Estudo de Caso Sobre a Aplicação de Metodologia Ágil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Caso Sobre a Aplicação de Metodologia Ágil"

Transcrição

1 Estudo de Caso Sobre a Aplicação de Metodologia Ágil Nery Signorini Neto Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Avenida Prof. Almeida Prado, 532. Prédio 56 São Paulo SP Brasil Abstract. Case study of a software development process used in an organization compared to the processes and agile methods, such as the OpenUp. In the organizational context there is a dependency between the process of development with other processes and methodologies that other joints strengthen the management of the projects of software development. Resumo. Estudo de caso de um processo de desenvolvimento de software utilizado em determinada organização em comparação aos processos e métodos ágeis, como o OpenUp. No contexto organizacional há uma dependência entre o processo de desenvolvimento com outros processos e outras metodologias que juntas fortalecem o gerenciamento dos projetos de desenvolvimento de software. Introdução Este estudo de caso tem como objetivo a análise do processo de desenvolvimento de software utilizado na empresa XYZ Acme à luz das metodologias ágeis, neste caso especificamente, o OpenUp. O estudo conduzido analisará o processo existente denominado MDS, 17 projetos executados no período de Jan/2006 a Dez/2007 e um segundo processo, uma instância criada a partir do processo OpenUp denominado neste estudo como Open-MDS. Serão analisados todas as características individuais de cada processo, suas particularidades e complexidades dentro da organização estudada. Um segundo objetivo é identificar uma co-relação de possíveis dependências entre os demais processos e outras metodologias que interagem junto à qualquer processo de desenvolvimento de software. Contextualização da Empresa A empresa analisada é uma grande multinacional americana, presente em diversos países ao redor do mundo. No Brasil, ela atua no ramo de refrigerantes (beverages), produtos alimentícios (foods) e salgadinhos (snacks). A empresa é composta por diversas BU-Business Units independentes e com total autonomia para desenvolvimento de padrões próprios e de contratações para a área da Tecnologia da Informação (TI). Possui pouca interação com outras BU s na região LA (Latin America). O contexto analisado neste estudo de caso é baseado na primeira versão de uma metodologia de desenvolvimento de sistemas, denominada neste artigo como MDS, que foi criada por parceiro local e cuja implantação se deu durante o ano de 2005 e

2 primeiro trimestre de A metodologia desenvolvida deveria servir também para ser utilizada no gerenciamento de projetos em geral, para controle de mudanças, para o gerenciamento da qualidade dos artefatos de software e para o controle da versão dos programas criados e ou modificados. Problemas Existentes na Organização Abaixo estão relacionados os principais problemas e dificuldades encontrados na organização no período analisado para este artigo. Havia 4 diferentes fábricas de software contratadas, cada qual responsável por um sistema ou grupo de sistemas e interfaces menores. Cada fábrica mantinha seus próprios padrões de desenvolvimento de software independentes umas das outras. Não existia internamente qualquer padrão, seja para o desenvolvimento de software, para modelagem de dados, eliciação de requisitos funcionais e não funcionais, documentação dos artefatos ou decisões arquiteturais. Devido a fusões, existiam na empresa 3 ERPs 1 (Sistemas: FAS, TRUCK e MFGPRO) que funcionavam em paralelo e que suportavam grandes partes do negócio. (Na Figura 1 Mapa de interfaces e de sistemas na empresa XYZ Acme, os ERPs estão identificados na cor Verde). Os cadastros de produtos, denominados SKUs 2, eram descentralizados; os produtos eram incluídos em qualquer dos ERPs existentes. Os cadastros básicos do sistema, denominados Masterfiles, eram uma entidade separada dos demais sistemas. Sua consistência e integridade eram mantidas através da grande quantidade de interfaces de atualização e transformação (ETL 3 ) executadas diariamente. Inexistência de documentação atualizada dos sistemas contribuía para a falta de conhecimento das equipes responsáveis pela manutenção e suporte, gerando perda de agilidade e acuidade no tratamento de problemas. Manutenções simples acabavam se transformando em grandes projetos de atualizações. Devido a complexidade e do alto grau de acoplamento entre as aplicações, era comum a necessidade de atualizações em dados (updates manuais em tabelas) durante o processamento, especialmente no processamento de fechamento mensal. Segundo auditoria realizada internamente, a maturidade dos processos foi avaliada em - Nota Geral: 1,3. Os graus de avaliação variam do grau mais baixo 1 ao grau mais alto 5 conforme indicado pelo CMM/CMMI 4, definido a seguir: 1 Caótico, 2 Repetitivo, 3 Definido, 4 Controlado e 5 Otimizado). Mapa Visual dos Sistemas e Interfaces Existentes 1 ERP Enterprise Resource Planning São os sistemas de informação das empresas. 2 SKU - Stock Keeping Unit, Unidade de manutenção de estoque. 3 Extract Transform Load - Extração Transformação de Dados. 4 CMM/CMMI Capability Maturity Model Integration- São modelos de maturidade de processos.

3 Figura 1 Mapa de interfaces e de sistemas na empresa XYZ Acme Analisando a MDS Existente A empresa estudada possui uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistema (MDS 5 ) própria, implementada durante o ano de 2005 e no começo de 2006 e foi desenvolvida junto a parceiros comerciais com o objetivo de organizar os processos internos utilizados para o desenvolvimento e gerenciamento de projetos de software. A metodologia desenvolvida não se restringia apenas aos processos inerentes ao desenvolvimento, manutenção e evolução de sistemas ou artefatos de software. A MDS criada possuía também uma série de artefatos adicionais importados de outras metodologias, como por exemplo: Gerenciamento de escopo, Project charter, Plano geral do projeto e WBS adotadas do PMI PMBoK [PMI]; Gerenciamento de mudanças, ITIL - CAB - Change Advisory Board e CMDB [ITIL]; Processo de qualidade, Data Quality Assurance, Software Quality Assurance, Sarbanes & Oxley [SOX] e outros Processos e Auditorias Internas 6. Neste caso, a MDS foi expandida muito além de suas habituais fronteiras do desenvolvimento de software, para poder atender outras demandas internas da área de Tecnologia da Informação, como por exemplo: auditorias, controles operacionais, versão de documentos e para o gerenciamento de projetos de desenvolvimento. A adoção pela MDS de controles adicionais oriundos de outras metodologias gerou um total de 81 artefatos reutilizados entre os diversos fluxos e fases existentes. Os artefatos estão divididos em 54 mandatórios e 27 facultativos. 5 MDS Nome comum para Metodologia de Desenvolvimento de Sistema, esse acrônimo foi adotado como sendo o nome oficial da metodologia da Companhia e neste artigo. 6 Auditorias Internas são os controles de governança obrigatórios.

4 A MDS é composta por 3 processos principais (Desenvolvimento Principal, Desenvolvimento Emergencial e Fluxo de Aquisição), 7 sub-processos menores (Anteprojeto, Análise, Projeto, Codificação, Homologação, Aguardando Implantação e Implantação). Visão dos fluxos e fases da MDS Tabela 1: Relação de fases, processos e sub-processos e total de artefatos Visão geral dos artefatos no Fluxo de Desenvolvimento Principal. Tabela 2: Divisão dos artefatos por Fases Descrição das fases de um projeto de desenvolvimento 7 artefatos: com seus principais 1) Fase de Anteprojeto: Fase inicial do projeto de desenvolvimento de software, onde todos os requisitos funcionais e não-funcionais são identificados e registrados pelos usuários chaves, gerentes e patrocinadores do projeto. 2) Fase de Análise: É criado o desenho da solução que será desenvolvida, algumas decisões arquiteturais começam a ser levantadas e compreendidas, são tomadas todas as decisões inerentes ao escopo e da arquitetura do sistema. 3) Fase de Projeto: É a fase onde se inicia o projeto de desenvolvimento propriamente dito, os recursos são alocados pelo parceiro comercial (fábrica de software) contratada e/ou alocados internamente entre as áreas usuárias. 7 Somente estão descritos neste artigo os artefatos que são mandatórios dentro da MDS.

5 4) Fase de Codificação: É a construção das linhas de códigos do novo software, o produto está sendo desenvolvido/codificado pela fábrica de software. 5) Fase de Homologação: Teste de todos os requisitos funcionais que foram registrados na fase de Anteprojeto. Todo os artefatos deverão ser validados e aprovados pelo usuário final. 6) Fase de Aguardando Implantação: Será solicitada a revisão de todos os artefatos gerados durante o projeto ante da implantação. Estes artefatos serão validados e aprovados pelos responsáveis pela qualidade e auditoria na área de TI e de Negócio. 7) Fase de Implantação: O novo sistema será implantado e disponibilizado ao cliente final. Durante o estudo de caso foi levado em consideração apenas o fluxo de desenvolvimento principal, identificado como Desenvolvimento de Software Principal que é o mais completo e o mais utilizado entre todos os fluxos existentes. Devido a grande quantidade de artefatos mandatórios, os demais fluxos acabaram sendo incorporados pelo fluxo aqui comentado e acabaram caindo em desuso dentro da organização. Análise e Coleta das Informações O procedimento de coleta para este estudo de caso foi baseado no processo de desenvolvimento utilizado e na análise de 17 projetos executados e estudados baseados no método de análise de Complexidade x Incertezas [Little]. As ações se resumem nas coletas e nas análises dos documentos existentes dos projetos incluindo: escopos, cronograma, realizações/entregas, fases, problemas encontrados, lições aprendidas, ações corretivas e a sensação de usuários, técnicos e gestores que participaram dos projetos. Processo de Análise: 1) Análise do contexto organizacional da empresa, levando em consideração a maturidade de outros processos e controles que interagem com o fluxo de desenvolvimento de software. 2) Análise em detalhes da metodologia de desenvolvimento de sistemas (MDS) utilizada pela empresa, incluindo os fluxos e fases de desenvolvimento e todos os artefatos propostos na metodologia. 3) Estudo dos artefatos mandatórios e obrigatórios determinando sua real importância ao processo de desenvolvimento. Os artefatos oriundos de outros processos e outras metodologias foram identificados e separados, permitindo assim a mesma base de informação para a análise comparativa entre a metodologia utilizada (primeiro estudo) e a nova metodologia proposta (segundo estudo). 4) Foram analisados 17 projetos de desenvolvimento de software durante o período de Jan/2006 a Dez/2007. A comparação entre as metodologias foi baseada nos métodos ágeis, especificamente o OpenUp.

6 Comparativo entre MDS e OpenUp Cada projeto tem aspectos e características únicas, e estes fatores determinam qual será o processo mais adequado a ser adotado, ou seja, um processo mais formal ou mais ágil. Entre esses fatores existentes, podemos considerar a localização, o tamanho das equipes, a complexidade da arquitetura utilizada, cronogramas/prazos, riscos, complexidades e incertezas que envolvem o projeto. Invariavelmente uma boa metodologia de desenvolvimento de sistemas adequada à realidade e a maturidade da organização, contribui fortemente para o sucesso dos projetos de desenvolvimento e manutenção dos artefatos de software. O OpenUp [ECLIPSE] é um processo de desenvolvimento de software, baseado nos princípios ágeis descritos no Manifesto Ágil [Agile], (veja Tabela 3 Relação entre Princípios OpenUp e Princípios Ágeis). Sua estrutura provê total sustentação para o desenvolvimento, teste e entrega de sistemas e também possui uma estrutura maleável que se adaptará as necessidades de cada organização ou de cada projeto, seja da inclusão de novos controles, artefatos ou interações, inclusive com outros processos existentes dentro da organização. Exemplo: Gerenciamento de Projetos, ITIL, SOX, Auditorias internas ou outros controles que sejam necessários ou impostos pela organização. Essa característica facilita sua utilização e adaptação. Princípios do OpenUp e seus Respectivos Princípios do Manifesto Ágil Tabela 3 Relação entre Princípios OpenUp e Princípios Ágeis [Lyons] A estrutura do OpenUp é formado por camadas, 1 - Micro-Increment; 2 - Iteration LifeCycle e 3 - Project LifeCycle [Cockburn]. Micro-Increment: É o nível das equipes de trabalho, aonde os recursos contribuem no desenvolvimento e na conclusão das atividades (tasks), por meio de realizações e entregas. É a realização das tarefas identificadas. Iteration LifeCycle: Tem atenção especial ao processo de iteração entre todas as tarefas, provendo uma visão normalmente semanal das atividades que deverão ser iniciadas. Tem o objetivo de manter as engrenagens funcionando, criando um fluxo contínuo de produtos criados, testados e aceitos pelos sponsors e stakeholders. Project LifeCycle: É composta pelas fases de desenvolvimento e planejamento do projeto, provê aos sponsors e stakeholders uma visão ampla do projeto, clareza, transparência, controles para riscos, gastos (budget/founding) e do escopo do projeto.

7 O OpenUp possui 2 tipos de dimensões: Method Content (que define o que será entregue, como por exemplo: tarefas, regras, artefatos, guias e etc) e Process Content (determina quando serão entregues os artefatos, ou seja, sua execução/realização no tempo). O processo é constituído de 4 fases, denominado OpenUp LifeCycle. Sendo elas: (1 - Inception Phase, 2 - Elaboration Phase, 3 - Construction Phase, 4 - Transition Phase). Abaixo, estão relacionados todas as fases, elementos e os objetivos a serem alcançados por cada fase. Fases e Iterações do processo de desenvolvimento de software Figura 2 OpenUp LifeCycle Process Abaixo, estão relacionados todas as fases e sub-fases das iteração do OpenUp, incluindo as atividades e objetivos a serem alcançados dentro da cada fase. Tabela 4 Descrição das fases e objetivos [Balduino] Open-MDS Instância criado a partir do OpenUp No estudo de caso realizado, a falta de processos que suportam o desenvolvimento de sistemas contribui para o aumento da complexidade e da probabilidade de insucesso dos projetos de desenvolvimento de software.

8 Com a implementação de novos controles e o consequente aumento da maturidade dos processos já existentes, a MDS pode ser gradualmente migrada para o modelo de processo proposto pelo OpenUp. A Open-MDS é uma instância derivada a partir da MDS com base nos princípios ágeis do OpenUp. O novo processo é mais rápido e maleável podendo ser completamente adaptada as regras da organização que a utiliza. Abaixo um comparativo das fases e artefatos entre os 2 processos. Comparativo das Fases e Artefatos do OpenUp e equivalentes na MDS Tabela 5 Comparativo entre OpenUp e seus Artefatos e Fases da MDS Análise de projetos sob a MDS Para o estudo de caso, os projetos foram classificados e pontuados conforme os critérios definidos no estudo sobre gerenciamento de complexidades e incertezas em projetos ágeis [Little]. Para a análise da Complexidade foram analisados os seguintes critérios: 1 - Team Size; 2 - Mission Criticality; 3 - Team location; 4 - Team capacity; 5 - Domain knowledge gaps; 6 - Dependencies. Para a análise das Incertezas, 4 critérios foram analisados: 1 - Market uncertainty; 2 - Technical uncertainty; 3 - Project duration; 4 - Dependencies scope flexibility.

9 Resultados Obtidos da Análise dos Projetos Figura 3 Projetos Gerenciados pela MDS Entendimento do resultado: 4 projetos (24%) foram classificados como sendo do tipo: Bulls pelo alto grau de complexidade e de incertezas que os envolviam. Os demais projetos 13 permaneceram nos quadrantes inferiores (76%), porém com alto grau de complexidade representando: Cows com 2 (15%) e Dogs com 11 (85%). Projeção do Estudo sob a Ótica do Processo Proposto Foi realizado um segundo estudo com as mesmas informações de entrada, mas com a alteração do processo de desenvolvimento de software da MDS para a Open-MDS. Este segundo estudo é apenas uma projeção dos possíveis resultados obtidos a partir da utilização de uma segunda metodologia mais Ágil, neste caso do OpenUp. Projeção dos resultados Figura 4 Projeção para Projetos Gerenciados pela Open-MDS Entendimento: Com base no novo processo de desenvolvimento, temos agora apenas 1 projeto classificado como Bulls que representa 6% do total de projetos. Para o quadrante imediatamente inferior, temos 2 projetos classificados como Cows, ou seja,

10 12% do total de projetos. Os demais projetos foram deslocados para o quadrante com menor complexidade e menor incertezas, com 14 projetos do tipo Dogs com 82%. Conclusão O estudo de caso aponta uma forte dependência entre o processo de desenvolvimento de sistemas analisado neste documento com outros processos corporativos, como por exemplo: procedimentos operacionais, auditorias internas, SOX e outros processos de governança instituídos e também com outras metodologias como: Gerenciamento de Projetos [PMI] e Gerenciamento de infraestrutura - ITIL [ITIL]. A falta de outros processos e controles bem definidos e maduros, gerou uma sobrecarga no número total de artefatos obrigatórios e das aprovações requeridas da MDS, tornando-a extensa, complexa e de difícil gerenciamento. Na análise da Figura 4 Projetos Gerenciados pela MDS, a complexidade da metodologia causou o deslocamento da maioria dos projetos analisados para os quadrantes com maior dificuldade de gerenciamento, ou seja, para os quadrantes Dogs/Cows e Bulls. Todos os projetos, por mais simples que fossem, se tornaram complexos, lentos e com maior probabilidade de insucesso. Já na Figura 5 Projeção para Projetos Gerenciados pela Open-MDS, onde há menor complexidade e maior agilidade, a maioria dos projetos ficaram no quadrante Dogs, mais facilmente controlados e com maior probabilidade de sucesso. Referências Bibliográficas [PMI] PMI Project Management Institute. Project Management Body of Knowledge. PMBok 3 rd. [ITIL] ITIL Information Technology Infrastructure Library [SOX] The Sarbanes-Oxley Act of 2002 (Pub.L , 116 Stat. 745, enacted July 30, 2002) [Little] Little, T. et al - Adaptive Agility - Managing Complexity and Uncertainty by Little, T., Greene, F., Phillips. T.,Pilger, R. and Poldervaart, R.. Agile Software Development Conference, June [ECLIPSE] Eclipse Process Framework project: [Agile] Manifesto for Agile Software Development: Agile Manifesto: [Lyons] Lyons, B.: The Open Unified Process: A Brilliant, Collaborative March into Open Source - Manifesto: [Cockburn] Agile Software Development, Cockburn, Alistair. Addison Wesley, [Balduino] Balduino, R. Paper - Introduction to OpenUP (Open Unified Process). Agosto, 2007.

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA.

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA. 3rd International Conference on Information Systems and Technology Management 3º Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação 11 th World Continuous Auditing Conference De 31

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Modelos de Melhores Práticas e o Modelo de Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 4 1 COBIT Control Objectives for Information and Related Technology. Abrangente

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software: Trata de práticas para entregar um software que respeite os custos, padrões e o tempo. Padrões Custos Engenheiro de Software Projeto de Software

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia de Gestão da Qualidade (Quality Assurance) de implementação de projetos ERP Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Leia mais

Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES

Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES Um Caso de Implantação de Processos de Prestação de Serviços de TI no BNDES Suzana Mesquita de Borba Maranhão Moreno 1, André Jardim da Trindade 1, Ricardo Henrique Lopes Beckert 1, Rodrigo Simões Câmara

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Natali Silva Honda 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

Development Case. Project: VENSSO. Data 27/05/2005. Vesões do Documento 2.00

Development Case. Project: VENSSO. Data 27/05/2005. <location to access at CVS or URL> Vesões do Documento 2.00 Project: VNSSO Data 27/05/2005 Responsável Documento ID Localização Ana Paula Cavalcanti VNSSO_PRC_20050601 Vesões do Documento 2.00 VNSSO_PRO_20050601 Histórico de Date

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Infocon 2004 Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Agenda Definição; Histórico; Governança Coorporativa de TI; O Modelo

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br

Gestão de Projetos. Introdução ao PMBOK. Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Gestão de Projetos Introdução ao PMBOK Hermano Perrelli de Moura hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar o modelo de gerência de projetos definido pelo PMBOK. PMBOK 2 Ao final desta aula você será capaz

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 1 Auditando uma implantação de ERP (Enterprise Resource Planning) em empresas

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS IS-CGMI-02/2005 Aprovada pela Portaria nº 1494 de 22/11/2005 Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor

Leia mais

3 Aplicação da análise de sistemas à definição de processos de desenvolvimento 3.1 Levantamento do estado da prática

3 Aplicação da análise de sistemas à definição de processos de desenvolvimento 3.1 Levantamento do estado da prática 15 3 Aplicação da análise de sistemas à definição de processos de desenvolvimento 3.1 Levantamento do estado da prática A definição do processo de desenvolvimento é relevante para a geração de sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Soluções CA Technologies suportam a governança de TI na Marisa

Soluções CA Technologies suportam a governança de TI na Marisa CUSTOMER SUCCESS STORY Soluções CA Technologies suportam a governança de TI na Marisa PERFIL DO CLIENTE Indústria: Varejo Companhia: Marisa Lojas S/A Empregados: aproximadamente 15 mil Receita líquida

Leia mais

Método Aldeia de Projetos

Método Aldeia de Projetos MAP Método Aldeia de Projetos Como surgiu o MAP? Em mais de 15 anos de atuação experimentamos distintas linhas de pensamento para inspirar nosso processo e diversas metodologias para organizar nossa forma

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI

IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI 1 IMPLANTAÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI André Luiz Guimarães dos Reis 1 1 João Souza Neto 2 1 Tomas Roberto C. Orlandi 3 1 andrer@correios.com.br szneto@correios.com.br tomasroberto@correios.com.br 1 Empresa

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Governança de TI Ementa: Relacionar a governança de TI com a governança corporativa. Boas práticas

Leia mais

ANEXO IA ÁREA COMPARTILHADA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACTI

ANEXO IA ÁREA COMPARTILHADA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACTI ANEXO IA ÁREA COMPARTILHADA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACTI Metodologia e Acompanhamento dos Projetos ACTI MAPA Versão 5.1 Histórico da Revisão Data Versão Autor 06/11/2008 5.1.0 Versão inicial do documento.

Leia mais

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios Sandra Sergi Santos, PMP Governança de TI Vamos começar este artigo analisando Governança de TI. A Governança de TI é a área mais crítica de uma governança

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15 1 de 5 12/04/2010 11:15 Dashboard > ESR >... > Elaboracao de cursos > Governanca de TI ESR Governanca de TI View Edit Attachments (4) Info Welcome Leandro N. Ciuffo History Preferences Log Out Browse Space

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Diretrizes para Governança de T.I.

Diretrizes para Governança de T.I. Diretrizes para Governança de T.I. Karina Campos da Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Departamento de Ciências da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Barbacena,

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

SIMPROS 2007 03 a 05 Dezembro de 2007

SIMPROS 2007 03 a 05 Dezembro de 2007 Conciliando Modelos: Arquitetura Corporativa, COBIT, PMBOK e CMMI em Harmonia Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI E NEGÓCIO 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br

Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Gerência de Projetos Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 3ª Série kessia@unipar.br Motivações Gerenciamento de projetos, vem sendo desenvolvido como disciplina desde a década de 60; Nasceu na indústria bélica

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação Prof. Dr. Jorge H C Fernandes Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de

Leia mais

Information Technology Infrastructure Library (ITIL)

Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Metodologias de Sistemas 1 Profa. Rosângela Penteado Grupo Guilherme Leme Janito V. Ferreira Filho João Victor Martins Patrícia Inoue Nakagawa Rafael

Leia mais

CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha

CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha (ES) provocou uma revolução em seu ambiente ao estabelecer

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 Índice 1. Conceitos de Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas...3 1.1. Principais Fases... 3 1.2. Técnicas... 4 1.3. Papéis de Responsabilidades... 4 1.3.1.

Leia mais

Capítulo 2 Governança de TIC

Capítulo 2 Governança de TIC Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 2 Governança de TIC PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas de Informação.

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais