A VOZ CANTADA. Marta Assumpção de Andrada e Silva 1. Renata Assumpção Barbosa 2 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VOZ CANTADA. Marta Assumpção de Andrada e Silva 1. Renata Assumpção Barbosa 2 RESUMO"

Transcrição

1 A VOZ CANTADA Marta Assumpção de Andrada e Silva 1 Renata Assumpção Barbosa 2 RESUMO Foi realizado um primeiro levantamento sobre a publicação fonoaudiológica com a temática voz cantada, de 1992 a 2004, no qual encontramos 147 trabalhos. No levantamento atual que abrange os anos de 2005, 2006 e 2007, a produção levantada corresponde a um total de 117 trabalhos. Verificamos também que a temática geral dos trabalhos tem sido ampliada, como por exemplo, com trabalhos que relacionam o canto com sujeitos parkinsonianos e idosos. Objetivo: realizar um levantamento da produção científica fonoaudiológica sobre o tema voz cantada (canto, música na Fonoaudiologia) nos anos de 2005, 2006 e Método: a busca foi realizada em bibliotecas especializadas, sites institucionais e de periódicos da área. Resultados: o maior número de trabalhos (55) estava na forma de resumo em suplemento especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) ; em Anais de Jornadas, Encontros e Mostras foram 18 trabalhos. Em graduação (TCC) foram realizados dez trabalhos, sete monografias de especialização, seis dissertações de mestrado, dez capítulos de livro e sete artigos publicados em periódicos da área. Em relação ao tipo, o cantor de coral foi o mais pesquisado. A temática central de investigação foi a da análise da dinâmica vocal seguida de trabalhos com aquecimento e desaquecimento vocal. Conclusão: podemos concluir que existe um aumento significativo de pesquisas na área de canto, voz cantada e música. Esse aumento dos estudos não se deu apenas em quantidade, mas principalmente em diversificação dos tipos de cantores pesquisados e das temáticas de investigação. O maior número de pesquisa foi desenvolvido com cantores de coral e a forma mais presente de apresentação dos resultados desses trabalhos são os Anais. Palavras-chave: voz, música, pesquisa 1 Fonoaudióloga Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP 2 Fonoaudióloga Mestre em Fonoaudiologia pela PUC-SP

2 INTRODUÇÃO No primeiro levantamento realizado por Andrada e Silva e Assumpção (2004) 1 sobre a produção fonoaudiológica com a temática voz do cantor dos anos de 1992 a 2004, foram encontrados 147 trabalhos. Destes, levantamos todos os trabalhos sobre a voz do cantor, tendo como foco principal a voz profissional. No levantamento atual que abrange apenas três anos: 2005, 2006 e 2007, a produção foi de 117 trabalhos. Como observamos um crescimento visível nas pesquisas com os tema canto, voz cantada e música, optamos por ampliar o espectro desses trabalhos, para além da voz profissional. Passamos a considerar importante mostrar a diversidade de pesquisas que utilizaram o canto e/ou a música com outras populações. Trabalhos desenvolvidos com indivíduos portadores de Doença de Parkinson 2-5 foram quatro, com temáticas de prática de canto coral e avaliação; com idosos 6-11 encontramos uma grande variedade de temas, entre eles oficinas, medidas de extensão vocal e capacidade vital. Outro trabalho que refere-se à voz profissional, porém mais direcionado para aspectos da avaliação de um material de domínio público foi o de análise das vozes das canções interpretadas por personagens de filmes infantis 12. OBJETIVO Realizar um levantamento sobre a produção científica fonoaudiológica nos anos de 2005, 2006 e 2007 que tiveram como tema o canto, a voz cantada e/ou a música.

3 MÉTODO O primeiro levantamento foi realizado nas bibliotecas relacionadas com a temática (BIREME, PUC/SP, DERDIC, USP, UNIFESP). Posteriormente, por meio de divulgação deste levantamento pela forma eletrônica, utilizando as listas do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa) e do LaborVOX (grupo e site da linha de pesquisa em voz do Programa de Estudos Pósgraduados em Fonoaudiologia da PUC/SP), muitos trabalhos foram enviados por e- mail pelos próprios autores da pesquisa para as responsáveis por esse capítulo. Os trabalhos de conclusão de curso (TCC), as monografias e dissertações também foram levantadas por meio eletrônico em sites institucionais como o da SBFa, do Centro de Estudos da Voz (CEV) e do Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica (CEFAC). O levantamento dos trabalhos em Anais dos Congressos, Encontros, Jornada e Mostra foi realizado por meio dos CDs e materiais impressos fornecidos pelos respectivos eventos. Os artigos foram pesquisados em sites de revistas (Pró-fono, Fono-atual, da SBFa, CEFAC, Distúrbios da Comunicação (DIC) e da SBORL). Os capítulos de livros foram encontrados nas bibliotecas, acima citadas, e em lojas especializadas em produtos fonoaudiológicos. Nossa proposta, ao contrário da edição anterior, foi primeiramente separar os tipos de cantores pesquisados e em seguida as temáticas centrais dos trabalhos. Vale esclarecer que nem sempre o autor deixa claro no título, objetivo ou método qual tipo de cantor foi pesquisado. Outra questão é que alguns cantores podem se encaixar em duas categorias. Um exemplo são os cantores de coral evangélico, que tanto podem entrar no grupo dos cantores de corais, quanto no dos religiosos. Para esses casos, nossa opção foi escolher o tipo de canto que estivesse mais

4 relacionado ao método da pesquisa e à forma central de investigação. Assim, no exemplo citado, optamos por classificá-los como cantores de coral, pois o fato de serem evangélicos não foi o diferencial do trabalho.

5 RESULTADOS E DISCUSSÃO Em relação ao tipo de publicação (Gráfico 1), verificamos semelhança ao primeiro levantamento. O predomínio das publicações continua em anais de congressos. Em contrapartida, a publicação em periódicos teve aumento discreto, porém significativo. Isso sem dúvida mostra o interesse dos fonoaudiólogos em divulgar seus trabalhos, que num primeiro momento foram levados para o Congresso, nos meios científicos de maior reconhecimento, como as revistas da área. Foram encontrados 55 trabalhos em Anais de Congresso, na forma de resumos expandidos e simples em suplemento especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2,5-9,11,13-60 ; dois na Jornada da FOB/USP- Bauru 10; ; dois no Encontro do Departamento de Voz da SBF 62,63 e 14 trabalhos nas Mostras de Estudos e Pesquisas sobre Voz da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) Nesses encontros científicos da Fonoaudiologia encontramos 18 trabalhos ao todo. Em Congressos de Iniciação Científica 78,79,80 foram três trabalhos e um em Congresso de Otorrnolaringologia 81. Verificamos que foram realizados dez trabalhos de conclusão de curso (TCC) de graduação em Fonoaudiologia. Vale ressaltar que no primeiro levantamento (Andrada e Silva, Assumpção, 2004) 1 não havia sido encontrado nenhum. Ao considerarmos pós-graduação, encontramos sete monografias de especialização 3,4,12; e seis dissertações de mestrados ; mas não encontramos, nos anos investigados, nenhuma tese de doutorado sobre o tema Foram levantados dez capítulos de livro sobre o tema (mas nenhum livro inteiro) e, por fim, sete artigos publicados em periódicos da área: CEFAC,

6 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia e a Fono-atual (que parou de ser editada). As formas de publicações encontradas podem ser vistas no Gráfico 1. Gráfico 1 Distribuição em valores numéricos das diferentes formas de publicação Verificamos, portanto, que há prioridade na apresentação de trabalho em Anais. Esse aspecto tem uma característica positiva, uma vez que é nos Congressos, Jornadas, Mostras e Encontros que podemos divulgar os trabalhos, trocar experiências, discutir metodologias. Por outro lado, por ser resumida, essa forma de publicação tem seus limites. Assim, muitas vezes temos dificuldade para compreender o método da pesquisa, a discussão ou até mesmo os resultados e conclusão do trabalho. É difícil conseguir priorizar claramente as informações em 300, 500 ou até mesmo em 1500 palavras, sem deixar dúvidas acerca do método ou da totalidade da pesquisa. Outra questão importante é que a publicação valorizada no meio científico e acadêmico é a publicação em periódicos. Para se publicar em uma revista, dependemos de normas e exigências além da análise rigorosa do corpo editorial.

7 Esses aspectos sem dúvida darão ao trabalho um maior rigor metodológico e científico. Acreditamos que o caminho para se fazer ciência na Fonoaudiologia é o dos trabalhos apresentados em Anais, das monografias e dissertações concluídas, dos quais deveriam surgir bons artigos para fortalecer os periódicos e deixá-los bem indexados na nossa área. Tal como no primeiro levantamento, encontramos, em relação ao tipo de cantor, um maior número (43) de trabalhos sobre cantores de corais 2-4,7,9-11,13,14,21-23,31-33,36,40,42,45,47-50,54-57,59,61,62,66,68,71,80,83,90,94,99,104,113,114,116,117. Nessas pesquisas, alguns deles se definem como coralistas amadores, outros como coralistas infantojuvenis, outros como evangélicos. Colocamos todos em um único grupo pois consideramos que os cantores de corais não são profissionais da voz, uma vez que existem poucos coros profissionais (na cidade de São Paulo, por exemplo, há apenas três) e nenhum trabalho referiu-se a esse tipo de coral. O segundo tipo de cantor com maior número de publicações registradas, foi o cantor popular 16,20,24,26,28,30,35,41,46,52,53,58,60,63,64,75,76,79,89,91,93,95,96,100,109,111,115, totalizando 27. Quanto aos cantores populares aparece um dado interessante que são as definições de trabalhos a partir do gênero musical. Encontramos seis trabalhos com cantores de rock 20,46,52,64,89,93, quatro com sertanejo 24,95,96,111, um com axé 109, quatro com canto japonês 60,63,79,115 e dois trabalhos com cantores da noite 26,53. O fato de o gênero musical ser um diferencial para escolha de um tema já demonstra a riqueza e a especificidade da pesquisa na área da voz cantada. Outro ponto que vale ressaltar é que nos trabalhos atuais existe uma preocupação de destacar gêneros específicos dentro de um estilo mais global; um exemplo é o cantor de heavy metal.

8 Diferentemente do primeiro levantamento, em que os cantores religiosos apareceram em 13 trabalhos, agora foram encontrados apenas quatro trabalhos 67,82,88,92, sendo dois sobre o canto gospel 82,92 e dois de canto evangélico 67,88. Esse decréscimo sugere que houve um desvio de interesse, provavelmente em decorrência da menor incidência de procura por atendimento fonoaudiológico por essa população. Da mesma forma, tínhamos encontrado 13 trabalhos sobre o cantor lírico no primeiro levantamento; na busca atual, foram encontrados 11 pesquisas 19,25,37,72-74,77,81, Quando a Fonoaudiologia passou a pesquisar o canto, era de se esperar que o maior requinte exigido pelo canto lírico despertasse grande interesse. Em contrapartida, essa população geralmente é assistida, faz aula de canto, tem conhecimento sobre a própria voz e com menos freqüência procura por auxílio fonoaudiológico. É um publico de difícil acesso para ser pesquisado em decorrência de sua agenda, de seus compromissos profissionais, mas mesmo com essas dificuldades continua sendo estudado. Encontramos 13 trabalhos de cantores que consideramos gerais 17,18,29,38,43,44,51,65,69,102,103,106,108. Nesses trabalhos não aparece definido o tipo de cantor. Sobre perfil de ambulatório encontramos dois trabalhos 17,18 ; sobre avaliação in loco um trabalho 29 ; com o tema expressividade dois trabalhos 38,102 ; que relacionam o corpo e a respiração com o canto foram encontrados dois trabalho 43,69, que trazem configuração do trato vocal e aspectos vocais quatro estudos 51,65,106,108 e uma pesquisa sobre cantores amadores 44. Dois deles têm como foco a atuação fonoaudiológica com o cantor, na perspectiva do trabalho terapêutico, da atuação 38,103. Nesses casos, nem sempre é fundamental definir o tipo de cantor, pois os passos básicos no atendimento tendem a ser semelhantes.

9 Na categoria Outros encontramos 20 trabalhos 5,6,8,12,15,27,34,39,70,78,84-87,101,105,107,110,112,118. O fonoaudiólogo atualmente se interessa mais detidamente pela atuação de regentes e professores de canto. Busca semelhanças e diferenças nas ações e nas atuações com técnicas e exercícios, ao contrário de focar no relacionamento entre essas duas maneiras de assistir o cantor, como era feito anteriormente. Uma novidade em relação ao primeiro levantamento, é que encontramos quatro pesquisas que envolvem o canto com pessoas portadoras de Parkinson 2-5, sendo que três destes estão no grupo de cantores de coral 2-4. Essa perspectiva abre uma nova frente de trabalho com doenças. Dessa maneira, o canto é visto como uma estratégia possível de ser usada na clínica e na assessoria para melhora da comunicação de maneira geral. Nesse mesmo caminho, entra a pesquisa de intervenção com indivíduos idosos. A distribuição dos tipos de cantores encontrados pode ser vista no Gráfico 2. Gráfico 2 Distribuição em valores numéricos dos tipos de cantores pesquisados

10 Encontramos um número menor de pesquisas que relacionam o canto com a idade e a raça. Duas com cantores idosos 6,8 e uma com cantores infanto-juvenis 118. A questão da idade e das mudanças fisiológicas que acontecem ao longo da vida e que trarão conseqüências tanto para a voz falada quanto para a voz cantada serão sempre um foco importante de pesquisa, embora não possam ser consideradas isoladamente, pois dependem de um conjunto de fatores inerentes ao sujeito ou às condição de vida. Três pesquisas realizadas com musicistas 34,78,87 trazem para a Fonoaudiologia uma nova frente de investigação: a compreensão de que o cérebro de um músico instrumentista funciona diferentemente do de um indivíduo sem relação com a música é algo já tratado na Neurociência, mas ainda pouco explorado na nossa área. Seis trabalhos sobre teorias do canto 84,86,112 material cantado de domínio público 12 (músicas de filmes e cantores populares consagrados) e investigação de técnicas adotadas em diferentes escolas de canto 85, demonstram a possibilidade de trabalhos teóricos nesse campo. Dois trabalhos 105,107 que inserem o cantor no trabalho com voz profissional. Três estudos que comparam a imagem laríngea e a voz na fala e no canto 70,101,110 e três trabalhos que relacionam a visão do professor de canto e do regente em relação a aspectos da voz cantada 15,27,39. Apesar de algumas pesquisas envolverem dois ou até três dos temas propostos, optamos por inseri-las na temática que julgamos ser a central. O tema mais pesquisado foi o da análise da dinâmica vocal 5,12,21,24,31-33,36,37,44,49,67,74-77,81,83,87,95,100,109,111,115,118 com 25 trabalhos; em seguida, com 14 pesquisas, foi o aquecimento e desaquecimento vocal 16,20,26,27,39,41,42,53,55,64,66,88-90, sendo que seis delas foram só sobre aquecimento 16,41,53,55,66,90. Fato bem importante, uma vez que no primeiro levantamento o aquecimento não era considerado uma categoria

11 separada, mas incluído em aspectos da fisiologia da voz cantada, e o desaquecimento sequer aparecia. A análise da dinâmica vocal inclui os trabalhos de características perceptivo-auditivas de determinado gênero de cantor. Em seguida, com dez, encontramos ajustes vocais e laríngeos 51,54,56,65,93,97,98,101,108,110 e quatro estudos que fizeram avaliações pré e pós aplicação de técnicas e/ou exercícios vocais 2,3,4,13. No tema ajustes vocais e laríngeos estão as pesquisas que trazem a avaliação otorrinolaringológica por meio do exame de imagem com os respectivos ajustes vocais. Os trabalhos de avaliação pré e pós estão focados na aplicação de uma ou mais técnicas e exercícios de voz e seu efeito. Treze pesquisas utilizaram a análise acústica 16,28,31,55,76,81,95-98,100,101,113 como ferramenta de avaliação, ao passo que as outras usaram só a análise perceptiva. No primeiro levantamento, encontramos 32 trabalhos sobre o perfil de um determinado grupo de cantores, com questões relacionadas a hábitos e saúde vocal; agora foram nove os estudos, com focos mais específicos em questões como carreira e perfil vocal 17,18,22,46,47,80,82,92,116. Essa queda demonstra que agora há um interesse mais específico com a voz cantada e suas particularidades, já que não há mais a necessidade de conhecer o profissional e seus hábitos. Encontramos dez trabalhos que apresentam a questão da queixa e/ou do sintoma vocal 8,14,19,40,52,59,61,68,79,99 na população de cantores. Essa temática é recente, pois não existia no outro levantamento. Foram encontrados cinco trabalhos teóricos 84-86,91,112 que relacionam o canto com a Fonoaudiologia, assim como técnicas e exercícios encontrados na literatura e utilizados por professores de canto e fonoaudiólogos. Oito foi o número de trabalhos com uma temática nas características próprias do canto 9,23,28,70,96,104,114,117 como por

12 exemplo, investigações sobre a extensão vocal, registro e vibrato. Dois trabalhos sobre a atuação fonoaudiológica com o paciente cantor 103,105 foram encontrados - no levantamento anterior foram nove. A preocupação sobre atuação do fonoaudiólogo ainda é grande, mas a dificuldade de se escrever sobre a prática também. Confirmando isso, encontramos apenas cinco estudos de intervenção fonoaudiológica com o canto 6,10,11,71,107. Com a temática afinação 34,78,94 encontramos três trabalhos;com a relação entre corpo, respiração e canto 43,69,72,73 foram quatro; conhecimentos e hábitos de saúde e higiene vocal em cantores 48,50,58,63,79 foram cinco; e qualidade de vida (aplicação do IDV Índice de Desvantagem Vocal) e canto 45,60,62 foram três. Com dois trabalhos estão: avaliação in loco 29,67 ; expressividade e canto 38,102. Encontramos um trabalho teórico sobre o formante do cantor 106 ; um sobre conhecimento e atuação do professor de canto sobre ressonância 15 ; um sobre a percepção de vozes consagradas em variados gêneros musicais 30 ; e um sobre hidratação e canto 35. Encontramos apenas um estudo de caso 25 entre as pesquisas, o que mostra a pouca tradição de pesquisas desse tipo na Fonoaudiologia. A maioria dos trabalhos é quantitativa e qualitativa, sendo que os trabalhos qualitativos ainda aparecem em maior número. Apenas um trabalho 57 apresenta a questão da prevenção, mostrando que ainda as pesquisas com prevenção e promoção são escassas nesse grupo de profissionais. Um trabalho de canto coral juvenil 118 traz a temática da muda vocal, tema muito valorizado na teoria (meninos devem ou não cantar no período de muda vocal?) e com pouquíssimas pesquisas em campo. Encontramos uma pesquisa sobre canto como estratégia de melhora da respiração para população idosa 7. Acreditamos que pesquisas com canto e população idosa devem aumentar, já que tem expectativa de vida no Brasil cresceu nos últimos dez anos e, com isso, tem

13 aumentado a preocupação com a qualidade de vida desse grupo. As pesquisas com canto e sujeitos com doença de Parkinson 2-5 inauguram uma nova frente que possa relacionar sujeitos com diferentes doenças, neurológicas ou não, que podem apresentar melhora na voz com a prática do canto.

14 CONCLUSÃO Podemos concluir que um maior número de pesquisas tem sido desenvolvido com cantores de coral e a forma mais comum de apresentação desses trabalhos são os Anais. A temática mais pesquisada foi a dinâmica vocal, que inclui as avaliações perceptivo-auditivas da voz, seguida de aquecimento e desaquecimento e análise acústica. Sabemos que existe um grande espaço para pesquisas na área de canto, voz cantada e música ainda a ser investigado com outros públicos de cantores e outras populações para que os resultados possam ser posteriormente publicados em periódicos. Para isso a parceria com otorrinolaringologistas, regentes e professores de canto ou de técnica vocal é fundamental. O fonoaudiólogo precisa ter claro seu campo de atuação e perceber que as fronteiras da pesquisa são mais amplas. Para marcarmos nosso espaço no campo científico é necessário que haja publicações em periódicos, da nossa área e de outras afins. Como observamos nesse levantamento, o aumento dos estudos não se deu apenas em quantidade, mas principalmente quanto à diversificação dos tipos de cantores pesquisados e temáticas de investigação. Em relação à metodologia, os trabalhos estão mais específicos, com métodos mais variados e maior profundidade de análise. Dessa forma, o fonoaudiólogo pesquisador amplia o seu olhar, assim como movimenta a intersecção com outros campos de pensamento. Esse é o caminho para se fazer ciência.

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- Andrada e Silva MA, Assumpção R. A voz do cantor. In: Ferreira LP, Oliveira SMRP. Voz Profissional: produção científica da fonoaudiologia brasileira. São Paulo: Rocca; 2004.p Rodrigues SFMA, Diaferia G, Behlau M. Doença de Parkinson: análise perceptivoauditiva e acústica de vozes de coralistas portadores da doença pré e pós-ensaio do coro. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 3- Rodrigues F. Doença de Parkinson: avaliação vocal pré e pós-ensaio de coralistas portadores da doença. [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Rodrigues, FMA. Doença de Parkinson: análises perceptivo-auditiva e acústica das vozes de coralistas portadores da doença - pré e pós ensaio do coro [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz; Santos Junior CLG, Serrato MRF. Práticas vocais da voz cantada na intervenção fonoaudiológica junto à voz dos portadores de Parkinson um estudo preliminar. Resumo em Suplemento Especial da Revista Brasileira da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 6- Brito CMCP, Batista DBP, Vasconcelos JM, Oliveira KL, Medeiros MSN, Braz E. Cantando na 3ª idade: um enfoque fonoaudiológico oficinas para o programa de assistência ao idoso. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 7- Cassol M, Bós AJG. O canto coral melhora a capacidade vital em indivíduos idosos. Resumo em Suplemento Especial da revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 8- Gama ACC, Teixeira LC, Dornelas MT. Análise comparativa do conhecimento de cuidados com a voz e dos sinais e sintomas vocais entre indivíduos idosos cantores e não cantores. Resumo em Suplemento Especial da Revista Brasileira de

16 Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 9- Hanayama EM, Amaral LFP, Rocha TF. Extensão vocal de idosos coralistas e não coralistas. Resumo em Suplemento Especial da Revista Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 10- Oliveira CF, Kasama ST, Brasolotto AG. Avaliação vocal pré e pós-intervenção fonoaudiológica com grupo de mulheres integrantes de um coral da terceira idade. Anais da XIII Jornada Fonoaudiológica da FOB/USP, Valarelli LP, Stumm LC. Terceira idade: efeitos de uma intervenção fonoaudiológica junto a coralistas. Resumo em Suplemento Especial da Revista Brasileira de Fonaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 12- Herz PS. Análise perceptivo-auditiva das canções interpretadas por personagens de filmes infantis de desenho animado nas versões original e dublada em português [monografia]. São Paulo: Centro de Estudos da Voz CEV, Agostini C, Costa EMF. Análise do comportamento vocal pré e pós- aquecimento com o exercício humming associado ao método mastigatório de froeschels em um grupo de cantores coralistas. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 14- Almeida KM, Maia AA, Xavier KM, Lopes VF, Heringer MRC. Análise dos possíveis problemas de voz em coralistas amadores. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 15- Andrada e Silva MA, Vieira EA, Oliveira LVDA, Oliveira SCC. O conceito e trabalho com ressonância vocal na visão dos professores de canto. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 16- Azevedo LL, Anjos GA, Gusmão C, Bahia R. Análise acústica do tempo de aquecimento vocal no canto popular. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA.

17 17- Azevedo R, Alvim MGA. Perfil do cantor atendido no ambulatório de voz profissional do Setor Interdepartamental de Laringologia e Voz UNIFESP. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 18- Bezerra AA, Vaiano T, Andrada e Silva MA, Duprat A, Biscuola C, Ramos S. Perfil dos pacientes do ambulatório de artes vocais da Santa Casa de São Paulo. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 19- Bommarito S, Magalhães MCA. Sintomas e queixas vocais de cantores eruditos profissionais. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 20- Borges TF, Oliveira VL. Análise da relevância das práticas de aquecimento e desaquecimento vocal em cantores de Rock'n Roll da cidade de Salvador-BA. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado-RS. 21- Brasolotto AG, Coelho ACC. Características do uso vocal de coralistas de acordo com a idade e a experiência de canto. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 22- Brito CMCP, Sales EPB, Vasconcelos JM. Canto coral e muda vocal: perfil vocal dos integrantes da União de Adolescentes Sinfonia Junior. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 23- Camargo TF, Barbosa DA, Teles Magalhães LC. Caracterização da dinâmica vocal por meio de fonetografia em coristas de diferentes classificações vocais. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 24- Campos AM, Bortolussi A, Chun RY, Arona EC. A voz de uma dupla de cantores sertanejos em diferentes momentos da carreira. Resumo em Suplemento Especial

18 da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 25- Carrillo L, Azevedo RR, Catoni L. Ajustes laríngeos e vocais de um contratenor: relato de caso. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 26- Carvalho APC, Roque FP, Amorim GO, Leite Neto L. Análise descritiva da utilização da prática do aquecimento e desaquecimento vocal por cantores da noite. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 27- Cielo CA, Andrade SR. Verificação de conhecimento e utilização das técnicas de aquecimento e desaquecimento vocais por regentes de coro. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 28- Duprat A, Andrada e Silva MA, Vaiano TCG. Registro vocal: análise acústica, proprioceptiva e da configuração do trato vocal em cantores populares. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 29- Faria DM, Guimarães MASV. Avaliação in loco de paciente cantor. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 30- Faria LA, Teixeira LC, Vieira MN. Correlação entre as vozes preferidas na bossa nova, blues e rap e a história desses estilos musicais. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 31- Ferreira MMC, Oliveira DSF. Análise perceptivo-auditiva e acústica da emissão de vogal sustentada e canto de meninos coralistas: na pré e pós-aplicação de exercícios específicos de ressonância. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 32- Fontoura DR, Andrade SR, Cielo CA. Característica vocal e acompanhamento fonoaudiológico de coralistas. Resumo em Suplemento Especial da Revista da

19 Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 33- Gama ACC, Lima RA, Nunes RB, Damasceno WA. Análise comparativa das características vocais de coralistas eruditos e populares da cidade de Belo Horizonte. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 34- Gielow, I, Pereira LD, Moreti FTG, Kato FL. Comparação da afinação vocal de cantores amadores, instrumentistas e não musicistas considerando tons isolados e em seqüência. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 35- Goes RL, Oliveira VL. Práticas de hidratação em cantores populares da cidade do Salvador. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 36- Guedes DD, Miranda SM. Percepção da voz: avaliação fonoaudiológica de coralistas de Teresina Pi. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 37- Jorge FN, Svicero MAF, Biase NG, Master S. Estudo da qualidade vocal de cantoras líricas, nos períodos pré e pós menstrual, por meio de espectro médio de longo termo. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 38- Lima AM, Gulfier BC. Trabalhando a expressividade do cantor. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 39- Lima AM, Sanches AP, Gulfier BC, Dossantos CJC. Qual a percepção dos regentes quanto à importância do pré-aquecimento, aquecimento e desaquecimento vocal? Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP.

20 40- Loiola CM, Ferreira LP, Gonçalves TAC. Correlação entre sintomas vocais e suas possíveis causas em um grupo de cantores de coral da cidade de São Paulo. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 41- Lopes LW, Conserva KC. Prática de exercícios isotônicos e isométricos no aquecimento vocal de cantores populares. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 42- Lucena JA, Vilela JM. Aquecimento e desaquecimento vocal no canto coral. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 43- Mello EL, Andrada e Silva MA. Coordenação motora e voz cantada. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 44- Miranda KFG, Ciocchi PE, Cara CM, Leite APD, Duprat A, Busch R. Caracterização do uso da voz em cantores profissionais e amadores. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIII Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2005, Santos SP. 45- Moreti FTG, Silva CR, Borrego MCM, Behlau M. Protocolo IDV adaptado para o canto: aplicação em indivíduos de coros amadores com e sem sintomas e queixas vocais. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia e VII Congresso Internacional de Fonoaudiologia, 2007, Gramado RS. 46- Oliveira LVDA, Behlau M. Perfil vocal de cantores amadores de banda de roque. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais) do XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, 2006, Salvador BA. 47- Paes SM, Moreti FTG, Azevedo RR, Chiari BM. Perfil vocal de coralistas amadores em dois dias consecutivos pré e pós-uso profissional da voz. Resumo em Suplemento Especial da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (Anais)

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny R. Kyrillos 1 Cláudia Cotes 2 RESUMO A Fonoaudiologia atua junto aos profissionais do telejornalismo desde a década de 80. No início tal atuação baseou-se na experiência prática.

Leia mais

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso.

Palavras-chave: voz profissional, expressividade, voz, religioso. A Voz do Religioso Izabel Cristina Viola 1 Maria Laura Wey Märtz 2 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2008-2012, que versam sobre o uso da

Leia mais

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira Carolina dos Santos Almeida Souza Isadora e Souza Guerci de Oliveira QUALIDADE DE VIDA EM VOZ CANTADA: O IMPACTO DO INDICE DE DESVANTAGEM VOCAL EM CANTORES GOSPEL Trabalho apresentado à banca examinadora

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny Rodrigues Kyrillos (1) RESUMO O presente trabalho é a compilação e a organização dos trabalhos científicos publicados nos formatos de artigos, capítulos de livro, trabalhos

Leia mais

A VOZ CANTADA 1 LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada

A VOZ CANTADA 1 LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada A VOZ CANTADA 1 LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Marta Assumpção de Andrada e Silva 2 Renata Assumpção Barbosa 3 Agostinho LA. Coralistas, quem são? [monografia de especialização

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

A VOZ CANTADA. 3. Fonoaudióloga graduada pela FCMSCSP; mestre em Ciências da Saúde pela FCMSCSP e doutoranda no PEPG em Fonoaudiologia da PUC-SP.

A VOZ CANTADA. 3. Fonoaudióloga graduada pela FCMSCSP; mestre em Ciências da Saúde pela FCMSCSP e doutoranda no PEPG em Fonoaudiologia da PUC-SP. A VOZ CANTADA Marta Assumpção de Andrada e Silva 1 Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi 2 Maria Fernanda Prado Bittencourt 3 Luciana Assanti 4 RESUMO O objetivo do capitulo foi levantar a produção acadêmica

Leia mais

EXTENSÃO VOCAL DE IDOSOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

EXTENSÃO VOCAL DE IDOSOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 248 Rocha TF, Amaral FP, Hanayama EM EXTENSÃO VOCAL DE IDOSOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Vocal range in aged choristers and non-choristers Tatiana Fernandes Rocha (1), Flávia Pinto Amaral (2), Eliana

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

USO DO LAXVOX EM CANTORES DE ÓPERA: EFEITOS DA TÉCNICA DE TRATO VOCAL SEMIOCLUÍDO ETVSO

USO DO LAXVOX EM CANTORES DE ÓPERA: EFEITOS DA TÉCNICA DE TRATO VOCAL SEMIOCLUÍDO ETVSO USO DO LAXVOX EM CANTORES DE ÓPERA: EFEITOS DA TÉCNICA DE TRATO VOCAL SEMIOCLUÍDO ETVSO Autores: LAURA CORDEIRO CHAVES FEITOSA BEZERRA, ADRIANO DE BRITO PINHEIRO, JONIA ALVES LUCENA, ARLENE SANTOS CAVALCANTI,

Leia mais

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi

Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Ana Carolina de Assis Moura Ghirardi Fonoaudióloga graduada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialização em voz pela Coordenadoria Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

A VOZ NO TELESSERVIÇO

A VOZ NO TELESSERVIÇO A VOZ NO TELESSERVIÇO Sandra Oliveira 1 Thais Raize 2 Juliana Algodoal 3 Ana Elisa Moreira-Ferreira 4 Milena Quinto Marchiori 5 RESUMO Objetivo: O objetivo deste estudo é realizar uma análise qualitativa

Leia mais

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica

Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Proposta de Ensino à Distância na Prática Interdisciplinar Fonoaudiológica e Odontológica Palavras Chaves: Interdisciplinar, Orofacial, Educação a Distância Autores: Lívia Maria do Prado 5, Eliene Silva

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1604T1 - Canto Coral I. Docente(s) Fábio Miguel

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1604T1 - Canto Coral I. Docente(s) Fábio Miguel Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1604T1 - Canto Coral I Docente(s) Fábio Miguel Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60 Carga Horaria Seriação ideal

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional.

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional. Distúrbios da comunicação e audição entre escolares com queixas vocais, com e sem história de situação de rua, em Aracaju, Brasil. Autor: Neuza Josina Sales, Ricardo Queiroz Gurgel. Instituição: Universidade

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada

A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005. Revisada e Ampliada A VOZ NO TELEJORNALISMO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Leny R. Kyrillos 1 ALENCAR, F. O Desenvolvimento da Comunicação do Perfil do Telejornalismo nos 50 anos da Televisão

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Claudia Tenor Secretaria Municipal de Educação de Botucatu e-mail: anatenor@yahoo.com.br Comunicação Oral

Leia mais

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Patrícia Xavier Figueiredo FURG Maria Renata Alonso Mota FURG RESUMO: Este trabalho é parte integrante da pesquisa

Leia mais

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE Wanderléia Blasca Colaboradores: Andressa da Silva, Ana C. Spinardi, Thaís Gonçalves, Giédre Berretin-Félix, Deborah Ferrari, Alcione Brasolotto,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos ANEXO 1 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO FATOR IV PRODUTIVIDADE 1 A avaliação do Fator Produtividade será realizada de acordo com as atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Produção Intelectual, e Gestão,

Leia mais

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga

ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga ANA JÚLIA LENZ fonoaudióloga R u a : L u c a s d e O l i v e i r a, 4 9 s a l a 601 C e n t r o N H R S - C E P : 9 3 5 1 0-110 B r a s i l e i r a, S o l t e i r a, s e m f i l h o s N a s c. : 2 5 /

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Eventos realizados pelo grupo Unidos pela MO 1ª Reunião Científica da MO 2004 - São Paulo. Coordenação Comitê de MO da SBFa

Eventos realizados pelo grupo Unidos pela MO 1ª Reunião Científica da MO 2004 - São Paulo. Coordenação Comitê de MO da SBFa Eventos realizados pelo grupo Unidos pela MO 1ª Reunião Científica da MO 2004 - São Paulo Coordenação Comitê de MO da SBFa 1 2 3 Organizadores da 1ª Reunião Científica de MO 2004 SP 4 5 2004 6 20 de agosto

Leia mais

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 PROCESSO

Leia mais

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes

A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes Palavras-chave: velocidade de fala, comunicação, atitude Introdução Uma das principais funções da prosódia é a expressão

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC 01) Qual o seu estado civil? A) Solteiro(a). B) Casado(a). C) Separado(a)/desquitado(a)/divorciado(a). D) Viúvo(a). E) Outro. 02) Como você se considera? A) Branco(a). B) Negro(a). C) Pardo(a)/mulato(a).

Leia mais

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com O ENSINO DO CANTO POPULAR BRASILEIRO Abordagem Didática: técnica vocal Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto

Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Trabalho Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto Carga Horária:

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Relatório de Atividades 2014

Relatório de Atividades 2014 Relatório de Atividades 2014 Aula Inaugural da Psicologia No dia 13 de março de 2014 no auditório da IES ocorreu a aula inaugural do semestre que abordou a temática Psicologia e políticas públicas: reflexões

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

A VOZ DO ATOR DE TEATRO

A VOZ DO ATOR DE TEATRO A VOZ DO ATOR DE TEATRO LISTA DE REFERÊNCIAS ANTERIORES AO ANO DE 2005 Revisada e Ampliada Lucia Helena Da Cunha Gayotto 1 Raquel Costa Di Clemente 2 Ariane Moulin Pedra 3 Aoki AA, Camargo PP, Carvalho

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 1: resumo expandido de comunicação científica A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: UMA ANALISE

Leia mais

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO

A VOZ DO RELIGIOSO. Izabel Cristina Viola 1 RESUMO A VOZ DO RELIGIOSO Izabel Cristina Viola 1 RESUMO Este capítulo tem por objetivo apresentar as pesquisas produzidas na Fonoaudiologia, entre 2005-2007, que versam sobre o uso da voz por religiosos de todos

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Formação do professor do aluno surdo usuário de implante coclear: uma proposta em parceria com o fonoaudiólogo

Formação do professor do aluno surdo usuário de implante coclear: uma proposta em parceria com o fonoaudiólogo Formação do professor do aluno surdo usuário de implante coclear: uma proposta em parceria com o fonoaudiólogo Ana Claudia Tenor Secretaria Municipal de Educação de Botucatu e-mail: anatenor@yahoo.com.br

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

A II Semana Acadêmica do Curso de Bacharelado de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Maria apresentou o tema:

A II Semana Acadêmica do Curso de Bacharelado de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Maria apresentou o tema: A II Semana Acadêmica do Curso de Bacharelado de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Maria apresentou o tema: O Serviço Social e os Direitos Humanos. Com objetivo de promover um espaço de discussões

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA Regulamento TÍTULO 1 - DA PROMOÇÃO: O 1 FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP -, promovido pela ASSOCIAÇÃO SABESP Departamento de Franca, através de sua diretoria Cultural, terá apenas uma categoria,

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TEXTO COMPLETO. Palavras-chave: estratégia de ensino, fonoaudiologia, psicomotricidade. da UNESP de Marília, e-mail: sandragp@marilia.unesp.

TEXTO COMPLETO. Palavras-chave: estratégia de ensino, fonoaudiologia, psicomotricidade. da UNESP de Marília, e-mail: sandragp@marilia.unesp. TEXTO COMPLETO INTEGRAÇÃO DISCENTE E ENTRE DISCIPLINAS: PERCEPÇAO DISCENTE SOBRE A ESTRATÉGIA "PRÁTICA DE VIVÊNCIA-3ª VERSÃO" NA DISCIPLINA PSICOMOTRICIDADE APLICADA EM CURSO DE FONOAUDIOLOGIA. 1 Sandra

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Verificar a área de atuação em que os egressos do PET NUT estão inseridos e assegurar um canal de comunicação junto aos nossos ex-petianos.

Verificar a área de atuação em que os egressos do PET NUT estão inseridos e assegurar um canal de comunicação junto aos nossos ex-petianos. Avaliando a formação acadêmica e a atuação profissional do Nutricionista: um estudo dos egressos do PET Nutrição da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais. Luana Cupertino Milagres (1), Bruna Cristina

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

TÍTULO: A EXPECTATIVA DOS PROFESSORES COM A IMPLANTAÇÃO DAS LOUSAS DIGITAIS

TÍTULO: A EXPECTATIVA DOS PROFESSORES COM A IMPLANTAÇÃO DAS LOUSAS DIGITAIS TÍTULO: A EXPECTATIVA DOS PROFESSORES COM A IMPLANTAÇÃO DAS LOUSAS DIGITAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

AVIO BATALHA DE BRITTO

AVIO BATALHA DE BRITTO Visas Capitais 2 ARACAJÚ SE Atualizado em 23/07/13 AVIO BATALHA DE BRITTO Coordenador de Vigilância Sanitária Municipal de Aracajú Rua Sergipe, nº 1310 - Bairro Siqueira Campos Aracaju SE CEP: 49075-540

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO RESUMO EXPANDIDO Título SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO Palavras Chave Eletronistagmografia; Vertigem; Tontura. Autores Mercia Castro Lima 1, Tatiane

Leia mais

AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES

AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 UNIDADE: FOP ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO REPRESENTANTE: CLEIDE RODRIGUES PROJETO SALA DE ESPERA Equipe de trabalho: SERVIÇO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DA FOP Cleide Rodrigues e

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA NO DIAGNÓSTICO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA Anderson Roges Teixeira Góes Universidade Federal do Paraná Departamento de Expressão Gráfica Secretaria

Leia mais

Perfil Corporativo 2013

Perfil Corporativo 2013 Perfil Corporativo 2013 Elaboramos projetos de armazenagem totalmente adequados ao seu espaço! 30 anos de experiência no desenvolvimento de sistemas inteligentes de armazenagem e mais de 10 mil clientes

Leia mais

PROGRAMA RADIOFÔNICO INFANTIL

PROGRAMA RADIOFÔNICO INFANTIL PROGRAMA RADIOFÔNICO INFANTIL A FORMAÇÃO DO LEITOR E O PROTAGONISMO INFANTO-JUVENIL ATRAVÉS DO RÁDIO Área de implantação: Rádio comunidade Friburgo 104,9FM Responsável: Fernanda de Azevedo milanez Telefone:

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados CURTA-SE VIII Festival Ibero-Americano de Curtas-Metragens de Sergipe Protocolo: 4 Proponente: Centro de Estudos Casa Curta-SE Estado do Proponente:

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA

DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA DIVERSAS ÁREAS DA VOZ FALADA Izabel Cristina Viola 1 Maria Aparecida Stier 2 RESUMO O objetivo do trabalho é agrupar estudos produzidos na Fonoaudiologia, no período de 2005 a 2007, na área da voz falada,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ Denise Cintra Villas Boas Léslie Piccolotto Ferreira Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP Área: Voz

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012 Nº 45 Novembro 2012 Edição Especial Perfil Municipal de Fortaleza Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década 4 1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de

Leia mais

Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música

Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música Educação musical em João Pessoa: espaços, concepções e práticas de ensino e aprendizagem da música Luis Ricardo Silva Queiroz (Coordenador) luisrsq@uol.com.br Marciano da Silva Soares gclaft@yahoo.com.br

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O SISTEMA DE COTAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (2004-2008) Daisy Ribas Emerich UCDB O objetivo da pesquisa consistiu em analisar

Leia mais

A Construção da Identidade Científica em Secretariado Executivo. Profa. Dra. Marlete Beatriz Maçaneiro

A Construção da Identidade Científica em Secretariado Executivo. Profa. Dra. Marlete Beatriz Maçaneiro A Construção da Identidade Científica em Secretariado Executivo Profa. Dra. Marlete Beatriz Maçaneiro Contextualização Identidade científica indefinições, indagações e questionamentos iniciais. Há necessidade

Leia mais