ANÁLISE, AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE FORNECEDORES A PARTIR DE PARAMETRIZAÇÃO DE SOFTWARE ERP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE, AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE FORNECEDORES A PARTIR DE PARAMETRIZAÇÃO DE SOFTWARE ERP"

Transcrição

1 ISSN ANÁLISE, AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE FORNECEDORES A PARTIR DE PARAMETRIZAÇÃO DE SOFTWARE ERP Luiz Flávio Autran Monteiro Gomes (Ibmec/RJ) Solange Maria Fortuna Lucas (IBGE e Ibmec/RJ) Alexandre C. Grangeiro (Ibmec/RJ) Resumo O objetivo deste trabalho é mostrar a aplicabilidade da Teoria da Utilidade Multiatributo (MAUT) como uma ferramenta para avaliação de fornecedores. Um estudo de caso real ilustra o estabelecimento de critérios para a avaliação de três fornnecedores para um produto específico. O método utilizado faz com que o processo de tomada de decisão ocorra de forma sistemática e transparente. O aprendizado alcançado pelos decisores na definição de critérios e subcritérios representa melhoria da qualidade no processo de avaliação de fornecedores, tão importante na Gestão de Suprimentos. Sua generalização para outros tipos de materiais e serviços e a aplicação em outras empresas de mesmo segmento é bem recomendada. A análise dos dados é coerente com a opinião dos principais envolvidos no processo. Palavras-chaves: Gestão da Qualidade, Gestão de Suprimentos, Teoria da Utilidade Multiatributo (MAUT)

2 1. Introdução O gerenciamento da área de suprimentos ganha importância a cada dia, evoluindo no sentido da excelência nas organizações. O comprometimento no relacionamento Fornecedor Cliente pode ser um diferencial competitivo no ambiente de negócios da empresa. Merli (1994) apresenta um modelo com quatro níveis de desenvolvimento: A abordagem Convencional; A Melhoria da Qualidade; A Integração Operacional e a Integração Estratégica. Objetivando a integração estratégica, é necessário o estabelecimento da parceria Fornecedor-Cliente, que tem entre os seus princípios, a Limitação do Número de Fornecedores Ativos (Koelle, 1992) A difícil escolha da carteira de fornecedores requer a definição de critérios técnicos para a tomada de decisão. Esta análise é realizada por aspectos tradicionais como avaliação e adequação da capacitação técnica e da qualidade do produto ou serviço oferecido (Chen e Chen, 2006), até a habilitação da ordem jurídica e econômica, podendo ainda incluir questões mais amplas como a preocupação com responsabilidade social e de SMS (Saúde, Meio Ambiente e Segurança). O objetivo deste trabalho é mostrar a aplicabilidade da Teoria da Utilidade Multiatributo (MAUT) como uma ferramenta para avaliação de fornecedores, propondo uma sistemática para a execução da análise, avaliação e priorização de fornecedores a partir da definição de critérios para o apoio a tomada de decisão e da configuração e parametrização de software ERP. A pesquisa é apresentada na forma de estudo de caso, pois tem como base de coleta as informações de uma empresa definida, do setor siderúrgico brasileiro, cujo nome não é citado. Em função de suas características fundamentais, os resultados deste estudo podem ser adaptados e inseridos como procedimento complementar aos já praticados na organização, nas atividades inerentes ao procurement, mais especificamente na determinação de fornecedores para os diversos segmentos do departamento de suprimentos. Neste trabalho, os critérios utilizados são os previamente definidos nos programas de desenvolvimento de estratégias de compras e avaliação de fornecedores (Cravens e Hoffman, 1977). Esta metodologia é amplamente difundida nas empresas, principalmente entre as maiores e mais disputadas pelos fornecedores, porém não há consenso na padronização de sua formatação. Estes critérios podem ser parametrizados e configurados dentro do Módulo MM 2

3 (Materials Management) do sistema SAP R/3, como uma funcionalidade disponibilizada pelo sistema, em sua versão standard, passível de configuração adicional e parametrização específica, ainda pouco explorada pelas organizações em toda a sua potencialidade. A sistemática em questão pode ser aplicada para a compra de bens e serviços, adequando a ponderação dos critérios para fins de priorização. Para fins de simplificação, este estudo terá, como prioridade, a compra de materiais e equipamentos. O modelo apontado visa a sistematização da atividade de avaliação dos fornecedores, dando transparência ao processo de seleção efetiva e fornecendo insights importantes para o desenvolvimento dos relacionamentos de longo prazo. Cada empresa adota um modelo diferente considerando as particularidades do seu negócio, o grau de importância percebida para esta atividade e a disponibilidade interna de recursos. Existem diferenças significativas em relação a importância desses critérios, bem como as suas potencialidades em adicionar valor (Siguaw e Simpson, 2003). De qualquer forma, seja de modo intuitivo ou sistematizado, as empresas realizam essas atividades quotidianamente no contexto do suprimento de materiais e serviços. De modo generalizado, as organizações, independente do setor em que atuam, vêm buscando oportunidades de melhorias e aperfeiçoamento de suas atividades com a firme intenção de aproveitar o máximo de recursos disponíveis no seu negócio, garantir sua sobrevivência e melhorar o desempenho da empresa (Talluri e Sarkis, 2002). Círculos de Qualidade, Just-in-Time, Reengenharia, Qualidade Total, Seis Sigma e Supply Chain Managemente (SCM) são exemplos de estratégias adotadas pelas organizações nos últimos anos. Em uma análise mais geral, as estratégias citadas estão convergindo para a Excelência em Gestão. 2. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Suppy Chain Management) Supply Chain Management (SCM) vem sendo incorporada à estratégia corporativa (Borade e Bansod, 2008), reconhecendo não ser possível o alcance da excelência da empresa sem a execução de um gerenciamento técnico de qualidade na área de suprimentos. O foco do estudo é nas atividades relacionadas à área de Supply Chain Management, na Aquisição de Materiais e Serviços pela área competente. O processo de aquisição pode ser descrito a partir das seguintes atividades básicas (Figura1) : 3

4 a) Recebimento da Requisição de Compras: formalização das necessidades de compra de um determinado produto ou serviço; b) Seleção de Fornecedores: a partir da definição do produto a ser adquirido é realizada a seleção dos fornecedores cadastrados mais adequados ao processo em questão; c) Escolha e Determinação dos Preços: as propostas recebidas dos fornecedores são avaliadas e priorizadas segundo critérios previamente estabelecidos pela própria empresa; d) Emissão do Pedido de Compra: a proponente vencedora é comunicada através do encaminhamento da formalização das condições de compra pactuadas; e) Acompanhamento do Processo de Compra: acompanhamento final do processo podendo incluir o recebimento físico do material adquirido e eventualmente sua conseqüente liberação para pagamento. Figura 1 FluxogramaEsquemático das Atividades de Compras Técnicas de otimização da cadeia de suprimentos como estabelecimento de parcerias, MRP (Materials Requirement Planning) entre outras, têm sido usadas a fim de proporcionar a otimização do planejamento e controle do processo e melhorar sua rentabilidade e eficiência (Borade e Bansod, 2008). Borade e Bansod (2008) definem cadeia de suprimentos como a rede de instalações que se concentra principalmente na aquisição e transformação do material com o objetivo da eficácia na distribuição de produtos acabados para os clientes. Eles apresentam o SCM através de uma revisão sistemática da literatura, apontando e descrevendo as principais atividades da cadeia de abastecimento, utilizando uma abordagem passo-a-passo para compreender a 4

5 amplitude e a profundidade da cadeia de suprimentos do SCM. Os autores detalham cada fase do processo e a analisam a partir dos trabalhos produzidos sobre o tema. Chen e Chen (2006) apresentam como principal fator na avaliação de fornecedores a qualidade. Outros fatores como: níveis de preço e condições e características da entrega também são considerados como importantes na avaliação da performance do fornecedor. Aplicam um modelo de avaliação para medição da qualidade e performance, de modo a selecionar um dentre o grupo de fornecedores. Cravens e Hoffman (1977) discutem o conceito de marketing incorporando conceitos e abordagens em processos de compras industriais. Ressaltam a importância do desenvolvimento de um programa de avaliação de fornecedores e de comunicação integrada como base para a formulação das estratégias de compras. Consideram os seguintes fatores na avaliação dos fornecedores: Econômico Preços, Condições de Entrega, Lotes Mínimos de Compras; Performance Adequação dos requisitos de qualidade exigidos nos processos; Serviços Suporte ao fornecimento como assistência emergencial, reparos, entre outros; Técnico Conhecimento e disponibilidade técnica para atender às necessidades dos compradores; Comunicação facilidade na fluência das informações entre compradores e fornecedores. Kay (2005) discute as estratégias de aquisição utilizadas por várias empresas nos EUA para garantir a eficácia da sua rede de abastecimento:, exemplos como: a Negociação de um contrato expedido pela Kennametal Inc. a fim de garantir a entrega dos produtos no tempo; a Criação de rigorosa avaliação de processos e procedimentos para fornecedores externos; o Emprego de avaliação do fornecedor através de software empresarial, módulo R / 3 para gases e produtos químicos. O autor apresenta estudo onde estabelece alguns critérios para avaliação de fornecedores como: a Qualidade do Produto, a Entrega no tempo acordado, os Custos do Processo e as Condições de Pagamento. Todos os critérios são avaliados e ponderados para estabelecer uma nota final a ser atribuída ao fornecedor. Siguaw e Simpson (2003) investigam critérios utilizados na avaliação dos fornecedores, a importância desses critérios na seleção e no processo de retenção, bem como as suas potencialidades em adicionar valor. Os resultados sugerem diferenças significativas 5

6 em todas as áreas. Mais importante ainda: esta pesquisa identifica os critérios considerados mais relevantes para agregar valor à compra de um parceiro. Os resultados dos estudos podem ser utilizados pelos fornecedores no desenvolvimento de canais e parcerias e pelos compradores na avaliação e seleção de fornecedores. Talluri e Sarkis (2002) descrevem a função de compras como central para a estratégia efetiva das operações na gestão da cadeia de abastecimento. Estabelece como caminho crítico do processo de compras a seleção do fornecedor, negociação de contratos de fornecimento e acompanhamento de desempenho, atuando como interface entre a organização e seus fornecedores. Entende que um relacionamento exclusivamente baseado em preços não são concebidos como sustentáveis por um longo tempo. A avaliação deve conter outras dimensões importantes como qualidade, flexibilidade, condições e performance de entrega. Os autores afirmam que é preciso estabelecer um modelo de avaliação robusto que possa efetivamente incorporar vários critérios de avaliação de fornecedores. 3 Qualidade e Gestão de Suprimentos Merli (1994) apresenta um modelo de relacionamento Fornecedor Cliente divido em quatro níveis: Abordagem Convencional Neste nível o relacionamento Fornecedor - Cliente ocorre como adversários, sendo a principal variável o preço. Os fornecedores são vistos como ponto de vendas que praticam os menores preços. É um relacionamento baseado na relação de força. Melhoria da Qualidade Este é o segundo nível, onde a qualidade é priorizada, além da redução do número de fornecedores, avaliação de fornecedores baseada nos custos totais e também o início dos relacionamentos de longo prazo. Integração Operacional Neste nível, a participação no controle dos processos dos fornecedores e processos globais, onde a avaliação de fornecedores leva em conta a aptidão dos processos, início do co-design de produto/processo, programas de melhorias de qualidade. Integração Estratégica No quarto nível, a prática da negociação conjunta é observada. Por exemplo, o gerenciamento comum dos procedimentos de negócios. Avaliação global dos fornecedores (tecnológica e estratégica), programas de melhorias de qualidade integrados. 6

7 Koelle (1992) define como princípios básicos para estabelecimento da parceria os seguintes: estabelecimento de relacionamento de longo prazo; limitação do número de fornecedores ativos; estabelecimento de um sistema de qualificação global; preferência de contratação de fornecedores já qualificados; avaliação de fornecedores pelo custo global; colaboração com os fornecedores para tornar os seus processos mais confiáveis e menos custosos. O aumento no grau de relacionamento Fornecedor-Cliente proporciona a ambos, maiores chances de desenvolvimento e perpetuidade das organizações. Os ambientes de negócios ganham dinamismo de forma exponencial e toda a criatividade e conhecimento disponível é uma força a mais na competição. Esta filosofia é válida para toda a cadeia de suprimentos. 4 Teoria de Utilidade Multi Atributo (MAUT) A MAUT é um método da escola americana que define uma função que designa um valor a cada alternativa, resultado de sua avaliação segundo cada critério. Tal método pressupõe ainda que não exista incomparabilidade e que exista transitividade nas relações de preferências e de indiferença entre as alternativas (Figueira et al., 2005). A MAUT consiste em uma extensão da teoria de utilidade, para o contexto no qual cada alternativa seja descrita por uma lista de atributos (Gomes, 2007). Figueira et al. (2005) estabelece que a metodologia de análise multi critério proporciona uma estrutura eficiente que combina áreas de pesquisa operacional, administração e análise de sistemas, com julgamentos de valor de especialistas para auxiliar no processo de tomada de decisão. Podemos caracterizar as principais etapas do desenvolvimento e do uso de uma função multi atributo por: Etapa 1 Identificar os tomadores de decisão; Etapa 2 Definir as alternativas; Etapa 3 Definir os critérios relevantes para o processo de decisão; Etapa 4 Avaliar as alternativas em relação aos critérios; Etapa 5 Determinar a importância relativa aos critérios. Após a fase de estruturação do problema, um modelo de preferências é construído, a fim de representar quantitativamente as preferências e julgamentos de valor do decisor. 7

8 As escalas de medida utilizadas devem fornecer meios para mensurar o desempenho das alternativas em relação a cada critério. O resultado desta avaliação é a ordenação de todos os critérios, de acordo com sua importância. O modelo da MAUT consiste em calcular uma utilidade, expressa por uma nota ou pontuação, para cada objetivo (ou critério) e depois somar essas utilidades, em particular no caso em que se emprega a modelagem pela função de utilidade aditiva, ponderando apropriadamente cada critério, de acordo com sua importância relativa aos demais. A ordem de preferência resultante do uso da função de utilidade implica na observância de algumas condições técnicas. Os estudos de relações de preferência se subdividem em: Preferências em cenários de certeza absoluta; Preferências em cenários de incerteza (ou em face ao risco); Preferência de um atributo; Preferência multiatributo; As funções de preferência são: Função de preferência em condições de certeza = Função de Valor Função de preferência em condições de risco = Função de Utilidade Definições básicas x é preferível a y (preferência forte). x é indiferente a y, ou seja, não existe x preferível a y, nem y preferível a x. x preferível a y à preferência fraca, ou relação de preferência-indiferença = x preferível a y e x indiferente a y. As preferências modeladas por essa função matemática são sempre completas, isto é, para cada par de alternativas, uma delas é estritamente preferível à outra ou são indiferentes; ou seja, o emprego da MAUT não permite a incomparabilidade entre alternativas. Preferências e indiferenças são transitivas. Isto implica que, para três alternativas A, B e C, se A é preferível a B, e B é preferível a C, então A é preferível a C. Estas duas condições constituem dois axiomas fundamentais da MAUT, o da ordenabilidade e o da transitividade. 8

9 4.1 - Swing Weighting É um modelo capaz de estruturar critérios de avaliação, através do estabelecimento de preferências que representam quantitativamente os julgamentos de valor dos decisores (Clement e Reilly, 2002). As escalas de medida utilizadas fornecem meios de mensurar o desempenho das alternativas em relação a cada critério. A escala local é definida pelo grupo de alternativas disponíveis, sendo atribuído valor 100 à melhor alternativa e 0 à pior. Às demais alternativas são atribuídos valores entre os pontos de referência 0 e 100. Já na escala global, são consideradas as alternativas que não estão sendo avaliadas, ou seja, os pontos de referências são a melhor e a pior alternativa que podem ocorrer, independentemente do fato destas alternativas estarem ou não sob avaliação. 5 Estudo de Caso Os dados foram coletados a partir de entrevistas realizadas com os usuários das áreas envolvidas: Suprimentos e TI. Para determinação dos parâmetros a serem estabelecidos, foram ouvidos os analistas de compra responsáveis pelo suprimento de materiais e equipamentos em geral. Em função da priorização das atividades desse estudo, não foram ouvidos os analistas responsáveis pela contratação de empresas prestadoras de serviços. A análise e compilação dos dados foi realizada utilizando uma abordagem multi critério onde, para a determinação dos pesos e ponderações, foi utilizada a técnica do Swing Weighting que exige um processo interativo com o decisor para que os pesos dos critérios, sub-critérios e questões sejam estabelecidos Estruturação dos Critérios de Avaliação A primeira etapa da estruturação dos critérios de avaliação foi feita a partir de levantamento realizado junto aos analistas de compras, responsáveis pelos processos de suprimentos de materiais da organização. Foram levantados quatro critérios considerados importantes na avaliação do fornecedor: a) Qualidade do Fornecedor: este quesito se propõe a avaliar a conformidade da resposta do fornecedor em relação às solicitações do processo de compras; 9

10 b) Qualidade do Produto: este quesito se propõe a avaliar a conformidade dos materiais e serviços objeto da negociação de compras; c) Pacote Financeiro: este quesito se propõe a avaliar o comportamento e eventuais variações de ordem financeira do fornecedor; d) Entrega dos Produtos: este quesito se propõe a avaliar a cumprimento das condições acordadas por ocasião do pedido de compras; Para cada critério apontado foram estabelecidos, pelos mesmos analistas, subcritérios levados em consideração quando da realização de avaliação de fornecedores conforme demonstrado na Quadro 1. Esses critérios e subcritérios foram então submetidos à avaliação do pessoal responsável por TI, para verificação das condições de adaptabilidade e aderência ao software SAP R/3, base para a obtenção dos dados de análise. Nessa avaliação, dois subcritérios, Lote Mínimo de Compra e Atenção no Retorno, foram suprimidos do processo de avaliação por ser a análise subjetiva, sem informação ou dado para análise no sistema SAP R/3. Uma vez definidos os critérios e subcritérios aplicáveis à avaliação em curso, foi utilizada a técnica de Swing Weighting na definição dos pesos de cada atributo. Para aplicação desta técnica, é necessária a interação com o decisor de modo a atribuir os pesos de todos os critérios, subcritérios e questões consideradas. Para o caso em análise, consideramos como decisor o gerente de compras responsável pelo processo de aquisição. Essa escolha se justifica uma vez que o último nível de aprovação em relação à compra do produto com o fornecedor escolhido pelo analista é dada por ele. O processo de determinação dos pesos funciona da seguinte forma: primeiramente, uma situação hipotética é estabelecida para cada critério ou subcritério, a ser caracterizada como a pior situação possível (benchmark). Esta receberá a pior classificação no ranking de possibilidades e uma nota 0. Após a definição da pior situação, a melhor ou a de maior relevância no contexto das possibilidades é definida. Esta então, figura como primeira do ranking de possibilidades e recebe a nota 100. Para os demais subcritérios, cabe ao decisor ou decisores estabelecer uma posição para cada um deles no ranking de possibilidades e atribuir uma nota que deverá refletir a importância daquele subcritério dentro do contexto de alternativas de análise. O resultado encontra-se detalhado na Tabela 1. O peso de cada critério e/ou subcritério será o quociente da divisão da nota atribuída ao critério ou subcritério em relação ao somatório total das notas daquele item. 10

11 Critério: Qualidade do Fornecedor Subcritérios Quantidade de Pedidos Tempo de Resposta da Cotação Lote Mínimo de Compra (*) Atenção no Retorno (*) (*) Itens retirados da Análise Após avaliação de TI Descrição/Unidade de Media Quantidade de pedidos colocados com o mesmo fornecedor. (Unidade de Medida: Unidade) Atendimento ao prazo necessário para a elaboração de cotação. (Unidade de Medida: dias corridos) Restrições de Entrega Lote Mínimo de Compra Disponibilidade, prontidão e atenção ao atendimento Critério : Qualidade do Produto Subcritérios Conformidade com as Especificações Ausência de Defeitos Avarias de Transporte Descrição/Unidade de Medida Atendimento em relação às especificações (Unidade de Medida: % variação da quantidade de itens não conformes) Fornecimento de Materiais com Ausência de Defeitos de Fabricação Entrega de Materiais com Avarias de Transporte. (Unidade de Medida: % variação da quantidade de itens entregues com avarias de transporte) Critério: Pacote Econômico Subcritérios Variação de Preços Descrição/Unidade de Medida Variação de Preços dos produtos verificada a cada pedido em relação aos anteriores. (Unidade de Medida: % de variação entre valores unitários) Critério Entrega dos Produtos Subcritérios Tempo de Entrega - Atrasos Quantidade de Entrega Descrição/ Unidade de Medida Quantidade média de dias de atraso em relação ao prazo pactuado. (Unidade de Medida: dias corridos) Variação de quantidades em relação ao pactuado. (Unidade de Medida: % de variação entre as quantidades Quadro 1 Critérios e Subcritérios Qualidade do Fornecedor Ranking Nota Peso Quantidade de Pedidos ,3750 Tempo de Resposta da Cotação ,6250 Pior Hipótese 3 0 0,0000 Qualidade do Produto Ranking Nota Peso Conformidade com as Especificações ,

12 Ausência de Defeitos ,3810 Avarias de Transporte ,1429 Pior Hipótese 4 0 0,0000 Pacote Financeiro Ranking Nota Peso Variação de Preços ,0000 Pior Hipótese 2 0 0,0000 Entrega dos Produtos Ranking NOTA Peso Tempo de Entrega - Atrasos ,5882 Quantidade Entrega ,4118 Pior Hipótese 3 0 0,0000 Tabela 1: Notas e Pesos dos Subcritérios Da mesma forma são tratados os critérios principais (Tabela 2). Análise Critérios Ranking NOTA Peso Qualidade do Fornecedor ,2090 Qualidade do Produto ,2985 Pacote Financeiro ,2537 Entrega dos Produtos ,2388 Pior Hipótese 5 0 0,0000 Tabela 2: Notas e Pesos dos Critérios Resultados Obtidos Uma vez estruturado o ordenamento das características e os pesos relativos dos critérios e subcritérios estabelecidos pelo decisor como relevantes para a análise em questão é necessário avaliar efetivamente os fornecedores segundo os critérios estabelecidos. Como base, é utilizado o fornecimento de tubos de aço. Este produto é fornecido por diversas empresas com características e condições diferentes. A partir de consulta realizada no SAP, três fornecedores estão cadastrados no sistema para o produto. São eles: Fornecedor A O melhor deles na visão do analista e gerente responsável, é fabricante dos tubos. Possui um padrão de qualidade bastante alto, boa pontualidade na entrega e bons níveis de preços. Como característica desfavorável é observada a necessidade de compra de grandes volumes, o tempo de resposta às cotações ser grande, fabricação dos tubos é sob encomenda, não tendo material para pronta entrega; 12

13 Fornecedor B É um distribuidor de tubos. Possui padrão de qualidade considerado bom e níveis de estoque variados o que viabiliza a entrega mais rápida de materiais. Trabalha com preços um pouco mais altos do que os praticados pelo Fornecedor A. Fornecedor C Assim como o fornecedor B, este também é um distribuidor de tubos. Possui padrão de qualidade considerado bom e níveis de estoques variados, atendendo os pedidos de forma rápida. Possui também preços mais altos do que os praticados pelo Fornecedor A. Após a determinação dos concorrentes, o levantamento das informações e dados disponíveis no sistema para o fechamento da avaliação é realizado. Antes, porém é necessário parametrizar os subcritérios de modo a estabelecer uma pontuação para cada fornecedor. Quadro 2 Definição dos Critérios de Avaliação dos Fornecedores 13

14 Os seguintes parâmetros em relação aos critérios e subcritérios adotados são determinados pelo analista responsável e pelo gerente da área Com os parâmetros de avaliação definidos, o levantamento dos dados do sistema é realizado. A partir de relatório específico parametrizado no sistema SAP R3, são obtidos os dados de cada subcritério para cada fornecedor. A seguir, a pontuação de cada fornecedor é obtida de acordo com os parâmetros definidos e demonstrados no Quadro 2. A pontuação corrige os valores dos pesos de cada subcritério como demonstrado na Tabela 3. Tabela 3 Avaliação de Fornecedores - Subcritérios Após a correção dos pesos com base na pontuação e dados obtidos no SAP, levamos esses dados para a tabela de critérios, ponderando da mesma forma os valores totais de cada critério, segundo os pesos anteriormente definidos pelo decisor. Essa operação encontra-se demonstrada na Tabela 4. Tabela 4 Avaliação de Fornecedores Peso dos Critérios 14

15 A partir dessa nova ponderação, são calculadas às notas finais de cada um dos fornecedores como segue: Fornecedor A 86,94%; Fornecedor B 73,76%; Fornecedor C 67,68%. Os valores finais da avaliação encontram-se detalhados na Figura 2. Figura 2 Gráfico deresultados da Avaliação de Fornecedores 5.3 Análise de Sensibilidade A análise dos resultados acima aponta para um resultado bastante similar aos esperados pelo decisor antes da aplicação da metodologia proposta. Ainda assim, alguns pontos chamam a atenção e, portanto, merecem ser analisados de forma mais detida. Numa primeira análise, chama a atenção o resultado obtido pelo fornecedor A no quesito qualidade do fornecedor. Este resultado não condiz com a expectativa ou impressão inicial do decisor e se deve basicamente ao critério tempo de resposta da cotação. Alterações nesse critério trazem maior diferença para o fornecedor A em relação aos demais, mas não altera o resultado final de forma substancial. 15

16 Outro ponto analisado é a diferença encontrada em relação ao critério Pacote Financeiro. A forma de avaliação utilizada pode ter penalizado de forma muito dura os fornecedores B e C que, por serem distribuidores, dependem dos preços dos fabricantes para formulação dos seus preços de venda. De qualquer forma, alterações nesse critério não produzem efeito representativo ao resultado geral. 6 - Conclusão Os resultados apresentados mostram a aplicabilidade da utilização da Teoria de Utilidade Multiatributo aos processos de avaliação de fornecedores. A utilização da MAUT possibilita que a decisão ocorra de forma estruturada. A interação com o decisor aumenta o conhecimento sobre o problema, reduz a subjetividade e garante maior transparência ao processo. O resultado final do estudo confirma a primeira opinião dos especialistas envolvidos no processo e mostram consistência, como é observado na análise de sensibilidade. Para que esta aplicação seja estendida a outras áreas, é necessário que os critérios e os parâmetros de ponderação sejam definidos de acordo com o problema e a expertise dos especialistas envolvidos no processo. Assim sendo, o modelo proposto pode ser facilmente adaptado ao contexto da organização. Como sugestão para futuros estudos, são destacadas a implementação do método para novos grupos de materiais e a área de prestação de serviços. Referências Bibliográficas BORADE, Atul B., BANSOD, Satish V. The Discipline of Supply Chain Management: A Systematic Literature Review. ICFAI Journal of Supply Chain Management; Vol. 5 Issue 1, p7-26, 20p, CHEN, K S; CHEN K L. Supplir selection by testing the process incapability index. International Journal of Production Research. Vol 44, No. 3, , CLEMENT, R. T., REILLY T. Making Hard Decisions with decisions tools. 2 ed. Thomsom Learning, CRAVENS, David W., M. HOFFMAN, Lowell. Analyzing the supplier: Reversing the marketing process. Management Review; Vol. 66 Issue 7, p47, 8p, FIGUEIRA, J.; GRECO, S.; EHRGOTT, M. (eds.) Multiple Criteria Decision Analysis State 16

17 of the Art Surveys. New York: Springer Science+Business media, GOMES, Luiz Flavio Autran Monteiro. Teoria da Decisão. São Paulo: Thomsom Learning, KAY, Emily. Ways to measure supplier performance. Purchasing; Vol. 134 Issue 4, p39-42, 4p, MERLI, G. Comarkership: a nova estratégia para os suprimentos. Rio de Janeiro. Qualitymark, 1994 SERRA, Sheyla Mara Baptista Serra. Qualidade na Gestão de Suprimentos. In: Otávio J. Oliveira (Org) Gestão da Qualidade Tópicos Avançados,., São Paulo, Ed. Tomson, 2004 SIGUAW, Judy; SIMPSON, Penny; Toward Assessing Supplier Value: Usage and Importance of Supplier Selection, Retention, and Value-Added Criteria. Journal of Marketing Channels; Vol. 11 Issue 2/3, p3, 29p TALLURI, Srinivas; SARKIS, Joseph; A model for performance monitoring of suppliers. International Journal of Production Research; Vol. 40 Issue 16, p , 13p VRIJHOEF, R, KOSKELA, L. Roles of supply chain management in construction. Proceedings IGLC-7 (Conference of the International Group for Lean Construction), University of California, Berkeley, EUA, p , jul

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional,

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PARA CURTUMES

SISTEMA DE GESTÃO PARA CURTUMES SISTEMA DE GESTÃO PARA CURTUMES FAST4WEB COMÉRCIO E SOFTWARE LTDA RUA: PRIMEIRO DE MARÇO, 785 403 SÃO LEOPOLDO - RS I Apresentação - A Empresa A Fast4Web atua a mais de cinco anos no mercado obtendo ótimos

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO)

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO) A Academia é o melhor caminho para especialização dentro de um tema no ERP da SAP. Para quem busca uma formação com certificação em Planejamento e Produção, o mais indicado é participar da Academia de

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços

MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços Verificação de Aprendizado Professor - Claudio Anselmo Moreto Grupo de Trabalho: Ivan Augusto Cesar Almeida João Rodrigo

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais