/;\/ 0/C 1-\ LI SfvJO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "/;\/ 0/C 1-\ LI SfvJO"

Transcrição

1 /;\/ 0/C 1-\ LI SfvJO T/10 Os Úl tiaos anos têo s i do émos de gn:mde esenvol v i oento do uovioent o sind ical d.o s e_ê. tudantes )o:ct u gu e ses. I sso deve- se G.s c onó:.;.çoes o bjectivn.s que na s ociedade portuguesa d e hoje tendeo a. transforar o oovioento es tu dat i l nuo sector i o?ortante da,lua qu co:;:-r e sponde cws i nteresses do, poplllaçô:o trabal hadora do pais, E deve- se t a.obeo a aplj.caç â:o de uoo. linba d e wa8sq.s qué eo vária.; a.ssocj a.çõe s de estudant es têo perr:ji-t i do fazr vança r o uovi:jento no caoi nho da luta. p8lo j u sto objectivo de _uo enni no. popula, AssJ.o se der ao i oportantes pe,s<>os eo frente no se ntido da c onstrução. de uoa verdadeira unida r dos estudm1tes Etuge s e. bas eada na prõ:tica de luta e no sentidc: de uoa r eal integração do oovi oento estudo.ntil na l utn ger [),l da. s oassas popula r es. Tia no entant o algm:ms a s Dciações que t o pér oanecido afastadas deste p r ocesso, por esta r eo dooinadas por dire c ções oportunistas que conduzeo o oovi oento a g r a Ye s iopasses" A r eal idade que dire ctaoe_!! te nos r espei t2. - o oovi oento e s tudantj_l ele Co icbra - r:-onst;.tui u.r.j cn.co extreoo de ste tipo, a tal ponto fo i quebrada a organização s indical e t raí da a l uta doe estudantes pelos s eus pr etensos di:r :i genteso É t:oo base na experiência ::enl do qu e te=: sido a luta e organização sindice,l ed Co i obr o. ( e a relaçâ:o entre a o r ganizaçâ:o e a luta), gu;: a firoa oos boje que o oovioento sindical dos estu dantes ele Coiobra t e;:j de.>er r:onstru1 do do e ;: ter i or das act u a i est! utur as associati-vas e c ontra o s actuais dir :i.gentes a.s s o cia't.lvos 7 isto e, - ontra a cl:i.que de burocr a.tas CODple tnnent- afas tados cas CQ. SaS que dizeo r epr e S entaro. É isto que n o s propooos ::J.z:talisar nes:. E. t exto,, E isto que ireoo s l ) ye:,r a préltica ,.,,:--:. UMA ORGAN IZÇ ÃO SINDICA AO. SE V IÇ O DO REFORl\USMO ::..:- P a r _ de re_ e str_ytr g, çã o do ;J..ovio.en:t_Q. sinq..;i.cª l d.os es- t o r na- Ge necessário ccopreender a que ponto a p r ática organizativa do M.A. s e confundiu e :i.dentifi.cou irreversi;ve l oente coo o s fins do s refor o is-::-ae" Torna -e necessário. coopreencler o total isola;.::je:-:-ito que existe e ntre o?ji. A, p or u o :;.ado e as o s s a s e a luta elas oassas por outro. Uoa carnoterí.stica fi.mdaoenta J do presente ano lectivo t eo s i do a oultip licaçâ:o de lu tas esprontâne11.s e parcelarer c oo (fj.e as G1Sso.s e2tudanti s op(,)\eo for uas prioárias de resis t ência ao cont e Údo e ao;s oétodos do e n s ino da classe de, bur guesie. o Ora., todas e ssas f or oas prioário,s de resistênci a revelao duas c onstantesg por u o l ado, os studantes r e j eitao esse ensi no; por outr o 1 o s est udmhe s. r ejeitao o I\LA, isto é. 1 rej :ü tao a pré'it i ca r e f orwi sta que co,racteriza a;:; e strut>j.ras a sscc i ati vas,, Prefe!'ec or ganiza r-se espontâneao ente, curso por curs o, par a cda filj cnc r eto 5 a ser vireo o s obj ctiv o s do s d i rigente s oportunistas " Isto só pode ser ent endido a luz da p r ática sindical dos r efo roistas AUSENC IA DE DEMOCRl.. CIA -- Os r efor oistas criaran uoa crganizaç.ão s i ndicai t o t a l oente desligada do qe se passa nas faculdades. Se o oovio ento das cassas rios seu l o c a i s d tra b a l ho assuoe alguoa anpli tude entê:o reuneo- se ae ' sábiag " cúpulas r efor r:ji_stas, t oo.n,o decisões? fa z en -na s passar por decisõe s dos e s tudantes,. tentau o r:i.entar o oovi oent o para fina lidades diferentes e opost,as ao!" i nter esses do s estudo,ntes o As oar-; so,s, ::;lar o 5 não são p ara a qui cbaoadas,. Oc re.forr:li s f,as fizeralj uo figo à. denocra cia estucl.antil Este estilo de trabalho traz ai:c.da c ouo consequ ê ncia o seg ui nte fecha-se a as s oc: açê:o 0 :: ica t u do quiet o desaparec e o oovinento, As autoridade)s agradeceo, Passa-se a l uta pela abertura da a sso c ::.açí:::o o E assio SllCessi vaoente. CONCE I TO FORl\íA L DE REPRESENTATIVIDADE -- P a r a os reforoistns, representatividade ê u oa c oisa qu e se o s tentn cooo uo prêo i o recebi do, e que s e c c nseg ue faz endo eleger oeia dúzia de buracra-;;,e,s ( o u o,spirantes a bur ;) cratas ) à volta d e un '' p r ogr aua" que nê:o diz nada para aléd dos habi tuais c lho..v ões anti- rep r e ssivos,!:jore,lizantes ou de elhoria elo, universidade burgues a.o Se a coisa pas s a ned há progr adao Representati-vidade par a e les é apa recereo qu ando c..s ;:.;.assas estão eu luta., fazer v otar ( d e pressa. ) l sto ou aquilo, e est a rei'i.il daí Pél:r a o futur o ' o andatd.dos" por esses 1:rr a ç o s l ev.:.:.nt aci.oc. Isto, claro, apór-: r. ozinhareo nas junta s a 11 vont ade das. oassc:.s" e o, s "vitóri as d o s e s t uda nten 11 ".Re j_)resentati v i dade par a e l e s? ê a i nda repr ocuzi r eo as nuas cúpu las u; las e" pa.ct ir das outras ( v indas de lioan dat os" desse t:i_ po ) e sancion ),r eu- llaf.: depois,( quando o fazeo ) eo uais UDE1 votação do oesoo géner o. Sirva- Los o t riste exenüo da c.haoada " Coo issão AssociativnL'- E, s o br etud o, repr e s entatividade, para eles, nado.. tes a v e r c od a pr6t:ca de l uta e c oo a discllssão na base. f 11 tt i'a d e.:-' Isso são peri gos a 8v j_to.r ctüdad.o sa.den't e r:3.o va ugj.r a repr esen a lv_a

2 . I Nl:'0::1iAAÇÃO DE I'Dt.T ADA - -- Par a o s r eforr.ji sta s, qu e t ant o gri tao pela l i ber dade d e i n. f o :':" I"::2:.. çé1 :) f e::i.>:; - r e r r.. J... T8 Z C SE' I c :-1 t: r;--- - c n o Jt S ') y i:.ô r 3:1 )rút i a) J :J:: c.-t i c nl: uoa i nfo r :Ja ç é:c det urpo.cb c :f=d w:aclora ê.a :-cqli C.nC:.e c ontra t1 qual ::1G ;reuos lut.l.1r -;:;o r uu<i r eal l i ber clacle ele iijf O.r::::JG<;-i1o. JúéD. e quo.se nno i n f or :-;areo s obre a l u t:1 l11.1 S faculdqde s 8 llqs OU.... Lr f'js v.d i 1r<:;rsisc.cle s 5 t t:. L n c.o o f:=vze:::1 ll: : 1i_;nr..J.. SC: uorocl:...le nt}e u. f o c :1r n.c [Ja:nif estn.çõvs du. r pre os::.,o: r o c sso s, e3 ce:ra::::jent os, pri s ões, e t c. Esccndeo o v e rdadeira c o t e d o das l u t o.s e os ob jectiv0 e 02 v i s ( caso das l u t s de s te aro e Ls oq,). N o s aoe. oa f i ng eo nn.o c t1::;.. q1. r : :=-n: e; s v é. L:;.:JJ1 C-O iis tg.:o.te : o de s ::; :c.volyilj.ento C: t Üdn s o s i. Jov i oe' -:!-,.,ns p r o- g ::: G s s},--;...::, E' i:! TC eu r u.:-1 EllfJre se ntá -.. l t1 c o J o é1 suo.. clç:;-4ecr'2 i n o n t e 7 e a.. l..l te. c ontra e 1! - c o1 1o s er.d:) c., :: l :.1a..}o ;_c,, --Y J. S."lt o.; Ass i o s a b o tcll: r.. r u ;r l CJ. l u ta. a r epre3- s n:o:,... 1! J!C I G N ;-.-s!f C B:T?. OR IC O D.lt3 :3 S Tlt-TJill1.. :-:.ls.!.\..ss OCIA.T I "\ra.s --- ils d i rec ções 9 co.=i s s ões, j u. te.s 9 :;te, c:..s Tc f:) rj i s k:l,'j s c.:.g e:stidu:'.es e.td,o -.suí':i.cier"tes qli'.:; -t8c por r\]gra ;_1.u.ero uo. de F uu CÍ ":--(1 - :,., '.l"" '""' G'""' oh o... l. nl o"'-"ç " "'" n o - dn >e" c o b e OS O;.., l e c + l -ro"' i"' i 't" OU -} V..L -.._,.J...J..._. ' ' ' '" ' -" -.L \. \..t....!t!'_::, 't:; _..J L j J -- V...:. U...l.i.:) -i, J !.:J...i.ls..::'1 O.. I.J lu. V 1--.J Ll.'C.A. U. U-> 3..& c tic a. Cl. t!.c1.gf'tc.r-= Clc.!.'Q ::-;_:18 é :::: :JSfJ:rv t:: l_ 8 1 -:l Certo R caso E o GP_p:1---las _cii scu t i!. c-t.s qlles- t C'":.:J de y: i Í.lJ i o.j :.1. f c :":- a.r o.:1 r '3 :f o.cc =i. :ta s... 1-úa.s é. e r r:1.c.o fcl.zê- l o nas c o nd.i ç õ 8 s (e. t l ::lo. 01:.. g r4niza.ç ã o tl..( O.:ré.-; i Gr: que" i-jü 3 lt o -1efG r l je oc r i ga:.t :lo lá dentro ; r\ u r.1 esti lo elo t raba l 1 o "Sri :..: i.çlclo,- prc= -- v t; 4 :.,ê.1:_g]. ec :i _ c;_::;., Ii i:ja i.. _; {}o i;_e j_sso 'J é uu g r a-v-e Ol)O r i:.,u:nisr.:lo faz ê --lo :!as c O n.d { çbos e 2a c is aço. ds o c i i v qo 3 plg saa?r6pria aaturezn bur o ctic ao ser viç O do re::!: Ol LiY_ 8: 0.. OE'tn. :=..rj.-8dgdl C',YeJ.I:1 2:nte a fd.v3tdn. r}c1s DE1S:-JEl-S e das Jt ê.g CÍ.D.-S r.j Sf1G.S. -; S- 0 os..., c.o nt----:j. a_ Gr_bst:L t;ui ç5:o... lo s l;-ur ocr-.. 1;-:,.n..s o S e:;_--:o s })r; l n s n n destrni.çgo t -ct <-1la Só o. :cestr u r açc. o - do ;:- o v J. i.j;_ ;:r: -.--.; '-- ijq.r.. 0i r çla 0CL"e 1 :tje:tu alicsjçé\ o de l ;o n. l i :n.b.a, ele!:1n:s s a.:j t) o.i - O (.leá c on s g u i :r.-: _u S?ill'rODOS SUI-! TIJ LS'i./i.S DE T!Ll-iJ31iLI{ O f unci urj.alle to bu ro c rntco d e,: cstj ru-.lj ras -a s so c in.tj_vag e L!. s u i.1.---:.!iss ão d cst éts a urja. cú.pu.l u t...oto..l i-j8j1te exteri c...c ao t:t abnll:o a. :s Bo c i u t i.vo., "...C "' c: l d"' (1 '. t ' 1 '..- '..;... ' -.L 1 - i.l.ut K _._... _.u_ c es 7 c_ :. o orlg ürj n. v O(él ).Li ü. r)re.go. c.e uec1.soes CLl -"-t üo :... :l_ü.j.s e ue e vo uos cu p tlt l S--- t as d t r e a iho pt i r d e uo a i deia de re r e s eta tivi d ade he, ada o c on eit o de oaioria S J..tencloc=a \. ze:'.j.: :v- e c ;_J.8 }lo sí.,..if e J.. e (.)_ e n e i.. 1daj o r efor :-Ji.'3tn.A t e1tta:j i_ll)ô r n, t-: t_a li-- -- nhu. ao.--_ lorie-b.t \) c., fit. ric!'ol:10r o rerjrir! =i r?::l e claq1ri_é1r8l1.-. Stl...'g ec: C'L S.C. e\ isg 2 s d e (' ) u lo. t1 vincll l n.r as,:t:tn.t.ns _, - n-===- c1o < o2 t r u. os prô )r i u s J l... og r u. i c;_j - oiu.c.l c : L:.L'1 1-:cse q_11c deve1 ino infor nar t o(ln 8t c.., d:.l--.i \ln,r.0 dc1s juntn. s. S:1. rt_:;e.:1. u.s t e :atati.,..va..s d.8 fe r p as.sf'.r J_)e l a t-).p::a o\ta., - - ":: ã o c}:) S ÕiY i [; 8::1t <. :3 0 0 :i._i 0 C i ;; o.'1 ](1 :1 i :.- Ü ::; 1..n,jo S :_ 1_[1 1 )_1-r e ( 0 S.r :; f l--'l - t f' : 0 r.n.rt i C i rt2.-::1 I1. J Q. d iri -0'8J_"J :;. t..c.!..i_z_.j- -l. l..j:b.. ;,:.J--)...-. :r;.g--e :±-"-5--±--vt-:- ( _e.l!... Ju..-1.r 1 d. fj d ill Ctn ::.Ja.s sa S u r geo n, s tg11l a t i : vn::; ele b'.j i. - o ta r a i n f o ::.J c_. ç ão e ::., ;::.; a.í'dll cj.e t e +; o s ( e 1. -J..s dé I.12,.) i ci-no. e n. t \ L" 1... ' d c. "" t;. '....L 1re1 O J :. D J. :l..:to.. c.o r o c.r ;, - ( ru-s e o n.uor"lo Gi:l.a.Ja ;,J o:"j 1. s.su._o _ Lss os }. a\.- :.t. r e ", no. uc..ls Jro:rul'l O desrps pai to rel a s pr in c p i o s da dcuo ra i ci d dü r e re ento i v ia e d o ovi oanto 8 S t - U r1 é1d.t i r. Os.:i.r:.i. ;; c; ;.l.;:.. el :rc.fo r Jj_D t n. s tei::+, :-1-rJ er1. avc.. -l,... o 1o v i Lt 11 t o ç f rv::o r - C'Ci q_ue n: l r: aelo s odo s o s a.:1o-- a. pc.<. l!. :r o Q_ll E- e l e s perderar..1 :10 '1-T.i O \,.;. =.t.et-i'j.r,j O c lprt:iie:rjo, c. t" "' l o r t:1c i<.1 uo s s u a a rug d e r Gdlrc s e atuts. lj/i FOSS O c ::; _ v_fi.dc El;FE.1 _4..SJOCI/i.Çf:.O E OS 2STTJf;J\J:PES ':; refo r :-Ji s -Gas or gu.ni ze,o -.s e fo ra. das facl es, ln u e d a s o.assac. A csc c G çã o o8nt r a liza o G ora nizaeo de todas [1 faculdade.::; a c tüa 1JO r HÉl;;) e ste.r l i gacla - DGni'mG:-,, As jnnt.ag nfl:o sno u; a crt;an.c_::;;1ç0: ::> ' ' - - nascida e d e evolv i da ns lutgs t r Gv d nus fa c u l1 a. DGB \O nj i ces c or ocrativo s e,.,i A bed:i.e:r.rte::; el a ; }_"J U} '..1; n ir e e ç[ o de.: asg o c i c.. ço.o c :suc e s so en 1 a ct u.al o e"j.te cris r.la.clo 5 de t r c o. " c N.. 'f '...,. -. ' ' - t ' J..t. _, a. o a s su c :i:c 1:-v.. -":...<3,i1ln (<11 s g r v e::r::.j ]?C"' a e. ) J.. ;_c o v é1.i lu H : Ctn. ct :!. r e c y ao e cl cn_ r o.::.1 e l L-1: se le ve L. q[lnte r Ou bc:o cu8 cu.j:jr e::j. o :ec.ado Oli!JerJ qute iô:c!.fài vj_si o r: i..stq,sn.. s 4 o, 2uLordina c ão,... _ : -_.::..:) :- : t: ;_,_ -. 1_'} 8,: { ; C'u':}et ;;: : t}. t..- - "i A.:.. : - -. _ 'r:_'!. ' : l l. -._ Qt l.: HJ.r o crat,j.c,1. c. e n re pn. r,,.ss eg '" a r qu e q,iel.l t o.:.1e. a s de c loes s o.o os s,l1o"' c:irigent e s r e- ;cr Qi stas. Sb da 8ol g an1 z aç &o s n ci i cal laaçuda n a ase, ligaca as assas, te pe r da na uta. s rg ir econst r ufj::1 a.a.sso c ioç6 A c ad o i ca de Co i bra.. :ÓE8:20LI TI!,.,il_Ç.fí.C - - Bs i, :; é uo. dcs ob j e c -L 7:vos i:j&x i_no s n q_ge os r e fo:n:ist a s se t eo deõ.i - ' cl' o l ''... f-i... L o' e e",...; "l "',.,. n '<i _l, J.; c;,. d "'"U' s s?i:o -)o1 ;'-::,.;c::1 l'a base ( que ".._,._.., l ' - 1 Jor i c.. i:::jedi o,tae:nte eo can- o. :; e ao fo,;:;e a rf'nc'l 0 ::J O "\I : oca t o ). i o pedco 'ltuü qu.er e n cpj.ac1r a o ent c: d::1s lutas parce l ">. e s., r---j 0 "'..-L r-j l ual (}_uer a:u. l i..'l P. d('.. u::i -r'"8j"o.t d.é1.de bu.rgu esa e tl f:l. s a fl\ilç UO :.: 08 +,.,e::l qu e n.p:t."' e.s G:l vll. r T e. ZOC:S 9 s 1 1.U. i ri ent c.s 1 1 ;.:;Q:o )r Ücl :_ go s ::o s es t lldl :ntes n.ão e r c "eben, r:fíc e stão p rej f\. aclo s.. (, " 1 '!o s. str:.cln:j.te s f i c..v ev:2. c o;j ü b t l i.'"' T O.S é1 o lhar ei J ;_Jura uc1 i)u.l-ií:c i o 11 9 ': isso são. ç i!'"0 <1S eso +; éri:;a o n t e r. Coo lll"'2<.1 u u C'. t...- e..!.11: nnc e der i vad o (lae r e.sr'ecti v a S d. i f e r e r1çn. ljo l i ticu.s, o s r e f oroi E:. a. s fi zera.o f:l(l : b cn:: C:c:.t r [1, ::-J. :l t-i e f' tu da t i ] cl u. : i De S i") O l j _ t. i zn; fl. 0 e rre f o r!."j[.. n Q O<> "e fo T ' <.:: ;,.t "" ' )''O"Co ' i.-:1 cooo todos. 0 8 :;: c:>ac:;- ioni\l i o s e nc o} r en -se F 'J G fraseol o!lia pro- :-e s s=. tn, 81.1-J.!.,:-. : L1Gtel -- G0 cle:r:t ro do s =: 1o -if i i"jcntos {i 9 ii.u a e o s C t.ú lj t c.. r :; de o s v :r: i enta,} P<:'L:L n :, 1....,..l J. 1--.: '- l.;..._. \,_..;. o.. _,..-...{. ; 11 r, '.:.J J Se i_:_ s fin2, d9 CJS t r a:r n, r- <- _ G i\l:, li. :- elo s :r 9f or i1 isu é u.:-j ob: t cu lo il L1 l uta do s e s tuclc.rrtes le C o j ::::tb r ê. - SÓ te oo ; :: uoo. e s pos ta: 1 só te1q s ULJ c G.s i n?:o o r g nni zer:jo-,no s r.1a b0s-e 9 e c1 cc.-da es c c l 0. eljcacla \u r s o, ei:j,. t. ' 1..c C. :t.:. O.. v. Tli,.W. _, T 1J S TN, _n -_; r_,,,_l "". f) a d turca. Lignda - o s.ns c: Elssc. s, par lc:l.;ja!lc..lo Jlé:. llóuu.(l.r :tecos o _l _.._... '-... v vu S7UDA1'-I':.' ::s :-:. 1.; C O,;:::[SE;l!

3 .-" - I Cos un :""> r -:, i- G.. o ;.-n iz â t. i. r u. do.j. J.J:! Ud. Dor Lodos E. Dte s v i c os tju ro c r O - ü l c o s - qu e s e - cara c t r?. r:l z rt::t g :!_oi.-e.-l t:j.ante?e i \ :r-e j e i t]f1 o '!tg _; r u. l i Glv.l. d e t:jp.. S E us.s:::b t t u. id n..jc r cjétodo s _ G.e tr2jbal.j:.o C:. i! j -&1.-s-'J :J.s) -"rj 8rr1.;a -- :o H J 0.. r. Q S 3 c un scg12 ido Gor d.uz:i 2.. o :.:tovioer. f; o p n.:ca c o nt e_ dos r e f c: c:.lstus? l..r:- tus.;. E :)_)'J i s t1.:.-- e;- J--C; 'it:finj - co i r e t n.oe r: t e u c o., J. i.ni1r., d G L-:te. ;::Ls e.s e le ró,..-., lct. =- ;,., r2>t: : _)C:. o 2bjc- ct i \ '"C:: -:; C;J né t -cdos =- - 0 e:..i. -Lec: D < Pu.r u,c:a- c : : J.z:., r:: ó 11t i l i ze: ::."ldn 1:18ts<loF- cl r sctc3 Joê :;- eco : L: -.ln;it e s CIf; o t.; o0je c -0.. T E:"v.o -./_lv G - rl ça :-r e; os 1::::3 SE e sentidc se 101; ; J e.:-- _:os r;. ojbe.:"' c.!j 1 i.ç f)es J.o q t.,_-: :.:J s c l o e ::;i_.ü é1d.o.) t::.. aijr=;..l.bo o,ssoc l c.,<,i v o 11 a s s uas J i z:b:t?.:e; G-i 8 : T')f::.Lti.J.A T: - Bi T.fL Lá..... Os vório.. 8:Ji ='.;Ócli 0 3 l.s t.e1 j :.',1 ;:.d.q.. c'.-::: l u o. :Joc.le:-.J s e! '" r e stlo:.i do s :1aq_u i l j (r.ls f -)j q :;cu C.-:':..i 7) f)(.t G e.s e L_ {:.ÍJ1l D luta n. i.: :-- e o. von L nc:e f -ts g :r G._d (2 ::Io..s s as d e e s tu. a11.tes (: ci- r o:rt:.::-. C:.B J.:: -u: : ur:.:.l:.o.. -::o cl : -l ir "i [;e nt es or..._-. )'--tuj:. Í.<rL C'!. c: ; 2D_-:'j::-a L) - -() ClUe o s e -t -u C:1ate3 -- r'-3 -t ;;;.I,-10-r c '. r.j 0- t2n.f-gyog :.: a2 fc'""5e n To;-Jn..J.Q. c": r-c-. "-.: rt '>"- _ J_t r..-. C - (]_l. i. o 20 qu. e e s se s J :i;_--j_ gcn,.c;s : r,:; t.tl:._c:.. rr...::-. -,:r n.:l8 i' -J :;: :1. & Jo., 1 crd -:t-.8 u r JL1:"' c. _t._ i..1 elo :.:J.o -v... i :-.Jcn.to c.'j1b _:Jt:.?SD.. S a o f r r.:: i o.-1;)or::: t. o _pelo. :- t-.:ôço -l. lr ige:.l f.s.-: P"0si,(\ j-;_2:. 7 -=cr:tv pbro.::_-t_:..o. G_\-'.tci,ci o. d.r:.. tfon a d e de l u.ta, cj2 <:: 11t 0 r::.:-.s :.]_2 ;c.:-jt:.. Jo.:;: -1_ -; és, c o?... J..-- '.:tl rj_ist:2o -.Jtl l -ti _ l)l :. c )t t: : :'{ \J \ ip.;11; o s,_-_.(-: E: ':::.. 1l)r e d esde O l e bê": - :.to -C-i.:.:. l8 S0.. '7.-""l:"b.._,:J i:1c1do ( Gr."\ o C'Jf.o ;} l)ú- l J.V.C Ct. ele o r r.lc:.j "' --L e:l 0 ::1i.i '"':.. U- ::lo c o nc i l ::.. o.ç ô:c c) :. é.1.:n.:t o r :: dc.::c..;,s i::1 1tep:J.rn.çEí.o,:,J cort s j o) :J..;:.;.e ;_tc. t,;.--ro.:j d; :fc..l. Z -2!- re caa.r n. l uta G C-E1 rr o n e.st '.C1 f:-il t 8:1 ( o rj. rrl:: nc. ;o,r[\ 1 } e cl(:: f3n l:2 c.<3 0)0 r tlc:: f 0r::.a ")C1 i. c l e s c a. ( s a r t"tl l J c.:, o :). ne:-j :"' :::,:. ') c_- _ -..:<-!tc t r... o d.3 :r- : ("tisue; : :.'J.J!'...:::2.. CÇ.l c:o t1.'":.!.. c (; }_u nao 3e....rJ_ : aj t... (. ri -tr n,i)d.sscl Qv' í p::=<t. _ J t-:1d- :SSCt:3 \ c c:r: te.i o >? a l;-.v "' c. d r:3 o; clnc de :' i r ;_,x.:.r c. C ClnSO.. ;. ;... G q : t n 9 e,;.;_: ll O..ll 1 1 t o o s cl i :..1.c_-G J;..tFE 1 ; :..-rbte :l C. i- c_-. :. r eul. i cço e:: dc v idu:gll 0 a 1 e -;G1 i c cl a..s-' : ça l.:..ja. t e:? l)re \ I. -. _..,, '. ' l t e nd i =-J 3 i :::. Jt ', e:. o. : u c.. 0 l.-.1o..11 i f r-:.'3 t, n..r - s:;, :.:n Í; 2..s ij- :::-., la - ::- c.,.::; <li.; o r G.e; J í'l ' 1 i.:-: j_) U. C <l c;-"s a_n 9 e.e ;.-: segr. cl2..:. ;- -: G-ctc n _ f.:h3_i r3tê:! c. i o. elo s fjn tucl 1- rte 0 E::- ; ;; r ['lc G ec: :cret. J r eur.lc.í0.s: 1 t-... c oztv o- caç ã o ele Ju.}Jtnf: 1 -p&-rr..., (iis ;;, r -.sn. r n.:. TJ8 t""j.g.o j _ t o :, D, :;? e,: :t:.1-s l- 1.i0.!3 --;.:--- _:_,éo.s r.. i"r e.--. ;-.r ::_(1eu_te.::-: a r e-a l C ()::J b oti. i d.uje cani f e.s:lt:.d.c. p 9 :. a r:; g r n n.i.e s :::-;:.J:iCLP. r;_c (:;,: \ 11 r.:")..n.c..,::;- ( r: n fu :t1. üg.:- '1 8.l t_,o fiss ÕE.s ele :"l.;o-r.ji.... -i e :ui i i!.c.lo )...q :"ec.r: t \) t:.s (":':Li q_;.10 ( -- a.: ;J..f.:..U.G:.i.."l.c c." ; j _ J.e J -JS nc: -.: oj=.je nt o p r- O? f i '.) J :-:--i.! _i r ; 8.::; 'J,:'à.c: c ol:j i..j1...j._ >: z,e:na.:.:.; da,_ ;J:t" fl (O :J i 3Un i d( r. 6. ti 1 t : r-::1r.. c:. n. l1-o.1 c. :;?r... r!. t entur C'"' l n_,... f'l,,c-, \Ai '---" _ n,- _ ;'"-i. ; ", _: : _.;-,... :- _.J).,,_q, _ C.; -'--. L, ""J o -.t '....:;u t.m r -. 1 r:-,;, _ u,. rl té l.. -r.;..-l.,...; ox-' t; o -',--::, ;----- _,. c,. -' v....,j-, '"' l,-. ' ::. {''-,_.. r.:'"'-.i -v..l L - " - ""'f C D....,... t ç \ "-- í "'J - '") ( :: J o t: + s c s tu. à..c:. :zj. t,es j C OJO.foi () {_-;; so rl c:; P Q."' "l: ; (' 0'3 u,-)rq,..rr - o;;!lqç"< ,.,..... '.. - _..: --_::... - r,.j, J U D :O:,Q[:' c.,. r:-,: E ', '_,.,-... :,"'.--r: , , _, '. _'.,c u::.' ; 1.8_:_: C,t_ i'"' [. \::: _- _ ; l -" ':::. 1. -t.'c _,.L 3_. _r {) C} 9 'f/..l.t.o J. S -;,0 8 -:_;.._(J ::,' J., -.',:.. ""- '_,_.._. ' -- i1 - ' j '0"j :_,,::;. IJ' - lj.. ' -l (_._,...,;.. n, e Ô.P --' t r a-;-a r a :.tl-',c:.. l:cl1i.j -- :;.-:; o.. o r ;,) :..-:;t""10 r:;r::.t,) ele -;- c>t.r;_ o c:-1 - :, c :. : (: ;. t. =-_; (:c:-+ r i \ i ; (J... c c:.1 c-.. s é1 r::j3 u.e :; -:::-.. ; A o- J.s.11 - oj., o llt,:-- o. n r <J" i H. ;:.( }. '-;.o u c Ç)t..! To c ró: -L i c o.-. ] ua 1 Q. da. R2.. t:;- i ln. D:io,;-2 c.i :f: c t!...-!.r_; _ u. nc.. :.;o 1. L 1"'- o,_ :. C'.ti i,.: Jn - i.:; J. : c,.--...o 7 :::.ts o.rl-;.j 2 : c c1 d.llz.;_u ( dn.(lo c 8 - to '-:o c Ct. : c.:' t/\ni ; Ci, ; f' o :,q :.J:.. E is-:: } c"':...---cl.c- :r f-..i. i' c;_,.- e bo, ''- e.: \_:e i..,i t,1... c -J:.1 Á a tr á> o KJ dir i gentes) a U.2L :;:;: - vr ) s i Ut.l Ç t:o U.e cj(:gj.ob:i J:i-ll.r.:é:o, Q.. (. '-)!..;.'Q,!J "! C.t "';. U. ; _,e:to }Cii r\ rlj_ t.) t. ot n.l d a D i r ec ç;:..o - -G& r l....:a -t.. ll. i'&. P HJ{ric:l. J? J_} -:-TJ.'l-!!! _fj TDE I Tü todo o - que s e r egi s-to. u c;)- rj2.io.: _ G7 "Jlt:çâG co ;:.J\rj ;:Jenj-,c r 1 :.:2 r,.0 c e pr o 2;.: s o,:; e lj tn. s :x ;Jol1-r.i.r:o s e t.'.jugf; i ç og (:-_18.. J,::l i s c...joe; u.n lo, c= I L ;. "' o G : qt.:(; r;c.:ls s en -;r ú l v :-a---: :1e ;:.;ta fl_',;:.;, l clo. c_; t o :c - n n.r nr.:1 ní e:- G-:-'e L.1 J.:C. ej i<.. c \:rl-:-!. a c on t,racl::r.ç t1o r_p:e or)gp C)-2 t:?.srl_.-e :.clc.. :.lt :s t: - l, i '" 1 L.-O (_: :r J. g C Jl t e. o p o rtuni3t s, axistfnci a dg ss2 lutc n; doss ov i uen t açsc na i1 G. bastou p a r iop9- d i r que os d i r i t;c r]_ +.JeA - con, egv.::..:: s e::-.j o c! l t. n. - -s o. cot.t ti a cl i ã c. 9 o.1.. [a iz:: r e "11 cr \. 8 vo z e si tliscorcln.:n.-te s y_ :; v :_]o acon-ij Cel: 11on. -r. r ct s _ nc 1, I.d. J C:. 8 r E Sf-) r "'ir. l..i e.o ;-:1 e ::::: :_o 1;.!i) O :-,-c n. ro r; tr n. r a, nec e ssid&dp de o r ga ni a fi G a p a r tir do bss, c ooo nic fo r a d e li gaoo s e ntre s j a "![! c- r i n s luta;-: :; u_ e: f:: G...'l e,sr:; a \ r rt.1,: c otr Lirnla-: [:\.0 J i s:) E: r :.:; a,.s... l ij0(1a ::--" e '... =_t; :.-- tt.}!c\ ss a r o :n í vel da e j ) O ll tô... n e : Ju\.ieo J_,c, c lei ç_ões c' o i ri ; 1e i. n per Í odo f o r e.o lli:! j_f.:.1_?o:-ta rl t 8 i') G ;:: : v r::!:j : :-ç;nte. F "'Z e,.,m - +.; ;......,... " ;,.t,-, (' - ; ;.... : !-....;.-li.-, :.. -: l ; ,. (_.l!_..... ;.._ u ;(... L. <.. ' J,.,.._._,. ;. ud J.lJ().-\... J....;00..:.-. C...U 8 Cl. -.l...: OA.... u.u.,.._ C -;:;; C ( [l..!. q l, :.. CJ. O..C... t...-.tr l v._,, _;_-::) \...J. <-r :..)..:.....:... _ -.r ) _.;, J. \...:. lca 'é' Ç 0s :::; r e f ol ::J j ;.: t u.[? 9 o :::..: e::-:j ce-:::.j.l.::e:s on. c: u istu. ;l.l! n;::. ) r ó.> - i c J). c d. i :--eito -:. 2 r euti i c t. c o r e - f o.lni.j::, ;.. s :")ec: :.1,. r) 0lE: t;e1 _..;:1 os s :;;; ;- -' e; -;,:;-;.'>an.tt.;s -:: -;-:J J...:1 i. i. ê.o -- o s u. i.j'... ' O :._;; rü.r.ld.-.s de c:-..,.r &.cte :c cl a r inii :. G :l te r..,n ti --- :r :3fC' --- :'"1. s - <.-..:') Li.]_.;_: : t0 r d.e u.: ::t\.1\. 8 s c: Jb Jei n --=e T a : 1.l-:l nc : e c_u8 o:.; cl i r i g0;:r-::,e.,.t a vig.rj t er:tad0 L:_ll) 8 :l.. _r, I"' (\ Lll i a, --.:.E. c c:.1 :).: i to 8 i a:t.1ço. li::j p r occ:: -s o dr llit c. c ; n r l..':- o r egi - e - de fn.ltns-; Üü.:P.::.; "!-t,:; o '}ti-_. _ n C'J L1: ) t i. ""':r.:j ud c;_l.. -; t:: 2-:..; s c.s 1.:., s t:a c_ a _:. ::- - -o 'C'. rl 9 ( ;:: r ' ::!.sist ) ;:: ia f o i t r \J { clc;., i_.-s}o3 rr:i.[;(-\ n tf S L:. :::: o sia-;j i;r os : : Guj o lj c.rei o_j _ se -.. J t8 c (. e f a.ze;:"' :- f-c t:a.r a. lut:i, d e subc t a : 5 c..._o c-: 8.:-i.""' ob i: 8 e.l 0 '..l :jc., i:;.fo r :. ej G o de ll i" l)t1d. u. ;; :Jt:LJG :.-.i. :-;1.-: n. C3 a G: :l:o \i_u2 _9_.!?_- ct i!:!_i 3 (.. i c.l :s. ;,; ::: _ f.j_, O U e o::j O i:u ;.:, ere ; g ( r:lcs é'.. i J.t o r:! clu. dg C.- r. ; r n::i.. e e6te J.J 0 8 S 2 0 t orn J u-- s e er i ci. er:< J o - o o.fn. E: tü :!e.2.tc -c L --- e r. tre o lv..... Li :Jasr;as: :- JLJ GF3tr ut, ur. s.::::..:. n d i - c ai s a c tju a.r a.:=1 _; ur u.r.j 0_J_ te, tl.o;:; olho.s el e 1.; odu. a g(-;;:: -:_, e C O l O {. ; c..ç"r(;.o d. ').-- -:--o (; C).3 :- c. I '3,(_.- s 8 E!J prov a cla r a. de: i ::..:). )0,'- :,'"3i.bii. d a cls ls 1.8 t r a :n ;: ::' o!:...:ur ;.o clt:-; ntru,

4 A COL ISSÃO.ASSOCILTIVA --- As:ei :J se crm::.1a o ÚltiDo esforço C:o s :-eforoistc,.s para t ent a r eo ::.mnter u suu c.litaà.ura s obr e o Dovioento sind ical dos estu dantes " Esta e strutura, que p r e tende dirigir a luta do s e studant es, foi f o roac,a p o r ;::;é t odos extr eoadent e cu)ulistcl.s 7 qu e esses e s tud.m:rtes ô. i :1.da h o je desconh.ec eoc Co;::J p r opostas de I nter- 11 J untas ( reuniiio su.. J r e:a do s qu a dr o s 1 ' ) c., )reten cle reo v inc l a r il si o Dc vii::.1ento5 r epr du.z:i. n do 1 'tjandô.tos 11 c, Jartir cle 1 ';::Jc.nd.uto s ' 1 dentro de, c o nc':)) çô:o o uito especi al que os r e - f oruist :-.1s t ê r. de " re;res eij.ta:t i v i dade ' 1 v Acossilclo s pela e.- o luçê'o do oovi: wnto :)n,r a f o r a dos J.i;:ites e;-:; q_ue ;_;retendei J ao.r:tê-lo í 0!3 dirigent8 s o;o rtu n ista.s nulti:;_jl icarao e f orços G.es es p erad o ijura tento,re:- c onter t odus a.s v o zes c:isco r d::1ntes d e sta i n:i. cié=;tiva bur o crtic a, e= Me dicica, eo Dir e i to, car Desportivas= n o Cit a c no Celuc, no p r oprio Con.s ell1o de Ré 1_:Jl..lb1 i cas " n-"' i\ Co ::!issô:o..:\.sej ociat.i.va :.-:tã o Zo i 3leit,a pelos c s-tuda.ntes, cas isso nô:o é seque:- o fu:j.clm:jental pois u ver dadei:ra representatividade n a sce da, p r ática de lute,, ela justeza cle"s!j'1 l ::1vra2 de o rcleo que e::1 c o,da - 1 o::1ento corr e spondao o.o nível de c onséi ncia e de r acl ic a lizaço das assa so Coe a Co n iss o Asso ciativa r etende u - s e c onstruir a d i recç&:o d o u.ov:i:"jer:to de ci.o.f.l. ;;ara bcüxo 1 fabricar:do obj o ct:'vo s para i u pôr a o s e st uda;tes --;;;:;-,;-intuit-;;-d a r o de travar a luta na ba s e. O.s r efor; listas têo oeclo das c asso,a. E tn rbzões J a ra i sso. A LATADA - - Não vrl.;.:j.os tratar aqui a questão ela l uta c ontra a Queio a, o que fare.:,o s proxi :-J au ente Dia.s a posição dor: dirigentes o )ortun ist a s f a c e a e ssa l uta, gue; no fundo,;:jentd..l, f o i a. s eguinte desligo,do s do ) r o cesso apareceo 0: Últiu a da hora par a fazer v otações à ljressão e decla rô.reo que a QueÜ.Je, não se )O Cle reo.lizar i)o r que a 11 associaçô:o e s tci fechado,", tentando assli iludir ç, luta e s t u d antil c ontr a. o ccrácter de c lasse burguês ele., Qu e i r::m, c ontra a pahl aça::j.a cios r eacç i on&ri o s qu e clefeneleo o o nsino ele classe cu as suas refor:-.jas, Dura nte o a t a.que a o c ortej o, iso lc.o -- se ao p r etendere:.:j lançar paluvras ele o r d.ec:: que os estudant es presentes j tinha.rj uj.t r a ; as sa do, Eo segui- ela, 'Jretend e;-:: ::.1o b i l izar a.s oassa s ed l:.1ta ;)ar a u"ja reun ião s o bre p r o ble, as t é cnic.os ( distribuiç ões_, etc., )! Z final:1ente, dô:o inf o r ;::a.ç õ e s_f a ls e s sobre o qu e se passou e o que S8 grito u, c o Jo 'T o,l quer e st'td.a.nte p r esente sabe :.mit o e:=. Ao l ongo dest e proc e sso, a ;)csiçô:o do s.r;:efor::jistas é clo,ra.: c o: 'o não pode::1 ic:jjed ir a d estruiçô:o da Que i s a, pr et enderj nrefor; =:Ja-- la. 11.;:, Ta..obe:J e l e s ser ê:o qu c i :=J uto s(. _.-;. -- PHATIQ"L'E: O S Ul:IA L INUJ'-.. DE 1,l.4..SSAS -- LUTE1úOS POil TJ11'1 ENS INO P OPUJ.J.AJ.1 O afu.sto,r-ler!.t J t. ota.l entre o I'i1,.!-i. a -: as.. 1o..ss n. s u:-:11. r ec...liclade evide:nte:: Ê c c.cla di a <:ais a:1ta.gónica c. c o :.1tro.d ição c;ue se)c,ra u pró,t i c o, d e luto, J o s estu cuntes c:lu::1 0 )C.r el!'o s i :o.dicc.l :.mrocriltico ao serviço c'l::j r e f or ;_JÍSI:..O' o Contra ele aeveoo c recrg anizc.r o ::.1ovi Qent o p ele. ;_)ráti(;c, c1e 1.;. linha ele LJ.O,i:'Dci..s éi.irig i cb :;;:tm a a cescussão }Jol Í tica na base., Ao i oecli a.tisno o ;Jortunista das ' 1 reivin.d ica çõe s c o ncret.1:1s 11 d8vecos O:i_JÔr a, lut a, c ontra a uni ver.si cl. adl e buq;uee' é1,. A s ''Kefornas Ger1:1is e e r.jo cráticas da Unive rsidade 11 dev e::1o s opôr a luta por u ensino o)u lar ao seriç o do s t r n bc,lhadores. A te1 utiva s de sabo t agen do :Jov i oento, deveno s opôr a lut e, c o n"tx-a. C,J ref or:.:istc:.s. A luta que o s e stu dantes portug'ieses t,re.vao a. :1Ív el no.r.. i one,l })O:t leju Unive r sidade P opular no s e i o de ua s c ciedad e transíor Ja da e dirigid a pel o s t :rabal hadores, ussu;::je actual ente d ois a8ect o s r inci p ai2: luta c ontro, o c onte o e n&t odo a de ens i n o de cla.s s e da burc uesia; lut2. p ela c o:o.qu.:'..s t(.:. na ) rtitico, d o s direito s de 10 crútic o s de livre r euniô:o 7 d i scusao e expressão. A p r o ssecu;;ão destes oijj e c t ivj s e.ci ge a p rá"(,j.ca on s t c,n t e ele u. 1a linha de uassas, isto é, exi ge a c onstruçô.:0 rn lute. d e uua. o r gcl;.nzccçô:o sindical c aja z de pers pectiva r c or.re ctuo ent,e o s objectivos e:fi r.id.o s na base J :.: e o s tron.sfor '-mr e :-:1 palavr a s d e o r de::j c o rrecas, partin do das ua.ssas_pur a v oltar s oass s. s6 a c o n s tante l igação as ;:Jassas, o i nquerit o c o nstc.:0.t e a o s e u nive l d2 c orl.sciênci n,, c;arant e a justeza ela. J.O Si:; a linha e c. c orre c çô:o cl.u nossc, _;_J rc: Li a. A iiguo, c orr E:nte não a podrec e : é ess e 0 :.Jovioen t o c onsto,nt e qu e n o s p er:_üte 2vi tor a f o s si.l zaçô:o buro c rút icc, dns e s truturas sindica is que só pode ser vir o s O) r tunistas, Na si tuaço a.cua l do no vien t a est uda nti l de Co i o b r a, a p r 6tica de uo, linha de ::1 assas i :.:J.jJÕe c o :c t-:1refn. J.Jr i nc i j)al a r LJa r él S lassas do s ins t ru...: ec-d:,o.s d e lute, d.e qu e tê;::j c areci do isto é, i ::J)Õ2 u o trabo, H:w de r e o rt_!;an i zuçéto d o ::.1ov:i:.1ento sind ical. Defen d e.jo s que c s s n r eor e;::1n i zc.çô:o deve s e r fe i t Cl. a )0rtir d o, 1:ms e, eo Ínti::m lig a ção c ou as g r a n.de.s ':J USS c s c a )a ::."tir cla.s pró, )r i a s lutu.s. Defendm 1o s que d eve Jart ir elo a l a stra n ento de g y-up o s Iit_;o, d o s ao s curso s e f or n ado s por e lenent, o s cl i rectl.lu ente c or: q ro e ti cl o s perante o tra. blho a sso c i ativo.ass i ::J se c. r antir& a po ssi b iliade de descentra

5 .. l i zaçô:o, qu e l i berte de f Of i-ls.1 or g c:1r. i zada n. i 1i c i ativa ce1 s :1a s oja s e s e cria r no no. oes oo telj)o c ondi ç õ es c ada ve z ;.mis f o.rte s para u ; ch re cçãq c o e s a elo ;:.w v i o e n t o. À f o r ::::;a or g ani z c.t iva qu e ) r O)O;:JO S c '13.i:Ja::Jos NÚc l eos Sind i c a i s de Bo,s e. os NÚCLEO S S INDi c;lis :J B.:l.SE (N :a. s I s ) A c o nst ruç ô:o do ovi og n t o sinjical l i g aa c.o t r abalho a ss o ci o t i v o, o t a - r e f c, o que :::.:etp-::: o,_:hr.!s o s l(úcle o s SinC:icctis e Bc.s e, que Jre t en ::le::; lutar e..: Coi o b r a, J el o s ()bjectivo s d o - o vi ;_jent o s trug.::. n t i l. O s n Úcleo s jó. ex i ste nte s nas f a c uldu,des C.e i ecl i c i na e :Ji reit. o e n o s Li c eus ) r o põe::j de s du j Ó., c o;_"jo bases i_jr o::_:; n.1- ' t. '., cu, 1 c as ::nn1.oc.s e.j r.y;r :i. s o r :. :;. s,)o.rc. o. c onstruç ac :le u:t s i n cli c G,l is."o d e nov o t ipo o s ecsu i ntg: l - Const i tui çãc. c.) e lj. S B ' s ei-.1 t ocbs u s esc o l a s,u fi:.j de recrg a.niz o.r o o ovi::jento s i n i c o. l o Jarti r.a: 'b 1- s c,... 1e l e1 U) li c o ç o de uu l i n hc1 de u ss u s ao tra - balho o s o c i a t i v o ; 2- Ob j e ct i v o s de lutc:1: a ) Lu t o c e ntr o o c o n t e Údo e ensin o ele cl a sse u r g u e - si o ; b ) Lu t o, )elcl c o n qui s t u na r 5t i c o do c 1 s c u s s oo o lític o. n u o se; c ) Estrutu r u ç o C1 nt i - r e f or is tcl dc:1 lut a c ontr a e1 Que i o o dos FitC1s, enqu a n t o u onife s t açuo b ur g u e s o c e clas s e ; cl ) Heo r gi.1niz o çã.o do :.w v i ne:1to sin d i c o. l a )ar t i r d o o. l astrm:::e ;J.t o do s N. S.. B 1 s., coe o o j e c t i v,; f i n o.l de exix<l s a r o s r efor o i s t cts do. Ali..C; e ) I nfon :m.çô:o s obr e a l utc1 e stmdu, "t il nc'..s outri.ls uni ve r sicl.o,cle s i n ic i a r o c oubate. Ous,;;:::o s vçju:,ê.,- l o.' t;, o tn:.bc:lho ClS>S c- ci e. tiv e n Gs NúI;;S-S i:c. cl i cn is ---. ele Dc.se! GaTUGUES:ZS No ;_w:... e nt o.:1ctus.l quu, c i n iciu,_:os c1 CÇJil.lstr u ção de u.:1 :10v i ;_}ento s i ndi cal c e.;:;az c1e lutur, e ; C o i _:b r2-...)0 l os, obj ectiy o s cig t. c:...:> S J S estu clu, n tes :)or t ugue s e s 9 [1Ss uoe ).Jl1rt i cul.1r i.<;_)ort3..ncia ;.1 iu,?stê:o ci<'1 u:ü :::a,g - \. lu :Lo c studailti l a r.í v e l nuci o n cü. Os,)r inc Í ) i o s e.1 que deve o s.:w:1t:1r C1 c o ;J.stru ç.j cl. u, uni Jcde chs e s t uclaute s po r t u c;ues.:::s s fi: o o s :.., E:K l S 21 c ue c sse1to :.1 C 'J 1 s t r uçét o r_lo.ov i..:ut _ a n Í vel le Co i <.r b r a, isto é:e1 c r e sce nte unifi c t:.1çgo ll s lut,. s n _,. r tir t..; J.'" s nv o lv i ;1e n t o.io t r :J.ba - 1 h o a s s o c i a t i v o 9 o seu a v r.nç o ;c:1 r u, rl{ v e is su1j'ér i ores a par t i r U.a all i ce1 ç c; ele u.. m lin ha de u ass Cl- S n o f 0 r t a l eci:o :s;1to,_ u. -J r go::iz :lçô:c s i rdica l. A u n i.i<llle do s estud <.l;.lt e s ;J o r tue; u e s c s ser ó. ent ô: u a expzre s, ã c o r g a :.üzativr::...lc. r e G. l uni dc:1 - e '.e lút c:1.o s e s tucan t e s e LJ v ez d e s 2 a s e ::-cr e :._i G. C:J r c.l o s er1tr e :... i r it; ente s? or i sso 9 J i s c o cl:.! ;1o s c1é:,.jo,;:; i çj: _; J. :...- s d i r i, ent2s 0)portu a i stc:. s d e Co i :.1br e1 qu e 'J.1 r "..., t "''... L..J. \.. ' 10 _ o;;:.._.. u. C"l. J t... " f: ':S v ".t) -_..u.o.., J.::!I,_ 'n t....._. é,. -.- \.,; l '"'" fu U>"...,_"i., C' U'l.... _ i \.J...,,-.l. i c..: s c... ri.>'1''..., S u,.., j >>r... ;.... t.il >r r'e _.L <...;... "' C :)... r. L '-' s :z.. e cúp u l G. e c o.:. f i :.--.s. : er c-h_:je:t e o:::.ti- r e,jr e s s ivo s,cujc- ftu,: ê:o e x J l i ca. n 0 s eu ".í:k l eti.a.ss o c i ati v o n e tl i t a r c o: :.u:1icj..dos- " só i i:;f,_ r :. v.. t i v o s '' ( i)8rce.bcl.- s e Lt.o s d. iric;gilt e s r e f o r ii s t (;,,s c.1e Co i :br c. néto c o nv é 1 c x,;l i c l1r o s c1 ti d o r e ol.'c.1-s l u t, s t retv c1dus e:1 Lis B oc:, e ne;??!'to ), c ::> ;2e;:1orar G.:,t e. s i, J)O rt ê. r t e s drj!,1. A. (!) e e stabele c 0 r c o n t a ct ;) S e n trfls és v aria s a s..o ::> Cl C1Ç6es. P or i H s o,c o n si d ro. l o s jasta e1 : o s iç-u d s nssociclç5es de L i s h oa, que f ze dei_je t1der a. c o1 str.. uçâ:c do. U!1 i <_l;.1cle d,;..:: 2.. tu c:.11.t:...:s "_:o r tuc;u a s e s el o d... s e11v o lv i : er1 t o do tr abéll ho associ f>,ti--v- o.. rns esco l as J :) cr c sc,;:1te ;:nr"l. iz n, : e!.": t o '.:"s c struturü. s s i :v:.li c a is da defi n i ção de u,, ".:r ogr a..j C1 u n i t:ír i J a "" Í Ye l u,1c io;.'l' l c o_!jas e c::t o s ) rinc(ü :J s do i:.=:o vi l J e nt o 9 a S 0 l" cli scuti cio e a.l;r ovo...:je>.. )nr t.) l S 0 s z; st ::l:"'111t '- s. SÓ u...:.. or 8ni1i z a.ç ô:o u nitó.ri u, a ssi cri a a?od e r Ó. o p3r-s o de f o r 1u e fi CGZ e J uragour c1 c:1 r ep r e s ô:o gover n l1 :.:..t e ot a l.

6 ... - '. A uni.:lu.ct2 cio s e s tucl:nt c s 1o rtu g u e s e s constr 6i-se ncj.,_) r Ó J ric:, ló,cs ic do des e nv ol V l :.i:> -_,-l u- N ,,+ u \,./\.-"'..., e st <..- c1":ltl'l..1.c..;,..";..-:. 9 J --':;. L u o L -... c u 1... V:: t..:r.;' -1, C'' '-'"' c... r "'--'ress"o oc..; J1.:' \...J.. L> 'O V... 0 T T_ 1 u. '',. c ,c \Jt..oo, l O'tl h - '-_., s. 1. 1e.. J.,..-s L -... r e f or : ü.;i u. s. As or 0 c n iz c:cç õ e s u ni tél.ri u. s o s r eior.üst::1s vive:.. l cio s l i r:; 2.cL" s c-s... cg. S.J ê.s e. or - -, 'I c -E-:J J, Á r e i:j 11.}:.) 1"' si.,c -.::;; 10 JL O J., cntr OlJl. t r o s 7 o c.j. :s o c:..l.. J-i'..::.. C'... =lo c..:1o.j) O. s c l o 9 os. G s tu -...C!. :d v e s e 1 l u t 2.. r cbei t c:.r..: 9 C'i. r.1 Í.r e l :;.l(. ci odg. l ÇLS.1.)r 0 1;ost..-:-s o.:ljortuu.ist:.. 1s ' ::.> s. iri e ::.1 t...- s,c Co i r:jb re1 9 que Jrt e :.;._:i c vi t.l r.o. t -:>vi : :.rt.j )ar a u.; n G!lC O L1t r :> :-lt..: ci,.j. l l c ontra. n. r e1_)r 0 s s ô: o. l i. u :.1 i.e1ja d o s es tu. c J :::t,.;; s :l Cvl:.L t 0. -.;.. -ve r _c :J. _ c:. un i _.. J.(lc ci:.o s r e f o r..: ist u. so J.,i.. o r t_;-1_::.-i z c ç,o u:._í t o..r i CL :J.Cl. Ci _:) :.J.cJ.ii..-.. C: o s 0 s -c..clc'...ij.tc: s )o rt ug U 2 s 2 s c J I.1str :.::.i r ::o s (: r c c..)c..z.. G c u.._) rir J S objcc t i... ifo s!.l i s tóric ::. s c'lo ::..;::;vi; ie:.:.t o stu 1c;. :..1til. Ci G sc c r tl c:.j. r t',. - ' r-., - ''. l t.,<. ' 1 Il 1 -U..'!..i J.. L,; -.,ç = J..) c o.l Q '-'UC1!.:..i. t O. e.:)8 r c1 C <.1 ) 0.. Z.lC :.1.il... LTC1 )Q S.. S U:..r O 1S 8.:. i>.!..? 1 O C'St.;UCiC1:.:: Wl. ' ' l e c o l o c a r e ssn l u t u. a o serviç o lo J CVo. S$TU:;:UNTIL 2'JE C O E : B.A ::-

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

DIRE ITO EM P RE S A RIA L

DIRE ITO EM P RE S A RIA L DIRE ITO EM P RE S A RIA L Um si n d i cato d e trab al h ad ores SI N F O, cu j a p recí p u a e ef eti va ati vi d ad e é a d e d ef en d er os d i rei tos l ab orai s d e seu s associ ad os resol veu

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil AULA S LI T E R A T U R A IN F A N T I L E J U V E N I L LI N G U A G E M D O IM A G I N Á R I O I Pr o f a. Dr a M a r i a Zil d a d a C u n h a I - Introdução A liter a t u r a inf a n t i l e juv e

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de UHIDi;.DE R:'::U16m0 OliI I DADOS DO RZLAT6aIO 1. Hur'ero:._RIl_. 2. D:J.t2, r'e preencl',jr',cnto :/~Lj'_.c~~l..L/l'~f.._... 3. Locd de o)soi'vu:';qo c10 Od:.rtq _Rrr-: _.... _.._.... 4. 5. AnGJ:os: -.--.-..

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

!"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!

!#$%& '( &)*$+,-& '( +!,& .!(,()/'& & (.!/0()/& '( (&1!23 '& ()/!& '( 34)*3, +0),( /+!3,' )35(!,3''( ('(!$ '&,.6! !"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!3/& ")/& *&0&!(7+3,3/&."!*3"$."!" " &#/()8-& '& 1!"+ '( "*%"!($ (0 (&1!"23"!3()/"'&!!$9+'3&+3:;")&/($$3

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

PALMA. Catálogo de QRCode. 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode. 3. Comece a aula. www.programapalma.com.

PALMA. Catálogo de QRCode. 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode. 3. Comece a aula. www.programapalma.com. R PALMA Programa de Alfabetização na Língua Materna Inovação, Educação e Soluções Tecnológicas Catálogo de QRCode www.programapalma.com.br 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Melhores P rát i c as p ara S eg u ran ça d e R ed es Andrey Lee E ng enh ei ro de S i s t em S erv i c e Pro v i ders a s G T S - 0 9 3 0 / M a i o / 2 0 0 7 2 0 0 7 C i s c o S y s t e m s, I n c. A

Leia mais

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos Tipo de entidade Rótulos de Linha 3101 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Aldreu 96-46-HD 37-36-XP 66-NX-49 75-IS-24 78-32-MM 3102 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Amares 25-98-LI 03-88-QU

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra &xttlt 91/li á ghl á Si!lJát tjll Czi O t içõ t t Ftz lv á git lõ: I O vi t i é fit i i l t gi t fix :;:ã;"4 l ll 1tlt xit á fi " """" t i t j it z 1 t A gitçã Iti ttt v i á g l vt bt l é itt q gã i fiíi

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Técnicas de Linearização de Sistemas

Técnicas de Linearização de Sistemas EA66 Pro. Vo Ze DCA/FEEC/Uc éccs e Lerzção e Sses Iroção ese óco vos recorrer reqüeeee éccs e lerzção e sse ão-ler e oro e oo e oerção. Iso ere qe o sse ler resle se lso co se s oeross erres e álse váls

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as.

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. I I O F I C I N A PA R A I N ST R U M E N T A L I Z A Ç Ã O D O S M A T R I C I A D O A R E S E M SA Ú D E M E N T A L P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. M o rg an

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ "#!!"# $% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ $, &-. & */0$ & 1 &#&2& &2# &* &##&* 889$ 1# &0 ' 1 &:1 && 8$;:$!& 𕬸 '( & '( ' $ &# 1 &1 & $ $ % P a í s Em pre s a Té c nic a R e s po nde nte s

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Des pacho Normativo n.º 37/2003

Des pacho Normativo n.º 37/2003 Des pacho Normativo n.º 37/2003 Cons i der ando que o Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, regulou a f or m a de emis s ão de bi lhetes de ingr esso nos recintos de es pectácul os de nat ur ez

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo

Artigo Inicial: 4 Artigo I (A Semente é a Palavra de Deus): 9 Artigo II (Alvo de Contradição): 20 Artigo III (Novo Adão e Nova Eva): 26 Artigo 1 !" #!#!$" %&''() 2 Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo IV ("São José"): 37 Artigo V ("Corpo

Leia mais

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça 6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça Vive m o s um mo m e n t o cruci al para a Igreja Cristã, onde mais do que nunca é imp ort a n

Leia mais