Bancada de visualização de escoamentos: maquetes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bancada de visualização de escoamentos: maquetes"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Bancada de visualização de escoamentos: maquetes RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO Apresentado na disciplina de Medições Térmicas ENG03108 Frederico Guilherme Müller Lucas Testa Paulino Gustavo Dias Fleck Rafael Ughini dos Santos Porto Alegre, junho de 2007.

2 2 RESUMO A visualização das características do escoamento é feita através de linhas de corrente e recirculações pela colocação de obstáculos na passagem do fluído. Foram construídas maquetes representando objetos reais para ser visualizado em 2 dimensões sob um escoamento de água e aditivos, aproximando ao máximo dos modelos reais. Para a obtenção desse escoamento utiliza-se uma mesa de visualização constituída de vidro e acrílico e um motor de pequena potência para a circulação do fluído, que em conjunto às maquetes, fabricadas em resina poliéster ou madeira chegaram bem próximo ao que ocorre na realidade com o escoamento. 1. INTRODUÇÃO Um teste com modelo deve fornecer dado que possam, por meio de transposição de escalas, fornecerem as forças, momentos e cargas dinâmicas que existiriam no protótipo em tamanho real. Que condições devem ser atendidas para se assegurar a semelhança entre os escoamentos de modelo e protótipo? Talvez o requisito mais óbvio seja que o modelo e o protótipo devem ser geometricamente semelhantes. A semelhança geométrica requer que o modelo e o protótipo tenham a mesma forma e que todas as dimensões lineares do modelo sejam relacionadas às correspondentes do protótipo por um fator de escala constante. Um segundo requisito é que os escoamentos de protótipo e de modelo sejam cinematicamente semelhantes. Dois escoamentos são cinematicamente semelhantes quando as velocidades em pontos correspondentes estão no mesmo sentido e relacionam-se em magnitude por meio de um fator de escala constante. Assim, dois escoamentos cinematicamente semelhantes também têm configurações de linhas de corrente relacionadas por um fator de escala constante. Como as fronteiras formam as linhas de corrente limítrofes, escoamentos que são cinematicamente semelhantes devem ser também geometricamente semelhantes. A semelhança cinemática requer que os regimes de escoamento sejam os mesmos para modelo e protótipo. Quando dois escoamentos têm distribuições de força tais que tipos idênticos de forças são paralelas e relacionam-se em magnitude por um fator de escala constante em todos os pontos correspondentes, então os dois escoamentos são dinamicamente semelhantes. Os requisitos para semelhança dinâmica são os mais restritivos. Semelhança cinemática requer semelhança geométrica; a semelhança cinemática é um requisito necessário, mas não suficiente, para a semelhança dinâmica. A fim de estabelecer as condições necessárias para a completa semelhança dinâmica, todas as forças que são importantes no escoamento devem ser consideradas. Dessa forma, os efeitos de forças viscosas, de forças de pressão, de forças de tensão superficial, e assim por diante, devem ser considerados. Quando existe semelhança dinâmica, os dados medidos num escoamento sobre o modelo podem ser relacionados quantitativamente com as condições de escoamento sobre o protótipo. O número de Reynolds (abreviado como Re) é, conforme FOX, R. W.; MCDONALD 2001, um número adimensional usado em mecânica dos fluidos para caracterizar um regime de escoamento de determinado fluido sobre uma superfície. É usado, por exemplo, em projetos de tubulações industriais e asas de aviões. Seu nome vem de Osborne Reynolds, físico e engenheiro irlandês. Seu significado físico é um quociente de forças de inércia entre forças de viscosidade. A grande importância do número de Reynolds é que permite avaliar a estabilidade do fluxo e pode indicar se flui de forma laminar ou turbulenta.

3 3 O número de Reynolds constitui a base do comportamento de sistemas reais, pelo uso de modelos reduzidos. Um exemplo comum é o túnel aerodinâmico onde se medem forças dessa natureza em modelos de asas de aviões. Pode-se dizer que dois sistemas são dinamicamente semelhantes se o número de Reynolds for o mesmo para ambos. Segue abaixo alguns exemplos de números de Reynolds conforme tabela encontrada no livro FOX, R. W.; MCDONALD, A. T. Introdução à Mecânica dos Fluidos, 5. ed. Rio de Janeiro:LTC, Valores típicos em escoamentos Fluxo laminar: - Espermatozóides: ~1x Fluxo de sangue no cérebro: ~1x Fluxo de sangue na aorta: ~1x10 3 Fluxo turbulento: - Pessoa nadando: ~ 4x Baleia azul: ~3x Um grande navio (RMS Queen Elizabeth 2): ~5x10 9 Logo, a intenção desse trabalho é desenvolver maquetes que melhor se aproximem das características presentes no escoamento de um fluido caso esse estivesse sendo caracterizado diante de um modelo real. 2. DESCRIÇÃO DO EXPERIMENTO 2.1. BANCADA A bancada foi construída em janeiro de 2004 por alunos da UFRGS utilizando vidro, acrílico, uma bomba de baixa potencia, dois drenos sendo que um fica no reservatório de entrada e o outro no reservatório de saída, um interruptor, dois canos de borracha para recirculação e madeira para a base da bancada. As dimensões da bancada estão especificadas na figura abaixo ( figura 1), sendo que o local destinado ao uso das maquetes elaboradas terá 40 milímetros de altura, 300 milímetros de comprimento e 285 milímetros de largura. A velocidade do escoamento do fluido, neste caso água com aditivo, medida anteriormente e muito usada para calcular as relações que serão aplicadas para caracterizar o escoamento na maquete e respeitando seu escoamento real é de 0,21 m/s.

4 4 Figura 1 Dimensões da bancada utilizada MATERIAIS UTILIZADOS NA FABRICAÇÃO DA MAQUETE Foram utilizados 2 tipos de materiais para a fabricação das maquetes. O primeiro, para produzir um bocal, foi feito a mistura entre uma resina poliéster de alta densidade e super butanox m-50, que tem o papel de catalisador na formação da maquete. Já com o intuito de facilitar a produção e aumentar a densidade do material, a fim de não precisar suporte para segurar as maquetes diante do escoamento da água, foi utilizado madeira tipo garapeira com tabuas de 50mm. Figura 2 Tubo com resina ao lado do catalisador utilizado.

5 5 Figura 3 Madeira tipo garapeira. 3. PROCEDIMENTOS O primeiro passo na definição das maquetes que serão construídas para serem usadas na bancada de visualização de escoamentos foi à análise de como o escoamento se comportaria submetido às condições do equipamento, ou seja, para largura útil da bancada igual a 285 milímetros e velocidade do escoamento igual a 210 mm/s. A idéia inicial era construir maquetes como perfis de asas de avião e seções longitudinais de automóveis, para tentar reproduzir na água o comportamento do escoamento de ar através delas. Essas idéias foram motivadas pela proximidade de tais situações com o dia-a-dia das pessoas. Durante a realização dos cálculos que iriam definir as dimensões dos modelos, entretanto, foi detectado que é impossível reproduzir escoamentos em situações de alta velocidade ou de grandes dimensões no equipamento disponibilizado. Um modelo de perfil de asa de um avião comercial durante decolagem, por exemplo, deveria medir mais de 500 metros para reproduzir fielmente as características do escoamento através do protótipo que o originou. O mesmo ocorre para a seção do automóvel, onde, considerando-se o tamanho médio do protótipo do veículo de 4500 mm com uma velocidade de 100 Km/h, seu modelo correspondente deveria medir 41 metros para reproduzir o escoamento de forma satisfatória. A maquete representando um automóvel foi construída em escala apropriada para que a bancada de visualização pudesse comportá-la, de modo a ser possível visualizar situações como o descolamento da camada-limite de suas superfícies, em função das condições de uso submetidas aos modelos DIMENSIONAMENTO DAS MAQUETES Os exemplos, como foi mencionado anteriormente, foram retirados de situações encontradas no dia-a-dia. Para o dimensionamento das maquetes, além do conhecimento do valor de algumas constantes encontradas facilmente em livros na área de mecânica dos fluidos é utilizada a fórmula para encontrar o número de Reynolds, vista abaixo (figura 4). Esta etapa é vista como a fonte principal de incertezas, visto que a simplificação realizada para fins de visualização de escoamento em uma bancada de dimensões fixas acarreta em valores diferentes aos desejáveis para a maquete possuir comportamento igual ao do modelo real, como segue na figura 5.

6 6 Figura 4 Número de Reynolds. Re modelo = Re Protótipo Figura 5 Relação entre o modelo e o protótipo. Onde, velocidade média do fluido longitude característica do fluxo viscosidade dinâmica do fluido densidade do fluido Além disso, conforme tabela encontrada no FOX, R. W.; MCDONALD segue abaixo alguns valores retirados do mesmo para efeitos de cálculo. Água (20ºC) Ar (20ºC) Densidade do fluido [Kg/m³] 998 1,2928 Viscosidade dinâmica [Pa.s] 1,003E-3 17,4E-6

7 AUTOMÓVEL Neste caso foi obtido como referência um automóvel Landau fabricado em 1977, e para fins de visualização de escoamento foi pego a seção longitudinal do mesmo, fazendo com que o mesmo tivesse a parte inferior reta e uniforme. Abaixo segue a seqüência de calculo utilizada na obtenção da maquete e seu desenho para sua fabricação. Protótipo real Comprimento característico D = 4,5 m Velocidade de operação de 100 km/h, ou seja, 27,77 m/s (velocidade de operação em auto-estrada) Fluido: ar Re = ,31 = 8,62E6 Modelo Re = 8,62E6 Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Comprimento característico D = 41,17 m Um modelo com essas dimensões é inviável, então foi construído, com o intuito de proporcionar uma boa visualização e se encaixar perfeitamente na bancada um modelo com 0,275 m de comprimento, que para as condições utilizadas na bancada (água) representaria este mesmo carro, no ar, a uma velocidade de 0,172 m/s. Modelo reduzido Comprimento característico D = 0,275 m Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Re = 57577,3 Figura 6 Dimensões da maquete.

8 ASA DE AVIÃO Protótipo real Comprimento característico D = 5,6m (corda da asa de um avião comercial próxima à fuselagem) Velocidade do fluido de 300 km/h, ou seja, 83,33 m/s (fases de decolagem ou pouso) Fluido: ar Re = ,5 Modelo Re = ,5 Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Comprimento característico D = 568,5 m Da mesma forma do que ocorreu no caso do automóvel, a opção de reproduzir a asa de avião é impraticável no equipamento em estudo, e por já existir um perfil de asa de avião produzido por um grupo anteriormente, foi decidido apenas demonstrar por meio de cálculos as dimensões caso uma maquete fosse construída fielmente. Além disso, caso fosse construído uma maquete da asa com 120 mm, esta representaria uma asa real no ar a uma velocidade de 0,06 m/s CURVA Modelo construído Diâmetro característico D = 0,08 m Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Re = 16749,75

9 9 Figura 7 Dimensionamento de uma curva BIFURCAÇÃO EM T Modelo construído Diâmetro característico D = 0,085 m Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Re = 17796,61

10 10 Figura 8 Dimensionamento de uma bifurcação em T SIMULAÇÃO DE UM BOCAL Modelo construído Diâmetro característico D = 0,115 m Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Re = 24077,76 Neste caso foram construídos duas meias-luas, a fim de posicionar o lado reto nas paredes da bancada, transformando assim o experimento em um escoamento sob uma placa de orifício. Além disso, o modelo se aproximou de um bocal real, visto que a distancia do raio da elipse do bocal chegou próximo ao valor da distancia de passagem do fluido, que é de 170 mm, seguindo especificações da norma ASME.

11 11 Figura 9 Dimensionamento de um bocal VENTURI Para a criação de uma maquete de um venturi foram realizados 2 tipos do mesmo, variando apenas o ângulo de entrada e o ângulo de saída do escoamento, porém, segundo a norma ASME, um venturi deve ter um ângulo de entrada de 21º e saída de 5º a 15º. Esta norma não foi respeitada para a criação das maquetes devido à dificuldade de produção da mesma e, também, porque com um ângulo de saída muito pequeno a visualização do descolamento da camada-limite do fluido estaria prejudicada. Modelo construído Diâmetro característico D = 0,125 m Velocidade do fluido V = 0,21 m/s Fluido: água Re = 26171,48

12 12 Figura 10 Dimensionamento do Venturi 1. Figura 11 Dimensionamento do Venturi 2.

13 13 4. FABRICAÇÃO Para produzir o bocal, após o dimensionamento da mesma, foi feito um molde de plástico revestido com papel especial para que a resina introduzida não grudasse e facilitar a retirada da mesma, conforme figuras 12 e 13. Figura 12 molde revestido. Figura 13 Preenchendo o molde após mistura resina+catalisador.

14 14 Após preencher o molde com a resina e o catalisador, foi levado o molde para o shaker, máquina que produzia vibrações com pequenas amplitudes a fim de retirar todas as bolhas de ar encontradas dentro da mistura, para que a maquete ficasse o mais homogêneo e liso possível, como ilustra figura 14 abaixo. Figura 14 Shaker em funcionamento. Depois desse processo, foi deixado o molde em descanso por 2 dias para sua completa secagem, cortado e lixado para diminuir a rugosidade da maquete e, assim, melhorar a visualização do escoamento. Contudo, nas demais maquetes, foram utilizadas madeira marcada com caneta nas dimensões desejadas e encaminhados à carpintaria da UFRGS para produção da maquete. Figura 15 Máquina de corte utilizada na carpintaria.

15 15 5. CONCLUSÕES Sabendo das limitações geradas pelas dimensões e características fixas da bancada, além das simplificações realizadas em função do fluido, considerado para fins de cálculo como água pura e de maquetes não respondendo exatamente ao que acontece nos escoamentos reais no caso da maquete produzida com o modelo do automóvel Landau. As visualizações do escoamento do fluido formando linhas de corrente e desprendimento da camada limite puderam ser feitas e se portaram muito próximo ao da realidade, comprovando o estudo teórico realizado em torno de escoamentos. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FOX, R. W.; MCDONALD, A. T. Introdução à Mecânica dos Fluidos, 5. ed. Rio de Janeiro:LTC, DEWITT, D. P.; INCROPERA, F. W. Fundamentos de Transferência de Calor e Massa, 5. ed.rio de Janeiro: LTC,

16 16 TABELA DE AVALIAÇÃO Relatório Fundamentação Instrumentação Resultados e conclusões Incertezas de medição

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento Tópicos Abordados Nesta Aula Escoamento Laminar e Turbulento. Cálculo do Número de Reynolds. Escoamento Laminar Ocorre quando as partículas de um fluido movem-se

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite.

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Escoamento externo Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Soluções numéricas, hoje um campo interessante de pesquisa e

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

Escoamentos exteriores 21

Escoamentos exteriores 21 Escoamentos exteriores 2 Figura 0.2- Variação do coeficiente de arrasto com o número de Reynolds para corpos tri-dimensionais [de White, 999]. 0.7. Força de Sustentação Os perfis alares, ou asas, têm como

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

4 Resfriamento de Óleo

4 Resfriamento de Óleo 4 Resfriamento de Óleo Para analisar o tempo de resfriamento e o fluxo de calor através das paredes do duto, considerou-se que inicialmente há um fluido quente escoando no interior da tubulação, em regime

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO Clovis Adelar Mattjie (FAHOR) cm000627@fahor.com.br Renato Ristof (FAHOR) rr000875@fahor.com.br

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS S CALHA PARSHALL REV 0-2012 MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS 1- INTRODUÇÃO O medidor Parshall desenvolvido pelo engenheiro Ralph L. Parshall, na década de 1920, nos Estados Unidos, é uma melhoria realizada

Leia mais

3 Montagem experimental

3 Montagem experimental 3 Montagem experimental Este capítulo tem o objetivo de apresentar a descrição da montagem e dos equipamentos utilizados para o desenvolvimento do trabalho experimental proposto. Primeiramente será discutida

Leia mais

Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições

Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições 3.3 Para escoamento permanente com baixos números de Reynolds (laminar) através de um tubo longo, a distribuição

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos:

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos: 196 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos 3.12 Simulação de Experiência de Reynolds Além de simular a experiência de Reynolds, objetivamos mostrar uma das muitas possibilidades de construção de uma bancada

Leia mais

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças.

Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição de forças. 14 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Objetivos da segunda aula da unidade 1: Evocar os conceitos do MRUV (movimento retilíneo uniformemente variado), do MRU (movimento retilíneo uniforme) e a decomposição

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração

Bacharelado em Farmácia. Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração Bacharelado em Farmácia Disciplina:Operações Unitárias em Indústria 8 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Filtração FILTRAÇÃO Nas indústrias de alimentos e bebidas, a filtração aparece na produção de suco

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre

a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre Tensão superficial a) Uma gota de orvalho sobre uma superfície encerada (pode ser a de um automóvel). As moléculas da água aderem fracamente à cera e fortemente entre si, então a água se junta. A tensão

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Objetivos Fenômenos de Transporte I - Conceitos Fundamentais Identificar o campo de atuação da disciplina. Conceituar as variáveis básicas trabalhadas em Fenômenos de Transporte. Explanar sobre os conceitos

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Fenômenos de Transporte I Professor(es) Edvaldo Angelo Carga horária Teoria: 04 Prática: 02 Total: 06 Código da Disciplina

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

FATOR C - RUGOSIDADE

FATOR C - RUGOSIDADE FATOR C - RUGOSIDADE Rugosidade é definida no caso particular das tubulações, aquela que tem uma anomalia interna, representada por protuberâncias, rugas ou ainda crateras em sua estrutura interna natural

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HIDRÁULICA EM SANEAMENTO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS João Pessoa, 26 de julho de 2007 Prof. Heber Pimentel Gomes

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Perda de carga linear em condutos forçados

Perda de carga linear em condutos forçados Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Perda de carga linear em condutos forçados Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO L.R.B. SARMENTO 1, G.H.S. PEREIRA FILHO 2, E.S. BARBOSA 3, S.R. de FARIAS NETO 4 e A.B. de LIMA 5 (Times New Roman

Leia mais

Perda de carga. Manuel F. Barral

Perda de carga. Manuel F. Barral Perda de carga Manuel F. Barral 1. Escoamentos em Dutos Sob-Pressão 1.1. Perda de Carga 1.1. Perda de Carga 1.. Perda de Carga Distribuída 1.. Perda de Carga Distribuída Material Rugosidade absoluta ε(mm)

Leia mais

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 203 MÓDULO 4 4.0 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO Isolamento Térmico (Transmissão de Calor) A transmissão de calor em tubulações plásticas adquire particular interesse

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 6 OBTENÇÃO DA CURVA CARACTERÍSTICA DE UMA BOMBA CENTRÍFUGA

EXPERIÊNCIA Nº 6 OBTENÇÃO DA CURVA CARACTERÍSTICA DE UMA BOMBA CENTRÍFUGA EXPERIÊNCIA Nº 6 OBTENÇÃO DA CURVA CARACTERÍSTICA DE UMA BOMBA CENTRÍFUGA. CONCEITOS ENVOLVIDOS Máquinas de fluxo Bombas centrífugas Equações de conservação Características de desempenho Altura de elevação

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

OFICINA DA PESQUISA. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br OFICINA DA PESQUISA Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br APOSTILA 4 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA Belo Horizonte Importância da Modelagem na Engenharia

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6.1. Introdução A erosão consiste na remoção do material do leito pelas forças de arrastamento que o escoamento provoca. O oposto designa-se por

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS

PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS Rubem Manoel de Braga Antônio Fernando Burkert Bueno Afonso Regully Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luís Carlos Greggianin Companhia Petroquímica

Leia mais

6 Mistura Rápida. Continuação

6 Mistura Rápida. Continuação 6 Mistura Rápida Continuação 2 Ressalto em medidor Parshall (calha Parshall): Foi idealizado por R.L. Parshall, engenheiro do Serviço de Irrigação do Departamento de Agricultura dos EUA. Originalmente

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

Comportas Stop Logs Caixa D água Calha Parshall Peneiras Estáticas Tanques e peças especiais

Comportas Stop Logs Caixa D água Calha Parshall Peneiras Estáticas Tanques e peças especiais Medidor de Vazão Calha Parshall Finalidade A Calha Parshall é um dispositivo tradicional para medição de vazão em canais abertos de líquidos fluindo por gravidade. Muito utilizado em estações de tratamento

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada VALORES DE CONSTANTES E GRANDEZAS FÍSICAS - aceleração da gravidade g = 10 m/s 2 - calor específico da água c = 1,0 cal/(g o C) = 4,2 x

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

D E P E R Í C I A T É C N I C A

D E P E R Í C I A T É C N I C A MOACYR MOLINARI perito engenheiro L A U D O D E P E R Í C I A T É C N I C A Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua, Curitiba-PR, professor universitário efetivo da UFPR e da UTFPR

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

Medindo a massa da Lua com um pêndulo

Medindo a massa da Lua com um pêndulo Medindo a massa da Lua com um pêndulo Por Hindemburg Melão Jr. [31/3/2009] Numa comunidade de Astronomia, há poucos dias um pós-doutorado pela UFRGS especialista em buracos negros declarou que seria possível

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS A) MASSA ESPECÍFICA

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO EXTRUSÃO DE TUBOS E CANOS Tubos diâmetro inferior a 12,7mm (1/2 in) Materiais mais utilizados: PE e PVC (canos), PA, POM (tubos). corte Extrusora matriz resfriamento/calibração

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO. Figura 1 Gráfico de uma calibração

MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO. Figura 1 Gráfico de uma calibração Página 1 de 14 MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO O medidor magnético de vazão, hoje muito conhecido, desenvolvido e utilizado, tem como princípio, a indução eletromagnética, descoberta em 1831 por Michael Faraday.

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil EXERCÍCIOS D 2 a. ÁRE Mecânica Vetorial ENG035 LIST DE PROLEMS DE PROV CENTRO DE GRVIDDE 1) peça representada

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Lara Talita Schneider², Gabriela Bonassa³, Valdir Guerini 4, César Augusto

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização. 2ª Fase Exame Discursivo 29/11/2015 Física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL

CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL CARACTERIZAÇÃO GEOMÉTRICA E ESTIMATIVA DO RENDIMENTO HIDRÁULICO DE UM VENTILADOR AXIAL Albert R. dos Anjos, Lucas D. N. Coelho, Glayson Q. de Souza e Jhon Goulart UnB-FGA, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica Função: destinado ao estudo da mecânica dos fluidos [dinâmica dos fluidos (manômetros de tubo fechado, bombas hidráulicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2006 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um corredor de 100 metros rasos percorre os 20 primeiros metros da corrida em 4,0 s com aceleração constante. A velocidade

Leia mais

Medida de Vazão. Vazão: quantidade de líquidos, gases ou sólidos que passa por um determinado local na unidade de tempo;

Medida de Vazão. Vazão: quantidade de líquidos, gases ou sólidos que passa por um determinado local na unidade de tempo; Medida de Vazão Medida de Vazão Vazão: quantidade de líquidos, gases ou sólidos que passa por um determinado local na unidade de tempo; Unidade de medida (SI): m 3 /s Outras unidades: litros/min, m 3 /hora,

Leia mais

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL Autores*: Cesar de Araujo Góss Filho 1 Gustavo André Leitis 2 INTRODUÇÃO A seção de formação da folha de uma máquina de papel é onde aproximadamente

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 44 4 Materiais e Métodos Nesse capítulo estão apresentados os materiais e a metodologia de caracterização usada. Definido que o melhor material para fabricação da escova era o poliuretano derivado do óleo

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED Capacidade de 3 a 50TR Estrutura em perfil de alumínio extrudado Tampas rechapeadas e facilmente removíveis Pintura eletrostática a pó Várias opções de montagem e acabamentos

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 REGULAMENTO DO 22º CONCURSO 1/12 APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a capacidade dos competidores no desenvolvimento de elementos estruturais que resistam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Experimento para aproveitamento de resíduos oriundos do processo de usinagem.

Experimento para aproveitamento de resíduos oriundos do processo de usinagem. Experimento para aproveitamento de resíduos oriundos do processo de usinagem. Resumo O artigo apresentado trata do desenvolvimento de corpos de estudo para aproveitamento de resíduos, tanto na confecção

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a 19 2006 Influência dos carregamentos

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 8) Recife - PE

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO Pedro José Moacyr Rangel Neto pedrorangel@pucrs.br PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015 Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 05 Conteúdo Matemática Financeira e Estatística: Razão; Proporção; Porcentagem; Juros simples e compostos; Descontos simples; Média Aritmética; Mediana; Moda.

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 2 INTRODUÇÃO Na saída do floculador espera-se: que toda a matéria em suspensão esteja aglutinada,

Leia mais