PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLUÇÕES SAPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLUÇÕES SAPA"

Transcrição

1 PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA

2 Sbi que s jnels de má qulidde são responsáveis té 30% ds necessiddes de quecimento de um cs? m ds medids mis eiczes seguir é troc de jnels, pois são os elementos mis vulneráveis d envolvente dos ediícios n medid em que são responsáveis pels trocs térmics entre o exterior e o interior. Estim-se que entre 25% 30% ds necessiddes de quecimento são devids perds de clor com origem ns jnels de má qulidde. Ao substituir s jnels por modelos recentes de melhor desempenho podemos controlr s trocs de clor por rdição, reduzir s iniltrções de r não controlds, umentr cptção de gnhos solres no inverno, reorçr proteção d rdição solr durnte o verão, melhorr s condições de ventilção nturl. Qundo se ssoci o eeito dests medids, de orm cumultiv, os resultdos podem tornr-se rncmente stistórios, representndo poupnç de recursos e gnhos económicos muito encorjdores.

3 N renovção de um ediício, e pr melhorr clssiicção energétic, é undmentl seleccionr um bo cixilhri. O conorto, bem-estr e poupnç de energi dependem de pequens decisões que deve tomr no momento certo. Ao tomr s decisões corrects poderá usuruir ds inúmers vntgens que cixilhri de lumínio lhe oerece: Aumento do conorto; Poupnç de energi e do mbiente; Melhores condições de ventilção nturl; Redução ds trocs de r; Aumento d cptção de gnhos solres no inverno; Melhor isolmento cústico; É um ds medids mis prátics de relizr e com um przo de retorno mis curto; Ajud tingir um melhor clssiicção energétic d hbitção ou ediício. MAIS EFICIENTE MENOS EFICIENTE SEEP: Melhores produtos, melhor eiciênci O Sistem de Etiquetgem Energétic de Produtos (SEEP) é um sistem de mrcção ou etiquetgem voluntário que permite o consumidor inl comprr o desempenho energético de produtos pel su clssiicção energétic, servindo como um instrumento de incentivo à melhor escolh de produtos e um mior poupnç n ctur ds mílis com energi em sus css. As dierentes clsses energétics d etiquet SEEP clssiicm o desempenho energético, num escl de G (menos eiciente) A (mis eiciente), permitindo ssim comprção entre produtos. Pr sber mis sobre o SEEP, consulte SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 3

4 BW O sistem BW é reerênci no mercdo pr sistems rios de câmr europei. Com 40 mm de envergdur e câmr de cordo com s norms europeis de uniormizção, BW present soluções superiores pr s mis diversiicds necessiddes, quer pr recuperção do ntigo, quer pr s novs construções. 4mm Bites rectos 22mm 4mm Bites curvos 18mm Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 5A Resistênci o Vento Clsse C5 =6,0W/m 2 K =3,5W/m 2 K* Comportmento cústico RW=34dB(-1,-4) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº23391 e nº Cixilho com 2400x1400(LxH) * g =2,0W/m 2 K BX Com um concepção bsed n robustez e n sobriedde ds orms, o sistem BX permite execução de vãos em tods s tipologis de btente. Os cessórios disponíveis pr este sistem permitem múltipls soluções estétics e de cbmento, permitindo dptção dierentes estilos rquitectónicos. Bites rectos Bites curvos 5mm 34mm 9mm 29mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 9A Resistênci o Vento Clsse C5 =6,1W/m 2 K =3,6W/m 2 K* Comportmento cústico RW=34dB(-1,-3) Not: Ensios obtidos em orgnismo notiicdo nº 1668, reltório nº , nº e nº Cixilho com 2400x1400mm (LxH). * g =2,0W/m 2 K B90 O sistem B90 é especilmente indicdo pr ports de entrd e montrs de grndes dimensões. Pode tmbém ser integrdo nos sistems de chd Sp. Permite ports vi-vem com mecnismo ntientlmento, que ssent no recurso peris que incorporm elementos à bse de borrch de elevd resistênci, resgurdm os utilizdores de possíveis entlmentos. 18mm 52mm Permebilidde o Ar Clsse 1 Estnquidde à Águ Clsse 2A Resistênci o Vento Clsse C2 Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº Cixilho com 2400x2400(LxH)

5 THERMO 74 Sistem de port de entrd, com 74mm de proundidde e ruptur de ponte térmic, vocciondo pr vãos de grndes dimensões e utilizção intensiv. A polimid reorçd com ibr de vidro, de 30mm, ssegur um pereit solidez e resistênci mecânic o conjunto, conerindo-lhe simultnemente excelentes proprieddes térmics e cústics. O sistem Thermo 74 present-se como um produto de qulidde, permitindo construção de ports com dimensões geneross e peso té 140kg por olh, ssegurndo grnde luminosidde nturl, representndo um misvli pr projectos onde se procure um compromisso de solução técnic e uncionl. 20mm 50mm PRO50 Sistem de jnels de btente com ruptur de ponte térmic de desempenho reorçdo, que permite um mior economi de energi um preço competitivo. O sistem PRO50 li eiciênci térmic, isolmento cústico e uncionlidde, originndo um sistem de btente muito competitivo, cpz de dr respost eectiv às necessiddes económics do mercdo d rebilitção ou construção nov. 18mm 44mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse E1200 Resistênci o Vento Clsse C5 =2,9W/m 2 K =2,3W/m 2 K* Not: Ensios obtidos em orgnismo notiicdo nº 1668, reltório nº , nº e nº Cixilho com 1400x1200mm(LxH) * g =1,4W/m 2 K BZi Solução Bse e Oculto Solução Bse Solução Bse Solução Oculto Bites rectos Bites curvos 18mm 52mm 18mm 45mm Permebilidde o Ar Estnquidde à Águ Resistênci o Vento Clsse 4 Clsse E1050 Clsse C5 =2,8W/m 2 K =2,2W/m 2 K* Comportmento cústico RW=38dB(-1,-4) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº23381 e nº Cixilho com 2400x1400(LxH) * g =1,4W/m 2 K Sistem com ruptur de ponte térmic vocciondo pr o mercdo d construção de qulidde e renovção, bsedo sobretudo num estilo moderno onde predominm superícies liss e ângulos rectos, embor contemple tmbém um módulo complementr com orms curvs e enqudrds n rquitectur trdicionl portugues. A solução Ocult present um vist reduzid de lumínio com olh ocult. A olh móvel está ocult no ro ixo, mximizndo s áres envidrçds trvés de moldur mínim de lumínio. Solução Oculto 26mm 32mm Permebilidde o Ar Clsse 3 e 4 Estnquidde à Águ Clsse E900 Resistênci o Vento Clsse C3 e C5 =3,7 e 5,9W/m 2 K =2,0 e 3,7W/m 2 K* Comportmento cústico RW=34dB(-1,-4) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº Cixilho com 2400x1400(LxH) * g =1,4W/m 2 K SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 5

6 Slimcse By Souto Mour Slimcse é um conceito de vists minimlists plicdo um sistem de jnels, onde predomin o vidro e exteriormente prent ter um colgem estruturl. Pelo exterior present um moldur serigrd negro e um in expressão de lumínio. É um sistem de btente desenvolvido em prceri com o rquitecto Edurdo Souto de Mour, com excelente desempenho ns principis crcterístics uncionis, vocciondo pr projectos de rquitectur de vngurd, onde se pretende vãos de grnde simplicidde visul. Os pnos de vidro em qulquer ds tipologis (olhs ixs ou olhs de brir) presentm mesm vist, conerindo um specto singulr e homogéneo o conjunto. 28mm 36mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 7A Resistênci o Vento Clsse C4 =6,4W/m 2 K =2,2W/m 2 K* Not: Ensios obtidos em orgnismo notiicdo nº 1239, reltório nº143. Cixilho com 3000x1150(LxH) * g =1,4W/m 2 K Perormnce 70 FP P70 SHI Pr os projectos mis mbiciosos em termos de eiciênci térmic, Sp lnçou o sistem Perormnce 70, num gm complet e evolutiv, com soluções prticulrmente voccionds pr o mercdo d renovção mis exigente. O sistem de ports e jnels de btente P70 FP oi desenvolvido segundo um conceito evolutivo, permitindo tingir 4 níveis de isolmento térmico: Básico (P70), Isold (P70 I), Super Isold (P70 SI) e Altmente Reorçdo (P70 SHI). 20mm 56mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse E900 Resistênci o Vento Clsse C3 w =1,4W/m 2 K* (Coe. min) =1,1W/m 2 K** Comportmento cústico RW=28/38dB*** Not: Ensios obtidos em orgnismos notiicdos: Ensio cústico: CSTB nºac /2. Ensio AEV Cixilho com 1800x2250mm(LxH): Bureu Verits EN-2106 (2 olhs Btente + Fixo); Bureu Verits EN-2110, EN-2111 (1 olh Projectnte); Bureu Verits EN-2125 (2 olhs Oscilo btente). Ensio térmico: CSTB nº BV * g = 1,0 W/m2K ** g = 0,6 W/m2K *** Dependendo do vidro utilizdo. Avntis 95 O novo sistem de btente Avntis 95, li orç do lumínio e o desempenho térmico excepcionl, stiszendo os critérios de construção e os requisitos d rquitectur contemporâne e css pssivs. Avntis 95 permite jnels e ports de lumínio resistentes às mis extrems condições climátics. 20mm 56mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse E1950 Resistênci o Vento Clsse C5 (Coe. min.) =0,69W/m 2 K* =0,8W/m 2 K** Not: Ensios obtidos em orgnismos notiicdos, com cixilho de 1230x1480mm (LxH). * EN ISSO ** Certiicção do Instituto Cs Pssiv.

7 CLe Sistem desenvolvido penr n construção económic de qulidde, vocciondo pr renovção e reconstrução ou pr construção nov com custos controldos. Este sistem é constituído por um módulo principl e por um módulo duplo com estore interior. 4mm Vidro simples 6mm 11mm Vidro duplo 18mm Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B3 =7,8W/m 2 K =3,7W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-3) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº20623 e nº Cixilho com 1600x2000(LxH) * g =2,0W/m 2 K CX O sistem CX oi desenvolvido com bse em critérios exigentes de solidez e design, tingindose robustez com inovção ds orms. É um sistem com linhs rects pr obrs contemporânes e linhs trdicionis pr construção e renovção do ntigo. 14mm Peris rectos 22mm 16mm Peris curvos 20mm Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 7A Resistênci o Vento Clsse B4 =7,9W/m 2 K =3,9W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº20617, nº e nº Cixilho com 1700x2200(LxH) * g =2,0W/m 2 K CS Euro Concebido pr plicções em situções de elevd exigênci construtiv oerecendo grntis ímpres n construção de jnels de correr com olhs de grndes dimensões. É um sistem constituído por um conjunto de peris diversiicdos, com um design de linhs rects que permite ser plicdo em obrs de rquitectur modern. Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B5 =8,8W/m 2 K =4,0W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº22062 e nº nº Cixilho com 2400x2400(LxH) * g =2,0W/m 2 K SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 7

8 Slimslide By Souto de Mour O sistem de correr Slimslide by Souto Mour é vocciondo pr projectos de rquitectur que contemplm vãos de grnde mplitude, com um vist reduzid de lumínio. A resistênci mecânic é ssegurd pel concepção geométric dos elementos e pel solidez do conjunto lumínio-vidro que dvém do processo de colgem. É especíico pr ports de grnde dimensão, onde se li economi de energi, isolmento térmico e cústico. 32mm Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 5B Resistênci o Vento Clsse B5 =10,0W/m 2 K =2,3W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-1) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº20620, nº e nº Cixilho com 3000x2400(LxH) * g =1,4W/m 2 K Sotslide Solução 60 e 94 22mm 28mm Sotslide 60 Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B4 =4,6W/m 2 K =2,1W/m 2 K* Sistem de jnels de correr com ruptur de ponte térmic prticulrmente vocciondo pr projectos de rebilitção, com desempenho térmico melhordo que permite um mior economi de energi. Apresent cpcidde pr receber vidros té 28mm de espessur e um sistem de encixe pr peris de remte o vão, especilmente indicdo pr obrs de rebilitção urbn. Combin isolmento térmico e cústico de nível superior com eiciênci, levez, design e uncionlidde, tornndo-se o sistem de correr com melhor competênci técnic de respost às necessiddes do mercdo residencil. Disponível com ro ixo de 60mm e de 94mm. 22mm 28mm Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Ensios obtidos em orgnismo notiicdo nº 1239, reltório nº140-1 e nº141. Cixilho com 2400x2400(LxH). * g =1,4W/m 2 K Sotslide 94 Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 7A Resistênci o Vento Clsse B5 =4,6W/m 2 K =2,1W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº263360, nº26337, nº26338 e nº Cixilho com 2600x2400(LxH). * g =1,4W/m 2 K Sotslide Glndge Solução de jnels monoril de correr com ruptur de ponte térmic com ocultção d olh móvel n prede, originndo um bertur totl pr o exterior e um mior optimizção do espço.sendo um solução especilmente vocciond pr rquitectur contemporâne mis dierencidor, pode tornr-se bstnte trctivo pr rebilitção de ediícios n medid em que o trblho de revestimento d prede pr ocultção de olhs móveis pode simultnemente ser usdo n recuperção d prede que ocult olh, recorrendo processos construtivos mis recentes (por exemplo, Pldur pr o interior ou cpoto pr o exterior).o sistem permite plicção de um ou dus olhs no mesmo ril. 22mm 28mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B4 =4,6W/m 2 K =2,2W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº140-1 e nº141. Cixilho com 1200x2400(LxH) * g =1,4W/m 2 K

9 Wideslide 150 O sistem Wideslide 150 é um produto com ruptur de ponte térmic de elevd qulidde, destindo pr projectos de rquitectur contemporâne mis exigentes. Permite vãos de correr com médis e grndes dimensões, suportndo 150Kg por olh ssegurndo grnde luminosidde nturl e economi de energi. A estétic ds linhs e robustez dos peris ssocids um elevdo desempenho térmico e cústico, conerem crcterístics ímpres o sistem. 24mm 32mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 6A Resistênci o Vento Clsse B5 =4,5W/m 2 K =2,1W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-3) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº20619, nº e nº Cixilho com 2600x2400(LxH) * g =1,4W/m 2 K Wideslide 250 Sistem de correr elevável, com ruptur de ponte térmic, vocciondo pr vãos de grndes dimensões. Pel su nturez grnte grndes superícies de luz, crindo um grdável comunicção com o jrdim ou terrço. O deslizmento de cd olh é de extrem suvidde e muito conortável, independentemente do peso e grndez do vão. É um sistem semi-perimentl: os ros móveis são únicos e os ros ixos dividem-se em soleirs / pdieirs e ombreirs. 20mm 34mm Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B4 =3,9W/m 2 K =2,1W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-3) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº0856, reltório nºj539/07 e nº 128/05 NAI Cixilho com 3100x2500(LxH) * g =1,4W/m 2 K Slimslide TB By Souto de Mour Slimslide TB by Souto de Mour é um sistem termicmente beneicido, vocciondo pr projectos de rquitectur que contemplem vãos de grnde mplitude, permitindo um vist reduzid de lumínio e oerecendo um excelente eiciênci energétic. Desenvolvido em prceri com o rquitecto Edurdo Souto de Mour, o produto bsei-se em peris de lumínio extrudido com ruptur de ponte térmic de vist rontl de lumínio muito leve. Com enchimento de 38mm de vidro duplo temperdo, coldo o ro de lumínio recorrendo silicone estruturl, proporcion um vist reduzid de 20mm no encixe centrl. O vidro serigrdo no interior e exterior, represent um toque de modernidde e distinção, dequdo os projectos de grnde mbição visul. 38mm Permebilidde o Ar Clsse 3 Estnquidde à Águ Clsse 4A Resistênci o Vento Clsse B5 =4,6W/m 2 K =1,8W/m 2 K* Not: Resultdos obtidos em ensios internos. Cixilho com 3000x2400(LxH) * g =1,4W/m 2 K SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 9

10 Artline A impressão de extrem simplicidde e levez d Artline é o resultdo d tenção especil dd à combinção entre o vidro, jnels sem ro à vist, iluminção elegnte e considerção cuiddos d rquitectur de espços onde A LZ É TDO. Com um design soisticdo, Artline é minimlist e tem um prênci leve e luid, crid pr jnels de grnde dimensão. O processo construtivo e os mteriis plicdos zem d Artline um sistem incomprável em termos de comportmento térmico e de desempenho mm e 40 42mm Resultdo dos ensios Permebilidde o Ar Clsse 4 Estnquidde à Águ Clsse E750 Resistênci o Vento Clsse C3 =1,4W/m 2 K* Comportmento cústico RW=30dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios internos, reltório nºt Cixilho com 2400x2500(LxH) * g =1,1W/m 2 K Elegnce 52 ST Solução Trdicionl SISTEMA DE FACHADA Solução Trdicionl Modo construtivo MT Modo construtivo MM Sistem de chd com um conjunto completo de opções construtivs hbitulmente utilizds no revestimento de ediícios. A plicção do produto está orientd pr ediícios onde su envolvente se pretende com totl trnsprênci e proveitmento d luminosidde nturl, ssegurndo simultnemente o cumprimento d legislção em vigor no que se reere spectos técnicos e mbientis.a chd prevê sistems integrds de drengem e ventilção do cixilho, trvés de peris, rsgos e cessórios especíicos do produto que se encontr em conormidde com legislção europei, beneicindo d mrcção CE. Permebilidde o Ar A4 Estnquidde à Águ R7 Resistênci o Vento 300P 2,6t 3,1t Trnsmissão Térmic 2,8m 3,7m Insonorizção 43 (-1;-5)dB Not: em vários píses d Europ como: Républic Chec; Polóni; Roméni; crâni; Alemnh; Bélgic e Frnç. Elegnce 52 IT Solução de Jnel Projectnte SISTEMA DE FACHADA Solução de jnel projectnte à itlin e projectnte prlel. Permite um bertur d chd com um solução integrd quer tecnicmente quer em design, pr s soluções de chd Elegnce 52 ST e Elegnce 52 SX.Permite enchimentos té 30mm de espessur totl, recorrendo à colgem estruturl do vidro o cixilho. A solução present dois cixilhos com proundiddes dierentes de orm permitir s dus tipologis de projectnte. Cont com vedção isolnte com um peril perimetrl em PVC de dus densiddes pr completr chd onde irá receber jnel. A loclizção d jnel é justável e permite sempre o linhmento pereito dos vidros d jnel e d chd. Permebilidde o Ar Estnquidde à Águ Resultdo de ensios Jnel Projectnte Jnel Projectnte Prlel A4 Resistênci o Vento 1200P 1200P Trnsmissão Térmic 1,8W/m 2 K 1,8W/m 2 K A4 R1200 R1200

11 Elegnce 52 HL e VL Solução Trmo Horizontl e Verticl SISTEMA DE FACHADA Solução especíic n montgem Montnte. Montnte que permite enchimentos entre 4 e 38mm. Integr váris possibiliddes de tmps. A linh verticl é um vednte de vidro em EPDM com 43.7mm de lrgur que pode esconder subtis peçs de segurnç verticl de vidro, permitindo lturs entre trvesss mis geneross. O sistem de drengem é eectudo pens pels trvesss, elemento dominnte neste tipo de solução. Elegnce 52 GF e SG Solução VEB e VEC SISTEMA DE FACHADA Solução VEB Solução VEC Solução VEB VEB - com qudros de vidro emoldurdo com peril especíico. entre 20 30mm. A vedção é eectud trvés de peris em EPDM. VEC - com vidro coldo, enchimento entre 24 28mm de espessur. Integr um peril especíico pr empens cegs que pode receber vidro simples entre 6 e 10mm. A colgem dos vidros é relizd por um processo homologdo em instituições devidmente hbilitds. Ambs s soluções poderão utilizr qudros projectntes de bertur à itlin com pesos máximos té 100Kg por olh. A montgem do sistem é exclusivmente no modo MM. Solução VEC Elegnce 52 Roo Solução de Cobertur SISTEMA DE FACHADA Solução de cobertur com jnel integrd com certiicção de desenumgem, termicmente melhord com peris interclres, permitindo enchimento máximo de 50mm. Integr peris especíicos de cobertur e cessórios ntiretenção de águs pluviis, bem como peris que permitem um perto com vedntes de selgem especil, vedntes em EPDM e prusos em ço inox. A solução permite tmbém um bertur especil, Elegnce 52 Window Roo: trt-se de um cixilho termicmente melhordo que permite enchimentos té 36mm de espessur totl. O sistem de drengem do cixilho está pereitmente integrdo com o sistem de drengem d chd. O sistem de drengem d cobertur é eectudo pelo princípio d drengem em csct. Permebilidde o Ar Estnquidde à Águ Resistênci o Vento Trnsmissão Térmic Insonorizção Elegnce 52 Roo Permebilidde o Ar 1485x1700(rel.PX03083AE) Estnquidde à Águ 1485x1700(rel.PX03083AE) Resistênci o Vento 1485x1700(rel.PX03083AE) Desenumgem nturl e ventild 1200x1200 LxH (rel, Fires-JR NRE) Impcto 1485x1700(rel.PX03083AE) A4 R7 300P 2,6t 3,1t 2,8m 3,7m 43 (-1;-5)dB Elegnce 52 Roo Window A4 R P RE1000,SL400T (-16),WL1500,B300 Clsse 3 SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 11

12 Elegnce 52 GT SISTEMA DE FACHADA É um solução de chd, que li simplicidde visul de um chd de vidro estruturlmente coldo e um tecnologi construtiv com o processo mis limpo, de montgem mis rápid, independente de certiicção por terceiros e, que conere mis lexibilidde n construção. De design dierencido, enqudrdo n vist gerl do sistem Elegnce 52, com s sus linhs rects, está vocciondo pr projectos de rquitectur de grnde modernidde e vlor crescentdo. Os pinéis de vidro presentm-se seprdos d estrutur principl d chd, sendo ixos com um sistem perimetrl independente de qudro pr qudro. Elegnce 72 Solução Modulr SISTEMA DE FACHADA É um sistem de chd unitizdo que combin os beneícios do controlo de produção em ábric com rpidez d instlção em obr. As uniddes modulres são bricds, incluindo s uniddes de vedção, em condições de oicin, onde qulidde pode ser rigorosmente controld. Os entlhes de ixção são incorpordos no perímetro, ssegurndo cilidde de mnusemento durnte o trnsporte e descrg n obr. A colocção dos pinéis modulres exige menos tempo que construção de um sistem de chd trdicionl e, pr s instlções em que não sej possível ou prático utilizr ndimes, podem ser utilizds grus pr colocr os pinéis em posição, de orm rápid, eiciente e, cim de tudo, segur. Com Elegnce 72 pode incorporr jnels e ports d gm Sp Building System, bem como dos sistems Elegnce 52 e energi otovoltic, trvés do nosso sistem BIPV, presentndo ssim um solução de chd complet pr qulquer tipo ou estilo de ediício. O sistem existe em lumínio com vidro exterior coldo ou grdo. A escolh de trmo horizontl ou verticl tmbém z prte d oert. Protecção Solr SISTEMA DE PROTECÇÃO Sistem de lâmins ixs em lumínio extrudido, vocciondo pr protecção solr e sombremento de chds. Estão disponíveis lâmins de vrids dimensões: - Elipsoidl: 120, 300, 420 e 600mm - Box: 190mm - Bow: 190mm - Wing: 160, 200, 210, 250mm

13 Ventilção e Revestimento SISTEMA DE REVESTIMENTO Sistem de lâmins ixs pr ventilção e revestimento de ediícios, controlndo o luxo de r e águ no interior dos espços. Lâmins em lumínio extrudido, de plicção cilitd, grçs à geometri de clipgem, podendo ser reorçd com ixção de prusos. PZ Lâmins Fixs, Móveis, Hrmónio e Suspens SISTEMA DE PORTADAS Lâmins Fixs Lâmins Móveis Hrmónio Suspenss O sistem PZ é um conjunto de soluções de portds que responde um número vsto de necessiddes. O sistem divide-se em qutro grndes soluções: lâmins ixs, lâmins orientáveis, portds em hrmónio e portds de correr suspenss. O módulo principl corresponde o sistem bse que contempl um grnde vriedde de plicções e um estétic grdável em portds com lâmins ixs ou móveis. Pel simplicidde de mnusemento é conselhável pr plicção em lugres públicos ou privdos, tis como: escols, recintos desportivos, css ou prtmentos, etc. SI SISTEMA DE GILHOTINA É um sistem vocciondo pr construção de jnels destinds à rebilitção ou projectos de rquitectur modern, com recurso situções trdicionis. Permite relizr tipologis de dus olhs que podem ser ixs, móveis e móveis bsculntes. A plicção de mols compensdors permite ind um utilizção conortável n unção de guilhotin. Como principis vntgens s olhs movimentmse verticlmente com possibilidde de poderem bsculr, permitindo ssim um melhor e mis cómod limpez (desde o interior) e um ventilção ssegurd. 4mm 20mm Permebilidde o Ar Clsse 2 Estnquidde à Águ Clsse 3A Resistênci o Vento Clsse C5 =7,7W/m 2 K =4,3W/m 2 K* Comportmento cústico RW=28dB(-1,-2) Not: Resultdos obtidos em ensios em orgnismo notiicdo nº1239, reltório nº25324, nº25325, nº25736 e nº Cixilho com 1000x2000(LxH) * g =3,0W/m 2 K SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 13

14 Elegnce 52 BIPV SISTEMA DE FACHADA FOTOVOLTAICA O sistem de energi otovoltic integrdo em chd (BIPV*) é um excelente opção pr grntir produção de energi eléctric sem necessitr d colocção de elementos extr projecto, utilizndo inversor e contdor pr ligção à rede de energi. A integrção é pereit com utilizção de pinéis otovolticos vidro/vidro com céluls interiores. Apresentmos um vst gm de céluls que podem ser combinds e ligds, dptndo-se qulquer requisito que um projecto poss ter. Pr lém d produção de energi, s céluls grntem o sombremento interior de cordo com o projecto de gestão de luminosidde que Sp pode disponibilizr. Pinel Opco Pinel Fino Trnsprente Pinel Trnsprente *BIPV - Building Integrded Photovoltic Sistems Resistentes o Fogo SOLÇÕES DE PROTECÇÃO E SEGRANÇA Solução de Port A gm de produtos d Sp Building System contém brreirs cort-ogo que incluem ports, jnels de serviço, predes com ports, ports utomátics de correr e tmbém chds e coberturs em clsses resistentes o ogo, de cordo com o tipo, desde EW 15 EW 120 e EI 15 EI 120, incluindo vrintes de estnquidde o umo. Devido às proprieddes únics do lumínio pouco peso, pequens dimensões, durbilidde e resistênci à corrosão e elegânci s brreirs cort-ogo são solução idel pr todos os projectos, incluindo os de concepção especil. Solução de Divisóri INTEGRIDADE AO FOGO E ISOLAMENTO-EI EI 15 EI 30 EI45 EI 60 EI 90 EI 120 Divisóri Ports Ports utomátics de Correr Fchds * Coberturs *do ldo exterior Sistems Resistentes à Explosão SOLÇÕES DE PROTECÇÃO E SEGRANÇA Solução de Fchd Solução de Jnel O sistem Powerrme consiste num gm de jnels, ports e chds que oerecem protecção n eventulidde de explosões. Concebido especiicmente pr este im, o sistem tir o máximo prtido d cção de membrn do vidro lmindo e su cpcidde de trnsmitir em segurnç crgs complexs o perímetro trvés dos ros. As cixs do vidro com 30 mm de proundidde grntem ixção do mesmo o ro, crindo um brreir segur pr s pessos ou bens no interior do ediício. ANTI-EXPLOSÃO EXV25 Jnel Powerrme Port Powerrme 80 Door Elegnce 85 PF EXV19

15 Sistems Resistentes à Intrusão SOLÇÕES DE PROTECÇÃO E SEGRANÇA Os sistems desenvolvidos pel Sp Building System oerecem protecção de bens e pessos contr entrd não utorizd em ediícios. Concebidos desde o início pr stiszerem s norms em vigor, os produtos orm testdos por entiddes independentes reltivmente à resistênci entrds orçds, obtendo Clsse 3, segundo Norm ENV Sistems Resistentes à Bl SOLÇÕES DE PROTECÇÃO E SEGRANÇA Solução de Fchd Solução de Jnel O sistem Anti-Bl A92 BR oi especilmente desenvolvido pr oerecer soluções que dessem respost às exigêncis de segurnç em termos de jnels à prov de bl em ediícios de risco elevdo como bncos, embixds, etc. A série está em conormidde com norm EN e oi ensid de cordo com norm EN Elegnce 52 A 92 BR ANTI-BALA FB3 FB4 FB6 CONSTRÇÕES EM ALMÍNIO VIDRO* CALIBRE NBN EN 1522 NBN EN 1063 FB1B FB2B FB3B FB4B FB5B FB6B FB7B FBGS R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 G2.22 LR 9mm.357 Mgnum.44 Mgnum 5.56x x x51 Clibre 12 *Vidro, ensido de cordo com norm NBM EN 1063, pode ser plicdo e jnels ou outrs estruturs. Interpretção dos Resultdos dos Ensios pr Jnels e Ports Clssiicção d Permebilidde o Ar, segundo norm EN 1026: Resultdos: Interpretção: De Clsse 1 Clsse 4 A Clsse 1 é mis permeável e Clsse 4 é menos permeável. Clssiicção d Estnquidde à Águ, segundo norm EN 1027: Resultdos: Interpretção: De Clsse 1A Clsse 9A ou Clsse > 600P A Clsse 1A é menos estnque e Clsse 9A ou Clsse > 600P é mis estnque. Clssiicção do Coeiciente de Trnsmissão Térmic, segundo norm EN ISO :2008: Resultdos: Interpretção: = coeiciente de trnsmissão térmic do cixilho, consonte dimensão totl do vão (o vlor é expresso em W/m 2 K) = coeiciente de trnsmissão térmic do cixilho e do vidro, consonte dimensão totl do vão (o vlor é expresso em W/m 2 K) Qunto menor o vlor declrdo, mis eiciente é o desempenho térmico do cixilho (vlor sem vidro). Qunto menor o vlor declrdo, mis eiciente é o desempenho térmico do vão (cixilho + vidro). Clssiicção d Resistênci o Vento, segundo norm EN 12211: Resultdos: Interpretção: Nível mínimo: H/150 lexão De Clsse A1 Clsse A5 Nível intermédio: H/200 lexão De Clsse B1 Clsse B5 Nível máximo: H/300 lexão De Clsse C1 Clsse C5 A Clsse A1 é menos resistente e Clsse A5 é mis resistente. A Clsse B1 é menos resistente e Clsse B5 é mis resistente. A Clsse C1 é menos resistente e Clsse C5 é mis resistente. Clssiicção do Comportmento Acústico, segundo s norms EN ISO (ensio) e EN Anexo B (cálculo): Resultdos: Interpretção: R w = coeiciente de tenução cústic do cixilho e do vidro, consonte dimensão totl do vão; o vlor é expresso em db (decibel), deduzido dos eeitos C (ruído ros) e Ctr (ruído tráego) Qunto mior o vlor declrdo, mis eiciente é o comportmento cústico do vão (cixilho + vidro). SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA 15

16 PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLÇÕES SAPA Sp Building System Portugl Sintr Business Prk, Zon Industril d Abrunheir, Ediício 2, 1ºA Sintr - Portugl Tel./Phone: (+351) Fx: (+351) SETEMBRO 2013

PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLUÇÕES SAPA

PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLUÇÕES SAPA PORTFÓLIO DE SISTEMAS E SOLUÇÕES SAPA Os ediícios representam cerca de 40% do consumo de energia e 30% das emissões de CO, contribuindo de orma elevada para a Pegada Ecológica (Ecological Footprint)*.

Leia mais

PORTEFÓLIO Sistemas e Soluções

PORTEFÓLIO Sistemas e Soluções PORTEFÓLIO Sistemas e Soluções PORTEFÓLIO Sistemas e Soluções Sabia que as janelas de má qualidade são responsáveis até 30% das necessidades de aquecimento de uma casa? Uma das medidas mais eficazes a

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-8

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-8 Construção de vrnds e terrços Vrintes 1-8 Construção de vrnds e de terrços Estrutur de construção 1 Construção de pvimentos com Schlüter -DITRA 25 Conjunto impermeável Descoplmento conjunto Compensção

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ONDULADA. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ONDULADA www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernndes Coelho, 85-8º nd. - São Pulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Verstilidde e resistênci tod prov. A telh Onduld é um produto de grnde

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PRÂMETRO DESCRIÇÃO IMGEM SÍNTESE FUNCIONL VILL SVOYE LOCLIZ-SE CERC DE 30 KM NOROESTE DE PRIS, NOS SUBÚRBIOS D PEQUEN CIDDE DE POISSY. ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO,

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO

PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO TRAÇAR CÁLCULO, LDA. ENGENHARIA / URBANIZAÇÕES / PROJECTOS Ru Mrquês de Pombl, Lote B, R/Chão Dto.º, 2775 265 Prede, Telefone: 21-4587500 PROJECTO DE ISOLAMENTO SONORO CLIENTE: António Miguel Gueifão Crvo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2012

TABELA DE PREÇOS 2012 TABELA DE PREÇOS 01 PORTAS SECCIONADAS Residenciis FRAME GROOVE WHITE FLAT WOOD WOOD FLAT SLIDE DOOR Industriis BIG BIG ICE BIG ALU AUTOMATISMOS PARA PORTAS SECCIONADAS PROL BRAVO SLIDE BARMOR ELLARD LIFT

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO

ESPECIALISTAS. Sistemas de segurança avançados para espaços confinados DOS MUNDIAIS NA PROTECÇÃO ANTIQUEDA E SALVAMENTO SISTEMAS DE ELEVAÇÃO Sistems de segurnç vnçdos pr espços confindos SISTEMAS DE ELEVAÇÃO AVANÇADOS SISTEMA ANTIQUEDA PORTÁTIL SISTEMA DE CONTRAPESO CÁPSULA DE TANQUE E SISTEMA DE ENTRADA LATERAL ELEVAÇÃO COM PÓLOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo GEO046 Geoísic Aul n o 09 MÉTODOS ELÉTRICOS Polrizção induzid e potencil espontâneo enômeno observdo Após interrupção de um corrente elétric contínu, observse que o potencil elétrico não deci instntnemente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

ETUSC 01/20 A01 LEGENDA: 2- FONTE 4- A- QUARTEL DA TROPA B- CASA DO COMANDANTE 5- CASA DA PALAMENTA 6- BATERIA 8- CISTERNA 10- CASA DA GUARDA

ETUSC 01/20 A01 LEGENDA: 2- FONTE 4- A- QUARTEL DA TROPA B- CASA DO COMANDANTE 5- CASA DA PALAMENTA 6- BATERIA 8- CISTERNA 10- CASA DA GUARDA LEGEND: 1- NOVO PIOL D PÓLVOR 2- FONTE 3- NTIGO PIOL D PÓLVOR 4- - B- CS DO COMNDNTE 5- CS D PLMENT 6- BTERI 7- CS DOS MOÇOS I 8- CISTERN 9- CS DOS MOÇOS II 10- CS D GURD 11- RMZÉM D PRI 9 8 6 10 7 5 3

Leia mais

Elegance. Sistemas de fachada. Sapa Building System

Elegance. Sistemas de fachada. Sapa Building System Elegance Sistemas de fachada Sapa Building System Elegance 52 é um sistema de fachada abrangente que associa a tecnologia e o design às exigências dos projectos de construção contemporâneos. Todos os

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ARTE DESPERTAR MARCA ARTE DESPERTAR VERSÃO PREFERENCIAL A mrc é compost pelo símbolo e pelo logotipo Arte Despertr. Ambos devem ser utilizdos n disposição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS GRAN VIALE ARTICULADO A001 - COMP.CAIXA DE RODA E PARA-PEDRA - DIANTEIRO PARA-PEDRAS TRASEIRO FRENTE RODADO A-001

CATÁLOGO TÉCNICO DE PEÇAS GRAN VIALE ARTICULADO A001 - COMP.CAIXA DE RODA E PARA-PEDRA - DIANTEIRO PARA-PEDRAS TRASEIRO FRENTE RODADO A-001 0 - COMP.CIX DE ROD E PR-PEDR - DINTEIRO GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 CONJUNTO CIX DE RODS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 PR-PEDRS GV_RT0 REFORÇO

Leia mais

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos Fich Técnic 01 COBERTURAS Nomencltur 1 Pendente 2 Cumeeir 3 Rincão 4 Tcniç 5 Lró 6 Bordo lterl de empen 7 Alpendre 8 Beir 8b Beirdo 9 Empen 10 Linh de máxim pendente Tipos Telhdo de um águ Telhdo de qutro

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Elegance. Sistemas de fachada. Sapa Building System

Elegance. Sistemas de fachada. Sapa Building System Elegance Sistemas de fachada Sapa Building System Elegance é um sistema de fachada abrangente que associa a tecnologia e o design às exigências dos projectos de design e construção contemporâneos. Um sistema

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Answers for industry.

Gerenciamento de Energia. Answers for industry. Gerencimento de Energi Answers for industry. Gerencimento de Energi Reduzindo os custos opercionis... Identifique dispositivos com elevdo consumo de energi pr implementr medids energétics eficzes. Ofereç

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Systems Technology

Tecnologia de Sistemas Systems Technology Tecnologia de Sistemas Systems Technology KIT OSCILO BTENTE 1 FOLH OSCILO BTENTE Compassos : 370 a 600 B : 600 a 1300 Câmara Europeia Módulo normal Câmara Europeia Módulo tradição 11247 Mecanismo base

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0

ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O - A G O S T O 2 0 1 0 C A D E R N O T É C N I C O C O M P R E Ç Á R I O A G O S T O 0 0 AGOSTO.00 ATENUADORES DE SOM ATENUAÇÃO ACÚSTICA EM SISTEMAS CENTRALIZADOS DE AVAC ( ) CASA DA MÚSICA * A IMPORTÂNCIA DO SILÊNCIO ( ) *

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico

T E L H A S M E T Á L I C A S. Catálogo Técnico T E L H A S M E T Á L I C A S Ctálogo Ténio T E L H A S M E T Á L I C A S Visndo ofereer informções e orientções pr o melhor proveitmento dos produtos d Linh Metáli, Eternit elorou este tálogo ténio. Nele

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL, uma linha de estética simples e limpa linha de janelas Technal, oferece uma excelente relação entre o desempenho técnico e o valor do investimento.

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais