Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade"

Transcrição

1 Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema distribuído, com vários processadores, a questão de como eles são utilizados é de fundamental importância. Os processadores em um sistema distribuído podem ser organizados de diversas maneiras. Vamos mostrar duas das organizações mais comuns, o modelo da estação de trabalho e o modelo do pool de processadores, além de uma terceira que engloba características de cada uma delas. Em alguns sistemas as estações de trabalho têm um disco local, e em outras não. Esta última configuração é conhecida universalmente como estações diskless, enquanto a primeira não tem um nome que a identifique. Se as estações de trabalho forem diskless, então o sistema de arquivos deve ser implementado em um ou mais servidores em qualquer ponto da rede. Algumas vantagens e desvantagens de utilizar estações de trabalho com disco e estações diskless são mostradas na tabela abaixo. Uso do disco Vantagens Desvantagens Diskless Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Alta utilização da rede; os servidores de arquivo podem ser transformar em Paginação e arquivos temporários Paginação, arquivos temporários e arquivos binários do sistema Paginação, arquivos temporários, arquivos binários do sistema e cache de arquivos Sistema de arquivo local completo Reduz a carga na rede em relação ao esquema diskless Reduz ainda mais a carga na rede Carga ainda menor na rede; reduz a carga nos servidores de arquivo Elimina qualquer carga na rede; elimina a necessidade de arquivo um gargalo Custo mais alto devido ao grande número de discos necessários Alto custo; complexidade adicional na atualização de arquivos binários Alto custo; problemas de consistência da cache Perda da transparência A progressão de cima para baixo na tabela acima, corresponde à completa dependência em relação aos servidores de arquivo, até a completa independência em relação aos mesmos. Uma ferramenta utilizada para fazer uma análise de desempenho dos modelos citados anteriormente é a Teoria das Filas. Um sistema de filas é uma situação na qual os usuários geram requisições de trabalho randômicas para um servidor. Quando ocupado, os usuários são enfileirados e atendidos em ordem de chegada. Chamamos a taxa de entrada de λ requisições por segundo, para todos os usuários combinados, e µ a taxa segundo a qual o servidor pode processar as requisições. Para situações de estabilidade, devemos ter µ>λ. Caso contrários, a fila cresce indefinidamente.

2 Modelo de Estação de Trabalho O modelo de estação de trabalho é extremamente simples: o sistema é composto de estações de trabalho (computadores pessoais de alto desempenho) espalhadas por um edifício ou por um campus universitário, e conectadas através de uma rede local de alta velocidade. Algumas das estações de trabalho podem estar em um determinado escritório, sendo, portanto implicitamente dedicadas a um único usuário, enquanto outras podem estar instaladas em áreas públicas, tendo vários usuários ao longo de um dia. Em ambos os casos, em determinado instante de tempo, uma estação de trabalho tem um único usuário a utilizála, portanto tendo um dono temporário ou está ociosa, conforme mostrada na figura abaixo. As vantagens do modelo da estação de trabalho são muitas, a maioria delas evidentes. O modelo é com certeza o mais fácil de entender. Os usuários têm uma quantidade fixa de poder de computação dedicado, e, portanto um tempo de resposta garantido. Sofisticados programas gráficos podem rodar muito rapidamente, uma vez que eles podem ter acesso direto à tela. Cada usuário tem um alto grau de autonomia, e pode alocar os recursos de suas estação na medida do necessário. Contudo, este modelo tem dois problemas. Em primeiro lugar, com a queda constante dos preços dos chips, em breve vai ser possível entregar a cada usuário inicialmente 10 processadores, podendo este número chegar a 100. Em segundo lugar, deve ser observado que um usuário pode não usar muito a sua estação, deixando-a ociosa por um bom tempo, enquanto um outro usuário pode estar precisando de capacidade extra de computação, não podendo obtê-la por conta da arquitetura do sistema. O primeiro problema pode ser solucionado, fazendo com que cada estação seja um sistema multiprocessador pessoal. O segundo problema, as estações de trabalho ociosas, está focada na solução destes problemas. As questões chaves são: 1) Como encontrar uma estação de trabalho ociosa? 2) Como um processo remoto pode rodar de maneira transparente? 3) O que acontece quando o dono da máquina voltar a usá-la? Vamos considerar estes aspectos um de cada vez.

3 Como encontrar uma estação de trabalho ociosa? Os algoritmos usados para identificar estações de trabalho ociosas podem ser divididos em duas categorias: dirigidos por servidor ou dirigidos por cliente.o primeiro caso é mostrado na figura abaixo. A outra forma de localizar uma estação de trabalho livre é usando a metodologia dirigida por cliente, que envia em broadcast uma requisição informando qual programa deseja rodar, quanto de memória precisa, se há ou não necessidade do co-processador aritmético, e assim por diante. Esses detalhes não são necessários se todas as estações de trabalho forem idênticas, porém, se o sistema for heterogêneo, caso em que em todo programa podem rodar em qualquer estação de trabalho, elas são fundamentais. Quando chegam as respostas, escolhe uma delas e vai em frente. Uma variação interessante é fazer com que as estações de trabalho ociosas atrasem ligeiramente suas respostas, com o retardo sendo proporcional a sua carga de trabalho atual. Assim, a resposta vinda da estação menos carregada chega primeiro, sendo então selecionada esta estação de trabalho para executar o processo remoto. Como um processo remoto pode rodar de maneira transparente? A movimentação do código do processo não traz problema algum. O problema é executar o processo remotamente, fazendo-o enxergar o mesmo ambiente que ele teria se executado localmente, na estação de trabalho home, então executar o trabalho como se ele fosse gerado localmente. Para começar é preciso ter a mesma visão do sistema de arquivos, o mesmo diretório de trabalho, e as mesmas variáveis ambientais, se houver alguma.

4 O que acontece quando o dono da máquina voltar a usá-la? Uma metodologia é efetuar a migração do processo para outra máquina, levando-o de volta a máquina home, ou para outra estação ociosa. Quando o processo abandonar a máquina, deve deixá-la exatamente no mesmo estado que a encontrou, de forma a não trazer problemas para o dono da máquina. Modelo do Pool de Processadores Imagine uma prateleira cheia de processadores instalada em uma sala, sendo que tais processadores poderiam ser alocados aos usuários dinamicamente, sob demanda, segundo o esquema abaixo. Em vez de entregar a cada usuário uma estação de trabalho, entrega-se terminais de alto desempenho. Se o sistema de arquivos pode ser centralizado em um pequeno número de servidores de arquivo para ganhar economia de escala, deveria ser possível fazer o mesmo para os servidores de poder computacional. Colocando todos os processadores juntos, reduz substancialmente os gastos, inclusive energia, ganhando-se mais poder computacional com menos dinheiro, além de desacoplar o número de usuários do número de estações de trabalho. O modelo também permite um fácil crescimento incremental. Se a carga computacional aumentar, basta incluir mais processadores no pool. Em última análise, estamos tentando retirar as estações de trabalho ociosas, pois os processadores serão alocados dinamicamente, e depois devolvidos ao pool para que outros usuários possam usá-los. Aqui não há o conceito de propriedade: todos os processadores pertencem igualmente a todos os usuários. Modelo Híbrido Uma solução de compromisso possível entre os dois modelos anteriormente descritos é fornecer uma estação de trabalho a cada usuário, e, além disso, formar um pool de processadores. Apesar desta solução ser mais cara do que as anteriores, ela combina as vantagens de ambas.

5 O trabalho interativo pode ser feito nas estações de trabalho, assegurando o desejado tempo de resposta constante. As estações de trabalho ociosas simplesmente não serão utilizadas, simplificando bastante o projeto do sistema. Todos os processos não-interativos deverão rodar no pool de processadores, junto com todo o processamento pesado. Este modelo fornece uma resposta interativa muito rápida, um uso eficiente dos processadores, e um projeto extremamente simples.

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Por que Redes? Estamos cercados por redes: supermercados, lojas, bancos, cinemas, farmácias e inúmeros outros lugares; Com a queda do custo de implementação de redes, é praticamente impossível pensar em

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva.

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática. Microarquiteturas de Alto Desempenho. Multithreading. Gabriel P. Silva. Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Gradução em Informática Microarquiteturas de Alto Desempenho Multithreading Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos suportam o conceito de threads,

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho 4a. Aula Técnicas de Avaliação de Desempenho Modelagem Marcos

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Figura 1: Como um PABX IP se integra na Rede. PSTN, em português, é Rede de Telefonia Pública Comutada.

Figura 1: Como um PABX IP se integra na Rede. PSTN, em português, é Rede de Telefonia Pública Comutada. O Que é um PABX IP? Um PABX IP é um sistema completo de telefonia que fornece chamadas telefônicas em cima da redes de dados IP. Todas as conversações são enviadas como pacotes de dados sobre a rede. A

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

AULA 16 - Sistema de Arquivos

AULA 16 - Sistema de Arquivos AULA 16 - Sistema de Arquivos Arquivos podem ser vistos como recipientes que contêm dados ou como um grupo de registros correlatos. Os arquivos armazenam informações que serão utilizadas, em geral, por

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread;

Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread; CAPÍTULO VI THREADS 6.1 INTRODUÇÃO Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread; O sistema operacional Toth, em 1979, foi o primeiro a implementar

Leia mais

Trabalho Computacional

Trabalho Computacional Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Profª Claudia Boeres Teoria dos Grafos - 2014/2 Trabalho Computacional 1. Objetivo Estudo e implementação de algoritmos para resolução

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA CAMPUS RENASCENÇA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Objetivos da Aula Diferenciar automação da mecanização. Posicionar a automação industrial no contexto histórico. Classificar os tipos

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação - DCC/IM Arquitetura de Computadores II Multithreading Prof. Gabriel P. Silva Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos

Leia mais

8 Threads. 8.1 Introdução

8 Threads. 8.1 Introdução 1 8 Threads 8.1 Introdução Uma thread, também chamada de tarefa, pode ser definida como uma parte ou rotina de um processo em execução que compartilha o mesmo espaço de endereçamento, mas tem seu próprio

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

Vantagens do upgrade do software TecAt Plus 6 desde a versão TecAt Plus 5

Vantagens do upgrade do software TecAt Plus 6 desde a versão TecAt Plus 5 Mogi das Cruzes, 01 de Fevereiro de 2015 Vantagens do upgrade do software TecAt Plus 6 desde a versão TecAt Plus 5 Prezado usuário do TecAt Plus 5: Caso não tenha visitado nosso site ultimamente, estamos

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Resolução de Problemas de Rede Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Ferramentas para manter o desempenho do sistema Desfragmentador de disco: Consolida arquivos e pastas fragmentados Aumenta

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: O Computador como uma Máquina Multinível (cont.) José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Máquina Multinível Moderna Figura 1 Máquina

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

O Computador na Escola. Prof. José Maurício S. Pinheiro

O Computador na Escola. Prof. José Maurício S. Pinheiro O Computador na Escola Prof. José Maurício S. Pinheiro Centro Universitário itá i de Volta Redonda d UniFOA - 2007 As utilidades do computador na escola Capacitação de professores Ferramenta pedagógica

Leia mais

S I - Sistemas Inteligentes Eletrônicos Ltda www.viawebsystem.com.br. Configurar mais de um VIAWEB receiver em um mesmo computador

S I - Sistemas Inteligentes Eletrônicos Ltda www.viawebsystem.com.br. Configurar mais de um VIAWEB receiver em um mesmo computador S I - Sistemas Inteligentes Eletrônicos Ltda www.viawebsystem.com.br Configurar mais de um VIAWEB receiver em um mesmo computador O VIAWEB receiver, é o software servidor, responsável por manter as conexões

Leia mais

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão.

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Você deve ter bons conhecimentos de estoque, UM e administração de posições

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY) BACKUP É a cópia de dados de um dispositivo para o outro e tem como objetivo ter uma maior segurança em caso de problema com os dados originais. Todo backup tem um único

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Produtividade. Sem tempo a

Produtividade. Sem tempo a Produtividade Sem tempo a A NDREA MARQUES/ FOTONAUTA perder Contax investe em tecnologias Microsoft para facilitar o trabalho de seus operadores e garantir que eles atendam os clientes com mais agilidade

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição Sumário Administração de Banco de dados Módulo 12 1. Administração de SGBDs - Continuação 1.1. Recuperação (Recovery) 1.1.1. Recuperação de sistema 1.1.2. Recuperação da mídia M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Prof. Ms. Márcio Andrey Teixeira A Caracterização dos Sistemas Funções do S.O Administração de Processos Administração da Memória Principal Administração do Armazenamento Secundário Administração

Leia mais

2 Modelos de Implementação

2 Modelos de Implementação 2 Modelos de Implementação Os modelos de concorrência definem como uma aplicação atende às requisições concorrentes. Os modelos de sandboxes definem como o ambiente das aplicações são criados. Os modelos

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional?

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Mauricio R.Suppa (GESTAL Ltda) Marcos Iuquinori Terada (GESTAL Ltda) Afim de se obter o máximo aproveitamento

Leia mais

CARTOSOFT GUIA PRÁTICO PROCART SISTEMAS

CARTOSOFT GUIA PRÁTICO PROCART SISTEMAS CARTOSOFT GUIA PRÁTICO PROCART SISTEMAS INSTALAÇÃO DO SISTEMA E CONFIGURAÇÃO PARA USO EM REDE Versão 1.1 Instalação Programa Cartosoft 1 INICIANDO 1.1 Instalando o Programa Clique no programa InstaladorCartosoft.exe.

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X Ingersoll Rand Sistema de Automação Série- Economia de Energia Por Encomenda! Ingersoll Rand 20% a 60% da energia utilizada para operar os sistemas de ar comprimido são desperdiçados. Isso ocorre principalmente

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Desempenho Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Fundamentos de Organização de Computadores Desempenho Avaliação de Desempenho

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Microsoft Windows R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2016 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações

Leia mais

Planeamento e Seguimento de Projectos

Planeamento e Seguimento de Projectos Planeamento e Seguimento de Projectos Introdução Uma empresa sem objectivos a atingir é uma empresa desorientada, mas ter objectivos a atingir sem qualquer plano não deixa de ser apenas uma esperança.

Leia mais

DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço

DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço DDoS: como funciona um ataque distribuído por negação de serviço Entenda como aconteceu a queda dos servidores dos sites do governo brasileiro Por Fabio Jordão em 24 de Junho de 2011 Está repercutindo

Leia mais

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet.

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 COMPUTAÇÃO EM NUVEM Leonardo André Junges 1 Neimar Sierota 2 Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais encontramos tudo ou praticamente tudo

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica

NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica NextCall Server Servidor de Gravação Telefônica www.nexttech.com.br NextTech Automação Ltda - (11) 3019-2020 Por que gravar? Gravação telefônica é legal? O que é um Servidor de gravação? Será que funciona

Leia mais

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari. amanda@fcav.unesp.br

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari. amanda@fcav.unesp.br Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Documentário http://www.youtube.com/watch?v=sx1z_mgwds8 Introdução Computadores de primeira geração (1946 1959): A primeira geração

Leia mais

COMO COMEÇAR 2016 se organizando?

COMO COMEÇAR 2016 se organizando? COMO COMEÇAR 2016 se organizando? Como começar 2016 se organizando? Conheça estratégias simples para iniciar o novo ano com o pé direito Você sabia que, de acordo com o Sebrae, os principais motivos que

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Tipos de Computadores

Tipos de Computadores Tipos de Computadores A potência de um computador pessoal é medida Pelo tipo de processador (Pentium IV, Celeron, etc.) Pela dimensão da memória RAM Pela capacidade do disco fixo Pela placa gráfica Pela

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Fagner do Nascimento Fonseca a, Orientador(a): Flávia Maristela S. Nascimento b a Instituto Federal da Bahia b Instituto

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador.

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Resumo 01 O que é um processador? O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Os processadores atualmente são encapsulados

Leia mais

PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0)

PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0) Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Suporte Técnico aos Usuários PANDION MANUAL DO USUÁRIO (versão 1.0) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CADASTRAMENTO NECESSÁRIO PARA UTILIZAR O PANDION...

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Fundamentos. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008

Sistemas Distribuídos. Fundamentos. Nazareno Andrade. Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Sistemas Distribuídos Fundamentos Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 02/2008 Fundamentos Coordenando processos Construíndo sistemas Sistemas construídos 2 Fundamentos O que são sistemas

Leia mais

Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma

Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma Exclusivo: Secretária de Gestão do MPOG fala sobre expectativas do Governo Dilma Entrevista, Ministério do Planejamento domingo, 6 de novembro de 2011 Carlos Bafutto O SOS Concurseiro discutiu, com exclusividade,

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Guia: como instalar o Ubuntu Linux

Guia: como instalar o Ubuntu Linux Guia: como instalar o Ubuntu Linux Você cansou do Windows e quer se aventurar a usar alguma distribuição Linux, mas não sabe por onde começar? Montamos um passo a passo com todas as etapas necessárias

Leia mais

É importante que nos atenhamos a alguns aspectos importantes sobre banco de dados:

É importante que nos atenhamos a alguns aspectos importantes sobre banco de dados: Módulo 16 CONCEITOS DE BANCO DE DADOS Quando nos referimos a um computador como máquina, observamos as suas características em armazenar e gerenciar informações, além dessas características, existem outras

Leia mais

PORTABILIDADE NUMÉRICA UMA SOLUÇÃO ORIENTADA PELA SIMPLICIDADE, QUALIDADE E BAIXO CUSTO

PORTABILIDADE NUMÉRICA UMA SOLUÇÃO ORIENTADA PELA SIMPLICIDADE, QUALIDADE E BAIXO CUSTO PORTABILIDADE NUMÉRICA UMA SOLUÇÃO ORIENTADA PELA SIMPLICIDADE, QUALIDADE E BAIXO CUSTO 1 Introdução A portabilidade é a facilidade que possibilita ao assinante de telefonia manter o número do seu telefone

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

Sistemas Operacionais. Professor Leslier Soares Corrêa

Sistemas Operacionais. Professor Leslier Soares Corrêa Sistemas Operacionais Professor Leslier Soares Corrêa Objetivos Conhecer o Professor e a matéria. Importância da Matéria no dia a dia. Por que é necessário um sistema operacional O que é um Sistema Operacional

Leia mais

Manual de Utilização do PDV Klavix

Manual de Utilização do PDV Klavix Manual de Utilização do PDV Klavix Página 1/20 Instalando a partir do CD Se você recebeu um CD de instalação, rode o programa Instalador que se encontra no raiz do seu CD. Ele vai criar a pasta c:\loureiro

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

1. Arquivos Seqüenciais

1. Arquivos Seqüenciais 1. Arquivos Seqüenciais 1.1. Introdução Historicamente, os arquivos seqüências são associados as fitas magnéticas devido a natureza seqüencial deste meio de gravação. Mas os arquivos seqüências são também

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV. CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRONICA CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO - CCO

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais