4º par craneano - nervo troclear

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º par craneano - nervo troclear"

Transcrição

1 4º par craneano - nervo troclear O 4º par craneano é responsável pela inervação do músculo oblíquo superior, tendo este como principal acção a infraducção do olho, principalmente quando este se encontra em aducção, colaborando igualmente para a intorsão do globo ocular (rotação interna). O seu núcleo situa-se no mesencéfalo, tendo depois o seu fascículo um curto trajecto mesencefálico, exteriorizando-se sob a forma de nervo na face posterior do mesencéfalo, imediatamente cruzando e percorrendo a face lateral mesencefálica e atravessando depois o espaço subaracnoideu a caminho do seio cavernoso. Percorre depois a parede lateral do seio, juntamente com o 3º par craneano, em direcção à órbita. Portanto, o músculo oblíquo superior é inervado pelo núcleo troclear contralateral, tendo em conta a decussação do nervo troclear ainda na face dorsal do mesencéfalo. Por outro lado o longo trajecto deste nervo torna-o vulnerável ao trauma, mesmo se mínimo, não sendo raro o atingimento dos dois nervos trocleares em contexto de traumatismo crânio-encefálico. trajecto anatómico do 4º par craneano e localização de potenciais lesões: A. nuclear e/ou fascicular, B. subaracnoideia, C. cavernosa, D. orbitária Na história clínica, será importante avaliar o carácter da diplopia, usualmente vertical e/ou oblíqua, principalmente no olhar ao perto, em actividades como a leitura ou o subir/descer escadas (onde obviamente a direcção do olhar será no sentido de um plano inferior), assim como se torna fulcral o contexto do seu aparecimento, nomeadamente história de trauma, de estrabismo na infância ou a presença de factores de risco vascular. Na avaliação clínica iremos encontrar um olho eventualmente hipertrópico (desviado superiormente), promovendo um estrabismo vertical. Este estrabismo será maior na direcção para a qual o músculo oblíquo superior exercer uma função preponderante, ou seja, no caso de um olho parético direito, o estrabismo (e logo também a diplopia) será maior quando o doente olha para a esquerda e para baixo. Para tentar colmatar este estrabismo, frequentemente o doente adopta uma posição anómala do pescoço, sendo muitas vezes óbvia a inclinação ( tilt ) da cabeça para o lado contrário à parésia (a presença desta mesma inclinação em fotos antigas do doente apontam para 27

2 uma origem congénita desta parésia, que pode eventualmente agravar ou regressar na idade adulta). Então, entre os quadros clínicos associados à parésia deste par craneano, e um pouco à semelhança do 3º par craneano, as seguintes alterações poderão ajudar na localização da lesão, começando pelo significado da parésia isolada: Parésia isolada do 4º par, sem envolvimento pupilar Possivelmente compromisso do fascículo e/ou nervo por isquémia microvascular ou traumatismo crânio-encefálico ou ainda por envolvimento nuclear de origem congénita, sendo talvez esta última causa a que mais frequente causa estrabismo vertical adquirido do adulto Parésia isolada do 4º par, bilateral Possivelmente compromisso do fascículo e/ou nervo por isquémia microvascular ou traumatismo crânio-encefálico Parésia do 4º par, e associadamente parésia do olhar conjugado (por exemplo, quando os olhos não conseguem elevar-se simultaneamente) e/ou oftalmoplegia internuclear (indica comprometimento do feixe longitudinal medial) e/ou Síndrome de Horner (indica comprometimento da via simpática no tronco encefálico) e/ou defeito relativo pupilar aferente Indica possível lesão nuclear ou fascicular de eventual origem vascular Parésia do 4º par, e associadamente proptose e/ou dor ocular e/ou olho vermelho e/ou sopro ocular e/ou Síndrome de Horner e/ou perda de visão e/ou hipostesia facial e/ou parésia do 3º par craneano /ou parésia do 6º par craneano Indica possível lesão cavernosa e/ou orbitária o único movimento que o olho direito terá dificuldade em concretizar será a infraversão, quando o olho está em aducção Como considerações finais poderemos dizer que a parésia do IV é a causa mais comum de estrabismo vertical adquirido. Podemos ainda dizer que trauma insuficiente para produzir uma parésia do 3º ou 6º pares craneanos, poderá causar uma parésia do 4º par craneano a parésia do 4º par craneano tem três causas frequentes: o trauma, o estrabismo congénito e a isquémia. Na primeira etiologia poderá efectivamente haver história de traumatismo craneoencefálico prévio; na segunda, o 28

3 estrabismo congénito apresenta-se grande parte das vezes na idade adulta, após trauma ou doença e poderá haver história de estrabismo e/ou oclusão ocular temporária na infância e tilt do pescoço para tentar compensar a diplopia; já a terceira causa estará relacionada unicamente com factores de risco vascular. Em todas estas etiologias, o tratamento é geralmente conservador. joão lemos 29

6º par craneano - nervo abducens

6º par craneano - nervo abducens 6º par craneano - nervo abducens O 6º par craneano é responsável unicamente pelo movimento de abducção ocular. O núcleo deste par localiza-se na junção pontomedular, junto ao fascículo do 7º par craneano.

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

PROVAS VESTIBULARES. Pressão Arterial nos Braços sentado e deitado (teste para hipotensão ortostática) 1. Exame Físico Geral

PROVAS VESTIBULARES. Pressão Arterial nos Braços sentado e deitado (teste para hipotensão ortostática) 1. Exame Físico Geral 1 PROVAS VESTIBULARES I INTRODUÇÃO Vertigem é um dos sintomas mais freqüentes relacionados à pratica médica de um otorrinolaringologista. Na América, aproximadamente 90% dos indivíduos com mais de 65 anos

Leia mais

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde Classificação Detalhada com definições Todas as categorias com as suas definições, inclusões e exclusões Organização Mundial da Saúde

Leia mais

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A)

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) Este folheto irá fornecer-lhe mais informações sobre BOTOX e a forma como este pode ser utilizado em tratamentos médicos. Índice Leia este

Leia mais

RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES

RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES RINOSSINUSITES E COMPLICAÇÕES DAS RINOSSINUSITES 1 I. CONCEITO Sinusite é todo processo inflamatório da mucosa de revestimento da cavidade paranasal. Atualmente o termo rinossinusite tem sido mais aceito

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Diário da República, 1.ª série N.º 204 23 de Outubro de 2007 7715

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Diário da República, 1.ª série N.º 204 23 de Outubro de 2007 7715 Diário da República, 1.ª série N.º 204 23 de Outubro de 2007 7715 de 2582,30 ha, cujos limites constam da planta anexa à presente portaria e que dela faz parte integrante, englobando vários prédios rústicos

Leia mais

RINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO NARIZ)

RINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO NARIZ) CRM/MG-25684 Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica RINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO NARIZ) Rinoplastia é a cirurgia plástica do nariz. Esta cirurgia pode ser estética, funcional

Leia mais

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br

meu filho TEm artrite um guia para famílias www.acredite.org.br meu filho TEm artrite www.acredite.org.br um guia para famílias ÍNDICE INTRODUÇÃO... TIPOS DE AIJ... DIAGNÓSTICO... TRATAMENTO... DICAS PARA OS PACIENTES... ACOMPANHAMENTO CLÍNICO... O IMPACTO DA DOENÇA...

Leia mais

O que é afasia? Brasilian

O que é afasia? Brasilian O que é afasia? Brasilian Provavelmente você se deparou com afasia pela primeira vez há pouco tempo. No início afasia causa muitas dúvidas, como: o que é afasia, como esta ocorre, e quais problemas adicionais

Leia mais

OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR

OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL OS HÁBITOS PARAFUNCIONAIS NA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR CLAUDIA FERNANDES COSTA ZANINI PORTO ALEGRE 1999 CEFAC

Leia mais

O PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL NOS DISTÚRBIOS ARTICULATÓRIOS

O PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL NOS DISTÚRBIOS ARTICULATÓRIOS CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL O PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL NOS DISTÚRBIOS ARTICULATÓRIOS GERALDO LEMOS FORTALEZA 1999 1 CEFAC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

Leia mais

APOSTILA FISIOLOGIA DO TRABALHO

APOSTILA FISIOLOGIA DO TRABALHO APOSTILA FISIOLOGIA DO TRABALHO Autor: Eduardo Concepción Batiz Doutor em Ciências Técnicas, Engenheiro Industrial Prof. de Ergonomia, Segurança e Higiene Ocupacional, Biossegurança. 2003 SUMARIO Capítulo

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MALOCLUSÃO E MASTIGAÇÃO

RELAÇÃO ENTRE MALOCLUSÃO E MASTIGAÇÃO CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL RELAÇÃO ENTRE MALOCLUSÃO E MASTIGAÇÃO LIA INÊS MARINO DUARTE LONDRINA 2000 RESUMO: A mastigação bilateral, alternada com movimentos

Leia mais

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas

Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas 5.2.2004 Jornal Oficial da União Europeia C 31/5 Orientações para a apreciação das concentrações horizontais nos termos do regulamento do Conselho relativo ao controlo das concentrações de empresas (2004/C

Leia mais

Tipos de lentes Oftálmicas

Tipos de lentes Oftálmicas Quanto à utilização: Unifocais (ou monofocais) - Têm só uma graduação (só um centro óptico). Podem ser só para visão longe, só para visão de perto ou para uso permanente, conforme os casos. Progressivas

Leia mais

LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS LINHA DE CUIDADOS EM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC) NA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS 1. INTRODUÇÃO O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das maiores causas de morte e incapacidade adquirida

Leia mais

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Cláudia Furtado João Pereira Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Lisboa Julho de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Enquadramento da análise...

Leia mais

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS)

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) 1 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) Robert Palisano; Peter Rosenbaum; Stephen Walter; Dianne Russell; Ellen Wood; Barbara Galuppi Traduzido por Erika Hiratuka

Leia mais

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica. Universidade de Granada

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

ZUMBIDO. Sinónimos de Zumbido Acufenos, Tinnitus. O que é o Zumbido?

ZUMBIDO. Sinónimos de Zumbido Acufenos, Tinnitus. O que é o Zumbido? ZUMBIDO Vários estudos comprovaram a grande frequência dos zumbidos. Alguns estudos referem que entre 5% a 20% dos adultos já tiveram zumbidos; 1% consideram que este está presente e perturba o seu dia

Leia mais

TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES (TNI)

TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES (TNI) TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES (TNI) CENTRO NACIONAL DE PROTECÇÃO CONTRA OS RISCOS PROFISSIONAIS Setbro 2008 Pág. 1/172 FICHA TÉCNICA TÍTULO Tabela Nacional de Incapacidades EDIÇÃO Instituto da Segurança

Leia mais

Princípios europeus da abordagem das cefaleias comuns nos cuidados de saúde primários

Princípios europeus da abordagem das cefaleias comuns nos cuidados de saúde primários trabalho conjunto com Lifting The Burden A campanha Global para Reduzir as Dores de Cabeça a Nível Mundial Parceria a decorrer entre a Organização Mundial de Saúde (World Health Organization)*, a Aliança

Leia mais