Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia"

Transcrição

1 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Prof.: Walter Rodrigues Tema do Seminário: Ametropias e Presbiopia Autores: Catarina Custódio dos Santos Equipa Revisora: Carlos Vila Nova e Pedro Freitas Temas da Aula Estruturas refringentes do olho Emetropia e ametropia Casos particulares de ametropias Presbiopia Tratamento Casos clínicos Bibliografia Anotada correspondente de 2006/2007, Olga Alves e Graça Eleutério Lang, G; Ophthalmology a pocket textbook atlas; Thieme Flebibook; cap (animação da cirurgia) Página 1 de 17

2 Estruturas Refringentes do Olho Para a obtenção de uma acuidade visual correcta, é necessária a convergência dos raios luminosos paralelos que atravessam o globo ocular num ponto focal, coincidente com a mácula. Essa convergência requer a existência de estruturas responsáveis pela refracção dos raios luminosos. Os erros de refracção são a causa mais frequente de diminuição da acuidade visual (daí que a sua avaliação se realize antes da biomicroscopia e fundoscopia). Um olho normal tem uma capacidade refractiva de cerca de 63 dioptrias, sendo o diâmetro ântero-posterior do olho de 23,5mm. A capacidade refractiva do olho depende de diferentes estruturas (por ordem de importância): Córnea (40/45 dioptrias); Cristalino (10/20 dioptrias); Humor vítreo e humor aquoso (pouco relevantes em termos de refracção). A córnea tem um poder de refracção superior ao cristalino devido a: Curvatura da córnea; Diferença do índice de refracção entre o ar e a superfície da córnea. Tabela 1 Índice de refracção dos diferentes meios do olho. A diferença entre o nível de refracção do ar (1) e da córnea (1,376) é maior do que a diferença entre os vários meios que os raios luminosos vão atravessando dentro do globo ocular (a diferença entre o humor aquoso e o cristalino nos pólos é de 0,049, p.e.) A Dioptria é uma medida da capacidade refractiva de uma lente (sistema refractor), dada pela fórmula: D= 1/f D = poder refractivo em dioptrias f = distância focal da lente (metros); se o ponto focal se fizer para trás da lente, a distância é positiva, se se fizer à frente da lente é negativa Por exemplo: se tiver uma lente que foque raios paralelos a 0,5 m para trás dela é uma lente de 2 dioptrias (lente positiva, convergente ou biconvexa). Se a lente não focar os raios para trás dela mas antes formar uma imagem 0,5 m para a frente da lente é uma lente de -2 dioptrias (lente negativa, divergente ou bicôncava). Página 2 de 17

3 Emetropia e Ametropia A emetropia ocorre quando os raios luminosos paralelos atingem um olho anatómica e fisiologicamente normal, são refractados e convergem sem acomodação sobre a retina. Corresponde a uma pessoa sem erros de refracção, tendo 10/10 de visão. A ametropia surge quando os raios luminosos paralelos convergem num ponto anterior (I) ou posterior à retina (II), levando a alterações na acuidade visual. Fig.1 Zonas de focagem de raios paralelos sobre a retina numa condição de emetropia (linha preta), no caso de miopia (linha vermelha, I) e numa situação de hipermetropia (linha verde, II). As ametropias podem ser divididas em três tipos: Hipermetropia, Miopia, Astigmatismo. Página 3 de 17

4 Estas patologias são causadas por alterações no trajecto dos raios luminosos no eixo óptico, incluindo: Anomalias de posição do sistema óptico: diâmetro ântero-posterior do globo ocular curto hipermetropia axial, diâmetro ântero-posterior do globo ocular comprido miopia axial, deslocamento anterior do cristalino miopia, deslocamento posterior do cristalino hipermetropia; Anomalias das superfícies de refracção: curvatura da córnea ou do cristalino pequena hipermetropia de curvatura, curvatura da córnea ou do cristalino grande miopia de curvatura, curvatura da córnea ou do cristalino irregular pequena astigmatismo hipermetrópico, curvatura da córnea ou do cristalino irregular grande astigmatismo miópico; Anomalias dos índices de refracção: índice de refracção do cristalino ou córnea diminuído hipermetropia de índice, índice de refracção do cristalino ou córnea aumentado miopia de índice; Ausência de elemento do sistema óptico: ausência do cristalino afaquia. As ametropias axiais (relacionadas com um tamanho desadequado do globo ocular face a um sistema refractivo normal) são mais comuns do que as ametropias de índice (alteração no poder de refracção das superfícies refractivas do olho). Página 4 de 17

5 Casos Particulares de Ametropias HIPERMETROPIA A hipermetropia é caracterizada por um erro de refracção no qual os raios luminosos paralelos são focalizados atrás da camada sensível da retina, quando o olho se encontra em repouso (sem esforço de acomodação). Os indivíduos com esta patologia conseguem ver bem ao longe, mas mal ao perto, devido ao facto de a focagem da imagem se dar atrás da retina. Fig.2 Ponto de focagem de raios paralelos numa situação de hipermetropia. Etiologia A hipermetropia axial (mais comum) pode ter as seguintes causas: Diâmetro ântero-posterior do olho pequeno (a diminuição de 1mm do globo ocular origina uma diferença de 3D); muitas vezes associada a câmara anterior do olho pouco profunda, factor de risco para glaucoma de ângulo fechado; Tumor orbitário ou massa inflamatória (que comprima o olho, diminuindo o seu diâmetro ântero-posterior); Edema macular; Descolamento da retina. A hipermetropia de curvatura é resultante do facto de a curvatura das superfícies refringentes ser excessivamente pequena (córnea plana). Causas da hipermetropia de índice: Diminuição da refringência do cristalino (idade); Ausência de cristalino (sem que tenha sido substituído por nenhum sistema de lentes). Página 5 de 17

6 Sinais e sintomas Visão turva especialmente para perto. Se a hipermetropia não estiver corrigida, os doentes vão tentar aumentar o poder de refracção através da acomodação (tornando o cristalino mais esférico), compensando o erro de refracção. Assim, as principais queixas não estão tão relacionadas com a alteração da acuidade visual, mas antes com o esforço ocular (grande utilização do músculo ciliar), quadro designado por astenopia acomodativa: Cefaleias, Peso nos olhos, Lacrimejo. Principalmente nas crianças, se a hipermetropia for muito marcada, pode haver compensação por estrabismo convergente acomodativo. O estrabismo pode reverter após correcção da hipermetropia. Exame oftalmológico O fundo ocular pode evidenciar trajectos tortuosos dos vasos da retina 1. Podese evidenciar um disco óptico um pouco turvo mas sem alterações visuais. Pode-se observar, para mais de 5D, um pseudo-edema da papila. Estando sujeito a uma tensão aumentada, de forma crónica, o músculo ciliar pode estar hipertrofiado. Esta hipertrofia latente do músculo ciliar impede o observador de realizar o exame oftalmológico na ausência de acomodação a não ser que se recorra à utilização de cicloplégicos. No entanto, estes devem ser usados com precaução, já que alguns dos doentes com hipermetropia podem ter câmaras anteriores baixas (risco de glaucoma). Epidemiologia A maioria dos recém-nascidos tem hipermetropia axial, em muitos casos fisiológica, que diminui durante o primeiro ano de vida. 20% dos jovens adultos entre os 20 e 30 anos têm hipermetropia que excede 1D. 1 Como se o espaço da retina fosse pequeno demais para os vasos caberem direitos. Página 6 de 17

7 MIOPIA Na miopia, os raios luminosos paralelos dirigem-se para um foco à frente da camada sensível da retina, quando o olho se encontra em repouso. O míope possui uma boa visão para perto, mas ao longe vê mal. Tem uma perda de visão muito acentuada, mesmo com poucas dioptrias. Por exemplo, 1D é suficiente para originar uma visão de 2/10. Fig.3 Ponto de focagem de raios paralelos numa situação de miopia. Etiologia Causas de miopia axial (mais comum): Aumento do diâmetro ântero-posterior do olho (1mm de aumento pode levar a 3D de diferença no poder refractivo). Causas de miopia de curvatura: Aumento da curvatura da córnea ou das superfícies do cristalino. Causas de miopia de índice: Alterações na refringência do cristalino (cataratas ou diabetes). Formas clínicas Miopia simples Surge por volta dos 10 a 12 anos e raramente excede as 6D. Pode agravar-se até aos anos, com o crescimento do globo ocular, estabilizando geralmente a partir desta idade. Miopia patológica ou progressiva (alterações no fundo e globo oculares) Tem uma carga genética muito forte com transmissão recessiva. Está associada a fenómenos degenerativos oculares, piorando progressivamente. Mais prevalente em certas raças (Israelitas, Árabes, Chineses). Página 7 de 17

8 Sinais e sintomas Má visão para longe; Efeito de buraco estenopeico (o míope semicerra os olhos quando olha para um ponto distante, para tentar diminuir o erro); Cefaleias; Olhos grandes e proeminentes; Câmara anterior profunda; Nos casos mais graves, pode haver diminuição da espessura da esclerótica (podendo atingir os 50%); Reflexo de acomodação pouco utilizado, o que pode levar a atrofia do músculo ciliar; Quantidade de humor vítreo inadequada para olhos grandes, o que pode levar a degenerescência do vítreo, sendo mais frequente o descolamento posterior do vítreo ou sinerese; Atrofia coroidoretiniana (placas de atrofia, que podem cobrir o disco óptico e mácula, levando a escotomas ou perda de visão central); Degenerescência periférica da retina (rasgaduras, descolamento da retina 2 mais frequente no míope); Glaucoma (primário de ângulo aberto); Crescente miópico temporal 3 afastamento do epitélio pigmentar em relação à esclerótica, criando uma meia-lua em torno do disco óptico. A miopia tende a estabilizar, mas não regride. No entanto, por volta dos 40 a 45 anos, com o aparecimento da presbiopia 4, a miopia pode regredir cerca de 0,5 D, devido à diminuição do poder acomodativo. 2 Importância da visualização da periferia da retina durante a fundoscopia. 3 Não referido no livro. 4 Discutida à frente. Página 8 de 17

9 ASTIGMATISMO No astigmatismo, os raios luminosos paralelos não são focalizados num só ponto, mas em vários pontos, devido à refracção desigual da luz em diferentes meridianos. Esta refracção pode levar à focagem da imagem à frente ou atrás da retina. Como são usados vários pontos para a formação da imagem, esta fica distorcida, tanto para perto como para longe. Normalmente, a córnea é uma superfície esférica plana cujos meridianos 5 horizontal, vertical e oblíquos possuem igual poder dióptrico (45D). Desta forma, a imagem é formada apenas num ponto. Num indivíduo com astigmatismo, um dos meridianos tem um poder dióptrico diferente dos restantes. O que tem maior poder dióptrico foca a imagem mais à frente e o que tiver menor poder dióptrico foca a imagem atrás. Forma-se uma imagem com origem em dois pontos (pelo menos). Fig.4 Pontos de focagem de raios paralelos numa situação de astigmatismo. Etiologia Causas do astigmatismo de curvatura: Córnea: Congénito: astigmatismo directo, fisiológico; Adquirido: traumatismo (p.e. cicatrização após úlcera, levando a um leucoma), neoformação; Cristalino: Lenticone (protusão cónica circunscrita do pólo anterior ou posterior do cristalino). Causas do astigmatismo de índice: Opacidades do cristalino (opacidades não homogéneas; em cada nova opacidade, cria-se um novo ponto de refracção). 5 Os meridianos são semicírculos que passam pelos pólos anterior e posterior, podendo ter várias inclinações (vertical, horizontal, etc.). Página 9 de 17

10 Formas clínicas Astigmatismo regular: Se a córnea não for esférica mas antes elíptica, obtémse uma imagem focada por dois meridianos, um demasiadamente curto e outro demasiadamente longo. Num astigmatismo regular, estes dois meridianos são perpendiculares. Pode ser simples 6 (míope ou hipermétrope), composto (míope ou hipermétrope) ou misto. Astigmatismo irregular: Os dois meridianos diferentes não são perpendiculares ou há mais do que dois meridianos com diferentes dioptrias envolvidos na focagem da mesma imagem, causando pontos de focagem múltiplos. Pode ser causado por: cicatrizes da córnea (após ulceração ou traumatismo da córnea), cataratas ou queratocone 7. Astigmatismo externo: Relacionado com alterações na superfície anterior da córnea. Astigmatismo interno: Conjunto de astigmatismos relacionados com os outros meios do olho que não a córnea (como o cristalino). Sinais e sintomas Visão turva com deformações da imagem; Cefaleias; Distúrbios nervosos reflexos (tonturas, irritabilidade, fadiga); Diplopia monocular e deslumbramento (sensação de estar encadeado); Efeito de buraco estenopeico (o astigmático semicerra os olhos para modificar a curvatura corneana). Epidemiologia Cerca de 42% das pessoas têm astigmatismo maior ou igual a 0,5D. Em 20% destas, este astigmatismo é maior do que 1D e requer correcção. 90% das pessoas que usam óculos tem astigmatismo, podendo estar associado à miopia ou hipermetropia. 6 Classificação não encontrada na literatura. 7 Doença degenerativa da córnea que a vai desgastando gradualmente, remodelando-a em formato de cone. Esse formato impede a passagem precisa da luz na mácula. Como a doença é progressiva, o cone torna-se mais saliente, causando uma visão cada vez mais distorcida. Página 10 de 17

11 Presbiopia ACOMODAÇÃO A acomodação caracteriza-se pela capacidade que o cristalino possui de aumentar o seu poder de convergência, de modo a que a imagem dos objectos situados a curta distância seja focalizada sobre a retina e se possa ver nitidamente. Contracção do músculo ciliar Relaxamento dos ligamentos suspensores do cristalino Cristalino globoso Aumento da potência de refracção Melhor focagem ao perto O poder de acomodação exprime o aumento máximo do poder refractivo possível, usando a acomodação (expresso em dioptrias). Corresponde à diferença entre as distâncias do ponto mais próximo e do mais distante que se conseguem ver focados. Assim, sendo o ponto mais próximo focado a 0,1m de uma pessoa (10D) e o ponto mais distante focado a 1m (1D), o seu poder acomodativo será de 9 D. O poder de acomodação vai diminuindo com a idade. Gráfico 1 Por volta dos 5 anos, possuímos 13 a 14D de poder acomodativo, que são reduzidos para cerca de 3D aos 45 anos. Página 11 de 17

12 CARACTERIZAÇÃO A presbiopia caracteriza-se por uma diminuição fisiológica do poder de acomodação do cristalino, devido à idade (diminuição da elasticidade das fibras do cristalino). O cristalino endurece e perde a capacidade de focagem e convergência (essencialmente para perto). A presbiopia surge por volta dos anos de idade, pelo que, invariavelmente, todas as pessoas irão precisar de usar óculos ao longo da vida. Fig.5 a) olho emétrope a focar um objecto distante b) olho emétrope a focar um objecto próximo c) situação de presbiopia, em que não ocorre a acomodação correcta d) situação de presbiopia após correcção com lentes biconvexas SINAIS E SINTOMAS Incapacidade visual para perto; Agravamento com pouca luz; Cefaleias; Olhos cansados/ dor. Página 12 de 17

13 Tratamento Para tratar as ametropias e a presbiopia pode-se recorrer a: Lentes óculos ou lentes de contacto, Cirurgia. ÓCULOS Hipermetropia Na hipermetropia, acaba por haver uma refracção insuficiente para o globo ocular em questão; o objecto é focado posteriormente, em relação à retina. Desta forma, é necessário usar lentes convergentes (positivas), que são biconvexas, para corrigir o defeito. Fig.6 Correcção da Hipermetropia com óculos (a) e com lentes de contacto (c). Presbiopia Por incapacidade de acomodar correctamente, numa presbiopia, deixa-se de se conseguir aumentar o poder de refracção do cristalino, não conseguindo focar ao perto. Tal como acontece na hipermetropia, a presbiopia corrige-se com lentes convergentes (positivas). Página 13 de 17

14 Miopia Na miopia, acaba por haver uma refracção exagerada para o globo ocular em questão; o objecto é focado anteriormente em relação à retina. Desta forma, é necessário usar lentes divergentes (negativas), que são bicôncavas, para corrigir o defeito. Normalmente, a correcção com lentes negativas não deve ser o valor total, mas ligeiramente inferior. Com a prescrição de lentes divergentes demasiadamente fortes, sofre-se o risco de tornar o olho hipermétrope. Desta forma, obriga-se um antigo míope, que tem tendência a ter o músculo ciliar atrofiado, a fazer esforços de acomodação constante para reverter o efeito hipermétrope das lentes. Esta situação é muito desconfortável para os doentes. Fig.7 Correcção da miopia com óculos (a) e com lentes de contacto (c). Astigmatismo Apenas o astigmatismo regular pode ser corrigido com óculos, sendo o mais fácil de corrigir. Neste caso, tenta-se eliminar o erro dióptrico de um dos meridianos para que ocorra focagem em apenas um ponto. Para esse fim, usa-se lentes cilíndricas. Em casos de astigmatismo irregular externo, em que a superfície da córnea é irregular, tendo múltiplos pontos de focagem, a correcção é efectuada apenas com lentes de contacto, queratoplastia ou correcção cirúrgica. No astigmatismo irregular interno, em que o cristalino está afectado, a correcção envolve a remoção do cristalino e a sua substituição por uma lente intraocular. Página 14 de 17

15 LENTES DE CONTACTO 8 As lentes de contacto são igualmente usadas para corrigir erros de refracção, mas ficam mais próximas do local de origem deste problema em comparação com os óculos. Por esta razão, a qualidade da imagem que se obtém com as lentes de contacto é superior à obtida com os óculos. Existem dois tipos de lentes: Semi-rígidas mantêm uma forma estável; Hidrófilas lentes gelatinosas, moles e que são maleáveis. Tabela 2 Diferenças entre lentes de contacto 8 Informação não aprofundada na aula. Página 15 de 17

16 CIRURGIA Há muitas técnicas cirúrgicas distintas possíveis. Apresenta-se um exemplo. Miopia Não se justifica uma cirurgia em indivíduos com pequenas perdas de acuidade visual (p.e. 9/10). A miopia por cataratas (miopia de índice) é corrigida através de uma cirurgia específica para as cataratas (aulas seguintes). Hipermetropia A cirurgia é semelhante mas, em vez de se retirar tecido da parte central da córnea, faz-se a incisão perifericamente, para conseguir tornar a parte central na córnea mais espessa (com maior poder de refracção). Página 16 de 17

17 Anisometropias A cirurgia é fortemente indicada numa situação de anisometropia, na qual há uma diferença muito marcada de poder refractivo nos dois olhos (p.e., 7D num olho e 0D no outro), sendo pouco prático andar só com uma lente ou com duas lentes muito diferentes. Tirando esta situação, não há razões médicas que exijam cirurgia, pelo que a sugestão e decisão de cirurgia deve partir do doente e não do médico. Caso Clínico Doente do sexo feminino, 48 anos; Usa óculos desde os 25 anos de idade; Desde há 1 ano, vê melhor para perto sem os seus óculos. 1º diagnóstico Miopia, diagnosticada aos 25 anos 2º diagnóstico Presbiopia Se a doente só tivesse presbiopia, necessitava de lentes convergentes, que aumentassem o seu poder de refracção. Mas esta doente já era míope, ou seja, tem estruturalmente uma capacidade de refracção superior ao necessário para o seu globo ocular. Desta forma, as duas patologias acabam por se compensar, não precisando, actualmente, de usar óculos para ver ao perto. A doente veio acompanhada pela sua mãe, de 80 anos, que refere uma situação semelhante: Usa óculos para perto (lentes convergentes); A certa altura, quando quer ler, passou a ter de tirar os óculos. 1º diagnóstico Hipermetropia 2º diagnóstico Catarata que provoca uma miopia de índice A doente tinha hipermetropia que corrigia com lentes que lhe aumentavam o poder de refracção (convergentes). Com o aparecimento de cataratas, o índice de refracção do cristalino aumenta (miopia de índice), acabando por compensar a falta de refracção que esta doente hipermétrope tinha. Página 17 de 17

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

Física IV. Óptica Geométrica

Física IV. Óptica Geométrica Física IV Capítulo 34 Óptica Geométrica Óptica Geométrica Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Dois Tipos de Imagens Capítulo 34 Óptica Geométrica Para que alguém possa ver um objeto, é preciso que os olhos

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

REFRACÇÃO. A hipermetropia é encontrada em crianças com estrabismo convergente concomitante.

REFRACÇÃO. A hipermetropia é encontrada em crianças com estrabismo convergente concomitante. REFRACÇÃO A coordenação dos movimentos oculares e a refracção ocular encontram-se interrelacionadas. Esta relação deriva de uma associação flexível entre a acomodação e a correspondência. A hipermetropia

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

BIOFÍSICA DA VISÃO Existe a cabeça de um homem na figura. Onde? Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras... Conflito no cérebro: o lado direito do seu cérebro tenta dizer a cor, enquanto o lado

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica 1 Comunicação na Ótica Transformando complicadas características técnicas em convincentes argumentos de venda É verdade que estamos passando por uma fase da Óptica onde a informação tem sido a principal

Leia mais

Deficiência Visual. A visão

Deficiência Visual. A visão Deficiência Visual Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 A visão Quando o bebé nasce ele já possui algumas competências visuais apesar da imaturidade do aparelho visual. Nos primeiros meses de vida são

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais)

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais) MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO (Manual de Actividades Experimentais) 3B W11851 (NT4025) Pág. 1 de 11 Como o olho humano recebe uma imagem Figura 1: O olho humano Quando a luz entra no olho, atinge primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Heteroforias Definição É um desvio latente que os eixos visuais estão fixando normalmente o objeto

Leia mais

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS 1) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Para que os seguranças possam controlar o movimento dos

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

Óptica da Visão. 2. (G1 - utfpr 2015) Sobre o olho humano, considere as seguintes afirmações:

Óptica da Visão. 2. (G1 - utfpr 2015) Sobre o olho humano, considere as seguintes afirmações: Óptica da Visão 1. (Fuvest 2012) Num ambiente iluminado, ao focalizar um objeto distante, o olho humano se ajusta a essa situação. Se a pessoa passa, em seguida, para um ambiente de penumbra, ao focalizar

Leia mais

Conheces a janela através da qual vês o mundo???

Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Pestanas : São filas de pêlos fininhos que saem das

Leia mais

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas:

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. Aberração Cromática. A Lente equivalente à associação de duas lentes Justapostas, apresenta vergências das lentes associadas:

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

Prof. Rodrigo Luis Rocha

Prof. Rodrigo Luis Rocha Futuro papiloscopista, Modelo corpuscular da luz Este material foi elaborado baseado no último edital de papiloscopista da PF organizado pela CESPE/UNB. A ordem de apresentação dos conteúdos difere propositalmente

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO 01. Sherlock Holmes neste dia usava seu cachimbo e uma instrumento ótico que permitia uma análise ainda mais nítida

Leia mais

Ambliopia. Desenvolvimento visual normal e período critico

Ambliopia. Desenvolvimento visual normal e período critico Ambliopia O termo ambliopia deriva do grego ( amblios = fraco, embotado; ops = acção de ver, visão) e significa visão fraca ou olho vago. A ambliopia consiste numa diminuição da acuidade visual produzida

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

VISÃO: MITOS E VERDADES

VISÃO: MITOS E VERDADES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira VISÃO: MITOS E VERDADES Quem usa óculos enxerga pior à noite? Os míopes enxergam menos à noite, mesmo

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Técnicas Laboratoriais de Física Trabalho elaborado por: Nuno Valverde nº12 Pedro Correia nº16 10ºD Índice Página AS LENTES...3 LENTES CONVEXAS...4 LENTES CÔNCAVAS...5

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com.

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com. Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula Unidade III Biofísica da Visão valnirp@terra.com.br Roteiro Fundamentos Físicos Biofísica da Visão Normal Processos

Leia mais

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B.

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B. Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos algarismos 199 são destinadas ao professor.... 8 All of the basic

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

Olho humano Exercícios Aprofundamento Profº. JB Lista 2

Olho humano Exercícios Aprofundamento Profº. JB Lista 2 Olho humano Exercícios Aprofundamento Profº. JB Lista 2 01-(UFPEL-RS) Observe as duas receitas de lentes mostradas abaixo, as foram prescritas por um oftalmologista de nossa cidade, destinadas a dois de

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

Unidade 7. Ondas, som e luz

Unidade 7. Ondas, som e luz Unidade 7 Ondas, som e luz ONDA É uma perturbação ou oscilação que se propaga pelo meio (ar, água, sólido) e no vácuo (ondas eletromagnéticas). Ex: Abalos sísmicos, ondas do mar, ondas de radio, luz e

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro.

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro. Introdução Milhares de trabalhadores precisam exercer suas atividades utilizando óculos com lentes corretivas ao mesmo tempo que precisam usar óculos de segurança para se proteger contra os riscos inerentes

Leia mais

Visual axis. Cristalline. Optic axis

Visual axis. Cristalline. Optic axis Óptica Geométrica OpE - MIB 2007/2008 Óptica Geométrica (2ª aula) Instrumentos Ópticos O olho humano Os óculos A lupa O microscópio O telescópio A máquina otográica O espectrootômetro InstOpt 2 O olho

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

AMETROPIAS E PRESBIOPIA

AMETROPIAS E PRESBIOPIA Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 20-26, jan./mar. 1997 Capítulo III AMETROPIAS E PRESBIOPIA AMETROPIAS AND PRESBYOPIA Harley E. A. Bicas Docente do Departamento de Oftalmologia

Leia mais

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo.

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo. BIOFÍSICA DA VISÃO Aula 3 META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio 01 - (ACAFE SC/2012) A figura abaixo mostra esquematicamente o olho humano, enfatizando nos casos I e II os dois defeitos de visão mais comuns.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Imagens ópticas (1)ë - Dióptros

Imagens ópticas (1)ë - Dióptros Imagens ópticas (1)ë - Dióptros Dióptros Dióptro : sistema óptico constituído por dois meios transparentes homogéneos, separados por uma superfície bem definida. Se a superfície de separação é plana, chama-se-lhe

Leia mais

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO - LENTES ESFÉRICAS a) INTRODUÇÃO AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO extremidades finas serão divergentes e as extremidades grossas Lentes de extremidades finas Lentes de extremidades grossas n Lente

Leia mais

Profa. Dra. Liliane Ventura

Profa. Dra. Liliane Ventura APOSTILA DO CURSO DE BIOENGENHARIA OCULAR Laboratório de Instrumentação Oftálmica Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo O Olho Humano e as Ametropias Oculares Profa. Dra. Liliane

Leia mais

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof.

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Física: Óptica Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Com relação às afirmações: I. A luz amarelada e a luz verde têm a mesma freqüência. II. No interior

Leia mais

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades Aula n ọ 11 A VISÃO 01. Como funcionam exatamente os olhos? Até cerca do ano 1000 d. C., acreditava-se que os olhos emitiam luz e que essa luz de algum modo formava uma imagem. As pessoas pensavam que,

Leia mais

Aula 9 Lentes esféricas

Aula 9 Lentes esféricas Exercícios de Classe: Aula 9 Lentes esféricas 01. Na representação a seguir o centro óptico da lente coincide com a posição indicada pelo número: 04. (UECE) Uma lente biconvexa é imersa num meio cujo índice

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Curso de Óptica Aplicada

Curso de Óptica Aplicada Curso de Óptica Aplicada TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Documento de preparação do Trabalho Experimental TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Finalidade A

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão.

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. PRK O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. Técnica Cirurgia realizada na superfície da córnea, sem a necessidade de corte. Indicação Correção

Leia mais

Preciso usar óculos?

Preciso usar óculos? A U A UL LA Preciso usar óculos? Você lembra daquela brincadeira de criança chamada cabra-cega? Nela, coloca-se uma venda nos olhos de um dos participantes que, sem conseguir enxergar nada, precisa pegar

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II Aparecida de Goiânia, de de 205. Aluno (a): nº Série: 2 Ano Turma: Professor (a): Cristiano C. Gonçalves (cristiano_fisica@hotmail.com) LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM5 LENTES PARE II Vergência

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais