REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS"

Transcrição

1 REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor PROCEDIMENTOS CLÍNICOS (AMBULATORIAIS) - REABILITAÇÕES/SESSÕES Consulta Ambulatorial em Fisioterapia SIM 59, Adaptação e treinamento de recursos ópticos para visão subnormal (por sessão) - binocular SIM 13, Amputação bilateral (preparação do coto) SIM 28, Amputação bilateral (treinamento protético) SIM 27, Amputação unilateral (preparação do coto) SIM 18, Amputação unilateral (treinamento protético) SIM 18, Assistência fisiátrica respiratória em pré e pós-operatório de condições cirúrgicas SIM 16, Ataxias SIM 23, Atendimento fisiátrico no pré e pós-parto SIM 13, Biofeedback com EMG SIM 47, Confecção de órteses em material termo-sensível (por unidade) SIM 18, Confecção de prótese imediata SIM 84, Confecção de prótese provisória SIM 69, Desvios posturais da coluna vertebral SIM 13, Disfunção vésico-uretral SIM 15, Distrofia simpático-reflexa SIM 25, Distúrbios circulatórios artério-venosos e linfáticos SIM 24, Doenças pulmonares atendidas em ambulatório SIM 18, Exercícios para reabilitação do asmático (ERAC) - por sessão coletiva SIM 11, Exercícios para reabilitação do asmático (ERAI) - por sessão individual SIM 18, Hemiparesia SIM 30, Hemiplegia SIM 31, Hemiplegia e hemiparesia com afasia SIM 31, Hipo ou agenesia de membros SIM 18, Lesão nervosa periférica afetando mais de um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM 24, Lesão nervosa periférica afetando um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM 24, Miopatias SIM 24, Paciente com D.P.O.C. em atendimento ambulatorial necessitando reeducação e reabilitação respiratória SIM 26, Paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca, atendido em ambulatório, duas a três vezes por semana SIM 13, Pacientes com doença isquêmica do coração, atendido em ambulatório de 8 a 24 semanas SIM 13, Pacientes com doença isquêmica do coração, atendido em ambulatório, até 8 semanas de programa SIM 13, Pacientes com doenças neuro-músculo-esqueléticas com envolvimento tegumentar SIM 15, Pacientes sem doença coronariana clinicamente manifesta, mas considerada de alto risco, atendido em ambulatório, duas a três vezes por semana SIM 31, Paralisia cerebral SIM 33, Paralisia cerebral com distúrbio de comunicação SIM 32,41 W:\Convenios\Contratos\Contratos novos RNs\2016\CONTRATO FISIOTERAPIA\TUSS - Procedimentos FISIOTERAPIA FC xlsx\ DE 6

2 Código Procedimento Autorização Prévia Valor Paraparesia/tetraparesia SIM 27, Paraplegia e tetraplegia SIM 26, Parkinson SIM 30, Patologia neurológica com dependência de atividades da vida diária SIM 29, Patologia osteomioarticular em um membro SIM 25, Patologia osteomioarticular em dois ou mais membros SIM 33, Patologia osteomioarticular em um segmento da coluna SIM 23, Patologia osteomioarticular em diferentes segmentos da coluna SIM 43, Patologias osteomioarticulares com dependência de atividades da vida diária SIM 29, Recuperação funcional pós-operatória ou por imobilização da patologia vertebral SIM 29, Processos inflamatórios pélvicos SIM 18, Queimados - seguimento ambulatorial para prevenção de seqüelas (por segmento) SIM 23, Reabilitação de paciente com endoprótese SIM 21, Reabilitação labiríntica (por sessão) SIM 30, Reabilitação perineal com biofeedback SIM 170, Recuperação funcional de distúrbios crânio-faciais SIM 17, Recuperação funcional pós-operatória ou pós-imobilização gessada de patologia osteomioarticular com complicações neurovasculares afetando um membro Recuperação funcional pós-operatória ou pós-imobilização gessada de patologia osteomioarticular com complicações neurovasculares afetando mais de um membro SIM 18,66 SIM 20, Retardo do desenvolvimento psicomotor SIM 20, Seqüelas de traumatismos torácicos e abdominais SIM 16, Seqüelas em politraumatizados (em diferentes segmentos) SIM 29, Sinusites SIM 16, Reabilitação cardíaca supervisionada. Programa de 12 semanas. Duas a três sessões por semana (por sessão) SIM 20,93 ORIENTAÇÕES DA FUNDAÇÃO COPEL 1. Para os tratamentos fisioterápicos, é necessária a autorização prévia da Fundação Copel. 2. A autorização prévia deverá ser providenciada pelo prestador no portal da Fundação Copel, no Saúde Connect - Autorizador, anexando a solicitação do médico e/ou odontológo assistente, com a indicação do CID- 10. Caso o beneficiário optar pelo atendimento através de serviço "não credenciado", deverá solicitar a liberação junto à Fundação Copel ou Agentes Regionais. 3. Para realização dos atendimentos, é indispensável à apresentação dos seguintes itens: Cartão de Identificação da Fundação Copel ; Documento de identificação do beneficiário. 4. A apresentação da fatura à Fundação Copel deverá ocorrer ao término do tratamento ou da realização do número de sessões autorizado pela Fundação Copel. TERAPIA OCUPACIONAL Sessão de Terapia Ocupacional SIM 30, Orientação e/ou treinamento em órteses e adaptação SIM 24, OBSERVAÇÕES: 1 - O tratamento global da paralisia cerebral e retardo do desenvolvimento psicomotor inclui a Terapia Ocupacional, o Treino da Atividade da Vida Diária e a Terapia da Linguagem. 2 - Os portes referentes às sessões de reabilitações e terapêuticas fisiátricas são devidos apenas quando realizados por fisiatras. No caso de paciente internado, deverá ser observado o disposto no item 6 das Instruções 5 - A cada 10 sessões, em período não inferior a 30 dias, será realizada pelo fisiatra uma revisão, que é equivalente a uma consulta médica assim remunerada. ( RN CNHM Nº 0005/2009) PROCEDIMENTOS CLÍNICOS (HOSPITALARES) - REABILITAÇÕES/SESSÕES Consulta Hospitalar em Fisioterapia NÃO 59,00 2 de 6

3 Código Procedimento Autorização Prévia Valor Assistência fisiátrica respiratória em paciente internado com ventilação mecânica NÃO 18, Eletroestimulação do assoalho pélvico e/ou outra técnica de exercícios perineais - por sessão NÃO 20, Assistência fisiátrica respiratória em doente clínico internado NÃO 16, Pacientes com doença isquêmica do coração, hospitalizado, até 8 semanas de programa NÃO 24, Pacientes em pós-operatório de cirurgia cardíaca, hospitalizado, até 8 semanas de programa NÃO 24,58 ORIENTAÇÃO PARA PAGAMENTO DA CONSULTA HOSPITALAR EM FISIOTERAPIA Identificação completa do paciente. História clínica detalhada. Exame clínico de acordo com a semiologia fisioterapêutica. Diagnóstico e prognóstico fisioterapêutico. Plano terapêutico. Evolução com identificação do profissional que prestou atendimento ao paciente. Assinatura com número do registro no Conselho. 3 de 6

4 4 de 6

5 5 de 6

6 6 de 6

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5):

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5): PORTARIA NORMATIVA Nº. 011-2009/DIASS Regulamenta o atendimento de Fisioterapia aos usuários do IPASGO SAÚDE. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143 DESCRIÇÃO ANTERIOR CÓDIGO ANTERIOR CÓD. TUSS NOMENCLATURA TUSS SERVIÇO VALOR REAJUSTADO EM 17,65% - (VIGENTE A PARTIR DE 01/04/2015) Avaliação Nutricionista 98800140 não possui não possui NUTRICIONISTA

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

TUSS ROL ANS 2014 - RN 338-2013

TUSS ROL ANS 2014 - RN 338-2013 2014 - -2013 NOMENCLATURA AT.DIRETO 10101012 Consulta em consultório (no horário normal ou preestabelecido) AT.DIRETO 10101012 Consulta em consultório (no horário normal ou preestabelecido) NOMENCLATURA

Leia mais

ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS

ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS Anexo A ao Edital de Credenciamento 01/2015 47º BI...página 1/5 ANEXO A SERVIÇOS MÉDICO-HOSPITALARES, LABORATORIAIS E OUTROS A SEREM COMPLEMENTADOS Os serviços médico-hospitalares e laboratoriais, objeto

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 219 14/11/07 p.386

Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 219 14/11/07 p.386 Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 219 14/11/07 p.386 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.916, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2007 Exclui e inclui

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA ATUALIZADA EM 01/01/2018. Terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS Regulamentada pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA ATUALIZADA EM 01/01/2018. Terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS Regulamentada pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA ATUALIZADA EM 01/01/2018 Terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS Regulamentada pela ANS Código Procedimento Valor 50000000 PROCEDIMENTOS CLÍNICOS AMBULATORIAIS 50000000

Leia mais

CLINICOS MONITORIZACOES HOLTER DE 24 HORAS - 2 OU MAIS CANAIS - ANALOGICO S R$ 79,88 R$ 81,52 AMBULATORIAIS

CLINICOS MONITORIZACOES HOLTER DE 24 HORAS - 2 OU MAIS CANAIS - ANALOGICO S R$ 79,88 R$ 81,52 AMBULATORIAIS SUB 20101228 S AVALIACOES / ACOMPANHAMENTO CLINICO AMBULATORIAL POS- ACOMPANHAMENTOSTRANSPLANTE DE MEDULA OSSEA N R$ 92,16 R$ 92,16 20102011 S MONITORIZACOES HOLTER DE 24 HORAS - 2 OU MAIS CANAIS - ANALOGICO

Leia mais

RNHF 2009-2ª EDIÇÃO Referencial Nacional de Honorários Fisioterapêuticos

RNHF 2009-2ª EDIÇÃO Referencial Nacional de Honorários Fisioterapêuticos RNHF 2009-2ª EDIÇÃO Referencial Nacional de Honorários Fisioterapêuticos O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), em seu papel como Tribunal Superior da Ética Profissional, zelando

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS Instruções Gerais: TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS 01. A presente Tabela de Honorários Médicos foi elaborada com base em critérios uniformes para todas as especialidades e tem como finalidade estabelecer

Leia mais

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO A nova aposta do Hospital SOERAD O novo serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital SOERAD já se encontra em funcionamento, dispondo de uma equipa multidisciplinar

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

20103328 Lesão nervosa periférica afetando um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM PR

20103328 Lesão nervosa periférica afetando um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM PR PR VM PRF TA L - LEGENDA Consta no ROL / Consta na TUSS / valores tabela antiga com correções Não consta no ROL / Consta na TUSS / valores tabela antiga com correções Consta no ROL / Consta na TUSS / valores

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES Teresina/2009 SUMÁRIO PAG I Objetivo do manual... 03 II - Orientações Gerais... 04 III - Anexo I Procedimentos que necessitam de autorização prévia... 08 IV

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 Honorário de Psicologia 1010111 8 Sessao de Psicoterapia / Psicologo - (12 ou ate 40 por ano se cumprir diretriz de utilização definida pelo

Leia mais

IMPORTANTE: Consulte o edital 01/2015 e suas retificações em www.concursos.ufba.br e observe todas as demais exigências e prazos estabelecidos.

IMPORTANTE: Consulte o edital 01/2015 e suas retificações em www.concursos.ufba.br e observe todas as demais exigências e prazos estabelecidos. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GABINETE DA REITORIA EDITAL DE INCLUSÃO Nº 4 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA), no uso de suas atribuições estatutárias, tendo em vista

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7 Manual do Prestador Autogestão ANS - no 41.696-7 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Autogestão, informando as características

Leia mais

TABELA DE MENSAGENS GLOSAS

TABELA DE MENSAGENS GLOSAS TABELA DE MENSAGENS GLOSAS Grupo Elegibilida 1001 Número da carteira inválido Elegibilida 1002 Número do Cartão Nacional Saú inválido Elegibilida 1003 A admissão do Beneficiário no prestador ocorreu antes

Leia mais

P O R T A R I A N.º 331/99.

P O R T A R I A N.º 331/99. P O R T A R I A N.º 331/99. Dispõe sobre Regulamentação O DIRETOR GERAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS - IPASGO, usando de suas atribuições legais, R E S O

Leia mais

Valor total do protocolo diferente do valor total das guias Protocolo 1199 Outros

Valor total do protocolo diferente do valor total das guias Protocolo 1199 Outros 1.1. Glosas, negativas e demais mensagens Grupo Descrição da Elegibilidade 1001 Número da carteira inválido Elegibilidade 1002 Número do Cartão Nacional de Saúde inválido Elegibilidade 1003 A admissão

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DOS CAMPOS DAS GUIAS E DOS DEMONSTRATIVOS

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DOS CAMPOS DAS GUIAS E DOS DEMONSTRATIVOS ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DOS CAMPOS DAS GUIAS E DOS DEMONSTRATIVOS 1. Documentos preenchidos pelos prestadores e encaminhados às operadoras 1.1. Guia de Consulta Padrão TISS versão 2.1 Página 2-94 1.1.1.

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015

COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 COMUNICADO 2 CREDENCIAMENTO TSE Nº 1/2015 Respostas aos questionamentos da Unimed Seguros PERGUNTA 1: Podemos entender que poderão participar do processo de credenciamento todas as empresas interessadas

Leia mais

Resposta Área Técnica: Sim. Desde que atendam aos pré-requisitos constantes no Edital.

Resposta Área Técnica: Sim. Desde que atendam aos pré-requisitos constantes no Edital. Advocacia-Geral da União Secretaria-Geral de Administração Superintendência de Administração no Distrito Federal Coordenação de Compras Licitações e Contratos Divisão de Compras e Licitações ESCLARECIMENTO

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar o Rol de

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Novo Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador no atendimento aos beneficiários

Leia mais

Webplan Webplan Belo Horizonte 2014

Webplan Webplan Belo Horizonte 2014 Webplan Webplan Belo Horizonte 2014 Sumário Objetivo... 3 Funcionalidades... 3 Iniciando o Webplan... 3 Guia Rápido: Autorizando Procedimentos... 5 Guia de Consulta... 7 Descrição dos Campos... 8 Resumo

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

www.saudepas.com.br ANS - n.º 40924-3

www.saudepas.com.br ANS - n.º 40924-3 SAÚDE PAS www.saudepas.com.br ANS - n.º 40924-3 SAÚDE PAS A SUA REDE PREFERENCIAL! - MÉDICOS - LABORATÓRIOS - CLÍNICAS DE IMAGENS Nesta Rede, utilize apenas seu cartão do Saúde PAS (e documento de identificação)

Leia mais

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1.

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1. VERSÃO 1.0 CARTILHA TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 4. Rotina Operacional 5. Rotina Operacional Autorizações Contas

Leia mais

RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS. Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS.

RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS. Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS. RESUMO DO MANUAL DE PREENCHIMENTO DAS GUIAS TISS Aqui você encontra instruções para preencher corretamente os principais campos das Guias TISS. Prezado(a) Referenciado(a), A mudança exigida pela ANS dos

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML 1. tisssimpletypesv2_01_02

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE História Recente na Saúde Suplementar Planos de Saúde Contratos Código do Consumidor Planos de Saúde = relação de consumo Lei dos Planos Obrigação de Coberturas

Leia mais

Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011

Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011 Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011 A remuneração do intervencionista: a realidade do SUS e da saúde suplementar Adriano Dias Dourado Oliveira Cardiologista

Leia mais

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas.

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas. Anexo I - Edital nº 94/20 Concurso Docente Lotação: Instituto de Ciências da Saúde, Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva.- e 1 vaga em regime de 40 horas Tema do Nº de Pontos das Provas Escrita e

Leia mais

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento COMUNICADO CARTA ES - 386/11 Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento Prezados Credenciados, Com o intuito de adotar as melhores práticas,

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO

SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO AUTORIZAÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES COMUNS DAS GUIAS AUTORIZAÇÃO.... 2 2. GUIA DE CONSULTA... 7 3. GUIA DE SP/SADT... 9 4. PRÉ-AUTORIZAÇÃO DE SP/SADT... 13 5. ANEXO SOLICITAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA

EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA A DIREÇÃO GERAL DA FAL, através da DIREÇÃO ACADÊMICA, no uso de suas atribuições e de acordo com o estabelecido no Art. 9º do capítulo

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE ACESSO AOS SERVIÇOS PELOS BENEFICIÁRIOS E DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED

ORIENTAÇÕES DE ACESSO AOS SERVIÇOS PELOS BENEFICIÁRIOS E DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED ORIENTAÇÕES DE ACESSO AOS SERVIÇOS PELOS BENEFICIÁRIOS E DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Senhor responsável, Considerando a assinatura do Termo de Credenciamento entre Vossa Senhoria e o Plano de Saúde

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

A regulação na Saúde Suplementar

A regulação na Saúde Suplementar A regulação na Saúde Suplementar Karla Santa Cruz Coelho Diretora da Diretoria de Gestão São Paulo, 14 de agosto de 2015 Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Dimensão do setor OPMEs no âmbito da Saúde

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED

ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Supremo Tribunal Federal Secretaria de Serviços Integrados de Saúde SIS Seção de Processamento de Despesas Médicas ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Senhor responsável, Considerando a assinatura

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais,

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria n.º 1635/GM Em 12 de setembro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de garantir às pessoas portadoras de deficiência mental e de

Leia mais

GUIA DE RECURSO DE GLOSAS

GUIA DE RECURSO DE GLOSAS Logo da Empresa GUIA DE RECURSO DE GLOSAS 2- Nº Guia no Prestador 12345678901234567890 1 - Registro ANS 3 - Nome da Operadora 4 - Objeto do Recurso 5 - Número da Guia de Recurso de Glosas Atribuído pela

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002.

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. Parâmetros Assistenciais para os HPPs Os parâmetros apresentados

Leia mais

Relação de Procedimentos substituidos ou excluidos.

Relação de Procedimentos substituidos ou excluidos. Relação de Procedimentos substituidos ou excluidos. 18041019 ALTERACOES DO EIXO DA COLUNA VERTEBRAL 18011020 ALTERACOES SENSITIVAS 18031013 ASSISTENCIA RESPIRATORIA PRE/POS OPERATORIO COM OU SEM USO 18064027

Leia mais

Gestão de Planos CÓDIGO TUSS. 10103015 Atendimento ao recém-nascido em berçário

Gestão de Planos CÓDIGO TUSS. 10103015 Atendimento ao recém-nascido em berçário Situações onde um mesmo código CBHPM é relacionado a diversas AMBs, o relacionamento que está grifado em amarelo é o que será valorizado para pagamento. Procedimentos que foram exclusos da cobertura pelo

Leia mais

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA LIS CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA CONSULTAS (HORÁRIO COMERCIAL): R$ 50,00 CONSULTAS À NOITE, FERIADO E FINAL DE SEMANA: R$ 70,00 1.1 Enfermaria 1.2 Apartamento Privativo Padrão 1.3 Apartamento Privativo

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2.

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2. TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares 11.8x março de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Objetivos... 5 2 Introdução... 5 3 Cadastros Cuidados com o

Leia mais

ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO

ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO ANEXO: ANEXO II DADOS DO PRODUTO A comercialização dos produtos estabelecidos no inciso I do art. 1º da lei nº 9.656/98 deverá seguir os procedimentos definidos em Instrução Normativa específica, com as

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA (SBCP) COMISSÃO DE ENSINO E APERFEIÇOAMENTO MÉDICO PROPOSTA DE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ESPECIALIDADE DE COLOPROCTOLOGIA Abril de 2010 À Comissão Nacional de Residência

Leia mais

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO. QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO PLANO... 3 2.. Objetivo... 3 2.2. Nome comercial

Leia mais

Guia de SP/SADT Instrução de Preenchimento Manual

Guia de SP/SADT Instrução de Preenchimento Manual A Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT deverá ser preenchida pelo profissional ou entidade de saúde que mantém compromisso de credenciamento especial firmado com

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA TORÁCICA OUT/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

MANUAL RECURSO DE GLOSA

MANUAL RECURSO DE GLOSA MANUAL RECURSO DE GLOSA Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Recurso de Glosa no Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador, bem como estabelecer normas de atuação que facilitem

Leia mais

ANEXO AO TERMO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOA JURÍDICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CREDENCIADO: CLINICA DE FISIO CORPO E FORMA S/S LTDA

ANEXO AO TERMO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOA JURÍDICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CREDENCIADO: CLINICA DE FISIO CORPO E FORMA S/S LTDA ANEXO AO TERMO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOA JURÍDICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CREDENCIADORA: SÃO FRANCISCO SISTEMAS DE SAÚDE SE LTDA. CREDENCIADO: CLINICA DE FISIO CORPO E FORMA S/S LTDA INTERVENIENTE

Leia mais

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000.

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. IX Encontro de Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Entidades Filantrópicas do Estado de São Paulo De: 13 a 15 de

Leia mais

RECURSOS E SERVIÇOS UNIMED GOIÂNIA

RECURSOS E SERVIÇOS UNIMED GOIÂNIA RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS PRIOS II UNIMED GOIÂNIA Goiânia, 24/08/2012 RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS PRIOS II Dr. Pedro Jorge Leite Gayoso de Sousa Diretor de Recursos e Serviços Próprios II Dr. Maurício

Leia mais

EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA

EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA EDITAL Nº02/2011 SELEÇÃO PARA MONITORIA REMUNERADA E NÃO REMUNERADA A DIREÇÃO GERAL DA FAL, através da DIREÇÃO ACADÊMICA, no uso de suas atribuições e de acordo com o estabelecido no Art. 9º do capítulo

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 477/2013

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 477/2013 SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 477/2013 Dispõe sobre a instituição do serviço de unidade Médico Veterinário Móvel, SAMUVET (Serviço de Atendimento Médico Móvel de Urgência Veterinário), para cães e

Leia mais

Modelos Preditivos na Gestão da Saúde. Por: Dr. César Abicalaffe Maio de 2016

Modelos Preditivos na Gestão da Saúde. Por: Dr. César Abicalaffe Maio de 2016 Modelos Preditivos na Gestão da Saúde Por: Dr. César Abicalaffe Maio de 2016 Agenda Alinhamentos Conceituais Programa de Gerenciamento Perinatal Avaliação de Desempenho da Rede Assistencial Análise Preditivas

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011

CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO ESPÍRITO SANTO Lei nº 5.905/73 Autarquia Federal Filiado ao Conselho Internacional de Enfermagem Genebra CÂMARA TÉCNICA ASSISTENCIAL PARECER TÉCNICO Nº 003/2011 SOLICITANTE:

Leia mais

Comunicado: Modernização do Plano de Saúde

Comunicado: Modernização do Plano de Saúde Caro prestador, Comunicado: Modernização do Plano de Saúde O Instituto de Previdência e Assistência Municipal visando implantar melhorias em seus serviços está investindo fortemente na modernização do

Leia mais

Manual do Credenciado Versão 19 Programa de Assistência Médica Supletiva da CAIXA

Manual do Credenciado Versão 19 Programa de Assistência Médica Supletiva da CAIXA Manual do Credenciado Versão 19 Programa de Assistência Médica Supletiva da CAIXA -1- ÍNDICE 1. Rede Credenciada, 5 2. Alteração de Dados Cadastrais, 5 3. Descredenciamento, 5 4. Beneficiários, 6 4.1.

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2597, DE 22 DE SETEMBRO DE 2003. Regulamenta a Lei n.º 8.160, de 31 de março de 2003, que dispõe sobre a Política Municipal de Atenção às Pessoas

Leia mais

Comunicado: Modernização do Plano de Saúde

Comunicado: Modernização do Plano de Saúde Caro prestador, Comunicado: Modernização do Plano de Saúde O Instituto de Previdência e Assistência Municipal visando implantar melhorias em seus serviços está investindo fortemente na modernização do

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar AS Saúde Suplementar e a inclusão de novos procedimentos no Rol da ANS XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 21 Junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal, vinculada

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos PRIMEIRO PERÍODO - PRIMEIRO ANO Sociologia, Antropologia e Filosofia 40 33,33 Iniciação à Pesquisa em Enfermagem 80 66,67

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

A palavra Psiquiatria deriva do Grego e quer dizer "arte de curar a alma"

A palavra Psiquiatria deriva do Grego e quer dizer arte de curar a alma PSIQUIATRIA Psiquiatria é uma especialidade da Medicina que lida com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, sejam elas de cunho orgânico

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM REUMATOLOGIA (R1 e R2) PRÉ REQUISITOS: 02 anos de Residência em Clínica Médica DURAÇÃO DO PROGRAMA: 02 anos INTRODUÇÃO A Reumatologia é uma especialidade

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS Conteúdo MANUAL DE PROCEDIMENTOS ORÇAMENTOS... 2 Conceito de Manual Procedimentos... 2 Objetivos do Manual... 2 Aspectos Técnicos... 2 1. ACESSO AO SISTEMA ODONTOSFERA... 3 2. STATUS DO PACIENTE NO SISTEMA...

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

COD CB 3ª e. SIM 10101012 Em consultório (no horário normal ou preestabelecido)

COD CB 3ª e. SIM 10101012 Em consultório (no horário normal ou preestabelecido) L - LEGENDA AZ VM VR COD AMB 92 Não consta no ROL / Consta na TUSS Não consta no ROL / Consta na TUSS / Consta na CBHPM 3ª 4ª ou 5ª Edição Consta no ROL / Consta na TUSS / Referencia de valores CBHPM 4ª

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML

ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML ANEXO I ESTRUTURA FÍSICA DO PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E SEGURANÇA SCHEMA/XML 1. tisssimpletypesv2_01_03

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde A celebração dos contratos entre as operadoras e os prestadores de serviço, regulada pelas Resoluções Normativas

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários dos planos coletivos empresariais que tiverem o benefício de plano de saúde extinto,

Leia mais

Anexo VII - NORMATIVAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CONTRATO

Anexo VII - NORMATIVAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CONTRATO Anexo VII - NORMATIVAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO CONTRATO Tabelas de honorários e coberturas: A Tabela de Serviços Odontológicos, utilizada para fins de pagamento dos serviços, é própria da CELOS, cuja

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ORIENTAÇÕES DE ACESSO AOS SERVIÇOS PELOS BENEFICIÁRIOS E DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Senhor responsável, Considerando a assinatura do Termo de Credenciamento entre Vossa Senhoria e o Plano de Assistência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO GUIA DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Com o objetivo de tornar o processo de autorização, faturamento e pagamento dos atendimentos odontológicos mais eficiente, recomendamos a leitura completa e minuciosa

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos

RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos SOLICITANTE Dra Regina Célia Silva Neves Juíza de Direito da Comarca de Itaúna NÚMERO DO PROCESSO 0338.14.001204-2 DATA 21/03/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

0800-728-2001 (Capitais e Interior) 0800-729-2001 (Demais Localidades) 0800-727-2001 (Capitais e Interior) Golden Fone (SAC)

0800-728-2001 (Capitais e Interior) 0800-729-2001 (Demais Localidades) 0800-727-2001 (Capitais e Interior) Golden Fone (SAC) Golden Fone (SAC) 0800-728-2001 (Capitais e Interior) Central Técnica 4004-2001 (Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília e São Luís) 0800-729-2001

Leia mais

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA

4. DOS DEVERES 1. DA EMPRESA 1. APRESENTAÇÃO O Manual Nacional de Acidente do Trabalho tem por finalidade estabelecer normas, regras e diretrizes que norteiem o INTERCÂMBIO de Acidente do Trabalho entre todas as UNIMEDs do país, consolidando

Leia mais