PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas"

Transcrição

1 PROBLEMAS DE CONGESTIONAMENTO: Teoria das Filas CARACTERÍSTICA PRINCIPAL: presença de clientes solicitando serviços em um posto de serviço e que, eventualmente, devem esperar até que o posto esteja disponível EXEMPLOS: POSTO DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO: formulação de uma política determinando-se o número de atendentes e a especialização de cada um CAPÍTULO 6 de: ANDRADE, Eduardo L de INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL, 3 a ed Rio de Janeiro: LTC Editora, 004 SETOR DE MANUTENÇÃO: dimensionamento da equipe onde haja custos elevados associados a equipamentos danificados, à espera de reparos OPERAÇÃO DE CAIXAS: (bancos, supermercados etc) com o objetivo de estabelecer uma política ótima de atendimento ao público FATORES QUE CONDICIONAM A OPERAÇÃO DOS SISTEMAS DEVEM SER DETERMINADOS NO INÍCIO DO ESTUDO Identificação do cliente Identificação do atendente Forma de atendimento Modo de chegada Disciplina da fila Estrutura do sistema FORMA DE ATENDIMENTO Característica principal: duração aleatória dos atendimentos LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO: determinar a distribuição de probabilidades do número de atendimentos ou da duração de cada atendimento Probabilidade Distribuição de Probabilidades do Número de Atendimentos /tempo atendimentos/t MODO DE CHEGADA ESTRUTURA DO SISTEMA As chegadas de clientes a um sistema ocorrem de maneira aleatória Probabilidade Distribuição de Probabilidades do Número de Chegadas /tempo Sistema de fila e canal CANAIS DE Chegadas / t Sistema de fila e 3 canais

2 MEDIDAS DA EFETIVIDADE DE UM SISTEMA º MODELO: SISTEMA DE CANAL E FILA COM POPULAÇÃO INFINITA Percentual de tempo ocioso ou ocupado Tempo médio que cada cliente gasta na fila de espera Tempo médio gasto pelo cliente no sistema Número médio de clientes na fila Número médio de clientes no sistema Probabilidade de existir um número n de clientes no sistema Média cheg/t Sistema de fila e canal Média atend/t CARACTERÍSTICAS GERAIS DO MODELO EQUAÇÃO BÁSICA DO SISTEMA com média chegadas/tempo negativa com média / com média O número de clientes potenciais é suficientemente grande para que a população possa ser considerada infinita Condição de estabilidade do sistema: < a Probabilidade de haver n clientes no sistema n P ( n) Probabilidade de que o sistema esteja ocioso: Probabilidade de que o número de clientes no sistema seja superior a um certo valor r: P ( n 0 ) P( n > r) r+ Probabilidade de que o sistema esteja ocupado: P (n > 0)

3 Número médio de clientes no sistema (NS): NS Número médio de clientes na fila (NF): NF ( ) Número médio de clientes na fila (para fila > 0): NF (Fila > 0) Tempo médio de espera na fila por cliente (TF): TF Tempo médio gasto no sistema por cliente (TS): TS ( ) ( ) NF NS RELAÇÕES ENTRE TF, TS, NF e NS TF TS TF TS NF NS TAXA DE PARA MÍNIMO CUSTO TOTAL DO SISTEMA CT: custo total do sistema CE: custo de permanência do cliente no sistema médio por período CA: custo de atendimento médio por período CE : custo de permanência ário (por cliente) por período CA : custo de atendimento ário, por cliente CUSTO TOTAL CT CE + CA EVOLUÇÃO DOS CUSTOS Custos CT CA CE * + CE CA sendo * a taxa de serviço que resulta no menor custo total no modelo de fila e canal * Taxa de atendimento 3

4 0, 0,6,4,8,,6 3,4 3,8 º MODELO: SISTEMA DE FILA E DIVERSOS CANAIS COM POPULAÇÃO INFINITA Média cheg/t Sistema de fila e canal CANAIS DE Canais S Média atend/t CARACTERÍSTICAS GERAIS DO MODELO com média chegadas/tempo negativa com média / com média canais de serviço: S O número de clientes potenciais é suficientemente grande para que a população possa ser considerada infinita Ritmo de serviço: S Condição de estabilidade do sistema: < S EQUAÇÕES BÁSICAS DO MODELO Probabilidade de haver 0 cliente no sistema: com P + o S j S j 0 j! (S )! (S ) Probabilidade de que todos os canais estejam ocupados: S Pocup total P(n S) (s )! (S ) P o Medidas de Efetividade: A Número médio de clientes na fila: NF P S B Tempo médio de espera na fila: C Número médio de clientes no sistema: TF NF D Tempo médio gasto no sistema: TS NS NS NF + ocup total Cálculo Gráfico da P OCUP TOTAL 3º MODELO: SISTEMA DE CANAL COM POPULAÇÃO FINITA 0,9 0,8 P OCUP TOTAL S S3 S4 NÚMERO TOTAL DE 0,7 0,6 0,5 0,4, 0,3 0, 0, 0 / Média cheg/t Sistema de fila e canal Média atend/t 3 4

5 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO 3 MODELO EQUAÇÕES BÁSICAS DO MODELO: com média chegadas/tempo negativa com média / com média Número finito de clientes igual a Condição de estabilidade do sistema: < Probabilidade de haver n clientes no sistema: com P (n ) n ( n )! j 0 j! j Medidas de Efetividade: A Número médio de clientes na fila: B Tempo médio de espera na fila: NF + ( P o) ( + ) ( P o TF ) C Número médio de clientes no sistema: NS + ( P o) + D Tempo médio gasto no sistema: ( + ) ( P o TS ) + 5

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema

Simulação de Sistemas Teoria das Filas Estrutura do Sistema Simulação de Sistemas Teoria das Filas 1 2 3 Estrutura do Sistema Capacidade do sistema Canais de Serviço 1 Chegada de Clientes de chegada (tempo entre chegadas) Fila de Clientes Tempo de atendimento 2...

Leia mais

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema

1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita. fila atendentimento saída. sistema Capítulo 1 Teoria das Filas 1.1 Sistema de 1 Canal e 1 Fila com População Infinita chegada fila atendentimento saída sistema 1.1.1 Características Gerais As equações do modelo se baseiam nas seguintes

Leia mais

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL

TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL TEORIA DAS FILAS 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL A pesquisa operacional (PO) é uma ciência aplicada cujo objetivo é a melhoria da performance em organizações, ou seja, em sistemas produtivos

Leia mais

Teoria das filas. Clientes. Fila

Teoria das filas. Clientes. Fila Teoria das filas 1 - Elementos de uma fila: População Clientes Fila Servidores 1 3 Atendimento Características de uma fila:.1 Clientes e tamanho da população População infinita > Chegadas independentes

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com INICIANDO O ESTUDO História: 1908 matemático

Leia mais

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng.

- Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Acadêmica Tecnologia Pesquisa Operacional II. Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Unidade Acadêmica Tecnologia Prof o. Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Palhoça, Março de 2010 2 Sumário 1.0 TEORIA DAS FILAS... 3 1.1 UMA INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL... 3 1.2 ASPECTOS GERAIS DA

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

Introdução a Teoria das Filas

Introdução a Teoria das Filas DISC. : PESQUISA OPERACIONAL II Introdução a Teoria das Filas Prof. Mestre José Eduardo Rossilho de Figueiredo Introdução a Teoria das Filas Introdução As Filas de todo dia. Como se forma uma Fila. Administrando

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 6

Métodos Quantitativos. aula 6 Métodos Quantitativos aula 6 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Teoria das Filas Elementos de uma Fila: 1. População 2. Clientes 3. Fila 4. Serviço Sinônimos e Jargão de área Podem aparecer

Leia mais

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento

ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento 33 Capítulo 4 Teoria de Filas ATeoria de filas é uma das abordagens mais utilizadas no estudo de desempenho e dimensionamento de sistemas de comunicação de dados. Muita atenção deve ser dada aos processos

Leia mais

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas

Objetivos. Teoria de Filas. Teoria de Filas Objetivos Teoria de Filas Michel J. Anzanello, PhD anzanello@producao.ufrgs.br 2 Teoria de Filas Filas estão presentes em toda a parte; Exemplos evidentes de fila podem ser verificados em bancos, lanchonetes,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel AVALIAÇÃO DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO CHECK-IN DE UMA EMPRESA AÉREA Aluna: Déborah Mendonça Bonfim Souza

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM

ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM ESTUDO DA DINÂMICA DAS FILAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA UEA-AM Nicholas Matheus Guimaraes Azevedo (UEA) nm_guia@hotmail.com Patricia Santos Alencar (UEA) paty.skp@gmail.com

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM.

ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. ESTUDO DO SISTEMA DE COMPRA DE INGRESSOS EM UMA REDE DE CINEMAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM. Bruno Lima Pamplona (CESUPA) b_pamplona@hotmail.com Ciro Jose Jardim de Figueiredo (CESUPA) figueiredocj@yahoo.com.br

Leia mais

Modelos de Filas de Espera

Modelos de Filas de Espera Departamento de Informática Modelos de Filas de Espera Métodos Quantitativos LEI 2006/2007 Susana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autor João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) Este material pode

Leia mais

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Troncalização. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Troncalização CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva TRONCALIZAÇÃO Troncalização Nos primeiros sistemas de telefonia, um canal era alocado para cada assinante de forma dedicada

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ANALISE DE UMA EMPRESA DE LAVA-RÁPIDO EM VOLTA REDONDA Byanca Porto de Lima byanca_porto@yahoo.com.br UniFOA Bruna Marta de Brito do Rego Medeiros brunamartamedeiros@hotmail.com

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Sistemas de Filas: Aula 1 Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Tópicos em Teoria das Filas 9. Introdução a sistemas de filas; lei de Little, M/M/1 10. Filas Markovianas (processo de renovação) 11. Fila

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Gestão de Operações II Teoria das Filas

Gestão de Operações II Teoria das Filas Gestão de Operações II Teoria das Filas Prof Marcio Cardoso Machado Filas O que é uma fila de espera? É um ou mais clientes esperando pelo atendimento O que são clientes? Pessoas (ex.: caixas de supermercado,

Leia mais

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema

Fig.1. Exemplo de fila com seus componentes. Sistema MÓDULO 5 - TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) Baseado em Andrade, Eduardo Leopoldino de, Introdução à pesquisa operacional, LTC - Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, 2000.; Albernaz, Marco Aurélio,

Leia mais

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico

Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8338 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8339 Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico 8340 Documento

Leia mais

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes

Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Aplicação da Teoria das Filas à Operação de Transportes Lâminas preparadas por: S. H. Demarchi Bibliografia: Setti, J.R (2002). Tecnologia de Transportes USP, São Carlos Fogliatti, M.C. e N.M.C. Mattos

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL ELEMENTOS BÁSICOS NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL 16/08/2011 1 CAPITAL: Refere-se aos ativos de longo prazo utilizados na produção; ORÇAMENTO: é o plano que detalha entradas e saídas projetadas durante

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU TEORIA DAS FILAS FERNANDO MORI prof.fmori@gmail.com A teoria das filas iniciou com o trabalho de Erlang (1909) na indústria telefônica no inicio do século vinte. Ele fez estudos

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

Uma introdução à Teoria das Filas

Uma introdução à Teoria das Filas Uma introdução à Teoria das Filas Introdução aos Processos Estocásticos 13/06/2012 Quem nunca pegou fila na vida? Figura: Experiência no bandejão Motivação As filas estão presentes em nosso cotidiano,

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Teoria da Filas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Teoria da Filas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção Teoria da Filas Prof. Fabrício Maciel Gomes Teoria das Filas Por quê das Filas? Procura por um serviço maior do que a capacidade do

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO Iniciação Científi ca CESUMAR Jul./Dez. 200, v. 2, n. 2, p. 75-82 APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NA OTIMIZAÇÃO DO NÚMERO DE CAIXAS: UM ESTUDO DE CASO Danielle Durski Figueiredo* Silvana Heidemann Rocha**

Leia mais

Manual de segurança SIL

Manual de segurança SIL Manual de segurança SIL PolyTrans P32000P0/1* ThermoTrans P32100P0/1* SensoTrans P32200P0/1* SensoTrans P32300P0/1* www.knick.de Índice 1 Âmbito de aplicação e padrões... 4 1.1 Abreviaturas...6 2 Descrição

Leia mais

Pesquisa Operacional II

Pesquisa Operacional II Pesquisa Operacional II Modelo de Filas Professor: Roberto César A Notação de Kendall Um modelo de fila pode ser descrito pela notação: A/B/c/K/m/Z em que: A = distribuição dos intervalos entre chegadas;

Leia mais

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo:

Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: Por que aparecem as filas? Não é eficiente, nem racional, que cada um disponha de todos os recursos individualmente. Por exemplo: que cada pessoa disponha do uso exclusivo de uma rua para se movimentar;

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

A nova Politica Agrícola Comum. Cofinanciado pela Comissão Europeia

A nova Politica Agrícola Comum. Cofinanciado pela Comissão Europeia A nova Politica Agrícola Comum em Portugal Cofinanciado pela Comissão Europeia Em Portugal a agricultura: ocupa 70% do território; contribui para 6% do PIB; representa 15% das exportações e 18% das importações

Leia mais

Gestão da Produção Variabilidade das operações Filas de espera

Gestão da Produção Variabilidade das operações Filas de espera Variabilidade das operações Filas de espera José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 26 Tópicos Variabilidade dos fluxos Teoria clássica das filas de espera Medidas de desempenho das filas de

Leia mais

ESTUDO REALIZADO SOBRE TEORIA DAS FILAS APLICADO A UMA CASA LOTÉRICA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ

ESTUDO REALIZADO SOBRE TEORIA DAS FILAS APLICADO A UMA CASA LOTÉRICA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ ESTUDO REALIZADO SOBRE TEORIA DAS FILAS APLICADO A UMA CASA LOTÉRICA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ Sidnei Silva e Silva (UEPA) sidnei-abu@hotmail.com maria de fatima silva diniz (UEPA) mariadefatimadiniz@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS

ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS ESTUDO DE TEORIA DAS FILAS EM UMA EMPRESA DE DEPARTAMENTOS Herbety Breno Rodrigues (herbetyveloso@hotmail.com / UEPA) Iuri Costa Rezende (iuri.crezende@hotmail.com / UEPA) Lucas Holanda Munhoz Lourinho

Leia mais

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI

Modelos Estocásticos. Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA LEGI Modelos Estocásticos Resolução de alguns exercícios da Colectânea de Exercícios 2005/06 LEGI Capítulo 7 PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E FILAS DE ESPERA Nota: neste capítulo ilustram-se alguns dos conceitos de

Leia mais

1. OBJETIVO. 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO. 2 3. SIGLAS UTILIZADAS. 2 4. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA INTERNA. 3 5. DIRETRIZES. 3 6. 4 7.

1. OBJETIVO. 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO. 2 3. SIGLAS UTILIZADAS. 2 4. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA INTERNA. 3 5. DIRETRIZES. 3 6. 4 7. - DRH Pág. 1 de 12 INDÍCE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA INTERNA... 3 5. DIRETRIZES... 3 6. CRITÉRIOS PARA APROVAÇÃO DO

Leia mais

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística 17ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas Económicas 20 março 2015 Agenda 1. A

Leia mais

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção λ número médio de clientes que entram no sistema por unidade de tempo; µ número médio de clientes atendidos (que saem do sistema) por unidade de tempo; Servidores (mecânicos) no sistema; número de máquinas

Leia mais

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE

TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE TEORIA DAS FILAS: UMA APLICAÇÃO EM PRONTO ATENDIMENTO DE SAÚDE Mayara Siqueira Trevisan 1 ; Cássia Kely Favoretto Costa 2 ; Ely Mitie Massuda 3 ; Guido Luis Gomes Otto 4 ; Miriam Ueda Yamaguchi 5 1. Graduada

Leia mais

Regulamento da Biblioteca

Regulamento da Biblioteca Regulamento da Biblioteca Art. 1º A Biblioteca da Unicampo - Faculdade União de Campo Mourão é regida pelo presente Regulamento e por normas adicionais emitidas pelos órgãos competentes da Faculdade União

Leia mais

Informações importantes para o dimensionamento do call center

Informações importantes para o dimensionamento do call center Informações importantes para o dimensionamento do call center Informações importantes para dimensionamento do call center Este documento tem por objetivo especificar dados e indicadores mais importantes

Leia mais

ELEMENTOS DA TEORIA DAS FILAS

ELEMENTOS DA TEORIA DAS FILAS ELEMENTOS DA TEORIA DAS FILAS OSWALDO FADIGAS TORRES "As teorias podem ser descritas em têrmos simples, ainda que se refiram a fenômenos que não pareçam sê-lo." - J. D. WILLIAMS Com êste artigo, exposição

Leia mais

CAPÍTULO 3. Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão

CAPÍTULO 3. Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão CAPÍTULO 3 Sistemas com Vários Componentes (Multicomponentes) em Modelos Markovianos de Decisão 3.1 - Multicomponentes Conceitos Básicos: O conceito de multicomponente é utilizado em diversas áreas de

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Modelo de Filas M/M/1 e M/M/m Prof. Othon Batista othonb@yahoo.com Modelo de Filas Nas aulas anteriores vimos a necessidade de se utilizar uma distribuição para representar

Leia mais

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso.

Scaling the number of boxes executives regarding demand and time of attendance: a case study in a bank branch in the state of Mato Grosso. Dimensionamento do número de caixas executivos em relação à demanda e tempo de atendimento: um estudo de caso em uma agência bancária no interior do estado de Mato Grosso. Camyla Piran Stiegler Leitner

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN GUILHERME MARTINS SANTANA Endereço Eletrônico: g.santana@ufsc.br Documentos Obrigatórios Os documentos obrigatórios que devem acompanhar qualquer solicitação de pagamento de uma compra são: Documento fiscal

Leia mais

Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília

Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília Conceitos de Telefonia Celular Trafego Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília Objetivos Mostrar primeiros contatos com teoria de despacho e filas Aprender os rudimentos

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 9: Filas com Alocação de Memória Estática O objetivo desta aula é apresentar estrutura de dados Fila e suas aplicações. Motivação A estrutura

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

Uma introdução às técnicas de simulação de filas de espera para Directores Clínicos. Ismael Bernardo Ricardo Rosa Rui Assis

Uma introdução às técnicas de simulação de filas de espera para Directores Clínicos. Ismael Bernardo Ricardo Rosa Rui Assis Uma introdução às técnicas de simulação de filas de espera para Directores Clínicos Ismael Bernardo Ricardo Rosa Rui Assis 2005 Programa Projecção de dois casos de filas de espera (Bank e Supermarket)

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO / 2013

SISTEMA DE AVALIAÇÃO / 2013 SISTEMA DE AVALIAÇÃO / 2013 PROCESSO DE AVALIAÇÃO A avaliação para a Educação Infantil e 1º ano do Ensino Fundamental se pauta em: Observação, registro e avaliação formativa A observação e o registro se

Leia mais

Métodos de Simulação em Logística

Métodos de Simulação em Logística Call Center Métodos de Simulação em Logística Exercício HelpDesk No departamento de suporte técnico da empresa está sendo estudada uma nova forma de atender os chamados dos clientes. A gerência deseja

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS

2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS 2. MODELOS DE FILAS E ESTOQUES COM CHEGADAS E ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS Uma forma simples de mostrar fisicamente o problema de acúmulos em um sistema (engenheiros, arquitetos e outros técnicos envolvidos

Leia mais

O SAC na era das comunicações. digitais multicanal, o que há de novo?

O SAC na era das comunicações. digitais multicanal, o que há de novo? O SAC na era das comunicações digitais multicanal, o que há de novo? O que há de novo em: Planejamento de Capacidade Importância Porque planejamento de capacidade?... Agentes de Atendimento Cliente Final

Leia mais

DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL E FINANÇAS Setor de Apoio Jurídico e Contencioso

DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL E FINANÇAS Setor de Apoio Jurídico e Contencioso CAPÍTULO VII Tabelas De Taxas Urbanísticas (TTU) SECÇÃO I Urbanização e edificação SUBSECÇÃO I Artigo 1.º Operações de loteamento 1-Apresentação do requerimento para licenciamento ou admissão de comunicação

Leia mais

TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory)

TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) TEORIA DAS FILAS (Queueing Theory) 1. INTRODUÇÃO A abordagem matemática das filas se iniciou em 1908, na cidade de Copenhague, Dinamarca. O pioneiro da investigação foi o matemático Agner Krarup Erlang

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Norma Regulamentadora Nº 05/2007

Norma Regulamentadora Nº 05/2007 Norma Regulamentadora Nº 05/2007 NORMA REGULAMENTAR DA JÓIA ATUARIAL DECORRENTE DE INCLUSÃO OU SUBSTITUIÇÃO DE CÔNJUGE OU COMPANHEIRO (A) 1. OBJETIVO 1.1 A presente Norma Regulamentar tem por objetivo

Leia mais

O Balanço Social será composto pelos seguintes indicadores:

O Balanço Social será composto pelos seguintes indicadores: LEI N o 9.536, DE 28 DE JUNHO DE 2004. SÚMULA: Cria o Selo da Cidadania por meio da apresentação do Balanço Social das empresas públicas e privadas e das organizações do terceiro setor estabelecidas no

Leia mais

ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL

ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE DO FLUXO DE LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO DOS UTENSÍLIOS DE UM RESTAURANTE DE ESCALA INDUSTRIAL Trabalho

Leia mais

Teoria das Filas e Simulações

Teoria das Filas e Simulações UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Apostila de Modelagem e Avaliação de Desempenho: Teoria das Filas e Simulações Prof. Walteno Martins

Leia mais

Teoria de Filas Aula 15

Teoria de Filas Aula 15 Teoria de Filas Aula 15 Aula de hoje Correção Prova Aula Passada Prova Little, medidas de interesse em filas Medidas de Desempenho em Filas K Utilização: fração de tempo que o servidor está ocupado Tempo

Leia mais

VI SEMANA DE MATEMÁTICA DA UESC

VI SEMANA DE MATEMÁTICA DA UESC VI SEMANA DE MATEMÁTICA DA UESC Introdução à Cadeias de Markov: Processos Markovianos de parâmetro discreto Autores: Msc. Cláudia Ribeiro Santana Phd. Enio G. Jelihovschi Msc. Pedro Carlos Elias Ribeiro

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL DE APOIO AO ENSINO DE TEORIA DE FILAS Arnold Estephane Castro de Souza (UEPA) arnoldecs@hotmail.com Cristiana Santos da Silva (CESUPA) cristiana_piu@hotmail.com

Leia mais

APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV

APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV APRESENTAÇÃO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV 1) Voce escolhe se quer investir as suas contribuições em Renda Variável Ao iniciar a contribuição ao Plano de Previdência da CargillPrev (Planos Cargill

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO

PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO PESQUISA OPERACIONAL: UMA APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS A UM SISTEMA DE ATENDIMENTO Rafael de Bruns Sérgio Pacífico Soncim Maria Cristina Fogliatti de Sinay - Phd Instituto Militar de Engenharia IME, Mestrado

Leia mais

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner

Revisão da Literatura Tema 2. Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Revisão da Literatura Tema 2 Mestranda: Arléte Kelm Wiesner Sistema Termo utilizado em muitas situações Prado (2014) afirma que: Sistema é uma agregação de objetos que têm alguma interação ou interdependência.

Leia mais

EMPREGO DA TEORIA DAS FILAS PARA A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: O CASO DA APS CANGUÇU - RS

EMPREGO DA TEORIA DAS FILAS PARA A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE ESPERA DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: O CASO DA APS CANGUÇU - RS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Exercícios de Filas de Espera Enunciados

Exercícios de Filas de Espera Enunciados Capítulo 8 Exercícios de Filas de Espera Enunciados Enunciados 124 Problema 1 Os autocarros de uma empresa chegam para limpeza à garagem central em grupos de cinco por. Os autocarros são atendidos em ordem

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA

DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DANIEL SILVA MORO DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA SÃO PAULO 2010 ii DANIEL SILVA MORO DIMENSIONAMENTO DE CANAIS DE ATENDIMENTO EM UMA AGÊNCIA

Leia mais

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: O conhecimento das velocidades do fluxo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação.

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação. Fascículo 8 Planejamento e controle da capacidade Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de administração da produção. Um

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III CAPÍTULO I DA Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade orientar e normalizar o serviço de circulação de obras da Sala de Leitura da Associação

Leia mais

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio I Introdução e modelos de Referência (OSI e TCPIP) ) Considere um sistema de comunicação, cuja arquitectura é baseada num modelo hierárquico e constituído por 4 camadas numeradas de a 4 (da inferior para

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Identificação da Prestadora Razão Social Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Grupo Econômico Serviço(s) Explorado(s) pelo Grupo Econômico ( ) Concessionária do STFC ( ) Prestadora do SMP ( ) Outros.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira

MODELAGEM E SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Adriano Benigno Moreira Variáveis de Estado As variáveis cujos valores determinam o estado de um sistema são conhecidas como variáveis de estado. Quando a execução de um

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.523, DE 31 DE JULHO DE 2008. Vigência Regulamenta a Lei n o 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Gráfico de Controle por Atributos

Gráfico de Controle por Atributos Roteiro Gráfico de Controle por Atributos 1. Gráfico de np 2. Gráfico de p 3. Gráfico de C 4. Gráfico de u 5. Referências Gráficos de Controle por Atributos São usados em processos que: Produz itens defeituosos

Leia mais

Fale com seus clientes quando seja mais conveniente para eles com o Genesys Web Callback

Fale com seus clientes quando seja mais conveniente para eles com o Genesys Web Callback Folheto de produto Genesys Web Callback Fale com seus clientes quando seja mais conveniente para eles com o Genesys Web Callback Não importa quão bom seja seu atendimento ao cliente, há momentos em que

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da Terra. Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Estatística PPgMAE/UFRN

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da Terra. Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Estatística PPgMAE/UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da Terra Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Estatística PPgMAE/UFRN EDITAL N 01-2013/PPgMAE PROCESSO SELETIVO 2014 Mestrado em

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 14/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 14/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 14/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito aos consumidores Com a publicação do Decreto-Lei

Leia mais

Enfoque: Reflexão Contábil ISSN: 1517-9087 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil

Enfoque: Reflexão Contábil ISSN: 1517-9087 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Enfoque: Reflexão Contábil ISSN: 1517-9087 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Lemos Duarte, Sérgio; Ribeiro Pinto, Kleber Carlos; Lemes, Sirlei INTEGRAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS AO TIME-DRIVEN

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 nas Estruturas segundo a NBR

Leia mais

Precauções, defeitos comuns e como localizá-los

Precauções, defeitos comuns e como localizá-los Precauções, defeitos comuns e como localizá-los Tenho observado, nos drivers Apoena, que a maioria dos problemas relatados ou drivers enviados p/ conserto, tem sido causado por imperícia, descuido ou falta

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS 1. OBJETIVO As presentes NORMAS DE ATENDIMENTO regulam os procedimentos para utilização do espaço físico e acervo das Bibliotecas da Estácio. 2. DEFINIÇÕES Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas utilizado

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais