DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO"

Transcrição

1 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo apresentar um panorama teórico sobre o Empreendedorismo de jovens no Brasil. Através de revisão bibliográfica, apresenta, em um primeiro momento, as diversas conceituações de empreendedorismo, bem como as suas origens. Em seguida são apresentadas as características e mostrado o papel do empreendedor no mercado. Em um próximo momento é apresentado programas e/ou instituições que apoiam o jovem empreendedor de forma a criar oportunidades para o mercado empreendedor. Por fim, é apresentada uma análise sobre o panorama de jovens empreendedores no Brasil, mostrando o crescimento da atividade empreendedora ao longo dos anos, através do GEM (Global Entrepreneurship Monitor). Considerando crescente e importante a atuação jovem como parte do desenvolvimento econômico e social. Palavras-chave: Empreendedorismo. Jovens empreendedores. Empreendedorismo no Brasil.

2 2 1 INTRODUÇÃO Empreendedorismo possui um conceito muito subjetivo, o qual parece simples e que todos conhecem, porém não se consegue realmente definir o que seja. Talvez isso se dê por se tratar de um tema novo, que no Brasil popularizou-se a partir da década de 90 (RIBEIRO et al., 2009). Com a abertura do mercado interno e a privatização de estatais, vem paralelamente o crescimento do empreendedorismo, onde empreendedores possam desenvolver inovações que ajudem o crescimento do país (VILLENA et al., 2009). O empreendedorismo é o principal fator promotor de desenvolvimento econômico e social de um país, é a conclusão do GEM 2008 (FINEP, 2009). O relatório do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) é uma pesquisa sobre empreendedorismo realizada a nível mundial. Em 2010, a taxa de empreendedorismo em estágio inicial (TEA), que é a proporção de pessoas entre 18 e 64 anos envolvidas em atividades empreendedoras, no Brasil, foi de 17,5%. A maior desde que a pesquisa é realizada no país, demonstrando a tendência de crescimento da atividade empreendedora no Brasil. Em números absolutos, a pesquisa mostra que somente a China está à frente do Brasil com adultos à frente de atividades empreendedoras (GEM, 2011). Sendo assim, chega-se ao seguinte problema de pesquisa: Qual o panorama atual da situação dos jovens empreendedores no Brasil? Nesse sentido, o objetivo do trabalho é discutir sobre a situação dos jovens empreendedores no Brasil. Para desenvolvimento deste trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica a partir de dados secundários. Foram discutidos, primeiramente, o empreendedorismo e o papel do empreendedor. Depois, abordou-se sobre oportunidades empreendedoras no Brasil. Por fim, foi apresentado um panorama sobre os jovens empreendedores no Brasil. 2 EMPREENDEDORISMO E O PAPEL DO EMPREENDEDOR O conceito de Administração está mais relacionado com o sentido de organizações. Já o conceito de empreendedorismo está relacionado à pessoa que faz acontecer, que geralmente cria uma nova organização (SEBRAE, 2010). VILLENA et al. (2009) faz um breve histórico sobre o surgimento do termo empreendedor. A palavra surgiu ainda no século XVI. Em 1911, Schumpeter introduz o

3 3 conceito de destruição criativa destacando algumas características dos empreendedores. No entanto, somente em 1937, Adam Smith destaca a importância dos empreendedores no capitalismo. Schumpeter, em 1950, descreve o empreendedor como sendo uma pessoa criativa e capaz de fazer sucesso com inovações. Entre 1967 e 1970, Kenneth E. Knight e Peter Drucker introduziram o conceito de risco, ressaltando que o empreender deve arriscar em algum negócio (HIRSCH; PETERS, 2004). Para Hirsch e Peters (2004, p. 29), o empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando o tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e social. Já para BARON e SHANE (2007), o conceito de empreendedorismo é como o processo que se desenvolve ao longo do tempo, contrapondo-se à usual e popular definição de ser apenas a atividade de criação de novos negócios. Considerando a definição de empreendedorismo como processo, a abordagem feita por BARON e SHANE (2007) assume que todas as fases deste processo são influenciadas por vários fatores ao longo do tempo. Cada etapa do processo de criação comporta várias atividades ou eventos. Entre as atividades mais citadas na literatura, encontram-se: (1) a identificação da oportunidade; (2) a reflexão e o desenvolvimento da ideia de empresa, a redação do plano de negócios; (3) a mobilização de recursos financeiros; (4) a constituição da equipe empreendedora; (5) o desenvolvimento do primeiro produto; (6) a contratação de empregados e a comercialização de produtos (DORNELLAS, 2001). Tendo em vista a falta de consenso ao definir empreendedorismo, BARON e SHANE (2007, p. 6) consideram que: definições são sempre traiçoeiras, e para uma área nova como o empreendedorismo, a tarefa é ainda mais complexa. Não é de surpreender, então, que não exista atualmente um consenso sobre a definição de empreendedorismo como uma área de estudos dos negócios ou como uma atividade em que as pessoas se envolvem. Apesar das divergências, pode-se inferir que o empreendedorismo apresenta duas características imprescindíveis: 1) a natureza da ação, caracterizada por fazer algo inovador

4 4 ou diferente; e 2) a liberdade de ação, não ter controle sobre as formas de ação e sobre os recursos necessários (VILLENA et al., 2009). Percebe-se que a pessoa do empreendedor é fundamental para o processo empreendedor. Segundo DOLABELLA (1999, p. 12), para empreender é necessário um comportamento pró-ativo do indivíduo, o qual deve desejar aprender a pensar e agir por conta própria, com criatividade, liderança e visão de futuro, para inovar e ocupar o seu espaço no mercado, transformando esse ato também em prazer e emoção. A definição de empreendedor está baseada nas diversas definições de empreendedorismo vistas até então. DORNELAS (2001, p. 37) o empreendedor é aquele que detecta uma oportunidade e cria um negócio para capitalizar sobre ela, assumindo riscos calculados. Caracteriza a ação empreendedora em todas as suas etapas, ou seja, criar algo novo mediante a identificação de uma oportunidade, dedicação e persistência na atividade que se propõe a fazer para alcançar os objetivos pretendidos e ousadia para assumir os riscos que deverão ser calculados. Portanto, o empreendedor é aquele que está sempre observando recursos escassos em sua região de atuação, recursos que são indevidamente explorados ou que não tenham sido alvo da atenção de alguém, sendo, no entanto, uma boa oportunidade de negócio. Ou seja, o empreendedor é aquele que identifica uma oportunidade e cria um meio para aproveitá-la e assume todos os riscos desta atividade. O SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) elaborou um Manual do Empreendedor, no qual mostra as características mais expressivas de um empreendedor, que são: comprometimento, busca de informações e estabelecimento de metas (SEBRAE, 2010). O comprometimento faz um sacrifício pessoal ou depende de um esforço extraordinário para completar uma tarefa; colabora com os subordinados e até mesmo assume o lugar deles para terminar um trabalho; se esmera para manter os clientes satisfeitos e coloca a manutenção do cliente, a longo prazo, acima do lucro a curto prazo (SEBRAE, 2010). A busca de informações, refere-se à busca pessoal de obter informações sobre os clientes, fornecedores ou concorrentes. Ele deve investigar pessoalmente como fabricar um produto ou prestar um serviço/consulta especialistas para obter assessoria técnica ou comercial (SEBRAE, 2010).

5 5 No quesito estabelecimento de metas, assume metas que representam desafios e tenham significado pessoal; define com clareza e objetividade as metas de longo prazo; estabelece metas mensuráveis de curto prazo (SEBRAE, 2010). Entretanto, não é preciso apenas ser provido das características empreendedoras, é preciso também tomar decisões. Um estudo realizado a respeito do processo de tomada de decisão conclui que os empreendedores decidem com base em expectativas, mais do que com base em fatos reais (SEBRAE, 2010). Pode-se discutir também o espírito empreendedor que é uma característica distintiva, seja de um indivíduo ou uma instituição. Essa característica não está relacionada à personalidade, mas ao comportamento e as experiências vivenciadas. Nesse sentindo, qualquer indivíduo que tenha uma decisão a tomar, poderá ser um empreendedor, ou ainda, se comportar de forma empreendedora (DRUCKER, 1986). Tendo em vista essas discussões, cada vez mais as organizações necessitam de profissionais empreendedores, já que estes são responsáveis pelas modificações, criações e visões inovadoras. O empreendedor desenvolve um papel otimista para as organizações, capaz de enfrentar obstáculos internos e externos, enxergando além das dificuldades, visando melhores resultados. Esse papel está intimamente ligado à capacidade de identificar oportunidades, agarrá-las e buscar os recursos necessários para transformá-las em um negócio lucrativo. Para isso, o país desempenha um importante papel, pois deve auxiliar na disponibilização de oportunidades para o empreendedor. As oportunidades empreendedoras no Brasil serão discutidas no próximo tópico. 3 OPORTUNIDADES EMPREENDEDORAS NO BRASIL No Brasil, o empreendedorismo ganhou força somente a partir da década de Com a abertura da economia, que propiciou a criação entidades como o SEBRAE e o SOFTEX (Sociedade Brasileira para Exportação de Software). Antes desse período o termo empreendedor era praticamente desconhecido e a criação de pequenas empresas era limitada em função do ambiente político e econômico nada propício ao país (DORNELAS, 2001). O que não quer dizer que não existiram empreendedores, muitos atuaram em um cenário obscuro, dando muito de si, sem conhecimentos, inclusive, de gestão, finanças entre outros conteúdos empresariais.

6 6 O SEBRAE tem por finalidade informar e dar suporte necessário para a abertura de uma empresa, bem como acompanhar através de consultorias, solucionando problemas do negócio. Implanta de certa forma a cultura empreendedora nas universidades, com projetos voltados aos acadêmicos. Já a SOFTEX tem como intuito ampliar o mercado das empresas de softwares através da exportação e incentivar a produção nacional, para isso desenvolve projetos para a capacitação em gestão e tecnologia dos empresários de informática, bem como alavanca o desenvolvimento de tecnologias nacionais (VILLENA et al., 2009). Embora seja um tema relativamente recente no Brasil, o país vem realizando ações que objetivam desenvolver um dos maiores programas de ensino de empreendedorismo e potencializa o país com relação ao mundo. Segundo DORNELAS (2001), alguns exemplos são os programas SOFTEX e GENESIS (Geração de Novas Empresas de Software, Informação e Serviço), que apoiam atividades de empreendedorismo em software, estimulando o ensino da disciplina em universidades e a geração de novas empresas de software (start-ups). Também podem ser citadas as ações voltadas à capacitação do empreendedor, como os programas: EMPRETEC, Jovem Empreendedor do SEBRAE, e o programa Brasil Empreendedor, do Governo Federal, dirigido à capacitação de mais de um milhão de empreendedores em todo país e destinando recursos financeiros a esses empreendedores, totalizando um investimento de oito bilhões de reais (DORNELAS, 2001). São realizados diversos cursos e programas sendo criados nas universidades brasileiras para o ensino do empreendedorismo. É o caso de Santa Catarina, com programa Engenheiro Empreendedor, que capacita alunos de graduação em engenharia de todo o país. Destaca-se também o programa REUNE, da CNI (Confederação Nacional das Indústrias), de difusão do empreendedorismo nas escolas de ensino superior do país, presente em mais de duzentas instituições brasileiras (DORNELAS, 2001). Outro ponto é a recente explosão do movimento de criação de empresas de internet no país, motivando o surgimento de entidades como o Instituto e-cobra, que dá apoio aos empreendedores das ponto.com (empresas baseadas em Internet). Eles oferecem cursos, palestras e até prêmios aos melhores planos de negócios de empresas start-ups de internet, desenvolvidos por jovens empreendedores (DORNELAS, 2001). Por fim, pode-se citar ainda o enorme crescimento do movimento de incubadoras de empresas no Brasil. Dados da ANPROTEC (Associação Nacional de Entidades

7 7 Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas) mostram que em 2000, havia mais de 135 incubadoras de empresas no país, sem considerar as incubadoras de empresas de Internet, totalizando mais de empresas incubadoras, que geram mais de empregos diretos (DORNELAS, 2001). Tendo em vista todos esses incentivos, discute-se que os jovens podem desempenhar um papel impar nesse processo. O próximo tópico apresenta um panorama sobre os jovens empreendedores no Brasil. 4 PANORAMA SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES NO BRASIL O Brasil participou em 2011, pela 12ª vez consecutiva, do GEM. No ano de 2011, participaram dessa pesquisa 54 países que realizaram as duas atividades de pesquisa, que é o levantamento de dados junto à população e a obtenção de opiniões de profissionais e empreendedores (GEM, 2011). Nota-se, na tabela 1, o desenvolvimento das taxas de empreendedores no Brasil. Tabela 1: Evolução das taxas de empreendedores segundo o estágio do empreendedorismo no Brasil Estágios Taxas (%) Empreendores Nascentes 5,68 6,51 4,98 3,15 3,50 4,29 2,93 5,78 5,79 4,09 Empreendores Novos 8,46 6,90 8,88 8,20 8,62 8,72 9,29 9,75 11,83 11,04 Empreendores Iniciais 13,52 12,89 13,48 11,30 11,65 12,72 12,02 15,32 17,50 14,89 Empreendores Estabelecidos 7,76 7,62 10,11 10,10 12,09 9,94 14,59 11,84 15,26 12,23 Fonte: Adaptado de GEM (2011). A tabela 1 mostra a evolução das taxas de empreendedorismo do ano de 2002 a A taxa mais utilizada para observar a evolução da atividade empreendedora de um país é a TEA (Taxa de Atividade Empreendedora, na sigla em inglês), a qual mede a proporção de empreendedores à frente de negócios com até três anos e meio de fundação (GEM, 2005).

8 8 De acordo com a tabela, entre os anos de 2002 e 2008, o Brasil manteve uma média de 13,5% de atividade empreendedora no país. Em 2009, houve uma elevação relevante na taxa chegando a 17,5% de atividade empreendedora, representando mais de vinte e um milhões de empreendedores no país. Neste ano, o país ficou em primeiro lugar entre os países do grupo G20 e do Grupo BRIC (países emergentes: Brasil, Rússia, Índia e China) (GEM, 2010). Entretanto, em 2011 o Brasil teve uma redução na taxa de atividade empreendedora que foi de 14,89%, retomando, portanto, a média dos anos anteriores de 13,5% (GEM, 2011). Ainda de acordo com a tabela, observa-se que os empreendimentos estabelecidos há mais de três anos e meio apresentam oscilação maior de ano para anos, tendo havido uma redução maior entre 2010 e O Brasil apresenta taxas significativas de jovens empreendedores, sendo que uma taxa de 12,82% de empreendedores na faixa etária de 18 a 24 anos e uma taxa de 17,85% de empreendedores de 25 a 34 anos de idade, enquanto a média dos países participantes da pesquisa é de 9% e 13%, respectivamente. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Retomando o objetivo inicial de discutir sobre a situação dos jovens empreendedores no Brasil, evidencia-se que a atividade empreendedora é importante para promover o crescimento da economia e auxiliar no desenvolvimento social do país. Embora o termo empreendedorismo tenha surgido no século XVI, o tema é um tema novo e está sendo cada vez mais estudado em busca de demonstrar as características dos empreendedores e suas motivações. Além disso, programas do governo e instituições de apoio à iniciativa privada buscam formas de fortalecer a atividade empreendedora, uma vez que o empreendedorismo é força motriz da economia no país, gerando renda e emprego. Pode-se observar que o Brasil é um país com grande número de empreendedores, e em sua grande maioria, são empreendedores jovens, com idade entre 18 e 34 anos. No ano de 2009, com a economia em expansão, o Brasil atingiu a marca recorde de 21 milhões de empreendedores.

9 9 Portanto, o empreendedor é o que faz a diferença, que cria e desenvolve ideias, e cria condições para que essas ideias sejam colocadas em prática de forma a trazer resultados positivos e assumindo todos os riscos. REFERÊNCIAS BARON, R. A.; SHANE, S. A. Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thomson Learning, DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. São Paulo: Cultura Editores Associados, DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócio. Rio de Janeiro: Campus, DRUCKER, P. Inovação e Espírito Empreendedor: práticas e princípios. São Paulo: Pioneira, FINEP. O Empreendedorismo inovador no Brasil. Revista Inovação em Pauta. Disponível em: < Acesso em: 01 ago GEM Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil 2005 Relatório Executivo. Curitiba: Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade [IBQP], Empreendedorismo no Brasil 2010 Relatório Executivo. Curitiba: Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade [IBQP], Empreendedorismo no Brasil 2011 Relatório Executivo. Curitiba: Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade [IBQP], HISRCH, R. D.; PETERS, M. P. Empreendedorismo. 5. ed. São Paulo: Bookman, RIBEIRO, M. C.; SARRACENI, J. M.; VENDRAME, F. C.; RODRIGUES, R.; PASQUINI, K. C. R. S. Empreendedorismo Disponível em: < Acesso em: 15 jul SEBRAE. Manual do Empreendedor Disponível em: < $File/Manual%20CJE.pdf>. Acesso em: 20/jul/2012. VILLENA, D. J. S. et al. Empreendedorismo: a necessidade de se aprender empreender Disponível em: < Acesso em: 01 ago

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO RESUMO: Este artigo contém citações de alguns dos mestres do empreendedorismo e também

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir,

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, EMPREENDEDORISMO WESCLEY RANGEL ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, caracterizar e por meio de citações

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio EMPREENDEDORISMO Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio RESUMO: O trabalho visa abordar o que vem a ser empreendedorismo e iconoclastas, bem

Leia mais

ATIVIDADE EMPREENDEDORA

ATIVIDADE EMPREENDEDORA ATIVIDADE EMPREENDEDORA Francisco Carlos Petrachi Gera Fransérgio Martins Lucas Menegheti Contini Orientadora: Profª. Ms. Silvia Alonso Y Alonso Bittar Cunha Resumo Embora o empreendedorismo seja um tema

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com Empreendedorismo Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre

Leia mais

Olhar ver entender aprender agir

Olhar ver entender aprender agir Empreendedorismo "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre o que você aprende, é tudo que realmente

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Dr. José Dornelas A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade I PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade I PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade I PLANO DE NEGÓCIOS O que vamos ver hoje Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de oportunidades

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

Empreendedorismo: a necessidade de se aprender a empreender

Empreendedorismo: a necessidade de se aprender a empreender Empreendedorismo: a necessidade de se aprender a empreender Autoria: Ailton Carlos da Silveira, Giovanni Gonçalves, Jardel Javarini Boneli, Niciane Estevão Castro e Priscila Amorim Barbosa (Graduandos

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

Sobre o Professor e os Discentes

Sobre o Professor e os Discentes FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo PLANO DE ENSINO Novo Contexto Educacional ENSINO X APRENDIZAGEM SEGUNDO LESSARD Novo Contexto Educacional

Leia mais

O PERFIL DO COLABORADOR PARTICIPATIVO TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

O PERFIL DO COLABORADOR PARTICIPATIVO TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS O PERFIL DO COLABORADOR PARTICIPATIVO RUBLINA PEREIRA DA ROCHA ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O texto apresenta uma questão que envolve

Leia mais

BLOG DE APOIO AO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE MACAÉ

BLOG DE APOIO AO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE MACAÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACAÉ FUNEMAC FACULDADE PROFESSOR MIGUEL ÂNGELO DA SILVA SANTOS FeMASS PROJETO DE EXTENSÃO BLOG DE APOIO AO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE MACAÉ POR: Prof. Me. Daniele Cristina

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO

O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO O EMPREENDEDORISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PERFIL DO NOVO EMPREENDEDOR E OS RESULTADOS DE SUA GESTÃO Judimar da Silva Gomes Administrador, Mestre em Tecnologia pelo CEFET/RJ Celso Suckow da Fonseca Coordenador

Leia mais

PASSOS PARA EMPREENDER

PASSOS PARA EMPREENDER PASSOS PARA EMPREENDER Marcelo Roque Sócio e Diretor Geral da Finxi Tecnologia marcelo@finxi.com.br www.finxi.com.br SOBRE O PALESTRANTE Programador, já foi pesquisador do Medialab, Laboratório de Computação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO A importância do estudo do empreendedorismo nas instituições de ensino superior Visconde do Rio Branco 2007 2

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO. Palavras-chave: empreendedorismo; desenvolvimento sustentável; brasil.

REVISTA CONTEÚDO UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO. Palavras-chave: empreendedorismo; desenvolvimento sustentável; brasil. UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO Clever Eduardo Zuin Lobo 1 RESUMO Este artigo faz uma discussão sobre a importância do empreendedorismo, bem como de assuntos estreitamente relacionados com este tema,

Leia mais

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente 1 Realizador Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Ficha Técnica Fernando Fagundes Milagre Presidente Julio César Vasconcelos Vice Presidente Érik Capodeferro Diretor Executivo Equipe Ananda

Leia mais

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu. COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na região da fronteira do Estado do Rio Grande do Sul Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.br Problemática 13%

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Em análise de qualquer empreendimento encontram-se dois tipos de empreendedor: o que empreende em relação à oportunidade

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Nome do primeiro autor: Aureliano de Sousa Araújo Nome da instituição e

Leia mais

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Tayná Bernardes Miguel¹, Rayanne Sartorio Stoduto Almeida¹, Julianne Alvim Milward-de-Azevedo

Leia mais

Guia Rápido de. Empreendedorismo. Guia Rápido de. Empreendedorismo. Ipiranga. Ipiranga

Guia Rápido de. Empreendedorismo. Guia Rápido de. Empreendedorismo. Ipiranga. Ipiranga Guia Rápido de 1 O Guia Rápido de da FATEC foi desenvolvido como parte integrante das atividades da V Semana de Tecnologia da FATEC. Participaram da sua elaboração os alunos do 5º semestre do curso de

Leia mais

ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO

ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO Tema Anual: Startups no Rio de Janeiro. Objetivos Gerais: O objetivo principal deste projeto é avaliar o conhecimento teórico adquirido durante

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

- BRASIL: 10ª NAÇÃO + EMPREENDEDORA DO MUNDO!! - RAZÕES: 1) QUER SER DONO DO PRÓPRIO NEGÓCIO 2) IDENTIFICOU OPORTUNIDADE 3) QUER MELHORAR DE VIDA

- BRASIL: 10ª NAÇÃO + EMPREENDEDORA DO MUNDO!! - RAZÕES: 1) QUER SER DONO DO PRÓPRIO NEGÓCIO 2) IDENTIFICOU OPORTUNIDADE 3) QUER MELHORAR DE VIDA SETEMBRO 2010 - BRASIL: 10ª NAÇÃO + EMPREENDEDORA DO MUNDO!! - RAZÕES: 1) QUER SER DONO DO PRÓPRIO NEGÓCIO 2) IDENTIFICOU OPORTUNIDADE 3) QUER MELHORAR DE VIDA - CAPITAL: PRÓPRIO: 83% EMPRÉSTIMO: 14% -

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

4 Contextualização da pesquisa

4 Contextualização da pesquisa 4 Contextualização da pesquisa 4.1. Cenário de pequenas empresas e medias empresas no Brasil A abreviação para pequena e média empresa PME (em inglês SME) tornou-se um padrão internacional quando se refere

Leia mais

Histórico e Antecedentes

Histórico e Antecedentes Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL. PARQUE TECNOLÓGICO TIC E EC. RECIFE PE SÃO PAULO CIDADE DA INOVAÇÃO / 10ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia / 21 de outubro de 2013 1. Uma visão geral do Porto

Leia mais

1.2- Então, por que o ensino do empreendedorismo está se intensificando agora? O que é diferente do passado?

1.2- Então, por que o ensino do empreendedorismo está se intensificando agora? O que é diferente do passado? 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / I UNIDADE : O PROCESSO EMPREENDEDOR

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UMA NOVA METODOLOGIA. Jerônimo Pereira dos Santos, José Yvan Pereira Leite e André Luis Calado Araújo

EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UMA NOVA METODOLOGIA. Jerônimo Pereira dos Santos, José Yvan Pereira Leite e André Luis Calado Araújo EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UMA NOVA METODOLOGIA Jerônimo Pereira dos Santos, José Yvan Pereira Leite e André Luis Calado Araújo Professores do CEFET-RN, Núcleo de Incubação Tecnológica Diretoria

Leia mais

EMPRENDEDORISMO: estudo de caso Grupo Stick Fran

EMPRENDEDORISMO: estudo de caso Grupo Stick Fran EMPRENDEDORISMO: estudo de caso Grupo Stick Fran SOUSA, Amanda Cristina da Silva Sousa. LIMA, Dayane Batista da Silva Lima. ALVES, Flávia Cristina Guidoni Alves. Resumo O presente artigo tem como objetivo

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO SOBRE A PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO EM UMA IES

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO SOBRE A PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO EM UMA IES FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LINHA DE PESQUISA: GESTÃO EMPRESARIAL ÁREA: GESTÃO EMPREENDEDORA MARYANA DE OLIVEIRA MASCARENHAS 21476480 A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. EMPREENDEDORISMO

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO Keny Cristina Ramos da Silva Pasquini Ronaldo Rodrigues Prof. Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Sarraceni Profª M.Sc. Máris de Cássia Ribeiro Lins SP 2009 EMPREENDEDORISMO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1

EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1 EMPREENDEDORISMO JOVEM: FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ATIVIDADE EMPREENDEDORA* 1 Sandra Aparecida BRASIL (PG-UEM) Cintia Fernanda BRASIL (PG-UEM) Clariana Ribeiro NOGUEIRA (PG-UEM) RESUMO Empreendedorismo

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Gerson Volney Lagemann

Empreendedorismo. Prof. Gerson Volney Lagemann Prof. Gerson Volney Lagemann O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons, 1990) A Educação no Brasil - Quebra

Leia mais

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 874 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS NO ENSINO TÉCNICO E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DE JOVENS EMPREENDEDORES

Leia mais

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo A Administração da revolução O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi

Leia mais

MULHER EMPREENDEDORA

MULHER EMPREENDEDORA MULHER EMPREENDEDORA Mara Angélica Schutze Voigt 1 Albertina de Souza Prust 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Curso Gestão Comercial (GCO 0070) Prática do Módulo II 13/05/2013 RESUMO

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP/DEVRY COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇAO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RANIERY NIEVRY FREIRE DE VASCONCELOS A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EMPREENDEDORISMO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO FAED

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA EDUCAÇÃO FAED PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: Biblioteconomia e Gestão da Informação ANO/SEMESTRE: 2013/2 CURSO: Biblioteconomia Hab Gestão da Informação FASE: 8ª DISCIPLINA: Empreendedorismo e Gestão de Projetos em TURNO:

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Disciplina: Empreendimentos em Informática

Leia mais

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios Empreendedorismo Transformando idéias em negócios A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA

Leia mais

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Heloise das Neves Balan Nathalie Aparecida dos Santos Rôas RESUMO - O presente trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS IMESB NÚCLEO DE ETENSÃO E PESQUISA (NUPES) Identificação da Faculdade: IMESB Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO WELLINGTON DE OLIVEIRA SOUSA

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO WELLINGTON DE OLIVEIRA SOUSA 1 FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO WELLINGTON DE OLIVEIRA SOUSA O PERFIL EMPREENDEDOR DOS EXPOSITORES DA FEIRINHA DE SOBRAL/CE SOBRAL - CE 2013 2 FRANCISCO WELLINGTON DE OLIVEIRA

Leia mais

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención.

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención. A incubadora de empresas como experiência de empreendedorismo social no Brasil Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira cirleneoliveira@terra.com.br Rodrigo Matos do Carmo rodrigoc@sebraesp.com.br Modalidade

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

PARTE VI ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br

PARTE VI ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br PARTE VI ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA REFLEXÃO O que leva uma pessoa a ser empresário? A realidade de ser empresário. Nem tudo são flores, os espinhos sempre estão juntos... BRASIL Um país Empreendedor

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL

EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL EMPREENDEDORISMO E A CULTURA EMPREENDEDORA: UM ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL André Roese 1 Erlaine Binotto 2 Hélio Büllau 3 RESUMO Este artigo objetiva analisar a eficácia dos programas de estímulo

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CCSADAMT02 PERFIL DOS EMPREENDEDORES E A FORMA DE GESTÃO DAS LANCHONETES DA UFPB Edmery Tavares Barbosa (), Mahilton Silva Assis (2), Ione Guilherme P. da Silva (2), César A. Ruiz Temoche (3). Centro

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM V EGEPE SÃO PAULO MARÇO 2008 Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável do País através da melhoria constante da produtividade, da qualidade e da inovação

Leia mais

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Atua no segmento do empreendedorismo inovador, por meio do apoio a entidades promotoras de inovação e pela capacitação de empreendedores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques

Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Dicas para Empreendedores Como Conseguir Investimentos Fabiano Marques Depois de vencer, aja como se não tivesse vencido. (Sun Tzu. A Arte da Guerra) Muitos empreendedores, quando conseguem vencer, sentem-se

Leia mais

VI SEMANA DA ADMINISTRAÇÃO

VI SEMANA DA ADMINISTRAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO VI SEMANA DA ADMINISTRAÇÃO Porangatu - GO 2014/2 VI SEMANA DA ADMINISTRAÇÃO Projeto da

Leia mais

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR

TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR TÍTULO: NEGÓCIOS SOCIAIS: UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA O TERCEIRO SETOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): EDILEIS

Leia mais

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região CRB 7ª PLENÁRIA Programação 18:00 às 19:30 Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo CRB 7ª 19:30 às 20:30 Palestra Empreendedorismo e Intraempreendedorismo

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora.

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora. 1 Grande Expediente proferido pela Dep. Profª Raquel Teixeira Brasília, 20.03.2006 Uma recente pesquisa publicada pelo Global Entrepreneurship Monitor coloca o Brasil em 7º lugar entre as nações mais empreendedoras

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO BRASIL 2010

EMPREENDEDORISMO NO BRASIL 2010 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL 2010 1 2 Agradecimentos O Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade tem como um de seus objetivos a promoção e a valorização de uma cultura cada vez mais empreendedora

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

www.idsingular.com.br

www.idsingular.com.br Verifique, crie e Inspire seu negócio. SINGULAR Seu mundo do tamanho do seu conhecimento Tel. 31 3681 6117 Verifique, crie e inspire seu negócio com a força do Singular Management. APRESENTAÇÃO Idealizado

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso 54 TEXTO MARIA BEATRIZ VACCARI ARTE IVAN VOLPE

Leia mais

PERFIL DO ADMINISTRADOR FORMADO NA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

PERFIL DO ADMINISTRADOR FORMADO NA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PERFIL DO ADMINISTRADOR FORMADO NA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Resumo ESTRELA, George Queiroga UNESP/FCLAR george.unir@gmail.com SILVA, Joyce Mary Adam de Paula e UNESP/FCLAR joyce@rc.unesp.br

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s)

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal larissabbl@hotmail.com 3047-2800 9161-7394 Conteúdo Programático Constituição de uma pequena ou média empresa.

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Exemplos de inovação

Exemplos de inovação s u c e s s o DIVULGAÇÃO 32 Premiação ocorreu na cidade de Campo Grande (MS) Ad r i a n e Al i c e Pe r e i r a Exemplos de inovação Vencedores do 14ª Prêmio Nacional do Empreendedorismo Inovador revelam

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

AS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EM UMA INCUBADORA TECNOLÓGICA

AS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EM UMA INCUBADORA TECNOLÓGICA AS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EM UMA INCUBADORA TECNOLÓGICA Autoria: Marcelo Trevisan, Shalimar Gallon, Rosália Montagner RESUMO A preocupação dos empreendedores com

Leia mais