A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA"

Transcrição

1 A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

2 EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos ou fases, em que cada fase apresenta uma caracterização específica mas diversificada; O ritmo de crescimento é variável de uma criança para outra. Cada criança apresenta o seu ritmo próprio ; Casos existem de maturação precoce e outros de maturação tardia. Todas as comparações da performance entre jovens jogadores deverão ter em consideração os parâmetros de crescimento; Podemos observar no entanto que existe um período de crescimento rápido (sensível mente entre os 12 e os 15 anos), durante o qual o treinador deverá manter-se particularmente atento;

3 Dados de investigação apontam para 8 a 12 anos de preparação, para que um praticante de talento possa alcançar níveis de elite, o que se traduz em cerca de 3h diárias de treino durante cerca de 10 anos. Infelizmente, são muitos os treinadores e pais que encaram o treino dos seus filhos com a atitude de que eles vão ter de alcançar o seu máximo na competição do próximo fim de semana. Treino/Recuperação/Competição, adequados garantem um desenvolvimento óptimo e maior longevidade desportiva. O sucesso da preparação desportiva resulta mais do treino e da procura de desempenhos correctos, numa perspectiva de longo prazo, do que na procura das vitórias em situações de curto prazo.

4 Existem várias etapas que devem ser respeitadas, nas etapas iniciais, em todas as competições, deve estar presente com naturalidade, a vontade de ganhar. Contudo, todos os intervenientes devem focalizar a sua atenção e avaliação que fazem dessa participação, no processo que está a ser desenvolvido, o mesmo será dizer na orientação para a tarefa em detrimento da orientação para o ego. Um dos períodos mais importantes para o desenvolvimento motor das crianças e jovens é o intervalo dos 9 aos 12 anos. É quando as crianças se encontram preparadas, em termos do seu desenvolvimento biológico. É nestas idades que os alicerces da excelência são construídos. (Muito importante a Formação dos Treinadores que trabalham com estas idades) FASES SENSÍVEIS "Períodos onde há uma Treinabilidade muito favorável para uma capacidade motora." (Winter) "Fases onde há una sensibilidade particular face a um determinado estímulo externo, de acordo com os períodos de ontogénese individual." (Martin)

5 CAPACIDADES INFÂNCIA 6/7 9/10 10/12 12/13 ADOLESCÊNCIA 12/13 14/15 14/15 16/18 Aquisição Habilidades e Técnicas Capacidade de Reacção Capacidade de Ritmo Capacidade de Equilíbrio Capacidade de Orientação Capacidade de Diferenciação Capacidade de Velocidade Força Máxima Força Rápida Resistência Aeróbia Resistência Anaeróbia Fases Sensíveis - Adaptado do Livro, Metodologia General del Entrenamiento Infantil y Juvenil (2004, pág.158)

6 Capacidade de Aprendizagem das Habilidades Motrizes e Técnicas Desportivas Experimenta provavelmente uma primeira fase sensível por volta dos 8/9 anos, que se intensifica cerca dos 12/13 anos. Prevê uma segunda fase na adolescência (segunda fase da puberdade). O processo de trabalho técnico é favorecido nesta idade pelas condições propicias da união da força com o movimento para a manifestação dinâmica das técnicas. Capacidades Coordenativas Especialmente naquelas com grande motricidade, verifica-se um incremento quase linear desde a infância (7-9/10 anos) até à primeira fase da puberdade, quando se chega a uma fase de instabilidade e de novos ajustes.

7 Modelo das Cinco Capacidades Coordenativas Fundamentais Hirtz (1985) C D apa i fe cid re a n cia de d ç ão e Cap a de R cidade eacç ão Capacidade de Orientação e ad io cid br pa uilí Ca Eq de Capacidade de Ritmo

8 Capacidade de Velocidade É uma capacidade que deve ser desenvolvida desde as idades mais baixas. Tem a sua fase sensível durante a infância, particularmente entre os 6/7 anos e os 9/10 anos. O mesmo se assume para a Capacidade de Reacção, que regista um vertiginoso incremento do rendimento. Nota: Como primeira conclusão, podemos afirmar que o treino na infância tem que ser um treino centrado na aprendizagem e nas diferentes manifestações da velocidade. O desenvolvimento da Capacidade de Força Máxima ( e provavelmente da Capacidade de Força Resistência) entra numa fase sensível no início da primeira fase da puberdade, nas raparigas dos 11 até aos 12/13 anos e nos rapazes, a partir dos 12 anos, devido ao alto crescimento originado, à vez pelo crescimento muscular e pelas condições hormonais. A Capacidade de Força Rápida (quando é fundamentalmente coordenativa e não dependente da força máxima) pode-se aumentar eficazmente com toda a probabilidade entre os 8/9 anos e os 10/11 anos

9 Capacidade de Resistência Aeróbia É uma capacidade treinável em todos os períodos, na infância e juventude. Não se pode neste caso falar numa fase sensível. Capacidade de Resistência Anaeróbia Muda de forma continuada desde a infância para a frente, conforme aumenta o desenvolvimento da maturação funcional e das condições enzimáticas. A capacidade de rendimento óptima parece dar-se nos homens por volta dos 30 anos e nas mulheres um pouco antes. As diferenças por sexos nas fases sensíveis são principalmente do tipo quantitativo e surgem nas raparigas um pouco antes. As diferenças básicas não podem comprovar-se.

10 O Treino Infanto Juvenil deve ser Planificado a Longo Prazo (Planeamento Plurianual); O Treino (processo dinâmico de desenvolvimento psicofísico), encontra-se submetido a normas e regras relacionadas, com o processo de maturação e com os princípios do treino; Assim podemos afirmar que está condicionado por três factores: Maturação - Dá-se através de uma série de etapas (fases sensíveis) que favorecem a qualidade e capacidade de aprendizagem Processos de Formação do Carácter e da Personalidade - Importa conhecer de forma substancial, pois as crianças são mais emotivas, sensíveis e instáveis, o que obviamente corresponde a uma interferência no processo de treino, que deve ser controlada; Processo de Auto-Afirmação (Autoconfiança) Afirma a personalidade e o carácter das crianças, o que contribui de forma decisiva para a prática. Apenas nos casos em que os objectivos traçados não estão de acordo com a capacidade dos jovens, existem problemas de auto - afirmação.

11 O êxito de todo o processo de treino depende de: a) A adaptação da criança ao rendimento b) A programação, planificação e periodização do treino c) Os sistemas de treino que se utilizam Grosser e Neumaier (1998), afirmam que o Rendimento Desportivo é a expressão da personalidade inteira e deve medir-se em toda a sua extensão, tanto física como psíquica e fisiológica Navarro (1993) propõem quatro etapas no processo de treino infanto-juvenil: 1. Preparação Desportiva Inicial (8 a 11 anos) tem uma duração de um ano e meio a dois anos. Deve ser dirigida ao desenvolvimento de uma ampla Base Motora Geral e Multidisciplinar 2. Preparação Desportiva Básica (10/11 a 15 anos) tem uma duração mais larga (4 anos), contempla a prática específica de uma modalidade

12 3. Especialização Profunda e Mestria da Aprendizagem Desportiva situa-se entre os 14 e os 16 anos para as mulheres e para homens entre os 16 e os 18 anos com uma duração de cerca de três anos 4. Mestria Desportiva de Máximo Nível Como consequência da Etapa anterior para as mulheres tem início a partir dos 16 anos, e para os homens a partir dos 17/18 anos. A duração é de aproximadamente 3 anos. No seguimento desta etapa, o jovem alcança a etapa de alto Rendimento.

13 CARGA DE TREINO Matveyev (1970), definiu como a quantidade de efeitos que os exercícios corporais têm sobre o organismo, que nunca são os mesmos e o corpo não os recebe da mesma maneira ainda que eles sejam idênticos e não actuam de igual modo sobre todos os seres humanos A sua análise permite-nos: caracterizar a actividade do atleta e da equipa e identificar o nível de preparação a que se sujeita. Como? Especificando os INDICADORES DA CARGA!!!

14 CLASSIFICAÇÃO DA CARGA DE TREINO (INDICADORES) Grandeza (quantidade e qualidade): Intensidade Duração Densidade Frequência Volume Orientação: Natureza: Selectivas (1 habilidade ou capacidade) Complexas ( várias habilidades ou capacidades) treino (nºt) ou de competição (nºc, nºj) gerais ou específicas

15 COMPONENTES DA CARGA QUANTO À SUA GRANDEZA: INTENSIDADE: Valor da exigência de um exercício ou conjunto de exercícios em relação ao máximo das possibilidades do atleta face ao estímulo (ex. % FCM, tempo para percorrer uma distância, nº de acções p/ unidade de tempo). DURAÇÃO: Tempo que demora a executar um exercício, série de exercícios ou sessão de treino (segundos, minutos, horas) DENSIDADE: Representa a relação entre o tempo de esforço e de repouso num exercício ou entre sessões de treino, entre o treino e a competição FREQUÊNCIA: Refere-se ao nº de repetições de um exercício ou série de exercícios na unidade de tempo (tempo de duração do exercício - treino, semana, mês...), ao nº de treinos da semana, ao nº de competições na semana...(nº rep, nº séries na unidade de tempo). VOLUME: Refere-se à quantidade total de trabalho realizado (ex. total de repetições, total de metros, total de horas, total de kg).

16 NÍVEIS DE INTENSIDADE Características do Treino Técnico/Táctico Individual Habilidades Complexas Táctica Treino de tolerância ao Ácido Láctico Técnico/Táctico Exercícios de Suicídio Táctica Consumo Máx. O2 Técnico/Táctico Aláctico Técnico/Táctica Individual Passe, Recepção, Remate.. Duração seg seg 3 5 min 5-15 seg 1 min Intervalo de Repouso 3 5 min 3 min 2 3 min 1 2 min 1 min Frequência Cardíaca > % 40 % 20 % 20 % 20 % Solicitação Energética Aeróbio Anaeróbio Volume Total de Treino Adaptado de Tudor Bompa - Livro Seminário Internacional Treino de Jovens Os Caminhos do Sucesso, pág.79

17 Nível 1 é o mais elevado nível 5 o de menor intensidade; Em cada um dos níveis existe uma correspondência com o trabalho realizado; Importa distinguir a fadiga fisiológica, mais ligada às fontes de energia, da fadiga mental, que surge quando um atleta se concentra e foca exclusivamente numa tarefa, daí o termo capacidades complexas, para as quais necessitamos de maiores intervalos de recuperação, simplesmente porque necessitamos de relaxar e voltar a focar na mesma tarefa, que se irá desenvolver com níveis de intensidade elevados; Em cada tipo de esforço é importante considerar a origem das fontes energéticas envolvidas, a forma como se combinam e em que proporção; Os 20% aeróbio na intensidade 1, deve-se ao efeito cumulativo do esforço, quando repetimos alguma acção várias vezes, surge um certo nível de fadiga, que necessita de ser eliminada apelando à fonte aeróbia

18 Proposta de Classificação das Capacidades e do Tipo de Treino Físico, de modo a alternar os Sistemas de Energia Anaeróbio Aláctico Anaeróbio Láctico Aeróbio Elementos Técnicos 1 10 seg Elementos Técnicos seg Elementos Técnicos Longa Duração Combinações Tácticas 5 10 seg Combinações Tácticas seg Combinações Tácticas Duração Média e Longa Treino de Potência, curta duração Treino de Velocidade seg Resistência Muscular Duração Média e Longa Força Máxima 1 2 séries Grandes Intervalos de Repouso Resistência Muscular Adaptado de Tudor Bompa - Livro Seminário Internacional Treino de Jovens Os Caminhos do Sucesso, pág.82

19 IDEIAS A RETER A criança deve treinar igual ou abaixo do seu nível de carga, nunca com sobrecarga, porque esta pode afectar negativamente o seu processo de maturação; A criança necessita de maior tempo de recuperação que o adulto, atendendo aos seu menor desenvolvimento da sua capacidade cardiorespiratória; Produz-se maior quantidade de fadiga na criança que no adulto, ainda que possa não ser visível devido à sua maior disponibilidade para o movimento; Na criança deve aplicar-se o princípio do dia de carga forte, seguido do de um dia de descanso ou de carga baixa, o qual evitará a fadiga residual; É muito importante que as crianças realizem um bom aquecimento, pois sabemos que o aquecimento estimula a activação enzimática facilitando a a sua regeneração;

20 IDEIAS A RETER O aumento do treino e a melhoria da sua qualidade produzse por etapas; Não é por treinar mais que se melhora mais; Navarro (1993), recomenda que o aumento da carga se realize através de algumas das suas componentes: 1. Aumentar a Frequência do Treino 2. Aumentar o Volume do Treino 3. Diminuir o Tempo de Recuperação 4. Aumentar a Intensidade Os factores mais comprometidos e difíceis são os últimos a ser aumentados, porque basta um aumento da frequência do treino para que por si se aumente a carga

21 IDEIAS A RETER No treino Infanto Juvenil, aconselha-se regra geral tempos de recuperação entre 1 e 5 min, e em esforços tipo anaeróbio láctico nunca abaixo dos 5 min A Recuperação em Função do tipo de Trabalho Tempo de trabalho Recuperação em Jovens Recuperação em adultos Entre 6 e 8 seg 30 min 30 min > 20 seg 30 min 30 min > 2 min 5 a 10 min 3 a 5 min > 2 min 3 a 5 min Entre 45 seg a 3 min Livro Planificação Y Organização del Entrenamiento Juvenil, pág. 206

22 IDEIAS A RETER E impossível considerar que o treino das capacidades condicionais coordenativas podem ter a mesma eficácia o eficiência em todas as idades. O seja nenhuma capacidade motora é treinável na mesma medida, em todo o processo evolutivo. Melhoria da qualidade das cargas de treino: Para o mesmo trabalho, mais qualidade Aumento contínuo do grau de dificuldade das exigências de aprendizagem e coordenação Maior aposta no desenvolvimento da velocidade e força rápida (fundamentais para a optimização das performances) Princípio da preparação para altas cargas Assegurar maior cargabilidade geral, de acordo com o nível de desenvolvimento do praticante Permanente aperfeiçoamento da capacidade de prestação geral orientada para o desporto

23 IDEIAS A RETER

24 F I M

25 FELIZ NATAL E UM ÓPTIMO 2006

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE 1 ESTRUTURA DA PLANILHA ESTRUTURA DA PLANILHA Dia da Semana: Procure seguir a ordem da planilha. Descrição detalhada do seu PRIMEIRO TREINO: Aqui

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

A, B Preto, Branco etc.

A, B Preto, Branco etc. 1 2 Qualidade a desenvolver Velocidade Reacção Velocidade máxima Conteúdos e métodos a utilizar Jogos de reacção (Barra do lenço, A e B) com distâncias entre 10 e 15 metros Jogos e repetições curtas Distâncias

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Sumário: 1. Aspectos genéricos do treino desportivo 1.1.Evolução do Processo de treino; 1.2.Objectivos do treino e a definição de alto rendimento; 1.3.Fundamentação

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

"Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget.

Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser. Piaget. Infância e adolescência "Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget. Características ou particularidades da infância (Desenvolvimento)

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version ICC Europe Howzat Text Portuguese Version Bem-vindo ao Howzat! A ECB Coach Education em parceria com a ICC Europe está empenhada em disponibilizar recursos de nível mundial; o Howzat! foi pensado para

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Testes Físicos Documento Orientador

Testes Físicos Documento Orientador Testes Físicos Documento Orientador Época 2015-2016 Página 2 INTRODUÇÃO A realização de provas físicas na arbitragem acontece em todos os Países e, em particular, no âmbito da UEFA e da FIFA. Estas Organizações

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Coaching para um melhor desempenho. Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana

Coaching para um melhor desempenho. Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana Coaching para um melhor desempenho Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana A sua actividade profissional Acha que a sua actividade profissional tem características

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de

Leia mais

Índice 1. Introdução

Índice 1. Introdução Treino de Jovens, Futuros meio-fundistas Texto e desenhos de António Graça, 2007 Índice 1. Introdução...1 2. Etapas do Plano de Carreira...2 3. A importância das formas jogadas...3 4. Fases sensíveis para

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O desenvolvimento da resistência é uma tarefa complexa devido ao facto de, na maior parte das modalidades desportivas, existirem diferentes combinações das

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto )

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre os conceitos DESPORTO Entendemos por Desporto todas as formas de actividade física que, através de uma participação

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs.

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. Judocas Seniores Coimbra, 6 de Outubro de 2012 Luís Monteiro INTRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS -

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - 1 Análise dos resultados. - Dia 31 Agosto 2012 1ª Eliminatória Tempo 2ª Eliminatória 1º

Leia mais

O TREINO DE RASHID RAMZI,

O TREINO DE RASHID RAMZI, O TREINO DE RASHID RAMZI, apresentado pelo seu treinador KHALID BOULAMI (por Carlos Silva ( cablos@iol.pt ) tradução e interpretação da informação apresentada nas XII Jornadas Técnicas da Escuela Nacional

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador A MINHA FILOSOFIA DE TREINADOR Estar sempre motivado Motivar os atletas e dar-lhes objectivos realistas Procurar condições de treino e estabilidade

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Sistema de avaliações e graduações da

Sistema de avaliações e graduações da Sistema de avaliações e graduações da União de Ouro de Artes Desportivas de Portugal Elaborado pelo conselho de graduação da União de Ouro de Artes Desportivas de Portugal Conteúdo Técnico mínimo para

Leia mais

PLANEJAMENTO DO VOLEIBOL A LONGO PRAZO POR FAIXAS ETÁRIAS

PLANEJAMENTO DO VOLEIBOL A LONGO PRAZO POR FAIXAS ETÁRIAS ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 PLANEJAMENTO DO VOLEIBOL A LONGO PRAZO POR FAIXAS ETÁRIAS Edson James Duwe Arthur José Novaes Instituto Catarinense de Pós-Graduação ICPG Curso

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD)

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD) (Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 2229. Ed. CEFD) Paulo Paixão Miguel Docente da Mestrando em Alto Rendimento Desportivo ramo Treino (conclusão da parte curricular) Centro Olímpico

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS *

NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * NATAÇÃO: TREINAMENTO DE BASE EM CRIANÇAS E JOVENS * Néstor Aldo García (Argentina) Associação de Instrutores, Professores e Treinadores de Natação A.I.P.E.N. - RESUMO O desenvolvimento do treinamento das

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Futebolista e Basquetebolista

Futebolista e Basquetebolista Escola Básic dos 2º e 3º ciclos de Alembrança Futebolista e Basquetebolista Ano e turma: 7ºA Professor: Hélder Baião Disciplina: Área de Projecto Alunos: Hélio Abrantes Nº10 Mário Monteiro Nº15 Miguel

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Federação Portuguesa de Patinagem Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Associação de Patinagem de Lisboa GrupoDesportivode Patinagem Cascais, 23 de Abril de 2005 Federação Portuguesa de Patinagem

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA DIVISÃO DE DESPORTO DOCUMENTO DE ORIENTADOR CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA MINI-TÉNIS Técnico Desporto: Jorge Vicente ÉVORA,2008 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 1. CENTROS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA...

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais