Elvis Magno da Silva, autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elvis Magno da Silva, autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor"

Transcrição

1 COMO CALCULAR O CUSTO DE CAPITAL DE AÇÕES PREFERÊNCIAS: UM CASO SOBRE A FORD MOTOR COMPANY Elvis Magno da Silva, autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor 1 FACESM/Gpde, Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 45 - Itajubá MG 2 FAPEMIG/IC, Rua Raul Pompéia 101, São Pedro, Belo Horizonte MG 3 UNINOVE/PMDA, Rua Guaranésia, 425, Vila Maria, São Paulo-SP Resumo Foi visto uma das formas de levantamento de recursos de longo prazo para as empresas que é as ações preferenciais. O objetivo do trabalho é mostrar à luz da administração financeira um dos princípios fundamentais que norteiam as decisões de investimento quanto a emissão de ações preferenciais por uma corporação, que é o calculo do custo de capital das ações preferenciais. Foi utilizado um método de pesquisa bibliográfica para o levantamento da revisão literário do assunto, bem como considera-se este trabalho como uma pesquisa quantitativa por sua natureza de calculo numérico e também um estudo de caso onde foi feito uma referencia da Ford Motor Company sediada nos Estados Unidos da América. Como resultado, obteve-se o custo de capital das ações preferenciais emitidas pela empresa Ford em 29 de Agosto de 2000 na New York Stock Exchange (NYSE Bolsa de Valores de Nova York). Pode ser concluído com este trabalho que o estudo do custo de capital é importante porque mostra aos administradores financeiros como chegar ao valor do custo de capital das ações preferenciais de forma a constatar e examinar a viabilidade do uso deste expediente para a obtenção de recursos financeiros de longo prazo para a empresa, através da emissão deste tipo de ações. 1. Introdução Braga (1995, p.23) afirma que os recursos financeiros supridos pelos proprietários e pelos credores das empresas encontram-se aplicados em ativos utilizados na produção e comercialização de bens ou na prestação de serviços. As receitas obtidas com as operações devem ser suficientes para cobrir todos os custos e despesas incorridos e ainda gerar lucros. Paralelamente a esse fluxo econômico de resultados ocorre uma movimentação de numerário que deve permitir a liquidação dos compromissos assumidos, o pagamento de dividendos e a reinversão da parcela remanescente dos lucros. Deste modo, cada empresa pode ser visualizada com um sistema que multiplica os recursos financeiros nela investidos. Disto posto, Groppelli e Nikbankht (1999, p.3) colocam que finanças é a aplicação de uma série de princípios econômicos para maximizar a riqueza ou valor total de um negócio. E mais especificamente, maximizar a riqueza significa obter o lucro mais elevado possível ao menor risco. Dentro deste contexto, temos a necessidade de alguns princípios que orientem as decisões de investimento. Com esse fim, surgiu o que hoje conhecemos como Custo de Capital, que é a taxa mínima de atratividade de retorno adequada as modificações devida as incertezas e os riscos do mundo real. (FLEISCHER, 1973, P.154). Stulz (2005, p.1) diz que os mercados financeiros internacionais estão progressivamente se tornando, enormes, integrados e globais mercados de capitais. Isto está a contribuir para o aumento de preços das ações nos países desenvolvidos. Para as empresas que são grandes e visíveis o suficiente para atrair investidores globais, com uma base acionista global, significa ter um menor custo de capital e, portanto, uma maior valorização patrimonial. O objetivo deste trabalho é mostrar um dos princípios fundamentais que orientam as decisões de investimento quanto a emissão de ações preferenciais por uma empresa. Para isso, pretende-se responder a seguinte pergunta: como pode ser calculado o custo de capital das ações preferências emitidas por uma empresa? No intuito de resolver esta pergunta, será visto os conceitos e definições de Custo de Capital, de ações preferências, e a fórmula de cálculo do custo de capital das ações preferenciais. Também será visto a aplicação do conceito na empresa Ford Motor Company que é uma das maiores produtoras de automóveis do mundo, sediada em Dearborn, Estado de Michigan nos Estados Unidos, e por fim, a análise dos resultados e conclusões que puderam ser obtidas. 1

2 2. Metodologia Será assumido que este trabalho é uma pesquisa bibliográfica conjunta com um estudo de caso. Conforme Gil (2000, p.63) pesquisa bibliográfica é aquela em que os dados são obtidos de fontes bibliográficas, ou seja, de material elaborado com a finalidade explícita de ser lido. Ainda segundo Medeiros (2007, p.49-50) ele afirma que a pesquisa bibliográfica procura dados em varias fontes diferentes e que se caracteriza como documentação indireta. Já a investigação de estudo de caso: (...) enfrenta uma situação tecnicamente única que haverá muito mais variáveis de interesse do que de pontos de dados, e, como resultado, baseia-se em várias fontes de evidências, com os dados precisando convergir em um formato de triângulo, e, como outro resultado, beneficia-se do desenvolvimento prévio de proposições teóricas para conduzir a coleta e análise de dados (YIN, 2001, p. 33). 3. O Custo De Capital Modigliani e Miller (1958, p.1) fazem a seguinte pergunta para as instituições financeiras, para os gestores financeiros e para os economistas teóricos: Qual é o custo do capital para uma empresa em um mundo no qual os fundos são utilizados para adquirir bens cujos rendimentos são incertos? Ainda colocam que somente através da economia teórica, é possível levantar argumentos essenciais como o levantamento do custo de capital. Disto posto, Easley e O Hara (2004, p.1) dizem que o custo de capital para uma empresa é fundamental para uma variedade de decisões empresariais. A partir de determinação da taxa de retorno para os projetos de investimento e para influenciar a composição da estrutura de capital da empresa, o custo do capital influencia as operações da empresa e sua posterior rentabilidade, afirmam os autores. Gitman (2002, p.382) coloca que o custo de capital é um conceito muito importante. Diz que ele atua como o maior elo entre decisões de investimento a longo prazo da empresa e a riqueza dos proprietários, conforme determinado pelos investidores do mercado. Afirma que o custo de capital é um número mágico, usado para decidir se um investimento corporativo proposto vai aumentar ou diminuir o valor da ação da empresa. Groppelli e Nikbankht (1999, p ) já trazem o custo de capital como sendo a taxa de retorno que uma empresa deve pagar aos investidores a fim de induzi-los a comprar ações, títulos e outros papéis. Para eles, os indivíduos devem tomar a decisão de onde investir suas possível. Determinar quais os ativos são rentáveis e quais não são, precisa-se de uma ponto de referencia. E para os autores, esse ponto de referência é conhecido como taxa de retorno desejada. Ainda segundo os mesmos, no que se refere a investimentos, essa taxa de retorno desejada pode também ser chamada de custo de capital. Braga (1995, p.302) ainda coloca que o custo de capital corresponde à média ponderada das taxas de custo das diversas fontes de financiamento a longo prazo que integram a estrutura de capital da empresa. E ainda que os investimento em ativos fixos devem ser financiados com recursos permanentes que integram a estrutura de capital da empresa, formada pelos empréstimos a longo prazo, recursos captados através da colocação de ações no mercado e a parcela dos lucros não distribuída aos acionistas. Gitman (2002, p.382) explica que o custo de capital pode ser definido como a taxa de retorno que a empresas precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de mercado de suas ações. Ele pode ser também considerado como a taxa de retorno exigida pelos fornecedores de capital do mercado, para atrair seus fundos para a empresa. Se o risco for mantido constante, a implementação dos projetos com uma taxa de retorno acima do custo de capital aumentará o valor da empresa e a implementação dos projetos com a taxa de retorno abaixo do custo do capital diminuirá o valor dela. Ferreira (2005, p.174) também afirma que custo de capital é a taxa de retorno que uma empresa necessita obter sobre os investimentos, para manter inalterado seu valor patrimonial. O custo de capital pode ser afetado por diversos fatores, em geral, ligados a riscos e fatores derivados dos fundamentos da economia do país em que a empresa opera. Como por exemplo: Risco de negócio/risco operacional: de forma geral é o risco que a empresa corre de ser incapaz de cobrir os custos operacionais. Risco financeiro: é o risco que a empresa corre de ser incapaz de cumprir com os compromissos financeiros (juros, pagamentos de dividendos, pagamento de empréstimos). Fleischer (1973, p.152) coloca que qualquer dinheiro investido dentro de uma firma pode ser classificado como dívida ou participação, conforme a natureza da sua fonte. Para o autor, capital de participação pode ser definido como aqueles fundo que são fornecidos pelos proprietários da firma sob a forma de lucros advindos de operações anteriores e mantidos para reinvestimento, ou da infusão de novo capital criado por novos proprietários através da rendas com o fim de ganhar o maior retorno 2

3 venda de lotes adicionais de ações ordinárias da firma. Já capital de dívida, por outro lado, consiste de fundos fornecidos por indivíduos e instituições sob a forma de empréstimos que devem ser repostos de acordo com cláusulas contratuais. Debêntures são o tipo mais comum de capital de dívida. Tanto as debêntures como as ações preferenciais são freqüentemente chamadas de certificados superiores de garantia, pois os possuidores desses certificados estão ligados aos ativos da firma acima dos acionistas ordinários. As principais fontes de fundos de investimentos estão representados na figura abaixo. Novos emprestadores divida Para manter o nível atual de atividade Fundos disponíveis para investimento Novos proprietários participação externa Investimento Interno Para pagar dívidas Para as Principal e despesas de juros para os negócios investidores atuais Para financiar a expansão Para impostos Dividendos para os proprietários atuais Investimento Externo Ganhos Lucros retidos para reinvestimento Ainda Fleischer (1973, p ), no mundo real, onde os recursos são limitados, tanto o capital de dívida como o de participação têm um custo no sentido de que, se esses fundos não forem empregados dentro da empresa, certos custos ligados ao empréstimo podem ser evitados e o capital liberado pode ser lucrativamente empregado em qualquer outro lugar. Claramente, a fim de evitar uma operação não-econômica, cada incremento de investimento interno deve dar um retorno pelo menos igual ao custo incremental dos fundos associados. O custo do capital institui um limite inferior, ou nível mínimo, contra o qual todos os investimentos prospectivos devem ser comparados. Outra função da formulação do custo de capital é a determinação da estrutura ótima de capital para uma dada firma. Isto é, se o custo do capital é função das quantias relativas de capital de dívida e de participação empregados, para qualquer quantia total de capital requerido, há um certo equilíbrio entre dívida e participação que minimizará o custo do capital global. Gitman (2002, p.384) ainda diz que o custo de capital é estimado em um dado momento específico, e reflete o custo médio futuro dos fundos por um longo prazo, com base nas melhores informações disponíveis. Esse enfoque é coerente com a utilização do custo de capital para decisões de investimentos financeiros Figura 1: Fluxo de Capital de Investimento levantem em geral recursos recebidos de uma só vez, o custo de capital deveria refletir o interrelacionamento das atividades financeiras. Por exemplo, se uma empresa capta fundos por meio de empréstimos hoje, é bem provável que terá de usar, na próxima vez, alguma forma de capital próprio, tal como ações ordinárias. Muitas empresas mantêm um mix ótimo de financiamento, através de capital de terceiros e próprio. Esse mix é chamado de estrutura-meta de capital (mix desejado de financiamento para maximizar a riqueza de seus proprietários). Groppelli e Nikbankht (1999, p ) coloca que o papel do custo de capital no processo de decisão pode ser explicado da seguinte forma: quando uma empresa emite títulos, ela promete pagar um retorno aos seus credores e acionistas. Esse pagamento representa um custo. Os fundos obtidos pela emissão de ações e títulos são investidos com o propósito de geração de lucro para a empresa. Essa renda, geralmente referenciada como fluxo de caixa, é medida pelo cálculo dos valores presentes dos retornos gerados pelos investimentos e comparada com os custo dos investimentos. Diamond e Verrecchia (1991, p.1) afirmam que o estudo do custo de capital proporciona maior procura por parte dos grandes investidores nas ações das empresas devido ao aumento da liquidez dos seus títulos. Também, as a longo prazo. Embora na realidade as empresas 3

4 grandes empresas vão divulgar mais informação, uma vez que se beneficiam mais, e esta divulgação também reduz o risco da capacidade disponível através do mercado decisório. Gitman (2006, p. 403) comenta sobre o custo de fontes específicas de capital. Para ela, o financiamento de longo prazo sustenta os investimentos em ativos permanentes da empresa, assim, deve se concentrar somente nas fontes de fundos de longo prazo disponíveis. Ainda afirma que há quatro fontes básicas de fundos de longo prazo para a empresa: Capital de terceiros de longo prazo; Emissão de ações preferenciais; Emissão de ações ordinárias; e Retenção de lucros. O lado direito de um balaço patrimonial pode ser utilizado para ilustrar tais fontes. Destes conceitos, será visto especificamente na próxima seção, como calculas o custo de capital das ações preferências. 4. Determinando O Custo De Capital Das Ações Preferenciais Como visto na tabela 1 da seção anterior, as ações preferências são fontes de recurso de longo prazo que auxiliam no sustento de investimentos em ativos permanentes da empresa. Por isso a importância de se estudar a formulação de seu custo de capital. Para isso será necessário uma breve recordação sobre o que é e quais são as características das ações preferenciais, e como calcular seu valor. Gitman (2002, p.268) diz que uma ação preferencial concede ao seu titular certos privilégios que o tornam superior a acionistas ordinários. Para os acionistas preferenciais há uma promessa de dividendo periódico fixo, definido em termos percentuais ou em valor monetário, normalmente dólar americano. Assim temos a ação preferencial com valor nominal e ação preferencial sem valor nominal. A ação preferencial com valor nominal possui valor de face declarado e seu dividendo anual é definido como porcentagem desse valor. A ação preferencial sem valor nominal não possui valor de face declarado, mas seu dividendo anual é expresso em dólares por ação. Keown at al (2002, p.242) definem ação preferencial como sendo um título hibrido com características das ações ordinárias e de obrigações (ou dívidas). De ações ordinárias porque não tem data de vencimento fixa, o não pagamento de dividendos não leva a falência, e os dividendos não são dedutíveis de impostos propostos. E também é similar as obrigações em que os dividendos são limitados em quantidades. Apoiando este pensamento de Keown at al, Brigham e Houston (1999, p.327) também diz que as ações preferenciais são um híbrido são semelhantes aos títulos em alguns aspectos e às ações ordinárias em outros. Dizem que como os títulos, as ações preferenciais têm um valor ao par e uma quantia fixa de dividendos que devem ser pagos, antes que possam ser distribuídos dividendos às ações ordinárias. No entanto, se o lucro for insuficiente para pagar o dividendo preferencial, os diretores podem omiti-lo (deixar de paga-lo) sem que a empresa vá à falência. Ainda segundo Brigham e Houston (1999, p. 327), afirmam que os contadores definem as ações preferenciais como capital próprio (patrimônio líquido) e as listam na parte de patrimônio líquido sob o título de ações preferenciais ou patrimônio líquido das ações preferenciais. Contudo, os analistas financeiros às vezes tratam as ações preferenciais como dívida e, outras vezes, as tratam como capital próprio, dependendo do tipo de análise que está sendo feita. Gitman (2002, p.268) ainda complementa colocando que os acionistas preferenciais desfrutam de preferência em relação aos acionistas ordinários no que se refere à distribuição de lucros, porém em geral não recebem direito de voto. Normalmente, os acionistas preferências também desfrutam de preferência na liquidação de ativos de uma empresa em processo legal de falência, embora devam ficar na fila, atrás dos credores. Johnson (1973, p.240) coloca que ao planejarmos uma emissão de ações preferenciais, precisamos estabelecer uma relação entre os dividendos anuais e o montante líquido que será recebido pelo emissor. Admite-se neste cálculo que das ações não serão gradativamente resgatadas. Embora os dividendos das ações preferenciais não sejam uma obrigação fixa. Keown at al (2002, p. 246) explicam como calcular o valor da ações preferencial. Considerando V ps como sendo o valor presente da ação preferencial, tem-se: 4

5 (1) Nomeando Dividendos por D, e taxa de retorno requerida por K ps, temos de forma resumida a seguinte fórmula: (2) Ainda segundo Keown at al (2002, p. 246), devido ao fato dos dividendos das ações preferenciais serem representadas por uma perpetuidade, esta equação pode ser reduzida para seguinte relação: (3) Por exemplo, se uma ação deu $ 3,64 em dividendos no ano, e a taxa de retorno para o período era de 7%, temos uma valor presente da ação preferencial de: Gitman (2002, p.407) diz que a ação preferencial representa um tipo especial de participação na propriedade da empresa. Ela proporciona aos acionistas preferenciais o direito de receber seus dividendos estipulados antes da distribuição de quaisquer lucros aos acionistas ordinários. Como a ação preferencial representa uma forma de propriedade, o dinheiro recebido com sua venda tende a ser conservado por prazo indeterminado. Brigham e Houston (1999, p.346) expõem que o custo das ações preferenciais é a taxa de retorno que os investidores exigem das ações preferenciais da empresa. Para responder a questão problema deste trabalho ( como pode ser calculado o custo de capital das ações preferências emitidas por uma empresa? ) será demonstrado, a seguir, como calcular o custo de capital de uma ação preferencial por Keown at al (2002, p ). Eles colocam que a ação preferencial é a divisão entre os dividendos desta mesma ação preferencial e o recebimento líquido das vendas das ações. Veja: (4) Onde: Kp é o custo das ações preferências; Dp são os dividendos pagos anuais em dólares; Np são os recebimentos líquidos com a venda das ações. Ainda para Brigham e Houston (1999, p.347), no cálculo do custo de capital não se faz nenhum ajustamento para os impostos, porque os dividendos das ações preferenciais, ao contrário dos gastos de juros com a dívida, não são dedutíveis e, portanto, não existe nenhum benefício fiscal associado à utilização das ações preferenciais. 5. Ford Motor Company E Seu Custo De Capital Ford Motor Company é uma das maiores produtoras de automóveis do mundo. Sediada em Dearborn, Estado de Michigan nos Estados Unidos, é constituída pelas marcas Ford, Volvo Cars, Lincoln, Mercury, Mazda, e recentemente a Troller, montadora de veículos off-road do estado do Ceará. Atualmente o Presidente da empresa é o bisneto de Henry Ford,William Ford Jr. (http://www.fordvehicles.com). Em 29 de Agosto de 2000, Ford Motor Company teve uma emissão de ação preferencial negociada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), e teve um preço de fechamento de $26,25 e um dividendo líquido anual de $2,06 por ação. Assumindo que a empresa fosse vender uma ação preferencial emitida com a mesma característica da emissão excelente, incorrendo custos de emissão de $2,00 por ação e as ações seriam vendidas durante 29 de Agosto de 2000, pelo preço fechamento. Qual seria o custo da ação preferencial de Ford? (KEOWN AT AL, 2002, p.386). Para resolução desta questão, retoma-se o raciocínio da formula (4): (4):, assim deve-se agora verificar quais dados temos para a resolução do problema: Preço de fechamento - $26,25 Dividendo anual - $2,06 Preço venda da ação - $26,25 5

6 Custo da emissão da ação - $2,00 Período 29/08/2000. Da formula sabe-se que: Dp são os dividendos pagos anuais em dólares; Np são os recebimentos líquidos com a venda das ações. Os dividendos foram de $2,06 por ação ao ano, e o recebimento líquido da venda, deverá ser calculado. Entende-se por recebimento líquido da venda de ações, o preço pelo qual foi vendido, menos os custos que incorreram na venda de cada ação. Neste caso, ($26,25 - $2,00). Disto posto, volta-se para formula do calculo do custo de capital: Lembrando que não há ajuste para os impostos, visto que os dividendos preferenciais não são dedutíveis, isto é, são pagos os dividendos preferenciais após os impostos. 6. Considerações Finais Foi visto com este artigo que o custo de capital é um conceito muito importante porque é o maior elo entre decisões de investimento a longo prazo da empresa e a riqueza dos proprietários, conforme determinado pelos investidores do mercado. Sendo considerado um número mágico, usado para decidir se um investimento corporativo proposto vai aumentar ou diminuir o valor da ação da empresa. (GITMAN, 2002, p.382). Também foi visto que as ações preferenciais são uma das fontes de recurso de longo prazo, como se calcula o valor presente destas ações, e como se calcula seu custo de capital, que foi o objetivo deste trabalho. A principal contribuição deste trabalho foi mostrar aos gestores financeiros como calcular o custo de capital das ações preferenciais de forma a verificar a viabilidade do uso deste expediente para a aquisição de recursos financeiros para a empresa através da emissão dessas ações. Do caso da Ford Motor Company, em sua emissão de ações preferenciais em 29 de Agosto de 2000, podemos concluir que a taxa de retorno exigida dos acionistas foi de 8,5% ao ano. Como sugestão para trabalhos futuros, pode-se realizar uma comparação do custo de capital da emissão das ações preferenciais com o custo de capital da emissão das ações ordinárias pelo modelo de crescimento dos dividendos, que é mencionado por Keown at al (2002, p ). Uma das limitações deste estudo foi a falta de acesso a dados mais recentes da Ford Motor Company, que infelizmente não disponibiliza o custo de ações preferenciais emitidas. O que se tem é a cotação destas ações e os dividendos pagos, ficando incompletos assim os dados para análise. 7. Referência BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira; Ed. Atlas; São Paulo/SP; BRIGHAM, Eugene F.; HOUSTON, Joel F.. Fundamentos da Moderna Administração Financeira. Ed. Campus; Rio de Janeiro/ RJ; DIMOND, Douglas W.; VERRECCHIA, Robert E. Disclosure, Liquidty, And The cost of Capital; 1991; American Finance Association; em acessado 22/04/2009. EASLEY, David; O HARA, Maureen. Information and the Cost of Capital. The Journal of Finance; Vol. LIX; No.4; Agosto de Em acessado 22/04/2009. FERREIRA, José A. Stark. Finanças Corporativas; Ed. Person Prentice Hall; São Paulo/SP; FLEISCHER, Gerald A. Teoria da Aplicação do Capital; Ed. Edgard Blucher; São Paulo/SP; GIL, Antonio C. Técnicas de Pesquisa em Economia. São Paulo: Atlas, GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7ª edição; Ed. Harbra; São Paulo/SP; GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 10ª edição; Ed. Pearson; São Paulo/SP; GROPPELLI, A.A.; NIKBAKHT, Ehsan. Administração Financeira; Ed. Saraiva; São Paulo/Sp; JOHNSON, Robert W.. Administração Financeira. 3ª edição; Ed. Livraria Pioneira; São Paulo/SP; KEOWN, Arthur J.; MARTIN, John d.; PETTY, William J.; SCOTT JR, David F.. Financial Management: Principles And Applications; 9ª edition; Ed.Prentice Hall; New Jersey; MEDEIROS, José Adelino. Estrutura e espaços voltados à inovação e parceria: papel dos pólos e parques tecnológicos. Tecnológicos e Meio Urbano Artigos e Debates: Organizado por Gina G. Paladino e Lucília Atas Medeiros. Brasília; MODIGLIANI, Franco. MILLER, H.. The Cost of Capital, corporation Finance and The Theory of Investment. Volume XLVIII; June 1958, Number Three; The American Economic Review. STULZ, René M.. Globalization, Corporate Finance, and The Cost of Capital. Journal of Applied Corporate Finance, 6 Apr Morgan Stanley. YIN, Robert k. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2 ed. Porto Alegre, Bookman, companyinformation fordvehicles&v=html acessado em 21/04/

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 11: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO As empresas dispõem de fontes internas e fontes externas de recursos financeiros para o financiamento de suas atividades. Com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS Elvis Magno da Silva, autor Douglas Ribeiro Lucas, co-autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor

Leia mais

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital Prof: Cleber Almeida de Oliveira 1. Introdução Neste módulo abordaremos as decisões de investimento e de financiamento. Os seguintes conceitos deverão

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Adm. Ademir Antonio Saravalli e-mail: ademir_saravalli@yahoo.com.br CURSO: Administração DISCIPLINA: Administração Financeira Professor: Ademir Antonio Saravalli Custo Marginal

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas:

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas: Análise de Projetos e Investimentos Autor: Prof. Ms. Thiago Nunes Bazoli Investimentos Podemos chamar de investimento em um determinado período os gastos destinados a ampliar a futura capacidade de consumo.

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS

ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS ESTATÍSTICA E MERCADO DE CAPITAIS: COMO OBTER INFORMAÇÕES FINANCEIRAS DE DADOS ESTATÍSTICOS Elvis Magno da Silva, autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor 1 FACESM/Gpde, Av. Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E SUAS FUNÇÕES

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E SUAS FUNÇÕES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E SUAS FUNÇÕES Definir finanças e suas principais áreas, serviços financeiros e administração financeira. Comparar os objetivos de maximização dos lucros,

Leia mais

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR GERÊNCIA DE SANEAMENTO BÁSICO Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR Goiânia, Abril de 2015 Estudo da Revisão Tarifária Ordinária de 2015 GESB/AGR 1 Sumário 1. Introdução 4 2. Da Competência

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA REVISÃO DA TEORIA MODERNA DE MODIGLIANI E MILLER Ana Lúcia Pegetti 1 1 USP Universidade de São Paulo PNV Programa de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Naval Av. Prof.

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

Estrutura de Capital: Uma estratégia para o endividamento ideal ou possível.

Estrutura de Capital: Uma estratégia para o endividamento ideal ou possível. Estrutura de Capital: Uma estratégia para o endividamento ideal ou possível. Amanda Freixo Batista (UVA/RJ) amandafreixo@hotmail.com.br Benjamim de Souza Siqueira (PPGEN/UFRRJ) benjaminsiqueira@imagelink.com.br

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 Sumário Prefácio Parte Um Introdução à administração financeira xiii Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 1.1 Finanças e empresas 3 O que são finanças? 3 Principais áreas e oportunidades

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Por que o valor do dinheiro muda com o passar do tempo? Toda análise financeira leva em consideração um de seus principais paradigmas: o dinheiro perde

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 245 Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 UMINO, Cássia Akiko 2 ALCANTARA NETTO, Dimas de Barros 3 Introdução O presente texto tem como objetivo tratar do trabalho

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído

Remuneração aos Nossos Acionistas. Bonificação e Custo Atribuído Remuneração aos Nossos Acionistas Na reunião do Conselho de Administração do dia 3 de agosto foi deliberada a distribuição de Juros sobre Capital Próprio (JCP) complementares aos dividendos mensais, a

Leia mais

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Dany Rogers (FAGEN/UFU) danyrogers@yahoo.com.br Pablo Rogers (FAGEN/UFU) pablorogerss@yahoo.com.br

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo ESBOÇO 1. Risco 2. Risco de Fluxo de Caixa 3. Risco da Taxa de Re-investimento 4. Risco da taxa de juros 5. Risco do poder de compra 6. Retornos e

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial

Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Um Estudo nos Demonstrativos Financeiros Utilizando Técnicas de Análise de Balanços Realizada em uma Empresa do Setor Agroindustrial Vanessa Dalmolin vanessa-dalmolin@hotmail.com UNIFRA Juliana Andréia

Leia mais

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm

http://www.grupoempresarial.adm.br/contab_geral/prof_lima.htm DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS Representam um conjunto de informações que devem ser obrigatoriamente divulgadas, anualmente, segundo a lei 6404/76, pela administração de uma sociedade por ações e representa a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais