Trabalho de Conclusão de Estágio: ESTUDO DA ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS DO SETOR DE SEGUROS DA EMPRESA CLAUDIA IMÓVEIS E SEGUROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de Conclusão de Estágio: ESTUDO DA ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS DO SETOR DE SEGUROS DA EMPRESA CLAUDIA IMÓVEIS E SEGUROS"

Transcrição

1 FERNANDA PASSOS SILVA Trabalho de Conclusão de Estágio: ESTUDO DA ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS DO SETOR DE SEGUROS DA EMPRESA CLAUDIA IMÓVEIS E SEGUROS Trabalho de conclusão desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI TIJUCAS. TIJUCAS - SC, 2006

2 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do Estagiário Fernanda Passos Silva b) Área de Estágio O.S.M c) Coordenador de Estágios Profº Nelson Zunino Duarte d) Supervisor de campo Rodrigo Passos Silva e) Orientador de Estágio Profº Luciano Dalla Giacomassa

3 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão social FCR Imóveis b) Endereço Avenida Nereu Ramos, 3377 SL 04 Meia Praia Itapema / SC c) Setor de desenvolvimento do estágio Setor de seguros d) Duração do estágio 300 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Rodrigo Passos Silva Corretor de imóveis e seguros f) Carimbo e visto da empresa

4 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Porto Belo, 5 de junho de A empresa Claudia Imóveis e Seguros, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o trabalho de conclusão de Estágio executado durante o Estágio supervisionado, pela acadêmica FERNANDA PASSOS SILVA. Rodrigo Passos Silva

5 SUMÁRIO EQUIPE TÉCNICA... ii DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA... iii AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA... iv SUMÁRIO... v LISTA DE FIGURAS... vii LISTA DE QUADROS... viii 1 INTRODUÇÃO Objetivo geral e objetivos específicos Justificativa REVISÃO TEÓRICA Qualidade Qualidade na prestação de serviços Cliente O comportamento do cliente Satisfação do cliente Administração de Marketing Estrutura Organizacional Estrutura Formal e Informal Estrutura Linear Estrutura Funcional Estrutura de staff-and-line Estrutura comissão ou colegiada Organograma fluxograma Simbologia do fluxograma Lay-out Departamentalização Departamentalização por quantidade Departamentalização funcional Departamentalização territorial (ou por localização geográfica) Departamentalização por produtos (e serviços) Departamentalização por clientes (ou por fregueses) Departamentalização por processo Departamentalização por projetos Departamentalização matricial Departamentalização mista Sistemas Métodos Organização Recursos Humanos Administração Financeira... 54

6 3 MÉTODO Delineamento do projeto Participantes Coleta de dados Tratamento e análise dos dados APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Histórico da Empresa Informações sobre a empresa Visão e Missão Produtos Seguradoras ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA EMPRESA Características de Estrutura Linear Características de Estrutura Funcional Organograma Recursos humanos Gerência Geral Comercial Administrativo Sinistros Departamentalização Departamentalização por produtos Departamentalização por funções Lay-out da empresa Fluxogramas Comercial/Vendas Interesse do cliente e identificação do produto Captação dos dados Fechamento da proposta/transmissão de proposta/pedido de vistoria Administrativo/financeiro Recepção de apólice, identificação do ramo e arquivamento Controle de vigências Controle de comissões (corretor e prepostos) Controle financeiro Sinistro/Indenização Aviso do Sinistro Análise do perito Levantamento, emissão e análise da documentação/sindicância Resultado da análise/pagamento ou não da indenização Descrição da Atividade: Regulação e Liquidação de Sinistro Considerações finais REFERÊNCIAS ANEXOS ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Estrutura linear ou militar Figura 2: Estrutura tipo funcional Figura 3: Estrutura staff-and-line Figura 5: Descrição de símbolos Araújo (2001) Figura 6: Descrição de símbolos para construção de fluxogramas Cruz (1998) Figura 7: Descrição de símbolos para construção de fluxogramas Oliveira (1997).. 28 Figura 8: Simbologia para diagrama de fluxo de processo Slack (1996) Figura 9: Departamentalização por quantidade Figura 10: Departamentalização funcional Figura 11: Departamentalização territorial Figura 12: Departamentalização por produtos (ou serviços) Figura 13: Departamentalização por clientes (ou por fregueses) Figura 14: Departamentalização por processos Figura 15: Departamentalização por projetos Figura 16: Departamentalização matricial Figura 17: Departamentalização Mista Figura 18: Componentes de um sistema Figura 19: Logotipo da Empresa Claudia Imóveis e Seguros Figura 20: Organograma Setor de seguros da empresa Cláudia Imóveis e Seguros66 Figura 21: Departamentos Figura 22: Departamentalização por produtos (ou serviços) Figura 23: Planta baixa da empresa Claudia Imóveis e Seguros Figura 24: Proposta de melhoria do arranjo físico da Claudia Imóveis e Seguros Figura 25: Layout da recepção Figura 26: Layout da recepção Figura 27: Layout do ambiente A e ambiente B Figura 28: Layout do ambiente B Figura 29: Layout do ambiente B Figura 30: Layout do ambiente C Figura 31: Layout do ambiente C Figura 32: Lay-out do ambiente C Figura 33: Fluxograma de processo geral de Vendas de seguros Figura 34: Fluxograma de processos de arquivamento Figura 35: Fluxograma do processo do Sinistro/Indenização Figura 36: Diagrama de fluxo de processo de Sinistro/Indenização... 96

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Produtos da Corretora Quadro 2: Proposta de cargos necessários à corretora de seguros Quadro 3: Especificação dos cargos - corretora Claudia Imóveis e Seguros... 70

9 1 INTRODUÇÃO Tem sido intenso nos últimos anos o processo de mudanças organizacionais. De modo geral muitos esforços têm sido despendidos neste sentido. Esse processo de mudança está inserido num contexto maior, que abrange toda a sociedade, onde as empresas buscam aperfeiçoar-se ao máximo para melhor atender seus clientes. Para que uma empresa mantenha-se no mercado é preciso que sua direção fique atenta às constantes mudanças. Nos últimos anos as empresas vêm sofrendo sérios impactos, em função do mundo cada vez mais globalizado: acirramento de competição do mercado, mudanças inesperadas e em alta velocidade, exigências crescentes dos clientes. Para participar deste mercado competitivo e fazer frente aos seus concorrentes, é imprescindível que a empresa possua uma estrutura organizacional adequada aos seus objetivos, mantendo-se competitivamente ativa no mercado onde atua. Itapema é uma cidade do litoral norte de Santa Catarina, com 87 Km² e uma população estimada em habitantes segundo dados do IBGE (2000). A cidade é uma das que mais cresceram no estado de Santa Catarina nos últimos anos, não apenas em relação à população, mas principalmente em qualidade de vida, como demonstram estudos e pesquisas realizados no Censo de 2000 (IBGE), pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento e pala própria Organização das Nações Unidas, através da divulgação de seu relatório sobre o Índice de Desenvolvimento Humano das cidades brasileiras (2000). Entre os anos de 2000 e 2004, Itapema transformou-se em um grande canteiro de obras devido a projetos de infra-estrutura que se faziam urgentes no município. A construção civil também é muito forte na cidade, alavancando por conseqüência o ramo imobiliário e de seguros. O mercado de serviços no Município de Itapema devido a esses impactos vem se tornando cada vez mais competitivo, aumentando consideravelmente a concorrência. A Claudia Imóveis e Seguros que atua no setor de prestação de serviços

10 2 imobiliários e de seguros dando ênfase a esta questão, reconhece a então importância e a necessidade de analisar sua estrutura e realizar ajustes e melhorias nos processos internos. É de suma importância ressaltar que este trabalho abrangerá somente a nova atividade agregada á empresa, ou seja, a Corretora de Seguros. Sendo assim, faz-se necessário identificar os métodos, sistemas e processos, possibilitando a empresa um maior número de informações, de modo que esta possa melhor atender seus clientes de acordo com suas expectativas, além de conhecer de forma clara a realidade organizacional da referida empresa. 1.1 OBJETIVO GERAL E OBJETIVOS ESPECÍFICOS O objetivo geral do trabalho consiste no estudo da organização, sistemas e métodos do Setor de Seguros da empresa Claudia Imóveis e Seguros. Os objetivos específicos são: Descrever a estrutura organizacional da empresa. Descrever tarefas, atribuições e competências. Identificar quais os produtos oferecidos. Conhecer os processos internos. Identificar as deficiências nos processos. Sugerir melhorias nos quesitos insatisfatórios. 1.2 JUSTIFICATIVA O estudo da organização, sistemas e métodos do setor de Seguros da empresa Claudia Imóveis e Seguros é de indiscutível importância e justifica-se por vários motivos. A empresa sofre como a grande maioria das empresas do ramo imobiliário, de problemas crônicos e particulares dos municípios litorâneos: a sazonalidade e a saturação do mercado no ramo imobiliário.

11 3 O município de Itapema conta com cerca de habitantes durante o período de inverno, no período de verão a Prefeitura Municipal estima que o Município chegue a receber cerca de visitantes, ocorrendo nestes dois períodos diferenças gritantes. Outro problema enfrentado é a saturação deste ramo, existem aproximadamente 120 empresas imobiliárias, e várias construtoras atuando em Itapema segundo dados obtidos pelo CRECI/SC, por este motivo já não existem muitos imóveis (terrenos) para investimentos, principalmente na zona um, conseqüentemente as mesmas começarão a buscar e investir em novos mercados. Estima-se que num futuro não muito distante as empresas neste ramo irão sobreviver apenas de vendas e aluguéis de imóveis de terceiros. Neste contexto, a empresa Claudia Imóveis e Seguros preocupada com seu futuro e atenta às mudanças do seu ambiente externo, procura meios eficazes de rebater estes acontecimentos do ambiente que se faz inserida, e uma forma encontrada para se fortalecer foi à inclusão de um ramo de atividade que sofre menos com essas diferenças, o ramo de seguros. Devido a este mercado já um tanto saturado, o objetivo do setor de seguros, vem a se tornar a principal atividade dentro da Claudia Imóveis e seguros. Trata-se de uma nova atividade da empresa com apenas dois anos de existência, e através do presente estudo à empresa poderá despertar-se para o melhoramento das metodologias e processos utilizados. De forma direta, a realização do presente projeto é de grande importância para a acadêmica, pois fornecerá condições para a observação de práticas e teorias estudadas em sala de aula, aprimorando assim os conhecimentos obtidos nas áreas mercadológicas ao longo da jornada acadêmica. Este também é oportuno, pois sua execução é de baixa complexidade, e de baixo custo, possibilitando aos seus dirigentes avaliar de forma clara a realidade organizacional da referida empresa. O acesso às informações se deu com acesso direto e mediante participação, pois a acadêmica têm acesso as instalações e contato com as pessoas envolvidas. Também a empresa poderá avaliar melhor seus resultados com maior eficiência, trazendo informações necessárias para o melhoramento da organização que procura conquistar e ainda preservar seu principal capital, o cliente.

12 2 REVISÃO TEÓRICA O fator mais importante a ser considerado quando se fala em qualidade na prestação de serviços são clientes satisfeitos. Ao considerar que o quesito qualidade, esta intrinsecamente ligada a este fato, pois, na atualidade, os mercados estão em franca e acirradas disputas por mais espaço e sucesso, a satisfação do cliente passou a ser a peça chave para a permanência das empresas que objetivam uma existência em longo prazo. 2.1 QUALIDADE Segundo Campos (1992) com as decorrentes e sucessivas mudanças em nível mundial as organizações têm sofrido transtornos de um modo geral. Muitos esforços têm sido despendidos neste processo de mudança, na verdade todo este fato está inserido em um contexto maior, abrangendo toda a sociedade, onde as empresas buscam aperfeiçoar-se ao máximo para melhor atender seus clientes. Todavia essas mudanças são apenas partes da rápida evolução social, tecnológica e, sobretudo mental que a humanidade vem experimentando. Desta forma este contexto traz ameaças à sobrevivência das empresas em todo mundo pelos mais variados motivos. Para tanto o autor relata alguns motivos que podem ameaçar a sobrevivência das empresas tais como: um produto desatualizado e o lançamento de um produto melhor, mais barato, perda de competitividade, equipamentos ultrapassados que tornam o processo da empresa ineficaz para o novo nível de qualidade e tecnologia colocado no mercado; etc. O autor ressalta ainda que empresas até então aparentemente inexpugnáveis podem, ter sua sobrevivência ameaçadas pelas rápidas mudanças, por isso a busca pelo aperfeiçoamento com o desenvolvimento de sistemas (software), fortes e ágeis, melhorando a qualidade dos produtos e serviços prestados. Um produto ou um serviço de qualidade atende perfeitamente e de forma confiável, acessível, segura e no tempo certo ás necessidades do cliente.

13 5 A razão de ser de uma empresa é o seu cliente. Portanto, toda sua administração deve estar voltada para a qualidade que é a busca contínua da satisfação das necessidades de seus clientes, como relata Campos (1992). Acontece que as necessidades das pessoas mudam continuamente e os concorrentes estão sempre se desenvolvendo e melhorando. Ninguém pode parar e esperar. Diante deste quadro, para que a empresa possa sobreviver é necessário desenvolver novos produtos ou serviços (melhores, mais baratos, mais seguros, de entrega mais rápida, de manutenção mais fácil etc. que os concorrentes). Para produzir esses novos produtos ou serviços são necessários novos processos (melhores, mais fáceis, de menor dispersão, mais baratos, mais rápidos, mais seguros etc. que os concorrentes). Este processo de inovação contínua tem como referência o cliente e os concorrentes e se constitui na garantia da própria sobrevivência da empresa. (CAMPOS, 1992, p, 97). Por sua vez, Maximiano (1995) concorda com Campos quando define qualidade a partir das necessidades dos clientes e de seus interesses em produtos e serviços livres de deficiências. Também Albrecht (1997) descreve a qualidade como uma extensão até a qual uma coisa ou experiência satisfaz uma necessidade, resolve um problema ou adiciona valor para alguém. Uma empresa é considerada de qualidade, quando a necessidade e expectativas de seus clientes são supridas na maior parte do tempo satisfatoriamente e com êxito, declara Kotler (1998). Vavra (1993) complementa que qualidade também pode ser definida pelo simples ato de atender às expectativas e necessidades dos clientes em relação a um produto ou serviço prestado. O autor ainda oferece definições mais extensas. como: Visão transcendental: uma condição de excelência; Visão do produto: número de atributos existentes em um produto; Visão do usuário: como o produto se ajusta às preferências do cliente; Visão do valor: grau de excelência de um preço aceitável. E ainda sobre qualidade total Gianesi e Corrêa (1996) sugere algumas considerações importantes: todos na organização têm algo a contribuir para a qualidade final percebida pelo cliente, os custos relacionados com qualidade devem ser envolvidos nas análises, todos esforços bem direcionados de melhoria em qualidade repercute na competitividade, há sempre uma forma melhor de fazer as coisas, a qualidade deve ser construída ao longo do processo e não apenas verificado ao final. Contudo Feigenbaun citado por Maximiano (1995), afirma que a qualidade

14 6 quem estabelece é o cliente e não os engenheiros, nem o pessoal de marketing ou alta administração, a qualidade de um produto ou serviço, pode ser definido como um conjunto total das características de marketing, engenharia, fabricação e manutenção do produto ou serviço, que satisfaçam as expectativas do cliente, ou seja, é um conjunto de todas as áreas da organização, integrado e voltado aos interesses do consumidor. Para Slack (1999), a qualidade é vista como sendo tão importante pela maioria das operações produtivas. O melhoramento da qualidade pode afetar outros aspetos do desempenho da produção. As receitas podem ser incrementadas por melhores vendas e por preços mais altos no mercado e ao mesmo tempo, os custos podem ser reduzidos pela melhor eficiência, produtividade e uso do capital. Diante do exposto, verifica-se que qualidade não é um processo visto isoladamente, não é somente para a alta administração, mas sim depende de todos os setores da empresa para poder se dar ênfase ao seu resultado final, para assim, beneficiar a todos Qualidade na prestação de serviços As expectativas dos consumidores são verdadeiros padrões de julgamento da qualidade dos serviços prestados. Compreender a natureza e os causadores dessas expectativas é fundamental para a empresa assegurar-se de que o desempenho de seu serviço atende ou excede as mesmas. Uma das principais maneiras de uma empresa de serviços diferenciar-se de concorrentes é prestar serviços de alta qualidade. A chave é atender ou exceder as expectativas de qualidade dos consumidores-alvos. Para Parasuraman, Zeithaml e Berry citados por Kotler (1998) estabelecer um exemplo de qualidade de serviço e identificar as principais exigências para a prestação de um serviço de alta qualidade é o exemplo que identifica cinco lacunas que causam problemas na prestação de serviço: Lacuna entre as expectativas do consumidor e a da empresa: nem sempre a administração percebe corretamente o que os consumidores desejam; Lacuna entre a percepção da empresa e as especificações da qualidade do

15 7 serviço: a administração pode perceber corretamente os desejos dos consumidores, mas não adota um padrão de desempenho específico; Lacuna entre especificações da qualidade do serviço e sua execução: os funcionários podem estar mal treinados ou sobrecarregados e impossibilitados ou indispostos para atender um padrão mínimo da qualidade. Podem estar enfrentando padrões conflitantes, como dedicar tempo a ouvir os consumidores e, ao mesmo tempo, atende-los com rapidez; Lacuna entre a execução do serviço e as comunicações externas: se a empresa divulga um serviço com qualidade e o cliente o considera de baixa qualidade, então a comunicação externa distorceu as expectativas do consumidor; Lacuna entre serviço percebido e o esperado: ocorre quando o consumidor avalia o desempenho da empresa de maneira diferente e subestima a qualidade de um serviço. Os mesmos autores constataram que há cinco determinantes da qualidade de um serviço, apresentados na ordem de importância atribuída pelos consumidores, são eles: Confiabilidade: habilidade de desempenhar o serviço prometido com segurança e precisão; Responsabilidade: disposição em ajudar os consumidores e em fornecer serviço rápido; Segurança: o conhecimento e cortesia dos funcionários e sua habilidade em inspirar confiança e responsabilidade; Empatia: o cuidado e a atenção individualizada aos consumidores; Tangibilidade: a aparência das instalações físicas, equipamentos, funcionários e materiais de comunicação. Para tanto Las casas (1991) relata que as expectativas são muitas e, não sendo atendidas, podem ser causas do fracasso do empreendimento; a lealdade que foi adquirida começa a desaparecer no momento em que o nível de serviço diminui. Para o consumidor, o que importa é a solução de seus problemas. As vantagens competitivas são conseguidas através de qualidade nos serviços prestados, ou seja, da satisfação do consumidor como ressalta Gianesi e Corrêa (1996).

16 8 Mas o que é qualidade em serviços? A noção de qualidade é muito ampla para que se possa utiliza-la como meta de gestão das operações de serviços. Por um lado, é necessário conceituar qualidade de serviços de acordo com a opinião dos consumidores. Por outro, este conceito deve ser suficientemente claro para os gerentes, de modo que estes saibam que decisões tomar, visando melhorar a qualidade, ou melhor, gerar qualidade esperada pelos consumidores. (GIANESI e CORRÊA 1999, p, 62). Todavia para Maximiano (1995) o procedimento de prestação de um serviço está sujeito sempre ao envolvimento de pessoas, e a qualidade dos mesmos baseiase na influência sobre as atitudes, o comportamento e o desempenho Cliente À medida que a natureza da concorrência vem mudando o cliente vem mudando na mesma proporção. É preciso ter em mente que o cliente deverá estar sempre satisfeito. Atende-lo bem garantirá o seu retorno. As organizações de serviços que se destacam precisam conhecer e entender as reais necessidades básicas, instintos, situações de vida, problemas e motivações de seus clientes, considerando-os não como unidades de mercado, mas sim como pessoas únicas. Para tanto uma melhor compreensão dos clientes se dá quando são aplicados dois tipos de pesquisa, como analisa Albrecht (1997) que são: a de mercado e a dos próprios clientes. Sendo que a pesquisa de mercado passa por uma averiguação de suas estruturas e de suas dinâmicas o qual se propõe a servir, incluindo a identificação dos mesmos, análise demográfica, escolha de nichos críticos no mercado e análise das forças competitivas. Já a pesquisa dos próprios clientes seria de percepção, na busca de compreensão das expectativas, pensamentos e sentimentos do cliente individual em relação do serviço produzido e ao provedor do serviço, discernindo um ou mais fatores críticos na percepção do cliente. Ainda o autor explana a importância das pesquisas, pois possibilita a elaboração de um modelo de valor para o cliente, que o mesmo descreve como sendo como um conjunto de critérios que norteiam as escolhas do cliente entre você e seus concorrentes. As empresas para conhecer seus clientes precisam colocar-se no lugar deles, desde a sua vinda até a saída do estabelecimento, idealizar o que

17 9 agradaria e o que gostaria de transformar para tornar tudo mais fácil e aprazível, fazendo um trabalho em conjunto, analisando e considerando os pontos fracos e fortes da empresa. O autor se refere também que as empresas devem valorizar o cliente, como sendo ativo ao longo do tempo, mas isso acontece quando a satisfação e a fidelidade também aumentam, deste modo, os administradores precisam pensar no cliente como um fluxo de caixa de longo prazo, o qual pode proceder de qualquer um. O cliente é uma das maiores razões de uma organização existir, porém, para que uma organização possa conhecer suas reais necessidades afim de satisfazer e suprir suas necessidades e expectativas, o ponto crucial é saber de quem se trata, qual é público alvo, quem se espera como consumidor. Para Whiteley (1997) uma empresa próspera, tem como determinante sua organização o qual incluem todos os clientes nas suas decisões. De acordo com esta perspectiva o mesmo relaciona três tipos de clientes. Clientes finais: Pessoas que irão usar o produto ou o serviço no dia a dia; Clientes intermediários: São normalmente distribuidores ou revendedores que tornam os produtos e serviços disponíveis para o cliente final; Clientes internos: Pessoas na organização a quem se repassam os trabalhos concluídos para desempenho da próxima função na direção de servir os clientes intermediários e finais; Clientes Externos: São pessoas de fora da organização que necessitam de qualquer informação, produtos ou serviços prestados O comportamento do cliente Antes de realizar uma análise do comportamento do consumidor, é imprescindível reconhecer que há grupos de consumidores diferentes que apresentam comportamentos diferentes, especialmente em relação a quem participa do processo de compra de bens ou serviços, aos fatores que influenciam o comportamento do consumidor e ao processo de decisão. Segundo Gianesi e Corrêa (1996) existem diferentes mercados para se analisar os comportamentos dos clientes, são eles:

18 10 Mercado de consumo: formado por consumidores individuais que adquirem os produtos e serviços para consumo próprio ou de suas residências; Mercado industrial: constituído por empresas, de manufatura ou serviço, que compram produtos e serviços que são consumidos ou utilizados em seus processos produtivos; Mercado de revenda: formado por indivíduos e organizações que adquirem os produtos visando o lucro ao revendê-los ou aluga-los a terceiros; Mercado governamental: consiste em unidades municipais, estaduais e federais, que compram produtos e serviços, visando atender suas missões governamentais. O autor ressalta ainda que o comportamento do consumidor é influenciado por quatro grupos de fatores: Fatores culturais: estão ligados, especialmente, ao conjunto de valores aos quais uma pessoa está exposta desde a infância. Fatores sociais: aplica-se aos grupos de referência dos consumidores, ou seja, grupos que direta ou indiretamente influenciam o comportamento e as atitudes dos consumidores. Fatores pessoais: são divididos em: demográficos (relacionados à idade, ocupação e condição econômica) e o psicográfico (a forma como as pessoas pensam e as ações geradas por sua forma de pensar). Fatores psicológicos: são divididos em quatro fatores: a motivação, percepção, aprendizado, convicções e atitudes. Da mesma forma o autor ressalta ainda, que o consumidor identifica uma necessidade quando sente uma diferença entre seu estado atual e o estado almejado, provocado por estímulos internos ou externos. Na busca destas informações destaca-se quatro fontes: fontes pessoais (família, amigos...), fontes comerciais (propaganda, vendedores...), fontes públicas (comunicação de massa, organizações de consumidores), fontes experimentais (exame e experiência de uso) Satisfação do cliente Para Kotler (1998) a satisfação é o sentimento de prazer ou de

19 11 desapontamento resultante da comparação do desempenho esperado pelo produto (ou resultado) em relação às expectativas da pessoa. A satisfação é a arte do desempenho percebido e das expectativas. Se o desempenho ficar distante das expectativas, o consumidor estará insatisfeito. Se o desempenho atender suas expectativas, o mesmo ficará satisfeito e se excede-las estará grandemente satisfeito ou seduzido. O autor ressalta ainda que muitas empresas buscam a satisfação porque acreditam que consumidores apenas satisfeitos podem estar dispostos a mudar quando aparecer uma oferta melhor. Para mensurar a satisfação pode-se analisar diferentes pontos de vista como define Semenik e Bomossy (1995): Satisfação Funcional: são atributos tangíveis de um produto ou serviço que podem ser medido de forma padronizada; Satisfação Emocional: são perseguidos pelos consumidores na forma de status, prestígio, segurança ou qualquer outro benefício que seja tangível e não mensurável por meio de um padrão; Satisfação de uso: relaciona-se com o valor e ganho pela propriedade e uso de um produto ou serviço. 2.2 ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Atualmente é de suma importância o bom relacionamento entre organizações e seus clientes, para que possibilite a empresa conhecer as necessidades e desejos. O marketing é um dos caminhos mais coerentes para que isso aconteça. Podemos entender melhor a definição de marketing como um método social e gerencial no qual determinados grupos de pessoas conseguem obter o que necessitam por meio da criação, oferta e troca de produtos de valor com outras pessoas. (KOTLER, 1998). No entanto, para Vavra (1993) marketing requer previsão para antecipar as mudanças ambientais e modificar as ofertas para competir em um mercado que passa por transformações com maior eficácia, conhecendo, produzindo, fixando preço, promovendo e distribuindo idéias, bens e serviços, satisfazendo necessidades de indivíduos e organizações.

20 12 Já para Las Casas (1997) é o conhecimento que engloba as atividades referentes às relações de troca, voltadas para a satisfação dos anseios, necessidades e expectativas dos consumidores, objetivando a união de determinados objetivos de empresas ou indivíduos e considerando sempre o meio ambiente de atuação, é o impacto que essas relações causam no benefício da sociedade. Porém segundo Kotler (1998) o conceito de marketing baseia-se em quatro pilares de sustentação: o mercado alvo (satisfação de necessidades), necessidades dos consumidores (organização define o mercado alvo, mas não reconhece as necessidades dos consumidores), rentabilidade (retorno monetário, vantagem sobre os concorrentes), marketing integrados (setores da organização trabalhando em conjunto). O autor ainda descreve marketing como a análise, o planejamento, implementação e controle dos programas destinados a criar, desenvolver e sustentar as trocas de benefícios com os consumidores alvos de modo a atingir objetivos organizacionais. 2.3 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A estrutura organizacional deve ser delineada de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos, ou seja, a estrutura organizacional é uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Para definir estrutura organizacional é necessário conceituar a função organização, pois a estrutura organizacional é o instrumento básico para concretização do processo organizacional. (OLIVEIRA, 2000). A organização da empresa é definida como a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance de todos dos objetivos e resultados estabelecidos. (OLIVEIRA, 2000, p, 80). Rocha (1987) define estrutura como sendo um conjunto intergrado de elementos suportes que formam as demais partes componentes de um organismo, sendo representada, em organização, pelo conjunto de órgãos, suas relações de

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO PARA O INSTITUTO CATARINENSE BELLA FLOR

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO PARA O INSTITUTO CATARINENSE BELLA FLOR UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI TIJUCAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO PARA O INSTITUTO CATARINENSE BELLA FLOR

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS Rodrigo Müller rodrigo.muller@ufpr.br O ambiente competitivo atual faz com que as organizações busquem cada vez mais as melhorias contínuas em seus processos, produtos e serviços.

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Gestão de Processos ADM 069. 68 h 6º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Gestão de Processos ADM 069. 68 h 6º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS. Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS. Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com Organogramas Representação das relações formais que ocorrem dentro da empresa, através de linhas de responsabilidade e autoridade.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Layout - Arranjo Físico

Layout - Arranjo Físico ???????????????? 2 Layout - Arranjo Físico É a disposição física dos equipamentos incluindo o espaço necessário para movimentação de material, armazenamento, mão de obra e todas as outras atividades e

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS...

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS... Captação, Seleção e Acompanhamento O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA E MAIS... O PROCESSO DE SELEÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Victor Andrey Barcala Peixoto

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA OBJETIVOS Elaboração de diagnóstico da situação presente da Fundação; definição de metas institucionais de curto,

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais OBJETIVOS DO TRABALHO Explicitar o conceito de estrutura organizacional; Apontar a importância da temática estrutura organizacional; Apresentar os principais tipos utilizados

Leia mais

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás 2 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA As empresas não são amorfas. Nem estáticas. Elas tem uma constituição, um organismo que vive e palpita, que cresce e se desenvolve

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

INTRODUÇÃO TÉCNICAS DO FLUXOGRAMA

INTRODUÇÃO TÉCNICAS DO FLUXOGRAMA FLUXOGRAMAS Índice Introdução... 2 Técnicas Do Fluxograma... 2 Vantagens do fluxograma... 3 Informações básicas de um fluxograma... 3 Análise pelo fluxograma... 4 Simbologia do fluxograma... 5 Tipos de

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações

A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações A Representatividade das Técnicas de Osm para o Desenvolvimento das Organizações José Maria de Oliveira jmoliveira98@gmail.com UCB Jairo Alano Bittencourt jairo@ucb.br UCB Simone Aparecida Moreira simomoreira@yahoo.com.br

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais