CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII"

Transcrição

1 CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 2011

2 INTRODUÇÃO O preenchimento das guias de referência de forma consciente e correta é de suma importância ao bom andamento dos atendimentos na rede pública de saúde. Permite que os usuários do sistema único de saúde (SUS) sejam encaminhados ao serviço correto de maneira rápida e eficiente. A escrita sucinta e completa dos dados dos pacientes nas fichas de referência deve ser feita pelo médico assistente e passada ao sistema informatizado. Opcionalmente, todas as orientações necessárias sobre o preenchimento delas devem ser dadas ao assistente, profissional técnico em saúde. Esse manual foi elaborado com o objetivo de orientar os profissionais de saúde que executam o atendimento primário dos pacientes com afecções oftalmológicas na área de abrangência da DRS XIII. O conteúdo desta cartilha foi baseado nas orientações específicas de cada setor/ especialidade da oftalmologia do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCRP) Universidade de São Paulo, assim como naquelas utilizadas no Hospital Estadual de Ribeirão Preto (HERP). Futuras modificações ou eventuais correções serão devida e amplamente comunicadas, via DRS XIII, pelo sistema de agendamento desta instituição (contato: ).

3 AMBULATÓRIOS E SERVIÇOS DISPONÍVEIS 1. Atendimento no HCRP USP disponíveis no HCRP: Os seguintes ambulatórios (consultas médicas/ especialidades) estão - cristalino adulto - cristalino congênito - glaucoma adulto - glaucoma infantil - oculoplástica, órbita e vias lacrimais - retina - estrabismo - visão subnormal (CER) - uveíte - doenças oculares externas/ córnea - lentes de contato - neuroftlamologia HCRP: Os seguintes serviços (SADT/APAC) estão disponíveis, atualmente, no - campimetria (campo visual): FAZER SADT NA ORIGEM - yag laser (capsulotomia): FAZER APAC NA ORIGEM - paquimetria (espessura da córnea): FAZER SADT NA ORIGEM NÃO estão disponíveis, no momento, para solicitação externa, os seguintes exames: topografia de córnea, ultrassonografia ocular, OCT para glaucoma ou retina e exames eletrofisiológicos. Caso o médico atendente julgue necessário que o paciente realize os exames atualmente não disponíveis, deve fazer a ficha de referência encaminhando o paciente para atendimento no ambulatório especifico pertinente à doença ou

4 investigação nosológica, para que a equipe médica do setor avalie a necessidade e viabilidade do exame. Deve-se considerar que os casos encaminhados ao HCRP, tem caráter terciário dentro da hierarquização proposta pelo SUS, porém não é estritamente necessária a passagem do paciente por todos os níveis intermediários de atenção à saúde, como por exemplo, o nível secundário. 2. Atendimento no HERP O Hospital Estadual (HE) oferece atendimento secundário clínico e cirúrgico em oftalmologia. Pacientes que necessitam de exame básico de refração (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia) bem como avaliação clínica inicial de glaucoma, retinopatia e alergia devem ser encaminhados ao HE, primordialmente quando o local de origem não dispõe de oftalmologista. A disponibilidade de vagas para tais atendimentos, considerados mais simples e de nível primário em oftalmologia, dependerá sempre do número disponibilizado e determinado em concordância entre o HERP, HCRP e DRS XIII. Casos cirúrgicos como, por exemplo, para o tratamento do pterígeo, calázio, catarata e blefaroplastia também podem ser encaminhados ao HE. A seguir serão dadas orientações referentes aos diversos setores do HCRP e HERP. Importante lembrar que os encaminhamentos serão analisados por uma equipe de triadores, que poderão, se necessário, redirecionar os casos ou mesmo devolver à origem fichas com preenchimento inadequado ou não pertinente ao proposto nesta cartilha. DOENÇAS AGUDAS, CONSIDERADAS COMO URGÊNCIAS OFTALMOLÓGICAS DEVEM SER ENCAMINHADAS, VIA CENTRAL DE REGULAÇÃO À UNIDADE DE EMERGÊNCIA HCRP USP.

5 AMBULATÓRIO DE CRISTALINO ADULTO (OFC) - Cristalino: Transtornos do cristalino (catarata, afacia, luxação e subluxação de cristalino); Priorizar o atendimento de idosos. Pacientes pseudofácicos com opacidade de cápsula posterior devem ser encaminhados ao ambulatório de Yag laser (com APAC) e não ao ambulatório de cristalino.

6 AMBULATÓRIO DE CRISTALINO INFANTIL (OFCO) - Cristalino: Transtornos do cristalino em crianças; Refração encontrada (com teste de lentes se possível); SE POSSÍVEL realizar a medida da pressão intra-ocular, nos casos a serem encaminhados.

7 AMBULATÓRIO DE GLAUCOMA ADULTO (OFGL) Glaucomas em adulto sem controle clínico, em uso de no mínimo duas medicações para controle da pressão intra-ocular. Pós operatórios sem controle clínico. Priorizar o atendimento de idosos e/ou aqueles com visão menor de 0,3, decorrente de lesão avançada no nervo óptico, decorrente do glaucoma.

8 AMBULATÓRIO DE GLAUCOMA INFANTIL (OFG) Glaucomas infantis 2. Exames importantes para o encaminhamento Biomicroscopia MESMO SEM ESSES EXAMES, PACIENTES MENORES DE 18 ANOS COM DIAGNÓSTICO DE GLAUCOMA INFANTIL SERÃO ACEITOS PELO SETOR.

9 AMBULATÓRIO DE OCULOPLÁSTICA PLÁSTICA OCULAR (OFPL) - Órbitas: Transtornos da órbita em geral, sem exceções (exoftalmo, enoftalmo, distopias, seqüelas, tumores, alterações congênitas, uso de próteses...); - Sistema Lacrimal: Transtornos do sistema lacrimal; - Pálpebras: Transtornos do posicionamento e motilidade palpebral, inflamações, infecções palpebrais graves, tumores; EVITAR MANDAR BLEFAROPLASTIAS - Tumores: Neoplasias do olho e anexos; 2. Exames necessários para o encaminhamento: PACIENTES PODEM SER ENCAMINHADOS A ESSE SETOR ESPECÍFICO POR OUTRAS ESPECIALIDADES MÉDICAS, DESDE QUE O DIAGNÓSTICO CONTEMPLE AS DESCRIÇÕES NO ITEM 1. EXEMPLOS DE ESPECIALIDADES PERTINENTES: DERMATOLOGIA, OTORRINOLARINGOLOGIA, NEUROCIRURGIA, PEDIATRIA, PLÁSTICA GERAL E CIRURGIA GERAL. Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

10 AMBULATÓRIO DE RETINA - Retinopatia Diabética; - Oclusão de veia central da retina; - Descolamento de retina; - Buraco macular; - Membrana epirretiniana; - Luxação de cristalino para cavidade vítrea; - Edema cistóide de mácula; - Telangiectasias parafoveais idiopáticas; - Retinopatia associada à anemia falciforme; - Doença de Coats. Mapeamento de Retina Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

11 AMBULATÓRIO DE ESTRABISMO (OF7) - Distúrbios do movimento ocular e estrabismos em crianças - Distúrbios do movimento ocular e estrabismos em adultos com indicação de cirurgia e intenção de operar. Acuidade visual após teste de refração estática; Exame da motilidade ocular; Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

12 AMBULATÓRIO DE VISÃO SUBNORMAL (CER) - Pacientes com AV corrigida menor ou igual a 0,3 no melhor olho - Pacientes com perda de campo visual incapacitante - Nistagmo - Necessidade de auxílios ópticos ou orientação multiprofissional na área de reabilitação visual. Exame da motilidade ocular; Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

13 AMBULATÓRIO DE UVEITE (OUV) - Esclera: transtornos da esclera; esclerites - Íris e Corpo Ciliar: iridociclite, transtornos vasculares, degenerações ou seqüelas graves. - Coróide: inflamação, infecções e cicatrizes. Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

14 AMBULATÓRIO DE DOENÇA OCULAR EXTERNA (DOE) - Conjuntiva: Conjuntivites graves ou crônicas, degenerações e depósitos conjuntivais, simbléfaros, alterações vasculares e císticas da conjuntiva, tumores e infestações parasitárias; - Córnea: Ceratites graves ou de difícil controle, ceratoconjuntivites graves, neovascularização, cicatrizes, opacidades, depósitos, degenerações, distrofias e deformidades de córnea, ceratopatia bolhosa, ceratocone; - Esclera: Transtornos da esclera; - Tumores: Neoplasias do olho e anexos; Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

15 AMBULATÓRIO DE LENTE DE CONTATO (OF6) - Ceratocone - Afacia Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

16 AMBULATÓRIO DE NEUROFTALMO (OFNO) Transtornos do nervo óptico e vias ópticas Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

17 SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA DO HERP CASOS CLÍNICOS (OFT) 1. Doenças atendidas pelo Ambulatório Clínico do HE: Transtornos oftalmológicos gerais vistos em atendimento básico e oftalmológico. Exemplos: miopia, hipermetropia, astigmatismo, presbiopia, conjuntivites alérgicas, ambliopia, retinopatias iniciais, suspeita de glaucoma, glaucoma em estágio inicial, lesões de conjuntiva e esclera, traumas leves etc. Pacientes vistos por clínicos gerais podem ser encaminhados sem exames oftalmológicos prévios, exclusivamente para municípios que não contam com nenhum tipo de atendimento oftalmológico local. Tais casos configuram, a priori, casos considerados de nível primário em oftalmologia. Pacientes vistos por oftalmologistas (considerados de nível secundário em oftalmologia) devem ter exame oftalmológico completo para o encaminhamento, incluindo os dados: Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

18 SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA DO HERP CASOS CIRÚRGICOS (OFTC) 1. Doenças atendidas pelo Ambulatório Cirúrgico do HE: Transtornos oftalmológicos gerais vistos em atendimento básico e oftalmológico primário com indicação de cirurgia. Pacientes vistos em unidades básicas por oftalmologistas devem ter exame oftalmológico completo para o encaminhamento, contendo os seguintes dados: Priorizar o atendimento de idosos e crianças.

19 SERVIÇO DE YAG LASER Pacientes com opacidade subcapsular posterior devem ser encaminhados ao ambulatório de Yag laser do HCRP para capsulotomia. (NAÕ É NECESSÁRIO ENCAMINHAR AO AMBULATÓRIO DE CRISTALINO), APAC deve ser providenciado na unidade de origem e enviada ao HC. SERVIÇO DE CAMPO VISUAL (CAMPIMETRIA) Exames de campo visual podem ser solicitados ao HCRP. É necessário enviar o pedido e a refração (teste de lentes) para perto atualizada (REALIZADA HÁ MENOS DE 1 ANO) para a realização do exame. SADT deve ser providenciada na unidade de origem e enviada ao HC. SERVIÇO DE PAQUIMETRIA (ESPESSURA DA CÓRNEA) Exames de paquimetia podem ser solicitados ao HCRP. SADT deve ser providenciada na unidade de origem e enviado ao HC.

20 EXEMPLO DE FICHA COM ORIENTAÇÕES SOBRE PREENCHIMENTO Queixa principal e duração: NESSE CAMPO ESCREVER A QUEIXA E A DURAÇÃO DE FORMA SUCINTA Exame oftalmológico: Acuidade Visual Corrigida Refração Tonometria Biomicroscopia Fundo de Olho Outros exames e informações pertinentes ao caso OD ESCREVER AV EM ESCALA DECIMAL COLOCAR REFRAÇÃO COM CILINDRO NEGATIVO ESCREVER A TONOMETRIA EM MMHG DESCREVER OS ACHADOS DE PALPEBRA, CONJUNTIVA, CÓRNEA, CAMARA ANTERIOR E CRISTALINO DESCREVER A PAPILA, A MÁCULA, OS VASOS E A RETINA COLOCAR OS EXAMES E/OU INFOMRAÇÕES QUE JULGAR IMPORTANTES PARA O CASO OE III- Justificativa da referência ESPECIFICAR O MOTIVO DO ENCAMINHAMENTO ( ) Necessidade de exame complementar ( ) paquimetria ( ) ecografia ocular ( ) microscopia especular ( ) PAM ( ) outro ( ) Necessidade de avaliação diagnóstica especializada

21 ( ) Necessidade de seguimento clínico especializado ( ) Necessidade de avaliação especializada para cirurgia Diagnóstico ou hipótese diagnóstica COLOCAR A HIPÓTESE DIAGNÓSTICA I- Médico solicitante: NOME DO MEDICO CRM: Especialidade do médico ( ) Oftalmologia ( ) Clinica Médica ( ) Medico de Família ( ) Outra ESPECIFICAR A ESPECIALIDADE Observações do triador: Desistir Devolver para a origem Triagem OK Alterar especialidade da guia

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: 00.181.085/0001-51 CNES: 3122786 OBJETO O presente Plano

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 11h30 Sala 01 Casos clínicos desafiadores Apresentações de casos clínicos de 10 minutos e 20 minutos de discussão com a platéia. 08h00

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea NÚMERO: 18 TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea AUTORES: Nayara Nakamura Hirota¹, Eduardo Buzolin Barbosa¹, Renata Tiemi Kashiwabuchi² 1 Residente do terceiro

Leia mais

LISTA DE EQUIPAMENTOS

LISTA DE EQUIPAMENTOS LISTA DE EQUIPAMENTOS 01 DUAS LÂMPADAS DE FENDA Utilizada para realização do exame de biomicroscopia, este equipamento serve para avaliação da córnea, câmara anterior, cristalino e vítreo anterior, sendo

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo Deficiência de aposentadoria Paulo Erika Hoyama 1 Silvana Artioli Schellini 2 Maria Rosa Bet de Moraes-Silva 3 Carlos Roberto Padovani 4 Recebido em 26/10/00 Aprovado em 24/4/01 1- Pós-Graduanda da UNESP

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo 1. Especialidade: Oftalmologia 1.1. Pré-requisito - Seleção: Diploma de Médico, Registro no CRM e aprovação

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR 07/07/2016 09:00-10:30 h Mesa Redonda CATARATA O papel das novas tecnologias na cirurgia de catarata (I) SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 09:00-09:10 Recursos diagnósticos (UBM,

Leia mais

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS.

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PGT/CCR/Nº 4570/2008 INTERESSADOS: EXPRESSO RODOVIÁRIO SÃO MIGUEL LTDA ASSUNTO: CONTRATAÇÃO DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA: MÍNIMO LEGAL EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Contratada Endereço Bairro Cidade Telefone Especialidade Serviços Consultar Centro de Atendimento Medico Ltda Av. Abilio Machado, nº 1933 Alipio de Melo Belo Horizonte 0 XX 31 3474 3469 Oftalmologia Consulta

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

H00 HORDEOLO E CALAZIO H01 OUTRAS INFLAMACOES DA PALPEBRA H02 OUTROS TRANSTORNOS DA PALPEBRA H03 TRANS. DA PALPEBRA EM DOENCAS CLASSIF

H00 HORDEOLO E CALAZIO H01 OUTRAS INFLAMACOES DA PALPEBRA H02 OUTROS TRANSTORNOS DA PALPEBRA H03 TRANS. DA PALPEBRA EM DOENCAS CLASSIF 88 ANEXO E Doenças Respiratórias registradas e classificadas conforme a CID - 10 na rede de atendimento público municipal de Vitória, no período de 2001 a 2003 J00 NASOFARINGITE AGUDA [RESFRIADO COMUM]

Leia mais

1Oftalmologista, mestranda do Programa de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás

1Oftalmologista, mestranda do Programa de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás Análise das causas de atendimento e prevalência das doenças oculares no serviço de urgência do Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal de Goiás Maria Nice Araujo Moraes Rocha1, Marcos

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra:

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 24/13 PARECER CFM nº 17/13 INTERESSADO: Dr. F.J.M.C ASSUNTO: Cirurgia bilateral no mesmo ato cirúrgico RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Não há elementos definitivos

Leia mais

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são:

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são: Transplante de Córnea: O que é e serve. para que O Transplante de Córnea é o transplante de órgãos mais realizado no mundo e também o de maior sucesso. Vamos aqui explicar o que é e como funciona essa

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Angiofluoresceinografia Convencional Ampola de fluoresceína sódica a 20% Butterfly 23 g Seringa de 5 ml Agulha 25x7 - descartável Bolas de algodão 11,90

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 05/09

PARECER CREMEB Nº 05/09 Expediente Consulta n o 147.353/08 PARECER CREMEB Nº 05/09 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 05/03/2009) Assunto: Indicação de cirurgia refrativa para trabalhador que necessite de utilizar equipamento

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 060/2012

PROJETO DE LEI Nº 060/2012 PROJETO DE LEI Nº 060/2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da realização do exame para diagnóstico da retinopatia da prematuridade, TESTE DO OLHINHO, nos recém-nascidos, antes da alta hospitalar, em Hospitais

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 FORMAÇÃO Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna de Pediatria.

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706

PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 PARECER COREN-SP 62/2013 CT PRCI n 100.960 Tickets nº 280.706 Ementa: Realização do exame de fundo de olho por Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre a competência do Enfermeiro para

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a Resistência stê dascoo coorporações Os sindicatos e associações de trabalhadores temem que a descentralização, produção atomização em suas organizações, promova a perda de direitos adquiridos, debilite

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

Ultra-sonografia Ocular

Ultra-sonografia Ocular nnn nnn aaa Ultra-sonografia Ocular Curso de Especialização em Ultra-sonografia Profa. Dra. Renata Squarzoni Histórico 1880 - CURIE: efeito piezoelétrico 1942 - FIRESTONE: sonares de navios 1949 - LUDWIG

Leia mais

CONSULT - Consultoria Técnica Municipal Ltda. CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL PROVA PARA MÉDICO OFTALMOLOGISTA

CONSULT - Consultoria Técnica Municipal Ltda. CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL PROVA PARA MÉDICO OFTALMOLOGISTA Leia atentamente o texto abaixo: Erros de ortografia, acentuação e concordância em anúncios e placas informativas revelam o descaso do poder público e de comerciantes com o Português. As liquidações nas

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo

Leia mais

Papel do Hospital das Clínicas

Papel do Hospital das Clínicas Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Papel do Hospital das Clínicas Milton Roberto Laprega 22 de maio de 2010 Ensino Pesquisa Assistência à saúde satisfação do paciente 1

Leia mais

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável.

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável. Saúde Ocular Atitudes para uma visão saudável. O OLHO HUMANO Todos os sentidos do corpo humano são importantes, mas a visão é o que estimula grande parte das informações recebidas e interpretadas pelo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES

ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES 1 of 12 02-Aug-06 09:38 PM ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES Para Avaliação Médica Pericial em Doenças Oculares o médico

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 FORMAÇÃO Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo pela Universidade de São Paulo

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

ESTADO DO MATO GROSSO

ESTADO DO MATO GROSSO Nr.: - PR Folha: 1/5 (As propostas serão abertas para julgamento às 09:00 horas do dia 20/03/2013). Fornecedor: Endereço:...... Cidade: CNPJ / CPF:... Estado:... Inscrição Estadual:...... Telefone: Fax:

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Desta vez apresentamos uma testemunha muito especial. Trata-se do primeiro paciente ao que foi aplicado o tratamento de NewEyes Laser. A

Leia mais

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão.

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. PRK O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. Técnica Cirurgia realizada na superfície da córnea, sem a necessidade de corte. Indicação Correção

Leia mais

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos.

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. ] ] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. Responsável Técnico Dr. Helio Fugishima CREMESP 71.955 Centro Cirúrgico

Leia mais

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida Tornando a visão uma prioridade de saúde Enxergue bem durante toda a sua vida A visão de todos nós pode mudar com a idade Algumas alterações na visão podem dificultar a realização de tarefas diárias. Estas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO COM A FUNDAÇÃO HOSPITALAR OFTALMOLOGICA UNIVERSIDADE LIONS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. VANDERLEI ANTÔNIO SIMIONATTO, Prefeito

Leia mais

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA 1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA REALIZAÇÃO: DEPTOS. DE OFTALMOLOGIA DAS FACULDADES: UNICAMP DE CAMPINAS, USP DE RIBEIRÃO PRETO E UNESP DE BOTUCATU. ORGANIZAÇÃO: CREATIVE SOLUTION AGÊNCIA DE PUBLICIDADE

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc Vetweb Oftalmologia Veterinária www.vetweb.com.br Magnificação Desde 1960 teve uma enorme influência nos avanços do ato cirúrgico e instrumentação.

Leia mais

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ANDRADE 1, Ana de Fátima de Souza BEZERRA 2, Karla Priscila Garrido BOPP 3, Simone DANTAS 1, Emmanuel Freire TALIERI 4, Ivia Carmem Departamento

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta 0,01% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

Tornado a Visão uma Prioridade de Saúde Guia do Orador

Tornado a Visão uma Prioridade de Saúde Guia do Orador Tornado a Visão uma Prioridade de Saúde Guia do Orador SLIDE 1 Introdução do orador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre alterações na visão que podem ocorrer devido à idade, e

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2010 O Município de Nova Roma do Sul comunica aos interessados que está procedendo ao

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml

Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução oftálmica estéril. 0,3 mg/ ml Bimatoprosta EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução oftálmica estéril 0,3 mg/ ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bimatoprosta medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 0,3 mg/ ml Formas farmacêuticas e apresentações

Leia mais

Informativo do Instituto da Visão Ano V Nº 25 Maio/Junho 2014 www.institutodavisao.com

Informativo do Instituto da Visão Ano V Nº 25 Maio/Junho 2014 www.institutodavisao.com Informativo do Instituto da Visão Ano V Nº 25 Maio/Junho 2014 www.institutodavisao.com expediente editorial Publicação bimestral do Instituto da Visão de Cascavel Produção: Blanco Lima Comunicação & Marketing

Leia mais

Física IV. Óptica Geométrica

Física IV. Óptica Geométrica Física IV Capítulo 34 Óptica Geométrica Óptica Geométrica Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Dois Tipos de Imagens Capítulo 34 Óptica Geométrica Para que alguém possa ver um objeto, é preciso que os olhos

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa.

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa. Diretriz de Cirurgia Refrativa Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr Renato Ambrosio

Leia mais

PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007

PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007 1 PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007 PROCESSO CONSULTA Protocolo CREMEC nº 003962/06 ASSUNTO Solicitações de exames pós-operatórios em cirurgia refrativa. INTERESSADO Dr. José Luciano Leitão de Alencar,

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SEMIOLOGIA DOS OLHOS. Sinais e sintomas: Pupilares. Aparelho neuromuscular dos olhos. Fundo de olho. Manifestações: a) cardiovasculares

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

O que você precisa saber sobre...

O que você precisa saber sobre... O que você precisa saber sobre... CATARATA Prezado paciente, caso tenha indicação para cirurgia de catarata, informamos que a moderna tecnologia da cirurgia oferece hoje a possibilidade de corrigir defeitos

Leia mais

VISÃO: MITOS E VERDADES

VISÃO: MITOS E VERDADES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira VISÃO: MITOS E VERDADES Quem usa óculos enxerga pior à noite? Os míopes enxergam menos à noite, mesmo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS Plano Operativo para a Organização da Rede Estadual de Atenção em

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Circular 477/2012 São Paulo, 31 de outubro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA )

O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) O.C.T. ( TOMOGRAFIA COERÊNCIA ÓPTICA ) A tomografia de coerência óptica é um MÉTODO DIAGNÓSTICO rápido não invasivo indolor não contacto transpupilar realizado com o mínimo desconforto para o doente de

Leia mais