Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Stricto Sensu em Educação Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Stricto Sensu em Educação Física"

Transcrição

1 leyla regis Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Stricto Sensu em Educação Física A PERCEPÇÃO CORPORAL DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA PROJEÇÃO SOBRE O CORPO EUTRÓFICO E OBESO Autora: Leyla Regis de Meneses Orientadora: Profa. Dra. Gislane Ferreira de Melo Brasília - DF 2011

2 LEYLA REGIS DE MENESES SOUSA A PERCEPÇÃO CORPORAL DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA PROJEÇÃO SOBRE O CORPO EUTRÓFICO E OBESO Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu em Educação Física da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Mestre em Educação Física. Orientadora: Dra. Gislane Ferreira de Melo Brasília 2011

3 Dissertação de autoria de Leyla Regis de Meneses Sousa, A percepção corporal de profissionais de Educação Física e sua projeção sobre o corpo eutrófico e obeso, requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Educação Física, defendida e aprovada em 14 de dezembro de 2011 pela banca examinadora abaixo assinada: Profa. Dra. Gislane Ferreira de Melo Orientadora Mestrado e Doutorado em Educação Física - UCB Prof. Dr. Daniel Alexandre Boullosa Alvarez Universidade Católica de Brasília - UCB Prof. Dr. Nilton Formiga Faculdade Maurício de Nassau Profa. Dra. Tânia Mara Vieira Sampaio Universidade Católica de Brasília - UCB Brasília - DF 2011

4 Dedico este trabalho a DEUS, sempre amigo, companheiro, responsável pela minha existência, concedendo-me fé e esperança que dias melhores virão. Ao amado esposo, Murilo de Carvalho; Aos meus queridos pais, Pedro e Geniza; Meu irmão Pedro Filho e sobrinho Mateus; E às minhas orientadoras Gislane Ferreira e Adriana Giavoni (in memorian).

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, quero agradecer a DEUS, que me deu força e coragem, iluminou meus caminhos e pensamentos, me ajudou a superar cada desafio guiando-me por onde seguir nestes dois anos de caminhada, e claro, pelas oportunidades profissionais que me destinou. Você realmente é providencial!!! Aos Santos amados e amigos: Nossa Senhora do Carmo, Nossa Senhora do Desterro, São Francisco e Santo Antônio por irradiar minha vida com suas graças! A meu esposo Murilo de Carvalho, amado, amigo e companheiro, por participar dos momentos de alegria e angústia. Obrigada, foi mais fácil com você ao meu lado. AMO-TE!!! Ao meu pai, homem guerreiro, trabalhador e honesto que sempre buscou o melhor para sua família e que sempre apostou e acreditou em mim. Herói, amigo digno de todo amor que sinto por ele, Obrigada, pai! À minha mãe, flor amada, mulher trabalhadora e sensível. Mãe, você é minha florzinha! Aproveito a oportunidade para agradecer-lhe pela vida. Ao meu único irmão, Pedro Filho, amigo e prestativo e ao meu sobrinho Mateus. Lindo! À Profª Drª Adriana Giavoni, in memorian que passou pela minha vida feito um raio e eu nem ao menos pude dizer o quanto eu a admirava, que Deus esteja contigo! De modo especial, à minha Orientadora Profª Drª Gislane Ferreira de Melo que acolheu esta mestranda cheia de sonhos e pretensão, no momento que fiquei órfã de orientadora, sempre paciente, amiga, inteligente, cheia de conhecimentos estatístico e bastante humilde. Saiba que a tenho como referência, suas risadas foram a minha energia. Sinto-me lisonjeada por seres minha orientadora! A todos os professores da Universidade Católica de Brasília que contribuíram de forma admirável nestes dois anos de formação, em especial à professora Tânia Mara, sábia e competente. À Genuvina Melo (Duduzinha), eterna amiga de infância e revisora oficial deste projeto.

6 Aos amigos e companheiros do Mestrado, em especial Edvaldo César (jovem), Márcia Cristiane, professor Raul Feitosa, à amiga conquistada no percurso desta empreitada, Ângela Vasconcelos, por ter dividido o mesmo teto e feito dessa fase uma passagem mais alegre, pelo companheirismo que foi muito precioso no período de elaboração deste projeto. À minha Coordenadora e amiga Maria Beike Waquim Figueiredo, pelo incentivo, exemplo e pelo muito que aprendi na minha graduação. Aos alunos da Faculdade Aliança de modo especial os de Educação Física e os da Universidade Estadual do Piauí, que cooperaram com cada questionário solicitado, vocês são lindos! Obrigada! Aos alunos do Curso de Educação Física da Universidade Federal do Piauí e aos alunos do PARFOR que colaboraram nas respostas do questionário. Agradeço de coração. Aos professores da Universidade Federal do Piauí que permitiram que eu adentrasse nas suas salas de aulas para aplicar os questionários: professores David Emérito, Ana Maria e José Nelson. A todos os profissionais de Educação Física das Academias Eugênio Fortes, By Side, Demóstenes Ribeiro, Diana Carvalho, Pro Fit e Ricardo Paraguassu que responderam prontamente ao questionário de pesquisa. Aos alunos da Escola Helena Aquino e Presidente Castelo Branco que também contribuíram no preenchimento dos questionários. Aos professores que aceitaram o convite para participar da banca e executaram suas contribuições no sentido de promover a leitura crítica do meu trabalho e torná-lo cada vez mais científico, por meio de valiosas sugestões. À FUNPESQ e a SEDUC pelo financiamento concedido. A todos os autores citados na bibliografia que com suas pesquisas pré-existentes contribuíram neste constructo. Enfim, a todas as pessoas que colaboraram direta ou indiretamente para a concretização deste trabalho. Obrigada!!!!

7 Enfim, é bom chegar ao fim de uma jornada, mas é a jornada que conta, não o fim". (Desconheço o autor) O Senhor é meu pastor e nada me faltará.... (Salmo 23)

8 RESUMO SOUSA, Leyla Regis de M. A percepção corporal de profissionais de Educação Física e sua projeção sobre o corpo eutrófico e obeso f. Dissertação do curso de mestrado em Educação Física Universidade Católica de Brasília, Brasília (DF), A percepção da imagem corporal e suas relações com a saúde física e mental dos indivíduos é uma assunto que está em voga. Então o trabalho do profissional de Educação Física deve ser investigado já que a ferramenta principal da sua arte é a saúde do corpo. Assim, o objetivo deste estudo é avaliar se há discrepância na imagem corporal destes profissionais e se sua percepção de corpo influencia na aplicação de estereótipos e na prescrição de exercícios físicos. Para tanto, foram utilizadas escala de avaliação da silhueta feminina, de dimensões e proporções corporais e, construída uma escala de silhuetas masculina. A amostra da validação da escala foi composta por 211 homens e o teste t pareado mostrou que a mesma tem validade confirmada. Para avaliação da percepção da imagem corporal e os estereótipos participaram da amostra 207 sujeitos, sendo 50,7 % do sexo feminino com média de idade ± 5,75; IMC médio de ± 3,67; tempo médio de profissão de 4,02 ± 3,6 anos (1-21); média de peso de ± 15,30 kg/m2 e média de estatura de 1,68 ± 0,09 cm. Para avaliação dos dados foram rodados o teste ANOVA Two Way para amostra repetidas. O resultado, porém, permitiu constatar que as imagens idealizadas por parte dos profissionais de Educação Física do sexo feminino foi a de perfil magro (conforme silhueta 04) da escala e o grupo masculino foi de perfil musculoso (03). No entanto, quanto à projeção da imagem, ambos projetaram forma semelhante tanto para o aluno eutrófico quanto para o aluno com sobrepeso, a dizer, imagens de grandes proporções, distanciando assim do padrão de corpo que a sociedade impõe. Outrossim, os resultados permitiram demonstrar ainda que, a Escala de Silhueta Masculina (ESM) é capaz, pelos resultados estatísticos, de avaliar com confiabilidade a percepção corporal de homens jovens e adultos nos diferentes perfis somatotipo: musculoso, magro e obeso, podendo confirmar a validade da mesma. O respectivo estudo possibilitou ainda comprovar que, os profissionais de Educação Física de ambos os sexos idealizam para si imagem corporal imposta pelo meio social, sendo que as mulheres almejam silhuetas mais magras com músculos visíveis e os homens silhuetas mais musculosas. Não manifestaram discrepâncias nas suas imagens, porém, possuem concepções estereotipadas, uma vez que não depositaram muitas expectativas nos alunos com sobrepeso no alcance de suas metas, mesmo estes sendo submetidos a treinamento intensivo. Palavras-chave: Autoconceito, Discrepância, Imagem corporal, Estereótipos.

9 ABSTRACT SOUSA, Leyla Regis de M. Physical Education professionals body perception and their projection over the eutrophic and obese body f. Master Degree Dissertation in Physical Education. Universidade Católica de Brasília, Brasília (DF), The body image perception and its relation to the individuals physical and mental health is a very current issue. Then, the work of the physical education professional is supposed to be investigated inasmuch as their main working tool is body s health. Thus, this study aims at evaluating if there is discrepancy in the body image of those professionals as well as if their body perception influences on both the stereotype application and the prescription of physical exercises. The research used a female silhouette scale for evaluation purposes, a scale for body dimensions and body proportions and a male silhouette one. 211 male subjects were used as a sample to validate the scale and the paired t-test confirmed its validation. To assess both body image perception and stereotypes 207sample subjects were used, among those 50,7% were women aged ± 5,75; Body Image Index rating ± 3,67; professional activity rate of 4,02 ± 3,5 years (1-21); body weight rate of ± 15,30 kg/m2 and height rate of 1,68 ± 0,09 cm; The Two-Way ANOVA test was used to evaluate the data regarding repeated measures. The result, thus, made possible to prove that the idealized images of female physical education professionals was of a thin silhouette (silhouette 4) of the scale, and male professionals image was of a muscular profile (03). Nevertheless, concerning the image projection, both projected a similar shape for both the eutrophic and the overweight student. Great proportion images are far away from the ideal body standards society imposes. The results also showed that the Male Silhouette Scale (MSS) may reliably evaluate, through statistics, body perception of both young and grown-up men in different somatotype profiles: muscular, thin, and obese, which assures its validity. The present study proved as well that both male and female physical education professionals idealize a body image imposed by society for them. Women dream of thinner silhouettes with visible muscles while men dream of muscular silhouettes. Although no discrepancies in their images were showed, they have stereotyped conceptions inasmuch as they did not expect the overweight students to get their goals accomplished, even though these students were under intensive treatment.

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DE LITERATURA AUTOCONCEITO Pressupostos Históricos e Teóricos do Autoconceito Características do Autoconceito: Multidimensionalidade e Complexidade PROCESSO AVALIATIVO DO AUTOCONCEITO: A IMAGEM CORPORAL Contexto Histórico e Conceituação da Imagem Corporal A Construção da Imagem Corporal Aspectos Psicossociais da Imagem corporal O contexto Atual da Imagem Corporal A OBESIDADE A Imagem Corporal no Contexto Psicossocial do Obeso Estereótipos e Obesidade MATERIAIS E MÉTODOS AMOSTRA INSTRUMENTOS PROCEDIMENTOS DELINEAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS... 67

11 1 1 INTRODUÇÃO O autoconceito é um constructo subjetivo, elaborado ao longo da vida e percebido pelo indivíduo de forma intrínseca. Concebido através de crenças, valores sociais e culturais, agrega valores positivos e negativos em sua estrutura (GIAVONI; TAMAYO, 2000). Kanno, Rabelo, Melo e Giavoni (2008) descrevem o autoconceito com sendo uma combinação de cognições, afetos, sentimento e valores que o indivíduo possui a respeito de si mesmo, dos outros e do meio no qual esta inserido. Segundo Silva (2000), o autoconceito geral é subdividido em autoconceito acadêmico, social, emocional e físico. O autoconceito acadêmico diz respeito aos aspectos centrais como a linguagem, Matemática, História, Geografia, entre outras. Enquanto que no autoconceito não acadêmico aparecem conectados três domínios: o físico, ligado a aparência física e a aptidão física; o emocional, que conjectura o estado emocional do indivíduo e, o social, que reproduz a as afinidades dos indivíduos para com os outros e para a sociedade em geral. A imagem corporal assume diferentes perspectivas que muitas vezes gera discordâncias e questionamentos de caráter conceitual. Porém, sua característica principal é o de representar como o ser humano vivencia seu corpo, situando-o no contexto subjetivo e na relação com outras imagens, onde, há uma avaliação do próprio corpo com referencial ao corpo do outro no sentido de ver, perceber e qualificar. É, portanto, uma temática que desperta interesse, uma vez que, corpo e aparência são atributos marcantes de nossa sociedade. De acordo com Shilder (1999), a imagem corporal é o desenho de nosso corpo constituído em nossa mente, ou seja, a forma pelo qual o corpo se apresenta para nós. Na visão de Tavares (2003) envolve todas as formas pelas quais o sujeito experiencia seu corpo e o conceitua, compreendida como um fenômeno singular, estruturado na existência subjetiva em um contexto relacional. A imagem corporal é formada por de vários aspectos, dentre eles, os motores, sociais e afetivos, que o indivíduo executa e manifesta através do seu corpo. Esta concepção está diretamente relacionada ao âmbito do contexto social midiático, que propõe padrões corporais, tais como: juventude feminina (magreza e beleza) e juventude masculina (musculo e definição). Estes ideais sociais circulam de forma bem clara pela mídia televisiva, revistas e jornais, o que reforça o entendimento de que a construção da imagem corporal sofre influência do ambiente cultural no qual o indivíduo está inserido.

12 2 No contexto atual, o ideal para a cultura brasileira são corpos magros, firmes, esbeltos e delineados. Os indivíduos que não se encontram dentro deste ditame cultural, podem desenvolver uma imagem corporal negativa de si, resultando em insatisfação com o corpo e, consequentemente, produzindo um sentimento de exclusão e discriminação, gerando assim uma baixa autoestima e depressão (KANNO; RABELO; GIAVONI; MELO, 2008; LUDORF, 2009). Desta forma, pode-se observar que a liberdade na gestão do corpo soma-se à teoria da autodiscrepância, que é a diferença entre a percepção de corpo real e ideal, isto é, o que somos e gostaríamos de ser (QUEIROZ, 2008; KANNO ET AL., 2008), fazendo com que indivíduos busquem, cada vez mais, meios exagerados e até ilícitos para ter um corpo perfeito. Nesses casos, a estética torna-se motivo de complexos psicológicos, de problemas existenciais e até problemas de relacionamentos entre pessoas, desencadeando baixa autoestima, distorções da imagem corporal e padronização de estereótipos (LUDORF, 2009). Na busca por alterações rápidas e visíveis está incluída a prática exagerada de atividade física. Mulheres, homens, jovens e idosos, magros e gordos procuram nesta prática um meio para sanar seus conflitos corporais. Conflitos estes que em sua maioria estão relacionados aos conceitos impostos pela sociedade, os quais são denominados de estereótipos. Para Melo, Giavoni e Trocóli (2004), estereótipo é uma construção cognitiva ou sóciocognitiva que leva em consideração as características partilhadas por determinados grupos. Nesta perspectiva, o profissional de Educação Física muitas vezes se vê preso a estas distorções com sua própria imagem corporal, ou seja, ninguém por mais que trabalhe na área da saúde estará isento de apresentar distúrbios psicológicos com relação a sua imagem. A profissão em questão já apresenta características impostas que podem, muitas vezes, levar este profissional a desencadear estereótipos corporais. Geralmente, utilizam-se dois estereótipos, um para o corpo feminino, de magro e esbelto e outro de elevado componente muscular para os homens (ASSUNÇÃO, 2002). Nos homens, as preocupações com a má aparência são mais sutis, a sociedade se mostra mais complacente em aceitar o corpo masculino, enquanto para o feminino, o rigor é de tal ordem que não tem justificativa (NOVAES; VILHENA, 2003). Diante do exposto, esta pesquisa buscou perceber se o profissional esboça seu ideal de imagem corporal para seus alunos e se isso interfere na sua prescrição de exercícios. Perguntas como: A imagem corporal ideal dos profissionais de Educação Física se assemelha aos padrões impostos pelo contexto social? Estariam estes profissionais projetando suas concepções de corpo ideal em seus alunos? E se estiverem, esta imagem corporal idealizada

13 3 por estes profissionais poderia intervir na prescrição dos exercícios e, consequentemente, nos resultados, uma vez que estes podem não ser compatíveis com os objetivos de seus alunos? Há aplicação de estereótipos por estes profissionais sobre seus alunos que se distanciam do seu padrão corporal ideal? Partindo do pressuposto, de que o profissional de Educação Física se vê, constantemente, empenhado com técnicas corporais e com a cultura do corpo nos mais variados espaços como: escolas, academias de ginástica, clubes, universidades e demais espaços sociais (LUDORF, 2009), este profissional assumiria o papel de potencializador, contribuindo para a formação de valores, crenças subjetivas e até estereotipadas? Pesquisas já investigaram o quanto a imagem corporal influencia a percepção dos indivíduos e quais são as consequências desta percepção no próprio indivíduo (BOSI, LUIZ, UCHIMURA, OLIVEIRA, 2008; MACHADO, PEREIRA, SILVA, GONÇALVES, 2007; SERNAGLIA, DUARTE, DÉA, 2010). Porém, não foram encontrados estudos que avaliavam se estas percepções corporais interferem na atuação de profissionais de Educação Física. Um estudo com o mesmo objetivo, realizado por Kanno e Giavoni (2009) foi feito com nutricionistas, tornando-se nossa referência principal para discussões futuras. Diante de tantos questionamentos e, devido à natureza de intervenção pedagógica do profissional de Educação Física, sentiu-se a necessidade de verificar até que ponto este profissional lida com as suas concepções de corpo na contemporaneidade, dentre as quais se destaca a idealização da dimensão estética que vem adquirindo contornos gigantescos na atualidade. Portanto, o foco principal deste estudo é verificar se os profissionais de Educação Física idealizam para os seus alunos a imagem corporal que concebem para si e se há influência na sua prescrição de exercícios.

14 4 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Avaliar a discrepância na imagem corporal de profissionais de Educação Física e se tal aspecto influencia na percepção de imagem que estes têm de seus alunos e na prescrição de exercícios físicos. 2.2 Objetivos Específicos Elaborar uma escala de Imagem Corporal Masculina; Analisar a discrepância entre a imagem real e ideal destes profissionais; Verificar se os profissionais de Educação Física idealizam para os seus alunos a imagem corporal que concebem para si e se há influência na sua prescrição de exercícios; Identificar se há aplicação de estereótipos pelos profissionais de Educação Física sobre os alunos que se distanciam do seu padrão de corpo ideal.

15 5 3 REVISÃO DE LITERATURA 3.1 AUTOCONCEITO Pressupostos Históricos e Teóricos do Autoconceito O autoconceito pode ser como a ideia que cada sujeito configura acerca de si próprio, das suas habilidades, atitudes e valores nas diferentes perspectivas existenciais, física, social ou moral (CARAPETA; RAMIRES; VIANA, 2001) Segundo Sonoo, Hamada e Oshino (2008) este construto é capaz de se modificar e se reestruturar segundo o desenvolvimento do indivíduo. A abordagem de alguns teóricos acerca de autoconceito como uma temática complexa reporta a perspectivas diversas. Em 1890, Wiliam James tornou-se dos estudos sobre o autoconceito procurando uma unidade psicológica do sujeito através da continuidade e consistência do comportamento deste (SILVA, 2000). Seus estudos foram prejudicados já que psicólogos behavioristas boicotaram suas ideias por acharem as mesmas muito mentalistas para a época. Em 1943, Allport volta a referenciar o tema com muita expressão na Psicologia Social (TAMAYO, 2001) e na década de 70 dá-se um ressurgimento do estudo do autoconceito através de Marsh e Hater, que começaram a evidenciar uma consciência progressiva da sua relevância em diferentes comandos da atividade humana (SILVA, 2000). Os estudos de James (1890) revelaram uma distinção entre dois pontos importantes do Eu (Self): I-self e Me-self. Sendo o I-self considerado como sujeito, o conhecedor; enquanto o Me-self é o objeto, o conhecido, um agregador de coisas e conceitos que, objetivamente, são considerados como pertinentes ao self (GIAVONI, 2000; GIAVONI, TAMAYO, 2001, 2003, 2005, 2010). Assim sendo, o autoconceito produz uma sensação de posse que engloba além do nosso eu (self) todos os nossos pertences e isso inclui objetos e pessoas de um modo geral, inclusive as que fazem parte do nosso mundo, que servem de espelho para nós, produzindo

16 6 uma impressão de dualidade eu e os objetos (Me Self) (GIAVONI, 2000; GIAVONI; TAMAYO, 2010). No entanto, na visão de Cunha, Sisto e Machado (2007), o sujeito não nasce com um autoconceito pre, mas o constrói desde a infância, aprimorando-o no decorrer de toda sua vida. Este autoconceito sofre, ainda, influências das relações com os familiares, na escola, no trabalho, dentre outros, o que irá permitir a individualização e a independência no momento em que o sujeito se iguala e se diferencia (SISTO, MARTINELLI, 2004; ZUGLIANI; MOTTI; CASTANHO, 2007) Na idade adulta, o autoconceito assume um caráter de maior autonomia, uma vez que o indivíduo toma decisões próprias, no tocante à escolha da profissão, do trabalho propriamente dito, casamento e maternidade, estando estas associadas à sua aceitação plena e necessidade de ser vislumbrado como capaz de escolher seus próprios caminhos. Nos idosos, o autoconceito está muito ligado à submissão da aparência física que se ajusta gradativamente no transcorrer da passagem dos anos, seguindo um processo de construção e reconstrução, devido às implicações de caráter patológico e psicológico. Reforçando esta idéia, Matsuo et al (2007) evidencia que a imagem corporal dos idosos não sofre distorção apenas porque estas pessoas envelheceram, mas pelas alterações e problemas vivenciados como patologias, perca da autonomia e, principalmente, a influência de estereótipos Características do Autoconceito: Multidimensionalidade e Complexidade Cada pessoa possui sua própria identidade, isto é, seu autoconceito, no qual estão presentes seus valores, crenças e normas. Os indivíduos têm capacidade de se reconhecerem como diferentes tanto na dimensão física quanto mental, desta forma são capazes de perceber que cada pessoa enxerga o mundo diferentemente (MICHENER, 2005). Em seus estudos, Tamayo et al (2001, p.158), classificou três componentes do autoconceito: o avaliativo, o cognitivo e o comportamental, aparentemente diferentes porém, interdependentes. O primeiro é denominado autoestima consiste na avaliação integral que a pessoa faz do seu próprio valor. Normalmente, a autoestima se destaca pela aceitação de si mesmo como pessoa e por sentimentos que agregam de valor pessoal e de autoconfiança. O segundo, denominado aspecto cognitivo é formado pelas percepções que o indivíduo tem dos

17 7 traços, das características e das habilidades que possui ou anseia possuir. E o terceiro, o aspecto comportamental integra as estratégias de auto apresentação utilizadas pelo indivíduo, com o objetivo de transmitir aos outros uma imagem positiva de si (TAMAYO et al., 2001). Em se tratando da hierarquização e da multidimensionalidade do autoconceito, Tamayo (1981) afirma que há uma hierarquização nas várias dimensões do self: self social, self pessoal, self somático e self ético-moral, que são acomodadas de acordo com o dinamismo individual, da relação com as outras pessoas e pelo contexto que estas se encontram. No entender de Tamayo (1981), o self somático abrange os seguintes itens: O ser humano habita em um corpo, que é físico, e unicamente seu; existem percepções que o seu corpo proporciona direta ou indiretamente; a percepção que as outras pessoas que interagem com este indivíduo têm do corpo deles. O respectivo self na concepção do autor por meio dos estudos de Shilder (1999) comporta o conceito de imagem corporal, que apresenta os eventos do membro fantasma, da imagem social do corpo e os efeitos da beleza sobre esta imagem. Segundo Santana (2003) o indivíduo organizará as suas concepções de corpo de acordo com contexto sociocultural no qual o mesmo está inserido, formando um corpo psicológico diferente do corpo biológico. A aparência do corpo físico, que é subjetivo, assume também uma dimensão social, uma vez que nos julgamos se belos ou feios através de preceitos socialmente construídos e esta dimensão assume, portanto, o self somático construído de maneira individual e ao mesmo tempo social. A aparência física tem dimensão social, nós nos avaliamos bonitos ou feios porque a sociedade nos avalia assim. Reforçando esta linha de raciocínio, Tamayo (1981) enfatiza ainda que: a aparência física e o estado físico são elementos fundamentais do self somático. O sucesso nas relações sociais tem ligação com a qualidade estética do corpo e que está intimamente relacionada com o self somático. As mudanças de padrões na imagem corporal são construídas e reconstruídas pela sociedade. Kanno et al (2008) afirma que o autoconceito assume uma estrutura multidimensional constituído por uma série de aspectos tanto central (self real) quanto periférica (self real, self ideal e self desejável), às quais levaram alguns autores a postularem a teoria da autodiscrepância. Esta teoria foi proposta a partir da subdivisão de três domínios básicos do self. O self real está referenciado às percepções que agregam características e/ou atributos que o indivíduo possui ou acredita possuir; o self ideal trata das aspirações, metas e anseios que o indivíduo idealiza para si e; o self desejável que são os aspectos incorporados e

18 8 construídos pelo indivíduo através dos atributos desejáveis pela sociedade (KANNO, RABELO; MELO; GIAVONI 2008; KANNO, 2009). A presente teoria se dará quando o indivíduo se autoavalia e nesta autoavaliação há diferenças de conceito do self real para o self ideal o que poderá ocorrer desconforto ou consequentes problemas psicológicos, inclusive apontando para distúrbios alimentares e insatisfação com a imagem corporal. Segundo Kanno et al. (2008); Queiroz (2008), quanto maior for à discrepância entre o self real (autoconceito) e as demais autorrepresentações (self ideal e self desejável), maior será a fragilidade do indivíduo a estado afetivo negativo. Ainda de acordo com Queiroz (2008) a discrepância entre o self real e o self ideal manifesta-se, principalmente, quando o sujeito descobre a dificuldade que há em atingir o alcance de suas metas. Quando isso ocorre, o indivíduo passa a experimentar sentimentos de tristeza, angústia, desânimo, depressão e conflitos pessoais. 3.2 PROCESSO AVALIATIVO DO AUTOCONCEITO: A IMAGEM CORPORAL Contexto Histórico e Conceituação da Imagem Corporal A imagem corporal é uma construção multidimensional que descreve a maneira como os indivíduos percebem o seu corpo no que tange a sua aparência física e a dos outros, sendo influenciada pelo meio cultural no qual está inserido. Assevera Tavares (2003) que a imagem do corpo é a reprodução mental do próprio corpo. É pertinente assinalar que cada indivíduo possui um retrato mental e avaliativo do seu eu físico, podendo considerar-se alto, baixo, gordo, magro, belo, velho, jovem, sem graça, ou algo intermediário. Com o passar dos anos aprende-se a viver e conviver com sua imagem corporal (retrato que tem de si mesma). Este retrato afeta a maneira de pensar sobre si como pessoa, e consequentemente, sua interação com os outros. Há de se concordar, portanto, que esse tema desperta atenção, tendo em vista que cada vez mais, as pessoas têm a sua percepção de corpo aliada a essa imagem, já que a preocupação com a aparência física é característica marcante na nossa sociedade. Ressalta Nogueira (2004) que a imagem corporal é um processo avaliativo da aparência física e deve

19 9 ser refletida como uma ampla estrutura cognitiva. Schilder (1999) aponta para o fato que a imagem corporal não é só uma construção cognitiva, é também reflexo dos desejos, atitudes emocionais e de interação com os outros e com os eventos diários que contribuem para sua construção. Corroborando, Campana e Tavares (2009) idealizam a imagem corporal como uma estrutura tridimensional que agrega a dimensão fisiológica e as experiências psicológicas internas mediadas pelo aspecto social da experiência corporal. Os estudos voltados com esta abordagem surgiram na França no século XVI através do médico e cirurgião Ambroise Paré, que percebeu a existência do membro fantasma, caracterizando-o como a alucinação de que um membro ausente estaria presente (BARROS, 2005). Em pesquisa efetivada por Turteli (2003), a grande inovação na área veio em 1935 com o trabalho de Paul Schilder. No seu livro "A Imagem do Corpo", o autor trata desta temática de forma bastante contextualizada e atual. Seus estudos ainda hoje são vistos como referências nas diversas linhas de pesquisa. Seu grande mérito foi sua capacidade de percepção da imagem não somente no campo neurológico, mas em estender de forma integral, numa perspectiva bastante avançada o vínculo da imagem corporal com a identidade do indivíduo atrelada ao contexto sociocultural que o produz. Paul Schilder ampliou suas pesquisas tanto na Neurologia quanto na Psiquiatria, assim como, na Psicologia. Em seus estudos, Schilder (1999) confirma a teoria de que a imagem corporal é um fenômeno multifacetado, onde faz a análise desta não apenas na conjunção orgânica, mas também na Psicanálise e na Sociologia. No Brasil, Conti (2008) evidencia que as pesquisas iniciaram na década de 90. Um dos estudos pioneiros foi expandido por Cordás e Castilho que demonstraram uma versão do Questionário de Imagem Corporal (Body Shape Questionnaire- BSQ) para o português. O presente estudo tinha por objetivo avaliar a insatisfação corporal de pacientes com transtornos alimentares. Outrossim, Tavares et al (2010) destaca que a produção científica brasileira sobre imagem corporal é considerável com uma produção de 256 teses entre 1992 e 2007, das quais 126 foram feitas entre 2007 e Assim, há inúmeras contribuições de pesquisa nesta área com estudos voltados para aparência e percepção do corpo, distorções de tamanho e forma, níveis de satisfação com o corpo e sua relação com os transtornos alimentares, a aparência corporal e a relação com a prática de exercícios físicos abrangendo vários grupos como jovens, idosos, deficientes e obesos nos diferentes sexos e faixas etárias.

20 A Construção da Imagem Corporal Na infância, a criança vivencia o corpo através de múltiplas experiências como: o conhecer e o brincar com o corpo, ela executa suas experiências com outras crianças e com adultos e estas vivencias dão suporte para que compare seus limites e diferenças manifestadas no seu corpo e na do outro como um processo de feedback (QUEIROZ, 2008). Num segundo momento, a criança passa a vivenciar a linguagem que assume um papel importante na formação e construção da sua imagem e capacidade de discernimento entre eu e meu dão um suporte mais seguro frente aos demais que a cercam e se autoavalia como sendo diferente dos demais. Sente um valor pessoal individual de grande contribuição na consolidação do seu autoconceito. Sobre a importância do domínio físico, Faria (2005) reforça que este assume um papel relevante, desde a infância, nas adaptações psicossociais do indivíduo. Na concepção de Queiroz (2008), este é um período aproximado entre dois e cinco anos, surge à linguagem e inicia uma fase de construção da imagem de si mesma os termos eu e meu passam a ser utilizados indicando uma consciência mais definida de si mesma com relação aos outros. A partir destas relações indivíduo irá edificar seu valor pessoal consentindo um feedback através de suas capacidades e habilidades (QUEIROZ, 2008). A esse respeito, Santana (2003) destaca que no período compreendido entre 5 a anos as experiências são ampliadas por estar conhecendo e frequentando um mundo novo: o mundo escolar. A criança precisa adaptar-se a estas novas exigências e experiências. Quando o indivíduo atinge a fase escolar, uma vasta convivência com diferentes grupos ampliarão a relação interpessoal com seus pares, amplas vivências são possibilitadas na escola, esta relação servirá de grande influência na manutenção e ou transformação do seu autoconceito. A inserção no contexto escolar trará situações novas, dentre elas situações de caráter positivo e negativo e isso inclui situações de medo, fracassos, erros, acertos, vitórias e êxito nos resultados acadêmicos. Vertelo (2007) revela que este período terá uma grande influência na manutenção ou mudança do autoconceito do aluno. Na fase de adolescência ocorrem transformações de ordem fisiológica agregadas às mudanças psicossocial e, em virtude destas transformações há uma maior necessidade de ajuste na percepção de sua imagem corporal nestes jovens. Este momento representa um período de transição para a fase adulta, caracterizando-se pelas transformações e consequente adaptações das capacidades no âmbito produtivo e reprodutivo (CONTI, 2008).

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES 1 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES Alessandra de Camargo Costa Resumo Uma das características marcantes nos transtornos alimentares

Leia mais

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele Catusso, R, Campana, ANNB, Tavares, MCGCF A mielomeningocele (MM) é uma má formação congênita aberta do tudo neural, sendo

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM anorexia.indd 3 9/16/05 3:58:14 PM A Marco Zero tem como objetivo publicar obras com qualidade editorial e gráfica, consistência de informações, confiabilidade de tradução, clareza de texto, e impressão,

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emília Amélia Pinto Costa da Silva;Priscilla Pinto Costa da Silva; Petrucio Venceslau de Moura;Talita Grazielle Pires de Carvalho;

Leia mais

ESTÉTICA, SAÚDE E BEM ESTAR: O QUE ESTÁ CAUSANDO UM VAZIO NA VIDA DO SER HUMANO?

ESTÉTICA, SAÚDE E BEM ESTAR: O QUE ESTÁ CAUSANDO UM VAZIO NA VIDA DO SER HUMANO? ESTÉTICA, SAÚDE E BEM ESTAR: O QUE ESTÁ CAUSANDO UM VAZIO NA VIDA DO SER HUMANO? 1 Aline Cardozo Janine Rosset RESUMO Em busca de um corpo perfeito, gerando transtornos alimentares e no intuito de agradar

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO

IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO Título: IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO Área Temática: Educação Especial Autores: LADIMARI TOLEDO GAMA (1) SORAIA NAPOLEÃO FREITAS (2) E REINOLDO MARQUEZAM

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

PRECONCEITO CONTRA OS OBESOS. Segundo o dicionário Aurélio, a definição de preconceito é:

PRECONCEITO CONTRA OS OBESOS. Segundo o dicionário Aurélio, a definição de preconceito é: PRECONCEITO CONTRA OS OBESOS Amanda Lou dos Santos Bruna Rodrigues da Silva Segundo o dicionário Aurélio, a definição de preconceito é: preconceito [De pre- + conceito.] 1 conceito ou opinião formados

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 013/2010 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação Associado em Educação

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO?

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? Mileni Araújo Servilla graduanda em Psicologia pela AEMS Alini Daniéli Viana Sabino Mestre em Ciências pela FFCLRP/USP Coordenadora e Docente do Curso de Psicologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 A existência de um padrão de beleza não é algo novo e sofreu modificações ao longo do tempo, de acordo com fatores históricos e culturais.

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos

Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos CienteFico. Ano III, v. II, Salvador, julho-dezembro 2003 Faça o que Eu Digo, Mas Não Faça o que Eu Faço: Estudo Exploratório sobre Infidelidade em Relacionamentos Românticos Giovana Dal Bianco Perlin

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA

A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA A IMAGEM CORPORAL E A AUTOESTIMA DE MULHERES QUE PROCURAM ATENDIMENTO ESTÉTICO E EXERCÍCIOS FÍSICOS EM SPA (BODY IMAGE AND SELF-ESTEEM OF WOMEN LOOKING FOR AESTHETIC SERVICE AND PHYSICAL EXERCISE IN SPA)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO Aliny de Lima Santos 1, Rafaela Pasquali

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1

O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 1 O DESENHO COMO FATOR PRIMORDIAL NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL 1 Aline Aparecida Silva * Helenice Maria Tavares ** RESUMO O presente artigo tem por objetivo levar aos educadores a repensar sobre sua prática,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO PERCEBIDA POR PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Carlos Augusto Fogliarini Lemos URI / Santo Ângelo - clemos@urisan.tche.br Juarez Vieira do Nascimento Jorge Both Palavras-chaves:

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS *

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * Camila Lima e Silva.. Musicoterapeuta pela Universidade Federal de Goiás.. Musicoterapeuta no Despertar Núcleo Educacional e Terapêutico.

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Tassiana Aparecida Hudson 1, Ana Carolina Soares Amaral 2 ¹Acadêmica do Curso Superior de Licenciatura em Educação Física, Instituto

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS FORMANDOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS FORMANDOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONHECIMENTO CIENTÍFICO E ESTÉTICA CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO A RESPEITO DA OPINIÃO DE ALUNOS

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais