ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS. Área: ADMINISTRAÇÃO. Categoria: EXTENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS. Área: ADMINISTRAÇÃO. Categoria: EXTENSÃO"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO CARLA MARIA ZILLI Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, Campus Francisco Beltrão Rua Palmas, 1558 Centro, Francisco Beltrão, acadêmica PAULA REGINA ZARELLI ROCHA Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, Campus Francisco Beltrão Universidade Paranaense Unipar, Campus Francisco Beltrão Rua Bahia 258, sob 02 Presidente Kennedy, Francisco Beltrão, prof Resumo O artigo tem enfoque na área de serviços, buscando analisar a mensuração do desempenho organizacional de uma maneira que possibilite melhorias na organização quando utilizada, então são constatados sete critérios que melhoram drasticamente o desempenho da organização. Sendo a eficiência que possibilita à utilização adequada dos recursos, a eficácia que busca os objetivos traçados, a qualidade que está envolvida no serviço, a produtividade que se relaciona com a quantidade de bens e serviços produzidos em relação com o tempo utilizado, a qualidade de vida no trabalho que auxilia na motivação e satisfação no ambiente de trabalho, a inovação que deve ser constante em busca de um diferencial para a sobrevivência da organização e a rentabilidade que viabiliza a organização continuar existindo. Este estudo foi realizado através da pesquisa bibliográfica e o método dedutivo. Palavras-chave: Mensuração, desempenho organizacional, serviço.

2 ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Resumo O artigo tem enfoque na área de serviços, buscando analisar a mensuração do desempenho organizacional de uma maneira que possibilite melhorias na organização quando utilizada, então são constatados sete critérios que melhoram drasticamente o desempenho da organização. Sendo a eficiência que possibilita à utilização adequada dos recursos, a eficácia que busca os objetivos traçados, a qualidade que está envolvida no serviço, a produtividade que se relaciona com a quantidade de bens e serviços produzidos em relação com o tempo utilizado, a qualidade de vida no trabalho que auxilia na motivação e satisfação no ambiente de trabalho, a inovação que deve ser constante em busca de um diferencial para a sobrevivência da organização e a rentabilidade que viabiliza a organização continuar existindo. Este estudo foi realizado através da pesquisa bibliográfica e o método dedutivo. Palavras-chave: Mensuração, desempenho organizacional, serviço. 1. INTRODUÇÃO A mensuração do desempenho organizacional tem por objetivo facilitar e melhorar a interpretação dos gerentes, referente às decisões a serem tomadas, pois com a mensuração é possível avaliar criteriosamente todos os dados através do conhecimento já adquirido sobre desempenho se tornando mais simples de coletar as informações relevantes e analisar qual a decisão mais apropriada. Sendo que a importância deste estudo é para utilização do gerenciamento. Porém, sem estas medições ocorrem dificuldades nos relatórios de informações que podem resultar em falhas na coleta de dados, ocorrendo mau uso da análise do desempenho. A pertinência deste estudo consiste em poder analisar que a mensuração do desempenho organizacional tem grande aplicabilidade nas empresas mundiais, sendo que as organizações que estão entre as mil maiores, são cerca de cinqüenta por cento delas que praticam estes métodos (CORRÊA, 2006). Este estudo buscou conceituar os serviços, após é esclarecido a fundamental importância da mensuração do desempenho organizacional para a sobrevivência das organizações, sendo assim foi buscado analisar sete critérios que melhoram consideravelmente a atuação da organização no cenário empresarial, segundo Machado (2003). 2. GESTÃO DE SERVIÇOS Os serviços acontecem de forma cíclica, pois eles já foram altamente utilizados na Grécia Clássica, entretanto era tido como papel marginal da sociedade. Após, na Baixa Idade Média os serviços de especiarias e tecidos eram também fortemente aplicados. Contudo a revolução industrial fez perder a importância dos serviços, retomando sua aplicabilidade em meados do século XX e se mantendo crescente até a atualidade.

3 Serviço é um ato ou desempenho fornecido de uma parte para outra. Mesmo que o processo tenha relação direta com o produto físico, certamente ele será intangível, pois há necessidade maior de interação entre as duas partes (LOVELOCK, 2006). Na concepção de Johnston (2008), é surpreendente analisar os resultados financeiros ou não financeiros obtidos pela organização de serviço da classe mundial, sendo que abranger a classe mundial é conseguir atuar em todas as classes sociais do mercado em que atua. Os serviços para Lovelock (2006), formam a maior parte da economia do país, sendo evidenciado pela utilização da mão-de-obra e a geração da riqueza, observado através do PIB, e agregando cerca de 34 milhões de indivíduos empregados neste novo setor em profunda aplicação. Os fatores que auxiliam no crescimento surpreendente do setor de serviços para Corrêa (2006) são: A urbanização: tornando necessários serviços como segurança transporte; Mudanças demográficas: o aumento de crianças e idosos ampliando o consumo de serviço; Mudanças socioeconômicas: devido a expansão da mulher no mercado de trabalho, necessitando de domésticas, transporte escolar, creches; Sofisticação dos consumidores: necessidades mais variadas como psicólogos, personal trainers; Mudanças tecnológicas: aumento da qualidade dos serviços, facilitando a sua chegada para o consumidor. Serviços são atividades econômicas que criam valor, fornecendo benefícios para o ciente em tempo e lugar específicos. Ele também influencia no modo como a organização gostaria de ter seus serviços percebidos pelos clientes, funcionários, acionistas e financiadores (JOHNSTON, 2008). No setor de serviços pode ser feito uma mensuração no desempenho organizacional, buscando utilizar ferramentas para avaliar e desenvolver medidas e sistemas de desempenho que auxilia a criar ações e a impulsionar a melhoria organizacional. Devido a sua grande importância e utilidade do setor de serviços o desempenho organizacional será discutido neste estudo. 3 MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL De acordo com Machado (2003) mensuração é uma operação empírica, produzindo resultados objetivos. Por ser um processo empírico e objetivo pode ser associado a símbolos e objetos. Então o objetivo do sistema de mensuração é associar uma entidade simbólica, como resultado da mensuração. A definição da palavra desempenho é complexa, pois é um termo ambíguo, contudo Corrêa (2006) informa que ele pode ser representado como consecução de objetivos em perspectiva interna da organização ou ser considerado diferente para todas as organizações. O desempenho é também conceituado como a capacidade da organização atingir seus objetivos usando recursos de um modo eficiente e eficaz. Porém não é por compreender a definição que irão conhecer todos os detalhes, pois a mensuração é considerada difícil e complexa para ser trabalhada na organização. Entretanto a competitividade do ambiente trouxe novas exigências, sendo necessário avaliar os resultados produzidos para continuar sobrevivendo a atuando no mercado (MACHADO, 2003).

4 A importância da mensuração do desempenho organizacional dá-se pela contribuição à gestão, pois são feito medições e relatórios com informações relevantes para o uso da análise do desempenho. A medição da mensuração do desempenho é fundamental para medir o que está implícito nos objetivos e metas estabelecida pelo processo de planejamento. O objetivo do gerente é se concentrar para analisar com muito critério o que deve ser mensurado (HAMPTON, 1992). Para Machado (2003), a mensuração busca descrever o aspecto qualitativo, na tentativa de encontrar uma maneira mais excelente de tratar a informação, obtendo uma visão mais clara e conhecendo a natureza da informação de como é gerado e processado. Entretanto o aspecto quantitativo está iniciando, todavia com uma frequência cada vez maior. Quando a organização possui conhecimento da administração de desempenho, as informações são coletadas por resultarem em negócios importantes, possibilitando a escolha da ação mais apropriada para ser aplicada. Existem quatro propósitos ou razões para adotar a mensuração segundo Johnston (2008): 1. Comunicação: quando a organização mensura algo ela está querendo informar que isso é importante, entretanto quando mensura tudo, ela está informando que nada é importante. Assim é informado aos funcionários o que a organização espera deles, e o que pode ser atribuído a indivíduos ou departamentos; 2. Motivação: medidas utilizadas por uma organização para criar novos hábitos mentais influenciando o comportamento dos funcionários; 3. Controle: a forma de desempenho mais eficaz é o feedback, pois ele descobre ações a serem executadas para manter o processo sob controle. Já que o controle assegura um desempenho consistente; 4. Melhoria: as medidas de desempenho podem resultar e impulsionar as melhorias. Quando vinculam na organização recompensas e/ou punições a mensuração pode motivar os indivíduos a melhorarem o desempenho e mostrar que tem controle sobre o que está mensurado. A mensuração de desempenho deve ser compreensível, equilibrada, completa e buscar melhorias. Entretanto se não houver adequadamente acontecerá implicações, pois deve ser explicado as expectativas deste desempenho de saber o que ocorre na organização, identificando falhas, analisando e eliminando, fornecendo feedback e ter um processo decisório apoiado em informações verdadeiras (CORRÊA, 2006). A implicação preocupante de ocorrer na organização sob a mensuração de desempenho é a gestão ficar muito longa, trazendo poucos benefícios, pois o custo será superior em relação ao beneficio (JOHNSTON, 2008). Segundo Corrêa (2006), a mensuração de desempenho deve estar de acordo com a estratégia, para conseguir definir o sistema de mensuração de desempenho, sendo que os indicadores devem se adaptar às novas mudanças na estratégia e no uso de indicadores de desempenho. Com a possibilidade de perceber a suma importância do desempenho organizacional, Machado (2003) buscou encontrar as falhas que ocorrem no aspecto organizacional, apesar de ser uma atividade complexa e composta foi possível detectar a inter-relação de sete critérios fundamentais para conseguir obter os resultados satisfatórios na mensuração do desempenho organizacional. Os sete critérios citados por Machado (2003), são: 1. Eficiência;

5 2. Eficácia; 3. Qualidade; 4. Produtividade; 5. Qualidade de vida no trabalho; 6. Inovação; 7. Rentabilidade. Como estes sete critérios possuem grande relevância perante a organização eles serão abordados mais claramente, com o intuito de ampliar o conhecimento sobre seus conceitos, funções e importância de cada critério. 3.1 Eficiência Na concepção de Daft (2005), eficiência é a quantidade de recursos utilizados para se atingir a meta organizacional, sendo que a função da eficiência é quantificar a matéria-prima, o dinheiro e as pessoas utilizadas para realização das tarefas. Tudo que é executado pode ser chamado de ação, então é eficiência, pois ela é utilizada também para medir os recursos de entradas e saídas do processo, podendo ser considerada uma relação técnica entre eles (CHIAVENATO, 2000). A forma de mostrar sua eficiência perante os outros é oferecer serviços mais elevados em relação aos seus insumos como mão-de-obra necessária para realização. Ou pode ser eficiente conseguindo reduzir os custos dos recursos para alcançar um objetivo e maximizar os resultados (MEGGINSON, 1998). 3.2 Eficácia Eficácia é a execução de algo efetivamente importante e necessário para as organizações, pois precisa possuir capacidade de satisfazer as necessidades da sociedade e suprir os desejos da sociedade. Para Chiavenato (2000) obter os objetivos visados, fazendo as coisas certas e bem feitas, conseguindo alcançar excelentes resultados. A busca pelo objetivo mais adequado e a descrição dos melhores caminhos a serem seguidos é uma forma de englobar a eficácia. Então ela pode ser considerada também como grau da organização em relação a uma meta buscada, ocorrendo sucesso por alcançar seus objetivos. Eficácia se refere ao que é alcançado, chamado de resultado e está relacionada com os objetivos propostos, buscando realizar atividades e metas estabelecidas. Os recursos organizacionais se relacionam com a eficácia, segundo Silva (2002), porque devem resultar em alto desempenho das saídas e altos níveis de satisfação. 3.3 Qualidade A qualidade pode ser considerada uma estratégia, pois afeta a todos e cada processo da organização. Para Silva (2002), a qualidade é considerada uma vantagem competitiva, já que as grandes empresas globais estão investindo na qualidade dos serviços com o intuito de aumentar sua participação no mercado internacional. É indispensável às organizações modificarem seus enfoques, buscando implantar aqueles mencionados no projeto de serviço e tentando ultrapassar as expectativas do cliente e não simplesmente atender seus requisitos. Na concepção de Fitzsimmons (2005) a qualidade em serviços começa pelas pessoas, desenvolvendo atitudes positivas entre todas as pessoas da organização. Através de atitudes positivas podem ser promovidas pelo programa de coordenação. 3.4 Produtividade

6 Segundo Megginson (1998) a produtividade é a quantidade de bens e serviços produzidos por um empregado em determinado período de tempo, levando em consideração a qualidade. A qualidade é um dos fatores relevantes para maior produtividade, pois os custos diminuem por haver menos repetições, erros e demora utilizando de maneira mais eficiente os recursos. Assim aumenta a possibilidade de acompanhar o mercado com melhor qualidade e preço se mantendo no mercado. Já na visão de Stevenson (2001), a produtividade é um índice que mede a relação entre os serviços fornecidos e utilização de mão-de-obra, materiais, energia e outros recursos. Entretanto Corrêa (2006) conceitua produtividade como medida da eficiência com que os recursos de entrada passem por um sistema de agregação de valor, se transformando em saídas. 3.5 Qualidade de Vida no Trabalho As concepções sobre motivação e satisfação se ampliaram, surgindo o conceito de qualidade de vida no trabalho, sendo mais abrangente que as teorias de motivação se baseando na visão integral das pessoas, obtendo a definição de biopsicossocial. Segundo Maximiano (2004) este enfoque biopsicossocial aborda a saúde como não sendo a ausência de doenças, mas sim o bem-estar psicológico e social. Ainda na concepção de Maximiano (2004), a qualidade de vida pode possuir outro enfoque além do biopsicossocial que é a ética na condição humana. Este enfoque busca identificar, eliminar ou minimizar todos os tipos de riscos ocupacionais, envolvendo segurança no ambiente físico e o controle do esforço mental realizado em cada atividade. Com o ambiente mais competitivo, Corrêa (2006) observa que o diferencial é o capital humano, sendo um fator crucial para obter vantagem competitiva. Então é importante buscar fatores influentes na direção dos colaboradores trabalharem na organização, como localização, região, infra-estrutura de segurança, educação, moradia, transporte público e clima. 3.6 Inovação A inovação é um processo fundamentalmente econômico, podendo ser resultado de uma invenção, da exploração de novos recursos naturais, a cópia de uma idéia no mercado distante ou ainda a descrição de um velho produto com uma nova versão. (MATTOS, 2005). Para Drucker (2003) foi a partir do século XIX que a inovação começou a ser divulgada, sendo conhecido há séculos por grandes realizações da invenção. A partir da primeira guerra mundial, a invenção se tornou pesquisa, e hoje tem tomado conta de quase todos os mercados globais, transformando a inovação como algo necessário a todas as organizações. A mudança para Drucker (2003) oferece oportunidade para o novo e diferente então as inovações exploram a mudança. Entretanto para haver inovação é preciso fazer um diagnostico buscando conhecer as áreas de mudanças possíveis de obter diferenciação. Em uma economia aonde a única certeza é a incerteza, a única fonte segura e duradoura de vantagem competitiva é o conhecimento. Numa época que os mercados se deslocam, as tecnologias se proliferam, os concorrentes se multiplicam e os produtos se tornam obsoletos quase que de um dia para o outro, as empresas de sucesso são aquelas que detêm novos conhecimentos, disseminando ele para toda a organização e incorporando rapidamente as novas tecnologias. Para esse novo negócio do cenário atual é preciso inovação contínua (DRUCKER, 2000).

7 3.7 Rentabilidade Rentabilidade é o grau de êxito econômico obtido por uma empresa em relação ao capital nela investido. Sendo que ocorre a rentabilidade por haver investimentos nas fontes de financiamento do ativo que são maiores que o capital e capital de terceiros (MARION, 2002). As atividades organizacionais ocorrem para obter lucros, que é a confrontação das receitas com as despesas. E para buscar a rentabilidade das operações é preciso relacionar o lucro operacional com o valor do ativo operacional, assim é possível medir a eficiência na gestão dos recursos próprios e de terceiros independente dos custos financeiros e outros fatores (BRAGA, 1989). A rentabilidade do ativo para Matarazzo (1998) é um índice que avalia o lucro obtido em relação ao ativo. Sendo considerada uma medida do potencial de geração de lucro da parte da empresa. Não é feita uma medida de rentabilidade do capital, é uma medida da capacidade que a organização possui para gerar lucro líquido e assim pode se capitalizar. Podendo ser feito um comparativo da empresa ano a ano. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O desempenho organizacional tem grande aplicabilidade em pesquisas relacionadas a estratégias administrativas, pois a mensuração de desempenho é um fator crucial no processo de controle gerencial para qualquer ramo de atividade, incluindo a área de serviços. Existem dados externos de grande relevância, pois possibilita que o gerente de operações conheça com efetividade as ações a serem realizadas. Contudo não deve ser esquecido que os clientes que medem o desempenho da organização, sendo um fator que deve ser analisado pela empresa para fornecer maior atenção aos pontos destacados por eles. Pois conseguir obter um bom desempenho na realização das atividades organizacionais é difícil, entretanto é essencial. Então a mensuração do desempenho organizacional deve ocorrer de forma que possibilite a análise total da organização e obter conhecimento mais avançado sobre ele, pois é um elemento extremamente importante para ótica do administrador. Desta forma, espera-se que o presente estudo tenha contribuído para análise e entendimento dos sistemas de mensuração na gestão de serviços bem como sirva de base para realização de outras pesquisas. 5 REFERÊNCIAS BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas da administração financeira. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, CORRÊA, Hamilton Luiz Hamilton. Junior, Flavio Hourneaux. Sistemas de mensuração e avaliação de desempenho organizacional: estudos de casos no setor químico no Brasil. - artigo apresentado na 30º ANPAD, Salvador, BA, CORRÊA, Henrique, L.; CAON, Mauro; Gestão de serviço: lucratividade por meio de operações e satisfação dos clientes. - 1 ed. reimpr. São Paulo: Atlas, CORRÊA, Henrique, L.; CORRÊA, Carlos A. Administração de produção: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. 2 ed. Sao Paulo: Atlas, DAFT, Richard, L. Administração; tradução Robert Brian Taylor. - São Paulo: Pioneira Thomson Learning, DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. Tradução Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

8 DRUCKER, Peter F. Introdução à administração. Tradução Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, DRUCKER, Peter F.; STALK, Georg; NONAKA, Ikujiro; ARGYRIS, Chris. Aprendizado organizacional: gestão de pessoas para inovação continua. Tradução de Bázan Tecnologia e linguistica. Rio de Janeiro: Campus, FITZSIMMONS, James A. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Tradução Jorge Ritter. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, FLEURY, Afonso C. C. Aprendizagem e inovação organizacional. 2 ed. São Paulo: Atlas, HAMPTON, David, R. Administração contemporânea; teoria, prática e casos. Tradutores Lauro Santos Blandy, Antonio C. A. Maximiano. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, JOHNSTON, Robert; CLARK, Graham; tradução Ailton Bonfim Brandão. Administração de operações de serviço. - 1 ed. reimpr- São Paulo: Atlas, LOVELOCK, Christophes. Wright, Lauren; tradução Cid Knipel Moreira. Serviços: marketing e gestão. - São Paulo: Saraiva, MACHADO, Jr. Joacir A. Mensuração da qualidade de serviços: um estudo de caso na indústria de serviços bancários. - Publicado em Gestão & Produção, MARION, José C. Análises das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. - 2 ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante, C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 5 ed. Sao Paulo: Atlas, MATTOS, João R. L. de; Gestão da tecnologia e inovação: uma abordagem prática. Sao Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, Antonio, C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 4 ed. São Paulo: Atlas, MEGGINSON, Leon, C.; MOSLEY, Donald, C.; JUNIOR, Paul, H. P. Administração: conceitos e aplicações. 4 ed. São Paulo: Harbra, SILVA, Reinaldo, O. da. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, STEVENSON, Willians, j. Administração das operações de produção. -6 ed. Rio de janeiro: Copyright, 2001.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA NOME: SISTEMAS E MÉTODOS ADMINISTRATIVOS

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA NOME: SISTEMAS E MÉTODOS ADMINISTRATIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IH

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: AMPE - ADM DE MICRO E PEQ EMPRESAS Código: ADM 253 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2013.2

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

DEZ QUESTÕES ORGANIZACIONAIS QUE NÃO QUEREM CALAR. (SINTONIA PROJETOS DE MUDANÇA / PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL).

DEZ QUESTÕES ORGANIZACIONAIS QUE NÃO QUEREM CALAR. (SINTONIA PROJETOS DE MUDANÇA / PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL). MINIARTIGO CONTABILIDADE GERENCIAL E A PREVISIBILIDADE PATRIMONIAL (A CONVERGÊNCIA DA CIÊNCIA CONTÁBIL COM A CIÊNCIA DA GESTÃO) -- ESTIMATIVAS CONTÁBEIS RELACIONADAS Á GESTÃO DO RISCO DE PROJETOS ORGANIZACIONAIS--

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL CRIATIVIDADE, INOVAÇÃO E INFORMAÇÃO Prof. Gustavo Fernandes Ambrosio Emails: gus_ambrosio@yahoo.com.br gusambrosio@hotmail.com Objetivo do curso Será enfocado o tema

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Números Reais; Expressões Algébricas; Equação do 1º grau; Equação do 2º grau; Logaritmos; Conjuntos; Funções;

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 1 : M O D E L O D E G E S T Ã O D E S U C E S S O Consultora e Educadora: Elisabete

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais