Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa"

Transcrição

1 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Heteroforias Definição É um desvio latente que os eixos visuais estão fixando normalmente o objeto de fixação, ou seja, estão paralelos, mas há um desvio quando os olhos estão dissociados. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa Está presente na maioria da população; Diagnóstico obtido através do cover teste. O desvio aparece no cover alternado por este ser dissociante. Etiologia das heteroforias: Anatômica Orientação, tamanho e formato da órbita ou do globo ocular; Volume e quantidade de tecido retrobulbar e organização anatômica geral; Condição e funcionamento das fáscias e ligamentos da órbita; Inervacional Alteração nos impulsos nervosos que chegam aos olhos e perturbação na integração dos MEO. Refracional Efeitos na acomodação causando desalinhamento ocular pela falta de sincinesia acomodação/convergência. Heteroforias podem estar: 1) Compensadas: Sem sintomas 2) Descompensadas: Com sintomas (dificuldade de manter o desvio na forma latente) Classificação Feita em relação à direção do movimento ocular para recuperar a fusão através do cover test.

2 Ortoforia: Quando não há movimento na dissociação. Olhos sempre alinhados. Desvios horizontais: Endoforia (E): desvio latente convergente Exoforia (X): Desvio latente divergente Desvios verticais: Hiperforia (H): desvio vertical para cima Hipoforia (Ho): Desvio vertical para baixo Desvios torcionais : Excicloforia: Desvio latente torcional para direção temporal. Incicloforia: Desvio latente torcional para direção nasal. Sintomatologia As forias passam a ter importância quando se tornam descompensadas, ou seja, passam a apresentar sintomas. Esses sintomas estão relacionados ao esforço visual para perto sendo menos freqüentes para longe. Os sintomas podem estar isolados ou em conjunto e são denominados astenopia.. Os sinais mais freqüentes são: Cefaléia frontal ou occiptal Lacrimejamento Ardor Hiperemia Embaralhamento Dor e cansaço ocular Perda de linha na leitura Dificuldade de troca de fixação perto e longe Fotofobia Diplopia Náuseas

3 Mal estar Tontura Geralmente os sintomas não aprecem pela manhã e são aliviados com o descanso. O aparecimento de sintomas depende do estado senso-motor dos olhos, da utilização da visão e da integridade física e emocional do indivíduo. Astenopia Pode ser muscular (esforço em manter a fusão) ou acomodativa (insuficiência de acomodação ou erro refrativo não corrigido). Tipos de Heteroforias Endoforias Desvio convergente mantido latente pelo reflexo de fusão. Ao cover alternado, percebe-se movimento de dentro para fora. A maioria das endoforias é acomodativa Causas mais comuns: excesso de acomodação (provavelmente por causa de uma hipermetropia não corrigida); excesso de atividade para perto; espasmo de acomodação. Classificação: Endoforia Básica: P=L e CA/A normal Endoforia por excesso de convergência: P>L e CA/A alta (>10 dp) Endoforia por insuficiência de divergência: P<L e CA/A baixa (>10 dp) Sintomas comuns: Diminuição da percepção de profundidade; Cefaléia durante e após atividade visual. Tratamento: Óptico: Correção da hipermetropia ajuda a diminuir a endoforia e acabar com seus sintomas. Do tipo excesso de convergência, algumas vezes torna-se manifesta para perto e nesses casos usa-se lente bifocal para restaurar a visão binocular. Ortóptico: Técnicas para melhorar a divergência fusional e combater a

4 supressão. Prismático: Quando a CA/A é baixa. É um tratamento temporário e não deve ultrapassar 10 pd sendo o desvio parcialmente corrigido para que a vergência fusional continue a ser exercida. Farmacológico: utilizam-se mióticos. Cirúrgico: em último caso. Desvio deve ter tamanho médio a grande. Exoforia Desvio divergente mantido latente pelo reflexo de fusão. Ao cover alternado o olho faz movimento de fora para dentro. Maior incidência. Classificação Exoforia Básica: P=L e CA/A normal. Exoforia por insuficiência de Convergência: P>L e CA/A baixa. Exoforia por excesso de divergência: P<L e CA/A alta. Sintomas Borramento e amontoamento das letras após leitura prolongada Cefaléia frontal Dor retrobulbar Tratamento Óptico: Não prescrito em hipermetropias pequenas. Nas miopias e astigmatismos a lente deve ser prescrita mesmo para valores pequenos. Ortóptico: exercícios e técnicas para melhorar amplitude fusional com enfoque para a convergência. Prismáticos: Prismas base nasal Farmacológico: ciclopégico fraco que não paralise totalmente a acomodação. Imagem borrada obriga olho a acomodar melhorando o desvio. Pouco utilizado. Cirúrgico: desvio médio a grande. Insucesso nos tratamentos anteriores. Hiperforias Geralmente associadas a desvios horizontais Etiologia: paresia muscular, alterações ou anomalias de inserção dos anexos orbitários, alta miopia, ptose. Incomitâncias são freqüentes. Classificação: Estática: afeta igualmente os dois olhos não variando com as posições do olhar Parética: varia com as posições do olhar

5 Espástica: desvio apresenta-se somente em destro e levoversões. Sintomas comuns: Diplopia que leva pacientes a fechar um dos olhos. Cefaléia seguida de náuseas e vômitos. Tipo de desvio mais suscetível a apresentar astenopia por causa de sua amplitude fusional reduzida Tratamento: Óptico: correção do centro óptico Ortóptico: para melhorar amplitude vertical, mas é pouco indicado por que a amplitude vertical é muito pequena. Prismático: tratamento de escolha, pois como amplitude fusinal vertical é pequena, pode-se utilizar prismas de pequeno valor. Cirúrgico: Só quando o desvio for grande Cicloforias Geralmente desvio vertical associado Causas mais comuns são alterações musculares (músculos oblíquos) e astigmatismos oblíquos não-corrigidos. Sintomas comuns: Geralmente sem sintomas; Diplopia torcional Tonturas Dificuldade para descer escadas Cefaléia Náuseas e vômito Tratamento: Óptico: Correção do astigmastismo

6 Prismático: correção de hiperforia associada Cirúrgico: em último caso, quando o problema não é de causa refracional. Propedêutica da heteroforias 1) Identificação do paciente: nome, idade, sexo, profissão, nascimento, setor de encaminhamento 2) Anamnese: Queixa e duração, história pregressa da moléstia atual, estado geral de saúde, sinais, tratamentos anteriores, antecedentes familiares 3) Acuidade Visual: geralmente para longe, com correção e cortical 4) Ponto próximo de acomodação: com régua RAF 5) Cover test; 6) Prisma e Cover; 7) Outros métodos de medida: Maddox Rod, Duplo Maddox, Maddox Wing e Sinotóforo 8) Fixação Binocular 9) Rotações Binoculares 10) Ponto Próximo de Convergência 11) Amplitude de fusão: Valores normais: a) Convergência; prisma base temporal perto 30 a 35 dp e longe 20 a 25 pd b) Divergência: prisma base nasal perto 12 a 14 e longe 6 a 8 pd c) Vertical: supra (base inferior) e infra (base superior) 3 pd d) Ciclovergência: 2 a 3 graus 12) Acuidade estereoscópica 13) Dominância ocular

7 Anomalias de acomodação São mais raras que as heteroforias e a insuficiência de convergência. Podem ocorrer por excesso ou insuficiência de acomodação Espasmo de Acomodação Pupila miótica Excesso de acomodação. Pseudo-miopia, causando perda da acuidade visual à distância, visão borrada para longe, diplopia. As causas podem ser: 1) Oculares hipermetropia não corrigida ou exotropia intermitente. 2) Orgânicas - drogas colinérgicas, inflamação ocular, morfina e álcool. 3) Funcional sem causa conhecida. Conduta: algum erro refrativo significativo deve ser corrigido. A causa, se conhecida, deve ser tratada. Tratamento: Atropina (relaxa acomodação, mas torna visão borrada) + óculos para perto. Paralisia de Acomodação Condição isolada ou acompanhada de paralisia de convergência. Afeta um ou ambos olhos. Visão borrada em todas as distâncias aquém do infinito Pupila, ou pupilas dilatadas não reagindo a estímulos acomodativos. Em PPO: XT (paciente queixa-se de diplopia cruzada); PPC remoto PPA afastado para a idade Etiologia: traumas, drogas (atropina) e condições neurológicas (encefalite, esclerose múltipla, etc) Conduta: a causa deve ser tratada se possível, correção de erro refrativo,

8 prisma base nasal e lentes positivas. Insuficiência de acomodação Geralmente ambos olhos estão afetados. Sintomas: Visão borrada para perto, astenopia. PPA afastado para a idade Pode ter sintomas astenópicos compatíveis com o esforço para acomodar. Desvio em PPO: E ou ET para perto Etiologia: 1) Desuso de acomodação após correção óptica. 2) Saúde geral fraca. 3) Trauma local no olho. 4) Drogas. Conduta: a tratar causa se possível, corrigir qualquer erro refrativo e óculos para leitura. Fadiga acomodativa Nessa condição a acomodação é inicialmente suficiente para as necessidades do paciente, mas se deteriora com o uso continuado. Sintomas e sinais: são similares à insuficiência de acomodação. A condição pode ser precipitada com saúde fraca e estress emocional. Etiologia: Não há causas especificas. Conduta: erros refrativos devem ser corrigidos e deve-se dar atenção a condição geral do paciente. Síndrome do esforço acomodativo Sintomas: astenopia muscular e acomodativa, diplopia-borramento. PPC: Normal para a idade PPA: normal para a idade Vergência fusional: divergência fusional reduzida Desvio em PPO: E Etiologia: fadiga acomodativa Tratamento: lente positiva óculos para leitura. Miótico facilitador da acomodação.

9 Inércia acomodativa Retardo no esforço acomodativo ou no relaxamento. Ambos olhos são afetados e os pacientes geralmente estão na faixa dos 30 a 40 anos. Visão borrada na mudança de foco de longe para perto ou de perto para longe. Etiologia: é mais comum em pacientes neuróticos e pacientes psicologicamente normais que estão desenvolvendo mudanças no cristalino (catarata). Conduta: Correção de um erro refrativo pode ajudar no conforto visual do paciente e exercícios ortópticos. Insuficiência de Convergência PPC remoto e amplitude de convergência reduzida para a visão de perto. O PPA é normal e correspondente à idade do paciente. Etiologia: convergência pobre Em PPO: X ou X(T) Sintomas: dor de cabeça frontal, visão borrada e diplopia intermitente para perto compatível com a dificuldade para manutenção da convergência. Tratamento é ortóptico. Insuficiência de convergência associada à insuficiência de acomodação (sistêmica) O PPC é remoto e o PPA é afastado para a idade Seu reconhecimento é feito através da medida do PPA reduzido e relação CA/A reduzida ou ausente. Pacientes com insuficiência de convergência sistêmica não respondem ao tratamento ortóptico O início é gradual e as queixas são semelhantes às da insuficiência de convergência. Etiologia: sistêmica como infecção, drogas etc. Importante resolver agente causal. Insuficiência de convergên cia Ocular Sistêmica Sintomas Astenopia, diplopia Astenopia, diplopia, borramento PPC remoto remoto PPA Normal para a idade Afastado para a idade Vergência fusional Convergência reduzida Convergência reduzida

10 Idade anos. Pacientes jovens. Maioria em idade escolar anos Desvio em PPO X ou X (T) X ou X(T) Etiologia Pobre convergência Doença sistêmica Tratamento Ortóptico (aumentar convergência fusional e PPC) Insuficiência de divergência Lente positiva (< valor que fique sem sintomas) ou prisma Base nasal Endoforia pré-existente para longe que se torna manifesto. Desvio em PPO: E(T) ou ET para longe em pacientes que mantém fusão para perto (endodesvio P<L) Desvio comitante em todas posições do olhar Sinais e sintomas: astenopia, fadiga ocular, cefaléia, diplopia homônima; Vergência fusional: divergência reduzida (P e L) e convergência normal; Diminuição da endoforia por aproximação do ponto de fixação Tratamento: exercício ortóptico (aumentar amplitude de divergência) e prisma base temporal Paralisia de Divergência ET para longe associado à história de trauma na cabeça e outros problemas neurológicos. Sinais e sintomas: 1. Aparecimento súbito de diplopia homônima para longe; 2. ET (que pode diminuir nas lateroversões) 3. Divergência fusional reduzida ou ausente L e P 4. Fusão a uma distância entre cm Diferenciação com paralisia de RL Diferenciação com espasmo de convergência Tratamento: Prisma base temporal ou procedimento cirúrgico de dupla ressecção de RL.

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA QUESTÃO 16 O estímulo luminoso elaborado na superfície da retina percorre nesta ordem as seguintes estruturas até atingir o córtex visual: A) nervo óptico, quiasma óptico,

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

ESTRABISMO E HETEROFORIA

ESTRABISMO E HETEROFORIA DISTÚRBIOS DA VISÃO BINOCULAR ESTRABISMO E HETEROFORIA Jailton Vieira Silva 1 Bruno Fortaleza de Aquino Ferreira 2 Hugo Siquera Robert Pinto 2 OBJETIVOS DE APRENDIZADO Compreender os fundamentos da visão

Leia mais

Dina Drogas Ortoptista

Dina Drogas Ortoptista Desvio Vertical Dissociado ELABORADO POR: Dina do Carmo Drogas (Técnica Diagnóstico e Terapêutica de Ortóptica) 1 Índice Dina Drogas Características Clínicas Exploração e Diagnóstico... 4 Medição do Desvio...

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica 1 Comunicação na Ótica Transformando complicadas características técnicas em convincentes argumentos de venda É verdade que estamos passando por uma fase da Óptica onde a informação tem sido a principal

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

BIOFÍSICA DA VISÃO Existe a cabeça de um homem na figura. Onde? Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras... Conflito no cérebro: o lado direito do seu cérebro tenta dizer a cor, enquanto o lado

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação 1 Introdução Quando um cliente retorna à loja reclamando de seus novos óculos com lentes progressivas, há uma chance em um milhão de resolver o problema dele na primeira tentativa. Deve-se evitar que ele

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor De olho nos seus OLHOS! Síndrome da visão do computador Índice Vista Vermelha, embaçada e

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Conheces a janela através da qual vês o mundo???

Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Pestanas : São filas de pêlos fininhos que saem das

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas:

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. Aberração Cromática. A Lente equivalente à associação de duas lentes Justapostas, apresenta vergências das lentes associadas:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio

Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio 01 - (ACAFE SC/2012) A figura abaixo mostra esquematicamente o olho humano, enfatizando nos casos I e II os dois defeitos de visão mais comuns.

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C.

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. Lança Aveiro, 2015 Introdução Computer Vision Syndrome (CSV): Conjunto

Leia mais

AMETROPIAS E PRESBIOPIA

AMETROPIAS E PRESBIOPIA Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: OFTALMOLOGIA PARA O CLÍNICO 30: 20-26, jan./mar. 1997 Capítulo III AMETROPIAS E PRESBIOPIA AMETROPIAS AND PRESBYOPIA Harley E. A. Bicas Docente do Departamento de Oftalmologia

Leia mais

Avaliação de uma Paralisia Oculomotora

Avaliação de uma Paralisia Oculomotora Sónia Barão - Ortoptista Introdução Um desequilíbrio motor provocado pela paralisia de um ou vários músculos extraoculares deve ser, sempre que possível, claramente distinguido de um estrabismo comitante

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS 1) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Para que os seguranças possam controlar o movimento dos

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Saúde E Segurança oculus.com/warnings

Saúde E Segurança oculus.com/warnings Saúde E Segurança oculus.com/warnings * Estas advertências de saúde e segurança são atualizadas periodicamente para garantir que estão sempre corretas e completas. Acede a oculus.com/warnings para obteres

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro.

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro. Introdução Milhares de trabalhadores precisam exercer suas atividades utilizando óculos com lentes corretivas ao mesmo tempo que precisam usar óculos de segurança para se proteger contra os riscos inerentes

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

Data: /10/14 Bimestr e:

Data: /10/14 Bimestr e: Data: /10/14 Bimestr e: 3 Nome : Disciplina Ciências : Valor da Prova / Atividade: 2,0 Objetivo / Instruções: Lista de Recuperação Professo r: 8 ANO Nº Ângela Nota: 1.O neurônio é a célula do sistema nervoso

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA Esclerose Lateral Amiotrófica ELA É uma doença implacável, degenerativa e fatal que afeta ambos os neurônios motores superior e inferior; Etiologia desconhecida; Incidência de 1 a 2 : 100.000 pessoas;

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Óptica do olho Humano.

Óptica do olho Humano. Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Instituto de Física Metodologia do Ensino de Física I Professor Dr. Maurício Pietrocola Óptica do olho Humano. Autores: Allan Fernandes do Espirito Santo

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas

Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas Rita Isabel Vieira do Vale Dissertação para

Leia mais

ALBINISMO: o que é? Melanina:

ALBINISMO: o que é? Melanina: Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira ALBINISMO: o que é? Melanina: A melanina é um pigmento que dá cor à pele, ao cabelo e aos olhos, protegendo

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

Imagem real e virtual Espelho plano Constando fatos que ocorrem num espelho plano Espelho Esférico Espelhos côncavos e convexos

Imagem real e virtual Espelho plano Constando fatos que ocorrem num espelho plano Espelho Esférico Espelhos côncavos e convexos Imagem real e virtual Pode-se dizer que uma imagem real é aquela que podemos projetar num anterparo (tela,parede...), já a imagem virtual não pode ser projetada. Ainda pode-se dizer, de acordo com os raios

Leia mais

GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO

GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO Keratoconus Nipple Cone Irregular Cornea Post Graft GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO ROSE K2 ROSE K2 NC NIPPLE CONE CÓRNEA IRREGULAR PÓS-TRANSPLANTE APRESENTAÇÃO Fácil adaptação usando uma abordagem sistemática

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11 - 1 - ÍNDICE Introdução 2 Deficientes mentais 3 Deficientes mentais reabilitados 5 Doentes crónicos 7 Deficientes motores 9 Deficientes visuais 11 Deficientes auditivos 13 Apresentação do Grupo de Trabalho

Leia mais

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA

OFTPRED. Suspensão Oftálmica Estéril. acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA OFTPRED LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA Suspensão Oftálmica Estéril acetato de prednisolona 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO OFTPRED acetato de prednisolona 1,0% APRESENTAÇÕES Suspensão

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 15 de Novembro de 2007 Disciplina: Oftalmologia Prof.: Walter Rodrigues Tema do Seminário: Ametropias e Presbiopia Autores: Catarina Custódio dos Santos Equipa Revisora:

Leia mais

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml COLÍRIO PRESMIN betaxolol 0,5% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program

Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program S. Mogo 10 de Janeiro de 2008 O método analítico dos #21 pontos surgiu devido à tentativa de substituir métodos empíricos por regras precisas.

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia 1 Introdução Ao assistir à aula você conheceu sobre o que é uma lente progressiva a fim de auxiliálo no entendimento do que é a topografia da lente. Esse estudo tem como objetivo de revelar o que o merchandising

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Óptica da Visão. 2. (G1 - utfpr 2015) Sobre o olho humano, considere as seguintes afirmações:

Óptica da Visão. 2. (G1 - utfpr 2015) Sobre o olho humano, considere as seguintes afirmações: Óptica da Visão 1. (Fuvest 2012) Num ambiente iluminado, ao focalizar um objeto distante, o olho humano se ajusta a essa situação. Se a pessoa passa, em seguida, para um ambiente de penumbra, ao focalizar

Leia mais

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável.

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável. Saúde Ocular Atitudes para uma visão saudável. O OLHO HUMANO Todos os sentidos do corpo humano são importantes, mas a visão é o que estimula grande parte das informações recebidas e interpretadas pelo

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto REFRAÇÃO LUMINOSA Refração é o fenômeno que ocorre quando a luz muda de meio de propagação, causando mudança na sua velocidade. Alguns efeitos da refração da luz Miragens Objetos quebrados Profundidade

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Materiais de Armações

Projeto CAPAZ Básico Materiais de Armações 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso ao método de leitura e de interpretação de uma receita médica. Resgatou, também, os conhecimentos de ametropias e lentes oftálmicas disponibilizados em

Leia mais

As implicações de problemas visuais no processo de aprendizagem escolar das crianças

As implicações de problemas visuais no processo de aprendizagem escolar das crianças UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde As implicações de problemas visuais no processo de aprendizagem escolar das crianças Mariana Abreu Fernandes Dissertação para obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II Aparecida de Goiânia, de de 205. Aluno (a): nº Série: 2 Ano Turma: Professor (a): Cristiano C. Gonçalves (cristiano_fisica@hotmail.com) LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM5 LENTES PARE II Vergência

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

VISÃO: MITOS E VERDADES

VISÃO: MITOS E VERDADES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira VISÃO: MITOS E VERDADES Quem usa óculos enxerga pior à noite? Os míopes enxergam menos à noite, mesmo

Leia mais

502 Alterações motoras após cirurgia refrativa no paciente estrábico

502 Alterações motoras após cirurgia refrativa no paciente estrábico Alterações motoras após cirurgia refrativa no paciente estrábico Motor disturbances after refractive surgery in patients with strabismus Rosana Nogueira Pires da Cunha 1 Inez Eloísa Isoldi 2 Marcelo Cunha

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta (0,03%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente Pág. 1 de 7 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é fornecer informações sobre doenças e condições oculares

Leia mais

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA João Rafael Ferreira de Jesus Rosa Orientador: Dr. Rodrigo da Silva Santos Faculdade Alfredo Nasser E-mail: joaorafaelf94@gmail.com RESUMO O glaucoma é uma neuropatia

Leia mais

CETROLAC (trometamol cetorolaco)

CETROLAC (trometamol cetorolaco) CETROLAC (trometamol cetorolaco) União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução oftálmica estéril 5 mg/ml 1 CETROLAC trometamol cetorolaco Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Colégio Nacional de Óptica e Optometria

Colégio Nacional de Óptica e Optometria 1 ÍNDICE COMPETÊNCIAS:...3 1. CONTEXTO HISTÓRICO DA OPTOMETRIA...4 2. EXAME OPTOMÉTRICO OU HISTÓRIA CLÍNICA OPTOMÉTRICA...4 3- DADOS DO PACIENTE;... 5 4- ANAMNESE.... 5 5- ACUIDADE VISUAL... 8 6. OPTOTIPOS...

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

FÍSICA ENEM PROF. RAWLINSON IBIAPINA

FÍSICA ENEM PROF. RAWLINSON IBIAPINA FÍSICA ENEM PROF. RAWLINSON IBIAPINA Lei de Faraday Φ = B.A. cos θ ε = N Δ ΔΦ t 2 FÍSICA ENEM Transformadores FÍSICA ENEM Transformadores FÍSICA ENEM Esquema de ligação 6 Lanterna Perpétua de Faraday Lanterna

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2º CICLO: OPTOMETRIA DO AMBLÍOPE

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2º CICLO: OPTOMETRIA DO AMBLÍOPE UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR 2º CICLO: OPTOMETRIA DO AMBLÍOPE Coligação de Apontamentos: Vasco M. N. Almeida 2008/2009 TÓPICO 1: VISÃO BINOCULAR -2- O que é a fixação? "A fixação é um fenómeno visual

Leia mais