Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul"

Transcrição

1 Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

2 Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e sistêmicas Midríase - Tropicamida a 1 % (mydryacyl) Fenilefrina a 10% Ciclopentolato (cicloplégico) Glaucoma Tipos de Oftalmoscopia - Oftalmoscopia Direta Oftalmoscopia Indireta Biomicroscopia de Fundo

3 Exame de Fundo de Olho Estruturas Examinadas - Vítreo Papila Vasos retinianos A e V Parênquima retiniano periferia e mácula Coróide Ordem para o Exame - Reflexo vermelho - vítreo Papila Vasos Mácula e 4 quadrantes retinianos

4 Exame de Fundo de Olho - Papila Achados Fisiológicos - Bordos - nítidos - Cor vermelho-alaranjada (bordo temporal mais pálido) - Escavação até 0,3 dp - No mesmo plano retiniano - Patologias Glaucoma, papilite, papiledema, edema de papila, atrofia óptica, crescente escleral, coloboma

5 Papila

6 Papiledema

7 Coloboma de Disco Óptico

8 Atrofia Óptica

9 Glaucoma

10 Exame de Fundo de Olho - Artérias Achados Fisiológicos - Cor vermelho vivo - Calibre 2/3 do diâmetro das veias - Entrecruzamentos A-V fica por cima da veia, mas sem corte óptico

11 Exame de Fundo de Olho - Veias Achados Fisiológicos - Cor vermelho escuro - Calibre 1/3 maior do que o diâmetro das veias - Entrecruzamentos A-V fica por baixo da artéria sem sinais de compressão

12 Vasos Retinianos

13 Entrecruzamentos Arterio-venosos

14 Entrecruzamentos Arterio-venosos Patológicos

15 Exame de Fundo de Olho - Retina Achados Fisiológicos - Mácula região mais pigmentada entre as arcadas vasculares superior e inferior, vê-se qdo pcte olha para luz - Fóvea região central da mácula reflexo central - Parênquima retiniano coloração avermelhada (pelos vasos da coróide com OD até o equador com OBI até ora serrata onde termina a retina

16 Retina

17 Retinopatia Diabética Definição Importância Profilaxia

18 Retinopatia Diabética Fatores de Risco - tempo de DM - tipo de DM - mau controle glicêmico (1% HbA1c 37% risco de cegueira) - HAS ( 10mmHg TAS - 13% risco de cegueira) - perda proteínas urina dislipidemia anemia Gravidez Tabagismo

19 Retinopatia Diabética Sintomas - Geralmente assintomática!!!!!!!!! - Baixa visual -Leve - Moderada -Severa

20 Retinopatia Diabética - Sinais - tortuosidade vascular microaneurismas microhemorragias exudatos duros exudatos algodonosos Edema retiniano IRMAS Veias em rosário neovasos de retina e nervo óptico traves fibro-vasculares hemorragia vítrea descolamento de retina tracional Neovasos no ângulo iridicorneano, rubeose de iris, glaucoma neovascular

21 Microaneurismas e Microhemorragias

22 Exudatos duros e edema retiniano

23 IRMAS e veias em rosário

24 Veias em rosário

25 Neovascularização Retiniana

26 Neovascularização Retiniana

27 Descolamento de Retina Tracional

28 Hemorragia Sub-hialoidea e Vítrea

29 Retinopatia Diabética Diagnóstico - Oftalmoscopia direta - Oftalmoscopia indireta - Biomicroscopia de fundo - Retinografia

30 Classificação- Retinopatia Diabética Retinopatia ausente - Exame anual Retinopatia não proliferativa leve - Exame 1 ano Retinopatia não proliferativa moderada - Exame 6 meses Retinopatia não proliferativa severa - Exame 3 meses. Laser? Retinopatia proliferativa - Laser Cirurgia ( HV, DRT)

31 Classificação- Retinopatia Diabética Sem edema macular diabético - Sem cuidados adicionais Edema macular não clinicamente significativo - Revisão 3/3 meses Edema macular clinicamente significativo - Laser

32 Retinopatia Diabética Tratamento com Laser Impede perda visual por hemorragia vítrea e descolamento de retina tracional Reduz o risco de perda visual progressiva em casos de edema macular clinicamente significativo Mecanismo de ação - Retinopatia proliferativa Edema macular diabético

33 Tratamento com Laser Macular

34 Tratamento com Laser Macular

35 Tratamento com Laser Panfotocoagulação

36 Tratamento com Laser Panfotocoagulação

37 Retinopatia Diabética Tratamento com Laser Complicações - Redução visão noturna Perda do campo visual Piora do edema macular Outras mais raras hemorragia vítrea, fotocoagulação acidental da fóvea, papilite, descolamento exudativo de retina e de coróide

38 Retinopatia Diabética Evolução e Tratamento Exame Periódico Controle dos Fatores de Risco Sistêmicos Tratamento com Laser - RPDP reduz 50% perda visual severa Edema macular reduz 50% baixa visual progressiva Cirurgia Vítreo-Retiniana - Fatores limitantes

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE OUTUBRO DE 2009 INTRODUÇÃO Entre as complicações da Diabetes a Retinopatia é a

Leia mais

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética 11/07/2014 372/2014 Ranibizumabe para Retinopatia diabética SOLICITANTE : Dr Fabiano Teixeira Perlato Juiz de Direito da Comarca de Carmo do Rio Claro /MG NÚMERO DO PROCESSO: 0026614-73.2014.8.13.0144

Leia mais

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética INTRODUÇÃO Doença obstrutiva venosa é uma afecção comum da retina. Usualmente as obstruções venosas são reconhecidas facilmente e as suas opções terapêuticas têm sido muito investigadas. As oclusões venosas

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional WORKSHOP Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional Nádia Fernandes e Carla Costa Lança Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa 6 de Junho de 2013 das 15h às 17h Conteúdos

Leia mais

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE RETINOPATIA DIABÉTICA Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Introdução Retinopatia Diabética (RD): principal causa de cegueira em adultos (países desenvolvidos

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS 1 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS Retinopatia diabética É a causa mais comum de doença vascular retiniana. Os factores de risco mais importantes são a duração da diabetes

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA )

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) A tomografia de coerência óptica é um MÉTODO DIAGNÓSTICO rápido não invasivo indolor não contacto transpupilar realizado com o mínimo desconforto para o doente de

Leia mais

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 Ementa: Realização do exame de fundo de olho por Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre a competência do Enfermeiro para

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA 1 12 - ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA Rasgaduras da retina SINTOMAS: Quando ocorre um descolamento posterior do vítreo, há sintomas associados como floaters, flash

Leia mais

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 69-73, jan./mar. 1997 Capítulo IX DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE VITREOUS, RETINA AND UVEITES Nivaldo Vieira de Souza Docente

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho 9. TUMORES 1 9 - TUMORES Nevo coróide É o tumor mais comum da úvea. Benigno. Início muito cedo na vida. Cresce lentamente durante a puberdade. Alguns podem sofrer degenerescência maligna. SINTOMAS: Assintomático.

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina.

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. PRTE 2 - TLS OPIE OS MEIOS ÓPTIOS Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. TRT Opacificação do cristalino. Provoca

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina NOTA TÉCNICA 61/2014 Solicitante: Nayara Henriques Número do processo: 0024.14.084.721-1 Data: 02/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réu: Município de Belo Horizonte TEMA: Anti-VEGF

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS 1 5 DOENÇAS INFLAMATÓRIAS Epiteliopatia placóide multifocal posterior aguda (APMPPE) Também chamada Epiteliopatia em placas. Pouco frequente. Idiopática. Bilateral habitualmente.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 1 6 DOENÇAS INFECCIOSAS Toxoplasmose Congénita e adquirida. Toxoplasmose congénita é habitualmente a manifestação recorrente da doença congénita. SINTOMAS: Floaters e diminuição

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Samanta Andrine Marschall Taube* Mönica Cristina Espíndola Pimpäo Silva**

Samanta Andrine Marschall Taube* Mönica Cristina Espíndola Pimpäo Silva** 66 A EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA PORTADORES DE DOENÇA CRÔNICA OFTÁLMICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA [Health education for ophtalmic chronic illness bearer: a report of experience] Samanta Andrine Marschall Taube*

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES 1 8 - DOENÇAS TRAUMÁTICAS Pregas coroideias Consistem em estrias ou sulcos, paralelos, localizados ao nível da coróide interna, membrana Bruch, EPR e, por vezes, da retina

Leia mais

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta )

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) É a mais frequente dos síndromes AZOR. Individualizada em 1993, por Gass. O nome AZOOR integra as seguintes características típicas: - AGUDA - perda súbita

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD).

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD). 1. NOME DO MEDICAMENTO ILUVIEN 190 microgramas implante intravítreo em aplicador. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada implante contém 190 microgramas de acetonido de fluocinolona. Lista completa

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

Enciclopédia de Oftalmologia António Ramalho 1. INTRODUÇÃO

Enciclopédia de Oftalmologia António Ramalho 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus. A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socioeconómicas, os hábitos de vida, a localização

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Retinopatia Diabética. 1. Introdução

Retinopatia Diabética. 1. Introdução 1. Introdução A apresentação deste trabalho está integrada no projecto curricular proposto para o curso de Mestrado em Optometria em Ciências da Visão. Visa-se complementar a formação científica de base,

Leia mais

Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina

Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas Oclusão Venosa da Retina Oclusão da Veia Central da Retina Maria Inês Valadinha Mendes Lopes Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS)

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS) 8) ONÇS MÁUL ORIORTINOPTI NTRL SROS (RS) aracterizada pela acumulação de fluido claro no polo posterior, causando uma área de descolamento neurosensorial da retina, bem circunscrito. SS NGIOGRI LUORSÍNI:

Leia mais

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica.

DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica. RETINOPATIA DIABETICA Uma abordagem clínica INTRODUÇÃO A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socio-económicas, os hábitos de vida, a localização geográfica, a raça,

Leia mais

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética 27/03/2015 RT 05 /2015 Antiangiogênicos na retinopatia diabética SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9018733.24.2015.813.0024

Leia mais

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA OCULAR PRINCÍPIOS BÁSICOS A fluoresceína sódica é o corante correntemente usado na realização do exame Angiografia Fluoresceínica Ocular. A fluoresceína absorve energia com um

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

Retinopatia diabética com edema macular subjacente

Retinopatia diabética com edema macular subjacente UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Retinopatia diabética com edema macular subjacente Joana Maria Castanho Reis Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Optometria em Ciências

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 SOLICITANTE Dr Napoleão da Silva Chaves Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre/MG NÚMERO DO PROCESSO 0067592-16.2014.8.13.0525 DATA 08/05/2014 Prezados, Conforme Termo de

Leia mais

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo Deficiência de aposentadoria Paulo Erika Hoyama 1 Silvana Artioli Schellini 2 Maria Rosa Bet de Moraes-Silva 3 Carlos Roberto Padovani 4 Recebido em 26/10/00 Aprovado em 24/4/01 1- Pós-Graduanda da UNESP

Leia mais

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF)

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF) 15.RETINA MÉDICA 15.1ANOMALIAS CONGÉNITAS RETINIANAS Macrovasos retinianos Caracteriza-se pela presença um vaso sanguíneo aberrante, no pólo posterior, podendo atravessar a região foveal. Geralmente é

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI)

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) PARTE 3 OCT de patologias específicas 4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) DRUSENS SEROSOS Os drusens, especialmente se volumosos, são bem visíveis no OCT, sob a forma de elevações arredondadas,

Leia mais

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO)

NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) 17/04/2015 NT 15/2015 ANTIANGIOGÊNICO (RANIBIZUMABE = LUCENTIS EM MACROANEURISMA DE OLHO ESQUERDO) SOLICITANTE : Juiz Paulo Roberto Maia Ferreira 1ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica

RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica RESPOSTA RÁPIDA 87/2014 VITALUX na Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI) forma atrófica SOLICITANTE Dra. Denise Canêdo Pinto Juíza de Direito da Segunda Vara Cível da Comarca de Ponte Nova

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

RETINOSE PIGMENTAR. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

RETINOSE PIGMENTAR. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira RETINOSE PIGMENTAR. Autor : Idelmar Pereira da silva É uma degeneração pigmentar da retina. Origina-se

Leia mais

Diretrizes do Conselho Internacional de Oftalmologia (Internacional Council of Ophthalmology - ICO) para o Tratamento do Olho Diabético

Diretrizes do Conselho Internacional de Oftalmologia (Internacional Council of Ophthalmology - ICO) para o Tratamento do Olho Diabético Fevereiro de 2014 Diretrizes do Conselho Internacional de Oftalmologia (Internacional Council of Ophthalmology - ICO) para o Tratamento do Olho Diabético www.icoph.org Diretrizes do Conselho Internacional

Leia mais

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética 03/08/2014 RR 445/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética SOLICITANTE : Giovanna Elizabeth Costa de Mello Paiva.. Juiz de Direito da Comarca de Contagem/MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

CONSULT - Consultoria Técnica Municipal Ltda. CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL PROVA PARA MÉDICO OFTALMOLOGISTA

CONSULT - Consultoria Técnica Municipal Ltda. CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL PROVA PARA MÉDICO OFTALMOLOGISTA Leia atentamente o texto abaixo: Erros de ortografia, acentuação e concordância em anúncios e placas informativas revelam o descaso do poder público e de comerciantes com o Português. As liquidações nas

Leia mais

Ultra-sonografia Ocular

Ultra-sonografia Ocular nnn nnn aaa Ultra-sonografia Ocular Curso de Especialização em Ultra-sonografia Profa. Dra. Renata Squarzoni Histórico 1880 - CURIE: efeito piezoelétrico 1942 - FIRESTONE: sonares de navios 1949 - LUDWIG

Leia mais

Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia

Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia Glaucoma neovascular por retinopatia diabética proliferativa: Relato de caso clínico com o tratamento pela cirurgia antiproliferativa via endoscopia Abdo Abbas Abed* ; João Borges Fortes Filho** RESUMO

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

A baixa visão: apresentação e conceito

A baixa visão: apresentação e conceito A baixa visão: apresentação e conceito Manuel Oliveira e Carla Costa Lança Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa É um problema de saúde mundial que afeta 285 milhões de pessoas, 39 milhões apresentam

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA 127 INSTRUÇÕES

Leia mais

MANIFESTAÇÕES OCULARES DE DOENÇAS SISTÊMICAS

MANIFESTAÇÕES OCULARES DE DOENÇAS SISTÊMICAS Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 79-83, jan./mar. 1997 Capítulo XII MANIFESTAÇÕES OCULARES DE DOENÇAS SISTÊMICAS OCULAR MANIFESTATIONS OF SYSTEMIC DISEASES Nivaldo Vieira

Leia mais

Albinismo. Patologias DOS OLHOS. Aniridia. Afacia Binocular

Albinismo. Patologias DOS OLHOS. Aniridia. Afacia Binocular Patologias DOS OLHOS Albinismo - pele e olhos despigmentados - acuidade visual 20/200 ou pior (causa: hipoplasia de fóvea) - nistagmo, em geral, presente - alta miopia com astigmatismo moderado - comum

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo

Leia mais

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal TUMORES INTRA OCULARES Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal Melanoma maligno de coróide Composto de células epitelióides e fusiformes A e B 1: 1 milhão USA

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 FORMAÇÃO Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo pela Universidade de São Paulo

Leia mais

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA João Rafael Ferreira de Jesus Rosa Orientador: Dr. Rodrigo da Silva Santos Faculdade Alfredo Nasser E-mail: joaorafaelf94@gmail.com RESUMO O glaucoma é uma neuropatia

Leia mais

RETINOPATIA DIABÉTICA

RETINOPATIA DIABÉTICA RETINOPATIA DIABÉTICA Dr. Leão Gabbay Serruya (autor) Dra. Roberta Pereira de Almeida Manzano (co-autora) Conceito O termo Retinopatia Diabética (RD) é utilizado para o conjunto de alterações retinianas

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia

Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia Diabetes Mellitus: Prevenção e Tratamento da Retinopatia Elaboração Final: 28 de fevereiro de 2004 Participantes: Bosco A, Gonçalves ER Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Conselho

Leia mais

Retinopatia hipertensiva

Retinopatia hipertensiva 321 Retinopatia hipertensiva Clausmir Zaneti Jacomini, Rosana Zacarias Hannouche Resumo A hipertensão arterial sistêmica acomete grande parte da população mundial, afetando vários sítios orgânicos. No

Leia mais

Aspectos patológicos da retinopatia diabética

Aspectos patológicos da retinopatia diabética ATUALIZAÇÃO CONTINUADA Aspectos patológicos da retinopatia diabética Pathological features of diabetic retinopathy Zélia Maria da Silva Corrêa 1 Ralph Eagle Jr 2 RESUMO A retinopatia diabética continua

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Relatório de Estágio Suspeita de Retinopatia Diabética Adaptação de LC Multifocais Excesso de Convergência Jacinta Marisa de Jesus Almeida Relatório de

Leia mais

LISTA DE EQUIPAMENTOS

LISTA DE EQUIPAMENTOS LISTA DE EQUIPAMENTOS 01 DUAS LÂMPADAS DE FENDA Utilizada para realização do exame de biomicroscopia, este equipamento serve para avaliação da córnea, câmara anterior, cristalino e vítreo anterior, sendo

Leia mais

RETINOPATIA HIPERTENSIVA

RETINOPATIA HIPERTENSIVA RETINOPATIA HIPERTENSIVA Dr. Leão Gabbay Serruya (autor) Conceito É o conjunto de alterações no sistema vascular da retina e coróide, causadas pelo aumento da pressão arterial sistêmica, de forma persistente,

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Prof.: Walter Rodrigues Tema do Seminário: Ametropias e Presbiopia Autores: Catarina Custódio dos Santos Equipa Revisora:

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

Cód. 17 Médico Oftalmologista

Cód. 17 Médico Oftalmologista PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 17 Médico Oftalmologista 1. Com relação à anatomia dos músculos extra-oculares, é correto afirmar que o: A) o músculo oblíquo

Leia mais

No Rasto da Drepanocitose

No Rasto da Drepanocitose Oftalmologia - Vol. 35: pp.341-350 Comunicações Curtas e Casos Clínicos No Rasto da Drepanocitose Ana Rita Azevedo 1 ; Susana Pina 1 ; Filipe Silva 1 ; Samuel Alves 1 ; Graça Pires 2 ; Filomena Silva 2

Leia mais

Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana

Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Mestrado em Ciências da Visão Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Estudo da Prevalência da Retinopatia Diabética e dos Factores de Risco Associados, numa População de Diabéticos Tipo 2 seguidos numa Unidade de Cuidados

Leia mais

Retina. Curso de Histologia da Retina / 2003 - Profª Drª Márcia Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais Belo Horizonte/MG

Retina. Curso de Histologia da Retina / 2003 - Profª Drª Márcia Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais Belo Horizonte/MG Retina Membrana fina e transparente (0,4 mm) que recobre o epitélio pigmentar e se estende da ora serrata ao disco óptico. Este tecido transforma a luz em sinais nervosos, extraindo do ambiente as informações

Leia mais

Suplemento-Outubro-Dezembro 2015. Retinopatia Diabética. Orientações clínicas

Suplemento-Outubro-Dezembro 2015. Retinopatia Diabética. Orientações clínicas Suplemento-Outubro-Dezembro 2015 Retinopatia Diabética Orientações clínicas Veja os resultados nos olhos dos seus doentes Sistema Inovador de injeção intraocular 1 A seringa pré-cheia de LUCENTIS Poupa

Leia mais