2016 Destaques Com 65% das indicações, suborno e corrupção são consideradas as

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA.

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. René Descartes Dualismo: Corpo e mente Cogito ergo sun O trabalho deu origem as organizações

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade O Instituto ABERJE de Pesquisas (DATABERJE) realizou uma pesquisa de opinião sobre sustentabilidade com mulheres da área de comunicação,

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L ! M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L COMUNICAÇÃO INTERNA E IDENTIDADE NA ORGANIZAÇÕES ISABELA PIMENTEL Capítulo 1 Memória: usos e abusos A memória é mais uma ferramenta da comunicação corporativa, cujo

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Favor indicar sua função na empresa: 54% N=107 5% 11% 2% 12% 16% P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Outros:

Leia mais

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): EDILEIS

Leia mais

Aula 08 Programas de Treinamento

Aula 08 Programas de Treinamento Aula 08 Programas de Treinamento Objetivos da aula: Conhecer os programas de desenvolvimento e métodos de treinamento utilizados nas empresas como sua política e prática de Recursos Humanos. Compreender

Leia mais

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS MAPA DE PERSPECTIVAS ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS 2016 Worldwide leaders in specialist recruitment ÍNDICE EDITORIAL METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO PERFIL DOS ENTREVISTADOS O CENÁRIO MACROECONÔMICO INVESTIMENTO

Leia mais

Como lidar com as diversas gerações

Como lidar com as diversas gerações Como lidar com as diversas gerações!? Cláudio Alexandre Tosta Consultor de empresas Professor da Fundação Getulio Vargas tostaclaudio@uol.com.br (27) 99979-9877 Gerações e suas características (CHA - Competências,

Leia mais