DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica."

Transcrição

1 RETINOPATIA DIABETICA Uma abordagem clínica INTRODUÇÃO A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socio-económicas, os hábitos de vida, a localização geográfica, a raça, etc. No entanto, estima-se que, pelo menos, 55 da população de qualquer país considerado desenvolvido, esteja afectada por esta patologia. As lesões progressivas que se produzem no decurso de D.M. sobre o olho, o rim, os nervos e as artérias são as causas principais de diminuição de expectativa de vida no diabético. A Retinopatia Diabética (R.D.) representa cerca de 10% dos novos casos de cegueira cada ano na Europa. Apresenta-se em cerca de 40-50% dos doentes diabéticos e é responsável por 84% das cegueiras nos doentes com diabetes mellitus. As complicações da D.M. são uma consequência directa da hiperglicémia de longa duração, provavelmente modificada por aspectos genéticos ou adquiridos, que variam de indivíduo para indivíduo. Existem diferenças segundo a idade de apresentação da D.M. e segundo sejam diabéticos insulino-dependentes (D.I.D.) ou diabéticos não insulino-dependentes (D.N.I.D.). Nos D.I.D. existe uma maior tendência á ocorrência de R.D. proliferativa, sendo a maculopatia diabética mais frequente nos D.N.I.D. DEFINIÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus crónica. EPIDEMIOLOGIA Os estudos epidemiológicos conhecidos em Portugal referem-se apenas a uma população de diabéticos observados nas consultas de Oftalmologia, com excepção de um estudo populacional realizado em Cartaxo, em 1991, da responsabilidade da Associação Portuguesa dos Diabéticos de Portugal (A.P.D.P.). No estudo de Wisconsin, considerado referência habitual, temos o D.M tipo I (29,6 % sem retinopatia, 48,5% têm R. não

2 proliferativa e 21,9% têm R. proliferativa ), e o D.M. TIPO II (61% sem retinopatia, 35,5% têm R. não proliferativa e apenas 2,3 % têm R. proliferativa ). FACTORES DE RISCO Numerosos factores são descritos como tendo algum efeito no desenvolvimento e na progressão da R.D. Destes factores, há alguns sobre os quais não podemos exercer influência, tais como a idade, a evolução da diabetes, o sexo e a genética. Mas há outros factores em que podemos tomar algumas medidas, como o controle metabólico, a hipertensão arterial sistémica (H.T.A.), o tabaco e as dislipidémias. O mecanismo pelo qual a puberdade exerce a sua influência no desenvolvimento precoce da R.D. é desconhecido, mas alguns estudos sugerem um papel importante dos factores hormonais na patogenese da R.D. proliferativa em jovens. O factor mais importante e determinante da R.D. é a duração da D.M.. Não há nenhuma evidência da R.D. em D.I.D. com menos do que 5 anos de duração. Após 30 anos de duração, a incidência sobe para 90-95% e cerca de 30% destes doentes têm R.D. proliferativa. Além disso, cerca de 3% de D.N.I.D. com R.D. de fundo evoluem para R.D. proliferativa após 10 anos de duração da doença. A maior controvérsia na patogénese da R.D. reside no papel da hiperglicémia no desenvolvimento desta patologia. No entanto, sabe-se que o controle da glicemia previne ou minimiza o desenvolvimento de microaneurismas e a oclusão dos capilares oculares. A hemoglobina glisosilada (A1C), a qual migra mais tarde do que a hemoglobina normal na cromatografia, reflecte o controle metabólico total nos 3 meses anteriores à sua realização. Numerosas investigações sobre a prevalência da D.M., que sugeriram a importância dos factores genéticos e ambienciais, não encontraram qualquer expressão relativamente ao desenvolvimento da R.D.

3 Há, manifestamente, uma associação importante entre a presença de H.T.A. e Retinopatia diabética. Klein verificou que a tensão arterial sistólica está associada de forma significativa com a incidência da retinopatia diabética e que a tensão arterial diastólica poderá ser um factor a ter em conta sobre a progressão da R.D. nos doentes diabéticos com início antes dos 30 anos. Nielsen tentou correlacionar a R.D. com a doença renal. Verificou que os doentes diabéticos com proteinúria, e mesmo aqueles apenas com microalbuminúria, têm um alto risco de desenvolvimento de R.D.. Morin, no entanto, demonstrou que a microangiopatia diabética ocular e renal não evoluem paralelamente. Sabe-se que a presença de nefropatia implica a ocorrência de manifestação ocular, mas em 25-50% dos casos, a R.D. pode evoluir isoladamente. Em mulheres que iniciam a gravidez sem R.D., o risco de desenvolvimento da R.D. de fundo é de 10%, havendo, no entanto, alguma regressão após o parto. O glaucoma e a miopia, por seu lado, parecem reduzir a prevalência e a gravidade da R.D. nos olhos afectados, tal como foi descrito por Becker e Rand. A alta miopia parece ter um grau de influência protectora na capilaropatia arteriolar. O tabaco, ao levar a um aumento do monóxido de carbono, poderá ser um factor importante no desenvolvimento da R.D., tal como foi descrito por Goldsmith e Landau, Além disso, o tabaco altera igualmente as condições hemorreológicas da microcirculação. No entanto, Klein, no estudo de Wisconsin, não confirmaram qualquer efeito significativo do tabaco no agravamento da R.D. PATOGÉNESE Os eventos que predispõem ao desenvolvimento da R.D. são uma alteração do metabolismo dos hidratos de carbono e uma tendência hereditária que leva á microangiopatia. O desenvolvimento de lesões funcionais na R.D. está directamente relacionado com a quantidade de material PAS+ depositado na membrana basal, embora faltem evidências

4 convincentes de que as lesões capilares resultem de deposição de glicoproteínas circulantes. Todavia, verifica-se que há um paralelismo inverso entre o grau de vascularização da retina e o conteúdo em glicogénio das células de Muller. Há 2 componentes fisiopatológicos básicos que levam á R.D.: por um lado, o aumento da permeabilidade consequente á alteração da barreira hematoretiniana (alteração do endotélio, diminuição de pericitos), a qual favorece o aparecimento de edema, dos exsudados duros e mesmo algumas hemorragias; por outro lado, a isquémia, consequente ás oclusões capilares e arteriolares e, a uma menor libertação do oxigénio pela hemoglobina alterada, que leva ao aparecimento de manchas algodonosas e neovasos. As alterações morfológicas evoluem segundo 3 fases: a arteriolopatia, a capilaropatia e a fase de reacção. A 1ª fase é a arteriolopatia, em que se verifica uma diminuição do fluxo sanguíneo arteriolar, precedido por um estreitamento precapilar e arteriolar. Na D.M. de longa duração, as arteríolas sofrem uma degenerescência hialina (que em estádios tardios leva à opacificação da parede vascular dando um aspecto de embainhamento). A adesividade e a agregação plaquetária anormal, o aumento do fibrinogénio e a alteração do sistema fibrinolítico têm um papel importante na génese da R.D. O relentamento do fluxo sanguíneo arteriolar pode induzir uma oclusão a nível precapilar, resultando numa área correspondente de enfarte capilar, reconhecível como uma mancha algodonosa. A 2ª fase é a capilaropatia, em que o factor incial provavelmente será um factor extrínseco aos capilares, o qual predisporá a uma anóxia isquémica localizada ou generalizada (com um aumento consequente da permeabilidade). A perda selectiva de pericitos intramurais (que ocorre igualmente na policitémia e na disprotenémia) e, a proliferação de células endoteliais representam as modificações histológicas mais precoces da R.D. O espessamento da membrana basal associado a uma alteração das células endoteliais e a uma exsudação de proteínas pelas

5 paredes capilares é um defeito genético básico, mais do que uma complicação da D.M. A fluorofotometria do vítreo permite evidenciar a existência duma ruptura da barreira hemato-retiniana antes da constatação de qualquer retinopatia clínica. As hemorragias capilares são frequentes, resultando dos neovasos e da rede capilar profunda (ocorrem por diapedese ou ruptura de microaneurismas e passagem para a camada externa). Os exsudados serosos ou duros são constituídos por glicoproteinas, lipoproteina e fosfolípidos e localizam-se na camada nuclear externa. Desaparecem, habitualmente, mais tardiamente do que as hemorragias. A confluência de exsudados na H.T.A. tem uma aparência granular (predominantemente fibrinosa) e uma coloração cinzento-opalescente, enquanto que as placas de exsudados na R.D. têm uma textura homogénea lisa, por depósitos lipídicos ou hialinos. A 3ª fase é a fase de reacção (macrofágica e vascular). Ocorre uma invasão de células macrofágicas nos exsudados e/ou hemorragias, as quais irão sofrer alterações lipídicas. Este processo pode durar vários meses. Durante a reabsorção, a digestão pelos macrofagos remove os exsudados e as hemorragias da camada nuclear externa. Na fase de formação, o contorno dos exsudados é convexo e liso, enquanto que na fase de regressão o seu contorno é irregular. Os factores de crescimento ligados á heparina (TYR10) têm uma acção de estimulação da proliferação de células endoteliais e na estimulação do activador de plasminogénio, o qual tem um papel importante na degradação da membrana basal aquando do início do processo de neovascularização. Além disso, também se verifica uma elevação significativa da taxa sérica de insulin like growth factor-1 (IgF1) na altura do aparecimento de neovasos na retina, os quais retornam aos níveis anteriores após a fotocoagulação laser. A neovascularização é uma manifestação frequente, ocorrendo mais tardiamente do que a reacção macrofágica. Na R.D. os tecidos têm um grau diverso de hipoxia consequente á diminuição do fluxo sanguíneo ou á composição sanguínea anormal. Esta

6 isquémia poderá ser a causa desencadeante da produção de substâncias vasogénicas. Os neovasos são vasos anormais que sagram e exsudam com relativa facilidade. Podem aparecer ao nível do disco óptico ou na sua proximidade, na retina periférica ou mesmo ao nível do ângulo iridocorneano. Ao nível do disco óptico são bastante perigosos, porque ali não há membrana limitante interna a separar a retina do vítreo. Por este motivo, ocorre facilmente a invasão do vítreo pelos neovasos. Quando ocorre o descolamento posterior do vítreo, os neovasos são traccionados, podendo originar uma hemorragia intravítrea ou hemorragias préretinianas, situadas entre o vítreo e a retina. Por outro lado, a tracção do vítreo nos neovasos pode originar descolamentos traccionais com ou sem formação de rasgaduras da retina. Os neovasos ao nível da íris e, sobretudo ao nível do ângulo iridocorneano, favorecem a formação de membranas fibrovasculares, que vão interferir com o escoamento do humor aquoso, originando uma forma grave de glaucoma o glaucoma neovascular. A actividade macrogágica é mais acentuada nos indivíduos idosos, sendo a formação de neovasos mais evidente nos diabéticos jovens. A dilatação venosa da retina, com uma tortuosidade diversa é também característica desta fase. Ocorre uma hiperplasia irregular do tecido de colagénio nas suas paredes, sem um estreitamento correspondente do seu lúmen. Em suma, a fase de reacção é usualmente precedida de exsudados ou hemorragias e a fase de actividade macrofágica usualmente precede a fase de neovascularização. FORMAS CLÍNICAS A evolução natural da R.D. pode ser dividida em três estádios, sendo bastante variável e dependente dos diversos factores que influenciam a própria evolução da patologia, como o

7 tipo de diabetes, a duração da D.M., o controle metabólico, a presença ou não de H.T.A. e a ocorrência de gravidez. RETINOPATIA DIABÉTICA DE FUNDO Os 2 processos fisiopatológicos subjacentes ás alterações da R.D. de fundo são a oclusão vascular e as alterações da permeabilidade vascular da retina. Os microaneurismas são a primeira alteração detectável oftalmoscopicamente na R.D.. Iniciam-se como dilatações em zonas da parede capilar sem a presença de pericitos, parecendo representar uma resposta celular proliferativa á hipoxia retiniana focal, provavelmente pela oclusão capilar focal. Nos casos precoces, os microaneurismas estão presentes maioritariamente no lado venoso dos capilares. Quando são muito pequenos, não são visíveis pela oftalmoscopia, mas apenas na angiografia fluoresceínica. O desaparecimento de microaneurismas não significa necessariamente uma lehoria clínica, dado tal poder ser uma manifestação de esclerose ou trombose. Há várias razões para que os capilares da retina se preencham com fluoresceína, anteriormente aos microaneurismas. Quando a parede do capilar ou do microaneurisma está suficientemente delgada, pode romper-se e levar a uma hemorragia intraretiniana. As hemorragias podem assumir diversas morfologias, dependendo da profundidade na retina. Se a hemorragia é profunda (situada na camada nuclear externa) adquire uma forma usualmente redonda ou oval. Mas, se a hemorragia é superficial (situada na camada de fibras do nervo óptico), assume um aspecto em chama de vela, o qual é indistinguível de hemorragia da retinopatia hipertensiva. Algumas hemorragias da retina na D.M. podem apresentar um centro esbranquiçado por conterem fibrina e plaquetas, ou porque as hemorragias se podem originar de microaneurismas parcialmente hialinizadas são as manchas de Roth. Encontram-se igualmente na endocardite bacteriana subaguda e na leucemia aguda. As hemorragias da retina na D.M. têm um significado especial, porque a sua gravidade tem um curso paralelo com a própria gravidade da R.D. de fundo. Geralmente as hemorragias de

8 retina não causam um distúrbio visual significativo, mas tal poderá resultar aquando duma hemorragia foveolar. O edema macular (espessamento da retina) é uma manifestação importante, dado ser a causa mais frequente da diminuição da acuidade visual (A.V.) nos doentes com R.D. de fundo. O edema é causado primariamente pela ruptura da barreira hemato-retiniana interna ao nível do endotélio capilar, permitindo o leakage de fluido e constituintes do plasma para a retina envolvente. Os locais de leakage (identificados por angiografia fluoresceínica) são os microaneurismas anormalmente permeáveis e os capilares retinianos. Se o leakage de fluido é muito intenso, poderá ocorrer uma acumulação de lípidos na área macular, assumindo uma forma de anel ao redor dos microaneurismas que, por sua vez, envolvem a área de não perfusão capilar (retinopatia circinada). Distinguem-se 2 tipos de edema macular: focal e difuso. O edema focal refere-se á área localizada de espessamento da retina, resultante primariamente do leakage a partir dos microaneurismas; no edema difuso, o espessamento é mais difuso, sendo devido ao leakage difuso a partir dos capilares dilatados e anormalmente permeáveis. A prevalência de edema macular aumenta com a duração da diabetes, havendo uma maior incidência nos doentes com início da D.M. em idade avançada. RETINOPATIA DIABÉTICA PRÉ-PROLIFERATIVA A oclusão de arteríolas da retina causa uma maior isquémia do que a oclusão dos capilares isoladamente e aumenta o risco de desenvolvimento de alterações pré-proliferativas. Em consequência surgem os sinais de hipóxia retiniana, incluindo as hemorragias múltiplas da retina, as manchas algodonosas, as ansas vasculares, as alterações microvasculares intraretinianas (IRMA) e extensas áreas de não perfusão capilar observável na angiografia fluoresceínica. As manchas algodonosas são lesões esbranquiçadas da camada de fibras do nervo óptico, causadas pela oclusão súbita de arteríolas precapilares. São compostas por células gliais, fibras gliais e corpos cistóides. Tendem a persistir mais tempo

9 do que na H.T.A. grave ( em média, 8 meses nos doentes com idade inferior a 40 anos e 17 meses se a idade for superior a 40 anos, paralelamente ás 6 semanas dos doentes hipertensos9. Quando as manchas algodonosas desaparecem, as células ganglionares e as fibras nervosas tornam-se atróficas, o local torna-se oftalmoscopicamente visível como um reflexo luminoso anormal (sinal de depressão ). Na angiografia fluoresceínica constata-se a existência de uma área de não perfusão capilar, frequentemente envolvida por microaneurismas. As ansas venosas (loopings), por seu lado, são quase sempre adjacentes a largas áreas de não perfusão capilar. Os IRMA são dilatações segmentares irregulares do leito capilar retiniano, ocorrendo em capilares parcialmente ocluídos. É mais um dos sinais de isquémia retiniana, embora alguns autores afirmem ser uma forma de neovasos intraretinianos. Os IRMA, as hemorragias retinianas múltiplas, as ansas vasculares, as áreas de não perfusão capilar e o leakage difuso na angiografia fluoresceínica são factores de risco significativo no desenvolvimento da R.D. proliferativa. A presença de manchas algodonosas, por seu lado, não indica uma progressão para a R.D. proliferativa, excepto se forem em grande número. RETINOPATIA DIABÉTICA PROLIFERATIVA Na D.M., o desenvolvimento de neovasos surge como uma ocorrência tardia. A causa de neovascularização continua sujeita a controvérsia, mas em geral aceita-se que existirá subjacente a um estádio de deficiente oxigenação da retina, levando ao estímulo de substâncias vasoproliferativas. Os neovasos surgem usualmente das veias, iniciando-se como uma colecção de finos vasos nus. Quando atingem a distância de até 1 disco de diâmetro do nervo óptico, chama-se neovascularização do disco óptico. Os neovasos localizam-se predominantemente na retina e no vítreo, sendo muito menos marcados no pólo posterior. A presença de neovascularização retiniana demonstra-se na angiografia fluoresceínica (A.F), pela existência dum derrame intenso de fluoresceína.

10 Com a progressão da R.D. proliferativa, verifica-se que o componente fibroso se torna mais proeminente. A tracção vítrea é transmitida á retina ao longo destas proliferações e leva ao descolamento traccional da retina. Assume-se que uma contracção vítrea súbita rasga os neovasos frágeis, causando uma hemorragia do vítreo ou pré-retiniana. A maioria das hemorragias do vítreo ocorre durante o sono (devido ao aumento da pressão sanguínea secundário à hipoglicémia precoce matinal ou aos movimentos oculares rápidos. ALTERAÇÕES FUNCIONAIS Diversas alterações de exames funcionais têm suscitado interesse, devido ao seu valor inusitado no seguimento da R.D.. especialmente na sua fase precoce. A fluorofotometria do vítreo é um método quantitativo que mede as alterações da barreira hemato-retinianas. Tem, igualmente, uma utilidade única nos ensaios clínicos de avaliação de novas terapêuticas médicas para as fases mais precoces da R.D. Em relação aos testes de visão cromática, numerosos estudos descrevem uma alteração do eixo amarelo-azul e azul-verde nos doentes diabéticos, sendo a primeira detectada mais precocemente e de um modo mais grave. Estas perdas estão correlacionadas com a presença de R.D. clínica, a duração e o controle metabólico dos diabetes. No electroretinograma, alguns autores têm publicado diversos resultados que sugerem a alteração precoce dos potenciais oscilatórios precoces na R.D.. O aparecimento da R.D. de fundo acompanha-se de deterioração na amplitude dos potenciais oscilatórios precoces, estando o agravamento da R.D. associado á deterioração desses potenciais. Nas formas pré-proliferativas e proliferativas, os potenciais oscilatórios precoces apresentamse extintos ou reduzidos, em percentagens que variam de 52% de Bresnick e 100% de Yonemura. Parece haver, no entanto, uma concordância de que as alterações dos potenciais oscilatórios têm mais interesse nas fases tardias da R.D.

11 COMPLICAÇÕES A maioria das complicações na R.D., além do edema da mácula, é consequente á fase de reacção e á fase vascular, onde podem surgir hemorragias por microaneurismas ou neovasos retinovítreos. Entre as complicações mais frequentes citam-se: a maculopatia, o hemovítreo, o descolamento da retina, a rubeosis da íris e o glaucoma neovascular. O glaucoma de ângulo (de ângulo fechado e aberto) é mais frequente na diabetes. António Ramalho e col (1992), refere uma incidência de 4% de glaucomas em pacientes com R.D. A rubeosis iridens ocorre unicamente na R.D. proliferativa. António Ramalho e Col (1992) descrevem uma incidência de 1,4% na R.D. TERAPÊUTICA O controle metabólico restrito deverá ser indicado especialmente em indivíduos jovens. A estimulação do sistema retículo-endotelial pela estrona e outros esteróides poderá ter alguma utilidade. Nem a R.D., nem a cegueira deverão ser uma indicação para a interrupção da gravidez, estabelecendo-se unicamente essa indicação, nalguns casos, se tiver ocorrido uma progressão da R.D. durante esse período. Há uma controvérsia sobre se o ác. Acetil-salicílico influencia a progressão da R.D. No entanto, sabe-se que os anticoagulantes não devem ser prescritos nos doentes com R.D. proliferativa, devido ao perigo de hemorragia e, nas outras formas a sua eficácia é duvidosa. A R.D. progride mesmo na presença de dieta com poucas calorias. Parece evidente que uma dieta com ác. Gordos insaturados leva a uma diminuição de exsudados e hemorragias. A fotocoagulação-laser é o único método de tratamento eficaz na R.D. com edema macular clinicamente significativo e na R.D. proliferatica com 3 ou mais factores de risco. O mecanismo de fotocoagulação é o de que a luz intensa é absorvida pelas

12 células pigmentadas, convertendo-se em calor, coagulando as células e os tecidos envolventes. As cicatrizes da fotocoagulação diminuem a hipoxia retiniana, dado destruírem as células isquémicas e permitirem um aumento de difusão de oxigénio a partir da carótida. A fotocoagulação é direccionada por 2 objectivos: a oclusão focal do leakage dos capilares e dos neovasos e os benefícios do aumento do fluxo sangúineo. Por outro lado, pode estimular um melhor funcionamento da barreira hematoretiniana. Entre as complicações da fotocoagulação devem incluir-se a hemorragia do vítreo e a formação de membranas devido ao efeito de coagulação na glial adjacente aos vasos tratados. Os resultados do Early treatment of Diabetic Retinopathy (ETDRS) permitiram concluir da eficácia de fotocoagulação no tratamento de edema macular de retina, diminuindo em 50-60% o risco de perda de visão. A injecção intravítrea de Triancinolona no edema macular diabético, em casos que não responderam à fotocoagulação-laser, permitiram objectivar uma melhoria importante da acuidade visual, bem como uma diminuição importante da espessura macular central. A injecção intravítrea de anti-vgef, nomeadamente o Bevacizumab (AVASTIN), mostrou-se eficaz na redução de rubeosis iridens e no glaucoma neovascular. Vários trabalhos confirmam a eliminação dos neovasos, embora não seja possível eliminar o tecido fibroso e as sinéquias. A crioterapia é, habitualmente, usada em R.D. Proliferativa e com meios opacos. A principal complicação é o desenvolvimento de aceleração do descolamento traccional da retina. Algumas das complicações da R.D. Proliferativa podem, actualmente, ser resolvidas recorrendo ás técnicas de microcirurgia endocular A Vitrectomia. Com esta técnica é possível remover um vítreo hemorrágico, solucionar um descolamento traccional da retina e, delaminar, segmentar e extrair, no todo ou em parte, membranas fibrovasculares que distorcem e ou descolam a mácula.

13 CONCLUSÕES A R.D. assume, actualmente, uma importância capital na Sociedade contemporânea, de elevados custos humanos, económicos e sociais, sendo necessário reconverter a mentalidade actual, não só no que se refere á patologia em si, mas também na abordagem e ânimo leve com que muitos profissionais da saúde encaram esta patologia. As complicações da retinopatia diabética podem prevenir-se mas, infelizmente, a maioria dos doentes diabéticos não são avaliados, vigiados ou tratados da forma mais adequada. Importante, e dai a chamada de atenção, é reter no espírito de todos que a R.D. é uma patologia grave, que pode levar á cegueira, e que só uma vigilância e um tratamento atempado das lesões pode evitar ou mitigar as graves consequências da R.D.

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP.

Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Avaliação de Retinopatia Diabética em Idosos do Lar São Vicente de Paulo- Sorocaba, SP. Gabriela Preturlan Capitani Anna Paula Romero Mariana Braga Falcão Giovanna Cardia Caserta Marcelo Silva Soares²

Leia mais

Enciclopédia de Oftalmologia António Ramalho 1. INTRODUÇÃO

Enciclopédia de Oftalmologia António Ramalho 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A retinopatia diabética é uma complicação da Diabettes Mellitus. A incidência de diabetes mellitus (D.M.) varia segundo as características socioeconómicas, os hábitos de vida, a localização

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS. António Ramalho 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS 1 3. DOENÇAS VASCULARES RETINIANAS Retinopatia diabética É a causa mais comum de doença vascular retiniana. Os factores de risco mais importantes são a duração da diabetes

Leia mais

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI)

4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) PARTE 3 OCT de patologias específicas 4. DEGENERESCÊNCIA MACULAR LIGADA Á IDADE (DMI) DRUSENS SEROSOS Os drusens, especialmente se volumosos, são bem visíveis no OCT, sob a forma de elevações arredondadas,

Leia mais

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA )

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) A tomografia de coerência óptica é um MÉTODO DIAGNÓSTICO rápido não invasivo indolor não contacto transpupilar realizado com o mínimo desconforto para o doente de

Leia mais

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética

As oclusões venosas retinianas são a segunda causa mais comum de patologias vasculares da retina, atrás apenas da Retinopatia Diabética INTRODUÇÃO Doença obstrutiva venosa é uma afecção comum da retina. Usualmente as obstruções venosas são reconhecidas facilmente e as suas opções terapêuticas têm sido muito investigadas. As oclusões venosas

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA. António Ramalho 12. ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA 1 12 - ANOMALIAS PERIFÉRICAS DA RETINA Rasgaduras da retina SINTOMAS: Quando ocorre um descolamento posterior do vítreo, há sintomas associados como floaters, flash

Leia mais

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta )

AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) AZOOR (Retinopatia zonal externa aguda oculta ) É a mais frequente dos síndromes AZOR. Individualizada em 1993, por Gass. O nome AZOOR integra as seguintes características típicas: - AGUDA - perda súbita

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina

TEMA: Anti-VEGF ranimizumabe (Lucentis ) para tratamento da oclusão da veia central da retina NOTA TÉCNICA 61/2014 Solicitante: Nayara Henriques Número do processo: 0024.14.084.721-1 Data: 02/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réu: Município de Belo Horizonte TEMA: Anti-VEGF

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO RASTREIO DA RETlNOPATIA DIABÉTICA DA REGIÃO NORTE OUTUBRO DE 2009 INTRODUÇÃO Entre as complicações da Diabetes a Retinopatia é a

Leia mais

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE

RETINOPATIA DIABÉTICA. Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE RETINOPATIA DIABÉTICA Apresentação: Narriane Chaves P. Holanda, E2 Orientador: Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Introdução Retinopatia Diabética (RD): principal causa de cegueira em adultos (países desenvolvidos

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES. António Ramalho 8. DOENÇAS TRAUMÁTICAS OCULARES 1 8 - DOENÇAS TRAUMÁTICAS Pregas coroideias Consistem em estrias ou sulcos, paralelos, localizados ao nível da coróide interna, membrana Bruch, EPR e, por vezes, da retina

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética

372/2014. Ranibizumabe para Retinopatia diabética 11/07/2014 372/2014 Ranibizumabe para Retinopatia diabética SOLICITANTE : Dr Fabiano Teixeira Perlato Juiz de Direito da Comarca de Carmo do Rio Claro /MG NÚMERO DO PROCESSO: 0026614-73.2014.8.13.0144

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética 27/03/2015 RT 05 /2015 Antiangiogênicos na retinopatia diabética SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9018733.24.2015.813.0024

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS)

CORIORETINOPATIA CENTRAL SEROSA (CRCS) 8) ONÇS MÁUL ORIORTINOPTI NTRL SROS (RS) aracterizada pela acumulação de fluido claro no polo posterior, causando uma área de descolamento neurosensorial da retina, bem circunscrito. SS NGIOGRI LUORSÍNI:

Leia mais

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional

WORKSHOP. Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional WORKSHOP Retinopatia Diabética: do diagnóstico à intervenção reabilitacional Nádia Fernandes e Carla Costa Lança Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa 6 de Junho de 2013 das 15h às 17h Conteúdos

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 6. DOENÇAS INFECCIOSAS. António Ramalho 6. DOENÇAS INFECCIOSAS 1 6 DOENÇAS INFECCIOSAS Toxoplasmose Congénita e adquirida. Toxoplasmose congénita é habitualmente a manifestação recorrente da doença congénita. SINTOMAS: Floaters e diminuição

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF)

Fig. 15.1 Vaso sanguíneo congénito macular) Fig.15.2 Vaso sanguíneo congénito macular (AF) 15.RETINA MÉDICA 15.1ANOMALIAS CONGÉNITAS RETINIANAS Macrovasos retinianos Caracteriza-se pela presença um vaso sanguíneo aberrante, no pólo posterior, podendo atravessar a região foveal. Geralmente é

Leia mais

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a

PARTICULARIDADES ANATÓMICAS VÍTREO O vítreo é um gel transparente, não fluorescente, situado entre o cristalino e a ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA OCULAR PRINCÍPIOS BÁSICOS A fluoresceína sódica é o corante correntemente usado na realização do exame Angiografia Fluoresceínica Ocular. A fluoresceína absorve energia com um

Leia mais

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO

TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO TRATAMENTO DO EDEMA MACULAR NÃO DIABÉTICO INTRODUÇÃO O edema macular é uma das principais causas de baixa da acuidade visual no Ocidente. O edema macular resulta dum desequilíbrio em que a taxa de filtração

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa

Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina de Lisboa Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Estudo da Prevalência da Retinopatia Diabética e dos Factores de Risco Associados, numa População de Diabéticos Tipo 2 seguidos numa Unidade de Cuidados

Leia mais

Retinopatia diabética com edema macular subjacente

Retinopatia diabética com edema macular subjacente UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Retinopatia diabética com edema macular subjacente Joana Maria Castanho Reis Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Optometria em Ciências

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho 9. TUMORES 1 9 - TUMORES Nevo coróide É o tumor mais comum da úvea. Benigno. Início muito cedo na vida. Cresce lentamente durante a puberdade. Alguns podem sofrer degenerescência maligna. SINTOMAS: Assintomático.

Leia mais

QUEIMADURAS OCULARES

QUEIMADURAS OCULARES QUEIMADURAS OCULARES As queimaduras oculares classificam-se em químicas e térmicas. As complicações graves da superfície ocular, após uma queimadura ocular, são relativamente raras. No entanto, são uma

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina.

Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. PRTE 2 - TLS OPIE OS MEIOS ÓPTIOS Traduz-se por uma área anatómica ligeira ou totalmente opaca, nos meios ópticos oculares, que dificulta a observação da retina. TRT Opacificação do cristalino. Provoca

Leia mais

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 Ementa: Realização do exame de fundo de olho por Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre a competência do Enfermeiro para

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA RETINOPATIA DIABÉTICA NA DIABETES MELLITUS TIPO 1

EPIDEMIOLOGIA DA RETINOPATIA DIABÉTICA NA DIABETES MELLITUS TIPO 1 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA TRABALHO FINAL DO 6º ANO MÉDICO COM VISTA À ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE NO ÂMBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA CAROLINA FILIPA

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS. António Ramalho 5. DOENÇAS INFLAMATÓRIAS 1 5 DOENÇAS INFLAMATÓRIAS Epiteliopatia placóide multifocal posterior aguda (APMPPE) Também chamada Epiteliopatia em placas. Pouco frequente. Idiopática. Bilateral habitualmente.

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética 03/08/2014 RR 445/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética SOLICITANTE : Giovanna Elizabeth Costa de Mello Paiva.. Juiz de Direito da Comarca de Contagem/MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Retinopatia Diabética. 1. Introdução

Retinopatia Diabética. 1. Introdução 1. Introdução A apresentação deste trabalho está integrada no projecto curricular proposto para o curso de Mestrado em Optometria em Ciências da Visão. Visa-se complementar a formação científica de base,

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Saúde dos Olhos

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Saúde dos Olhos TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR Saúde dos Olhos Pycnogenol para a Saúde dos Olhos O processo natural de envelhecimento afeta a nitidez da visão, e todos sentem uma diminuição na acomodação

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE

DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 69-73, jan./mar. 1997 Capítulo IX DOENÇAS DO CORPO VÍTREO, RETINA E UVEÍTE VITREOUS, RETINA AND UVEITES Nivaldo Vieira de Souza Docente

Leia mais

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado?

Módulo 7: ROP. O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? realizado? realizado? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 7: ROP O que é a retinopatia da prematuridade? Qual a população que precisa ser examinada? examinada? ser Q Quando uando o o exame

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013

RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 RESPOSTA RÁPIDA 251/2013 SOLICITANTE Dr Napoleão da Silva Chaves Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre/MG NÚMERO DO PROCESSO 0067592-16.2014.8.13.0525 DATA 08/05/2014 Prezados, Conforme Termo de

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana

Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Mestrado em Ciências da Visão Alterações Cromáticas no Edema Macular Diabético em pacientes com Diabetes Mellitus Tipo 2: Comparação com a Espessura Retiniana

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3

PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3 PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3 1 DEFINIÇÃO Excesso de [glicose ] no sangue HIPERGLICEMIA Factores hereditários Factores genéticos Factores comportamentais Factores ambientais Que tipos de diabetes

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

Samanta Andrine Marschall Taube* Mönica Cristina Espíndola Pimpäo Silva**

Samanta Andrine Marschall Taube* Mönica Cristina Espíndola Pimpäo Silva** 66 A EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA PORTADORES DE DOENÇA CRÔNICA OFTÁLMICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA [Health education for ophtalmic chronic illness bearer: a report of experience] Samanta Andrine Marschall Taube*

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene OS SENTIDOS Professora: Edilene OS SENTIDOS DO CORPO HUMANO O Paladar identificamos os sabores; OOlfato sentimosodoroucheiro; O Tato sentimos o frio, o calor, a pressão atmosférica, etc; AAudição captamosossons;

Leia mais