PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS Rubem Manoel de Braga Antônio Fernando Burkert Bueno Afonso Regully Universidade Federal do Rio Grande do Sul Luís Carlos Greggianin Companhia Petroquímica do Sul Trabalho apresentado na 6 a COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos, Salvador/BA, 19 a 21 de agosto de As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do (s) autor(es).

2 PROCEDIMENTO DE ULTRA-SOM PARA INSPEÇÃO DE WELDOLETS SINÓPSE Os weldolets são utilizados em linhas de vapor de super alta pressão. Em aplicações de elementos finitos, foi prevista a localização da trinca mais crítica e provável de ocorrer nesse componente. No presente trabalho foi desenvolvido um procedimento de ensaio por ultra-som para detectar esse tipo de trinca, sendo inicialmente construído um modelo físico para teste e posteriormente utilizado em campo. 1 INTRODUÇÃO No trabalho de avaliação de um sistema de vapor de superalta pressão (linha de VS) chegou-se à conclusão de que havia a possibilidade de existirem trincas longitudinais no cotovelo interno de alguns pontos da linha com weldolets. Observando-se o formato provável das trincas (figura 1), conclui-se que a única possibilidade de detecção das mesmas era por ensaio de ultra-som. Observa-se que as possíveis trincas são internas e ocorrem apenas no tubo com maior diâmetro, localizando-se num plano definido pelos eixos da tubulação principal e do weldolet. Derivação Tubulação principal Weldolet Figura 1: Desenho esquemático do componente. As trincas internas previstas estão indicadas por setas. 2 PROCEDIMENTO DE ENSAIO: 2.1 Trajetória do feixe sônico: O ensaio foi idealizado com a finalidade de determinar se existiam ou não as trincas mostradas na figura 1, pois um estudo preliminar indicou que não teríamos como posicionar o transdutor para dimensioná-las devido ao grande volume de material depositado por soldagem e ao próprio desenho do componente, composto por três peças soldadas entre si.

3 Na figura 2 pode-se observar a trajetória pretendida para o feixe sônico. A idéia básica foi posicionar o transdutor de tal maneira que o eixo central do feixe sônico atingisse o vértice definido pelos planos formados pela trinca, pelo furo de adaptação para soldar o weldolet e pelo furo do tubo supostamente trincado. Essa foi a posição que se imaginou para o transdutor que possibilitaria a melhor reflexão para o sinal, pois nas demais o sinal se perderia ou a trinca seria atingida com o feixe sônico paralelo ao seu plano e dificilmente daria um sinal aceitável. Para maximizar o eco, imaginou-se emitir o feixe sônico um plano passando pelo vértice da trinca e fazendo um ângulo de 45 o com o eixo do tubo. O componente foi desenhado em 3D e foi simulado o feixe sônico de transdutores com diferentes ângulos para ver qual o que possibilitava atingir o vértice sem atingir a parede interna do tubo, conforme mostrado na figura 2. Figura 2: Detalhe do feixe sônico e da trinca. Ao atingir o vértice da trinca, o eco que retorna ao transdutor é maximizado. Na simulação concluiu-se que, para todos os weldolets estudados, o ângulo de 60 o satisfazia essa condição. O de 45 o, apesar de sua excelente reflexão, não podia ser posicionado porque ficaria sob a solda e o de 70 o não poderia ser utilizado porque o feixe sônico atingiria a parede interna do tubo. A figura 3 mostra a disposição dos transdutores de 60 o para que o eixo central do feixe sônico consiga atingir o vértice da trinca. O ângulo indicado para posicionar os transdutores em relação ao eixo do tubo é 45 º.

4 45 o Figura 3: Vista superior do componente. Observa-se a posição dos transdutores a 45 o do eixo, apontando para a região da trinca. A Tabela 1, apresentada a seguir, indica os percursos sônicos calculados do feixe obtido na simulação dos ensaios com o transdutor de 60 o. Estes valores orientariam a inspeção caso fosse detectada algum tipo de descontinuidade no ensaio. Componente com Weldolet ( ) Tabela 1 Percursos Sônicos Calculados na Simulação Distância do weldolet d Percurso sônico calculado para 60 o 24x20 39,0 153,5 16x8 31,0 108,9 16x6 39,6 108,9 10x4 30,7 83,5 8x3 22,3 68,0 2.2 Simulação da trinca: Foi utilizada para simular a trinca uma amostra disponível da linha de VS de 20 de diâmetro, Sch. 160, na qual se abriu um furo do mesmo diâmetro do furo do weldolet de 16 e se simulou uma trinca com 10mm de profundidade e espessura de 0,8mm. Posteriormente foram usinados mais dois entalhes simulando trincas, sendo um com 5mm e outro com 15mm, ambos numa região cortada por oxicorte e sem dar acabamento. A finalidade dessas trincas foi treinar os inspetores de ultra-som que iriam examinar os weldolets na Parada.

5 A figura 4 mostra como ficou o corpo de prova para simulação das trincas nos weldolets. Observa-se o arco usinado correspondente ao furo do weldolet, um arco de raio maior delimitando a região limite onde poderia passar o transdutor e as linhas a 45 o em relação ao eixo do tubo que orientariam o posicionamento do transdutor. Todas as trincas que eventualmente ocorram em campo serão semelhantes à trinca de 10mm simulada. 45 o Figura 4: Corpo de prova utilizado para simular uma trinca com 10mm de profundidade na região onde se supõe possam existir trincas. Observa-se a posição do transdutor a 45 o do eixo do tubo. 3 ENSAIOS DE ULTRA-SOM: Os ensaios foram feitos baseados nos resultados da simulação, utilizando-se os transdutores a seguir indicados: - S6WB5WM, de 5MHz, transdutor normal montado em sapata de 60 o, fabricado pela Karl Deutsch; - K4-60, de 4MHz, transdutor angular de 60 o fabricado pela Eddytronic. Inicialmente foi determinada a abertura do feixe sônico nos dois transdutores e então foram feitos os ensaios com os dois transdutores, conforme indicado a seguir: 3.1 Abertura do feixe sônico: A medição da abertura do feixe sônico foi feita pelo método dos 6dB e os resultados constam nos gráficos 1 e 2, respectivamente para o transdutor S6WB5WM da Karl Deutsch e K4-60 da Eddytronic. A Tabela 2, apresentada a seguir, permite comparar as aberturas do feixe sônico dos dois transdutores utilizados:

6 Percurso sônico Tabela 2: Abertura do Feixe Sônico dos Transdutores Transdutor S6WB5WM com sapata de 60 o Karl Deutsch Abertura do Ganho para feixe sônico H=80% Transdutor K4-60 o Eddytronic Abertura do feixe sônico Ganho para H=80% 20 6,4 44 6, , , , , , , , , , , , , , ,7 77 Abertura do feixe sônico Percurso sônico S6WB5WM K4-60 Gráfico 1: Gráfico comparativo das aberturas do feixe sônico dos transdutores S6WB5WM (Karl Deutsch) e K4-60 (Eddytronic).

7 3.2 Ensaios do corpo de prova com a trinca simulada: O corpo de prova no qual foi simulada uma trinca, mostrado na figura 4, foi ensaiado com os dois transdutores. O posicionamento dos transdutores no corpo de prova da simulação foi na área indicada pela figura 4, isto é, logo após a marca indicativa da posição ocupada pelo weldolet e na intersecção de um plano a 45 o com o tubo. Nos ensaios realizados em laboratório verificou-se que é possível detectar a trinca com sinal a 80% de altura na tela. Os valores dos ganhos e percursos sônicos obtidos constam na Tabela 3: - Transdutor S6WB5WM: Ganho: 78dB Percurso sônico: 147,0mm - Transdutor K4-60: Ganho: 76dB Percurso sônico: 146,5mm 3.3 Trabalhos de campo: Durante a parada geral de manutenção os weldolets julgados mais críticos foram inspecionados de acordo com o procedimento descrito, tendo sido constatada a trinca prevista em um weldolet. O tempo de operação da linha era de h quando foi realizada a inspeção. 4 CONCLUSÕES: a) O ensaio de ultra-som pode ser utilizado para detectar as trincas dos weldolets previstas para ocorrerem nos trabalhos por elementos finitos, desde que sejam observadas as seguintes condições: a 1 ) Utilizar transdutor angular de 60 o, preferencialmente com freqüência de 4MHz ou superior; a 2 )Posicionar o transdutor na linha definida pela intersecção de um plano a 45 o do eixo do tubo e passando pelo vértice da trinca; a 3 )Utilizar ganho de varredura superior a 75dB caso sejam utilizados os transdutores K4-60 da Eddytronic, S6WB5WM da Karl Deutsch ou similares; b) O dimensionamento dessas trincas não pode ser feito. Caso sejam detectadas, pode-se determinar o comprimento aproximado no sentido do eixo do tubo, mas não no sentido da espessura da parede; c) Sempre fazer o ensaio posicionando o transdutor por um lado e após pelo outro para confirmar eventuais trincas detectadas; d) Pesquisar sinais próximos ao da trinca para certificar-se de que o sinal tido como originado pela trinca não seja sinal de reflexões em irregularidades de oxicorte. 5 BIBLIOGRAFIA - Camerini, C.S. Probabilidade de detecção de defeito utilizando curvas de correção de atenuação da atenuação em função da distância II Seminário Nacional de Ensaios Não Destrutivos, SP

8 - Krautkrämer, Ultrasonic Testing of Materials - Third Ediction Norma N Petrobrás - Ensaio Não-Destrutivo - Ultra-Som. - Norma N Petrobrás - Inspeção de Soldas - Ultra-Som. 6 AGRADECIMENTOS - À Companhia Petroquímica do Sul - COPESUL pela oportunidade de realizar esse trabalho; - Ao CNPQ e à UFRGS pelo incentivo à pesquisa aplicada na Universidade; - Ao Eng. Gabriel Tarnowski, mestrando da UFRGS, pela cooperação nos trabalhos de simulação do feixe sônico; - Ao técnico em ultra-som Jésus de Almeida, da Ultra Teste, pelas sugestões práticas e trabalhos de campo.

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO

APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO 12 a Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ 2013 047 APLICAÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DETECÇÃO, DIMENSIONAMENTO E MAPEAMENTO DE DANOS POR HIDROGÊNIO EM COLUNA LAVADORA DE CARBONO Mauro

Leia mais

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011 Página: 1 de 29 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultra-som para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas de acordo com o Sistema Nacional

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA. Trabalho apresentado na 6a COTEQ Conferência

Leia mais

NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO

NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO NOVA TÉCNICA DE ENSAIOS POR CORRENTES PARASITAS DE TUBOS COM COSTURA DURANTE O PROCESSO DE FABRICAÇÃO Autor: Alejandro Spoerer Empresa: Polimeter Comércio e Representações Ltda. Palavras-chaves: ensaio

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS CURSO DE ENGENHARIA METALÚRGICA PROJETO FINAL DE CURSO AVALIAÇÃO DE SENSIBILIDADE DA TÉCNICA DE ULTRASSOM ATRAVÉS

Leia mais

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 80 3. MATERIAIS E MÉTODOS Para este estudo foram adotados dois tipos de materiais diferentes, um metálico (material 1) e outro compósito (material 2). Amostras destes materiais foram obtidas em produtos

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Bancada de visualização de escoamentos: maquetes RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Palavras chave: defeitos de solda, pulso eco, redes neurais artificiais, transformada de wavelet

Palavras chave: defeitos de solda, pulso eco, redes neurais artificiais, transformada de wavelet DETECÇÃO DE DEFEITOS EM JUNTAS SOLDADAS UTILIZANDO UM CLASSIFICADOR NEURAL ALIMENTADO POR SINAIS ULTRASSÔNICOS PRÉ- PROCESSADOS PELA TRANSFORMADA DE WAVELET Francisco G. de Paula¹, Maria Cléa S. de Albuquerque

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS

NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS NBR 5599 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS 1 OBJETIVO 1.1 Esta norma fixa as condições exigíveis para encomenda, fabricação e fornecimento de tubos de aço-carbono de precisão, com costura, trefilados, com diâmetros

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

ANÁLISE DA INSPEÇÃO ULTRA-SÕNICA DE TUBOS DE AÇO HK 40 UTILIZADOS EM FORNOS DE PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE PETRÓLEO

ANÁLISE DA INSPEÇÃO ULTRA-SÕNICA DE TUBOS DE AÇO HK 40 UTILIZADOS EM FORNOS DE PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE PETRÓLEO ANÁLISE DA INSPEÇÃO ULTRA-SÕNICA DE TUBOS DE AÇO HK 40 UTILIZADOS EM FORNOS DE PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE PETRÓLEO Eduardo Josè Staszczak e-mail: sagaconsult@aol.com João Marcos Alcoforado Rebello Laboratório

Leia mais

CONAEND&IEV 071 DETECÇÃO DE DEFEITOS EM JUNTAS ADESIVADAS DE TUBOS COMPÓSITOS

CONAEND&IEV 071 DETECÇÃO DE DEFEITOS EM JUNTAS ADESIVADAS DE TUBOS COMPÓSITOS CONAEND&IEV 071 DETECÇÃO DE DEFEITOS EM JUNTAS ADESIVADAS DE TUBOS COMPÓSITOS COM SHEAROGRAFIA, TERMOGRAFIA E ULTRA-SOM Daniel P. Willemann 1, Carla A. Marinho 2, Sérgio Damasceno Soares 2, Armando Albertazzi

Leia mais

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla A UU L AL A Ensaios visuais END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla que identifica o novo grupo de ensaios que você vai estudar nesta e nas próximas aulas deste módulo: os ensaios não destrutivos.

Leia mais

ESTUDO DA ATENUAÇÃO SÔNICA EM AÇOS INOXIDÁVEIS

ESTUDO DA ATENUAÇÃO SÔNICA EM AÇOS INOXIDÁVEIS ESTUDO DA ATENUAÇÃO SÔNICA EM AÇOS INOXIDÁVEIS Ivonilton RAMOS JUNIOR (1); Lucas PEREIRA (2);Igor RIBEIRO(3); Cláudia Teresa FARIAS (4); Maria Dorotéia SOBRAL (5); Raimundo Jorge PARANHOS (6) (1) IFBA,

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

GRINSP. Monitoramento preciso da evolução de um defeito de fabricação. ENDs AVANÇADOS. Mauro Duque de Araujo Arilson Rodrigues da Silva

GRINSP. Monitoramento preciso da evolução de um defeito de fabricação. ENDs AVANÇADOS. Mauro Duque de Araujo Arilson Rodrigues da Silva GRINSP Monitoramento preciso da evolução de um defeito de fabricação ENDs AVANÇADOS Mauro Duque de Araujo Arilson Rodrigues da Silva Caso 1 Reator Defeito fabricação na BV Monitoramento TH Monitoramento

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS

INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS Edson Vasques Moreira cfbevm@confab.com.br João Maurício Godoy cfbjmg@confab.com.br Luiz Fernando Marcondes Moreira cfblfm@confab.com.br

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

E-QP-EUS-011 1 OBJETIVO 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 TERMINOLOGIA 4 MODALIDADES 5 REGRAS GERAIS. Apresentação

E-QP-EUS-011 1 OBJETIVO 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 TERMINOLOGIA 4 MODALIDADES 5 REGRAS GERAIS. Apresentação ULTRASSOM - TOFD INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA Rua São Januário, 187 São Cristóvão Rio de Janeiro

Leia mais

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS O transporte de sólidos é bastante utilizado em plantas de mineração, onde o desgaste por abrasão é um dos aspectos preponderantes, entretanto a

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA*

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TUBOS DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO COM E SEM COSTURA* Eng Elie Setton Engenheiro Metalurgista - Depto. da Qualidade - Inoxtubos S/A. Resumo Tubos em aços inoxidáveis podem ser

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento.

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta

Leia mais

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND.

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND. 1. OBJETIVO PP-5EN-0063 Fornecer ao candidato no Processo de Qualificação de Pessoal para Inspetores de END Ultrassom PHASED ARRAY, as instruções necessárias para o exame prático no ensaio não destrutivo

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE E COMPARAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA DAS TENSÕES EXERCIDAS EM CURVAS DE EXPANSÃO DE LINHAS DE VAPOR

TÍTULO: ANÁLISE E COMPARAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA DAS TENSÕES EXERCIDAS EM CURVAS DE EXPANSÃO DE LINHAS DE VAPOR TÍTULO: ANÁLISE E COMPARAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA DAS TENSÕES EXERCIDAS EM CURVAS DE EXPANSÃO DE LINHAS DE VAPOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Nível Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Medir a variável nível em processos industriais é quantificar referenciais por meio da monitoração contínua ou discreta com o objetivo de avaliar

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 2003 303 ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TIJOLO DE SOLO CIMENTO PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL CONSIDERANDO-SE AS PRINCIPAIS PROPRIEDADES REQUERIDAS PARA O TIJOLO E O PROCESSO DE PRODUÇÃO EMPREGADO.

Leia mais

ENSAIO POR ULTRA-SOM EM CHAPAS GROSSAS PRODUZIDAS NA USIMINAS UTILIZANDO O MÉTODO DE IMERSÃO (1)

ENSAIO POR ULTRA-SOM EM CHAPAS GROSSAS PRODUZIDAS NA USIMINAS UTILIZANDO O MÉTODO DE IMERSÃO (1) ENSAIO POR ULTRA-SOM EM CHAPAS GROSSAS PRODUZIDAS NA USIMINAS UTILIZANDO O MÉTODO DE IMERSÃO (1) RESUMO Edmar Uzai Martins (2) João Maurício d'aparecida Melo (3) Mauro Ramon Dias (4) A USIMINAS desenvolveu

Leia mais

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, novembro de 2001

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579.

INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. INSPEÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO UTILIZANDO ENSAIO DE ULTRA- SOM COMPUTADORIZADO E A NORMA API RP 579. Celso Mário Ferreira dos Santos PETROBRAS/UN-BA/ST/EMI. Antonio Alves Gama PETROBRAS/UN-BA/APMG/SMS. José

Leia mais

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos

Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Análise da dispersão do fluxo magnético em ensaios não destrutivos Pedro Henrique Viveiros Maravilha* Resumo Este artigo tem como objetivo demonstrar a utilização de técnicas magnéticas em ensaios não

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 4/5: 11. Cotagem 12. Escala Prof. Víctor O. Gamarra

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM HENRIQUE TROMBINI 1, ALINE GUERRA DYTZ 2 RESUMO Neste trabalho foram realizadas várias imagens radiográficas de um modelo de

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR DE VAPOR COM REALIMENTAÇÃO

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR DE VAPOR COM REALIMENTAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM GERADOR

Leia mais

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO 1. TODAS AS VIATURAS DEVERÃO ESTAR OBRIGATORIAMENTE EQUIPADAS COM: 1.1. - Armação de Segurança constituída por: a) Arco Principal:

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 16 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Sistema Automático De Inspeção De Grandes Superfícies Metálicas Por Ultra-Som Multiplexado

Sistema Automático De Inspeção De Grandes Superfícies Metálicas Por Ultra-Som Multiplexado Sistema Automático De Inspeção De Grandes Superfícies Metálicas Por Ultra-Som Multiplexado "A aquisição dos sinais é feita por meio de digitalizadores de alta velocidade. As vantagens de tal sistema são:

Leia mais

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 1. Um cientista está no seu moinho, no topo de uma falésia junto à costa marítima, apontando o seu pequeno radiotelescópio para uma estrela

Leia mais

INSTRUMENTO PARA VERIFICAÇÃO DE ALTURA IPEM-PR

INSTRUMENTO PARA VERIFICAÇÃO DE ALTURA IPEM-PR INSTRUMENTO PARA VERIFICAÇÃO DE ALTURA IPEM-PR 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1. RESUMO: INSTRUMENTO PARA VERIFICAÇÃO DE ALTURA IPEM-PR Com a finalidade de complementar os serviços de Verificação Metrológica

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 Autores: Gabriel Alvisio Wolfart; Ghisana Fedrigo;.Mario Wolfart Junior Apresentador por trabalho: Gabriel

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

E-QP-EUS-034 REV. 0 24/01/2013

E-QP-EUS-034 REV. 0 24/01/2013 PROCEDIMENTO DE END ULTRASSOM COMPUTADORIZADO PELA TÉCNICA PHASED ARRAY INSPEÇÃO DE SOLDAS Procedimento Operacional ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO Os comentários e sugestões referentes

Leia mais

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL Procedimento Geral ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO ST SERVIÇOS TÉCNICOS Os comentários e sugestões referentes a este documento devem

Leia mais

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK

REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK REPARAÇÃO DE DEFEITOS INTERNOS E EXTERNOS EM DUTOS ATRAVÉS DE MANGAS EXTERNAS DE MATERIAIS COMPOSTOS FORNECIDAS PELA STRONGBACK Autor Luiz Cláudio de Marco Meniconi (PETROBRAS/CENPES/PDEP/TMEC) Participantes

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

2. APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND.

2. APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND. 1. OBJETIVO 1.1 Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultrassom computadorizado pela técnica de Phased Array, para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas.

Leia mais

MÓDULO 5 5.1 - REDES E RAMAIS DE ÁGUA. Tubos: NBR 15.561; NBR8417; NTS 048; NTS 194; EN 12.201-22. Conexões Soldáveis: NBR 15.593;NTS 193; EN 12.

MÓDULO 5 5.1 - REDES E RAMAIS DE ÁGUA. Tubos: NBR 15.561; NBR8417; NTS 048; NTS 194; EN 12.201-22. Conexões Soldáveis: NBR 15.593;NTS 193; EN 12. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS ABPE MÓDULO 5 5.1 REDES E RAMAIS DE ÁGUA 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; NBR8417; NTS 048; NTS 194; EN 12.20122 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;NTS 193; EN 12. Diretrizes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação.

Com a introdução da automatização, os calibradores no entanto, vão perdendo a sua importância dentro do processo de fabricação. Capítulo 7 CALIBRADORES 7.1 INTRODUÇÃO Calibradores são padrões geométricos corporificados largamente empregadas na indústria metal-mecânica. Na fabricação de peças sujeitas a ajuste, as respectivas dimensões

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

Parâmetros de rugosidade

Parâmetros de rugosidade Parâmetros de rugosidade A UU L AL A A superfície de peças apresenta perfis bastante diferentes entre si. As saliências e reentrâncias (rugosidade) são irregulares. Para dar acabamento adequado às superfícies

Leia mais

Rubem Manoel de Braga - LAMEF UFRGS Henrique Anderson Beker - LAMEF UFRGS Afonso Reguly - LAMEF UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rubem Manoel de Braga - LAMEF UFRGS Henrique Anderson Beker - LAMEF UFRGS Afonso Reguly - LAMEF UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul SONDA PARA MEDIR A ESPESSURA RESIDUAL DE CILINDROS DE MOTORES Rubem Manoel de Braga - LAMEF UFRGS Henrique Anderson Beker - LAMEF UFRGS Afonso Reguly - LAMEF UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE VAPOR DE SUPERALTA PRESSÃO

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE VAPOR DE SUPERALTA PRESSÃO AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE VAPOR DE SUPERALTA PRESSÃO Antônio Fernando Burkert Bueno UNIVERSIDADE FEDERAL DO RGS Telmo Roberto Strohaecker UNIVERSIDADE FEDERAL DO RGS Rubens Manoel Braga UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

Simulado ENEM: Matemática

Simulado ENEM: Matemática Simulado ENEM: Matemática Questão 1 Cinco diretores de uma grande companhia, doutores Arnaldo, Bernardo, Cristiano, Denis e Eduardo, estão sentados em uma mesa redonda, em sentido horário, para uma reunião

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A MONTAGEM LEIA ATENTAMENTE O CONTEÚDO DESTE MANUAL. A PRESSA PODE LEVAR A DANOS IRREPARÁVEIS NO EQUIPAMENTO. 1.

Leia mais

ENSAIO TECNOLÓGICOS DE MATERIAIS

ENSAIO TECNOLÓGICOS DE MATERIAIS Prof. Engº Marcos A. Gasparin dos Santos Email: m.gasparin@globo.com Departamento de Mecânica/Mecatrônica Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza ETEC JORGE STREET 1 ÍTENS BASE TECNOLÓGICAS

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA Inspecionando Engrenagens utilizando ECA em substituição aos ensaios de Líquido Penetrante e Partículas Magnéticas Rafael Ornelas Coordenador de Vendas Técnicas Representante Comercial de equipamentos

Leia mais

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra.

Teoria das dobras. 1. Não há estabilidade de pé, portanto resistência nula. Sem dobra. Teoria das dobras Eng Josemairon Prado Pereira I. INTRODUÇÃO A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras. No caso do aço é a proteção da chapa lisa através

Leia mais

FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda.

FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda. FAREX - Com. de Máquinas Ltda. Hydra-Tools Indl. e Coml. Ltda. Manual de Instruções Maquina Hidráulica de Curvar Tubos Série CTN-4 A máquina de curvar tubos da série CTN-4, foi desenvolvida para curvar

Leia mais

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega

C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o. Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t ro O p e r a t i vo e d e Te c n o l o g i a d e R e ga d i o Laboratório de Testes de Equipamentos de Rega C e n t r o O p e r a t i v o e d e T e c n o l o g i a d e R e g a d i o 1 Introdução

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos:

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos: Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível Houve, no Brasil, uma lacuna na normalização de Instalações Internas de Gás Combustível durante um grande período, pois a norma brasileira que tratava

Leia mais

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO COM TELAS SOLDADAS CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas são armaduras prontas para concreto armado, produzidas com aço de alta resistência (CA 60),

Leia mais

Divisão Elétrica/Hidráulica

Divisão Elétrica/Hidráulica Divisão Elétrica/Hidráulica CARBINOX. O Brasil passa por aqui. Elétrica/Hidráulica A Carbinox é uma empresa que atua há 30 anos fornecendo soluções sob medida para impulsionar o desenvolvimento da economia.

Leia mais