Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas"

Transcrição

1 Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento de alguns conceitos é fundamental para a estruturação de uma periodização de treinamento. Periodização é um dos mais importantes conceitos do planejamento do treinamento. Esse termo origina-se da palavra período, que é uma porção ou divisão do tempo em pequenos segmentos, mais fáceis de controlar denominados fases (Bompa, 2001). Concordando com este conceito, Plisk & Stone 2003, definem periodização como uma distribuição planeada ou uma variação nos métodos e meios de treino, de forma cíclica ou periódica. Os estímulos periódicos ou cíclicos, durante o exercício, os estímulos utilizados nas sessões de treinamento determinam a carga de trabalho a que se submete o atleta em treinamento. A causa que provoca as alterações de adaptação no organismo do desportista é denominada carga de treinamento (Zakharov, 1992). Carga de treinamento é o resultado da relação da quantidade de trabalho (volume) com seu aspecto qualitativo (intensidade) (Manso 1996). No mesmo óculo, De La Rosa e Farto (2007), afirmam que carga de treinamento é a relação inversa entre o potencial de treinamento e condição física do atleta. Segundo Monteiro e Lopes (2009) os componentes da carga de trabalho determinam a magnitude do estímulo aplicado no treinamento são: intensidade, duração, volume e densidade de treinamento. A intensidade trata-se do aspecto qualitativo da carga e está relacionada ao nível do atleta e em que momento se encontra na temporada. É bastante específica e por isso na escolha dos critérios da intensidade, devemos levar em consideração as particularidades do esporte em questão. Metodologicamente a esgrima se classifica dentro dos esportes de combate. A esgrima apresenta particularidades e características que o diferem dos demais esportes por realizar-se mediante um acessório (espada, florete ou sabre) que impede o contato direto dos corpos. (VELÁZQUEZ FERNÁNDEZ, 2004). A troca de ações entre os adversários, de forma contínua ou descontínua, durante um determinado período de tempo, no combate com intenções táticas é definida como: frases d`armas. Tais conjuntos de trocas de ações entre ambos os esgrimistas do assalto (duelo) formam o desenho de jogo combativo na Esgrima. ((ARKAYEV, 1990)). Estas

2 ações têm caráter variável, sendo que os estímulos têm como indicador fisiológico os números de ações numa unidade de tempo. Como exemplo, citamos uma frases d`armas onde ocorrem 10 a fundos (movimentos ofensivos), em 30 segundos. A duração da carga representa o tempo durante o qual um único conteúdo de treinamento funciona como elemento transformador sobre o organismo (Satrischka, 1998). Durações de 45 e 50 minutos em uma sessão de treinamento têm como objetivo o desenvolvimento de resistência por mobilização do sistema aeróbio. Durações de 20 e 40 minutos, são eficazes para o aumento do limiar anaeróbio. Para o desenvolvimento de potência, os estímulos possuem durações de 15 a 25minutos. Para um treinamento com objetivo de aumentar a resistência anaeróbia lática, os estímulos possuem duração inferior a 10 minutos. Para o desenvolvimento de capacidade anaeróbia alática, a duração de estímulo em cada repetição é de 15 a 30 segundos. Para desenvolver velocidade (potência anaeróbia alática), a duração do estímulo em cada repetição varia entre 5 e 10 segundos. O volume da carga é a medida quantitativa das cargas de treinamento de diferente orientação funcional, que se desenvolvem em uma unidade ou ciclo de treinamento (De La Rosa e Farto, 2007). Este componente pode ser dividido em: Volume Global: Quantificação de todas as cargas de diferente orientação funcional, ou seja, soma de todas as cargas de treinamento (técnico, tático, força explosiva, força máxima, todos os tipos de resistências, flexibilidade). Volume Parcial: determina um tipo de treinamento com orientação funcional, ou seja, existe uma divisão de cada carga e sua orientação funcional por sessão de treinamento, sendo somadas para totalizar a duração de cada sessão (somamos o tempo de treino físico, técnico, tático em cada sessão de treinamento). O volume de treinamento torna-se importante no que se refere ao treinamento de atletas de alto nível. O Volume de horas por micro ciclo e por ano parece haver uma elação entre volume e o rendimento desejado. Platonov (2008) estabelece-se a seguinte relação: Utilizaremos exemplos de competições do calendário anual da Federação Internacional de Esgrima (FIE), de acordo com sua relevância em concordância com Platonov. - Melhores do mundo horas anuais (Jogos olímpicos de Londres 2012)

3 - eventos internacionais- 800 horas anuais (Espada Masculino Adulto Copa do Mundo por Equipe). - Eventos nacionais- 600 horas anuais (Torneio Cidade de Gramado). - Eventos regionais- 400 horas anuais (Estadual de Esgrima). O número de sessões de treinamento em um determinado período de tempo é a frequência de treinamento diário. A metodologia do treinamento aponta como maior favorável a seguinte frequência semanal (RAPOSO, 2000). - Fase Base- 3 a 4 sessões - Fase de preparação- 4 a 8 sessões - Fase de Construção- 6 a 10 sessões - Alto rendimento- 8 a 22 sessões- onde se encontram os atletas componentes da Seleção Brasileira de Esgrima. Este modelo de frequência semanal mostra a necessidade de um comportamento profissional dos atletas de alto rendimento, onde o comprometimento com seu esporte é muito grande, sendo que em alguns momentos da periodização os mesmos terão três estímulos (sessões) diários de treinamento. O último componente é a densidade, esta é definida como a relação temporal entre esforço e a fase de recuperação em uma sessão de treinamento, ou seja, relação entre trabalho (treinamento) e recuperação. A carga de treinamento e a recuperação equilibram-se melhor, harmonizando-se através da intensidade da carga. Esta recuperação tem duas funções importantes no desenvolvimento de novas adaptações, segundo Monteiro e Lopes (2009): - Diminuição dos níveis de fadiga. - Favorecer os processos de adaptação. Segundo Grosser (1990) a relação pontual entre a duração do estímulo e a recuperação. A figura abaixo demonstra a relação de trabalho (treinamento) e recuperação, definindo assim uma densidade de treinamento.

4 100% Velocidade Relação 1:5 90% Velocidade e VO2máx Relação 1:3 80% Velocidade Relação 1:1 70% Resistência aeróbia Relação 2:1 60% Resistência aeróbia Relação 5:1 Durações de intervalos de descansos podem interferir nos objetivos do treinamento sua seleção é de grande importância. Os intervalos de descanso podem ser divididos em: - Intervalo Rígido: Tempos muito curto o que leva o desenvolvimento de fadiga em progressão muito rápida. (muito utilizado nos períodos competitivos de treinamento, sendo semelhante aos períodos de estímulo e descanso no combate de Esgrima). exercício. - Intervalo Curto: Recuperação que permite a restauração próxima ao nível do - Intervalo Completo: Períodos de recuperação que permitam a restauração completa do organismo para o próximo estímulo. Com base nas informações abordadas anteriormente conseguimos agrupá-las e iniciar um modelo de periodização. O desenvolvimento de um plano teórico para a evolução dos aspectos físicos, solicitados aos atletas de Esgrima especificamente, envolve a capacidade de conseguir transmitir de forma clara e objetiva os pressupostos teóricos já existentes sobre a ciência do treinamento desportivo, adaptadas para Esgrima, a cada um dos profissionais responsáveis pela preparação física dos esgrimistas.

5 MACRO CICLO CHOQUE CARGAS 80% a 100% CARACTERÍSTICAS 2 A 5 SESSÕES DE TREINO INÍCIO BASE- ACUMULAÇÃO P R E P A R A T Ó R I O ORDINÁRIO ESTABILIZADOR 60% a 80% 40% a 60% 2 A 6 SESSÕES DE TREINO Estabiliza os estados das cargas dos micro ciclos anteriores DEVO SEGUIR UMA PERIODIZAÇÃO? RECUPERATIVO DE MANUTENÇÃO 30% a 40% Auxilia na redução de perda de ritmo T R A N S I Ç Ã O RECUPERATIVO CONTROLE BAIXA INTENSIDADE TESTES- COMPETIÇÕES USAR APÓS M. C. DE CHOQUE E ORDINÁRIO FORÇA E VELOCIDADE- 1RM E 50m FORÇA EXPLOSIVA- Afundo deslocando e estático Força explosiva e Agilidade- Shutle Run FLEXIBILIDADEteste angular R. Anaeróbia lática- Protocolo Pavani FORÇAdinamometria isocinética(4,10,30 repetições) PRÉ- COMPETITIVO PRÉ- COMPETITIVO CONFORME CALENDÁRIO COMPETITIVO 5 A 10 DIAS ANTES DA COMPETIÇÃO INTENSIDADE ALTA E VOLUME BAIO- CARGAS DECRESCENTES COMPETITIVO COMPETITIVO COMPETIÇÃO ALVO E SECUNDÁRIAS FIM Figura: Modelo de periodização proposto por Pavani (2012). Segundo Crescente et al.,(2006), entre os vários fatores, variáveis, que podem influenciar no desempenho de um atleta, temos a condição física avaliada pela frequência cardíaca, VO2 máximo, limiar lático, limiar ventilatório e limiar anaeróbio, indicadores importantes para sinalizar o nível de condicionamento físico do atleta em cada etapa da periodização. As avaliações são realizadas a cada ciclo completo, na transição de cada fase da periodização Nesse ínterim, a avaliação física dos atletas torna-se imprescindível como um identificador da condição do atleta, bem como fornece subsídios ao treinador para a prescrição, planificação e periodização adequada do treinamento esportivo. A escassa bibliografia encontrada no Brasil, sobre o planejamento e a periodização da Esgrima, configura-se como um problema para um real desenvolvimento do treinamento deste esporte no país.

6 Por este fator optamos na realização de avaliações práticas e objetivas, sendo testes específicos da modalidade, que contam com o movimento específico da esgrima e pela facilidade de aplicação, sendo no mesmo local de treinamento. Os testes serão norteadores da periodização buscando informações de maneira prática do nível de condicionamento do atleta em cada fase de treinamento. Os testes propostos avaliarão a flexibilidade, a potência, a velocidade, capacidade anaeróbia alática (predominante na esgrima). Os testes serão descritos em seguida, com seu protocolo, aplicabilidade, componente a ser avaliado e sua respectiva folha de anotações dos resultados, respectivamente. RESISTÊNCIA ANAEROBIA ALÁCTICA Teste anaeróbio alático adaptado para esgrima adaptado por Ricardo Pavani (2011). Materiais: pista de esgrima, monitor cardíaco, roupa de esgrima, cronometro, caneta e folha de anotação do teste. Aquecimento e Desaquecimento: executar após mensurar a Frequência cardíaca inicial, o aquecimento com corridas variadas de baixa intensidade durante 5 minutos. Após a realização do teste imediatamente o atleta deverá caminhar por 1 minuto e após este tempo mensurar novamente a frequência cardíaca. Caso o acúmulo de ácido láctico cause desconforto muscular executar um trote regenerativo por 10 minutos e posterior alongamento muscular. Protocolo: O teste segue o seguinte protocolo: um esgrimista posicionado a seis metros de distância do fim da pista, ao sinal do avaliador o executante do teste realiza o deslocamento para frente, marchando, ao final da pista executa o afundo e retorno deslocando-se posteriormente realizando a técnica de deslocamento chamado romper em máxima velocidade. O teste é dividido em três períodos: 15s (A), 30s (B) e 30s (C), com intervalos de 10s entre os mesmos (FRANCHINI, 2001 e FRANCHINI e colaboradores, 2001). Durante cada um dos períodos, o executar a técnica do afundo, utilizando a técnica o maior número de vezes possível. Imediatamente após e 1 minuto após o final

7 do teste é verificada a frequência cardíaca do atleta. O número de ações denominadas afundou são somados e o índice abaixo é calculado (PAVANI, 2001): Marcação realizada com cones de sinalização. Iniciar com a posição da guarda, deslocar-se até a linha de 6 metros e executar o movimento do afundo, voltar à guarda e executar o movimento de retorno à posição iniciar rompendo e repetir o ciclo conforme os estímulos solicitados pelo teste. Posição inicial do atleta está na linha inicial, em guarda: O atleta descola-se até a linha de 6 metros, marchando. Executa o afundo, posteriormente volta à guarda retornando a posição inicial do teste rompendo.

8 O número de ações denominadas afundou são somados e o índice abaixo é calculado (FRANCHINI, 2001 e FRANCHINI e colaboradores, 2001): Quanto melhor o desempenho no teste, menor o valor do índice (FRANCHINI, 2001 e FRANCHINI e colaboradores, 2001). A Figura apresenta o esquema do teste:

9 POTÊNCIA DE MEMBROS INFERIORES O treinamento de força com intensidade baixa a moderada (10-70% 1RM) e elevada velocidade de execução é denominado treinamento de potência com sobrecarga (Lamas; Drezner; Tricoli; Ugrinowitsch, 2008). Este tipo de treinamento é amplamente utilizado na prática do treinamento esportivo, uma vez que a elevada demanda de produção de potência é uma característica comum a diversas modalidades esportivas. O componente potência é fundamental para surpreender o adversário nos combates de Esgrima, quando somada com o componente técnico potencializam as chances de tocar o adversário, sendo este o objetivo da esgrima. Avaliação da potência no afundo: É feita em duas etapas. Primeiro mede-se a amplitude máxima de um afundo estático (a= calcanhar do pé da frente até anteparo). Em seguida executa-se um afundo com o máximo de potência e mede-se o quanto este afundo deslocou (b). Dividindo-se a medida (b) pela (a), chega-se ao Coeficiente de Potência do Afundo (p).

10 FLEXIBILIDADE A flexibilidade pode ser definida como amplitude de movimento em determinada articulação (Delgado 2004). A Flexibilidade está relacionada com os níveos de condicionamento necessário para o desempenho esportivo. O encurtamento do sistema muscular o enfraquece, além de gerar aumento do gasto energético, desestabilizar a postura e como consequência acaba diminuindo a capacidade de produzir movimento qualificado. Entre os testes de verificação de Flexibilidade, acreditamos que o mais adequado é Teste de avaliação da flexibilidade do afundo e avaliação do arrasto interno no afundo, proposto por Marcos Cardoso, adaptado por Pavani, por avaliar o principal movimento ofensivo da Esgrima, denominado afundo. AVALIAÇÃO DO ARRASTO INTERNO NO AFUNDO: Verifica se o atleta mantém a sua amplitude máxima na execução de um afundo explosivo, ou se cria um arrasto interno no afundo, que é indesejado. Primeiro mede-se a amplitude máxima de um afundo estático (a=calcanhar do pé da frente até parte interna do pé de trás). Em seguida executa-se um afundo com o máximo de potência e mede-se novamente amplitude máxima do afundo (b= calcanhar do pé da frente até parte interna do pé de trás). O resultado deve ser o mais próximo a zero possível. Protocolo:

11 A) Aquecimento global e aquecimento específico com utilização de 5 a 10 repetições do movimento específico (afundo). B) 1 minuto de intervalo. Leve alongamento C) Tentar o movimento específico buscando máxima amplitude das articulações dos membros inferiores D) O avaliado deverá executar três tentativas com intervalo de 1 minuto entre elas com leve alongamento dos membros inferiores, a melhor tentativa será validada. Folha de anotações Avaliação da flexibilidade no afundo Nome do avaliado:

12 Tentativas 1º. Tentativa 2º. Tentativa 3º. Tentativa C=a h Valores (a) Valores (h) Valor (C) Melhor tentativa: Data: Hora: AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE NO AFUNDO: Protocolo: A) Aquecimento global e aquecimento específico com utilização de 5 a 10 repetições do movimento específico (afundo). B) 1 minuto de intervalo. Leve alongamento C) Tentar o movimento específico buscando máxima amplitude das articulações dos membros inferiores D) O avaliado deverá executar três tentativas com intervalo de 1 minuto entre elas com leve alongamento dos membros inferiores, a melhor tentativa será validada. Por meio de uma fórmula matemática, é possível estabelecer um indicador da flexibilidade no afundo de um esgrimista. A amplitude (a= calcanhar do pé da frente até parte interna do pé de trás) do afundo, dividida pela altura do vão entre o púbis e o solo (h) nos fornece o coeficiente de flexibilidade (c). Quanto maior o valor desse coeficiente, melhor será a flexibilidade das articulações de membros inferiores envolvidas na execução do afundo. Com estudos mais aprofundados, será possível estabelecer um coeficiente mínimo para o afundo do esgrimista de alto-rendimento.

13 Folha de anotações: Avaliação da flexibilidade no afundo Nome do avaliado: Tentativas Valores (a) Valores (h) Valor (C) 1º. Tentativa 2º. Tentativa 3º. Tentativa C=a h Melhor tentativa: Data: Hora:

14 VELOCIDADE MÁXIMA Deslocamento à frente (marchando) em velocidade - 5m. Objetivo: menor tempo possível. (Espada) 5m é uma medida próxima à máxima distância que o atleta de espada utiliza em velocidade máxima ofensiva sem mudança de direção durante um match. As linhas de marcação da pista de esgrima podem ser utilizadas para a execução dessa avaliação. Deslocamento à frente (marchando) em velocidade - 9m. Objetivo: menor tempo possível. (Florete e Sabre) 9m é uma medida próxima à máxima distância que o atleta de florete ou sabre utiliza em velocidade máxima ofensiva sem mudança de direção durante um match. As linhas de marcação da pista de esgrima podem ser utilizadas para a execução dessa avaliação.

15 FORÇA RELATIVA-FORÇA MÁXIMA DE MEMBROS INFERIORES Protocolo de 1 Repetição Máxima A) Aquecimento de 5 a 10 repetições, peso leve (40% a 60% da estimativa de 1RM) B) 1 minuto de intervalo. Leve alongamento C) Aquecimento de 3 a 5 repetições, peso moderado (60% a 80% da estimativa de 1RM). D) 2 minutos de intervalo E) Tentar o 1RM num peso próximo do máximo Se o praticante completar de 2 a 3 repetições adiciona: Para testes de membros superiores de 4 kg a 9 kg ou 5% a 10% Para testes de membros inferiores de 14 kg a 18 kg ou 10% a 20% G) Repetir item E, nos casos quando: Se o praticante completar de 2 a 3 repetir - após 3 a 5 min. de intervalo Repetir as tentativas até realizar apenas 1RM Só será considerada tentativa válida aquela com a técnica perfeita Se forem necessárias mais de três tentativas dar intervalo de 24h descanso Achando a carga Nº específico de repetições (achar a carga) 3RM, 6RM, 9RM ou 12RM (67%, 77%, 85%, 93%... talvez?) Carga submáxima (máximo de repetições) Teste de 2 a 10 repetições Carga estimada Masc.= 80% a 100% peso corporal Carga estimada Fem.= 50% a 60% peso corporal Intervalos 5-10 min. entre as tentativas Não exceder a três tentativas no dia (24h intervalo)

16 Carga submáxima (máximo de repetições) Ex. masc. teste de RM = 8 repetições x 52 kg 1RM estimado = 62 kg Considerações no uso dos resultados de RM Grau de treinamento do praticante: quanto mais treinado, mais repetições realizará; 2. O número de repetições: a partir do percentual de RM estimado por teste, portanto quando o praticante realiza várias séries, pode ser necessário diminuir o peso para completar o número de repetições desejadas; 3. A utilização de equipamentos guiados: pode superestimar o valor obtido, por aumentar o percentual em relação ao peso livre; 4. A utilização de grande massa muscular pode resultar em um número de repetições maiores do que um grupo pequeno, num mesmo percentual de RM;

17 5. O Teste de RM requer muito tempo, não sendo prático para períodos muito curtos (ex. semanais). Classificação da Força de membros inferiores

18

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

e dos testes de avaliação

e dos testes de avaliação TEMA 3 FILME 01 TEMA 3 Treino dos fatores físicos e dos testes de avaliação Documento bruno Boucher 1 e dos testes de avaliação Os tempos de referência O catálogo do treino O circuito II de musculação

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de

Leia mais

A, B Preto, Branco etc.

A, B Preto, Branco etc. 1 2 Qualidade a desenvolver Velocidade Reacção Velocidade máxima Conteúdos e métodos a utilizar Jogos de reacção (Barra do lenço, A e B) com distâncias entre 10 e 15 metros Jogos e repetições curtas Distâncias

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE

FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE FAQ ironguides INSTRUÇÕES DE TREINO : BUILDING ROUTINE 1 ESTRUTURA DA PLANILHA ESTRUTURA DA PLANILHA Dia da Semana: Procure seguir a ordem da planilha. Descrição detalhada do seu PRIMEIRO TREINO: Aqui

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Aquecimento no Judô - necessário e fundamental ou polêmico? Resumo

Aquecimento no Judô - necessário e fundamental ou polêmico? Resumo Aquecimento no Judô - necessário e fundamental ou polêmico? Resumo As atividades de aquecimento são utilizadas em todas as atividades esportivas e na dança como preparatórias ou introdutórias à atividade

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Rodrigo Piano Rosa Preparação Física no Futebol: Seletividade e aplicação das cargas durante o período competitivo. Porto Alegre 2010

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

Testes Físicos Documento Orientador

Testes Físicos Documento Orientador Testes Físicos Documento Orientador Época 2015-2016 Página 2 INTRODUÇÃO A realização de provas físicas na arbitragem acontece em todos os Países e, em particular, no âmbito da UEFA e da FIFA. Estas Organizações

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

Exercícios além da academia

Exercícios além da academia Exercícios além da academia Pilates É uma modalidade de atividade física realizada em aparelhos, bolas e no solo, que proporciona fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e correção da postura.

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

A tabela abaixo mostra os três níveis de acompanhamento oferecidos e como é composto cada um desses níveis, como segue:

A tabela abaixo mostra os três níveis de acompanhamento oferecidos e como é composto cada um desses níveis, como segue: A VIAPEDAL oferece um serviço completo no treinamento do ciclista. Nós temos serviços que atendem a todos os eixos que compõe o desempenho no Ciclismo e MTB biomecânico, fisiológico, psicológico, técnico-tático,

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PARA CORREDORES DE RUA ESPECIALISTAS EM PROVAS DE DEZ

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL o Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL Autora: Fernanda Rosa de Lima Orientador: MSc. Areolino Afonso Ribeiro

Leia mais

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência

O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O Treino das Qualidades Físicas A Resistência O desenvolvimento da resistência é uma tarefa complexa devido ao facto de, na maior parte das modalidades desportivas, existirem diferentes combinações das

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs.

XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. XVII CLINIC Análise de Indicadores de Força Explosiva de Potência e de Resistência de Força Explosiva em Judocas Juniores vs. Judocas Seniores Coimbra, 6 de Outubro de 2012 Luís Monteiro INTRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA UIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA UTILIZAÇÃO DE ISTRUMETOS ÃO IVASIVOS A MOITORIZAÇÃO DA ADAPTAÇÃO À CARGA DE TREIO: PERCEPÇÃO DA CARGA DE TREIO SEMAAL (RTL) QUESTIOÁRIO

Leia mais

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD)

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD) (Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 2229. Ed. CEFD) Paulo Paixão Miguel Docente da Mestrando em Alto Rendimento Desportivo ramo Treino (conclusão da parte curricular) Centro Olímpico

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

O TREINO DE RASHID RAMZI,

O TREINO DE RASHID RAMZI, O TREINO DE RASHID RAMZI, apresentado pelo seu treinador KHALID BOULAMI (por Carlos Silva ( cablos@iol.pt ) tradução e interpretação da informação apresentada nas XII Jornadas Técnicas da Escuela Nacional

Leia mais

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA.

1. METODOLOGIA: SÉRIES DE EXERCÍCIOS E TEMAS PARA AS LIÇÕES DE ESGRIMA. ESPADA SISTEMA PARA FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE ESPADISTAS A ESGRIMA DE PONTA SEM PRATICAR O FLORETE Arthur CRAMER Há vários modos de esgrimir, dizemos quanto à esgrima de sala e à esgrima de competição.

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador

UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador UMA ESCOLA DE MARCHA EM RIO MAIOR? Jorge Miguel Treinador A MINHA FILOSOFIA DE TREINADOR Estar sempre motivado Motivar os atletas e dar-lhes objectivos realistas Procurar condições de treino e estabilidade

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo

Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo DISCIPLINA CP200 NOME Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo Horas Semanais Teóricas Práticas Laboratório Orientação Distância Estudo em Casa Sala de Aula 03 00 01 00 00 00 04 Nº semanas Carga

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais