CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS)"

Transcrição

1 8) ONÇS MÁUL ORIORTINOPTI NTRL SROS (RS) aracterizada pela acumulação de fluido claro no polo posterior, causando uma área de descolamento neurosensorial da retina, bem circunscrito. SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: Normal. Venosa precoce: Hiperfluorescência dot like focal. Venosa tardia: umento da hiperfluorescência, delimitação dos bordos da bolha. Tardio: Hiperfluorescência intensa e extensa. Padrões de leakage na RS: Ink blot Leak inicial num ponto do PR e difusão simétrica em todas as direcções, no espaço subretiniano. Smoke-stack O contraste entra num ponto de leak, mas em vez de se espalhar em todas as direcções, ascende para o ponto mais alto do descolamento neurosensorial e depois difunde-se lateralmente num padrão em guarda chuva. Inverso smoke-stack Inicia-se num ponto de leakage, mas dirige-se para o limite inferior do descolamento neurosensorial da retina. Múltiplos pontos de leakage Leakage difuso 1

2 G H I J K ig. 8.1.R..S. e Retinografia e nerítica vidência uma bolha no polo posterior, bem delimitada. a Padrão de fluorescência em smoke-stack. G e H Retinografia e nerítica Outro doente. olha bem delimitada. I a L Padrão de fluorescência tipo leakage difuso. L 2

3 MMRNS PIRTININS Podem ser idiopáticas ou secundárias. O aspecto clínico varia desde uma membrana subtil até uma membrana espessa. aracteriza-se pela proliferação fibrocelular na superfície da mácula. SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: Tortuosidade vascular visível. Venosa precoce e tardia: istorção dos vasos retinianos, com leakage moderado. Tardia: umento do leakage. Leakage mal demarcado, homogéneo, localizado na área dos vasos distorcidos. ig. 8.2 Membrana epiretiniana e Retinografias istroção dos vasos sanguíneos, no polo posterior., ; e vidência da rede vascular distorcida e tracção vascular. Hiperfluorescência homogénea,de limites mal definidos. 3

4 URO MULR efeito da integridade anatómica foveal, causada por forças tangenciais (gliose epiretiniana) ou por tracção -P (síndrome de tracção vítreomacular). SS NGIOGRI LUORSÍNI: epende do status do PR ao nível da base do buraco macular. Se o PR estiver intacto, não há alteração da fluorescência. Se houver atrofia do PR na base, evidencia uma hiperfluorescência devido ao efeito janela. rterial: Hiperfluorescência central. Venosa precoce: Hiperfluorescência persiste. Venosa tardia: umento moderado da hiperfluorescência. Tardia: iminuição da hiperfluorescência. ig. 8.3 uraco macular e Retinografias Lesão arredondada, central, correspondente ao buraco macular. nerítica Lesão arreondada central, escura, com um halo envolvente., e Hiperfluorescência central foveal, que persiste. 4

5 PSUOURO MULR Resultam habitualmente da distorção retiniana ocasionada pelas membranas epiretinianas. contracção contínua da membrana epiretiniana induz um pseudoburaco macular, arredondado ou ovalado. NGIOGRI LUORSÍNI: O diagnóstico é efectuado pelo OT. Hiperfluorescência ligeira (efeito janela) no centro da fóvea, que se mantém em todas as fases da angiografia. ig. 8.4 Pseudoburaco macular Retinografia lteração do reflexo foveal. a Hiperfluorescência foveal heterogénea. NSTOMOSS ORIORTININS São consideradas como uma comunicação anómala entre a circulação da retina e a circulação coroidea, habitualmente associadas a NVSR. Suspeitar de anastomose corioretiniana em presença duma hemorragia intraretiniana única, profunda, associada a sinais exsudativos (edema macular 5

6 cistóide, descolamento PR e descolamento seroso retiniano), na proximidade da Z (e associada a drusens serosos maculares). NGIOGRI LUORSÍNI: Hiperfluorescência localizada com origem nos neovasos profundos e difusão tardia do corante. NVSR oculta pode estar associada a uma hiperfluorescência heterogénea, mal definida. Mais raramente, a anastomose está envolvida por NVSR visível. ig. 8.5 nastomose corioretiniana Retinografia Lesão amarelada, arredondada, com um halo escuro. nerítica Lesão idêntica. e - Lesão hiperfluorescente, que persiste, onde mergulha em ângulo recto um vaso retiniano e envolvida por uma hipofluorescência correspondente à hemorragia subretiniana. M MULR ISTOI cumulação de fluido nos espaços quísticos, localizados na camada plexiforme externa e na camada nuclear interna. SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: Relativamente normal. Venosa precoce: Hiperfluorescência ligeira envolvente. 6

7 Venosa tardia: specto hiperfluorescente e hipofluorescente + hiperfluorescência envolvente do disco óptico. Tardia: Hiperfluorescência intensa, com um padrão petalóide na área perifoveal.os espaços cistóides fusiformes estão arranajados num padrão radiário. Pode assumir também um padrão em favo de mel. ig. 8.6 dema macular cistóide. e Retinografias lteração do reflexo foveal. nerítica Lesão idêntica., e Hiperfluorescência difusa na área foveal, com aspecto petalóide. PRGS RTININS Podem ser idiopáticas ou secundárias à hipotonia, esclerite posterior, massa retrobulbar, NVSR e cicatrizes corioretinianas. Usualmente apresentam-se no polo posterior e surgem como faixas alteranadas amareladas e escuras, correspondentes às cristas das pregas. 7

8 SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: andashipo e hiperfluorescentes alternadas e paralelas. Venosa precoce e tardia: Melhor delimitação das bandas. Tardia: iminuição da intensidade da hiperfluorescência das bandas. hiperfluorescência é devida à diminuição da pigmentação do PR no topo das pregas. ig. 8.7 Pregas retinianas e Retinografias Linhas mais escuras, paralelas umas às outras. nerítica Linhas verticais, escuras, no hemicampo superior., e Linhas hipo e hiperfluorescentes alternadas e paralelas. RUPTUR ORÓI Ocorre após um traumatismo ocular. Usualmente apresenta uma forma de crescente e ocorre concêntrica ao disco óptico. 8

9 SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: Hipofluorescência relativa devido à ausência de coriocapilar. Podem ser visíveis os grandes vasos da coróide. Áreas de hiperplasia do PR estão associadas com efeito máscara. Venosa precoce: Hiperfluorescência variável. Venosa tardia: umento da hiperfluorescência. Tardia: umento da hiperfluorescência. Staining do tecido fibroso dentro das rupturas. ig. 8.8 Ruptura da coróide Retinografia Linhas esbranquiçadas, com aspecto em vírgula. nerítica Traço esbranquiçado idêntico. a Hiperfluorescência que persiste em todas as fases da angiografia. 9

10 RTINOPTI SOLR Resultado dum edema pequeno, limitado directamente sobre a fóvea. aracterizada por apresentar uma lesão arredondada, amarelada na fóvea e uma pigmentação ligeira. SS NGIOGRI LUORSÍNI: rteriovenosa- efeito em janela, por fora do bloqueio pigmentar agudo. Tardia: Não há leakage. ig Retinopatia solar Rretinografia Lesão amarelada na área foveal. nerítica Lesão esbranquiçada na área foveal. a Lesão hiperfluorescente (efeito janela) na área foveal, que persiste. 10

11 STRIS NGIOIS onsistem em defeitos contínuos no polo posterior, que continuam com a membrana ruch, formando linhas escuras, irradiando irregularmente a partir da área peripapilar, em direcção à periferia. SS NGIOGRI LUORSÍNI: O padrão angiográfico depende do status do PR suprajacente, do grau de pigmentação na área das faixas e do status da coriocapilar subjacente. rterial: Hiperfluorescentes, devido à transmissão de fluoresceína. Venosa precoce e tardia: umento ligeiro da fluorescência. Tardia: umento da fluorescência. Staining da fibrose cicatricial. Não há leakage. ig 8.10 strias angióides. e retinografias aixas acastanhadas, a irradiar do disco óptico. e nerítica Linhas escuras a corresponder às lesões descritas anteriormente. e Hiperfluorescência das faixas descritas. Sem leakage. 11

12 MIOPI GNRTIV miopia degenerativa está associada com o aumento do comprimento axial, degenerescência coroidea progressiva no polo posterior, crescente temporal, cone miópico, lacquer crack, atrofia PR e coróide. Podem ocorrer NVSR. SS NGIOGRI LUORSÍNI: rterial: Hipofluorescência nas atrofias corioretinianas do polo posterior, devido á atrofia da coriocapilar. Podem ser visíveis os grandes vasos coroideus. Venosa: Staining progressivo. Tardia: Staining esceral. Os lacquer cracks são hiperfluorescentes irregulares nas fases precoces. umento da fluorescência na fase arteriovenosa e desaparece nas fases tardias. 12

13 G H I J 13

14 K L M N O P ig Miopa degenerativa e Retinografia trofia corioretiniana extensa. Visiveis os grandes vasos coroideus.neríti e - neríticas trofia do PR e coiocapilar. e Silhueta dos vasos retinianos e coroideus, com staining escleral. G e H Retinografia e nerítica Plcas extensas de atrofia do PR e coiocapilar. I e J - Hipofluorescência por atrofia do PR e coiocapilar. Staining escleral em fase tardia. K e L Retinografias trofia PR e mancha uchs O. M en Mancha fuchs Oe Hiperfluorescência, com efeito máscara da hemorragia subretiniana. O e P Retinografia e Mancha fuchs O Hemorragia subretiniana e efeito máscara na. 14

15 STILOM POSTRIOR onsiste numa ectasia localizada interessando a esclera, a coróide e o PR. NGIOGRI LUORSÍNI: Staining progressivo em todas as fases da angiografia. ig stafiloma posterior. Retinografia stafiloma do polo posterior, com adelgaçamento e visibilidade dos vasos coroideus. nerítica nbranquecimento do polo posterior, com vasos sanguíneos em silhueta. a Staining escleral progressivo ao longo das fases da angiografia. 15

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI)

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) PARTE 3 OCT de patologias específicas 4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) DRUSENS SEROSOS Os drusens, especialmente se volumosos, são bem visíveis no OCT, sob a forma de elevações arredondadas,

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA 1 12 - ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA Rasgaduras da retina SINTOMAS: Quando ocorre um descolamento posterior do vítreo, há sintomas associados como floaters, flash

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES 1 8 - DOENÇAS TRAUMÁTICAS Pregas coroideias Consistem em estrias ou sulcos, paralelos, localizados ao nível da coróide interna, membrana Bruch, EPR e, por vezes, da retina

Leia mais

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA )

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) A tomografia de coerência óptica é um MÉTODO DIAGNÓSTICO rápido não invasivo indolor não contacto transpupilar realizado com o mínimo desconforto para o doente de

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS 1 5 DOENÇAS INFLAMATÓRIAS Epiteliopatia placóide multifocal posterior aguda (APMPPE) Também chamada Epiteliopatia em placas. Pouco frequente. Idiopática. Bilateral habitualmente.

Leia mais

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA OCULAR PRINCÍPIOS BÁSICOS A fluoresceína sódica é o corante correntemente usado na realização do exame Angiografia Fluoresceínica Ocular. A fluoresceína absorve energia com um

Leia mais

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina.

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. PRTE 2 - TLS OPIE OS MEIOS ÓPTIOS Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. TRT Opacificação do cristalino. Provoca

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho 9. TUMORES 1 9 - TUMORES Nevo coróide É o tumor mais comum da úvea. Benigno. Início muito cedo na vida. Cresce lentamente durante a puberdade. Alguns podem sofrer degenerescência maligna. SINTOMAS: Assintomático.

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 1 6 DOENÇAS INFECCIOSAS Toxoplasmose Congénita e adquirida. Toxoplasmose congénita é habitualmente a manifestação recorrente da doença congénita. SINTOMAS: Floaters e diminuição

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta )

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) É a mais frequente dos síndromes AZOR. Individualizada em 1993, por Gass. O nome AZOOR integra as seguintes características típicas: - AGUDA - perda súbita

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

8. DOENÇAS DA MÁCULA CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA TÍPICA

8. DOENÇAS DA MÁCULA CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA TÍPICA 8. DOENÇAS DA MÁCULA CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA TÍPICA O OCT permite demonstrar diversas características morfológicas da CRCS, nas suas variantes e complicações. Os sinais tomográficos da CRCS aguda

Leia mais

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS 1 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS Retinopatia diabética É a causa mais comum de doença vascular retiniana. Os factores de risco mais importantes são a duração da diabetes

Leia mais

É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina no seio do EPR.

É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina no seio do EPR. Enciclopédia de Oftalmologia ntónio Ramalho UTOFLUORESÊNI O FUNO OULR. INTROUÇÃO É uma nova técnica de diagnóstico da retina, não invasiva, que permite realizar um mapa topográfico da distribuição da lipofuscina

Leia mais

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF)

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF) 15.RETINA MÉDICA 15.1ANOMALIAS CONGÉNITAS RETINIANAS Macrovasos retinianos Caracteriza-se pela presença um vaso sanguíneo aberrante, no pólo posterior, podendo atravessar a região foveal. Geralmente é

Leia mais

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética INTRODUÇÃO Doença obstrutiva venosa é uma afecção comum da retina. Usualmente as obstruções venosas são reconhecidas facilmente e as suas opções terapêuticas têm sido muito investigadas. As oclusões venosas

Leia mais

2. Degenerescência cistóide periférica Caracteriza-se pela presença de microquistos na retina periférica.

2. Degenerescência cistóide periférica Caracteriza-se pela presença de microquistos na retina periférica. 1. Deficiência vitamina A As manifestações oculares dadeficiência de vitamina A representam cerca de 500.000 casos de cegueira infantil em todo o Mundo, principalmente devido á cicatrização corneana (xeroftalmia).

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

TUMORES CORÓIDE. N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento. DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos.

TUMORES CORÓIDE. N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento. DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos. 1 MELANOMA CORÓIDE - 5ª-6ª década - unilateral TUMORES CORÓIDE N.CILIARES LONGOS E CURTOS AO LADO TUMOR - alargamento DISSEMINAÇÃO - mais pelos vasos sanguíneos do que pelos linfáticos. COLORAÇÃO - distingue

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

7. PATOLOGIAS VASCULARES

7. PATOLOGIAS VASCULARES 7. PATOLOGIAS VASCULARES O edema macular é a causa principal de diminuição da visão nas doenças vasculares da retina. O OCT permite efectuar o estudo do edema macular, não só qualitativamente, como quantitativamente.

Leia mais

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 69-73, jan./mar. 1997 Capítulo IX DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE VITREOUS, RETINA AND UVEITES Nivaldo Vieira de Souza Docente

Leia mais

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA:

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA: 6) TUMORS NVO OROI É o tipo de tumor intraocular benigno mais comum, com uma prevalência entre 11 a 20%. m 50% dos casos apresentam drusens na sua superfície. rterial: Hipofluorescência relativa da lesão.

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética 11/07/2014 372/2014 Ranibizumabe para Retinopatia diabética SOLICITANTE : Dr Fabiano Teixeira Perlato Juiz de Direito da Comarca de Carmo do Rio Claro /MG NÚMERO DO PROCESSO: 0026614-73.2014.8.13.0144

Leia mais

Sinopse da Retina Macroaneurisma arterial retiniano (MA) António Ramalho

Sinopse da Retina Macroaneurisma arterial retiniano (MA) António Ramalho 1. Macroaneurisma arterial retiniano (MA) Descrito pela primeira vez em 1973. É uma dilatação aneurismática, fusiforme ou arredondada, adquirida, situada geralmente nas três primeiras bifurcações arteriais,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA:

CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA: UVEITES POSTERIORES A inflamação intraocular do segmento posterior (inflamação da retina e da coróide) é uma afecção ocular grave, que pode comprometer a acuidade visual a curto ou longo prazo. A inflamação

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

10) PATOLOGIAS DO NERVO ÓPTICO

10) PATOLOGIAS DO NERVO ÓPTICO ntónio Ramalho 10) PTOLOGIS O NERVO ÓPTIO HIPERTENSÃO INTRRNIN IIOPTI Também chamada pseudotumor cerebral. efine-se por um aumento da pressão intracraniana, com uma imagiologia cerebral normal e uma composição

Leia mais

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico Síndrome Acta Oftalmológica de Múltiplas 13; Manchas 27-32, 2003 Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico 27 Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Novo software melhora os resultados dos procedimentos de retina

Novo software melhora os resultados dos procedimentos de retina 26 setembro/outubro 2013 Healio.com/Ophthalmology Novo software melhora os resultados dos procedimentos de retina Pode ser usado para controlar o tratamento com um laser de varredura padrão. pelo Dr. Daniel

Leia mais

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO INTRODUÇÃO O edema macular é uma das principais causas de baixa da acuidade visual no Ocidente. O edema macular resulta dum desequilíbrio em que a taxa de filtração

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica SOLICITANTE Dra. Denise Canêdo Pinto Juíza de Direito da Segunda Vara Cível da Comarca de Ponte Nova

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE OUTUBRO DE 2009 INTRODUÇÃO Entre as complicações da Diabetes a Retinopatia é a

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

MÁCULA. PIGMENTO XANTOFÍLICO - encontrado na mácula ( chamada plexiforme externa retina )

MÁCULA. PIGMENTO XANTOFÍLICO - encontrado na mácula ( chamada plexiforme externa retina ) 1 MÁCULA A fóvea anatómica é clínicamente chamada de fóvea e mede 0,33 mm diâmetro. É mais pequena do que a zona avascular retina, que mede 0,5 mm diâmetro. MÁCULA ESCURA - conteúdo pigmentar EPR - pigmento

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO)

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) 17/04/2015 NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) SOLICITANTE : Juiz Paulo Roberto Maia Ferreira 1ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

ASSOCIAÇÃO: DMI Trauma Efusão coroidea Panuveíte

ASSOCIAÇÃO: DMI Trauma Efusão coroidea Panuveíte 1. Rasgadura do EPR A rasgadura do EPR é uma entidade evolutiva, observada na evolução de um DEP seroso ou fibrovascular. É uma complicação irreversível e que se manifesta por uma síndrome funcional grave.

Leia mais

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica.

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica. RETINOPATIA DIABETICA Uma abordagem clínica INTRODUÇÃO A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socio-económicas, os hábitos de vida, a localização geográfica, a raça,

Leia mais

Retina. Curso de Histologia da Retina / 2003 - Profª Drª Márcia Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais Belo Horizonte/MG

Retina. Curso de Histologia da Retina / 2003 - Profª Drª Márcia Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais Belo Horizonte/MG Retina Membrana fina e transparente (0,4 mm) que recobre o epitélio pigmentar e se estende da ora serrata ao disco óptico. Este tecido transforma a luz em sinais nervosos, extraindo do ambiente as informações

Leia mais

António Ramalho UVEITES

António Ramalho UVEITES UVEITES CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA ANTERIOR o Irite o Iridociclite o Ciclite anterior INTERMEDIÁRIA o Pars planite o Hialite o Cilcite posterior POSTERIOR o Coroidite focal o Coroidite multifocal o Coroidite

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

QUEIMADURAS OCULARES

QUEIMADURAS OCULARES QUEIMADURAS OCULARES As queimaduras oculares classificam-se em químicas e térmicas. As complicações graves da superfície ocular, após uma queimadura ocular, são relativamente raras. No entanto, são uma

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Prof.: Walter Rodrigues Tema do Seminário: Ametropias e Presbiopia Autores: Catarina Custódio dos Santos Equipa Revisora:

Leia mais

No Rasto da Drepanocitose

No Rasto da Drepanocitose Oftalmologia - Vol. 35: pp.341-350 Comunicações Curtas e Casos Clínicos No Rasto da Drepanocitose Ana Rita Azevedo 1 ; Susana Pina 1 ; Filipe Silva 1 ; Samuel Alves 1 ; Graça Pires 2 ; Filomena Silva 2

Leia mais

Retinopatia diabética com edema macular subjacente

Retinopatia diabética com edema macular subjacente UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Retinopatia diabética com edema macular subjacente Joana Maria Castanho Reis Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Optometria em Ciências

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

RETINOSE PIGMENTAR. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

RETINOSE PIGMENTAR. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira RETINOSE PIGMENTAR. Autor : Idelmar Pereira da silva É uma degeneração pigmentar da retina. Origina-se

Leia mais

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina NOTA TÉCNICA 61/2014 Solicitante: Nayara Henriques Número do processo: 0024.14.084.721-1 Data: 02/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réu: Município de Belo Horizonte TEMA: Anti-VEGF

Leia mais

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA 10. PATOLOGIAS DO NERVO ÓPTICO HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA O OCT pode ser útil no diagnóstico e no seguimento clínico do edema papilar. OCT: Saliência papilar, fibras nervosas com espessamento

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

Ultra-sonografia Ocular

Ultra-sonografia Ocular nnn nnn aaa Ultra-sonografia Ocular Curso de Especialização em Ultra-sonografia Profa. Dra. Renata Squarzoni Histórico 1880 - CURIE: efeito piezoelétrico 1942 - FIRESTONE: sonares de navios 1949 - LUDWIG

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA EMBRIOGÊNESE DO APARELHO OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA ÓPTICA Profa. Dra. MARIA ANGÉLICA SPADELLA Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Cronologia do Desenvolvimento: Início do desenvolvimento:

Leia mais

A íris regula automaticamente segundo a intensidade luminosa e assegura em parte a troficidade do segmento anterior.

A íris regula automaticamente segundo a intensidade luminosa e assegura em parte a troficidade do segmento anterior. ÍRIS E CORPI CILIAR A íris regula automaticamente segundo a intensidade luminosa e assegura em parte a troficidade do segmento anterior. EMBRIOLOGIA Tem uma origem dupla: mesodérmica (dá o estroma da íris

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a neovascularização coroideia (NVC) secundária a miopia patológica Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Retinopatia Diabética. 1. Introdução

Retinopatia Diabética. 1. Introdução 1. Introdução A apresentação deste trabalho está integrada no projecto curricular proposto para o curso de Mestrado em Optometria em Ciências da Visão. Visa-se complementar a formação científica de base,

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina

Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina Maria Inês Valadinha Mendes Lopes Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

Atlas de Oftalmologia. 11. Cristalino. António Ramaho

Atlas de Oftalmologia. 11. Cristalino. António Ramaho 11. Cristalino 1 AUSÊNCIA Afaquia congénita Primária (associada a alterações do segmento anterior) ou secundária (mais frequente) ANOMALIA DE FORMA Coloboma Patologia congénita. Rara. Uni ou bilateral.

Leia mais

Dermatoses Pre-cancerosas

Dermatoses Pre-cancerosas Capítulo 14: Dermatoses Pre-cancerosas página: 434 Dermatoses Pre-cancerosas página: 435 Ceratoses actínicas Placas em relevo, eritematosas e bem delimitadas, cuja superfície rugosa está coberta de escamas

Leia mais

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Serviço de Imagiologia dos H.U.C. História Clínica J.L.O.C. Sexo: Masculino Idade: 42 anos Raça: Caucasiana Natural e residente: Coimbra Profissão: motorista

Leia mais

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM -

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - 6/04/2011 Célia Antunes Moderador: Dr. Luís Curvo Semedo Abordagem multidisciplinar das lesões quísticas pancreáticas Clínica Radiologia

Leia mais

Workshop de Ecografia Ocular

Workshop de Ecografia Ocular Workshop de Ecografia Ocular Ana Miguel Quintas, Helena Prior Filipe 1ª Reunião Anual de Internos de Oftalmologia SPO Jovem 14 de Julho de 2012 Apresentação do Workshop Pré-teste (10 ) Prelecção (15 )

Leia mais

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar Material: esôfago Técnica: HE 1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito Tecido conjuntivo frouxo areolar Observação com aumento total de 100x: Observe que o esôfago apresenta uma luz irregular

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 75

PROVA ESPECÍFICA Cargo 75 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 75 QUESTÃO 26 O teto da órbita consiste de: a) um osso. b) dois ossos. c) três ossos. d) quatro ossos. QUESTÃO 27 a) Cisto dermóide é um teratoma cístico maligno. b) Dacriopo

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Angiografia fluoresceínica nos melanomas da coróide

Angiografia fluoresceínica nos melanomas da coróide Angiografia fluoresceínica nos melanomas da coróide JOÃO BORGES FORTES FILHO (1) ANTONIO JOSÉ DA COSTA GAMA (2) HUMBERTO LUBISCO FILHO (2) ÍTALO MUNDIALINO MARCON (3) (1) Professor do Departamento de Oftalmologia

Leia mais

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré câncerigenas Os sinais de aviso de Câncer de Pele Câncer de Pele PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré-cancerosas, incluindo melanoma, carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. Estas lesões

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti R3 Gustavo Jardim Dalle Grave Julho 2012 CASO CLINICO * Paciente sexo feminino, 80 anos, exame para controle de evento hemorrágico prévio / recente.

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

CERATOCONE QUANDO SURGE?

CERATOCONE QUANDO SURGE? CERATOCONE Definição:- Ceratocone Palavra que vem do grego e significa: - Cerato= Córnea, e Cone= Cone, ou seja, córnea cônica, condição em que a Córnea perde seu formato natural mais arredondado, para

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais