QUALIDADES FÍSICAS INTERVENIENTES E SEU GRAU DE IMPORTÂNCIA NO TÊNIS DE CAMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADES FÍSICAS INTERVENIENTES E SEU GRAU DE IMPORTÂNCIA NO TÊNIS DE CAMPO"

Transcrição

1 ARTIGO QUALIDADES FÍSICAS INTERVENIENTES E SEU GRAU DE IMPORTÂNCIA NO TÊNIS DE CAMPO Paulo de Tarso Euclydes 1,3 Estélio Henrique Martin Dantas 2,3 João Carlos Bouzas Marins 4 José Alberto Pinto 4 RESUMO Para planificação de um treinamento, é fundamental determinar quais são as qualidades físicas intervenientes e de que forma participam no desporto. Os objetivos do presente estudo foram, através de uma revisão bibliográfica, determinar e hierarquizar as qualidades físicas intervenientes no tênis. Este artigo foi dividido em três tópicos: no primeiro são abordadas as exigências físicas do tênis; no segundo são mostradas as qualidades físicas existentes e sua relação especificamente com o tênis, apresentando-se testes físicos para controle do parâmetro em questão; e, no último, tem-se um quadro em que se hierarquizam as qualidades físicas segundo seu nível de importância. Tomando como base os conceitos teóricos apresentados, conclui-se que o tênis tornou-se um desporto de grande complexidade no que se refere às qualidades físicas exigidas, sendo classificadas como principais a força explosiva, a resistência anaeróbica, a velocidade de movimento e reação, agilidade e coordenação. Palavras-chave: tênis, qualidades físicas, bioenergética, treinamento esportivo. INTRODUÇÃO A preparação física constitui-se de métodos e processos de treino, utilizados de forma seqüencial, em obediência aos princípios da periodização, que visam levar o atleta ao ápice de sua forma física específica, a partir de uma base geral ótima (DANTAS, 2003). 1 Mestrando em Ciência da Motricidade Humana PROCIMH UCB-RJ. 2 Professor do Mestrado em Ciência da Motricidade Humana UCB -RJ. 3 Laboratório de Biociências da Motricidade Humana LABIMH UCB-RJ. 4 Departamento de Educação Física - UFV. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

2 A elaboração dos programas contemporâneos de preparação física especial é dependente do conhecimento fisiológico e biomecânico específicos da modalidade desportiva (VERKHOSHANSKI, 2001). Será por meio da interpretação desses processos, em conjunto com uma análise detalhada das tarefas competitivas, que poderão ser criadas atividades motoras que respeitem o princípio da especificidade. Dantas (2003) destaca que o treinamento deve ser montado sobre os requisitos específicos da performance desportiva, em termos de qualidade física interveniente, sistema energético preponderante, segmento corporal utilizado e coordenações psicomotoras utilizadas. Hollmann e Hettinger (1983, citados por LEITE,1985) afirmam que o tênis representa uma mistura heterogênea de solicitações de resistência local e geral de coordenação, de técnica, de força de impulsão e velocidade básica e flexibilidade, aliada a altas solicitações de concentração nervosa. A capacidade de performance motora, inclusive o processo de aprendizagem motora, baseia-se no valor funcional dos sistemas neuromusculares (coordenação dos movimentos, controle e regulação do movimento) e energéticos (fornecimento, utilização e reconstrução de energia para executar um trabalho mecânico). Esses dois sistemas estão estritamente associados (WEINECK, 2003). Apesar de sua importância, a prática do treinamento desportivo não se baseia somente no respeito aos sistemas energéticos envolvidos; requer também atenção para outras variáveis específicas a serem desenvolvidas. Estudos têm-se voltado para a importância de aspectos psicológicos e apoio nutricional, fisioterápico, logístico-financeiro e tecnológico; no entanto, o foco principal do treinamento deve ser o desenvolvimento das qualidades físicas treináveis (JOÃO, 2002). Em relação às capacidades físicas, Fernandes Filho (1997) afirma que a seleção dos esportistas para os diferentes desportos é baseada na eficaz capacidade de resolver tarefas motoras de caráter técnico-tático. Essa eficiência pode estar ligada a características de resistência, velocidade, flexibilidade e agilidade, aliadas a fatores psíquicos estáveis e a índices somatotípicos adequados. Um programa de treinamento físico específico das qualidades físicas intervenientes do tênis de campo irá ajudar o tenista a aumentar sua confiança, melhorar sua técnica e força, reduzir o número e a gravidade das lesões, promover a rápida recuperação após as 8 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

3 competições e treinamentos e, conseqüentemente, desenvolver um melhor atleta (KRIESE, 1997). Portanto, este estudo teve como objetivo efetuar um levantamento, através de revisão bibliográfica, das qualidades físicas intervenientes no tênis e seu grau de importância no treinamento desta modalidade esportiva. REVISÃO DE LITERATURA O tênis é um esporte praticado em todo o mundo, de acordo com as regras estabelecidas pela International Tennis Federation (ITF, 1998). A quadra mede 23,77 metros de comprimento total e a linha de base para jogos individuais possui 8,22 metros; para jogos em duplas, a distância passa a ser de 10,97 metros de largura. A área de saque mede 4,11 metros de largura (cada lado) e 6,4 metros de comprimento. O tênis é disputado em sets, games e pontos. O game pode durar quatro pontos (15, 30, 40, game) ou até um número indefinido, porque, se houver igualdade em 40 a 40, é necessário diferença de dois pontos para se vencer o game. Um set dura, pelo menos, seis games, podendo chegar ao 12º, caso ocorra um empate em 6 a 6; o 13º será disputado na forma de tiebreak (melhor de 12 pontos, o jogador deve fazer 7 pontos; em caso de empate em 6 a 6 é necessário diferença de dois pontos para vencer o tie-break). Uma partida é realizada em melhor de três sets. Os Grand Slams (quatro torneios: Aberto da Austrália, França, Inglaterra e Estados Unidos) são disputados em melhor de cinco sets. No feminino, todos os torneios são disputados em melhor de 3 sets. O tênis de campo possui vários golpes para desenvolver o jogo, havendo variações em relação ao efeito que se emprega na bola. Entretanto, serão relatados apenas os golpes básicos, também denominados destrezas ou fundamentos do jogo, que são: forehand, backhand, serviço, voleio, lob, smash e deixada. Em uma análise biomecânica mais simples e objetiva, cada golpe, na abordagem técnica, divide-se em: preparação, execução e terminação. Segundo dados da ITF (1998), os deslocamentos utilizados durante uma partida são assim distribuídos: deslocamentos para frente (48%), laterais (47%) e para trás (5%). O tenista muda de direção a R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

4 cada intervalo de 1 a 2 segundos, e essas mudanças acontecem em média seis vezes por ponto jogado. Qualidades físicas intervenientes Segundo Dantas (2003), as qualidades físicas são divididas entre as de forma física, que são desenvolvidas através de métodos de preparação física, e as de habilidade motora, que evoluem através de métodos de treinamento e de tarefas que caracterizam a repetição de gestos cuja especificidade se incorporará ao atleta, concorrendo para que este atinja maturidade e lastro fisiológico e atlético. O jogo de tênis inclui movimentos explosivos de curta duração, intercalados com curtos períodos de recuperação entre batidas, e longos períodos de intermitente esforço físico, intercalados com longos períodos de recuperação entre rallies e quando da troca de lados. Portanto, o treinamento deve refletir essa realidade em termos de grupo muscular envolvido e sistema energético utilizado (ITF, 1998). Nesse contexto, as qualidades físicas intervenientes são: resistência muscular localizada, resistência aeróbica, resistência anaeróbica, flexibilidade, coordenação, velocidade, agilidade, descontração diferencial, equilíbrio. Barbanti (2001) sugere exercícios específicos que possuam uma estrutura parcial ou idêntica ao movimento efetuado na competição ou jogo; portanto, o treinamento e a avaliação do tênis deverão ser realizados em cada qualidade física que será posteriormente desenvolvida no programa de treinamento. Existem vários estudiosos do treinamento desportivo no Brasil, dentre os quais podem-se destacar Tubino, Dantas e Barbanti, além de autores estrangeiros, como Weineck, Bompa, Verkhoshanski, entre outros. Todos possuem linhas interessantes, porém, para adotar uma ação didática pedagógica do treinamento desportivo, serão adotados os conceitos de Dantas. A seguir serão abordadas as qualidades físicas em destaque no tênis. Resistência Aeróbica O tênis de campo é uma modalidade de desporto que exige, em termos energéticos, a utilização de substratos mistos (GROPPEL; ROETERT, 1992). Os movimentos rápidos e explosivos realizados em uma partida são derivados da ressíntese bioquímica da enzima 10 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

5 ATP-CP. No entanto, o tempo de duração total de uma partida que pode perdurar de trinta minutos até várias horas acaba por solicitar o processo aeróbio. Temos como exemplo a partida de tênis profissional mais demorada da história, que aconteceu no torneio de Roland Garros de 2004, em que Fabrice Santoro derrotou Arnaud Clement, ambos franceses, por 6/4, 6/3, 6/7 (5/7), 2/6 e 16/14, com o tempo de 6h35, descontada a paralisação por falta de luz de um dia para outro. Outros jogos históricos aconteceram na Copa Davis. John McEnroe derrotou Mats Wilander por 9/7, 6/2, 15/17, 3/6 e 8/6, após 6h22, nas quartasde-final de 1982 (esse tempo não contabiliza a pausa de 15 minutos entre o terceiro e o quarto set, regulamentar naquela época). Em 1987, o mesmo McEnroe perdeu para Boris Becker em 6h21 e, recentemente, Rafael Nadal derrotou Guilhermo Cória na final do torneio de Hamburgo de 2005, por 6/4, 3/6, 6/3, 4/6 e 7/6 (6), em 5h25. Nesse aspecto, Tubino (1984) observa que, entre as qualidades indispensáveis ao atleta, a capacidade aeróbica encontra lugar de relevância. O atleta bem capacitado aerobicamente adapta-se melhor a extensos períodos de trabalho e a um alto número de repetições; além disso, apresenta recuperação mais eficaz após esforço intenso. Diversas pesquisas acerca da determinação da capacidade aeróbica de atletas de alto rendimento corroboram a importância do VO 2 máx dentro das práticas desportivas (BALIKIAN et al., 2002; DENADAI et al., 1994; SILVA et al., 1997; TEIXEIRA, 1999). Em outras atividades que requerem desempenho físico destacado, a determinação do VO 2 máx também é freqüentemente utilizada como parâmetro de eficiência (FERREIRA et al., 2002a, b). König et al. (2001) informam que no processo de adaptação do tênis ocorrem alterações cardiovasculares, metabólicas, neuromusculares e hormonais e, em relação às respostas cardiovasculares, citam que em tenistas masculinos a freqüência cardíaca varia entre 140 e 160 bpm e a intensidade média, de 60 a 70% do VO 2 máx. Todavia, em disputas longas pode-se chegar a 190 a 200 bpm. Esses autores relatam que as melhoras fisiológicas do coração se devem ao aumento do volume sistólico e ejeção máxima cardíaca, formando a base para o aumento no consumo máximo de oxigênio: 55 ml/kg.min -1 em mulheres e 65 ml/kg.min -1 em homens. Leite (1985) relata o VO 2 máx de tenistas do sexo masculino oscilando entre 52 e 55 ml/kg.min 1. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

6 Foss e Keteyian (2000) preconizam que a obtenção do VO2 máx se constitui em uma das formas de verificar a aptidão aeróbica. Smekal et al. (2001) relatam que o VO 2 max é diretamente influenciado pela duração e intensidade do rali (espaço de tempo decorrido na disputa de um ponto). Diferentemente de um atleta de remo ou triatlon, o VO 2 máx exigido para um tenista não vem a ser um fator excedente. Uma pessoa bem treinada, em termos cardiovasculares, poderá atingir os valores aeróbicos exigidos pela modalidade. Dentro de uma perspectiva esportiva, espera-se aumento da exigência dos valores atuais, principalmente visando aumentar a velocidade de recuperação. Como exemplo de teste para se medir a capacidade aeróbica pode-se citar o teste de Cooper, para as circunstâncias em que não é possível fazer um teste de laboratório. Entretanto, caso haja disponibilidade de materiais, o teste de Bruce de esteira será uma boa opção para se determinar o VO 2 máx. Resistência Anaeróbica De acordo com Fox et al. (1991), a energia gasta durante um jogo de tênis é obtida da combinação dos seguintes sistemas de energia: anaeróbico alático (70%), anaeróbico lático (20%) e aeróbico (10%). A duração de disputa de um ponto no tênis é em média de 10 segundos na quadra de saibro; na quadra rápida, o tempo é de quatro segundos; e, na grama, cai para dois segundos (ITF, 1998), o que caracteriza um desporto de perfil anaeróbico. Aparício (1998) registrou que um jogador corre em média 85 metros por game; levando em consideração que o placar que mais ocorre no tênis é 6/4 (10 games no total), o jogador percorrerá 850 metros por set. Portanto, em uma partida de três sets, um tenista terá feito metros e, em um jogo de cinco sets, metros (sendo que 40% dessa metragem é feita caminhando). Quando se compara com uma pessoa caminhando normalmente durante uma hora, ela percorrerá seis quilômetros. Outro dado refere-se ao tempo de jogo efetivamente jogado, representando em média 22% do tempo total da partida. Assim, em um confronto de duas horas de duração, os jogadores de fato disputam apenas 25 minutos. O jogo de tênis é formado por esforços de curta duração e de grande intensidade. Por isso, o tenista utiliza grande quantidade de energia proveniente da produção anaeróbia 12 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

7 (para esforços curtos e intensos) e necessita de um bom condicionamento aeróbico (relacionado à recuperação entre os pontos). Durante um ponto, o tenista percorre entre 8 e 14 metros, com média de 8 segundos de disputa para um intervalo de 20 segundos entre os pontos. Essas características estão de acordo com as observações de Groppel e Roetert (1992), que apontam uma predominância de energia do sistema fosfogênio. De acordo com Astrand e Rodahl (1980), durante o planejamento, para se obter a melhoria do desempenho nos processos anaeróbios compostos pela produção de fosfatos de alta energia na célula muscular, deve-se potencializar um trabalho máximo de duração muito curta, compreendida em até segundos. Para se medir a capacidade anaeróbica podem ser utilizados os testes de corrida de 32 m e o sideways shuffle (deslocamentos rápidos em pequenos espaços com mudança ou troca de lados). Força O jogo de tênis cuja característica predominante durante uma partida sejam as constantes trocas de bola com golpes desferidos para o fundo da quadra acaba exigindo do atleta um limiar de manutenção da força. Também, os membros inferiores são solicitados, pois as saídas rápidas, paradas bruscas, mudanças de direção e constantes deslocamentos frontais alternados com laterais são situações típicas vivenciadas pelos jogadores em uma partida e que acabam solicitando da valência física força nas suas diferentes manifestações. As formas de manifestações de força, segundo Dantas (2003), são predominantemente a força dinâmica, força estática, força explosiva e resistência muscular localizada. No tênis, a força estática não apresenta maior grau de importância (Quadro 1), com exceção da empunhadura da raquete. A força dinâmica será participante como forma auxiliar para o desenvolvimento da força explosiva, que tem papel de destaque no desporto. Por último, há a resistência muscular localizada, que é necessária como qualidade física base e na prevenção de lesões. A seguir, será discutida cada uma dessas formas de manifestação de força. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

8 Força Explosiva A forma de força predominantemente utilizada no tênis é a força explosiva. De acordo com Badillo e Ayestarán (2001), a capacidade de manifestação da força explosiva está relacionada diretamente com a composição muscular das fibras, a freqüência de impulso, a sincronização, a coordenação intermuscular, as capacidades de força máxima, de saída e de aceleração e a velocidade de encurtamento do músculo. Segundo Vretaros (2002), o treino de força explosiva no tênis sofre uma correlação entre a força e o tempo de aplicação. Isso significa que durante a realização do gesto desportivo no tênis, como no saque, o treinamento objetiva uma otimização entre a resistência a ser vencida e a força aplicada, ou seja, a relação curva força-velocidade. Um tenista pode ter uma força explosiva adequada ou não. Caso seja identificada como adequada, é possível afirmar que esse atleta consegue manifestar ótima relação entre força aplicada e tempo empregado para tal manifestação. Assim, a diferença entre um tenista forte com boa manifestação de força explosiva e outro que não apresenta níveis adequados pode estar relacionada com a velocidade. Quanto mais rápido for o movimento na unidade de tempo, mais forte ele pode ser considerado. Pode-se medir a força explosiva através do teste de lançamento de medicine-ball (braços) e teste de saltos (pernas). Resistência Muscular Localizada O primeiro trabalho de força a ser desenvolvido é o da resistência muscular localizada, que objetiva criar condições fisiológicas nas estruturas musculares para permitir que o corpo do jogador suporte trabalhos de longa duração e prevenir o surgimento de futuras lesões. A qualidade da força que é utilizada na preparação física dos jogadores de tênis visa aprimorar o recrutamento neural do músculo, como também suas propriedades elásticas, permitindo com isso melhor reação do músculo às forças de ação contrária (GROPPEL; ROETERT, 1992). O acirrado circuito mundial com seu calendário exigente em termos de participações dos jogadores nas competições faz com que alguns tenistas de alto nível sejam obrigados a competir entre 25 e 30 semanas por ano. Essa situação torna-se um estresse elevado 14 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

9 para o atleta, levando-o a aquisição de lesões, se, porventura, ele não estiver com seu preparo físico adequado. Tem-se considerado o trabalho de resistência muscular localizada como um procedimento preventivo de lesões osteomioarticulares, através do reforço localizado permitido pelo trabalho de musculação. Em determinados níveis de rendimento as partidas podem superar duas horas de duração. Um bom desenvolvimento da resistência muscular localizada pode auxiliar o atleta a manter um nível de performance ao longo de todo um jogo de longa duração. Bompa (2002) preconiza que o principal objetivo do treinamento para a resistência muscular localizada é aumentar a capacidade do tenista de lidar com a fadiga. Os atletas melhoram a resistência anaeróbica e aeróbica, já que o treinamento da resistência emprega número alto de repetições. Na parte inicial de uma série incessante com muitas repetições, a energia é cedida pelo sistema anaeróbico. Isso produz um acúmulo de ácido lático, que cria problemas fisiológicos e psicológicos para os atletas, enquanto tentam continuar a atividade. À medida que esses desafios são superados, a energia é fornecida pelo sistema aeróbico. O treinamento repetitivo da resistência muscular resulta em uma adaptação específica, que melhora a regulagem cardiovascular e o metabolismo aeróbico. Uma particularidade muito importante do jogo de tênis é que durante uma partida de profissionais e executada uma média de batidas (dependendo do tempo de duração do jogo e do tipo de piso) (SKORODUMOVA, 1998). Esse fato, por si só, justifica o treino da qualidade resistência muscular localizada, que permitiria ao tenista executar as batidas por um longo período de tempo, sem diminuir a amplitude do movimento, a freqüência, a velocidade e a força de execução (DANTAS, 2003 ). Skorodumova (1998) defende a idéia de que a resistência no tenista está diretamente relacionada à disputa do ponto: duração e intensidade. Segundo Weineck (2003), o treinamento da resistência favorece o desenvolvimento da velocidade, força rápida, resistência em velocidade, força, resistência de força e habilidade em geral. McGinnis (2002) constatou, em tenistas universitários, que o braço dominante produz uma força isocinética concêntrica e possui R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

10 potência muscular e resistência muscular local maiores que as do braço não-dominante durante a realização da rotação interna; já na rotação externa a produção de força foi igual. No entanto, os tenistas mostraram desequilíbrio na força entre os rotadores internos (mais fortes) e externos do braço dominante, necessitando então de trabalhos complementares e reforço muscular. O treinamento repetitivo da resistência muscular resulta em uma adaptação específica que melhora a regulagem cardiovascular e o metabolismo aeróbico, além de aumentar os depósitos de glicogênio tanto nos músculos quanto no fígado. Portanto, o benefício específico do treinamento de resistência muscular é o aumento generalizado da eficiência fisiológica (BOMPA, 2002). Como exemplo de testes para medir resistência muscular localizada têm-se os de repetições máximas, como: flexão de braço e abdominais. Força Dinâmica A força dinâmica é aquela em que, havendo movimento, a intensidade da resistência a ser vencida é o fator determinante. Existem duas manifestações de força dinâmica: absoluta e relativa. A força absoluta é o valor máximo de força realizado num determinado movimento; e força relativa é o quociente entre a força absoluta e o peso corporal do indivíduo (DANTAS, 2003). O desenvolvimento da força permitirá ao tenista transferir a força solicitada nos treinos em picos de aumento na potência. Pelo fato de as cargas serem muito próximas ao esforço máximo (85-95%), acabam ocasionando grande descarga de ativação neuromuscular, que permite melhorar a coordenação intra e intermuscular (BOMPA, 2002). Dantas (2003) esclarece que um trabalho de condicionamento neuromuscular faz com que se chegue a sincronizar 90% dos impulsos motores; se o objetivo for um melhor recrutamento das unidades motoras, o treinamento de força deve ser de grande intensidade e, conseqüentemente, de pouco volume. No tênis, a força dinâmica atua como auxiliar para o treinamento da força explosiva. Como exemplo de testes para medir força dinâmica tem-se o Teste de Carga Máxima (TGM). 16 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

11 Flexibilidade A flexibilidade é uma das principais capacidades motoras, pois apresenta relação direta com a realização tanto das tarefas mais simples do dia-a-dia quanto dos gestos desportivos mais complexos aplicados no tênis. Por essa razão, seu treinamento é fundamental e, como se sabe, para qualquer programa de treinamento, especialmente no tênis, em que existem movimentos amplos de rotação de tronco, quadril, ombro e braços. A flexibilidade é qualidade física indispensável em vários esportes, e estudos vêm sendo realizados com o intuito de mensurála: futsal (DANTAS, 2001), futebol (BUCK et al., 2002), luta olímpica (ANHAIA et al., 2002) e tênis (LINO; LIMA, 2003). Sobre o desenvolvimento da flexibilidade, Weineck (2003) afirma que esta leva a uma maior elasticidade, mobilidade e capacidade de alongamento dos músculos, ligamentos e tendões; isso contribui para o aumento da tolerância à carga e para a profilaxia de lesões. Garret e Kirkendall (2003) estudaram as diferenças de rotação total em tenistas masculinos e femininos com idade entre 11 e 17 anos. Os resultados mostraram que nos rapazes a rotação foi de 149,1º no hemicorpo não-dominante e 158,2º no hemicorpo dominante e, nas moças, de 157,4º hemicorpo não-dominante e 164,4º no hemicorpo dominante, o que significa que, devido a uma maior utilização, o lado dominante desenvolveu-se mais, quanto à amplitude de movimento, do que o não-dominante. Bompa (2002) relata que o treinamento da flexibilidade deve fazer parte do programa, não importando a especialização esportiva. Weineck (2003) completa, mencionando que os exercícios devem ser escolhidos objetivando o fortalecimento muscular e que durante a adolescência os exercícios passivos e estáticos devem ser utilizados. Para Fernandéz et al. (2002), a flexibilidade é necessária por dois fatores: diminuir a probabilidade de lesões musculares, principalmente da musculatura antagonista; e evitar a má execução de técnica e gestos motores. Essa capacidade motora está presente em todas as ações da técnica, sendo responsável pela facilidade, rapidez e economia com que o tenista executa seus movimentos, principalmente nos fundamentos básicos, como: forehand, backhand, saque e smash. Portanto, o treinamento da flexibilidade deve ser permanente na busca R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

12 de dois objetivos: alcançar a mobilidade necessária para dominar e aperfeiçoar as técnicas, atingindo um nível de desenvolvimento elevado das suas qualidades físicas; e manter-se nesse nível. Os principais meios de treinamento são exercícios de preparação geral e específico. Os exercícios de preparação geral são todos que servem para aumentar a amplitude do movimento. Já os exercícios de preparação específicos são escolhidos considerando a especificidade dos principais golpes do tênis (SKORODUMOVA, 1998). Como exemplo de testes para medir flexibilidade no tênis têmse, como opção mais completa, o flexiteste e a goniometria; de forma mais simples, pode ser aplicado o teste de sentar e alcançar. Coordenação Weineck (2003) destaca que o aprendizado da coordenação ocupa lugar prioritário na infância e deve ser desenvolvido paralelamente ao aprendizado motor. De acordo com Bompa (2002), uma boa coordenação é necessária para aquisição e aperfeiçoamento de habilidades. Um adolescente bem coordenado sempre adquire determinada habilidade com rapidez e consegue desempenhá-la sem problemas. Para este autor, as capacidades coordenativas devem ser desenvolvidas com exercícios complexos precedendo o treinamento de condicionamento, e o programa deve ser multilateral nos estágios de iniciação e formação esportiva, melhorando também o equilíbrio e a agilidade. Para o autor, a pré-puberdade representa a fase mais importante no desenvolvimento da coordenação, pois é a fase de ganho mais rápido e as crianças que se envolvem em várias atividades têm ganho maior que aquelas que participam de um treinamento específico. Fernandes (1981) classifica a coordenação em dois tipos: coordenação extramuscular (permite ao atleta utilizar a massa muscular, agonista ou antagonista, isoladamente) e intramuscular (relacionada diretamente com a atividade muscular realizada, existindo inervação mais econômica dos músculos, nos quais são estimuladas apenas as fibras musculares necessárias ao trabalho que está sendo efetuado). Skorodumova (1998) afirma que o domínio de toda a multiplicidade de ações técnicas é necessário para as circunstâncias do jogo. Por isso, essa capacidade física se torna necessária para auxiliar no desempenho do desporto. Segundo ela, a coordenação 18 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

13 manifesta-se na precisão dos movimentos, sendo desenvolvida através da relação entre a técnica e o físico (velocidade e força), treinando através de exercícios de quadra, exigindo concentração e atenção com objetivos claros. O trabalho de coordenação motora deve ser feito desde a iniciação, 8 a 10 anos, fase na qual, segundo Meinel (1984), a criança mais tende a desenvolver habilidades correlatas, as quais têm que ser treinadas, para que, com isso, a criança comece a descobrir níveis e tempos diversos. De acordo com Siqueira (1991, citado por PINTO; CUNHA, 1998), o tênis tem o aporte de desenvolver três pontos de coordenação: desenvolvimento da coordenação grossa, desenvolvimento da coordenação fina e estabilização da coordenação fina. Os autores lembram ainda que, além do desenvolvimento de ações combinadas, como correr e saltar, flexionar e lançar, há o principal movimento correlato proporcionado pelo tênis, que é o de coordenar os movimentos de membros inferiores com os de membros superiores e de quadril. Nesse esporte, os fundamentos básicos exigem elevado nível de coordenação óculo-manual e espaço-temporal. Como exemplo de testes para medir coordenação têm-se: Hexagon e Spider-test. Velocidade Dantas (2003) classifica a velocidade sob duas formas: velocidade de reação ou VR (observada entre a apresentação de um estímulo e o início da resposta correspondente) e velocidade de movimento (expressa pela rapidez de execução de uma contração muscular a partir da VR). As reações dos tenistas são complexas, pressupondo ações rápidas e estímulos inesperados, e dividem-se em reações seletivas e reações ao objeto em movimento. Além disso, o tenista tem de descobrir a bola impelida pelo adversário, calcular a orientação do vôo, a força e a característica do golpe (chapado, topspin, slice etc.), escolher o contragolpe e agir (SKORODUMOVA, 1998). A velocidade de reação é muito importante, principalmente na devolução do serviço, quando a bola voa com velocidades que variam entre 200 e 250 km/h nos diversos tipos de piso. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

14 A velocidade de movimento de várias articulações manifestase nos deslocamentos com velocidade máxima, quando é preciso rebater, por exemplo, a bola curta ou a bola cruzada. O destino do ponto depende em grande parte da capacidade de aceleração do atleta e do tempo necessário para atingir a velocidade exigida, segundo Skorodumova (1998), a velocidade máxima da corrida do tenista pela quadra é de 7,95 m/s. Então, ao se treinar a reação ao objeto em movimento, recomenda-se aumentar a velocidade de vôo da bola, lançá-la de pontos inesperados e reduzir a distância de vôo. Esta autora relata que a reação seletiva é importante para uma boa resposta ao golpe do adversário. O tenista descobre isso pelas ações preparatórias do adversário e pela trajetória de vôo da bola. Devido às constantes trocas de bolas e mudanças de direções, a rapidez de movimentos torna-se de suma importância no decorrer do jogo de tênis. O período mais favorável para se desenvolver a velocidade de movimentos é dos 7 aos 11 anos de idade. Nessa faixa etária, a velocidade aumenta principalmente à custa da freqüência e do ritmo dos movimentos. Aos anos, em contrapartida, a velocidade cresce devido ao desenvolvimento da força muscular e da força rápida. A velocidade de reação do movimento, nesse contexto, pode começar a ser desenvolvida na idade de 7/8 anos, pois dela são próprias a elevada excitação e labilidade dos processos nervosos (SKORODUMOVA, 1998). Segundo Weineck (2003, citado por DANTAS et al., 2004), a velocidade é um fator de desempenho físico que sofre perdas visíveis com a idade; portanto, quanto mais cedo ela for trabalhada, melhor será sua eficiência. Como exemplo de testes para medir velocidade de movimento, é possível propor para velocidade um teste máximo de repetições em 30 seg. Já para medir velocidade de reação têm-se os testes de tempo de reação (TTR). Agilidade Segundo Kriese (1997), o uso desta qualidade física no jogo de tênis é óbvio, visto que a execução de quase todos os golpes é baseada na capacidade de sair de uma parte da quadra e ir para outra e, então, preparar o golpe, se manter em equilíbrio e mudar de direção. 20 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

15 Skorodumova (1998) afirma que a agilidade é importantíssima neste desporto, pois o tênis contém elementos que obrigam os atletas a reagir a situações novas e imprevisíveis. Assim, para melhor desempenho no tênis, esta qualidade física deve ser treinada com exercícios que contenham elementos novos, os quais obrigam o atleta a reagir a situações novas. Ela deve ser desenvolvida paralelamente à coordenação, porque contém exercícios cuja complexidade coordenativa aumenta a cada treino, exigindo mais precisão, velocidade e coordenação dos movimentos. Como exemplo de testes para medir agilidade têm-se: Burpee Test e Shutle Run. Equilíbrio Qualidade física de suma importância no tênis, pois o atleta, para execução correta da técnica, necessita manter seu centro de gravidade durante a execução dos golpes. De acordo com Fernandes (1981), o equilíbrio tem origem no labirinto do ouvido interno, especialmente no utrículo e nos canais semicirculares. Por isso, o sucesso do equilíbrio está na posição e nos movimentos da cabeça, sofrendo ainda a influência da gravidade, ou seja, quanto mais baixo estiver o centro de gravidade e quanto maior for a base, tanto mais estável será o equilíbrio. Dantas (2003) estabelece três tipos de equilíbrio: dinâmico, estático e recuperado. No tênis, a forma de equilíbrio mais importante é o equilíbrio dinâmico. Para medir o equilíbrio pode-se usar o teste de caminhar mais lento ou mais rápido sobre a trave de equilíbrio. Descontração Segundo Dantas (2003), esta qualidade física é eminentemente neuromuscular, oriunda da redução da tonicidade da musculatura esquelética, apresentando-se sob duas formas: descontração total e diferencial. Para o tênis é importante a descontração diferencial, que é, basicamente, fruto de uma conscientização motórica quando o relaxamento da musculatura ocorre durante o movimento. Nessa situação, pode-se observar o músculo agonista realizando trabalho, ao passo que o antagônico se encontra descontraído. A descontração R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

16 faz parte da execução dos diversos golpes do tênis, como: saque, forehand, backhand etc. Ela pode ser medida por eletromiografias. A seguir serão demonstradas, através de um quadro, as qualidades físicas intervenientes no tênis, bem como sua hierarquização, destacando o seu grau de importância para a prática e a planificação do treinamento de tênis. Qualidades físicas intervenientes FORMA FÍSICA Preparação Neuromuscular HABILIDADE MOTORA Preparação Cardiopulmonar PREPARAÇÃO FÍSICA Preparação Qualidades Físicas Técnica Membros Membros Tronco Generalizada Superiores Inferiores Flexibilidade Força Dinâmica Força Estática Força Explosiva Resistência Muscular Localizada Resistência Anaeróbica Alática Resistência Aeróbica Velocidade de movimentos Velocidade de reação Agilidade Equilíbrio estático Equilíbrio dinâmico Equilíbrio recuperado Descontração diferencial Descontração total Coordenação IMPORTÂNCIA (1) imprescindível, (2) importante e (3) secundária. Fonte: adaptado de Dantas (2003). As adaptações apresentadas neste quadro serviram para apresentar as mudanças de perfil do jogo de tênis e,conseqüentemente, dos jogadores. O jogo se tornou mais veloz e as partidas mais longas, exigindo do atleta uma adaptação a essas novas exigências, aumentando ainda mais a demanda da resistência anaeróbica alática, da força explosiva, da velocidade de movimentos e velocidade de reação, bem como da flexibilidade e da força dinâmica que auxilia o treinamento da força explosiva. 22 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

17 CONCLUSÃO Pelos dados levantados neste estudo, pode-se concluir que vários fatores influenciam o desenvolvimento do jogo de tênis, como a técnica, a preparação física e fatores psicológicos. No entanto, o treinamento das qualidades físicas intervenientes em razão das exigências específicas do desporto: resistência anaeróbica, resistência aeróbica, força, flexibilidade, resistência muscular localizada, equilíbrio, coordenação e descontração diferenciada formará uma base para dar suporte ao treinamento técnico, tático e psicológico, colaborando para um desenvolvimento mais rápido e eficiente do atleta. ABSTRACT In training plan is fundamental to determine which are the intervening physical qualities and in which way they participate in the sport. The objectives of the present study were to determine and rank the intervening physical qualities in tennis. This article was divided in three topics: in the first, the tennis physical demands are considered; in the second, the existent physical qualities and their relationship specifically with tennis are shown, presenting physical tests for controlling the parameter in question; and, in the last, there is a framework in which the physical qualities are ranked according to their level of importance. Having the presented theoretical concepts as base, it is concluded that tennis became a sport of great complexity regarding the demanded physical qualities, being classified as most important the explosive strength, anaerobic resistance, movement and reaction speeds, agility and coordination. Keywords: tennis, physical qualities, bioenergetics, sports training. REFERÊNCIAS ANHAIA, G. et al. Nível de flexibilidade em atletas de Wrestling/luta olímpica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 10, n. 4, p. 77, R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

18 APARICIO, J. A. Preparacion fisica en el tenis. Buenos Aires: Gymnos, ASTRAND, P. O.; RODAHL, K. Tratado de fisiologia do exercício. Rio de Janeiro: Interamericana, BADILLO, J. J. G.; AYESTARÁN, E. G. Fundamentos do treinamento de força. 2. ed. Porto Alegre: ArtMed, BALIKIAN, P. et al. Consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbico de jogadores de futebol: comparação entre diferentes posições. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 8, n. 2, p , abr BARBANTI, V. J. Treinamento físico: bases científicas. 3. ed. São Paulo: CLR Baliero, BOMPA, T. O. Treinamento total para jovens campeões. São Paulo: Manole, BUCK, K. H.; CONCEIÇÃO, M.; VAREJÃO, R.; FERREIRA, A. A. M.; ARANTES, A. Mensuração do nível de flexibilidade em atletas de futebol da categoria júnior. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 10, n. 4, p. 125, DANTAS, E. H. M. A prática da preparação física. 5. ed. Rio de Janeiro: Sprint, DANTAS, E.H.M.; PORTAL, M.N.D.; SANTOS, L.A.V. Plano de expectativa individual: uma perspectiva científica para a detecção de talentos esportivos. Revista Mineira de Educação Física, v. 12, n. 2, p. 85, DANTAS, P. M. S.; FERNANDES FILHO, J. Identificação do perfil genético, de aptidão física e somatotípico que caracterizam atletas masculinos de alto rendimento, participantes do futsal adulto, no Brasil Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Rio de Janeiro, DENADAI, B. S.; PIÇARRO, I.; RUSSO, A. Consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio determinados em testes de esforço máximo na esteira rolante, bicicleta ergométrica e ergômetro de braço em triatletas brasileiros. Revista Paulista de Educação Física, v. 8, n. 1, p , jan-jul R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

19 FERNANDES FILHO, J. Impressões dermatoglíficas: marcas genéticas na seleção dos tipos de esporte e lutas (a exemplo de desportista do Brasil). Tese (Doutorado em Educação Física) - Moscou, VNIIFIK, FERNANDES, J. L. O treinamento desportivo. 2. ed. São Paulo: EPU, FERNANDEZ, M. D.; SAÍNZ, A. G., GARZÓN, M. J. C. Treinamento físico, desportivo e alimentação: da infância a idade adulta. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, FERREIRA, A. A. M.; ARANTES, A.; BUCK, K.; CUNHA, R.; FERNANDES FILHO, J. A importância do treinamento aeróbio na evolução do VO2máx em indivíduos do sexo feminino integrantes da Escola de Saúde do Exército. Revista de Educação Física, n. 126, p. 56, 2002a. FERREIRA, A. A. M.; ARANTES, A.; CUNHA, R.; NÓBREGA, L.; BUCK, K.; FERNANDES FILHO, J. Desenvolvimento do nível da resistência aeróbia em indivíduos do sexo feminino da Escola de Saúde do Exército. Revista Mineira de Educação Física, v. 10, n. 1, p. 388, 2002b. FOSS, M. L.; KETEYIAN, S. J. Bases fisiológicas do exercício e do esporte. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, FOX, E. L.; BOWERS, R. W.; FOSS, M. L. Bases fisiológicas da educação física e dos desportos. 4. ed. Rio de janeiro: Guanabara koogan, GARRET, W. E. Jr.; KRIKENDALL, D. T. A ciência do exercício e do esporte. Porto Alegre: Artmed, GROPPEL, J. L.; ROETERT, E.P. Applied physiology of tennis. Sports Medicine, v. 14, n. 4, p HOLLMANN, W.; HETTINGER, T. H. Medicina do esporte. São Paulo: Manole, INTERNATIONAL TENNIS FEDERATION.(ITF). Advanced coach manual. Cap. 9, p ITF Ltd, R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27,

20 JOÃO, A. F.; FERNANDES FILHO, J. Identificação do perfil genético, somatotípico e psicológico das atletas brasileiras de ginástica olímpica feminina de alta qualificação esportiva. Fitness & Performance, v. 1, n. 2, p , mar-abr KÖNIG, P.; HUONER, M.; SCHMID, A.; HALLE, M.; BERG, A.; KEUL, J. Cardiovascular, mebabolic, and hormonal parameters in profissional tennis players. Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 33, n. 4, p , KRIESE, C. Coaching tennis. Indianápolis: Masters Press, LEITE, P. F.; Aptidão física, saúde e esporte. Belo Horizonte: Santa Edwiges, LINO, L. R. A.; LIMA, W. P. Perfil físico de tenistas juvenis masculinos. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, p. 137, (Edição Especial). MCGINNIS, P. M. Biomecânica do esporte e exercício. Porto Alegre: Artmed, MEINEL, K. Motricidade II. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, PINTO, J. A.; CUNHA, F. H. G. O tênis como alternativa no currículo escolar para crianças entre 8 e 12 anos. Motriz, v. 4, n. 1, junho/1998. SILVA, P. R. et al. Avaliação funcional multivariada em jogadores de futebol profissional - uma metanálise. Acta fisiátrica, v. 4, n. 2, p , ago SIQUEIRA, M. Tênis: jogando melhor. Rio de Janeiro: Objetiva, SKORODUMOVA, A. P. Tênis de campo: treinamento de alto nível, São Paulo: Phorte, SMEKAL, G.; VON DUVILLARD, S. P.; RIHACEK, C.; POKAN, R.; HOFMANN, P.; BARON, R.; TSCHAN, H.; BACHL, N. A physiological profile of tennis match play. Med. Sci. Sports Exerc., v. 33; n. 6, p , TEIXEIRA, A. et al. Estudo descritivo sobre a importância da avaliação funcional como procedimento prévio no controle fisiológico do treinamento físico de futebolistas realizado em pré-temporada. Acta fisiátrica, v. 6, n. 2, p. 70-7, ago, R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 13, n. 1, p. 7-27, 2005

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS TÊNIS DE CAMPO PROF. PATRICIA MEDRADO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS TÊNIS DE CAMPO PROF. PATRICIA MEDRADO CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS PROF. PATRICIA MEDRADO Ao ensinar as regras do esporte é importante situar o jogo como um embate amigável, onde estarão presentes a oposição e a cooperação, bem como frisar

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL Acadêmicos da UCB: Helio Carlos Lima de Abreu e Natali Rodrigues RESUMO A atividade física intensa em crianças na

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO

O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO GUILLERMO DE ÁVILA GONÇALVES, ROGÉRIO MARCUS DE OLIVEIRA NOGUEIRA Resumo: este artigo apresenta uma proposta de treinamentos

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

e dos testes de avaliação

e dos testes de avaliação TEMA 3 FILME 01 TEMA 3 Treino dos fatores físicos e dos testes de avaliação Documento bruno Boucher 1 e dos testes de avaliação Os tempos de referência O catálogo do treino O circuito II de musculação

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL o Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL Autora: Fernanda Rosa de Lima Orientador: MSc. Areolino Afonso Ribeiro

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Brasil)

Professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Brasil) ATIVIDADES FÍSICAS E NATAÇÃO NA TERCEIRA IDADE: RELAÇÃO ENTRE A DOSAGEM E A RESPOSTA AO EXERCÍCIO, A PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADES FÍSICAS, CUIDADOS HIGIÊNICOS E COM O SISTEMA-APARELHO AUDITIVO, ENTRE OUTROS

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

"Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget.

Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser. Piaget. Infância e adolescência "Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget. Características ou particularidades da infância (Desenvolvimento)

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

HISTÓRIA DO VOLEIBOL

HISTÓRIA DO VOLEIBOL VOLEIBOL HISTÓRIA DO VOLEIBOL O voleibol foi criado em 9 de Fevereiro de 1895 pelo americano William George Morgan, diretor de educação física da Associação Cristã de Moços (ACM), na cidade de Holyoke,

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O conteúdo voleibol, enquanto prática desportiva nas escolas

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal?

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal? Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2015 4º BIMESTRE Colégio da Polícia Militar de Goiás -NAS Aluno (a): Nº Faça o que se pede. MODALIDADES EM ALTA CONTEÚDO SIMULADO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO GLOBAL PARA DESENVOLVIMENTO UNIVERSAL NA ATIVIDADE ESPORTIVA. Ricardo Paraventi Agosto, 2011.

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO GLOBAL PARA DESENVOLVIMENTO UNIVERSAL NA ATIVIDADE ESPORTIVA. Ricardo Paraventi Agosto, 2011. A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO GLOBAL PARA DESENVOLVIMENTO UNIVERSAL NA ATIVIDADE ESPORTIVA Ricardo Paraventi Agosto, 2011. 1 1. INTRODUÇÃO.... 3 2. VISÃO GLOBAL.... 4 3. RINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO....

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

TÉNIS. As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar.

TÉNIS. As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar. TÉNIS As pessoas que apostam responsavelmente certificam-se que conhecem todas as particularidades do evento em que irão apostar. Elas decidem com antecedência quanto tempo e dinheiro querem gastar. Jogar

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica Competência

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO (RELATIONSHIP BETWEEN FLEXIBILITY AND STRENGTH OF LOWER LIMB IN MALE ATHLETES OF FUTSAL) Fauler Fernandes Pereira

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

Programas Afterschool

Programas Afterschool Programas Afterschool Programas 2015-2016 Afterschool Os programas Afterschool de Cañas Tennis foram desenhados pelo exitoso e único integrante da Legião Argentina que decidiu residir e formar sua academia

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais