3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial"

Transcrição

1 3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial GESTOR SOCIAL EMPRESARIAL OU GESTOR EMPRESARIAL SOCIAL? É notório, no cenário mundial, o crescente número de empresas de diversas naturezas e portes que desejam assumir ou estão assumindo, na lógica da Administração Organizacional, a sua Responsabilidade Social com os mais variados propósitos finalísticos, quer seja pela preocupação com a sustentabilidade financeira ou, de acordo com o conceito ampliado de Desenvolvimento Sustentável, pela intenção de influir na sustentabilidade ambiental e social do local ou contexto onde estão inseridas. Para tanto, a fim de dar conta deste desafio, as empresas começam a desenhar uma nova função que pode se configurar no seu quadro de pessoal com a denominação de gerente, coordenador, gestor de Sustentabilidade ou de Responsabilidade Social ou ainda de Responsabilidade Socioambiental. Esse profissional tem, entre outras tarefas, a responsabilidade de tratar do aspecto social da sustentabilidade e o seu perfil pode ser uma tendência que a área de carreira e remuneração deve se deparar, principalmente nas empresas de grande porte. Esta afirmação pode ser reforçada pelos dados de recente pesquisa sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) realizada pela FIEB 3 com 200 empresas industriais do Estado da Bahia, no período compreendido entre final de 2010 e início de Em comparação com pesquisa similar realizada em 2005, também pela FIEB, pôde-se notar que as empresas estão de fato ampliando a estrutura de gestão deste processo. Quando perguntado sobre quais os mecanismos de gestão que as empresas dispõem para tratar desta questão, observou-se que 20% das empresas já dispõem de uma política ou estratégia de Responsabilidade Social explicitada ou documentada e que 3 Federação das Indústrias do Estado da Bahia. 9

2 15,5% delas possui uma diretoria, gerência, núcleo ou profissional responsável designado para atuar nesta área. Visualizando o resultado apresentado segmentado por porte de empresas (através gráfico abaixo), comparado com o resultado de 2005, percebemos a evolução dos mecanismos de gestão que apontam esta tendência crescente. 4 Para definir o porte, foi utilizada a classificação de acordo com o número de funcionários próprios, a saber: de 20 a 99 considera-se pequena empresa; de 100 a 499 funcionários, médias empresas; e acima de 500 funcionários para as grandes empresas. Evidencia-se um crescimento no índice de indústrias que possuem políticas e/ou estratégias de Responsabilidade Social documentadas especialmente entre as grandes e, notoriamente, nas pequenas empresas. Este fato é positivo porque demostra que as indústrias baianas estão fazendo esforços no sentido de formalizar suas práticas de RSE, o que favorece a gestão dos processos desta área, o envolvimento das partes interessadas e a mensuração de resultados. 4 RS: Responsabilidade Social. 10

3 O gráfico a seguir demostra o percentual de empresas que responderam possuir uma Diretoria, Gerência, Núcleo ou Profissional responsável designado para atuar com questões relacionadas à Responsabilidade Social, considerado também um mecanismo de gestão empresarial e que reforça este novo papel dentro das empresas. Verificou-se também de que forma estas empresas estruturam a sua atuação em Responsabilidade Social. No âmbito geral, observa-se no próximo gráfico, que a maior parte das empresas (53%) desenvolve apenas Ações pontuais de Responsabilidade Social, sendo este índice predominante nas categorias Média (52,9%) e Pequena Empresa (54,7%). Na categoria Grande Empresa observa-se que o item com maior percentual de prática é a realização de Programas que consideram as partes interessadas, resultado adequado ao perfil das indústrias participantes da pesquisa. Considerando-se o total de empresas da amostra (200), o resultado geral que chama a atenção é o percentual grande de empresas que investem em Programas voltados para a qualidade de vida e desenvolvimento dos empregados (43%), o que demonstra uma preocupação prioritária das empresas com o seu público interno em detrimento ao público externo, visualizado pela baixa incidência de realização de Programas 11

4 estruturados de ações sociais voltados para a comunidade (18%), principalmente, nas médias e pequenas empresas do Estado da Bahia. Diante destas tendências, algumas questões se apresentam: quem é gestor capaz de assumir estas tarefas? Será um Gestor Empresarial Social ou um Gestor Social Empresarial? O contexto em que este gestor está inserido e a cultura da organização influenciam a sua atuação? Será que esta política favorece o papel construtivo da Sustentabilidade Social? O grande desafio visualizado neste momento é de como situar este gestor que deve considerar as condições racionais da Administração Empresarial e as perspectivas dos beneficiários da ação social - que têm necessidades sociais e conflitos - e estão, em muitas situações, externos à empresa, bem como, ser necessário levar em consideração a cultura organizacional. 12

5 O Gestor Social é parte integrante e engrenagem vital do processo de modelagem cultural da organização em busca de resultados, portanto suas decisões e comportamentos deverão traduzir a busca por competitividade e efetividade nos negócios, gerando engajamento. Da mesma forma, o Gestor Social deve enxergar os conflitos sociais existentes além das fronteiras imediatistas dos resultados e ser capaz de traduzir o valor agregado a longo prazo de uma política de Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial, extrapolando as tradicionais fronteiras de valorização de colaboradores internos e qualidade de vida, para uma visão mais completa e multifacetada do verdadeiro papel social das organizações. A indagação central para os gestores sociais é como traduzir questões sociais absolutamente relevantes, que tratam inclusive da sobrevivência de mercados e organizações para um ambiente negocial de competição extrema, onde a subsistência empresarial é conseguida também através de resultados de curtíssimo prazo. A resposta parece estar num movimento que engloba a sustentabilidade e durabilidade dos resultados organizacionais (em contraposição a bolhas de resultados extraordinários embora imediatistas e oportunistas), a evolução da consciência planetária em busca de equilíbrio e sustentabilidade e a reforma moral e espiritual de toda humanidade. Desta maneira, o Gestor Social precisa praticar uma revolução silenciosa nas organizações, transformando-se num agente de mudança cultural, influenciando gradativamente a busca pela sustentabilidade em longo prazo dos resultados empresariais e tornando-se modelo de conduta ética a ser seguido e mimetizado pelos colaboradores, buscando para tanto uma reforma moral íntima de suas atitudes e pensamentos. 13

6 Os interesses, necessidades, conflitos dos beneficiários sociais, com os quais o Gestor Social está relacionado, determinarão o comportamento deste gestor e a sua política de gestão, portanto o seu estilo de liderança deve ser situacional, respeitando fatores internos e externos do público e do momento histórico e cultural em que está situado. A Responsabilidade Social das empresas, portanto, pode ser percebida como um sistema político, o qual exerce poder e influência sobre as organizações, modelando comportamentos, atitudes e decisões. Diante do cenário apresentado, podemos presumir que esta nova carreira empresarial tem muitos desafios pela frente e que, além das competências técnicas e administrativas do seu cargo, cabe o papel de: Entender as relações de poder e os conflitos que cercam a vida humana e a gestão das empresas; Ver as pessoas de forma individual com seus conflitos, além enxergar o coletivo; Perceber o ambiente organizacional como um lugar que tem identidade e que está inserido num contexto sócioeconômico e num tempo histórico; Ressignificar o conceito de Racionalidade Organizacional que é pertinente à gestão empresarial como também à social; Ser ator político e atuar de forma ética, crítica, dialética para a transformação do coletivo. Enfim, independentemente do estilo, uma administração de sucesso depende da habilidade de ler as situações cotidianas. Todo gestor deve ser capaz de analisar interesses, compreender conflitos e explorar relações de poder, de tal forma que as situações possam ser controladas. Para isto, são necessárias perspicácia e habilidade de conhecer as áreas propensas ao conflito, entender as tendências e pressões latentes por dentro das questões manifestas da vida organizacional e dar início a 14

7 repostas apropriadas. Em geral, o gestor, independente da área de atuação ou do grau de liderança, pode e deve interferir para modificar percepções, comportamentos e estruturas de maneira a ajudar a redefinir os redirecionar as questões para servir a fins construtivos. Concluímos que, ao novo Gestor Social Empresarial, declaradamente, deve-se este ofício. RENAN BODRA MACHADO Administrador e Diretor de Recursos Humanos. 15

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos).

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos). RELATÓRIO EXECUTIVO Este relatório executivo mostra resumidamente a pesquisa realizada pelo mestrando JOSÉ BEZERRA MAGALHÃES NETO, com forma de atender à exigência acadêmica como requisito complementar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 2º Congresso de Executivos das Associações Empresariais do Extremo Sul (Conexsul) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Garibaldi, 11 de AGOSTO, 2010 Profa. Janaína Carneiro Email:

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007.

Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007. Construir Confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações Adela Cortina (org.) São Paulo: Edições Loyola, 2007. 215 páginas e marketing para os projetos de investimento social

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL 1 LOUSADA, Mariana marianalousada@hotmail.com 2 VALENTIM, Marta Lígia Pomim valentim@marilia.unesp.br Resumo: O foco desta pesquisa

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR Previsão de Ingresso: primeiro semestre de 2016 ESPM Unidade Sul Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Educação Executiva: (51) 3218-1380

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com

Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO (POR QUE RECRUTAR PESSOAS?) A atividade gerencial mais importante e mais

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

RESUMO DO CURSO. Nome do curso: MBA em Gestão Empresarial : Ênfase em Pessoas, Produção e Logística.

RESUMO DO CURSO. Nome do curso: MBA em Gestão Empresarial : Ênfase em Pessoas, Produção e Logística. RESUMO DO CURSO Nome do curso: MBA em Gestão Empresarial : Ênfase em Pessoas, Produção e Logística. Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Nível do curso: pós-graduação lato sensu Modalidade:

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal ÍNDICE Introdução 02 Abrangência 03 Objetivos 03 Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal 05 Relações com clientes, parceiros e no ambiente de trabalho 06 Condutas não aceitáveis 06 Gestão

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

1 Introdução Como definir uma estratégia de remuneração alinhada com a cultura organizacional?

1 Introdução Como definir uma estratégia de remuneração alinhada com a cultura organizacional? 1 Introdução Não existe estratégia de negócios ideal para ser aplicada a qualquer empresa, assim como não existe uma cultura organizacional ideal. (PASCHINI, 2006), Killman (1985) afirma que a cultura

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS.

O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS. O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS. Pâmela Carolina do Nascimento Martins Mestranda em Educação pela Universidade Nove de Julho pacmartins@bol.com.br

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER

FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER 1 FACULDADES DE ENSINOS ADMINISTRATIVOS FEAD NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PAPER Nome: Herick Gonçalves Limoni Curso: Mestrado Profissional em Administração Data: 30/07/2010 Disciplina: Fundamentos de Gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Empresa Familiar É considerada Empresa Familiar, toda a organização empresarial ligada a uma família, por pelo menos duas gerações. A importância

Leia mais

Prof a Lillian Alvares. Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília. Gestão da Informação

Prof a Lillian Alvares. Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília. Gestão da Informação Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Gestão da Informação Conceito Apesar de numerosas discussões acerca do significado, conteúdo e uso da Gestão da Informação......

Leia mais

Gestores Públicos e os desafios da gestão pública. (Sumário de temas da conferência)

Gestores Públicos e os desafios da gestão pública. (Sumário de temas da conferência) Gestores Públicos e os desafios da gestão pública (Sumário de temas da conferência) Paulo Roberto Motta I. O NOVO DESENVOLVIMENTO E A GESTÃO PÚBLICA: as redes sociopolíticas e a cadeia mundial produtiva

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL . DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Comparação entre os âmbitos para suporte à decisão sobre que conhecimentos são necessários

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública Modelo de Gestão CAIXA 1 Modelo de Gestão - Conceito Um Modelo de Gestão designa o conjunto de idéias, princípios, diretrizes, prioridades, critérios, premissas e condições de contorno tomadas como válidas,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas (Produto 2) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO

Leia mais

O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR?

O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR? Manual para o Diagnóstico Institucional e o desenho do Plano de Melhoramento FICHAS DE APOIO O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR? Aplicação do Ciclo de Melhoramento Contínuo da Gestão Escolar PROGRAMA DE

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA SESI, SENAI E IEL GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO BRASÍLIA,

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001.

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001. O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * Adalberto Luiz de Souza ** RESUMO: Este texto tem por finalidade descrever o papel do representante da direção, referente ao atendimento de requisito

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico.

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico. NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Maria Helena Duarte de Oliveira NAS ORGANIZAÇÕES DESENVOLVIMENTO HUMANO APRESENTAÇÃO Desempenho Sabe-se que uma organização não existe as

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2013.2 ADMINISTRAÇÃO Formar administradores estrategistas, comprometidos com o desenvolvimento da sociedade. A UNIFEBE, através

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2012) ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I 1992 C/H 102 Aspectos histórico/evolutivos; Administração da produção e seus aspectos gerenciais

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL MÓDULO I 305101 FUNDAMENTOS DE GESTÃO Processo Administrativo: Planejamento,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE descrições dos níveis APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Planejamento Um Estudo Participativo de Caso no para Poder uma Executivo Gestão Democrática Marco Temporal: dezembro de 2002 METODOLOGIA UTILIZADA 1. Orientação Geral para o

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O uso da Inteligência Competitiva como processo para monitorar tecnologias, legislação, ambiente regulatório, concorrência,

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações.

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações. Un/SP -ertificação Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO

PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO PERFIL DAS ALUNAS CONCLUINTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNIVAP CONFORME A SUA PRÓPRIA PERCEPÇÃO Michelle Chierecci 1, Cidália Gomes 2 1 UNIVAP, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, Avenida

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Descrição dos processos de treinamento e sua importância

Descrição dos processos de treinamento e sua importância Descrição dos processos de treinamento e sua importância Alisson Henrique Silva¹; Jaqueline Nascimento da Silva²; Lorena Coutinho Rodrigues³; Cleiton Magela Luz 4 ; Márcio Rezende Santos 5 (1) Estudante

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Instituto de Economia - UFRJ Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Ary V. Barradas Email: ary@ie.ufrj.br Empreendedorismo o empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO EM GESTÃO HOSPITALAR 2013.1

CURSO TECNOLÓGICO EM GESTÃO HOSPITALAR 2013.1 UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP 5. Santos: Oportunidades e Riscos do Desenvolvimento CAMPUS- SANTOS A cidade de Santos, na região metropolitana da Baixada Santista, com mais de 430 mil habitantes é na atualidade

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

Quem somos PRINCÍPIO: PROPÓSITO: PROPOSIÇÃO DE VALOR:

Quem somos PRINCÍPIO: PROPÓSITO: PROPOSIÇÃO DE VALOR: Quem somos PRINCÍPIO: Acreditamos no potencial de diversos atores cocriando soluções para os desafios da atualidade e colaborando para a transição da economia e da sociedade para modelos mais justos, sustentáveis

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE FINANCIAMENTO

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE FINANCIAMENTO O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME ETENE MACROECONOMIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE

Leia mais

Curso de bacharelado em engenharia de produção

Curso de bacharelado em engenharia de produção CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 Curso de bacharelado em engenharia de produção CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Código de Ética e Conduta Lojas Renner

Código de Ética e Conduta Lojas Renner Código de Ética e Conduta Lojas Renner Junho de 2008 Introdução Carta do Presidente Código de Ética: Valores e Princípios Empresariais Código de Conduta: Colaboradores Fornecedores Clientes Comunidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais