Karla Angélica do Rosário (UTFPR Campus Pato Branco PR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Karla Angélica do Rosário (UTFPR Campus Pato Branco PR) karla.utfpr@hotmail.com"

Transcrição

1 UM OLHAR SOBRE A IMPORTÂNCIA DE UMA REFLEXÃO SOBRE AS CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS ENTRE O PERFIL DOS EGRESSOS NOS CURSOS SUPERIORES DE ADMINISTRAÇÃO E O PERFIL ESPERADO PELO MERCADO DE TRABALHO Karla Angélica do Rosário (UTFPR Campus Pato Branco PR) Resumo: A qualidade do curso de graduação em Administração, o envolvimento e a satisfação dos acadêmicos com o curso são fatores que determinam o perfil e o desempenho dos profissionais que ingressarão no mercado de trabalho. A formação de profissionais competentes é uma cobrança da sociedade, pois segundo Pereira e Gil (2006), somente com um ensino de qualidade, a instituição conseguirá a aprovação e reconhecimento da sociedade. As organizações modernas, que contemplam complexas transações globais, precisam estar em consoante com a realidade dinâmica na qual estão inseridas, passando pelo avanço tecnológico e implementação de estruturas mais flexíveis e enxutas. Esse cenário provoca impactos importantes sobre as relações de emprego, definição das ocupações, promovendo embates sobre o perfil do profissional administrador, seu papel e suas qualificações. Nesse contexto, verificou-se a necessidade de realizar um estudo no sentido de buscar uma reflexão sobre a problemática, a partir da seguinte questão orientadora: o perfil que as IES planejam para seus alunos dos cursos de Administração está em convergência com o perfil que o mercado de trabalho espera encontrar nesses profissionais? Palavras chaves: perfil do administrador, curso superior de administração, mercado de trabalho. Abstract The quality of the Administration graduation course, the participation and satisfaction of the academics with the course are factors that build the profile and the performance of the future professionals that will be part of the market work. The formation of competent professionals is almost an obligation of the society; Pereira and Gil say that, only with a good education, the institution will get the approval and recognition of all society. The modern organizations, who contemplate complex global transactions, need to be in line with the dynamic reality where they belong, passing through the technologic progress and the implement of structures more flexible and dry. This scenario could cause important impacts on employ relations, definitions of occupations, promoting discussions about the profile of the administration professional, its role e and its qualifications. In this context, it was checked the necessity to do a study in searching the reflections of the problem, from the previous question: the profile that the IES plan to their students of the course of Administration is in convergence with the profile that the work market waits to find in these professionals? Key-words: profile of the administration professional, college Administration, work market. 1. Introdução O Ensino Superior é tema de reflexão passível de enfoque sob perspectivas diversas. A complexidade social e cultural que o caracteriza, aliado ao fato de estar em uma realidade em constante transformação, permite que aproximações sejam produzidas advindas de linhas diversas de estudo. Buscam-se contribuições, compreensões, leituras que possam subsidiar a

2 construção de idéias claras e precisas do sentido e da dinâmica do ensino universitário, com vistas sempre a trazer melhorias para a qualidade de seu trabalho formativo. Em meio a essa diversidade de elementos que compõe o universo acadêmico, propõe-se o presente trabalho a abordar uma reflexão concernente ao Ensino Superior de Administração, apontando para a necessidade de pesquisa em relação ao perfil dos egressos nos Cursos Superiores de Administração nas Instituições de Ensino Superior, definidos através do Projeto Pedagógico do Curso de Administração (PPCA) de cada instituição, e o perfil que o mercado de trabalho, espera para esse egresso. O aumento da quantidade de Instituições de Ensino Superior (IES) no país, principalmente a partir da vigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/96), alterou o panorama nacional de ensino. Esse aumento, em conjunto com a dinamicidade da realidade inerente ao mercado, faz com que essas instituições se deparem com uma necessidade crescente de conhecer a realidade de ensino, principalmente dentro do contexto que permeia o estudo da Administração, para que possam oferecer programas e serviços de acordo com as exigências do mercado e a necessidade de seus alunos. 2. Referencial Teórico O referencial teórico, tendo em vista o embasamento do presente artigo, inicia com uma abordagem sobre o papel e histórico da Universidade, particularmente, a evolução do Curso de Administração no Brasil, seus desafios e suas tendências. Posteriormente é feita uma aproximação a respeito do perfil do Administrador formado e também sobre os aspectos inerentes ao mercado de trabalho, principal área de atuação deste profissional. Outrossim, busca-se efetuar uma inter-relação entre esses pontos. 2.1 O Papel da Universidade De acordo com Wanderley (1988, p.15), a universidade é um lugar - mas não só ela - privilegiado para conhecer a cultura universal e as várias ciências, para criar e divulgar o saber, mas deve buscar uma identidade própria e uma adequação à realidade nacional. Segundo Marcovitch (1988, p.23), o motivo da existência da universidade é: o melhor lugar possível para uma enriquecedora transição da adolescência para a juventude e, depois, para a idade adulta e complementa: "A universidade tem ainda o papel de formar a cidadania. Cabe-lhe, e talvez seja essa a sua principal função, desenvolver a inquietude do ser social" (1998, p. 23). Dessa forma, um dos papéis importantes dos cursos universitários, entre eles o de Administração, é o de formar homens capazes de, ao desempenhar suas funções na sociedade, propor e implementar soluções exigidas, bem como neste mundo em constante evolução, que faz da mudança uma rotina não somente atrelar a formação dos futuros profissionais à realidade de hoje, mas vinculá-la à projeção do futuro (SOUZA, 1979). Uma formação sólida e visão de futuro são indispensáveis aos administradores. Dentre os principais temas de preocupação e estudos constantes por parte de professores, alunos e também empresários, no Brasil, estão o ajustamento do ensino de Administração à realidade brasileira (COVRE, 1991), a constituição formativa do administrador (BERNDT & NAGELSCHMIDT, 1995) e o desenvolvimento de maior interação entre universidade e empresa (COSTIM & WOOD Jr., 1994 e MORAES & STAL, 1994).

3 Adequar o ensino às exigências do mercado de trabalho: o papel da universidade não deve se limitar somente a isso. Um curso na área de administração deve ter dinamicidade e ser ajustado ao ambiente, pois o administrador, além de trabalhar com as mudanças ambientais e de identificar novas tendências, deve atuar como agente de transformação. Demo (1991) salienta que a meta seria a obtenção de ambiente capaz de fecundar a atitude de aprender a aprender, definida como capacidade de produção própria, de elaboração própria de questionamento crítico criativo, além de atualização e renovação constante O Curso de Administração, sua história, seus embates A história do surgimento dos cursos de administração acompanha o cenário políticoeconômico-social do país. O ensino de Administração no Brasil tem uma história relativamente curta, de acordo com Andrade & Amboni (2002), iniciou-se no ano de 1952, com a criação da Escola Brasileira de Administração Pública. Nas décadas de 60 e 70, acontecimentos históricos e políticos, trouxeram significativa repercussão no ensino de administração. Em menos de 30 anos, os cursos de administração alcançaram dimensões significativas. De dois cursos em 1954 passou-se para 31 em 1967 e 177 em Os dados mais recentes disponíveis (1978) indicam a existência de 244 cursos de graduação (CASTRO, 1981, p.58). Hoje, segundo dados do MEC, há de universitários, sendo que estão nos cursos de administração, representando 14,8% do universo de alunos matriculados nesse nível de ensino no Brasil. São, segundo o Senso Escolar de 2003, instituições que oferecem cursos de administração, o que demonstra uma acirrada concorrência. Andrade & Amboni (2002) destacam que, na expansão dos cursos de Administração, há considerável participação da rede privada, ocorrida destacadamente a partir do final dos anos 70. No início da década de 80, o sistema particular era responsável por aproximadamente 79% dos alunos, ficando o sistema público com o restante. O mesmo ocorre nas demais áreas do conhecimento, nas quais a distribuição é de 61% para a rede privada. O crescimento quase que incontrolável das IES privadas elevou a preocupação com a qualidade do ensino para a formação de um profissional competente, delegando a órgãos fiscalizadores, como o CFA (Conselho Federal de Administração) e os CRA s (Conselhos Regionais de Administração), regular a prática profissional, assim como trabalhar juntamente ao INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira e ao Ministério da Educação. Nesse sentido, criaram-se os indicadores de desempenho, na tentativa de avaliar os Cursos de Administração no país. Para Andrade & Amboni (2002), o ensino de Administração passou por dois períodos históricos marcados pela aprovação dos currículos mínimos, os anos de 1966 e A aprovação do novo currículo mínimo em 1993 foi resultado da soma de esforços do CFA e da Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração (ANGRAD), marcando assim, um novo ciclo histórico e político do Curso de Administração. A respeito da expansão da educação superior no Brasil, Peixoto (2002, p. 192) afirma é uma expansão antidemocrática e privatista, além de exclusivamente empresarial, na medida em que está voltada à exploração dos trabalhadores da educação e nada comprometida com a qualidade de ensino. Isso remete a um cenário de expansão articulado com uma política de orientação neoliberal e um descaso com as futuras gerações de profissionais. Há uma relação ambivalente entre as pioneiras e tradicionais instituições e as instituições emergentes, o que conduz a uma reflexão sobre para quem e para que estão sendo formados

4 os novos administradores. Segundo MARTINS (1989) observa-se uma relação assimétrica, em que as primeiras escolas de Administração, como tendência, têm produzido para o setor público e privado uma elite administrativa vinculada aos pólos dominantes dos campos do poder político e econômico. Por outro lado, as novas instituições têm produzido os quadros médios para as burocracias públicas e privadas que, em função de sua complexidade, necessitam de pessoal para suas rotinas, isto é, um pessoal treinado para questões econômicoadministrativas. Demo (1991) coloca que a universidade não deve criar cursos direcionados exclusivamente às demandas do sistema produtivo. A preocupação não deve estar apenas voltada para a preparação de profissionais para empresas privadas, mas para o desenvolvimento do espírito modernizante. E é na mudança e no desenvolvimento da formação social brasileira que devemos buscar as condições e as motivações para a criação desses cursos. A articulação dos cursos de graduação com o setor produtivo como também a outros segmentos da sociedade constitui objeto de análise necessária. Berchem (1991, p. 83) afirma: É natural que nossos jovens esperem também - e talvez antes de tudo - da universidade uma formação profissional e científica. Entretanto, um crescente mal-estar se manifesta nos últimos anos em relação à idéia de que as universidades possam reduzir-se apenas a lugares de produção de um saber diretamente ligado ao mundo profissional e tecnológico. Outro aspecto, segundo FACHIN (1989), se refere à adequação do conhecimento à realidade local. A objeção mais freqüente se refere aos pressupostos culturais presentes nos ensinamentos importados dos Estados Unidos, e que são transmitidos, quase que acriticamente, em outras realidades, sem a contrapartida de descrições mais precisas, completas, sobre os diferentes ambientes econômicos, culturais e organizacionais em que se vive. Segundo Motta (1983, p.55), o significado mais geral das Escolas de Administração é, a formação de indivíduos adultos, realizados, dotados de impulso renovador e bem equipados culturalmente [...]. O autor enfoca a importância das escolas de administração em não delimitar as esferas de atuação às oportunidades de trabalho, mas que devem ser flexíveis e diferenciadas o bastante para formar administradores capazes de atuar em diversos tipos de organizações A Formação do Perfil do Administrador e as correlações e implicações com o mercado de trabalho Estudos realizados têm indicando que a formação do administrador está exigindo um redirecionamento, uma readequação. Deficiências e inadequações são colocadas em evidência nos papéis que o profissional está sendo chamado a exercer. Outros estudos propõem-se a levantar o perfil do Administrador que está sendo demandado pelas organizações, tomando por base atributos e qualificações desejáveis (BERTUCCI, PEREIRA & CONRADI, 1993, COSTA & OLIVEIRA, 1993). Uma dificuldade inicial é a caracterização do campo profissional do Administrador. Há evidências de que esse campo é bastante diversificado, muitas vezes fluido, e as funções exercidas pelo Administrador variam bastante (BAÊTA & LUZ, 1990, FURIATI, 1994, BERTUCCI, PEREIRA & CONRADI, 1993). Além disso, há fortes indícios para se acreditar que os cargos em nível de gerência ou de direção não sejam ocupados exclusivamente por profissionais de Administração (BERTUCCI, PEREIRA & CONRADI, 1993; 1993,

5 FERREIRA & SBRAGIA, 1993; COSTA & OLIVEIRA, 1993; BARBOSA & TEIXEIRA, 1989). Outros profissionais concorrem diretamente com o Administrador, tais como engenheiros, advogados, psicólogos, economistas e contadores, e é possível até encontrar cargos de gerência ocupados por pessoas com formação em nível de segundo grau (RODRIGUES, 1989). Para COVRE (1991, p. 27), há a necessidade de uma revisão na formação profissional do administrador, que vá além da dimensão positivista do ensino: A perspectiva tradicional do ensino de administração fundamentada sobretudo na racionalização mecanicista cartesiana, não mais garante a produção de resultados satisfatórios e adequados para a formação de administradores que irão atuar em cenários de transformações contínuas, porque se encontra em dissonância com a realidade empresarial econômica atual. Discussões sobre a formação do administrador não são recentes. No início da década de 1980, Motta destacava que um dos problemas associados à formação do administrador é a pouca ênfase em análises críticas da realidade. Para o autor, as escolas de administração não formam administradores-políticos, imbuídos de uma visão transformadora da realidade social, em que pese ao conteúdo relativamente crítico de alguns programas (MOTTA, 1983, p.55). A formação de profissionais administradores deve ser destacadamente, a preparação de indivíduos com capacidade de reflexão e análise, combinando, na universidade, o saber, o pensar e a busca da verdade com visões práticas da realidade, em especial das organizações (MONTEIRO JR. 1993). O perfil gerencial do administrador do futuro deve possuir algumas posturas indispensáveis e essa preparação deve ser o importante foco para a universidade. Na definição do perfil do administrador, Hersey e Blanchard (1986) colocam três habilidades necessárias para o administrador executar com eficiência sua profissão. São elas: habilidade técnica, humana e conceitual: habilidade técnica é a capacidade de aplicar conhecimentos, técnicas, métodos e equipamentos necessários à execução de tarefas específicas; é adquirida através da experiência, da educação e do treinamento; habilidade humana é a capacidade e o discernimento para trabalhar com e por meio de pessoas, incluindo o conhecimento do processo de motivação e aplicação eficaz da liderança; habilidade conceitual é a capacidade de compreender a complexidade da organização com um todo e onde cada área específica se enquadra nesse complexo; permite agir de acordo com os objetivos globais da organização, e não em função de metas e necessidades imediatas do próprio grupo. O profissional de administração deve, também, possuir habilidades que possibilitem transitar com desenvoltura em mundos paradoxais, sem perder a noção do todo e conhecer e analisar outras linguagens verbais e não-verbais, buscando através da pesquisa a compreensão da cultura local (RUSSO, 1995). Tendo assim maior capacidade de, não apenas se adaptarem ao mundo em constante transformação, mas também se inserirem criticamente neste, através de uma postura proativa, desencadeando assim processos de mudança. Como citou Outtes (1999, p.2): "Espera-se do administrador que ele seja hábil mediador com reflexões éticas, atualizado e aberto às novas idéias. Capaz de liderar mudanças no ambiente organizacional com senso crítico e de aplicar soluções criativas. Um profissional consciente do papel da empresa na sociedade."

6 Em novembro de 1996 foi realizado no país o I Exame Nacional dos Cursos de Administração, como uma medida do Ministério da Educação e Desportos, do Conselho Federal de Administração (CFA) e da Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração (ANGRAD) para através da avaliação do estudante concluinte dar início a uma política de melhorias nos cursos de Administração, prevendo ainda a realização gradual de um conjunto de avaliações a serem estendidas a particularidades das instituições e dos docentes. As características projetadas para compor o perfil do administrador, avaliado no I Exame Nacional Portaria Ministerial, 718/96, Revista do provão, p.21 são: formação humanística e visão global que o habilite a compreender o meio social, político, econômico e cultural no qual está inserido e a tomar decisões em um mundo diversificado e interdependente; internalização de valores de responsabilidade social, justiça e ética profissional; capacidade de compreensão da necessidade do contínuo aperfeiçoamento profissional e do desenvolvimento da autoconfiança. Dentre as características avaliadas, já se pode observar as nuances de uma perspectiva de formação humanística. A preocupação com o futuro pessoal e organizacional, com a diminuição dos empregos nas organizações é cada vez maior, pois o aumento da tecnologia incrementa a substituição da mão-de-obra e a conseqüente diminuição dos empregos nas organizações. De acordo com Saviani (1997, p. 2), Hoje há um paradoxo incrível no meio dos executivos, pois a filosofia inicial de criar empregos transformou-se de tal forma que estes mesmos executivos sentem orgulho quando conseguem desempregar pessoas. Isso está acarretando mudanças profundas nas relações de trabalho em todo o mundo. Saviani (1997, p. 29) alerta também: Precisamos adotar uma postura do não parar mais de aprender e principalmente de forma generalista, pois a tecnologia está nos mostrando que a cada dia poderemos assumir mais funções pela facilidade das informações disponíveis em todos os setores da vida humana. Os profissionais de administração devem manter-se atentos para buscar desenvolver o saber pensar. A busca pelo conhecimento ganha evidência e o profissional polivalente ganha espaço dentro das organizações. Isso dimensiona o grau de responsabilidade de desenvolver este aprendizado, pelo próprio profissional de Administração em abordar meios de constante reciclagem, como também sobre os cursos de Administração em formar profissionais bem preparados. Segundo Pastore (1998, p.28): O futuro exigirá profissionais competentes, multifuncionais, alertas curiosos que precisarão ter passado por uma educação que lhes tenha equipado com lógica de raciocínio; compreensão dos processos; capacidade de transferir conhecimentos; prontidão para antecipar e resolver problemas; conhecimento de línguas; habilidade para tratar pessoas e trabalhar em equipe. Ou seja um tipo de educação que dá as pessoas as condições de apreenderem continuamente. Cada instituição de ensino superior, de acordo com a missão social que propaga, deve embasar-se em projetos pedagógicos de qualidade, tendo em vista suas diretrizes e objetivos de seus cursos e o perfil do profissional que querem formar. Segundo Siqueira (1998), melhorando o ensino, teremos profissionais mais bem preparados, organizações bem administradas e, é claro, uma sociedade mais justa.

7 3. Considerações Finais O presente artigo ressaltou, através da argumentação teórica abordada, a necessidade de uma reflexão crescente entre acadêmicos, instituições de ensino superior e organizações em geral, sobre o ensino superior em administração, seus desafios e implicações para a transformação do ensino diante do mercado de trabalho e das diversidades de funções do processo formativo. Diante das exposições a que se refere este trabalho, é possível perceber a importância em se desenvolver um estudo aprofundado, a partir de uma pesquisa com as IES que possuem os cursos de Administração: buscar informações referentes ao perfil almejado pela instituição para seus acadêmicos a partir de pesquisa direta com os envolvidos nos Cursos (professores e acadêmicos) e da análise dos Projetos Políticos Pedagógicos, bem como o histórico dos cursos, suas diretrizes, formação e titulação do corpo docente, entre outros aspectos. Com base nas informações pesquisadas, torna-se fundamental a identificação do perfil almejado pelo mercado de trabalho para estes profissionais, a partir de entrevistas com gestores de diferentes organizações (públicas, privadas, ONG s, etc), com vistas a obter informações para uma reflexão comparativa entre o processo formativo das IES e as expectativas dos empregadores com relação a esses profissionais. Por meio de um diagnóstico como esse, objetiva-se colaborar no apontamento de possibilidades para as instituições, acadêmicos e organizações em concatenar perspectivas e metas no sentido de melhorar a eficácia da preparação dos profissionais Administradores. Estes, além de serem cidadãos críticos e participativos, que contribuem para melhorar as condições sociais do meio em que vivem (BERCHEM, 1990), precisam também atender ao dinamismo e às exigências específicas do mercado de trabalho em que irão atuar, realidade que cobra constante atualização e melhoria na aplicação prática dos conhecimentos adquiridos pelo profissional Administrador. A adoção de uma postura crítica e séria, levando em conta um universo multifacetado e dinâmico, deve permear a preocupação dos atores e sujeitos envolvidos no cenário do ensino superior, não sendo diferente na área de Administração. 4. Referências ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de.; AMBONI, Nério. Projeto Pedagógico para cursos de Administração. São Paulo: Makron Books, BAÊTA, Adelaide Maria Coelho, LUZ, Talita Ribeiro da. Administração Brasileira: na tentativa de acertar o passo com a realidade. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 14, 1990, Florianópolis. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional dos Programas de Pós -Graduação em Administração, v3, 1990, p BERCHEM, T. A missão da universidade na formação e no desenvolvimento culturais: a diversidade no seio da universidade. Educação Brasileira. Brasília: CRUB, v.15, n.31, BERCHEM, Theodor. A missão das universidades na formação e no desenvolvimento culturais: a diversidade dentro da universalidade. Cadernos Plurais (Série Universidade I). Rio de Janeiro: Editora da UERJ, setembro, BERNDT, Alexander & NAGELSCHMIDT, Anna Mathilde P.C. Atributos do Administrador Recém-Formado: Um Estudo de Caso. São Paulo: Revista de Administração, v.30, n.3, julho/setembro 1995, p

8 BERTUCCI, Janete Lara de Oliveira, PEREIRA, Denise de Castro, CORRADI, Regina Márcia Ramirez. O perfil do profissional de Administração: as organizações com a palavra. In: ENCONTRO ANUAL DA ANAPAD, 17, 1993, Salvador. Anais... Florianópolis: Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação em Administração, v.7, 1993, p BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. (org.) Sérgio Miceli. São Paulo: Perspectiva, CASTRO, Cláudio de Moura. O ensino da administração e seus dilemas: notas para debate. Revista Administração de Empresas. Rio de janeiro, V. 21, n. 3, jul/set.1981, p COSTA, Sílvio, OLIVEIRA, Lúcia Maria Barbosa de. Formação acadêmica e conhecimentos necessários aos executivos de recursos humanos um estudo no nordeste do Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ANAPAD, 17, 1993, Salvador. Anais... Florianópolis: Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação em Administração, v.7, 1993, p COSTIM, Cláudia & WOOD Jr, Thomaz. Criando Alianças Estratégicas entre Universidades e Empresas: O Caso Uniemp. São Paulo: Revista de Administração/FEA/USP, v.29, n.2., abril/junho 1994, p COVRE, Maria de Lourdes Manzini. A Formação e a Ideologia do Administrador de Empresas. São Paulo: Cortez, 3. ed., COVRE, Maria de Lourdes Manzini. A formação e a ideologia do administrador de empresas. São Paulo: Cortez, 3. ed., 1991, p. 27. CUNHA, Luiz Antônio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, DEMO, Pedro. Qualidade e modernidade da educação superior: discutindo questões de qualidade, eficiência e pertinência. Educação Brasileira. Brasília: CRUB, v. 13, n. 227, ESTADO DE MINAS, Belo Horizonte, out./1995 a mar./1996. Caderno pequenos Anúncios. FERREIRA, Ademir Antônio, SBRAGIA, Roberto. A especialização dos graduados em Administração e a formação de gerentes. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 17, 1993, Salvador. Anais... Florianópolis: Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, v.7, 1993, p FACHIN, R. C. Transferência de tecnologia administrativa, o ensino de graduação em administração e o papel da pós-graduação. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAD, 13, 1989, Anais... v.1, FURIATI, Antonio Eustáquio. Inserção no mercado de trabalho dos egressos das Escolas de Administração de Belo Horizonte In: ENCONTRO ANUAL DA ANAPAD, 18, 1994, Curitiba. Anais... Florianópolis: Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, v.6, 1994, p HERSEY, P. BLANCHARD, K. Psicologia para administradores: a teorias e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986.

9 MARCOVITCH, Jacques. A universidade (im)possível. São Paulo: Futura, MARTINS, Carlos Benedito. Surgimento e expansão dos cursos de administração no Brasil ( ). Ciência e Cultura, São Paulo, v.41, n.7, jul. 1989, p MONTEIRO JR., S. O currículo por tema no curso de graduação em administração : uma alternativa ou um complemento? In: ENCONTRO NACIONAL DA ENANPAD, 17, 1993, Salvador. Anais... Salvador: 1993, v.7. MOTTA, F.C.P. A questão da formação do Administrador. Rio de Janeiro: Revista de Administração de Empresas/FGV, V.23, n.4., outubro/dezembro 1983, p.55. ORLANDI, Eni. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, OUTTES, Lilian. Diário de Pernambuco. Recife, Caderno Gabarito, p. 2. PASTORE, J. A Agonia do Emprego. São Paulo: LTr, 1997 PEIXOTO, Madalena Guasco. A expansão do ensino superior privado após a década de 1990: parte integrante da reforma antidemocrática da educação nacional. Educativa. Goiânia: V.5, n. 1, jan/jun. 2002, p PEREIRA, B. C. de S., GIL. C. A Satisfação dos Alunos de Escolas de Administração. In: Anais do IX SEMEAD. Seminários em Administração FEA-USP. São Paulo, RODRIGUES, Marcos Vinícius Carvalho. A instrução formal: sua evolução e influência no comportamento do nível gerencial. In: ENCONTRO ANUAL DA ANAPAD, 13, 1989, Águas de São Pedro. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, v.1, 1989, p RUSSO, A J. T. O que eles pensam sobre a formação de administradores do país. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 2, n. 2, p.41-52, mar/abr SAVIANI, José Roberto. Empresabilidade. São Paulo: Makron Books, 1997 SOUZA, F. P. Temas para debate. Educação Brasileira. Brasília: CRUB, ano 1. N.3, WANDERLEY, Luiz Eduardo W. O que é universidade? São Paulo: Brasiliense. 9. ed., Coleção Primeiros Passos, 1988.

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR. Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS)

ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR. Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS) ENSINO DE RELAÇÕES PÚBLICAS: UMA PROPOSTA DE ESTRUTURA CURRICULAR Dra. Cláudia Peixoto de Moura (FAMECOS/PUCRS) Este trabalho versa sobre a aplicação das diretrizes curriculares na Comunicação Social,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

O PERFIL DOS FORMANDOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO QUANTO A ATUAÇÃO PROFISSIONAL IDENTIFICADO ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR

O PERFIL DOS FORMANDOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO QUANTO A ATUAÇÃO PROFISSIONAL IDENTIFICADO ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR O PERFIL DOS FORMANDOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO QUANTO A ATUAÇÃO PROFISSIONAL IDENTIFICADO ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR. UM ESTUDO DE CASO DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA RESUMO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012)

FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012) FACULDADE DE SÃO MARCOS Credenciada pelo MEC (Portaria 1371de 23/11/2012) MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2015 Este manual tem como objetivo orientar os candidatos do vestibular nas normas

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 06/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 03/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas prestadoras de serviços de Recrutamento e Seleção de Pessoal

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO AS POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS: EM FOCO O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Maíza Petita Barbosa - UEM 1 RESUMO: O presente estudo tem por objetivo apresentar

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO: CONCEITOS INTRODUTÓRIOS 2011 Paola Lucena dos Santos Bolsista de Iniciação Científica, CNPq Acadêmica de Psicologia pela PUC/RS, Brasil Laura Traub Acadêmica de

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

O NOVO PAPEL DO ENGENHEIRO NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO DO SÉCULO XXI COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS NO MERCADO

O NOVO PAPEL DO ENGENHEIRO NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO DO SÉCULO XXI COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS NO MERCADO O NOVO PAPEL DO ENGENHEIRO NA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO DO SÉCULO XXI COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS NO MERCADO Antonio Carlos Sá de Gusmão gusmao@metal.eeimvr.uff.br Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

Histórico dos cursos de Administração no Brasil

Histórico dos cursos de Administração no Brasil Histórico dos cursos de Administração no Brasil 1941 O ensino de Administração ganha identidade com a criação do primeiro curso, na Escola Superior de Administração de Negócios ESAN/SP, inspirado no modelo

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Ação Educativa em Espaços não Escolares Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014.

A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014. A EDUCAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO À LUZ DA PRODUÇÃO DISCENTE NAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO ENTRE 1990 2014. Resumo Fabiana Rodrigues Pereira Vidal 1 - UNISANTOS Grupo de Trabalho - Educação,

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negocios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria MEC Nº 1.150 de 25/08/10

CURSO DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria MEC Nº 1.150 de 25/08/10 CURSO DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria MEC Nº 1.150 de 25/08/10 Componente Curricular: Administração da Qualidade Código: ENGP - 504 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2014.2 Professora:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade.

Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA. Palavras-chaves: Educação lato sensu e indicadores de qualidade. Reflexões iniciais sobre indicadores de qualidade nos cursos de MBA Resumo Este artigo tem como objetivo refletir sobre a qualidade nos MBAs oferecidos por instituições de ensino no Brasil. Especificamente,

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Leila Figueiredo de Miranda

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Capacitação em Poder Judiciário

Capacitação em Poder Judiciário Capacitação em Poder Judiciário de 09 a 14 de junho Convênio da Escola Judicial do TRT-RS com a Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro FGV SUMÁRIO 1. Sobre o Curso 2. Objetivos

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ÉTICA PROFISSIONAL Código: CTB-467 Pré-requisito: ----------.Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira Elisabeth Cristina Drumm Formada em Administração, Especialista em Gestão Empresarial, Mestre em Processos e Manifestações Culturais. Professora da Urcamp. Análise da oferta e da qualidade dos cursos de

Leia mais