Prefeitura da Estãncia de Atibaia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prefeitura da Estãncia de Atibaia"

Transcrição

1 Prefeitura da Estãncia de Atibaia 4 ANEXO I A5 a A9 Tuberculose Somente quando em tratamento 6 meses A30 Hanseníase Somente durante tratamento B24 Doença pelo Virus da Imunodeficiência Humana (HIV) Somente com infecção oportunista B9 Sequelas de Poliomielite, exceto se for bilateral de membros inferiores B92 Sequela de Hanseníase somente com deformidade nos membros COO a C97 Neoplasias (Tumores Malignos) Somente durante tratamento de quimioterapia, radioterapia ou cobaltoterapia E 23.0 E34.3 Hipopituitarismo (nanismo) Nanismo classificado em outra parte E84 Fibrose Cística Não FOO Demência na doença de Alzheimer F0 Demência Vascular F02.3 Demência da Doença de Parkinson F04 Síndrome amnetica orgânica induzida pelo álcool ou por outras substâncias psicoativas

2 Prefeitura da Estãncia de Atibaia 5 F06 Outros transtornos mentais devido a lesão ou disfunção cerebral e doença física F07 Transtornos de personalidade e do comportamento devidos a doença, a lesão, e a disfunção cerebral F9 Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de multiplas drogas e ao uso de outras substâncias psicoativas F20 Esquizofrenia F2 Transtorno esquizotípico F24 Transtorno delirante induzido F25 Transtornos esquizoafetivos F28 Outros transtornos psicóticos -organicos F29 Psicose orgânica específica F70 Retardo Mental leve com avaliação psicológica / psiquiatrica F7 Retardo Mental moderado F72 Retardo Mental grave F73 Retardo Mental profundo

3 6 F79 Retardo Mental especificado com avaliação psicológica / psiquiatrica F83 Transtornos específicos mistos do desenvolvimento F84 Transtornos globais do desenvolvimento F90 Transtornos hipercinéticos G04 Encefalite, mielite e encefalomielite ou cognitiva G09 Sequelas de doenças inflamatórias do sistema nervoso central ou cognitiva G0 Doença de Huntington G Ataxia hereditária G2 Atrofia muscular espinal e sindromes correlatas G20 Doença de Parkinson G2 Parkisonismo adquirido G25.4 Coréia induzida por droga G25.5 Outras formas de Coréia G25.8 Outras doenças extrapiramidais e transtornos do movimento específico G30 Doença de Alzheimer G3 Outras doenças degenerativas do sistema nervoso, classificada em outra parte ouquando existir sequela sensorial ou G35 Esclerose múltipla sequela sensorial ou G36 Outras desmielinizaçoes disseminadas agudas sequela sensorial ou

4 Prefeitura da Estãncia de Atibaia 7 G37 Outras doenças desmielinizantes do sistema central sequela sensorial ou G46 G54 Síndromes vasculares cerebrais que ocorrem em doenças cerebrovasculares Transtornos das raizes dos plexos nervosos com repercussão sequela sensorial ou,se for bilateral é com acompanhante G55.0 Compressão das raizes e dos plexos nervosos em doenças neoplásicas com repercussão G55. Compressões das raizes e dos plexos nervosos em transtornosdos discos intervertebrais com repercussão G55.2 G60 G6 Compressões das raizes e dos plexos nervosos na espondilose Neuropatia hereditária e idiopática Polineuroipatia inflamatória com repercussão eletroneuromiografia eletroneuromiografia G62 Outras polineuropatias eletroneuromiografia G63 G70 Polineuroipatia em doenças classificadas em outra parte Miastenia gravis e outros transtornos neuromusculares eletroneuromiografia com déficit permanente motor G7 Transtornos primários com déficit permanente dos músculos motor G80 Paralisia Cerebral G8 Hemiplegia G82 Paraplegia e tetraplegia G83 Outras sídromes paralíticas G9 Hidrocefalia com motor ou deformidade G92 Encefalopatia tóxica remeter a causas externas T36 a T50 somente com sequela ou cognitiva

5 8 Lesão encefálica anóxica G93. classificada em outra parte G93.4 Encefalopatia especificada H53.4 Defeitos do campo visual com ângulo até H54.0 H54. H54.2 Cegueira ambos os olhos Cegueira em um olho e visão subnormal em outro Visão subnormal em ambos os olhos que melhora com correção que melhora com correção H54.3 Perda qualificada da visão em ambos os olhos que melhora com correção H90 Perda de audição por transtorno de condução e ou neurosensorial nas frequencias de 500, 000 e 2000 Hz 02 Coréia Reumática 0 20 a Cardiopatia Grave Agudas Apenas no período inicial da patologia Não 3 meses 50 Cardiopatia Grave Crônica Somente com Insuficiência Cardíaca Não 60 Hemorragia subaracnoíde sequela sensorial ou 6 Hemorragia intracerebral sequela sensorial ou 63 Infarto cerebral sequela sensorial ou Acidente vascular cerebral 64 especificado como hemorrágico ou isquêmico sequela sensorial ou

6 Prefeitura da Estãncia de Atibaia 9 Outras doenças 67 sequela sensorial ou cerebrovasculares 69 Outros transtornos infecciosos dos vasos linfáticos e dos gânglios linfáticos Elefantíase severa K72 H epatopatia Grave Somente com Insuficiência Hepática Não M05 Artrite reumatoide somente em articulações de membros com limitação M06.4 Poliartropatia inflamatória somente em articulações de membros com limitação M08 Artrite juvenil somente em articulações de membros com limitação M2.5 Artropatia traumática somente de grandes articulações com limitação M5 Poliartrose com importante da deambulação M6 Coxartrose (artrose do quadril) com importante da deambulação M7 Gonartrose (artrose do joelho) com importante da deambulação M9 Outras artroses com importante da deambulação Somente de grandes articulações M2.5 Mão e pé em gara e mão e pé tortos adquiridos M2.8 Outras deformidades adquiridas especificadas dos membros

7 Prefeitura da Estãncia de Atibaia M32 Lupus eritematoso disseminado (sistêmico) somente de grandes articulações e punho M34.0 M40 M4 M42 Esclerose sistemica progressiva Cifose e lordose Escoliose Osteocondrose da coluna vertebral com limitação somente em casos visíveis ou em uso de colete com limitação M45 Espondilite anquilosante com limitação M47. M50.0 M5.0 Outras espondiloses com mielopatia Transtornos dos discos cervicais com mielopatia Transtornos de discos lombares e de outros discos intervertebrais com mielopatia com limitação com limitação com limitação M67.0 Tendão de Aquiles curto adquirido com importante da deambulação M75. M80 M86 M87.0 Sindrome do Manguito Rotator Osteoporose com fratura patológica Osteomielite Necrose asséptica idiopática do osso com lesão anatômica comprovada somente em ossos grandes de ossos longos com limitação importante de função somente em membros inferiores M87.2 Osteonecrose devido a traumatismo anterior com da deambulação M88 Doença Paget do osso(osteite deformante) com da deambulação M9 Osteocondrose juvenil do quadril e da pelve com da deambulação N8 P4 Insuficiência Renal Crônica Lesões ao nascer do sistema nervoso periférico Hemodiálise 3 X por semana com limitação

8 P20 Hipóxia intrauterina ou cognitiva P2 Asfixia ao nascer ou cognitiva Q00 Anencefalia e outras malformações ilares Q0 Encefalocele 4anos Q02 Microcefalia Q03 Hidrocefalia congênita Q05.2 Espinha bífida lombar com hidrocefalia Q05.3 Espinha sacra com hidrocefalia Q65.0 Luxação congênita unilateral do quadril somente na fase adulta Q65. Luxação congênita bilateral do quadril somente na fase adulta Q66 Pé torto congênito Q7 Defeitos por redução do, exceto se for membro superior bilateral Q72 Defeitos por redução do membro inferior Q74.0 Outras malformações congênitas dos membros supeiores, inclusive da cintura escapular Q74.2 Outras malformações congênitas de membros inferiores, inclusive da cintura pélvica Q78.0 Osteogênese imperfeita Exostosis congênita multiplas Q87. Sindromes com malformações congênitas associadas predominantemente com o nanismo Q87.2 Sindromes com malformações congênitas afetando predominantemente os membros

9 Q87.4 Síndrome de Marfan Q87.5 Síndromes com malformações congênitas com alterações do esqueleto Q90 Síndrome de Down R26 Anormalidade da marcha e da mobilidade S4 Traumatismo dos nervos e da medula espinhal no nível cervical S47 Lesão por esmagamento do ombro e do braço S48 do ombro e do braço S57 Lesão por esmagamento do antebraço S58 do cotovelo e do antebraço definitivo S67 Lesões por esmagamento do punho e da mão S68.0 do polegar (completa) S68.2 de 2 ou mais dedos completa somente com perda da função de pinça S68.4 da mão no nível do punho S68.9 do punho e da mão (nível especificado)

10 S72 Fratura do femur somente com encurtamento do membro que leve a dificuldade na deambulação Escanograma com diametria maior que 3 centímetro Ou em uso de aparelho fixador externo S77 Lesão por esmagamento do quadril e da coxa S78 Amputação traumático do quadril e da coxa S82. Fratura da extremidade proximal da tíbia somente em uso de aparelho fixador externo S82.2 Fratura da diáfise da tíbia somente em uso de aparelho fixador externo S82.3 Fratura da extremidade distai da tíbia somente em uso de aparelho fixador externo S82.4 Fratura do perónio (fíbula) somente em uso de aparelho fixador externo S82.7 Fraturas múltiplas da perna somente em uso de aparelho fixador externo S88 da perna S97 Lesão por esmagamento do tornozelo e do pé S98 do tornozelo e do pé T02. Fraturas envolvendo tórax com parte inferior do dorso e da pelve T02.4 Fraturas envolvendo regiões múltiplas de ambos os membros superiores T02.5 Fraturas envolvendo regiões múltiplas de ambos os membros inferiores

11 T02.6 T02.7 Fraturas envolvendo regiões múltiplas dos membros superiores com inferiores Fraturas envolvendo tórax com parte inferior do dorso e da pelve com membros T04.4 Traumatismos por esmagamento envolvendo regiões múltiplas dos membros superiores com inferiores T04.7 Traumatismo por esmagamento do tórax com abdomem parte inferior do dorso pelve e membros T05 Amputações traumáticas envolvendo multiplas regiões do corpo T.6 do membro superior nível especificado T3.6 de membro inferior nível especificado T2 Queimadura e corrosão do tronco T22 Queimadura e corrosão do ombro e de membro superior exceto punho e mão T23 Queimadura e corrosão do punho e da mão somente com atrofia T24 Queimadura e corrosão do quadril e de membro inferior, exceto tornozelo e pé T25 Queimadura e corrosão do tornozelo e pé T66 Contaminação por Radiação Não

12 T87 Complicações próprias de reimplante e amputação T90.5 Sequela de traumatismo intracraneano Somente com limitação ou cognitiva Se, tiver sequela cognitiva é com acompanhante T9. T92.6 Sequela de fratura de coluna vertebral Sequela de esmagamento e amputação traumática de membro superiror Somente com limitação T93. Sequela da fratura de femur somente com encurtamento do membro que leve a dificuldade na deambulação Escanograma com diametria maior que 3 centímetro T93.6 Sequela de esmagamento e amputação traumática de membro inferior T95.3 Sequelas de queimadura corrosão e geladura de membro inferior Z89 Ausência adquirida dos membros

13 ANEXO II PREFEITURA DA ESTÂNCIA DE ATIBAIA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SUS Concessão de Isenção de Tarifits de Transporte Coletivo Urbano Lei Complementar n 543/07 LAUDO MÉDICO Data / / Local do Exame: Nome: Data Nasc: / / Endereço: Bairro: Município: Mãe: /". Declaro que assumo toda a responsabilidade das informações acima. Autorizo a colocação do número do CID (Código Internacional de Doenças). Data: / Assinatura: CID Acompanhante [ I Concedido [ Validade: anos l I assinatura médico./carimbo assinatura médico/carimbo

Município de Valença Procuradoria Jurídica

Município de Valença Procuradoria Jurídica DECRETO n. 015, de 05 de fevereiro de 2010. EMENTA: Regulamenta o processo operacional referente à isenção do pagamento de tarifas de transporte coletivo regular, sob responsabilidade do Município, concedida

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG CATEGRIA DISPSITIV / Faixa Etária L MNBLC C Idade mínima: 16 a Idade máxima: 50 a M Ç Ã ACIMA 90 KG Idade mínima: 20 a CID B91- Seqüelas de poliomielite. C412- Neoplasia maligna da coluna vertebral. C72-

Leia mais

PORTARIA INTERSECRETARIAL N.º 004/08-SMT/SMS

PORTARIA INTERSECRETARIAL N.º 004/08-SMT/SMS PORTARIA INTERSECRETARIAL N.º 004/08-SMT/SMS Altera o item 17 e o Anexo I da Portaria Intersecretarial 003/06 - SMT/SMS e seu Anexo I, disciplinando as medidas administrativas e operacionais referentes

Leia mais

Procedimento x CID Principal

Procedimento x CID Principal Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento x CID Principal 03.01.07.010-5 ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br G00-G99 CAPÍTULO VI : Doenças do sistema nervoso G00.0 Meningite por Haemophilus G00.1 Meningite pneumocócica G00.2 Meningite estreptocócica G00.3 Meningite estafilocócica G00.8 Outras meningites bacterianas

Leia mais

MEDICINA FÍSICA E REABILITAÇÃO

MEDICINA FÍSICA E REABILITAÇÃO ABBR - Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação Utilidade Pública Estadual e Municipal - Lei 892, em 14-11-57 Utilidade Pública Federal - Dec. Lei 43.890, em 10-06-58 Prêmio Nacional Direitos

Leia mais

RELAÇÃO DE PATOLOGIAS QUE PODEM CARACTERIZAR A EXISTÊNCIA DE DEFICIÊNCIA

RELAÇÃO DE PATOLOGIAS QUE PODEM CARACTERIZAR A EXISTÊNCIA DE DEFICIÊNCIA RELAÇÃO DE PATOLOGIAS QUE PODEM CARACTERIZAR A EXISTÊNCIA DE DEFICIÊNCIA LISTA DE SIGLAS CRT Centro de Referência em tratamento HIV RNM Ressonância Magnética EEG Eletroencefalograma RX Raio X ENMG Eletroneuromiografia

Leia mais

Anexo I. Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante. Tempo

Anexo I. Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante. Tempo Anexo I Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante Tempo Doenças orgânicas, não exatamente caracterizadas como deficiências B20.0 Doença

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

PREFEITURA DE GUARULHOS

PREFEITURA DE GUARULHOS PREFEITURA DE GUARULHOS SECRETARIA ESPECIAL DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS LEI Nº 7.455, DE 07 DE JANEIRO DE 2016. Substitutivo nº 01 ao Projeto de Lei nº 2860/2015 de autoria do Poder Executivo. Decreto Mensagem

Leia mais

MARÇO.2013. 22-Sexta -Feira 19 Horas PEC-Ombro,Cotovelo e Artroscopia PEC-Ombro,Cotovelo e Artroscopia

MARÇO.2013. 22-Sexta -Feira 19 Horas PEC-Ombro,Cotovelo e Artroscopia PEC-Ombro,Cotovelo e Artroscopia MARÇO.2013 01- Sexta-Feira 17 Horas MD. Rodrigo A. Tisot Revisão de Rx - Coluna 04 - Segunda-Feira 17 Horas MD. CÉSAR MARTINS REVISÃO DE RX - JOELHO 05 - Terça- Feira 17 Horas MD. GASTON / JOÃO MARCUS

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES

ISENÇÃO DE IMPOSTOS DEFICIENTES FÍSICOS OU PESSOAS COM DOENÇAS GRAVES ISENÇÃODEIMPOSTOSDEFICIENTESFÍSICOSOU PESSOASCOMDOENÇASGRAVES Em nosso país existem muitas garantias de direitos hoje em dia, mas os cidadãosnãoexigemessesdireitos.istoocorre,namaioriadasvezespelagrande

Leia mais

INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10

INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10 INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10 Com base no compromisso assumido pelo Governo Brasileiro, quando da realização da 43ª Assembléia Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde, por intermédio da

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

Apólice de Seguro de Caçadores

Apólice de Seguro de Caçadores Apólice de Seguro de Caçadores INDICE PARTE I CONDIÇÕES GERAIS Cláusula Preliminar CAPÍTULO I Cláusula 1.ª Cláusula 2.ª Cláusula 3.ª Cláusula 4.ª Cláusula 5.ª CAPÍTULO II Cláusula 6.ª Cláusula 7.ª Cláusula

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA Esporte: Administração: individual equipe ITTF Federação Internacional de Tênis de Mesa Cartão de Classificação: Cartão Funcional de Tênis de Mesa Sessão de Regras

Leia mais

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre

Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Óbitos de menores de um ano 2000 2003 Porto Alegre Tabela 1 - Distribuição dos óbitos infantis, segundo a classificação de evitabilidade, Porto Alegre, 1996/1999 ANOS ÓBITOS EVITÁVEIS 1996 1997 1998 1999

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Locomoção sobre rodas Professor: Pai Chi Nan 1 Biomecânica do assento Corpo humano não foi projetado para se manter sentado Corpo: estrutura dinâmica em constante

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

DITAL DE CONVOCAÇÃO 002/2014-DGAC/GCMC INSPEÇÃO DE SAÚDE INSPEÇÃO DE SAÚDE CARGO: GUARDA CIVIL MUNICIPAL ANEXO I FICHA INDIVIDUAL DO CANDIDATO

DITAL DE CONVOCAÇÃO 002/2014-DGAC/GCMC INSPEÇÃO DE SAÚDE INSPEÇÃO DE SAÚDE CARGO: GUARDA CIVIL MUNICIPAL ANEXO I FICHA INDIVIDUAL DO CANDIDATO ANEXO I AVALIAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA 7.7.3.2.2 Tumores malignos na área de cabeça e pescoço: Deformidade congênita na área da cabeça e do pescoço: alterações estruturais da glândula tireóide associada ou

Leia mais

É responsável pelo movimento do corpo

É responsável pelo movimento do corpo É responsável pelo movimento do corpo O sistema locomotor é formado pelos ossos, músculos e articulações. O sistema esquelético sustenta, protege os órgãos internos, armazena minerais e íons e produz células

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL. PROJECTO INTERVENÇÃO PRECOCE Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal Fisioterapeuta Teresa Gonçalves 17 DE Junho de 2008

PARALISIA CEREBRAL. PROJECTO INTERVENÇÃO PRECOCE Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal Fisioterapeuta Teresa Gonçalves 17 DE Junho de 2008 PARALISIA CEREBRAL PROJECTO INTERVENÇÃO PRECOCE Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Fisioterapeuta 17 DE Junho de 2008 PARALISIA CEREBRAL Grupo não progressivo, de distúrbios motores, especialmente

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA ATENÇÃO

SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA ATENÇÃO SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome do Candidato Nº de Identidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AULAS - R1 (2 as Feiras)

PROGRAMAÇÃO AULAS - R1 (2 as Feiras) 1 PROGRAMAÇÃO AULAS - R1 (2 as Feiras) DATA TEMA ASSISTENTE 07/02/2011 Embriologia e Histologia Óssea Dr. Ricardo 14/02/2011 Fisiologia e Consolidação das Fraturas Dr. Evandro 21/02/2011 Fixadores Externos

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano Verificamos um exemplo, da operária, de como é importante para o profissional de Segurança e Higiene do Trabalho conhecer as limitações do corpo humano e como este pode se sobrecarregar, com o intuito

Leia mais

Apólice de Seguro Ciclo Macif

Apólice de Seguro Ciclo Macif Apólice de Seguro Ciclo Macif INDICE CONDIÇÕES GERAIS Cláusula Preliminar CAPÍTULO I Cláusula 1ª Cláusula 2ª Cláusula 3ª Cláusula 4ª CAPÍTULO II Cláusula 5ª Cláusula 6ª Cláusula ª Cláusula 8ª Cláusula

Leia mais

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura REGIÃO CERVICAL, OMBROS E MEMBROS SUPERIORES Dor muscular dor decorrente de traumatismo esportivo, por erro de postura e/ou tensão emocional. Exemplo: dor no

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES

TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES TABELA DE PREÇOS DE EXAMES PARTICULARES TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CÓDIGO Descrição do exame Valor 10000090 PACOTE ABDÔMEN SUPERIOR R$ 943,59 10000137 PACOTE ABDÔMEN SUPERIOR COM CONTRASTE R$ 1.688,24

Leia mais

ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS

ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS Anexo A ao Edital de Credenciamento 01/2015 47º BI...página 1/5 ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS Os serviços médico-hospitalares e laboratoriais, objeto

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

Diário Oficial. Atos do Poder Executivo ESTADO DA PARAÍBA PODER EXECUTIVO Nº 13.495. Preço: R$ 2,00 IDENTIFICAÇÃO DO FISCO

Diário Oficial. Atos do Poder Executivo ESTADO DA PARAÍBA PODER EXECUTIVO Nº 13.495. Preço: R$ 2,00 IDENTIFICAÇÃO DO FISCO ESTADO DA PARAÍBA PODER EXECUTIVO Nº 13.495 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 28. 137, DE 19 DE ABRIL DE 2007 João Pessoa - Sexta-feira, 20 de Abril de 2007 Concede isenção do ICMS nas saídas de veículos

Leia mais

, de de Assinatura do Segurado Titular

, de de Assinatura do Segurado Titular Companhia Seguradora: Nome do Titular (preenchimento obrigatório) CNS (Carteira Nacional de Saúde) DNV (Declaração de nascido Vivo) RIC (Registro de Identificação Civil) Legendas 03. Inclusão de Dependente

Leia mais

O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos. Afasias. Afasias. Afasias 17/08/15. Neurologia - FEPAR. Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico

O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos. Afasias. Afasias. Afasias 17/08/15. Neurologia - FEPAR. Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico O Monstro Neurológico... Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron Os 4 Passos do Diagnóstico Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO

CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO L ld;i~rj CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO De autoria do Vereador Anselmo José Domingos, o projeto de

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS Ano lectivo 2011/2012 Posicionamento e Mobilidade Posicionamento em cadeira de rodas: Acto terapêutico que implica a utilização de diversos

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Concurso para Investigador Criminal de 2ª classe

Concurso para Investigador Criminal de 2ª classe Concurso para Investigador Criminal de 2ª classe (Inspecção Médica) A. Condições físicas e requisitos gerais 1. Altura mínima de 1,65 metros para o sexo masculino e 1,55 metros para o sexo feminino; 2.

Leia mais

Patologias da coluna vertebral

Patologias da coluna vertebral Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias da coluna vertebral Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Escoliose idiopática Dorso curvo Cervicobraquialgia Lombalgia e lombociatalgia

Leia mais

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo:

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo: Solicitação de Inclusão de Dependentes / Agregado * Data Sucursal Cia Nº da Apólice Certificado (se SPG) Registro na ANS: 005711 Nome do Titular (preenchimento obrigatório) Legendas Sexo 1 - Masculino

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador WELLINGTON DIAS PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 110, de 2012, da Senadora Vanessa Grazziotin, que altera os arts. 4º e 8º da Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de

Leia mais

PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ELA esclerose lateral amiotrófica Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça

PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ELA esclerose lateral amiotrófica Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ASSUNTO: ELA esclerose lateral amiotrófica RELATOR: Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça EMENTA: A ELA definida e provável, devidamente investigada por exames complementares,

Leia mais

19/10/2010. Breve revisão anatômica. Síndromes medulares. Breve revisão anatômica. Breve revisão anatômica. Profa. Patrícia da Silva Sousa Carvalho

19/10/2010. Breve revisão anatômica. Síndromes medulares. Breve revisão anatômica. Breve revisão anatômica. Profa. Patrícia da Silva Sousa Carvalho Síndromes medulares Profa. Patrícia da Silva Sousa Carvalho UFMA 4º período Medula espinhal cervical Medula espinhal torácica Medula espinhal lombar 1 Substância cinzenta anteriores posteriores parte intermedia

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade Estabelece procedimentos complementares necessários ao cumprimento das normas do Artigo Nº. 249, VI, a, da Constituição do Estado do Pará. O DIRETOR

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR/DAB/SAS/MS

COORDENAÇÃO GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR/DAB/SAS/MS COORDENAÇÃO GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR/DAB/SAS/MS LISTA DE PROCEDIMENTOS, CBO E CID PARA O REGISTRO DE AÇÕES AMBULATORIAS EM SAÚDE NA ATENÇÃO DOMICILIAR - -AD NA AUSÊNCIA DE PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais

Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais Apólice de Seguro de Acidentes Pessoais INDIE ONDIÇÕES GERAIS láusula Preliminar APÍTULO I láusula 1.ª láusula.ª láusula 3.ª láusula 4.ª láusula.ª láusula.ª láusula 7.ª láusula 8.ª APÍTULO II láusula

Leia mais

DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DRHU/SAP SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS (SERVIDORES DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA) SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS Empresa Seguradora: CAPEMISA (contrato firmado entre a

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS NEUROMUSCULARES

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS NEUROMUSCULARES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS NEUROMUSCULARES A classificação das doenças neuromusculares compreende várias

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES ANEXO III LAUDO DE COMPROVAÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA E/OU VISUAL Serviço Médico/Unidade de Saúde: CNES: IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES Nome: Data de Nascimento: / / Sexo: Feminino

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos do Desenvolvimento Psicológico Transtornos do Desenvolvimento Psicológico

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER

COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER COLUNA VERTEBRAL RAUL KRAEMER ANATOMIA E RADIOLOGIA SIMPLES RAIOS-X RAIOS-X RAIOS-X Coluna Cervical Indicações: trauma, cervicalgia, incapacidade funcional, tumores... Solicitação: - Raios-X

Leia mais

ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL

ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL ABORDAGEM E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL Ronaldo Casimiro da Costa, MV, MSc, PhD Diplomado ACVIM Neurologia College of Veterinary Medicine The Ohio State University,

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br M00-M99 CAPÍTULO XIII : Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo M00-M25 Artropatias M30-M36 Doenças sistêmicas do tecido conjuntivo M40-M54 Dorsopatias M60-M79 Transtornos dos tecidos moles

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar DEMÊNCIAS Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar Conceitos básicos Inteligência Cognição Memória Transtornos cognitivos Quadro confusional agudo Demência Inteligência Totalidade das funções cognitivas

Leia mais

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5):

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5): PORTARIA NORMATIVA Nº. 011-2009/DIASS Regulamenta o atendimento de Fisioterapia aos usuários do IPASGO SAÚDE. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás

Leia mais

#$%& ' % +,+*- %*1.!%2 )% /), '+2 # $%$&# '#( $)*+ 1/23

#$%& ' % +,+*- %*1.!%2 )% /), '+2 # $%$&# '#( $)*+ 1/23 ! " #$%& ' ()#%%*#% % +,+*- +%.%%. -+/+ 0)/+ &.%% %*1.!%2 )% /), /+ 3 )%3%* % +*)% %'+&* '+2 #%3*% 3%* *%%%!%*&*. '/+%,%/+#. 4 3 # $%$&# '#( $)*+ 1/23 56 7,###' # #-#. / 0,#, #. 1,2# 3,###,, #.0, # # 45.

Leia mais

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE.

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE. OBJETIVOS: O aluno deverá ser capaz de identificar as principais doenças da coluna lombar assim como avaliação e prescrição de conduta fisioterápica pertinente. LER: O que é Hérnia de disco? A coluna vertebral

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE COMENTÁRIOS SOBRE A AVALIAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E INCAPACIDADES NA PERSPECTIVA DE UMA NOVA CLASSIFICAÇÃO NO BRASIL COORDENADORIA NACIONAL PARA INTEGRAÇÃO DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA CORDE

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

Com relação aos questionamentos solicitados pela Notre Dame Seguradora, datado de 05 de fevereiro de 2010, segue:

Com relação aos questionamentos solicitados pela Notre Dame Seguradora, datado de 05 de fevereiro de 2010, segue: REFERENTE.: Pregão Presencial nº 34/2009 INTERESSADO.: ASSUNTO.: NOTRE DAME SEGURADORA S.A Solicitação de Esclarecimentos. Trata o presente de pedidos de esclarecimentos, referente a determinados itens

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MIELITE TRANSVERSA - ESTUDO DE CASO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MIELITE TRANSVERSA - ESTUDO DE CASO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MIELITE TRANSVERSA - ESTUDO DE CASO Miria Sirlei Kuerten* Carla Regina Moreira Camargo** * Acadêmica do 9º período de Fisioterapia ** Docente Supervisora de Estágio em Fisioterapia

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 QUESTÃO 17 Qual teste é utilizado para diagnosticar a restrição da mobilidade lombar nos pacientes com Espondilite Anquilosante? a) Teste de Patte. b) Teste

Leia mais

Índice CUIDADOS PRIMÁRIOS EM ORTOPEDIA CAPÍTULO 1

Índice CUIDADOS PRIMÁRIOS EM ORTOPEDIA CAPÍTULO 1 Índice CUIDADOS PRIMÁRIOS EM ORTOPEDIA CAPÍTULO 1 Coluna Cervical, 1 Anatomia, 1 Estrutura Óssea, 1 Nervos Cervicais e Função Neurológica, 3 Musculatura e Estrutura dos Tecidos Moles, 4 Exame da Coluna

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural. Pés. A Base da Boa Postura. João Elias Saad

Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural. Pés. A Base da Boa Postura. João Elias Saad Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural Pés A Base da Boa Postura João Elias Saad A influência dos pés na estruturação da postura corporal e utilização da palmilha proprioceptiva na prevenção e reprogramação

Leia mais

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC);

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC); PROGRAMA DO CURSO * ESPONDILOTERAPIA Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado a coluna vertebral e/ou seus comprometimentos, desenvolvida e registrada pela ESCOLA SOS

Leia mais

Classificação no Ciclismo

Classificação no Ciclismo Classificação no Ciclismo A classificação é uma forma de estrutura criada para a organização das competições com atletas que possuem alguma deficiência. Antes de participar de qualquer competição, o atleta

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

HOSPITAL M UNICIP AL S ÃO JOSÉ AN EXO 6 PROV AS E P ROGR AM AS A. C AR GOS DE ADM INIS TR AÇ ÃO G ER AL - NÍVEL SUPERIOR PROVAS OBJETIVAS 30 QUESTÕES

HOSPITAL M UNICIP AL S ÃO JOSÉ AN EXO 6 PROV AS E P ROGR AM AS A. C AR GOS DE ADM INIS TR AÇ ÃO G ER AL - NÍVEL SUPERIOR PROVAS OBJETIVAS 30 QUESTÕES HOSPITAL M UNICIP AL S ÃO JOSÉ CONCU RSO PÚBLI CO - EDITAL 001/2011 AN EXO 6 PROV AS E P ROGR AM AS A. C AR GOS DE ADM INIS TR AÇ ÃO G ER AL - NÍVEL SUPERIOR PROVAS OBJETIVAS 30 QUESTÕES Todos os Cargos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA

DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA DECLARAÇÃO DE ISENÇÃO DE ICMS PARA PORTADOR DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA, OU AUTISTA OBJETIVO DO SERVIÇO: Conceder isenção de ICMS para portadores de deficiência física, visual,

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos efetuadores: 1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) : Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos

Leia mais