Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade"

Transcrição

1 Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade Neilson Carlos do Nascimento Mendes (Faculdade Metropolitana) Gisele Cristina Sena da Silva (UFPE) Denise Dumke de Medeiros (UFPE) Resumo Em decorrência da crescente competitividade global, os sistemas de gestão vêm se consolidando como uma ferramenta útil a fim de permitir às organizações um posicionamento adequado frente a esta nova realidade do cenário mundial. Dentre os sistemas de gestão adotados, o Sistema de Gestão da Qualidade consolida-se como um das principais ferramentas gerenciais no que se refere à sua contribuição para a consolidação das estratégias organizacionais. Todavia, o bom desempenho deste sistema depende também do desempenho eficiente dos demais sistemas de gestão, os quais encontram-se integrados ao de gestão da qualidade, a fim de favorecer-lhe apoio através de especificidades próprias. Entre estes sistemas de apoio, o Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho (SGSST) assume um papel fundamental no que tange à consolidação de um ambiente seguro e sadio aos funcionários da organização. Em virtude da importante contribuição do SGSST, este trabalho tem como objetivo desenvolver uma proposta de indicadores, cuja finalidade está em monitorar a eficiência e eficácia operacional do referido sistema de gestão, o tipo e grau de influência favorecido por esse sistema de gestão para com o sistema de gestão da qualidade e o grau de integração existente entre ambos sistemas de gestão. Palavras chave: Sistemas Integrados de Gestão, Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho, Sistema de Gestão da Qualidade. 1. Introdução Dentre os recursos gerenciais adotados como ferramenta estratégica às empresas, o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) tem sido amplamente utilizado pelo mundo organizacional, em virtude da sua considerável contribuição à consolidação de um ambiente organizacional em nível de excelência, com reflexos em seus produtos finais. Todavia, tem sido denotado, ao longo dos anos, inúmeros fracassos de alguns programas da qualidade, devido a incompatibilidade entre o propósito da organização com a realidade vivenciada pelo seu corpo funcional. Realidade essa, caracterizada pela existência de um ambiente insalubre que ameaça tanto a integridade física quanto a qualidade de vida do trabalhador. Com o propósito de eliminar ou minimizar os riscos de acidentes de trabalho e as condições nocivas que afetam o trabalhador, além de favorecer uma melhor imagem à organização frente ao seu mercado consumidor, diversos sistemas de gestão foram desenvolvidos enfocando a saúde e a segurança no ambiente de trabalho e integrado ao SGQ. Porém, apenas a implementação e abordagem holística à dinâmica e aos fatores a integração destes sistemas de gestão não favorecem a organização o status de excelência, pois é necessários considerar e monitorar todos os aspectos que de alguma forma interferem na consolidação de tal condição. ENEGEP 2003 ABEPRO 1

2 Em virtude de tal observação, torna-se importante avaliar o grau de eficiência e eficácia dos sistemas de gestão, estando os mesmos integrados ao de gestão da qualidade, afim de que possam contribuir para a efetivação dos objetivos organizacionais. O referido modelo de indicadores, proposto por este trabalho, tem como objetivo servir de mecanismo de avaliação do SGSST, afim de que possa ser identificado o seu grau de eficiência e eficácia, mediante a sua integração com o sistema de gestão da qualidade. 2. Problemática e Metodologia Nos últimos, diversos autores e profissionais da área de qualidade vêm refletindo se realmente os SGQ abrangem e atendem todos aspectos relacionados com a consolidação da qualidade. Conforme os mesmos, para que o SGQ atenda efetivamente o seu propósito, este deverá estar apoiado por ferramentas cuja responsabilidade está em atender aspectos não considerados diretamente pela mesma. Dentre estas ferramentas, o SGSST assume um papel fundamental, no que tange à consolidação de um ambiente seguro e sadio aos funcionários da organização. Pacheco Jr. (2000), ao discorrer diretamente sobre a importância do Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho, afirma que desassociar o referido sistema de gestão à estratégia global da organização trata-se de um erro fatal. O supracitado autor afirma ainda que o tipo de consideração atribuída a este tipo de sistema de gestão poderá afetar a funcionalidade da organização. Ou seja, a ocorrência de problemas relacionados a acidentes, incidentes e doenças ocupacionais proporciona conseqüências diretas na moral do pessoal, na queda de qualidade dos processos e produtos, no aumento dos custos operacionais, na ocorrência de absenteísmo, na baixa produtividade, perda de material e, principalmente, aflige o direito básico do cidadão/trabalhador por um ambiente seguro e sadio. Enfim, a forma como é gerenciada a saúde e segurança no trabalho acaba surtindo efeito direto na eficiência e eficácia da organização e, por sua vez, na consolidação dos objetivos para com a qualidade. Todavia, a simples execução dos sistemas de gestão não garante a melhoria do desempenho organizacional. Segundo Coelho (2000), entre outras coisas, torna-se necessário submeter os sistemas de gestão a uma metodologia que possa avaliar o desempenho dos mesmos e, por sua vez, ajudá-los a consolidar os objetivos organizacionais. Esta colocação, refletida sobre o papel e a contribuição do SGSST, possibilita visualizar a necessidade de um mecanismo de avaliação que identifique o nível de conformação existente entre este sistema de gestão ao SGQ. A fim de que, a partir do uso deste mecanismo de avaliação, possa ser efetivada uma participação mais atuante do SGSST na consolidação dos objetivos organizacionais. Por fim, existe um desejo, de âmbito internacional, quanto o desenvolvimento de uma metodologia de avaliação que possa mensurar o nível de eficiência dos Sistemas de Gestão, em decorrência da integração dos mesmos, além do grau de interferência proporcionado por um dos sistemas aos demais. Esta metodologia tem como propósito contribuir para o desempenho adequado dos Sistemas de Gestão. Quanto a metodologia do trabalho, a mesma consistiu em um estudo bibliográfico por se tratar de um levantamento teórico relacionado ao interesse do estudo. Este levantamento bibliográfico tem como propósito servir de referência para construção da proposta de indicadores, cuja finalidade é avaliar o grau de conformidade do SGSST diante o SGQ. ENEGEP 2003 ABEPRO 2

3 3. Proposta de Indicadores Os indicadores propostos para avaliar o grau de conformidade do Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho para com o da Gestão da Qualidade, estão subdivididos em três dimensões conforme demonstrado a seguir: Primeira dimensão: tem como propósito avaliar o nível de integração do SGSST para com SGQ; Segunda dimensão: tem como objetivo avaliar a eficiência e eficácia operacional do SGSST; e A terceira dimensão: destina-se a identificar a forma e o grau de influência exercida pelo SGSST ao SGQ, em decorrência da integração. O termo eficiência, considerado neste trabalho, corresponde a capacidade dos sistemas de gestão em desempenhar adequadamente as suas funções de acordo com o que fora estabelecido para os mesmos. No caso de eficácia, consiste na capacidade dos referidos sistemas em consolidar os objetivos antes determinados para os mesmos Indicadores Relacionados a Integração do SGSST e SGQ Os indicadores relacionados a esta dimensão têm como objetivo mensurar o nível de integração do SGSST com o SGQ. Os referidos indicadores têm como referência o modelo da norma OHSAS 18001:1999, estabelecido para Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho, e o da norma ISO 9001:2000, estabelecido para o Sistema de Gestão da Qualidade. A proposta estabelecida para estes indicadores é que através do uso dos mesmos possa ser detectado em que grau se encontra a integração dos referidos sistemas de gestão. Para tanto, são adotados dois níveis de integração: estratégico e tático. Os indicadores de nível estratégico para integração dos sistemas de gestão têm como propósito avaliar o grau de alinhamento e integração das políticas, dos objetivos, do planejamento e das responsabilidades. Política do SIG - Este indicador está relacionado com a consolidação de uma política que atenda a ambos os sistemas de gestão; Objetivos do SIG - Este indicador está relacionado com a convergência dos sistemas de gestão a um interesse principal, apesar das particularidades e propósitos de cada sistema de gestão; Compromisso do SIG - Este indicador tem como propósito avaliar se os recursos e a atenção disponibilizada estão centrados na relação conjunta dos sistemas de gestão, permitindo uma atuação equilibrada dos mesmo. Os indicadores relacionados ao nível tático têm como propósito avaliar o grau de integração e adequação dos arranjos relacionados a estrutura metodológica e processual. Os principais indicadores consistem: Requisitos de documentação O indicador tem como propósito averiguar se, com a integração dos sistemas de gestão, houve um redução do número de documentos ; Gestão de Recursos - Este indicador tem como objetivo verificar se os recursos disponibilizados satisfazem a manutenção da integração dos sistemas; Infra-Estrutura o referido indicador está relacionado com a consolidação de uma infraestrutura que atenda o conjunto dos sistemas. ENEGEP 2003 ABEPRO 3

4 3.2. Indicadores Relacionados a Avaliação da Eficiência e Eficácia Operacional do SGSST Os indicadores relacionados a esta dimensão têm como propósito avaliar o grau de eficiência e eficácia das especificidades operacionais do SGSST, mediante a sua integração com o Sistema de Gestão da Qualidade. Este conjunto de indicadores tem como referência as diretrizes estabelecidas pela OIT para os Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho. Através da vinculação dos indicadores a essas diretrizes, torna-se possível avaliar se o sistema de gestão de saúde e segurança no trabalho da organização vêm cumprindo com os aspectos fundamentais estabelecidos a um SGSST. Nesta dimensão foram adotados cinco tipos de indicadores para avaliação da eficácia eficiência operacional do SGSST, os quais são: Políticos, Organização, Planejamento e Aplicação, Avaliação e Ação em prol da Melhoria. Os indicadores relacionados ao aspecto político têm como propósito avaliar o posicionamento comprometido da direção quanto ao estabelecimento de um estrutura que possibilite a melhoria das condições trabalho. Compatibilidade do SGSST ao SGQ - O propósito deste indicador consiste em verificar se as diretrizes estabelecidas ao SGSST estão alinhadas ao SGQ; Conformidade aos Requisitos Legais - Este indicador tem como objetivo verificar se o SGSST atende os requisitos legais; Comprometimento com o SGSST O objetivo deste indicador consiste em avaliar se existe uma atenção comprometida da diretoria em prol da melhoria contínua do SGSST; A finalidade dos indicadores atinentes ao aspecto organizacional, consiste em avaliar o nível de implementação e de eficácia dos arranjos de apoio, fundamentais para consolidação do SGSST. Os principais indicadores consistem em: Estabelecimento de responsáveis diretos com a SST - O objetivo deste indicador consiste em verificar a existência de representantes responsáveis pela SST; Eficácia do processo de documentação do SGSST - Este indicador está relacionado à adequação do processo de documentação à necessidade do SGSST; Desenvolvimento da cultura organizacional voltada à SST - O objetivo deste indicador consiste em verificar se existe uma cultura voltada à SST. Os indicadores correspondente ao Planejamento e Aplicação do SGSST têm como propósito monitorar a eficiência e a eficácia desde a análise inicial do sistema de gestão ao planejamento do mesmo. Os principais indicadores relacionados à esta abordagem, são: Eficácia da análise inicial do SGSST - Este indicador tem como propósito avaliar se a análise inicial das necessidades relativas à SST foi desenvolvida adequadamente; Eficácia da implementação do SGSST O objetivo deste indicador consiste em avaliar se o SGSST implementado está de acordo com as especificidades estabelecidas no planejamento; Eficácia do controle relacionado à SST - O objetivo deste indicador consiste em verificar se as ações de controle dos riscos e perigos do ambiente de trabalho e dos materiais, além dos serviços terceirizados, estão sendo desenvolvidas eficazmente. O objetivo do conjunto de indicadores relacionados a Avaliação do SGSST consiste em identificar o grau de eficiência e eficácia dos aspectos relacionados com a supervisão e a medição de desempenho do sistema de gestão. Os principais indicadores relacionados a esta abordagem, são: ENEGEP 2003 ABEPRO 4

5 Periodicidade da supervisão do sistema de gestão - O objetivo deste indicador consiste em verificar a periodicidade da supervisão dos sistemas de trabalho; Eficácia da supervisão do sistema de trabalho - O objetivo deste indicador consiste em avaliar se a supervisão do sistema de trabalho tem contribuído adequadamente com o processo de decisão e com a melhoria contínua do sistema de gestão; Periodicidade das investigações relativas à SST - O propósito deste indicador consiste em avaliar a periodicidade das investigações relacionadas a SST. Quanto à Ação prol da Melhoria, os indicadores relacionados a este aspecto destinam-se a averiguar se as medidas preventivas e corretivas foram desenvolvidas eficientemente e em conformidade com o que foi identificado pela auditoria e estabelecido através da análise da diretoria. Os principais indicadores, são: Periodicidade das ações em prol da melhoria do SGSST - Este indicador tem como propósito avaliar a periodicidade das ações direcionadas à melhoria do sistema de gestão; Adequação das medidas aos problemas detectados - Este indicador tem como objetivo avaliar se as medidas de melhoria têm sido tomadas conforme os problemas detectados no processo de avaliação do SGSST; Eficácia das medidas executadas - Este indicador tem como propósito avaliar se as medidas tomadas em prol da melhoria do sistema de gestão estão sendo eficazes Indicadores Relacionados à Eficiência Operacional do SGQ em Decorrência da sua Integração com o SGSST O conjunto de indicadores relacionados a esta dimensão tem como objetivo mensurar o nível de eficiência e eficácia das especificidades operacionais do sistema de gestão da qualidade, mediante a sua integração com o SGSST. Os referidos indicadores têm como referência os oitos (08) princípios da gestão da qualidade, a qual fora apresentado no segundo capítulo. Segundo a ISO/ TC (2000), estes princípios correspondem a base fundamental de qualquer sistema de gestão da qualidade Os referidos indicadores estão subdivididos por subgrupos e cada subgrupo corresponde a um dos princípios da gestão da qualidade, os mesmos correspondem a: Foco no Cliente; Liderança; Participação do Pessoal; Abordagem do Processo; Abordagem Sistêmica da Gestão; Melhoria Contínua; Tomada de Decisão, e Parceria com Fornecedores. Os indicadores relacionados ao princípio Foco no Cliente têm como propósito monitorar o grau de interferência e contribuição proporcionado pelo SGSST sobre o atendimento das necessidades e expectativas dos clientes. Os principais indicadores consiste em: Influência do SGSST à imagem da empresa - Este indicador tem como objetivo identificar e avaliar o tipo de influência proporcionada pelo SGSST ao SGQ, no que tange à melhoria da imagem da empresa junto ao seu mercado consumidor ; Influência do SGSST frente à satisfação dos clientes - Este indicador está relacionado ao tipo de contribuição exercida pelo SGSST ao SGQ, no que se refere à melhoria do nível de satisfação dos clientes da empresa; Influência do SGSST sobre a flexibilidade organizacional - Este indicador tem como finalidade avaliar o grau de flexibilidade do SGQ e da organização após a integração do SGSST. O propósito dos indicadores relacionados com o princípio Liderança consiste em detectar o grau de influência exercida pelo SGSST, frente a consolidação de uma unidade de trabalho para com os objetivos estratégicos da organização. Os principais são: Influência do SGSST sobre o envolvimento do pessoal - O objetivo deste indicador ENEGEP 2003 ABEPRO 5

6 consiste em avaliar se o SGSST contribui para o maior envolvimento dos funcionários para com os objetivos da organização; Influência do SGSST sobre a otimização da comunicação - Este indicador está relacionado com a influência exercida pelo SGSST ao processo de comunicação entre níveis hierárquicos. Indicadores atinentes ao principio de Participação do Pessoal têm como objetivo mensurar a influência do SGSST sobre a capacidade do SGQ em consolidar uma relação comprometida dos funcionários para com os propósitos organizacionais. Os indicadores principais consistem em: Influência do SGSST sobre o comprometimento do funcionário para com a organização - O objetivo deste indicador consiste em avaliar se o SGSST contribui no desenvolvimento de uma relação mais comprometida dos funcionários para com a organização; Influência do SGSST à motivação do funcionário - Este indicador está relacionado com a contribuição efetiva do SGSST frente a melhoria da motivação dos funcionários da empresa. Os indicadores relacionados ao princípio Abordagem do Processo, têm como fundamento a monitoração do grau de implicação do SGSST sobre o gerenciamento do sistema de produção através da abordagem de processo. Os indicadores principais consistem em: Influência do SGSST sobre o uso racional e eficaz dos recursos - Este indicador está relacionado à influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que se refere ao uso racional dos recursos; Influência do SGSST quanto à racionalização dos custos operacionais - Este indicador tem como objetivo avaliar o tipo de influência exercida pelo SGSST frente a redução dos custos operacionais. Já os indicadores relacionados ao princípio Abordagem Sistêmica para Gestão, os mesmos têm como propósito verificar o grau de contribuição do SGSST sobre a capacidade do SGQ gerenciar os processos interrelacionados como um sistema. Os principais indicadores consistem em: Influência do SGSST sobre o alinhamento e integração das atividades do sistema de produção - Este indicador está relacionado à influência exercida pelo SGSST frente ao alinhamento e à integração de atividades operacionais similares do sistema de produção; Influência do SGSST quanto à otimização do sistema produtivo - Este indicador está relacionado à influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que se refere à contribuição do mesmo para consolidação de melhores resultados para o processo produtivo; Influência do SGSST sobre a centralização dos esforços - O objetivo deste indicador está em avaliar a influência exercida pelo SGSST no que tange a enfocar os esforços nas atividades principais do processo produtivo. O propósito dos indicadores relacionados à Melhoria Contínua consiste em monitorar o grau de interferência do SGSST sobre a concretização dos objetivos relacionados com a melhoria contínua, tanto do sistema de gestão quanto da organização. Os indicadores principais, são: Influência do SGSST sobre a flexibilidade da organização - A importância deste indicador está relacionado ao exame da influência do SGSST ao SGQ, no que se refere ao ENEGEP 2003 ABEPRO 6

7 favorecimento de um posicionamento flexível da organização; Influência do SGSST quanto à eficácia das medidas preventivas - Este indicador está relacionado com o tipo de influência exercida pelo SGSTT frente a eficácia das mediadas preventivas; Influência do SGSST sobre a eficácia das medidas corretivas - A importância deste indicador está relacionada à avaliação da influência do SGSST no que tange a eficácia das mediadas corretivas. Indicadores relacionados ao princípio Tomada de Decisão, tem como objetivo avaliar a influência exercida pelo SGSST sobre otimização do processo decisório. Os principais indicadores consistem em: Influência do SGSST quanto à confiabilidade das informações - Este indicador está relacionado ao tipo de influência exercido pelo SGSST para com o SGQ, no que se refere à confiabilidade dos dados e informações; Influência do SGSST quanto à acessibilidade das informações - A importância deste indicador está relacionado à avaliação da influência do SGSST para com o SGQ, no que se refere à acessibilidade dos dados e informações para o processo decisório; Influência do SGSST quanto à eficácia do processo decisório - O objetivo deste indicador está em avaliar o tipo de influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que se refere à eficácia do processo decisório. Quanto ao objetivo dos indicadores atinentes ao princípio Parceria com os Fornecedores, o mesmo consiste em avaliar a capacidade do SGSST em contribuir para efetivação de uma relação de otimizada entre a organização e seus fornecedores. Os principais são: Influência do SGSST quanto à confiabilidade dos produtos adquiridos - O objetivo deste consiste em avaliar a de influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que tange à garantia da confiabilidade dos produtos adquiridos; Influência do SGSST quanto à confiabilidade dos serviços terceirizados - O propósito deste indicador consiste em examinar a influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que tange à confiabilidade dos serviços terceirizados contratados; Influência do SGSST quanto á participação de fornecedores frente ao desenvolvimento de projetos - O objetivo deste indicador consiste em avaliar a influência exercida pelo SGSST ao SGQ, no que tange à participação de fornecedores no desenvolvimento de projetos; 7. Conclusão e Perspectivas Corresponde ao propósito deste modelo de indicadores, contribuir para o desenvolvimento organizacional. Possibilitado através da identificação dos fatores que interferem na sinergia e no bom funcionamento dos sistemas de gestão integrados de SST e da Qualidade. Para tanto, o referido modelo encontra-se estruturado em três dimensões de avaliação. A primeira dimensão de indicadores tem como finalidade averiguar o grau de integração dos sistema de gestão de saúde e segurança no trabalho para com o de gestão da qualidade, considerando o âmbito estratégico e tático da integração. Os indicadores relacionados ao âmbito estratégico, destinam-se a avaliar o grau de alinhamento e integração dos requisitos que guiam as ações dos sistemas de gestão e da organização. Já os indicadores de âmbito tático, estão direcionados a avaliar o grau de integração e adequação dos arranjos cuja responsabilidade está em proporcionar apoio à ENEGEP 2003 ABEPRO 7

8 eficiência operacional dos sistemas de gestão. A segunda dimensão de indicadores tem como propósito avaliar o grau de eficiência e eficácia operacional do SGSST em virtude da sua integração com o SGQ. O interesse principal destes indicadores está em averiguar se o SGSST da organização vem cumprindo, de forma efetiva, com os aspectos fundamentais estabelecidos a um SGSST. A terceira dimensão destina-se a avaliar o grau de influência exercida pelo SGSST à eficiência e eficácia SGQ. A finalidade principal destes indicadores consiste em averiguar se SGSST exerce alguma interferência ao SGQ, no que tange à consolidação dos objetivos estabelecidos a esse sistema de gestão. O referido modelo está sendo submetido a um processo de validação em empresas pernabucanas de contrução civil, cujo qual já dispõe de Sistema Integrados de Gestão da Qualidade e SST Quanto às perspectivas de trabalhos futuros, a fim de dá continuidade a este trabalho, são propostos as seguintes ações: Extensão do modelo de indicadores para outros sistemas de gestão; e Avaliação crítica deste trabalho pela comunidade acadêmica especializada. Por fim, espera-se que, através da aplicação desta ferramenta, a organização possa identificar problemas e não conformidades que impedem o desempenho adequado dos seus sistemas integrados de gestão e, após os devidos ajustes, favorecer a otimização tanto dos processos organizacionais quanto das condições de trabalho. De modo, assim, contribuir para melhoria e o desenvolvimento da organização, feita de forma eticamente responsável. Referências BS 8800:1996. Diretrizes para Sistema de gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional. British Standards Institution, London CANSANÇÃO, W. O. (2001) - Proposta de um modelo Integrado de Gestão dos Sistemas ISO 9000 e ISO : PPGEP/UFPE, Recife. [Dissertação de Mestrado] COELHO, José Flavio. Integrated Management and Performance Evaluation A Case Study in Brazil. Gladestone: Central Queensland University, DE MEDEIROS, D. D. (2000) - Certificação ISO 9000: Implementação e aspectos operacionais, in: Almeida, A.T. de Souza, F,M.C. de, Produção e Competitividade: Aplicações e Inovações. Editora Universitária, Recife. HSE. A Guide to Meansuring Health & Safety Performance. HSE, UK. ISO/TC 176. (2001) - Revisión de las normas ISO 9000 de Siostemas de Gestión de la Calidade para el año 2000, AENOR. JURAN, J. M, GODFREY, A. B. (1999) - Juran s Quality Handbook. McGraw-Hill, 5ªed. New York. NBR ISO 9000:2000 (2000) - Sistema de Gestão da Qualidade Fundamentos e vocabulário. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro. NBR ISO 9001:2000 (2000) - Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro. PACHECO, Waldemar Júnior. Qualidade na segurança: Série SHT 9000, normas para a garantia da segurança e higiene do trabalho. São Paulo: Atlas, OHSAS 18001:1999. Diretrizes para Sistema de gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional. OIT. Diretrizes para Sistema de gestão de Saúde e Segurança no Trabalho. Genebra, SAVIÉ, S. (2001) - Integration of Management Systems in terms of Optimization of Workplace Human Performace. Working and Living Environmental Protection series. Vol. 2 (1), 27-38, ENEGEP 2003 ABEPRO 8

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil 1 Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil Alexandre Dias P. Cassiano 1 Dario da Costa Santos 2 Jorge José de Barros 3 1- Pós-graduando

Leia mais

A NOVA ISO 45001:2016 E SUAS CONTRIBUIÇÕES

A NOVA ISO 45001:2016 E SUAS CONTRIBUIÇÕES A NOVA ISO 45001:2016 E SUAS CONTRIBUIÇÕES Clovis Correa de Albuquerque Segundo clovissegundo@hotmail.com UCM Solange Evangelista de Souza solangeev@ig.com.br UNIFAVIP Devry Resumo:Os dados da Organização

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012 Sistemas de gestão ambiental SGA Um sistema de gestão ambiental pode ser definido como uma estrutura organizacional que inclui responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários

Leia mais

MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA

MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA Duração aproximada: 1h15 Capítulo 2: Critério Liderança (visão geral) Capítulo 3: Cultura organizacional e desenvolvimento da gestão Estabelecimento e atualização dos

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal DEZEMBRO/2010 Proj 25.000.05-07 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal Sede: Rio de Janeiro

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento ISO Revisions New and Revised Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento Introdução Este documento faz uma comparação entre a ISO 9001:2008 e o ISO 9001:2015

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública Modelo de Gestão CAIXA 1 Modelo de Gestão - Conceito Um Modelo de Gestão designa o conjunto de idéias, princípios, diretrizes, prioridades, critérios, premissas e condições de contorno tomadas como válidas,

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental ISO 14001 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental ISO 14001 Existem duas normas bastante difundidas para orientação da implantação de um Sistema de Gestão

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

As vantagens da implantação de uma gestão integrada de sistemas

As vantagens da implantação de uma gestão integrada de sistemas As vantagens da implantação de uma gestão integrada de sistemas Eduardo Calixto (UFF) eduardo.calixto@ibest.com.br Osvaldo Quelhas (UFRGS) quelhas@latec.uff.br Resumo Esse trabalho é um resumo da dissertação

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657 TERMO DE REFERÊNCIA Implantação do Sistema de Gestão da Qualidade e Modernização da Superintendência de Arrecadação, Cadastro e Informações Econômico-Fiscais (SUACIEF) Rio de Janeiro, outubro de 2012.

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

JULIO CESAR PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL COM OS PROCESSOS DO PMBOK

JULIO CESAR PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL COM OS PROCESSOS DO PMBOK JULIO CESAR PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL COM OS PROCESSOS DO PMBOK Dissertação apresentada ao Corpo Docente do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11 Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás Projeto IV.11 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

TÍTULO: SISTEMAS DE GESTÃO EM EH&S, NECESSIDADE ATUAL DE NOVOS INDICADORES DE PERFORMANCE.

TÍTULO: SISTEMAS DE GESTÃO EM EH&S, NECESSIDADE ATUAL DE NOVOS INDICADORES DE PERFORMANCE. TÍTULO: SISTEMAS DE GESTÃO EM EH&S, NECESSIDADE ATUAL DE NOVOS INDICADORES DE PERFORMANCE. INTRODUÇÃO Nossa avaliação tem como objetivo um entendimento da evolução da abordagem em Saúde, Segurança e Meio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS Disciplina TURMA 2015/2 Segunda e Quarta - Unidade BUENO COORDENADOR: Profa. Camen Rizzotto da Trindade CH

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria Executiva - SE Assessoria de Gerenciamento de Riscos - AGR MODELO BRASILEIRO

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Certificação de Sistemas de Gestão ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2008); 2. Certificação

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional

As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional Ricardo Coser Mergulhão (GEPEQ/DEP/UFCar e IFM) mergulhao@dep.ufscar.br Eduard Prancic (GEPEQ/DEP/UFCar e IFM) prancic@dep.ufscar.br uís

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2015

ABNT NBR ISO 9001:2015 ABNT NBR ISO 9001:2015 Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos Terceira edição: 30/09/2015 Válida a partir de: 30/10/2015 Tradução livre fiel ao original - uso exclusivo para treinamento 1 NORMA BRASILEIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ JOÃO AQUILINO SCHMITT JUNIOR AUDITORIA INTERNA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM INDÚSTRIAS: DESAFIOS BÁSICOS NOVEMBRO 2014 CURITIBA PARANÁ JOÃO AQUILINO SCHMITT JUNIOR

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE GIA/003 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES Ricardo Cavalcanti Furtado 1,

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM OPERADOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS Por: Natalia da Costa Daher Orientador Profa.

Leia mais

MODELO SESI DE SUSTENTABILIDADE NO TRABALHO

MODELO SESI DE SUSTENTABILIDADE NO TRABALHO MODELO SESI DE SUSTENTABILIDADE NO TRABALHO Flávia Dias Uberaba 14.04.2010 O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e autoavaliação que propõe às indústrias

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal

MANUAL DE GESTÃO. SGQ Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO SGQ IDENTIFICAÇÃO Titulo: - Código: SGQ_2600204_ManualGestao Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da Campo de aplicação: Documentos de referência: NP EN ISO 9001:2008 Página

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 30/12/2014 Verificado por Fernando Cianci em 06/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 06/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7. TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7. TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7 TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação Índice 1. Tipos de certificação - continuação...3 1.1. Sistema da Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001)... 3 1.2. Segurança da

Leia mais

Nosso objetivo. Qual é a principal contribuição que a Positioning pode dar para o aumento dos resultados de seus Clientes? MELHORIA DA PERFORMANCE

Nosso objetivo. Qual é a principal contribuição que a Positioning pode dar para o aumento dos resultados de seus Clientes? MELHORIA DA PERFORMANCE Nosso objetivo 1 CONFIDENCIAL Todos os direitos reservados Qual é a principal contribuição que a Positioning pode dar para o aumento dos resultados de seus Clientes? MELHORIA DA PERFORMANCE Atuação da

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCEITOS SOBRE CUSTOS DA QUALIDADE (APOSTILA) Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

NORMAS SÉRIE ISO 14000

NORMAS SÉRIE ISO 14000 NORMAS SÉRIE ISO 14000 O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação mundial de organismos

Leia mais

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo

Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Café da Gestão. Planejamento Participativo para uma Gestão Democrática Um Estudo de Caso no Poder Executivo Boa Tarde!!! Boas Vindas ao Planejamento Um Estudo Participativo de Caso no para Poder uma Executivo Gestão Democrática Marco Temporal: dezembro de 2002 METODOLOGIA UTILIZADA 1. Orientação Geral para o

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais