ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS. Área: ADMINISTRAÇÃO. Categoria: EXTENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS. Área: ADMINISTRAÇÃO. Categoria: EXTENSÃO"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO CARLA MARIA ZILLI Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, Campus Francisco Beltrão Rua Palmas, 1558 Centro, Francisco Beltrão, acadêmica PAULA REGINA ZARELLI ROCHA Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste, Campus Francisco Beltrão Universidade Paranaense Unipar, Campus Francisco Beltrão Rua Bahia 258, sob 02 Presidente Kennedy, Francisco Beltrão, prof Resumo O artigo tem enfoque na área de serviços, buscando analisar a mensuração do desempenho organizacional de uma maneira que possibilite melhorias na organização quando utilizada, então são constatados sete critérios que melhoram drasticamente o desempenho da organização. Sendo a eficiência que possibilita à utilização adequada dos recursos, a eficácia que busca os objetivos traçados, a qualidade que está envolvida no serviço, a produtividade que se relaciona com a quantidade de bens e serviços produzidos em relação com o tempo utilizado, a qualidade de vida no trabalho que auxilia na motivação e satisfação no ambiente de trabalho, a inovação que deve ser constante em busca de um diferencial para a sobrevivência da organização e a rentabilidade que viabiliza a organização continuar existindo. Este estudo foi realizado através da pesquisa bibliográfica e o método dedutivo. Palavras-chave: Mensuração, desempenho organizacional, serviço.

2 ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE SERVIÇOS Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Resumo O artigo tem enfoque na área de serviços, buscando analisar a mensuração do desempenho organizacional de uma maneira que possibilite melhorias na organização quando utilizada, então são constatados sete critérios que melhoram drasticamente o desempenho da organização. Sendo a eficiência que possibilita à utilização adequada dos recursos, a eficácia que busca os objetivos traçados, a qualidade que está envolvida no serviço, a produtividade que se relaciona com a quantidade de bens e serviços produzidos em relação com o tempo utilizado, a qualidade de vida no trabalho que auxilia na motivação e satisfação no ambiente de trabalho, a inovação que deve ser constante em busca de um diferencial para a sobrevivência da organização e a rentabilidade que viabiliza a organização continuar existindo. Este estudo foi realizado através da pesquisa bibliográfica e o método dedutivo. Palavras-chave: Mensuração, desempenho organizacional, serviço. 1. INTRODUÇÃO A mensuração do desempenho organizacional tem por objetivo facilitar e melhorar a interpretação dos gerentes, referente às decisões a serem tomadas, pois com a mensuração é possível avaliar criteriosamente todos os dados através do conhecimento já adquirido sobre desempenho se tornando mais simples de coletar as informações relevantes e analisar qual a decisão mais apropriada. Sendo que a importância deste estudo é para utilização do gerenciamento. Porém, sem estas medições ocorrem dificuldades nos relatórios de informações que podem resultar em falhas na coleta de dados, ocorrendo mau uso da análise do desempenho. A pertinência deste estudo consiste em poder analisar que a mensuração do desempenho organizacional tem grande aplicabilidade nas empresas mundiais, sendo que as organizações que estão entre as mil maiores, são cerca de cinqüenta por cento delas que praticam estes métodos (CORRÊA, 2006). Este estudo buscou conceituar os serviços, após é esclarecido a fundamental importância da mensuração do desempenho organizacional para a sobrevivência das organizações, sendo assim foi buscado analisar sete critérios que melhoram consideravelmente a atuação da organização no cenário empresarial, segundo Machado (2003). 2. GESTÃO DE SERVIÇOS Os serviços acontecem de forma cíclica, pois eles já foram altamente utilizados na Grécia Clássica, entretanto era tido como papel marginal da sociedade. Após, na Baixa Idade Média os serviços de especiarias e tecidos eram também fortemente aplicados. Contudo a revolução industrial fez perder a importância dos serviços, retomando sua aplicabilidade em meados do século XX e se mantendo crescente até a atualidade.

3 Serviço é um ato ou desempenho fornecido de uma parte para outra. Mesmo que o processo tenha relação direta com o produto físico, certamente ele será intangível, pois há necessidade maior de interação entre as duas partes (LOVELOCK, 2006). Na concepção de Johnston (2008), é surpreendente analisar os resultados financeiros ou não financeiros obtidos pela organização de serviço da classe mundial, sendo que abranger a classe mundial é conseguir atuar em todas as classes sociais do mercado em que atua. Os serviços para Lovelock (2006), formam a maior parte da economia do país, sendo evidenciado pela utilização da mão-de-obra e a geração da riqueza, observado através do PIB, e agregando cerca de 34 milhões de indivíduos empregados neste novo setor em profunda aplicação. Os fatores que auxiliam no crescimento surpreendente do setor de serviços para Corrêa (2006) são: A urbanização: tornando necessários serviços como segurança transporte; Mudanças demográficas: o aumento de crianças e idosos ampliando o consumo de serviço; Mudanças socioeconômicas: devido a expansão da mulher no mercado de trabalho, necessitando de domésticas, transporte escolar, creches; Sofisticação dos consumidores: necessidades mais variadas como psicólogos, personal trainers; Mudanças tecnológicas: aumento da qualidade dos serviços, facilitando a sua chegada para o consumidor. Serviços são atividades econômicas que criam valor, fornecendo benefícios para o ciente em tempo e lugar específicos. Ele também influencia no modo como a organização gostaria de ter seus serviços percebidos pelos clientes, funcionários, acionistas e financiadores (JOHNSTON, 2008). No setor de serviços pode ser feito uma mensuração no desempenho organizacional, buscando utilizar ferramentas para avaliar e desenvolver medidas e sistemas de desempenho que auxilia a criar ações e a impulsionar a melhoria organizacional. Devido a sua grande importância e utilidade do setor de serviços o desempenho organizacional será discutido neste estudo. 3 MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL De acordo com Machado (2003) mensuração é uma operação empírica, produzindo resultados objetivos. Por ser um processo empírico e objetivo pode ser associado a símbolos e objetos. Então o objetivo do sistema de mensuração é associar uma entidade simbólica, como resultado da mensuração. A definição da palavra desempenho é complexa, pois é um termo ambíguo, contudo Corrêa (2006) informa que ele pode ser representado como consecução de objetivos em perspectiva interna da organização ou ser considerado diferente para todas as organizações. O desempenho é também conceituado como a capacidade da organização atingir seus objetivos usando recursos de um modo eficiente e eficaz. Porém não é por compreender a definição que irão conhecer todos os detalhes, pois a mensuração é considerada difícil e complexa para ser trabalhada na organização. Entretanto a competitividade do ambiente trouxe novas exigências, sendo necessário avaliar os resultados produzidos para continuar sobrevivendo a atuando no mercado (MACHADO, 2003).

4 A importância da mensuração do desempenho organizacional dá-se pela contribuição à gestão, pois são feito medições e relatórios com informações relevantes para o uso da análise do desempenho. A medição da mensuração do desempenho é fundamental para medir o que está implícito nos objetivos e metas estabelecida pelo processo de planejamento. O objetivo do gerente é se concentrar para analisar com muito critério o que deve ser mensurado (HAMPTON, 1992). Para Machado (2003), a mensuração busca descrever o aspecto qualitativo, na tentativa de encontrar uma maneira mais excelente de tratar a informação, obtendo uma visão mais clara e conhecendo a natureza da informação de como é gerado e processado. Entretanto o aspecto quantitativo está iniciando, todavia com uma frequência cada vez maior. Quando a organização possui conhecimento da administração de desempenho, as informações são coletadas por resultarem em negócios importantes, possibilitando a escolha da ação mais apropriada para ser aplicada. Existem quatro propósitos ou razões para adotar a mensuração segundo Johnston (2008): 1. Comunicação: quando a organização mensura algo ela está querendo informar que isso é importante, entretanto quando mensura tudo, ela está informando que nada é importante. Assim é informado aos funcionários o que a organização espera deles, e o que pode ser atribuído a indivíduos ou departamentos; 2. Motivação: medidas utilizadas por uma organização para criar novos hábitos mentais influenciando o comportamento dos funcionários; 3. Controle: a forma de desempenho mais eficaz é o feedback, pois ele descobre ações a serem executadas para manter o processo sob controle. Já que o controle assegura um desempenho consistente; 4. Melhoria: as medidas de desempenho podem resultar e impulsionar as melhorias. Quando vinculam na organização recompensas e/ou punições a mensuração pode motivar os indivíduos a melhorarem o desempenho e mostrar que tem controle sobre o que está mensurado. A mensuração de desempenho deve ser compreensível, equilibrada, completa e buscar melhorias. Entretanto se não houver adequadamente acontecerá implicações, pois deve ser explicado as expectativas deste desempenho de saber o que ocorre na organização, identificando falhas, analisando e eliminando, fornecendo feedback e ter um processo decisório apoiado em informações verdadeiras (CORRÊA, 2006). A implicação preocupante de ocorrer na organização sob a mensuração de desempenho é a gestão ficar muito longa, trazendo poucos benefícios, pois o custo será superior em relação ao beneficio (JOHNSTON, 2008). Segundo Corrêa (2006), a mensuração de desempenho deve estar de acordo com a estratégia, para conseguir definir o sistema de mensuração de desempenho, sendo que os indicadores devem se adaptar às novas mudanças na estratégia e no uso de indicadores de desempenho. Com a possibilidade de perceber a suma importância do desempenho organizacional, Machado (2003) buscou encontrar as falhas que ocorrem no aspecto organizacional, apesar de ser uma atividade complexa e composta foi possível detectar a inter-relação de sete critérios fundamentais para conseguir obter os resultados satisfatórios na mensuração do desempenho organizacional. Os sete critérios citados por Machado (2003), são: 1. Eficiência;

5 2. Eficácia; 3. Qualidade; 4. Produtividade; 5. Qualidade de vida no trabalho; 6. Inovação; 7. Rentabilidade. Como estes sete critérios possuem grande relevância perante a organização eles serão abordados mais claramente, com o intuito de ampliar o conhecimento sobre seus conceitos, funções e importância de cada critério. 3.1 Eficiência Na concepção de Daft (2005), eficiência é a quantidade de recursos utilizados para se atingir a meta organizacional, sendo que a função da eficiência é quantificar a matéria-prima, o dinheiro e as pessoas utilizadas para realização das tarefas. Tudo que é executado pode ser chamado de ação, então é eficiência, pois ela é utilizada também para medir os recursos de entradas e saídas do processo, podendo ser considerada uma relação técnica entre eles (CHIAVENATO, 2000). A forma de mostrar sua eficiência perante os outros é oferecer serviços mais elevados em relação aos seus insumos como mão-de-obra necessária para realização. Ou pode ser eficiente conseguindo reduzir os custos dos recursos para alcançar um objetivo e maximizar os resultados (MEGGINSON, 1998). 3.2 Eficácia Eficácia é a execução de algo efetivamente importante e necessário para as organizações, pois precisa possuir capacidade de satisfazer as necessidades da sociedade e suprir os desejos da sociedade. Para Chiavenato (2000) obter os objetivos visados, fazendo as coisas certas e bem feitas, conseguindo alcançar excelentes resultados. A busca pelo objetivo mais adequado e a descrição dos melhores caminhos a serem seguidos é uma forma de englobar a eficácia. Então ela pode ser considerada também como grau da organização em relação a uma meta buscada, ocorrendo sucesso por alcançar seus objetivos. Eficácia se refere ao que é alcançado, chamado de resultado e está relacionada com os objetivos propostos, buscando realizar atividades e metas estabelecidas. Os recursos organizacionais se relacionam com a eficácia, segundo Silva (2002), porque devem resultar em alto desempenho das saídas e altos níveis de satisfação. 3.3 Qualidade A qualidade pode ser considerada uma estratégia, pois afeta a todos e cada processo da organização. Para Silva (2002), a qualidade é considerada uma vantagem competitiva, já que as grandes empresas globais estão investindo na qualidade dos serviços com o intuito de aumentar sua participação no mercado internacional. É indispensável às organizações modificarem seus enfoques, buscando implantar aqueles mencionados no projeto de serviço e tentando ultrapassar as expectativas do cliente e não simplesmente atender seus requisitos. Na concepção de Fitzsimmons (2005) a qualidade em serviços começa pelas pessoas, desenvolvendo atitudes positivas entre todas as pessoas da organização. Através de atitudes positivas podem ser promovidas pelo programa de coordenação. 3.4 Produtividade

6 Segundo Megginson (1998) a produtividade é a quantidade de bens e serviços produzidos por um empregado em determinado período de tempo, levando em consideração a qualidade. A qualidade é um dos fatores relevantes para maior produtividade, pois os custos diminuem por haver menos repetições, erros e demora utilizando de maneira mais eficiente os recursos. Assim aumenta a possibilidade de acompanhar o mercado com melhor qualidade e preço se mantendo no mercado. Já na visão de Stevenson (2001), a produtividade é um índice que mede a relação entre os serviços fornecidos e utilização de mão-de-obra, materiais, energia e outros recursos. Entretanto Corrêa (2006) conceitua produtividade como medida da eficiência com que os recursos de entrada passem por um sistema de agregação de valor, se transformando em saídas. 3.5 Qualidade de Vida no Trabalho As concepções sobre motivação e satisfação se ampliaram, surgindo o conceito de qualidade de vida no trabalho, sendo mais abrangente que as teorias de motivação se baseando na visão integral das pessoas, obtendo a definição de biopsicossocial. Segundo Maximiano (2004) este enfoque biopsicossocial aborda a saúde como não sendo a ausência de doenças, mas sim o bem-estar psicológico e social. Ainda na concepção de Maximiano (2004), a qualidade de vida pode possuir outro enfoque além do biopsicossocial que é a ética na condição humana. Este enfoque busca identificar, eliminar ou minimizar todos os tipos de riscos ocupacionais, envolvendo segurança no ambiente físico e o controle do esforço mental realizado em cada atividade. Com o ambiente mais competitivo, Corrêa (2006) observa que o diferencial é o capital humano, sendo um fator crucial para obter vantagem competitiva. Então é importante buscar fatores influentes na direção dos colaboradores trabalharem na organização, como localização, região, infra-estrutura de segurança, educação, moradia, transporte público e clima. 3.6 Inovação A inovação é um processo fundamentalmente econômico, podendo ser resultado de uma invenção, da exploração de novos recursos naturais, a cópia de uma idéia no mercado distante ou ainda a descrição de um velho produto com uma nova versão. (MATTOS, 2005). Para Drucker (2003) foi a partir do século XIX que a inovação começou a ser divulgada, sendo conhecido há séculos por grandes realizações da invenção. A partir da primeira guerra mundial, a invenção se tornou pesquisa, e hoje tem tomado conta de quase todos os mercados globais, transformando a inovação como algo necessário a todas as organizações. A mudança para Drucker (2003) oferece oportunidade para o novo e diferente então as inovações exploram a mudança. Entretanto para haver inovação é preciso fazer um diagnostico buscando conhecer as áreas de mudanças possíveis de obter diferenciação. Em uma economia aonde a única certeza é a incerteza, a única fonte segura e duradoura de vantagem competitiva é o conhecimento. Numa época que os mercados se deslocam, as tecnologias se proliferam, os concorrentes se multiplicam e os produtos se tornam obsoletos quase que de um dia para o outro, as empresas de sucesso são aquelas que detêm novos conhecimentos, disseminando ele para toda a organização e incorporando rapidamente as novas tecnologias. Para esse novo negócio do cenário atual é preciso inovação contínua (DRUCKER, 2000).

7 3.7 Rentabilidade Rentabilidade é o grau de êxito econômico obtido por uma empresa em relação ao capital nela investido. Sendo que ocorre a rentabilidade por haver investimentos nas fontes de financiamento do ativo que são maiores que o capital e capital de terceiros (MARION, 2002). As atividades organizacionais ocorrem para obter lucros, que é a confrontação das receitas com as despesas. E para buscar a rentabilidade das operações é preciso relacionar o lucro operacional com o valor do ativo operacional, assim é possível medir a eficiência na gestão dos recursos próprios e de terceiros independente dos custos financeiros e outros fatores (BRAGA, 1989). A rentabilidade do ativo para Matarazzo (1998) é um índice que avalia o lucro obtido em relação ao ativo. Sendo considerada uma medida do potencial de geração de lucro da parte da empresa. Não é feita uma medida de rentabilidade do capital, é uma medida da capacidade que a organização possui para gerar lucro líquido e assim pode se capitalizar. Podendo ser feito um comparativo da empresa ano a ano. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O desempenho organizacional tem grande aplicabilidade em pesquisas relacionadas a estratégias administrativas, pois a mensuração de desempenho é um fator crucial no processo de controle gerencial para qualquer ramo de atividade, incluindo a área de serviços. Existem dados externos de grande relevância, pois possibilita que o gerente de operações conheça com efetividade as ações a serem realizadas. Contudo não deve ser esquecido que os clientes que medem o desempenho da organização, sendo um fator que deve ser analisado pela empresa para fornecer maior atenção aos pontos destacados por eles. Pois conseguir obter um bom desempenho na realização das atividades organizacionais é difícil, entretanto é essencial. Então a mensuração do desempenho organizacional deve ocorrer de forma que possibilite a análise total da organização e obter conhecimento mais avançado sobre ele, pois é um elemento extremamente importante para ótica do administrador. Desta forma, espera-se que o presente estudo tenha contribuído para análise e entendimento dos sistemas de mensuração na gestão de serviços bem como sirva de base para realização de outras pesquisas. 5 REFERÊNCIAS BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas da administração financeira. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, CORRÊA, Hamilton Luiz Hamilton. Junior, Flavio Hourneaux. Sistemas de mensuração e avaliação de desempenho organizacional: estudos de casos no setor químico no Brasil. - artigo apresentado na 30º ANPAD, Salvador, BA, CORRÊA, Henrique, L.; CAON, Mauro; Gestão de serviço: lucratividade por meio de operações e satisfação dos clientes. - 1 ed. reimpr. São Paulo: Atlas, CORRÊA, Henrique, L.; CORRÊA, Carlos A. Administração de produção: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. 2 ed. Sao Paulo: Atlas, DAFT, Richard, L. Administração; tradução Robert Brian Taylor. - São Paulo: Pioneira Thomson Learning, DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. Tradução Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

8 DRUCKER, Peter F. Introdução à administração. Tradução Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, DRUCKER, Peter F.; STALK, Georg; NONAKA, Ikujiro; ARGYRIS, Chris. Aprendizado organizacional: gestão de pessoas para inovação continua. Tradução de Bázan Tecnologia e linguistica. Rio de Janeiro: Campus, FITZSIMMONS, James A. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Tradução Jorge Ritter. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, FLEURY, Afonso C. C. Aprendizagem e inovação organizacional. 2 ed. São Paulo: Atlas, HAMPTON, David, R. Administração contemporânea; teoria, prática e casos. Tradutores Lauro Santos Blandy, Antonio C. A. Maximiano. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, JOHNSTON, Robert; CLARK, Graham; tradução Ailton Bonfim Brandão. Administração de operações de serviço. - 1 ed. reimpr- São Paulo: Atlas, LOVELOCK, Christophes. Wright, Lauren; tradução Cid Knipel Moreira. Serviços: marketing e gestão. - São Paulo: Saraiva, MACHADO, Jr. Joacir A. Mensuração da qualidade de serviços: um estudo de caso na indústria de serviços bancários. - Publicado em Gestão & Produção, MARION, José C. Análises das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. - 2 ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante, C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 5 ed. Sao Paulo: Atlas, MATTOS, João R. L. de; Gestão da tecnologia e inovação: uma abordagem prática. Sao Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, Antonio, C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 4 ed. São Paulo: Atlas, MEGGINSON, Leon, C.; MOSLEY, Donald, C.; JUNIOR, Paul, H. P. Administração: conceitos e aplicações. 4 ed. São Paulo: Harbra, SILVA, Reinaldo, O. da. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, STEVENSON, Willians, j. Administração das operações de produção. -6 ed. Rio de janeiro: Copyright, 2001.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL

MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL MBA em GESTÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL CRIATIVIDADE, INOVAÇÃO E INFORMAÇÃO Prof. Gustavo Fernandes Ambrosio Emails: gus_ambrosio@yahoo.com.br gusambrosio@hotmail.com Objetivo do curso Será enfocado o tema

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: AMPE - ADM DE MICRO E PEQ EMPRESAS Código: ADM 253 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2013.2

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 1 : M O D E L O D E G E S T Ã O D E S U C E S S O Consultora e Educadora: Elisabete

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 1 Tema 1: O novo papel da TI nas organizações Flávio I. Callegari 2010 Temas O Planejamento Estratégico nas Organizações

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS ADEMIR HENRIQUE Discente do Curso de Administração das

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MILLENE CASSIANO FONTES PROJETO DE MONOGRAFIA ADMINISTRAÇÃO DE RISCOS NA ÁREA DE CALL CENTER 1ª FASE.

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MILLENE CASSIANO FONTES PROJETO DE MONOGRAFIA ADMINISTRAÇÃO DE RISCOS NA ÁREA DE CALL CENTER 1ª FASE. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MILLENE CASSIANO FONTES PROJETO DE MONOGRAFIA ADMINISTRAÇÃO DE RISCOS NA ÁREA DE CALL CENTER 1ª FASE Petrópolis OUTUBRO DE 2011 1 PROJETO DE MONOGRAFIA ADMINISTRAÇÃO DE RISCOS NA

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR RESUMO A informação é a mais poderosa ferramenta de gestão das organizações. Diante dessa constatação, o objetivo deste artigo é demonstrar a importância

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO PROCESSO SELETIVO DE MONITORIA - EDITAL Nº08/2013.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO Conteúdo Programático: UNIDADE I: O Universo Organizacional

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Código: ADM 150 Pré-Requisito: ------ Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Renata Edvânia Costa Gouveia UFCG renata_gouveia@hotmail.com Kliver Lamarthine Alves Confessor UFPB

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO PARA O SUCESSO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO PARA O SUCESSO EMPRESARIAL 1 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO PARA O SUCESSO EMPRESARIAL Esliane Carecho Borges da Silva (Docente Orientadora das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Márcia Cristina da Silva Leon (Discente do

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA NOME: SISTEMAS E MÉTODOS ADMINISTRATIVOS

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA NOME: SISTEMAS E MÉTODOS ADMINISTRATIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IH

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

O competitivo mercado de trabalho hoje

O competitivo mercado de trabalho hoje MBA MAUÁ AULA INAUGURAL TURMA 16 O competitivo mercado de trabalho hoje Prof. Helton Haddad Silva São Paulo, 04/08/2003 Conteúdo da Aula Inaugural - O mercado hoje; - O papel do administrador; - O MBA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa SUMÁRIO 1.1 APRESENTAÇÃO... 1 1.2 CONTEÚDO DO CURSO... 2 1.3 PLANEJAMENTO ADMINISTRATIVO... 4 BALANCED SCORECARD... 4 ANÁLISE SWOT... 7 1.4 Lista de Questões Comentadas... 9 1.5 Referências Bibliográficas...

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Karoline Varão de Almeida Graduada em Ciências Contábeis pela UEPB e graduanda

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE. Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE. Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Prof. Washington Clay A. Santos Prof. Douglas de Moura Andrade PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais