APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida / UEPA) Kelvin Cravo Custódio / UEPA) Jessyca Farias Freitas / UEPA) Pablo Ruan Silva Sales (pablo / UEPA) Igor de Azevedo Corrêa / UEPA) Resumo: A teoria de filas tem um papel fundamental nas questões operacionais da empresa, é através das informações obtidas que a mesma consegue manter clientes e colaboradores satisfeitos. O presente artigo mostra o estudo de caso da aplicação da teoria das filas em uma empresa do ramo alimentício, localizada na cidade de Ananindeua- PA. O objetivo é analisar se o dimensionamento do sistema está balanceado, considerando o modelo M/M/2 que possui uma disciplina de ordem FIFO, com utilização do software Excel. Os resultados mostraram que o sistema de atendimento é estável e que a taxa de ocupação ficou em torno de 48% no período de pouco movimento, podendo realizar a alocação de um atendente para outro setor. Porém, no horário de pico com taxa de ocupação de 77% o sistema encontra-se bem dimensionado. Palavras- Chave: Teoria das Filas; Dimensionamento; Indústria alimentícia. 1. Introdução A insatisfação de esperar em uma fila tornou-se comum no cotidiano de muitas pessoas. Observa-se a formação de filas em supermercados, bancos, lojas, entre outros. Um sistema de fila é toda composição que abrange o processo de chegada e atendimento dos clientes no sistema. Simplificadamente, a fila é causada quando a procura pelo serviço, em média, é maior do que a capacidade do sistema de atender a esta procura. Analisando a continuidade do tempo, pode-se verificar que as empresas estão gradativamente tornando-se mais competitivas no mercado, igualmente com o surgimento de clientes cada vez mais exigentes e participativos no contexto das mesmas. Portanto, entendese que o objetivo de aplicar estudos voltados a teoria das filas, é de otimizar o desempenho de um sistema, reduzindo seus custos operacionais, para melhorar o serviço prestado, maximizar o lucro e obter êxito na satisfação dos clientes. Segundo Fogliatti e Mattos (2007) a teoria das filas consiste em analisar sistemas ou processos que resultam na espera, objetivando definir e avaliar quantidades que transpareçam a produtividade e operacionalidade desses processos. Onde os estudos dessas quantidades, conhecidas também como medidas de desempenho, são importantes nas tomadas de decisão da operação do sistema no seu estado atual. Assim, o estudo da teoria das filas é fundamental para o gerenciamento e administração dos modelos produtivos. Mediante os fatos supracitados, o objetivo deste trabalho foi analisar o sistema de atendimento aos clientes de uma empresa do ramo alimentício, com intenção de avaliar o tempo de espera do atendimento e o dimensionamento das instalações e postos de atendimento necessários para o funcionamento balanceado do sistema.

2 2. Referencial Teórico 2.1. Teoria de Filas A Teoria das filas é um método analítico que aborda o assunto por meio de fórmulas matemáticas. Onde se estuda as relações entre as demandas e os atrasos sofridos pelo usuário do sistema, para avaliação das medidas de desempenho dessa relação em função da disposição deste sistema (ARENALES et al. 2007). Pode-se dizer que a teoria de filas é um método analítico que estuda as filas com o uso de ferramentas matemáticas, que tenta avaliar o processo produtivo, através do estudo do número de clientes na fila, do tempo de espera, da ociosidade do sistema, entre outros. Para complementar Fogliatti e Mattos (2007) afirmam que o estudo das filas é uma previsão do comportamento das mesmas com o propósito de regular a infra-estrutura e o número de equipamentos, insumos e recursos tecnológicos necessários para evitar problemas por falta de recursos nesta fila de forma a manter os clientes satisfeitos. FIGURA 1- Funcionamento de um sistema de fila. Fonte: Adaptado de Hillier e Lieberman (2010) Processo de chegada Para estudar o processo de chegadas deve ser feito levantamento estatístico para obter os dados referentes às chegadas, após isso é possível descobrir se as chegadas podem ser caracterizadas por uma distribuição de probabilidades (Andrade, 2009). Fatores que devem ser levados em consideração para validar a analise: É ideal que não chegue mais de um cliente ao mesmo tempo, se isto ocorrer é chamado de chegada em lote; Os clientes que já estão no sistema não podem afetar o processo de chegada dos outros, a não ser que quando o mesmo chega ao sistema por algum motivo este desista de entrar na fila, ou no caso de ser um sistema de população finita, como nos cinemas onde os ingressos são vendidos mediante disponibilidade de assentos na sala. (Arenales et al., 2007). As principais variáveis referentes ao processo de chegada são: λ Ritmo médio de chegada IC Intervalo médio entre chegadas (IC=1/λ)

3 2.3. Processo de atendimento Segundo Andrade (2009) é definido como o tempo para realização de um serviço e leva em consideração fatores como: clientes; O tempo em que o sistema vai atuar, ou seja, a ocupabilidade do serviço; A disposição de postos de serviço que o sistema irá oferecer para atender seus As principais variáveis referentes ao processo de atendimento são: 2.4. Disciplina da fila TA Tempo médio de atendimento c Capacidade de Atendimento NA Número médio de clientes que estão sendo atendidos μ - Ritmo médio de atendimento de cada cliente Segundo Arenales et al.(2007) de modo geral, a disciplina da fila é a sequencia em que os clientes são atendidos e pode ser separada em alguns tipos, tais quais: Ordem de chegada FIFO: First In First Out, o primeiro que chega é o primeiro que sai; Ordem inversa de chegada LIFO: Last In First Out, o último que chega é o primeiro que sai; definida. Ordem aleatória SIRO: Service in Random Order. Não possui uma ordem São variáveis referentes à fila: 2.5. Sistemas estáveis TF Tempo médio de permanência na fila NF Número médio de clientes na fila Prado (2009) afirma que a Teoria das Filas, para ser aplicada, tanto no fluxo de chegada (λ), quanto no processo de atendimento (μ), deverão ser constantes no tempo, e é importante que o ritmo de chegada médio seja menor que a capacidade de atendimento média, se o caso estudado não disponibilizar de tais características deverão ser usadas simulações por computador. Em sistemas estáveis temos que: λ > µ, se acontecer o inverso haverá um aumento infinito da fila. Taxa de utilização de uma fila única para apenas um servidor: = λ/µ; Taxa de utilização de uma fila única com n servidores: = λ/n*µ;

4 < 1. TS Tempo médio de permanência no sistema NS Número médio de clientes no sistema TFS Tempo fora do sistema 2.6. Organização das filas (M/M/c) Segundo Hillier e Lieberman (2010) um exemplo de filas com m servidores é aquele que tem uma taxa de chegada com distribuição de Poisson e tempo de atendimento gerido por uma distribuição exponencial negativa. Onde o parâmetro λ é a taxa média de clientes que chegaram para serem atendidos e μ o ritmo médio de atendimento. Essa situação é considerada como um processo Markoviano e pode ser representado como um sistema M/M/c. Quando um cliente chega e não há interferência na chegada de algum outro cliente. Desta forma, o cliente que chega no tempo tn+1 não é influenciado pelo cliente do tempo tn Tratamento dos dados Para o desenvolvimento do estudo de filas é necessário levantamento de dados estatísticos para calcular a taxa de chegada média e o ritmo de atendimento médio de clientes em um intervalo de tempo. Para validar os dados e calcular os parâmetros de tomada de decisão do processo deve-se verificar a distribuição teórica de probabilidade mais adequada aos dados reais. A distribuição teórica de probabilidade é o fenômeno em que as variáveis se manifestam de forma eventual e de modo a formar um padrão particular. Há ainda a necessidade de utilizar um teste de aderência, o qual poderá confirmar se a distribuição observada se ajusta a uma distribuição teórica. O teste do Chi-quadrado (χ2) poderá ser utilizado como uma prova dada esta situação. Sendo usado para elementos nominais e ordinais e aplicado a amostras de tamanho pequeno (<30). O teste tem por base a soma dos desvios entre as frequências observadas (Fo) e as frequências esperadas (Fe) de cada classe do fenômeno para definir o valor calculado e são descritas na Equação 1 (MARTINS, 2009). Fonte: Adaptado de Souza (2012) Tendo em posse o valor de Chi-quadrado calculado (χ2 cal ), o mesmo é comparado com o valor do Chi-quadrado tabelado (χ2 tab ), observado na tabela de distribuição teórica. Tendo previamente o pesquisador do problema estimado o nível de significando a ser utilizado. Em sequência admiti-se um número de graus de liberdade dado através da Equação 2. (2) Fonte: Adaptado de Souza (2012) (1)

5 Na equação supracitada k é o número de classe da distribuição de probabilidade observada da amostra coletada, n significa o número de parâmetros adotado no problema, no presente caso o parâmetro médio, e, tendo sido previamente definido pela organização (MARTINS, 2009). Em seguida com a identificação dos valores do Chi-quadrado calculado (χ2 cal ) e tabelado (χ2 tab ) emite-se a hipótese nula (H 0 ): a distribuição observada se ajusta a uma dada distribuição teórica. Ou, a hipótese alternativa (H 1 ): a distribuição não se ajusta. Caso χ deve-se aceitar a hipótese nula (MARTINS, 2009). 3. Método de Pesquisa A teoria de filas que o presente trabalho trata ocorreu em um estabelecimento comercial de venda de açaí, frango assado, entre outros produtos alimentícios, e fica localizado em Ananindeua no estado do Pará, onde dispõe de dois atendentes (caixas). Realizou-se visita técnica no local para acompanhamento e o levantamento do tempo de chegada e atendimento dos clientes na fila que se forma no estabelecimento para pagamento dos consumidores. Para realizar o estudo primeiramente foi realizado um levantamento bibliográfico, em seguida foram coletados, tratados e analisados os dados originais, por conseguinte foi feita a descrição do sistema, o qual apresentou uma disciplina de ordem FIFO. Posteriormente foi feita a modelagem analítica do sistema, e constatou-se que o modelo do mesmo foi M/M/2. Na sequencia realizou-se a análise dos resultados dos parâmetros calculados para posterior conclusão do estudo. 4. Resultados A aplicação do estudo de teoria das filas se deu neste estabelecimento em função da empresa ter problemas relacionados ao tempo de atendimento de seus clientes e a alocação de funcionários. Foram coletados dados relacionados ao tempo de chegada e ao tempo de atendimento. A coleta foi realizada durante 60 minutos, sendo observada uma única fila para dois atendentes, o que caracterizou o modelo M/M/2, na disciplina de ordem FIFO Chegada dos Clientes Os dados obtidos estão relacionados ao tempo de chegada dos clientes na fila do estabelecimento, estes dados foram divididos em intervalos de 1 minuto, desta forma foi possível obter a frequência observada, frequência relativa observada e a frequência observada acumulada. Nº de chegadas Freq. Freq. Rel. Freq. em 1 Minuto Observada (Oi) Observ. Observ Ac ,18 0, ,32 0, ,22 0, ,12 0, ,08 0, ,05 0, ,03 1,00 TOTAL 60 1,00 FIGURA 1- Frequências observadas no período de chegada. Fonte: Autores (2014). A seguir procedeu-se o cálculo da frequência relativa calculada, frequência calculada acumulada, frequência calculada (Ei) e por fim para o teste do Chi-quadrado, para verificar se

6 Frequência Relativa o número de chegadas por minuto segue uma distribuição de Poisson com taxa de 1,88, ao 5% de significância. Nº de chegadas em 1 minuto Freq. Rel. Calc. Freq. Calc. Ac. Freq. Calc (Ei) (Oi-Ei)²/Ei 0 0,15 0,15 9,13 0,39 1 0,29 0,44 17,19 0,19 2 0,27 0,71 16,18 0,63 3 0,17 0,88 10,16 0,98 4 0,08 0,96 4,78 0,01 5 0,03 0,99 1,80 0,80 6 0,01 1,00 0,57 3,64 Total 1,00 59,80 6,63 FIGURA 2- Frequência calculada no período de chegada. Fonte: Autores (2014). Através dos dados relacionados com a frequência calculada no período de chegada, observados na tabela 2, pode-se plotar um gráfico para a distribuição de Poisson com taxa de 1,88 clientes por minuto. 0,35 0,30 0,25 0,20 0,15 0,10 0,05 0,00 Distribuição do Números de Chegadas Número de Chegadas em 1 Minuto Freq. Rel. Calc. Freq. Rel. Observ. FIGURA 3- Aderência Gráfica. Fonte: Autores (2014) Teste não paramétricos para a distribuição de Poisson. Para a realização do teste faz- se necessário a utilização de duas hipóteses H o e H 1, para verificar se o tempo de chegada dos clientes na fila segue a Distribuição de Poisson, com taxa de 1,88, com 5% de significância. H 0 = como a variável que segue a distribuição de Poisson com taxa de 1,88 clientes por minuto, com 5% de significância. H 1 = como a variável que não segue a distribuição de Poisson com taxa de 1,88 clientes por minuto, com 5% de significância. Caso x²tab> x²cal, deve-se aceitar H 0, aos 5% de significância e grau de liberdade igual a 5. Como x²tab> x²cal pode-se inferir que aceita-se H 0, logo a variável tempo de chegada do cliente na fila segue a distribuição de Poisson com taxa de 1,88, ao 5% e significância. Chi-Quadrado Valor X²cal 6,63 X²tab 11,07 FIGURA 4- Teste Paramétrico para distribuição de Poisson. Fonte: Autores (2014)

7 4.2. Atendimento de clientes. Os tempos de atendimento foram coletados durante 60 minutos nos caixas 1 e 2 do estabelecimento, sendo atendidos 113 clientes, 57 clientes no caixa 1 e 56 clientes no caixa 2. A frequência observada (Oi) e a frequência relativa observada por caixa no intervalo de tempo de atendimento estudado são apresentados na Figura 5. Freq. Observada( Oi) Freq.Relativa Obs. Tempo(minuto) Caixa 1 Caixa 2 Caixa 1 Caixa 2 0-0, ,32 0,39 0,26-0, ,23 0,38 0,52-0, ,05 0,09 0,78-1, ,16 0,07 1,04-1, ,11 0,04 1,30-1, ,11 0,02 1,56-1, ,02 0,02 1,82-2, ,00 0,00 2,08-2, ,00 0,00 2,34-2, ,00 0,00 2,60-2, ,02 0,00 Total ,00 1,00 0,66 0,42 FIGURA 5- Frequências observadas para o atendimento. Fonte: Autores (2014) Com os dados da frequência relativa observada foi feito o cálculo da frequência calculada (Ei), frequência relativa calculada e para o teste do Chi-quadrado, mostrados na Figura 6, para desta forma verificar se o tempo de atendimento segue uma distribuição Exponencial com taxa média de 1,96 clientes por minuto, aos 5% de significância. Tempo(minutos) Freq. Calculada ( Ei) Freq.Relativa Cal. (OI-EI)^2/EI Caixa 1 Caixa 2 Caixa 1 Caixa 2 Caixa 1 Caixa 2 0-0,26 18,42 26,17 0,33 0,46 0,01 0,67 0,26-0,52 12,41 14,05 0,22 0,25 0,03 3,44 0,52-0,78 8,37 7,54 0,15 0,13 3,44 0,86 0,78-1,04 5,64 4,05 0,10 0,07 2,00 0,00 1,04-1,30 3,80 2,17 0,07 0,04 1,27 0,01 1,30-1,56 2,56 1,17 0,05 0,02 4,61 0,02 1,56-1,82 1,73 0,63 0,03 0,01 0,31 0,22 1,82-2,08 1,16 0,34 0,02 0,01 1,16 0,34 2,08-2,34 0,78 0,18 0,01 0,00 0,78 0,18 2,34-2,60 0,53 0,10 0,01 0,00 0,53 0,10 2,60-2,86 0,36 0,05 0,01 0,00 1,16 0,05 Total 55,76 56,44 1,00 1,00 15,31 5,89 FIGURA 6- Frequências calculadas e teste do Chi- quadrado. Fonte: Autores (2014) Em uma primeira análise pode-se perceber de uma forma geral, uma tendência da curva da frequência relativa observada a se conformar seguindo uma Distribuição Exponencial com taxa média de 1,96 clientes por minuto conforme mostra as Figuras 7 e 8.

8 Freq. Relativa Cx 1 0,40 0,30 0,20 0,10 0, FIGURA 7- Aderência Gráfica para o atendente 1. Fonte: Autores (2014). Freq. Relativa Cx2 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0, Freq Rel Observada Freq Rel Calculada FIGURA 8- Aderência Gráfica para o atendente 2 Fonte: Autores (2014) Teste para a distribuição Exponencial. O teste será feito de tal forma que o tempo de atendimento dos caixas 1 e 2 sejam iguais e exponencialmente distribuídos sobre uma média de 0,54, que equivale as médias dos tempos de atendimento nos caixas 1 e 2, como mostrado na Figura 9. FIGURA 9- Tempo de atendimento (TA). Fonte: Autores(2014). Nos teste realizado considera-se: TA. Cx 1 TA. Cx 2 TAm 0,66 0,42 0,54 H 0 = como a variável que segue a distribuição exponencial com tempo de atendimento médio de 0,54 minutos, com 5% de significância. H 1 = como a variável que não segue a distribuição exponencial com tempo de atendimento médio de 0,54 minutos, com 5% de significância. Caso x²tab> x²cal, deve-se aceitar H 0, aos 5% de significância e grau de liberdade 9. Caixa 1 Caixa 2 X²cal 15,31 5,89 X²tab 16,919 16,919 FIGURA 10- Teste Paramétrico para distribuição exponencial. Fonte: Autores (2014).

9 No estudo encontrou-se x²tab> x²cal, para os dois caixas do estabelecimento, logo deve-se aceitar a hipótese nula, H Parâmetros Calculados. É de notória importância o cálculo dos parâmetros, para que com os resultados obtidos verifique-se a situação usual do sistema. Esta análise tem como finalidade tomar decisões mais precisas em relação ao sistema de atendimento da empresa Situação usual do sistema. Calculando os parâmetros para a situação usual com c=2, µ= 1,96 e = 1,88, pode-se encontrar os seguintes resultados mostrados na Figura 11. Paraêmetros Fórmula Resultado r 0,96 Po(Probabilidade do Sist. Vazio) 35% NF(nº medio de clientes na fila aguardando atendimento). 1,17 NS(nº de clientes do sistema) 2,13 TF(Tempo medio de permanencia na fila) 0,62 TS(Tempo medio de permanencia do cliente no sistema). 1,13 0,48 FIGURA 11- Parâmetros para a situação usual do sistema. Fontes: Autores (2014). Observa-se a probabilidade do sistema estar vazio(po) é de 35%, tempo médio de permanência do cliente na fila de 0,62 minutos, tempo médio de permanência do cliente no sistema igual a 1,13 minutos e taxa de ocupação(ρ) de 48%. No momento em que foram coletados os dados o sistema encontrava-se ocioso, no citado momento poder-se-ia diminuir a quantidade de atendentes para que o sistema ficasse bem dimensionado Situação de Projeção para dias de pico. Fazendo uma projeção para os dias de picos e calculando os parâmetros para esta mesma situação com c=2, µ= 1,96 e = 3, pode-se encontrar os seguintes resultados mostrados na figura 12. Neste caso verifica-se que o sistema tem a probabilidade de 13% de estar vazio, tempo médio de permanência do cliente na fila de 5,47 minutos, tempo médio de permanência do cliente no sistema igual a 5,98 minutos e taxa de ocupação equivalente a 77%. No horário de pico o sistema encontra-se bem dimensionado, não havendo necessidade de diminuição de atendentes, visto que o sistema não apresenta ociosidade.

10 Paraêmetros Fórmula Resultado r 1,53 0,77 Po(Probabilidade do Sist. Vazio) 13% NF(nº medio de clientes na fila aguardando atendimento). 16,41 NS(nº de clientes do sistema) 17,94 TF(Tempo medio de permanencia na fila) 5,47 TS(Tempo medio de permanencia do cliente no sistema). 5,98 FIGURA 12 - Parâmetros para a situação de projeção para dias de pico. Fonte: Autores (2014) 5. Conclusões O estudo de teoria de filas é importante para as empresas manterem seus sistemas sem congestionamento e melhorar a satisfação de seus clientes. O sistema estudado possui um modelo de fila M/M/2. O estudo mostrou que o sistema de atendimento é estável onde em situações usuais o ritmo de atendimento (µ), equivalente a 1,96, ter sido maior que o ritmo de chegada (λ), equivalente a 1,88. A taxa de ocupação (ρ) ficou em 0,48. Na situação usual do sistema, o mesmo encontrava-se ocioso necessitando assim, da alocação de um atendente para outro setor. Porém, no horário de pico com taxa de ocupação (ρ) de 0,77, com dois atendentes o sistema encontra-se bem dimensionado. O estudo desenvolvido na empresa do ramo alimentício exemplifica como a pesquisa operacional pode atuar, trazendo vários benefícios para a instituição entre eles, melhoria no espaço, aumento da satisfação de clientes, alocação de funcionários, entre outros. Referências ANDRADE, E. L.Introdução à Pesquisa Operacional. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, ARENALES, M.; ARMENTANO, V.; MORABITO, R.; YANASSE, H. Pesquisa operacional. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007 FOGLIATTI, M. & MATTOS, N. Teoria de filas. Ed. Interciência, HILLIER, F. S. & LIEBERMAN, G. J. Introdução à Pesquisa Operacional. 9ª Edição. São Paulo: McGraw- Hill, MARTINS, G. A. Estatística Geral e Aplicada 3 ed. São Paulo: Atlas, PRADO, D. Teoria das Filas e da Simulação.4. ed. Minas Gerais: INDG, SOUZA, M. B. D.Avaliação do serviço de atentimento ao cliente no check-in de uma empresa aérea. Dissertação (TCC em Engenharia de Produção) Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel, Centro universitário fundação Santo CEUFA, Santo André, 2012.

11

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Bruno Lima Pamplona (CESUPA) b_pamplona@hotmail.com Ciro Jose Jardim de Figueiredo (CESUPA) figueiredocj@yahoo.com.br

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO Rafael de Bruns Sérgio Pacífico Soncim Maria Cristina Fogliatti de Sinay - Phd Instituto Militar de Engenharia IME, Mestrado

Leia mais

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema Simulação de Sistemas Teoria das Filas 1 2 3 Estrutura do Sistema Capacidade do sistema Canais de Serviço 1 Chegada de Clientes de chegada (tempo entre chegadas) Fila de Clientes Tempo de atendimento 2...

Leia mais

Teoria das filas. Clientes. Fila

Teoria das filas. Clientes. Fila Teoria das filas 1 - Elementos de uma fila: População Clientes Fila Servidores 1 3 Atendimento Características de uma fila:.1 Clientes e tamanho da população População infinita > Chegadas independentes

Leia mais

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS Herbety Breno Rodrigues (herbetyveloso@hotmail.com / UEPA) Iuri Costa Rezende (iuri.crezende@hotmail.com / UEPA) Lucas Holanda Munhoz Lourinho

Leia mais

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng.

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Unidade Acadêmica Tecnologia Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Palhoça, Março de 2010 2 Sumário 1.0 TEORIA DAS FILAS... 3 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL... 3 1.2 ASPECTOS GERAIS DA

Leia mais

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL A pesquisa operacional (PO) é uma ciência aplicada cujo objetivo é a melhoria da performance em organizações, ou seja, em sistemas produtivos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel AVALIAÇÃO DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO CHECK-IN DE UMA EMPRESA AÉREA Aluna: Déborah Mendonça Bonfim Souza

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com INICIANDO O ESTUDO História: 1908 matemático

Leia mais

Uma introdução à Teoria das Filas

Uma introdução à Teoria das Filas Uma introdução à Teoria das Filas Introdução aos Processos Estocásticos 13/06/2012 Quem nunca pegou fila na vida? Figura: Experiência no bandejão Motivação As filas estão presentes em nosso cotidiano,

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas

PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas CARACTERÍSTICA PRINCIPAL: presença de clientes solicitando serviços em um posto de serviço e que, eventualmente, devem esperar até que o posto esteja disponível

Leia mais

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas

Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Análise operacional do terminal público do porto do Rio Grande usando teoria de filas Karina Pires Duarte 1, Milton Luiz Paiva de Lima 2 1 Mestranda do curso de Engenharia Oceânica- FURG, Rio Grande, RS

Leia mais

Introdução a Teoria das Filas

Introdução a Teoria das Filas DISC. : PESQUISA OPERACIONAL II Introdução a Teoria das Filas Prof. Mestre José Eduardo Rossilho de Figueiredo Introdução a Teoria das Filas Introdução As Filas de todo dia. Como se forma uma Fila. Administrando

Leia mais

ANAIS TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C

ANAIS TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C TEORIA DE FILAS E SIMULAÇÃO: UM PARALELO ENTRE O MODELO ANALÍTICO E O MODELO POR SIMULAÇÃO PARA MODELOS DE FILA M M 1 E M M C CÁSSIA DA SILVA CASTRO ARANTES (cassiadasilva_16@hotmail.com, cassiascarantes@gmail.com)

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA Byanca Porto de Lima byanca_porto@yahoo.com.br UniFOA Bruna Marta de Brito do Rego Medeiros brunamartamedeiros@hotmail.com

Leia mais

FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY

FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY FILAS NO ATENDIMENTO DE UMA CANTINA - ANÁLISE POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY Raquel Ferreira de Negreiros (UFERSA ) raquel-negreiros@hotmail.com Cibelle dos Santos Carlos (UFERSA ) cibellecarlos@hotmail.com

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2

Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2 Estudos sobre modelagem e simulação de sistemas de filas M/M/1 e M/M/ 2 Paulo Henrique Borba Florencio (PUC-GO) phenrique3103@gmail.com Maria José Pereira Dantas (PUC-GO) mjpdantas@gmail.com Resumo: Modelos

Leia mais

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Lâminas preparadas por: S. H. Demarchi Bibliografia: Setti, J.R (2002). Tecnologia de Transportes USP, São Carlos Fogliatti, M.C. e N.M.C. Mattos

Leia mais

ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO- HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA

ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO- HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA Rio de Janeiro, v.4, n.2, p. 175-186, maio a agosto de 2012 ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO- HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA Ana Laura de Figueiredo Chaves Centro Universitário do Pará

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM Nicholas Matheus Guimaraes Azevedo (UEA) nm_guia@hotmail.com Patricia Santos Alencar (UEA) paty.skp@gmail.com

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Modelo de Filas M/M/1 e M/M/m Prof. Othon Batista othonb@yahoo.com Modelo de Filas Nas aulas anteriores vimos a necessidade de se utilizar uma distribuição para representar

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa

Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa Estudo de simulação para a minimização das filas em uma agência dos Correios do município de Viçosa Maísa Nascimento Soares (UFV) maisansoares@gmail.com Tatiane Silva Cardoso Muglia (UFV) tatianemuglia@yahoo.com.br

Leia mais

Exercícios de Filas de Espera Enunciados

Exercícios de Filas de Espera Enunciados Capítulo 8 Exercícios de Filas de Espera Enunciados Enunciados 124 Problema 1 Os autocarros de uma empresa chegam para limpeza à garagem central em grupos de cinco por. Os autocarros são atendidos em ordem

Leia mais

Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação

Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação Análise de Capacidade de Atendimento dos Caixas de um Supermercado por Meio da Teoria das Filas e Simulação Vinícius Carrijo dos Santos (UEM - CRG) viniciuscarrijodossantos@hotmail.com Diego Aparecido

Leia mais

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS 2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS Uma forma simples de mostrar fisicamente o problema de acúmulos em um sistema (engenheiros, arquitetos e outros técnicos envolvidos

Leia mais

Modelos de Filas de Espera

Modelos de Filas de Espera Departamento de Informática Modelos de Filas de Espera Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autor João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Este material pode

Leia mais

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI Modelos Estocásticos Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 LEGI Capítulo 7 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA Nota: neste capítulo ilustram-se alguns dos conceitos de

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

Gráfico de Controle por Atributos

Gráfico de Controle por Atributos Roteiro Gráfico de Controle por Atributos 1. Gráfico de np 2. Gráfico de p 3. Gráfico de C 4. Gráfico de u 5. Referências Gráficos de Controle por Atributos São usados em processos que: Produz itens defeituosos

Leia mais

Gestão de Operações II Teoria das Filas

Gestão de Operações II Teoria das Filas Gestão de Operações II Teoria das Filas Prof Marcio Cardoso Machado Filas O que é uma fila de espera? É um ou mais clientes esperando pelo atendimento O que são clientes? Pessoas (ex.: caixas de supermercado,

Leia mais

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento 33 Capítulo 4 Teoria de Filas ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento de sistemas de comunicação de dados. Muita atenção deve ser dada aos processos

Leia mais

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo:

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: que cada pessoa disponha do uso exclusivo de uma rua para se movimentar;

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS Arnold Estephane Castro de Souza (UEPA) arnoldecs@hotmail.com Cristiana Santos da Silva (CESUPA) cristiana_piu@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO-HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA

ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO-HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA ESTUDO DA TEORIA DAS FILAS EM UM SISTEMA MÉDICO-HOSPITALAR NA CIDADE DE BELÉM-PA Ana Laura de Figueiredo Chaves (CESUPA) analaurinha18@hotmail.com Ciro Jose Jardim de Figueiredo (CESUPA) figueiredocj@yahoo.com.br

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO BERNARDO DIAS GRANATO SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE SERVIÇO EM UM RESTAURANTE Orientador: D. Sc. Fernando Marques de Almeida

Leia mais

ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS

ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS ANÁLISE DE POLÍTICAS MITIGADORAS DE FILA APLICADAS NUM ESTACIONAMENTO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA DE EVENTOS DISCRETOS Edson Roberto da Silva Michelon (USP) edichelon@gmail.com

Leia mais

6. Programação Inteira

6. Programação Inteira Pesquisa Operacional II 6. Programação Inteira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção Programação Inteira São problemas de programação matemática em que a função objetivo, bem

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Adriano Benigno Moreira Variáveis de Estado As variáveis cujos valores determinam o estado de um sistema são conhecidas como variáveis de estado. Quando a execução de um

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Christianne Calado Vieira de Melo Lopes Julie Nathalie

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO.

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. José Carlos A. Cordeiro Valesca A. Corrêa Julio M. Filho cordeiro21jcac@gmail.com valesca.correa@unitau.com.br eng.juliomalva@gmail.com

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 6

Métodos Quantitativos. aula 6 Métodos Quantitativos aula 6 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Teoria das Filas Elementos de uma Fila: 1. População 2. Clientes 3. Fila 4. Serviço Sinônimos e Jargão de área Podem aparecer

Leia mais

DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina

DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina DE DESEMPENHO DOS SERVIÇOS DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES UTILIZANDO O MODELO DE FILAS: Estudo de Caso em Hospital De Santa Catarina Rafael Vieira Mathias rafaelvmathias@gmail.com UFSC Antonio Sérgio Coelho

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO)

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) Carlos Eduardo de Carvalho

Leia mais

EMPREGO DA TEORIA DAS FILAS PARA A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: O CASO DA APS CANGUÇU - RS

EMPREGO DA TEORIA DAS FILAS PARA A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: O CASO DA APS CANGUÇU - RS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE Mayara Siqueira Trevisan 1 ; Cássia Kely Favoretto Costa 2 ; Ely Mitie Massuda 3 ; Guido Luis Gomes Otto 4 ; Miriam Ueda Yamaguchi 5 1. Graduada

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Luiz Fernando Pacheco Doile

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Luiz Fernando Pacheco Doile UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Luiz Fernando Pacheco Doile TEORIA DE FILAS ANALISANDO O FLUXO DE ATENDIMENTO E O NÚMERO DE ATENDENTES

Leia mais

Gerenciamento de armazém através da ferramenta FMEA: um estudo de caso para o ramo supermercadista

Gerenciamento de armazém através da ferramenta FMEA: um estudo de caso para o ramo supermercadista Gerenciamento de armazém através da ferramenta FMEA: um estudo de caso para o ramo supermercadista Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) mauricioata@yahoo.com.br Jaime Andre Ramos Filho (UTFPR) jaramos@onda.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO Iniciação Científi ca CESUMAR Jul./Dez. 200, v. 2, n. 2, p. 75-82 APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO Danielle Durski Figueiredo* Silvana Heidemann Rocha**

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM E SIMULAÇÃO NOS SISTEMAS DE FILAS M_M_S-ENTENDENDO A NATUREZA DA SIMULAÇÃO

APLICAÇÃO DA MODELAGEM E SIMULAÇÃO NOS SISTEMAS DE FILAS M_M_S-ENTENDENDO A NATUREZA DA SIMULAÇÃO APLICAÇÃO DA MODELAGEM E SIMULAÇÃO NOS SISTEMAS DE FILAS M_M_S-ENTENDENDO A NATUREZA DA SIMULAÇÃO MARINA MEIRELES PEREIRA (PUC-GO) marininhameireles@hotmail.com Maria Jose Pereira Dantas (PUC-GO) mjpdantas@gmail.com

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL Arthur Alexandre Hackbarth Neto, Esp. FURB Universidade Regional de Blumenau Carlos Efrain Stein, Ms. FURB Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

Teoria de Filas Aula 15

Teoria de Filas Aula 15 Teoria de Filas Aula 15 Aula de hoje Correção Prova Aula Passada Prova Little, medidas de interesse em filas Medidas de Desempenho em Filas K Utilização: fração de tempo que o servidor está ocupado Tempo

Leia mais

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso.

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso. Dimensionamento do número de caixas executivos em relação à demanda e tempo de atendimento: um estudo de caso em uma agência bancária no interior do estado de Mato Grosso. Camyla Piran Stiegler Leitner

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma 90 6. CONCLUSÃO Segundo a teoria microecônomica tradicional, se as pequenas empresas brasileiras são tomadores de preços, atuam nos mesmos mercados e possuem a mesma função de produção, elas deveriam obter

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Lista VIII - Testes de Independência e Aderência

Lista VIII - Testes de Independência e Aderência Lista VIII - Testes de Independência e Aderência 19/1/011 Professor Salvatore Estatística II Grau Instrução Região Lista VIII - Lista VIII - Testes de Independência e Aderência Testes de Independência

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

Capítulo 12 Simulador LOGSIM

Capítulo 12 Simulador LOGSIM Jogos de Empresas Manuel Meireles & Cida Sanches 61 Texto selecionado do artigo: Capítulo 12 Simulador LOGSIM CAVANHA FILHO, A.O. Simulador logístico. Florianópolis: UFSC, 2000. (Dissertação submetida

Leia mais

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Corrar, Luiz João Cunha, Darliane* Feitosa, Agricioneide* Professor e Mestrandas em Contabilidade e Controladoria Faculdade

Leia mais

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB REVISTA DO DETUA, VOL. 2, Nº 3, SETEMBRO 1998 1 Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB Elizabeth Fernandez, Rui Valadas Resumo Este artigo

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7.1 Etapas de programação A programação do semáforo deve ser elaborada de acordo com as etapas apresentadas a seguir. Vale lembrar que esta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Troncalização CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva TRONCALIZAÇÃO Troncalização Nos primeiros sistemas de telefonia, um canal era alocado para cada assinante de forma dedicada

Leia mais

UM MODELO MARKOVIANO DE DECISÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO COM TEMPOS DE REPARO COXIANOS E FASES NÃO OBSERVÁVEIS

UM MODELO MARKOVIANO DE DECISÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO COM TEMPOS DE REPARO COXIANOS E FASES NÃO OBSERVÁVEIS ISSN 0101-7438 UM MODELO MARKOVIANO DE DECISÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE MANUTENÇÃO COM TEMPOS DE REPARO COXIANOS E FASES NÃO OBSERVÁVEIS Rita de Cássia Meneses Rodrigues Solon Venâncio de Carvalho

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Marcio Briesemeister (UNISOCIESC ) marcio_bri@ig.com.br Milton Procopio de Borba (UNISOCIESC ) milton_borba@terra.com.br Este trabalho tem como

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO ALL-WEATHER PARA TERMINAIS DE GRANÉIS AGRÍCOLAS NO PORTO DE SANTOS Rosangela de Almeida Correa rosangelaalmeida84@yahoo.com.br Thamires de Andrade Barros veve_s2@hotmail.com Naihara

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE ATENDIMENTO A CLIENTES POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY EM UMA LOJA DE DEPARTAMENTO EM MOSSORÓ/RN

ANÁLISE DO PROCESSO DE ATENDIMENTO A CLIENTES POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY EM UMA LOJA DE DEPARTAMENTO EM MOSSORÓ/RN ANÁLISE DO PROCESSO DE ATENDIMENTO A CLIENTES POR MEIO DE SIMULAÇÃO NO SOFTWARE SIMPY EM UMA LOJA DE DEPARTAMENTO EM MOSSORÓ/RN Anna Karollyna Albino Brito (UFERSA ) anninhabrito_@hotmail.com CHARLES MILLER

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Conceitos, estudo, normas Giuliano Prado de Morais Giglio profgiuliano@yahoo.com.br Objetivos Definir Qualidade Definir Qualidade no contexto de Software Relacionar Qualidade de Processo

Leia mais

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica MODELO PARA PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA RESIDENCIAL CONSIDERANDO MINI E MICROGERAÇÃO A. H. Lautenschleger 1 G. Bordin 1

Leia mais

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos

Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Metodologia de Coleta de Dados de Desempenho Operacional dos Aeroportos Processo Licitatório: Pregão n.3/2012 UASG110590. CONAERO - Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias Comitê Técnico de Desempenho

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS

UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS UDESC DCC TADS DISCIPLINA : PESQUISA OPERACIONAL QUINTA LISTA DE EXERCÍCIOS 1.) Clientes chegam a uma barbearia, de um único barbeiro, com uma duração média entre chegadas de 20 minutos. O barbeiro gasta

Leia mais

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado Parte X Testedegeradoresde números aleatórios Os usuários de uma simulação devem se certificar de que os números fornecidos pelo gerador de números aleatórios são suficientemente aleatórios. O primeiro

Leia mais

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema MÓDULO 5 - TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) Baseado em Andrade, Eduardo Leopoldino de, Introdução à pesquisa operacional, LTC - Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, 2000.; Albernaz, Marco Aurélio,

Leia mais