PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site-

2 INICIANDO O ESTUDO História: 1908 matemático A. K. Erlang central telefônica de Copenhagen objetivo: ligações prontamente atendidas problema: dimensionar para não haver congestionamentos solução: MODELAGEM

3 Modelagem matemática de Erlang Erlang desenvolveu um modelo para o sistema da central telefônica chamadas chegam aleatoriamente na central produzem ou não conexão, dependendo da disponibilidade de linhas havendo linha, a ligação é imediata não havendo, usuário recebe sinal de ocupado e ligação é perdida deverá tentar posteriormente

4 Modelagem matemática Erlang desenvolveu um modelo para o sistema SISTEMA: Conjunto de entidades que interagem com o objetivo de atingir algum fim lógico.

5 Modelagem matemática MODELO: Para estudar um sistema é preciso estabelecer pressupostos a respeito de seu funcionamento. Esses tomam a forma de expressões matemáticas ou lógicas que constituem o modelo.

6 TEORIA DAS FILAS Erlang desenvolveu modelos matemáticos que oferecem soluções analíticas TEORIA DAS FILAS Útil para: malhas de transportes, redes de computadores, manufatura, serviços,

7 Terminologia em TEORIA DAS FILAS TEORIA DAS FILAS 1 - Processo de chegada Descreve a forma como os clientes chegam no sistema. processo de chegada (arrival ou input process) um cliente por vez grupos

8 TEORIA DAS FILAS 2 - Processo de atendimento processo de atendimento descreve a forma como os clientes são atendidos distribuição do tempo de atendimento um ou mais servidores série ou paralelo (service or output process)

9 TEORIA DAS FILAS Para modelarmos os processos de chegada e atendimento podemos ter uma modelagem determinística (D) ou podemos ter as distribuições de probabilidade (ddp). Algumas delas são: M exponencial U - Uniforme G geral ou arbitrária Mais adiante serão estudadas em detalhe.

10 3 Número de atendentes um atendente vários

11 4 - Regra ou disciplina da fila descreve a ordem em que os clientes serão atendidos primeiro a chegar é o primeiro a ser atendido FCFS first come, first served último a chegar é o primeiro a ser atendido LCFS last come, first served aleatório em relação à chegada prioridades por categorias

12 5 Número máximo de clientes no sistema limitado infinito

13 6 - População Fonte infinita chegadas independem do nº de clientes no sistema Fonte finita dependem - população pequena - desistem em função do tamanho da fila

14 FILAS: elementos básicos Os elementos básicos das filas são os seis apresentados, especialmente: - taxa de chegada - taxa de atendimento A notação de Kendall- Lee organiza estes elementos da seguinte forma:

15 Notação Kendall-Lee 1/2/3/4/5/6 1 processo de chegada 2 processo de atendimento 3 número de atendentes 4 regra da fila 5 número máximo de clientes no sistema 6 tamanho da população

16 Exemplo: M/M/1 1 processo de chegada exponencial 2 processo de atendimento exponencial 3 número de atendentes = 1 4 regra da fila: geral 5 número máximo de clientes no sistema: 6 tamanho da população:

17 FILAS SISTEMA CLIENTE NA FILA CLIENTE SENDO ATENDIDO chegada fila atendimento saída IC TF NF TA NA sistema TS NS

18 FILAS - taxa de chegada - taxa de atendimento IC tempo médio entre chegadas IC=1/ TF - tempo médio na fila NF número médio de clientes na fila TA - tempo médio de atendimento TA=1/ NA número médio de clientes em atendimento TS - tempo médio no sistema NS número médio de clientes no sistema chegada fila atendimento saída IC TF NF c TA NA sistema TS NS

19 Fórmulas básicas NS = NF + NA TS = TF + TA NA = / = TA/IC NS = NF + NA = NF + ( / ) = NF + (TA/IC) intensidade de tráfego ρ = / chegada fila atendimento saída IC TF NF c TA NA sistema TS NS

20 Fórmulas de Little Aplicáveis a sistemas estáveis: intensidade de tráfego ρ < 1, ou seja, λ < μ λ - taxa média de chegada constante μ - taxa média de atendimento constante NF = λ. TF NS = λ. TS NA = λ. TA

21 Exemplo 1. Precisamos retirar dinheiro no quiosque de caixas automáticos. Sabemos que: chegam = 20 clientes por hora a taxa de atendimento é = 25 clientes por hora o tempo médio que cada cliente gasta no sistema é TS = 0,3 horas (18 min.) a) Qual a intensidade de tráfego ()? b) Qual o tamanho médio da fila que vamos encontrar (NF)? c) Qual o número médio de clientes no quiosque (NS)? d) Qual o número médio de clientes sendo atendidos (NA)?

22 Exemplo chegam = 20 clientes por hora a taxa de atendimento é = 25 clientes por hora o tempo que cada cliente gasta no sistema é TS = 0,3 horas (18 min.) a) Qual a intensidade de tráfego ()? = / =20/25=0,8 b) NF=? NF =. TF = 20. TF TS = TF + TA ou TF = TS TA TA = 1/ = 1/25 = 0,04 h Substituindo: TF = 0,3 0,04 = 0,26 h NF =. TF = 20. 0,26 = 5,2 clientes

23 Exemplo chegam = 20 clientes por hora a taxa de atendimento é = 25 clientes por hora o tempo que cada cliente gasta no sistema é TS = 0,3 horas (18 min.) c) NS =. TS NS = 20. 0,3 = 6 clientes d) NA =. TA TA = 1/ = 1/25 = 0,04 NA = 20. 0,04 = 0,8 clientes

24 Exemplo de um sistema M/M/1/G/ / A cabine telefônica: as chegadas ocorrem de acordo com uma distribuição exponencial com taxa λ= 0,1 pessoas/min; a duração média dos telefonemas é de TA = 3 minutos e também segue uma distribuição exponencial. a) Qual a probabilidade de uma pessoa chegar à cabine e não precisar esperar? Pr obabilidade deexistirem nclientes no sistema P n 1 n

25 A cabine telefônica: P λ= 0,1 pessoas/min. TA = 3 minutos ou μ=0,33 telefonemas/min. a) Qual a probabilidade de uma pessoa chegar à cabine e não precisar esperar? ,1 0,33 0,1 0, ,3 0, 7 0 A probabilidade de encontrar a cabine disponível é de 70%.

26 A cabine telefônica: λ= 0,1 pessoas/min. TA = 3 minutos ou μ=0,33 telefonemas/min b) Qual o tempo médio na fila? TF 0,1 1/ 3 1/ 3 0,1 1,28 O tempo médio na fila é de 1,28 min.

27 A cabine telefônica: λ= 0,1 pessoas/min. TA = 3 minutos ou μ=0,33 telefonemas/min. c) Qual ritmo de chegada de pessoas determinaria um tempo médio na fila de 3 minutos? TF 3 1/ 31/ 3 min 31/31/3 1/ 6 0,16 clientes O tempo médio na fila seria de 3 min. se o ritmo de chegada fosse de 0,16 clientes/minuto. /

28 Exercício 1) Uma transportadora que entender melhor os problemas de atraso de carregamento que vem enfrentando, para poder tomar medidas que visem uma melhor gestão desse processo. Sabe-se que em média 60 caminhões precisam ser carregados por semana nesta empresa. Atualmente a empresa conta com uma equipe de carregamento que carrega um caminhão em 60 minutos. A empresa trabalha de segunda a sexta das 08hs às 20Hs. E aos sábados a empresa trabalha das 08 hs às 14:00 hs. Considerando as informações responda as questões que se seguem:

29 Exercício A) Qual o valor das medidas de desempenho do sistema : 1. Qual a taxa de chegada? 2. Qual a taxa de atendimento? 3. Qual a intensidade de tráfego ()? 4. Qual o tamanho médio da fila que vamos encontrar (NF)? 5. Qual o número médio de caminhões na doca (NS)? 6. Qual o número médio de caminhões sendo atendidos (NA)?

30 Exercício B) Qual a probabilidade de um caminhão chegar na empresa e não ter outro caminhão no carregamento ou na fila? C) Qual a probabilidade de ter menos que três caminhões na fila de espera?

31 Bibliografia Chappell, Laura Farkas, Dan Diagnosticando Redes - Cisco Internetwork Troubleshooting. Makron Books 1ºed. São Paulo. RANJBAR, AMIR Troubleshooting and Maintaining Cisco IP Networks(TSHOOT) Fundation Learning Guide. Cisco Press Indianapolis.2010 Alencar, Marcelo Sampaio de Engenharia de Redes de Computadores. Ed. Érica, São Paulo Menascé e Almeida. PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE PARA SERVIÇOS NA WEB. Ed.Campus Copyright 2015 Prof. Eduardo Araujo Todos direitos reservados. Reprodução ou divulgação total ou parcial deste documento é expressamente proíbido sem o consentimento formal, por escrito, do Professor Eduardo Araujo

Teoria das filas. Clientes. Fila

Teoria das filas. Clientes. Fila Teoria das filas 1 - Elementos de uma fila: População Clientes Fila Servidores 1 3 Atendimento Características de uma fila:.1 Clientes e tamanho da população População infinita > Chegadas independentes

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL A pesquisa operacional (PO) é uma ciência aplicada cujo objetivo é a melhoria da performance em organizações, ou seja, em sistemas produtivos

Leia mais

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng.

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Unidade Acadêmica Tecnologia Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Palhoça, Março de 2010 2 Sumário 1.0 TEORIA DAS FILAS... 3 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL... 3 1.2 ASPECTOS GERAIS DA

Leia mais

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema Simulação de Sistemas Teoria das Filas 1 2 3 Estrutura do Sistema Capacidade do sistema Canais de Serviço 1 Chegada de Clientes de chegada (tempo entre chegadas) Fila de Clientes Tempo de atendimento 2...

Leia mais

PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas

PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas CARACTERÍSTICA PRINCIPAL: presença de clientes solicitando serviços em um posto de serviço e que, eventualmente, devem esperar até que o posto esteja disponível

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Modelo de Filas M/M/1 e M/M/m Prof. Othon Batista othonb@yahoo.com Modelo de Filas Nas aulas anteriores vimos a necessidade de se utilizar uma distribuição para representar

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 6

Métodos Quantitativos. aula 6 Métodos Quantitativos aula 6 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Teoria das Filas Elementos de uma Fila: 1. População 2. Clientes 3. Fila 4. Serviço Sinônimos e Jargão de área Podem aparecer

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com CCNA R&S CCNP (ROUTE) CCNP (SWITCH) CCNP (TSHOOT)

Leia mais

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento 33 Capítulo 4 Teoria de Filas ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento de sistemas de comunicação de dados. Muita atenção deve ser dada aos processos

Leia mais

Uma introdução à Teoria das Filas

Uma introdução à Teoria das Filas Uma introdução à Teoria das Filas Introdução aos Processos Estocásticos 13/06/2012 Quem nunca pegou fila na vida? Figura: Experiência no bandejão Motivação As filas estão presentes em nosso cotidiano,

Leia mais

Modelos de Filas de Espera

Modelos de Filas de Espera Departamento de Informática Modelos de Filas de Espera Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autor João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Este material pode

Leia mais

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS Herbety Breno Rodrigues (herbetyveloso@hotmail.com / UEPA) Iuri Costa Rezende (iuri.crezende@hotmail.com / UEPA) Lucas Holanda Munhoz Lourinho

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

Gestão de Operações II Teoria das Filas

Gestão de Operações II Teoria das Filas Gestão de Operações II Teoria das Filas Prof Marcio Cardoso Machado Filas O que é uma fila de espera? É um ou mais clientes esperando pelo atendimento O que são clientes? Pessoas (ex.: caixas de supermercado,

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Bruno Lima Pamplona (CESUPA) b_pamplona@hotmail.com Ciro Jose Jardim de Figueiredo (CESUPA) figueiredocj@yahoo.com.br

Leia mais

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI Modelos Estocásticos Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 LEGI Capítulo 7 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA Nota: neste capítulo ilustram-se alguns dos conceitos de

Leia mais

Pesquisa Operacional II

Pesquisa Operacional II Pesquisa Operacional II Modelo de Filas Professor: Roberto César A Notação de Kendall Um modelo de fila pode ser descrito pela notação: A/B/c/K/m/Z em que: A = distribuição dos intervalos entre chegadas;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel AVALIAÇÃO DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO CHECK-IN DE UMA EMPRESA AÉREA Aluna: Déborah Mendonça Bonfim Souza

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

Gestão da Produção Variabilidade das operações Filas de espera

Gestão da Produção Variabilidade das operações Filas de espera Variabilidade das operações Filas de espera José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 26 Tópicos Variabilidade dos fluxos Teoria clássica das filas de espera Medidas de desempenho das filas de

Leia mais

FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY

FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY Raquel Ferreira de Negreiros (UFERSA ) raquel-negreiros@hotmail.com Cibelle dos Santos Carlos (UFERSA ) cibellecarlos@hotmail.com

Leia mais

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Lâminas preparadas por: S. H. Demarchi Bibliografia: Setti, J.R (2002). Tecnologia de Transportes USP, São Carlos Fogliatti, M.C. e N.M.C. Mattos

Leia mais

Introdução à Teoria das Filas

Introdução à Teoria das Filas Introdução à Teoria das Filas If the facts don't fit the theory, change the facts. --Albert Einstein Notação Processo de Chegada: Se os usuários chegam nos instantes t 1, t 2,..., t j, então as variáveis

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Teoria da Filas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Teoria da Filas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção Teoria da Filas Prof. Fabrício Maciel Gomes Teoria das Filas Por quê das Filas? Procura por um serviço maior do que a capacidade do

Leia mais

Introdução a Teoria das Filas

Introdução a Teoria das Filas DISC. : PESQUISA OPERACIONAL II Introdução a Teoria das Filas Prof. Mestre José Eduardo Rossilho de Figueiredo Introdução a Teoria das Filas Introdução As Filas de todo dia. Como se forma uma Fila. Administrando

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO Rafael de Bruns Sérgio Pacífico Soncim Maria Cristina Fogliatti de Sinay - Phd Instituto Militar de Engenharia IME, Mestrado

Leia mais

Exercícios de Filas de Espera Enunciados

Exercícios de Filas de Espera Enunciados Capítulo 8 Exercícios de Filas de Espera Enunciados Enunciados 124 Problema 1 Os autocarros de uma empresa chegam para limpeza à garagem central em grupos de cinco por. Os autocarros são atendidos em ordem

Leia mais

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Definições Variáveis Aleatórias Uma variável aleatória representa um valor numérico possível de um evento incerto. Variáveis aleatórias

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM Nicholas Matheus Guimaraes Azevedo (UEA) nm_guia@hotmail.com Patricia Santos Alencar (UEA) paty.skp@gmail.com

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aulas 17/18: Modelos de Retardo para Redes de Dados

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aulas 17/18: Modelos de Retardo para Redes de Dados 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aulas 17/18: Modelos de Retardo para Redes de Dados Slide 1 Redes de Pacotes Comutados Mensagens dividas em Pacotes que são roteados ao seu destino PC PC PC

Leia mais

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema MÓDULO 5 - TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) Baseado em Andrade, Eduardo Leopoldino de, Introdução à pesquisa operacional, LTC - Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, 2000.; Albernaz, Marco Aurélio,

Leia mais

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo:

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: que cada pessoa disponha do uso exclusivo de uma rua para se movimentar;

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Sistemas de Filas: Aula 1 Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Tópicos em Teoria das Filas 9. Introdução a sistemas de filas; lei de Little, M/M/1 10. Filas Markovianas (processo de renovação) 11. Fila

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL

ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL Trabalho

Leia mais

Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação

Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação Vinícius Carrijo dos Santos (UEM - CRG) viniciuscarrijodossantos@hotmail.com Diego Aparecido

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema Capítulo 1 Teoria das Filas 1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita chegada fila atendentimento saída sistema 1.1.1 Características Gerais As equações do modelo se baseiam nas seguintes

Leia mais

Teoria de Filas Aula 15

Teoria de Filas Aula 15 Teoria de Filas Aula 15 Aula de hoje Correção Prova Aula Passada Prova Little, medidas de interesse em filas Medidas de Desempenho em Filas K Utilização: fração de tempo que o servidor está ocupado Tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE SERVIÇO EM UM RESTAURANTE Orientador: D. Sc. Fernando Marques de Almeida

Leia mais

ANAIS TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C

ANAIS TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C CÁSSIA DA SILVA CASTRO ARANTES (cassiadasilva_16@hotmail.com, cassiascarantes@gmail.com)

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho Teoria de Filas - Resumo e Exercícios Pedroso 24 de setembro de 2014 1 Introdução 2 Definições básicas ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU TEORIA DAS FILAS FERNANDO MORI prof.fmori@gmail.com A teoria das filas iniciou com o trabalho de Erlang (1909) na indústria telefônica no inicio do século vinte. Ele fez estudos

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA Byanca Porto de Lima byanca_porto@yahoo.com.br UniFOA Bruna Marta de Brito do Rego Medeiros brunamartamedeiros@hotmail.com

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS Rosangela de Almeida Correa rosangelaalmeida84@yahoo.com.br Thamires de Andrade Barros veve_s2@hotmail.com Naihara

Leia mais

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Troncalização CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva TRONCALIZAÇÃO Troncalização Nos primeiros sistemas de telefonia, um canal era alocado para cada assinante de forma dedicada

Leia mais

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE Mayara Siqueira Trevisan 1 ; Cássia Kely Favoretto Costa 2 ; Ely Mitie Massuda 3 ; Guido Luis Gomes Otto 4 ; Miriam Ueda Yamaguchi 5 1. Graduada

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA

DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DANIEL SILVA MORO DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA SÃO PAULO 2010 ii DANIEL SILVA MORO DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory)

TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) 1. INTRODUÇÃO A abordagem matemática das filas se iniciou em 1908, na cidade de Copenhague, Dinamarca. O pioneiro da investigação foi o matemático Agner Krarup Erlang

Leia mais

Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2

Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2 Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2 Paulo Henrique Borba Florencio (PUC-GO) phenrique3103@gmail.com Maria José Pereira Dantas (PUC-GO) mjpdantas@gmail.com Resumo: Modelos

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho 4a. Aula Técnicas de Avaliação de Desempenho Modelagem Marcos

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Escalonador da CPU. ! Filas Multinível. ! Filas Multinível com Feedback. ! Escalonamento em multiprocessadores

Sistemas Operativos. Sumário. Escalonador da CPU. ! Filas Multinível. ! Filas Multinível com Feedback. ! Escalonamento em multiprocessadores Escalonador da CPU Sumário! Filas Multinível! Filas Multinível com Feedback! Escalonamento em multiprocessadores! Escalonamento em tempo real! Avaliação de algoritmos 2 1 Filas Multinível! Os processos

Leia mais

Princípios Fundamentais

Princípios Fundamentais Graduação Curso de Engenharia de Produção 20/5/2012 Prof. Dr. Mário Luiz Evangelista Princípios Fundamentais Todas as Decisões são Tomadas a Partir de Alternativas É necessário um denominador comum a fim

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Adriano Benigno Moreira Variáveis de Estado As variáveis cujos valores determinam o estado de um sistema são conhecidas como variáveis de estado. Quando a execução de um

Leia mais

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos

Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos 1 Estudo Comprobatório da Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos RESUMO O presente artigo tem como proposta comprovar a Teoria das Filas pela Simulação de Eventos Discretos (SED), através

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS Arnold Estephane Castro de Souza (UEPA) arnoldecs@hotmail.com Cristiana Santos da Silva (CESUPA) cristiana_piu@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Luiz Fernando Pacheco Doile

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Luiz Fernando Pacheco Doile UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Luiz Fernando Pacheco Doile TEORIA DE FILAS ANALISANDO O FLUXO DE ATENDIMENTO E O NÚMERO DE ATENDENTES

Leia mais

Teoria das Filas e Simulações

Teoria das Filas e Simulações UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Apostila de Modelagem e Avaliação de Desempenho: Teoria das Filas e Simulações Prof. Walteno Martins

Leia mais

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco.

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco. Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DO CANAL DE ACESSO DO PORTO DE SANTOS POR SIMULAÇÃO DE EVENTOS DISCRETOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DO CANAL DE ACESSO DO PORTO DE SANTOS POR SIMULAÇÃO DE EVENTOS DISCRETOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DO CANAL DE ACESSO DO PORTO DE SANTOS POR SIMULAÇÃO DE EVENTOS DISCRETOS João Ferreira Netto joao.nettof@gmail.com Thiago Barros Brito tbbrito@gmail.com Rui Carlos Botter rcbotter@usp.br

Leia mais

Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa

Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa Maísa Nascimento Soares (UFV) maisansoares@gmail.com Tatiane Silva Cardoso Muglia (UFV) tatianemuglia@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 Anderson Luis Marchi 2 ; Tiago Boechel 3 ; Juliano Tonizetti Brignoli 4 INTRODUÇÃO A comunicação é uma das maiores necessidades

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 5 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Qualitativa Quantitativa Medidas

Leia mais

Normas ISO para Usabilidade

Normas ISO para Usabilidade Normas ISO para Usabilidade Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Especialização em Informática - Engenharia de Software Alunas: Kecia

Leia mais

Teoria de Filas e Sistemas de Comunicação

Teoria de Filas e Sistemas de Comunicação Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica e Telecomunicações Teoria de Filas e Sistemas de Comunicação (revisão: Outubro/2013) 1 1 Programa Revisão de Probabilidade e Estatística Processos

Leia mais

φ(x,y,y',y'',y''',..., d n y/dx n ) = 0 (1) Esta equação é de n-ésima ordem e tem somente uma variável independente, x.

φ(x,y,y',y'',y''',..., d n y/dx n ) = 0 (1) Esta equação é de n-ésima ordem e tem somente uma variável independente, x. 245 Capítulo 15 Resolução numérica de equações diferenciais Para podermos investigar exemplos de simulação que surgem na Física, Engenharia, Biomatemática etc., estudamos, neste capítulo, alguns métodos

Leia mais

Teoria de Filas. Prof. Gustavo Leitão. Campus Natal Central. Planejamento de Capacidade de Sistemas

Teoria de Filas. Prof. Gustavo Leitão. Campus Natal Central. Planejamento de Capacidade de Sistemas Teoria de Filas Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central. Planejamento de Capacidade de Sistemas 5/27/2010 Objetivo da Aula 5/27/2010 5/27/2010 OBJETIVO Apresentar os conceitos de teoria de filas e suas

Leia mais

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS 2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS Uma forma simples de mostrar fisicamente o problema de acúmulos em um sistema (engenheiros, arquitetos e outros técnicos envolvidos

Leia mais

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Karina Pires Duarte 1, Milton Luiz Paiva de Lima 2 1 Mestranda do curso de Engenharia Oceânica- FURG, Rio Grande, RS

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que:

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que: Vamos admitir que o tempo de atendimento (tempo de serviço) de clientes diferentes são variáveis aleatórias independentes e que o atendimento de cada consumidor é dado por uma variável S tendo função densidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA AGENDAMENTO DE EXPORTAÇÃO Por: Anderson da Silva Guedes Orientador Prof. Luiz Claudio Lopes Alves Rio de Janeiro 2012 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA

APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM UM SISTEMA DE CARREGAMENTO E PESAGEM DE CAMINHÕES EM UMA MINA Rafael Quintao de Andrade (UFOP) rafaelqandrade@gmail.com ANDRE FILIPE MORAES GOLOBOVANTE (UFOP) afilipemoraes@yahoo.com.br

Leia mais

Modelos de Filas de Espera

Modelos de Filas de Espera Departamento de Informática Modelos de Filas de Espera Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Susana Nascimento

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Eng. de Produção. Introdução à Teoria das Filas. Prof. Ricardo Villarroel Dávalos Fpolis, Abril de 2010

Eng. de Produção. Introdução à Teoria das Filas. Prof. Ricardo Villarroel Dávalos Fpolis, Abril de 2010 Eng. de Produção Introdução à Teoria das Filas Prof. Ricardo Villarroel Dávalos ricardo.davalos@unisul.br Fpolis, Abril de 2010 Introdução Disciplinas das filas λ e IC c µ e TA População de clientes TF

Leia mais

DANIEL GONÇALVES PASSOS

DANIEL GONÇALVES PASSOS Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração DANIEL GONÇALVES PASSOS UM ESTUDO DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE FILAS DE UMA AGÊNCIA DA CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Gerenciamento de processos Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Conceitos Básicos Máxima utilização da CPU obtida com

Leia mais

SECO. Guia para Visualização no Celular. Versão 1.1 2010

SECO. Guia para Visualização no Celular. Versão 1.1 2010 SECO Guia para Visualização no Celular Versão 1.1 2010 Conteúdo 1. Serviço Móvel do DVR 2. Conexão Rápida 3. Como instalar Opera Mini 1. Serviço de Conexão 3G Esta instrução é uma explicação sobre visualização

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns:

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns: A notação utilizada na teoria da fila é variada ma, em geral, a eguinte ão comun: λ número médio de cliente que entram no itema or unidade de temo; µ número médio de cliente atendido (que aem do itema)

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Sistemas de Controle com

Leia mais

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção λ número médio de clientes que entram no sistema por unidade de tempo; µ número médio de clientes atendidos (que saem do sistema) por unidade de tempo; Servidores (mecânicos) no sistema; número de máquinas

Leia mais

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS! O que é o método de simulação de Monte Carlo?! Como utilizar números aleatórios para testar uma simulação financeira?! Como gerar números aleatórios pelo Excel?!

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 COMPONENTE CURRICULAR: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE PRODUÇÃO I

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 COMPONENTE CURRICULAR: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE PRODUÇÃO I C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 COMPONENTE CURRICULAR: PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE PRODUÇÃO I CÓDIGO:

Leia mais

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB REVISTA DO DETUA, VOL. 2, Nº 3, SETEMBRO 1998 1 Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB Elizabeth Fernandez, Rui Valadas Resumo Este artigo

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

Modelos, em escala reduzida, de pontes e barragens. Simuladores de voo (ou de condução), com os quais se treinam pilotos (ou condutores).

Modelos, em escala reduzida, de pontes e barragens. Simuladores de voo (ou de condução), com os quais se treinam pilotos (ou condutores). SIMULAÇÃO 1 Introdução Entende-se por simulação a imitação do funcionamento de um sistema real recorrendo a uma representação desse sistema. Com essa representação modelo, pretende-se realizar experimentações

Leia mais

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso.

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso. Dimensionamento do número de caixas executivos em relação à demanda e tempo de atendimento: um estudo de caso em uma agência bancária no interior do estado de Mato Grosso. Camyla Piran Stiegler Leitner

Leia mais

Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA

Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA Projeto Nº 318 Tema: Atendimento a Clientes José César do Nascimento CELPE Sistema de Controle do Tempo Médio de Atendimento

Leia mais